Grupo GEN lança ‘Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem


Grupo GEN lança 'Sala de aula invertida - uma metodologia ativa de aprendizagem'. Autores apresentam conceito de ensino em que estudante é o protagonista.Autores apresentam conceito de ensino em que estudante é o protagonista

Grupo GEN lança ‘Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem’. Autores apresentam conceito de ensino em que estudante é o protagonista.

Estudiosos da área de educação defendem há décadas que um outro tipo de ensino é possível, no qual o aluno é o protagonista e aprende de forma mais autônoma, com o apoio de tecnologias.

O GEN (Grupo Editorial Nacional), através da Editora LTC, lança no Brasil o livro ‘Sala de Aula Invertida – Uma Metodologia Ativa de Aprendizagem’, dos autores e criadores do método Jonathan Bergmann e Aron Sams, com tradução de Afonso Celso da Cunha.

A chamada “metodologia ativa” ou “sala de aula invertida” é uma forte tendência de ensino reconhecida e aplicada nas melhores universidades do mundo e que está chegando rapidamente às instituições brasileiras. Tudo começou quando os autores Jonathan Bergmann e Aaron Sams criaram o livro ‘Flip Your Classroom’, publicado inicialmente nos EUA e traduzido na Itália, França, Espanha, Dinamarca, México, China, Japão, Coreia do Sul, entre outros. E, agora, finalmente, a Editora LTC proporciona o privilégio ao leitor brasileiro de conhecer esta metodologia única e inovadora.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Jonathan Bergmann recebeu o Presidential Award for Excellence in Mathematics and Science Teaching, em 2002, e foi semifinalista no certame Teacher of the Year, no Estado do Colorado, em 2010. Atualmente, é facilitador em tecnologia de ponta da Joseph Sears School, em Illinois. Já Aaron Sams é educador desde 2000. Recebeu o Presidential Award for Excellence in Mathematics and Science Teaching, em 2009, e foi copresidente do Colorado Science Academic Standards. Tem bacharelado em Bioquímica e mestrado em Educação pela Biola University, nos Estados Unidos. Atualmente, é professor de Ciências em Woodland Park, no Colorado.


Você leu?: Brasileiros nascidos hoje terão dificuldade para respirar no futuro, diz estudo climático


Ao longo de gerações, o perfil e a forma de assimilar os conteúdos por parte dos estudantes foram se modificando completamente. E o conceito de “sala de aula” passa por transformações para continuar atendendo às necessidades e expectativas dos alunos. O processo educativo que se baseia na “sala de aula invertida” consiste na utilização de recursos atuais como áudio, vídeo, Internet e outras ferramentas interativas, que favorecem o empenho e a participação do estudante durante os ensinamentos. “O aluno estuda os conteúdos básicos antes da aula, com vídeos, textos, arquivos de áudio, games e outros recursos. O encontro presencial, em sala de aula, com o professor, passa a ser a oportunidade para esclarecer dúvidas, realizar atividades, trocarconhecimentos e fixar a aprendizagem”, explica a diretora do GEN Educação e doutora em educação Andrea Ramal.

Em ‘Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem’, esse conceito é explicado a partir de experiências realizadas pelos autores Jonathan Bergmann e Aaron Sams. Com a gravação de palestras para trabalhos de casa, eles perceberam que houve uma compreensão mais profunda por parte de seus estudantes, o que, segundo eles, nunca aconteceu com o sistema tradicional de ensino. Daí surgiu toda a concepção dessa nova proposta de aprendizagem e a estrutura da obra.

A metodologia também é reconhecida e utilizada por algumas das mais importantes instituições de ensino como o MIT (Massachusetts Institute of Technology), Universidade de Michigan e a Universidade de Harvard. O método é adotado ainda em escolas da Finlândia e vem sendo testado em países de alto desempenho em educação, como Singapura, Holanda e Canadá. “Em Harvard, por exemplo, nas classes de cálculo e álgebra, os alunos inscritos em aulas invertidas obtiveram ganhos de até 79% a mais na aprendizagem do que os que cursaram o ensino tradicional”, aponta Andrea Ramal.

Através do livro, o leitor terá acesso à evolução de uma pesquisa empreendida pelos autores, com os resultados positivos e negativos de toda essa experiência. O livro-texto apresenta muito mais do que um olhar filosófico; oferece a descrição e o passo a passo para implementar a “sala de aula invertida”. ‘Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem’ tem lançamento no dia 17 de março e estará disponível nas principais livrarias físicas e online de todo o país e, posteriormente, em versão e-book.

Ficha técnica: ‘Sala de aula invertida – uma metodologia ativa de aprendizagem’ (‘Flip your clasroom – reach every student in every class every day’) 

Autores: Jonathan Bergmann e Aaron Sams, com tradução de Afonso Celso da Cunha

Preço: R$35,00 (livro físico) e R$28,00 (e-book)

Mais informações: www.grupogen.com.br

 

Postado na categoria: Brasil, Comportamento, Educação - Palavras chave: , , , , , , ,

Leia também:

O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês
O agrotóxico que matou 50 milhões de abelhas em Santa Catarina em um só mês

A substância foi proibida em países como Vietnã, Uruguai e África do Sul

November 21, 2019, 12:37 pm
Encontro global no coração da Amazônia tenta adiar o fim do mundo
Encontro global no coração da Amazônia tenta adiar o fim do mundo

Na mitologia dos indígenas Yanomami, as borboletas saíram da borda do mundo para continuar a vida.

November 21, 2019, 12:19 pm
Mediocridade em um país de educação medíocre
Mediocridade em um país de educação medíocre

Certamente você não gosta de ser chamado de medíocre

November 14, 2019, 11:49 am
“Ouro negro”, capital do mal!
“Ouro negro”, capital do mal!

Como é de praxe acontecer no Brasil, estudos, pesquisas...

October 27, 2019, 12:33 pm
O que se descobriu até agora sobre o óleo no Nordeste
O que se descobriu até agora sobre o óleo no Nordeste

Enquanto o petróleo avança pelo litoral brasileiro

November 2, 2019, 1:00 pm
Os impactos da liberação da cana na Amazônia e no Pantanal
Os impactos da liberação da cana na Amazônia e no Pantanal

O governo federal revogou, na semana passada, um decreto de 2009 que estabelecia o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar

November 14, 2019, 11:15 am