Geir Campos – Poesia


Inventário
Geir CamposLiteratura,Poesia,Blog do Mesquita,Geir Campos
 
Esta epiderme há muitos muitos anos
me cobre: guarda algumas cicatrizes,
outras não lembra mais, e até mistura
uns caminhos da infância a outros de agora.
 
As unhas não direi que são as mesmas
com que o seio nutriz terei vincado:
são mais duras, mais feias e mais sujas
— pois nem sempre de amor e entrega foi
o chão em que plantei, colhi nem sempre.
 
Se os dentes não gastei, gastei meus olhos
entrevendo paisagens, vendo coisas,
cegando-me ante sésamos de sombra.
 
A alma apanhou demais e vai pejada,
mas vão leves as mãos cheias de nada.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia
Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia

É agora - na pura ausência das coisas

November 15, 2019, 8:00 pm
Atonio Gedeão - Memória sobre teus olhos - Poesia
Atonio Gedeão - Memória sobre teus olhos - Poesia

Seus grandes olhos imensos escorvam, impacientes...

November 1, 2019, 6:00 pm
René Descartes - Filosofia
René Descartes - Filosofia

Permanecerei obstinadamente apegado a esse pensamento Filosofia,Literatuta

November 9, 2019, 8:00 pm
Ezhequiel Queiróz - Paixão é um lobo - Poesia
Ezhequiel Queiróz - Paixão é um lobo - Poesia

Quando este grito, esta traça

October 31, 2019, 6:33 pm
Victor Hugo - Literatura
Victor Hugo - Literatura

O hipócrita é um paciente na dupla acepção da palavra

November 1, 2019, 6:16 pm
Vinicius de Moraes - Poema dos olhos da amada
Vinicius de Moraes - Poema dos olhos da amada

Que olhos os teus/Quanto mistério

October 25, 2019, 7:00 pm