Flora Figueiredo – Poesia

Você me adula, mordisca, me encabula


Casamentices
Flora FigueiredoBeijo,Toulouse Lautrec,1892,Pinturas,Blog do Mesquita

Gosto quando de manhã
você vem me beijar
cheirando a creme de barbear
e pasta de hortelã.
Você me adula, mordisca, me encabula.
Finjo um descaso e o desconcerto
pra você então chegar mais perto e me desatinar.
Num compasso de perfeita maestria,
inauguramos outra vez o dia
só para amar.

Pintura: Toulouse Lautrec – Beijo,1892


Você leu?: René Descartes – Os mortais são dominados por uma curiosidade


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Aristóteles - O motor não movido do mundo
Aristóteles - O motor não movido do mundo

O próprio tirano é escravo de sua ambição

November 13, 2019, 7:06 pm
Sêneca - Aprenda para que não pensem por você
Sêneca - Aprenda para que não pensem por você

Rir é correr risco de parecer tolo.

December 2, 2019, 7:29 pm
Alexandre O'neill - Há palavras que nos beijam - Poesia
Alexandre O'neill - Há palavras que nos beijam - Poesia

Palavras nuas que beijas

November 14, 2019, 7:00 pm
Fernando Pessoa - Estou cansado da inteligência - Poesia
Fernando Pessoa - Estou cansado da inteligência - Poesia

Mas só percebo um cansaço no fundo, como baixam na taça

November 27, 2019, 7:58 pm
Albert Camus - Mas só há um mundo
Albert Camus - Mas só há um mundo

A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra

November 29, 2019, 7:45 pm
Manoel Caixa D'Água - Se as noites envelhecessem - Poesia
Manoel Caixa D'Água - Se as noites envelhecessem - Poesia

A cidade sem porta, as ruas brancas de minha infância que não voltam mais.

December 7, 2019, 7:33 pm