• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

FHC: Dilma espanta ‘fantasmas’ da privatização

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A privatização dos aeroportos pode não ser o avanço aclamado pelo governo, com não é, também, necessariamente, a estagnação de mais um setor da economia, como argumentam setores sindicais, que ainda dizem que será mais um setor vital brasileiro que vai ficar sob o controle dos capitalistas privados.

O certo mesmo, e aí onde mora o perigo da ineficiência, é que a estatal Infraero participará das principais decisões por ser acionista relevante.
José Mesquita – Editor


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso levou à web um comentário sobre a primeira grande privatização da Era petista.

Em tom de desabafo, disse que a concessão de aeroportos à iniciativa privada “desmistifica essa questão”.

Desaparece de cena, segundo ele, a tese segundo a qual é “o demônio que privatiza”.

Ele celebra: “Tudo isso são fantasmas que estão desaparecendo, porque o Brasil está mais maduro.”

Sempre alvejado pelo PT por ter levado ao martelo a mineradora Vale e as companhias telefônicas, FHC comparou: “Quantas críticas eu ouvi de que o BNDES participava das provatizações. E agora? Continua participando. Tem que participar, para financiar.”

Prosseguiu: “Outras críticas, também no meu tempo: Ah, mas tem dinheiro dos fundos pensão [de empresas estatais]. Fundos de pensão são pra isso. São pra investir. E agora que as taxas de juros estão caindo, tem que investir mas. Não há nada de errado nisso.”[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

A manifestação de FHC foi veiculada no site ‘Observador Político’, vinculado ao instituto que leva seu nome.

Foi ecoado também na página que o ex-presidente mantém no Facebook.

De vidraça, FHC converteu-se em estilingue:
“Espero que, agora, os aeroportos comecem a funcionar. E que dê tempo de fazer tudo isso até a Copa.”

Ele realça o papel fiscalizador das agências regulatórias.

“Se as empresas que ganharam [os leilões de Brasília, Cumbica e Viracopos] não forem competentes vai ter problemas, mas tem as agências [para fiscalizar]”.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me