Fernando Pessoa – Versos na tarde


Vem sentar-te comigo, Lídia
Fernando Pessoa/Ricardo Reis ¹

Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos.)

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado,
Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassossegos grandes.

Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz,
Nem invejas que dão movimento demais aos olhos,
Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria,
E sempre iria ter ao mar.
Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o.


Você leu?: Artur da Távola – Soneto inascido


Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento —
Este momento em que sossegadamente não cremos em nada,
Pagãos inocentes da decadência.

Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois
Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova,
Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos
Nem fomos mais do que crianças.

E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim — à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço

¹ Fernando Antonio Nogueira Pessoa
* Lisboa, Portugal – 13 de Junho de 1888 d.C
+ Lisboa, Portugal – 30 de Novembro de 1935 d.C

->> biografia
->> aqui mais Fernando Pessoa no blog


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , ,

Leia também:

Alexander Pushkin - A minha biblioteca é o meu harém
Alexander Pushkin - A minha biblioteca é o meu harém

Os livros dão-me confiança pela sua disponibilidade

August 24, 2019, 7:25 pm
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia

Por vezes te sabia a terra, eu bebia

September 15, 2019, 9:00 pm
Agostinho da Silva - Ser diferente
Agostinho da Silva - Ser diferente

A única salvação do que é diferente é ser diferente até o fim

August 29, 2019, 7:31 pm
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia

Já em seu Tratado Teológico Político, anterior à Ética

September 9, 2019, 11:55 am
Freud - A avaliação de uma civilização
Freud - A avaliação de uma civilização

Quando já se viveu por muito tempo numa civilização

August 27, 2019, 7:01 pm
Poesia - Eu te amo
Poesia - Eu te amo

...desta palavra eu sei todo o peso.

September 16, 2019, 6:30 pm