Fatos & Fotos – 20/07/2021 – Josef Bezos-Davati-Vacinas-Omar Aziz-Ballet-Rmbrandt

A realidade, questão de tempo e lugar, haverá de esgarçar seus sonhos.

Na noite desta terça-feira Swans For Relief – Ingrid Silva Dance Theater of Harlem, USA


Rembrandt,Danaë sd


Boa noite
Poema do Silêncio
José Régio

Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
Atirei frases em volta.
Cego de angústia e de revolta.Foi em meu nome que fiz,
A carvão, a sangue, a giz,
Sátiras e epigramas nas paredes
Que não vi serem necessárias e vós vedes.Foi quando compreendi
Que nada me dariam do infinito que pedi,
– Que ergui mais alto o meu grito
E pedi mais infinito!Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
Eis a razão das épi trági-cómicas empresas
Que, sem rumo,
Levantei com sarcasmo, sonho, fumo…O que buscava
Era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais. ânsias de Altura e Abismo,
Tinham raízes banalíssimas de egoísmo.Que só por me ser vedado
Sair deste meu ser formal e condenado,
Erigi contra os céus o meu imenso Engano
De tentar o ultra-humano, eu que sou tão humano!

Senhor meu Deus em que não creio!
Nu a teus pés, abro o meu seio
Procurei fugir de mim,
Mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
Sofro por este chão que aos pés se me pegou,
Sofro por não poder fugir.
Sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que não creio, porque és minha criação!
(Deus, para mim, sou eu chegado à perfeição…)
Senhor dá-me o poder de estar calado,
Quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
Nunca os usei nem usarei,
Se nada do que levo a efeito vale,
Que eu me não mova! que eu não fale!

Ah! também sei que, trabalhando só por mim,
Era por um de nós. E assim,
Neste meu vão assalto a nem sei que felicidade,
Lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalómano é maior
Do que a própria imensa dor
De compreender como é egoísta
A minha máxima conquista…

Senhor! que nunca mais meus versos ávidos e impuros
Me rasguem! e meus lábios cerrarão como dois muros,
E o meu Silêncio, como incenso, atingir-te-á,
E sobre mim de novo descerá…

Sim, descerá da tua mão compadecida,
Meu Deus em que não creio! e porá fim à minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
Saciarão a minha fome.

José Régio, in ‘As Encruzilhadas de Deus’


Ignorando a lista tríplice, Bolsonaro decide reconduzir Aras na PGR. O procurador é tido como o novo engavetador geral da República, pois nenhum pedido de apuração dos crimes de Bolsonaro caminha sob sua gestão. Uma mão lava a outra!


“Não sei se ele se acovardou”, diz Miranda sobre depoimento do irmão. Deputado também acusou ministro da Justiça de politizar pedido de inquérito contra ele por disputar mesmo eleitorado do DF.

O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou, nesta terça-feira (20/7), que o pedido feito pelo ministro da Justiça, Anderson Torres, para que o Supremo Tribunal Federal (SFT) autorize abertura de investigação contra o parlamentar é uma “tentativa de calar as testemunhas”.

A justificativa de Torres é que o congressista teria cometido “denunciação caluniosa” ao acusar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de prevaricação por, supostamente, não ter dado prosseguimento às denúncias de supostas irregularidades na aquisição da Covaxin pelo Ministério da Saúde.

“É uma tentativa de me intimidar mais uma vez, nas vésperas do meu depoimento, de tentar calar a testemunha. A imprensa sabe que eu tenho todas as provas que eles de certa forma conseguiram calar meu irmão, não sei se meu irmão se acovardou ou se de fato ele não tem [as provas], mas eu tenho todas, porque ele encaminhou para mim, entendeu? E agora eles passam por cima de mim e, como sempre, tentam calar as testemunhas e ninguém faz nada. Todo mundo assiste a isso de camarote”, afirmou.


Hans Dahl( 1849-1937, Norvegian Painter)


O Brasil anda tão doidão que nos convidam a nos alinhar com os milicos contra a extrema direita. Tou fora! Lugar de milico é no quartel, na guerra ou em ações humanitárias qdo. convocados por civis. Em política, milicos sao esbirros de reaças, e reaças, esbirros de milicos.


Peder Mork Mönsted
Crianças brincando no jardim de uma fazenda,
Óleo sobre tela – 44 x 65 cm – 1924


Ministério da Saúde comprou máscaras 30% mais caras do que o valor de mercado

Se o valor de mercado fosse aplicado à compra, a pasta teria pago US$ 14,8 milhões a menos.

O Ministério da Saúde comprou máscaras do tipo KN95 em abril do ano passado a um valor 29% superior ao que foi pago por uma empresa privada na mesma época, do mesmo importador e do mesmo fornecedor. A informação é da coluna de Thiago Herdy, no UOL.

A compra das 40 milhões de máscaras, que foram distribuídas a profissionais na linha de frente de enfrentamento da Covid-19, custou US$ 66 milhões. Se o valor mais baixo fosse aplicado, a pasta teria pagado US$ 51,2 milhões, uma diferença de US$ 14,8 milhões.

De acordo com contrato assinado com a 356 Distribuidora, Importadora e Exportadora, representante no Brasil da empresa de Hong Kong Global Base Development HK Limited, cada máscara custou US$ 1,65.


Bilionário Jeff Bezos decola em sua 1º viagem espacial. bit.ly/3zeqwuw


Vincent van Gogh
Edge of a Wheatfield with Poppies, 1887


Delphin Enjolras (1857-1945),Sadness sd


Governadores e prefeitos foram alvos de assédio da Davati por vacinas.

A CPI do Genocídio obteve mensagens telefônicas, que mostram que Cristiano Carvalho e Luiz Dominghetti tentaram vender imunizantes da AstraZeneca e da Janssen para estados e prefeituras.

De acordo com reportagem da CNN Brasil, os diálogos mencionam nomes de políticos e parceiros que os ajudariam a chegar a encarregados pela compra de vacinas nos governos federal e locais.
Em um desses diálogos, Dominghetti afirmou a Carvalho que “diversas propostas” foram enviadas aos “consórcios de governadores e demais estados e municípios”.

Em mensagem de voz, o CEO da Davati disse: “Domingheti, bom dia, tudo bem? Eu falei com Dias do ministério. Eu preciso da carta de órgão governamental. O Rafa já enviou para ele, para dar prosseguimento. Sem ter absolutamente nada da intenção de compra do governo, eu não consigo dar prosseguimento. Então, é isso que está faltando. O Rafa já fez o documento. Mas eu fico à disposição, o que está faltando é isso”.


Escultura de Hélène Bertaux – Psyché sd


Vivemos sob um desgoverno. Vemos toda a cúpula de um ministério tão relevante quanto o da Saúde, especialmente durante uma pandemia, negociando vacina com uma empresa fantasma, que vende imunizante fantasma, com representantes fantasmas – com propina no meio. Um caos.


Terry Turrell,Fee in the Garden, 2017


Médico que vendia ‘kit covid‘ com cloroquina vai a julgamento e se declara culpado, nos EUA. Caso seja condenado, pode pegar até 20 anos de prisão. Enquanto isso, no Brasil, presidente cagão gastou uma fortuna de dinheiro público na fabricação e compra do produto ineficaz.


Raoul Dufy,Palm Trees At Martigues,1910


Embalando essa manhã de terça-feira Dmitri Shostakovich: Waltz No. 2 – Carion Wind Quintet



Governadores e prefeitos foram alvos de assédio da Davati por vacinas.

CPI do Genocídio obteve mensagens telefônicas que mostram que Cristiano Carvalho, CEO da Davati no Brasil, e o policial militar Luiz Dominghetti, que presta serviços para a empresa, tentaram vender vacinas da AstraZeneca e da Janssen para governadores e prefeitos.

De acordo com reportagem da CNN Brasil, os diálogos mencionam nomes de políticos e parceiros que os ajudariam a chegar a encarregados pela compra de vacinas nos governos federal e locais.
Em um desses diálogos, Dominghetti afirmou a Carvalho que “diversas propostas” foram enviadas aos “consórcios de governadores e demais estados e municípios”.

Em mensagem de voz, o CEO da Davati disse: “Domingheti, bom dia, tudo bem? Eu falei com Dias do ministério. Eu preciso da carta de órgão governamental. O Rafa já enviou para ele, para dar prosseguimento. Sem ter absolutamente nada da intenção de compra do governo, eu não consigo dar prosseguimento. Então, é isso que está faltando. O Rafa já fez o documento. Mas eu fico à disposição, o que está faltando é isso”.


Foto do dia – DDZPhoto

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby


Bolsonaro possui “gabinete de assassinos”, Omar Azim diz presidente da CPI

“Não é gabinete do ódio só não, é o gabinete dos assassinos. Esse gabinete fez muita gente ir à morte, são assassinos. O ódio deixa mal quem tá com ódio e quem recebe o ódio. Um gabinete que propaga uma medicação não comprovada, é assassino”, disse o presidente da CPI da Covid, Omar Aziz.

O presidente da CPI desafiou Bolsonaro no Fórum Onze e Meia: “Venha presidente, eu tô pronto, venha, mas venha debater, não me intimide, ninguém vai me intimidar porque a verdade vai prevalecer”. Para Aziz, no início, a CPI da Covid contava com uma desconfiança muito grande da população. “Ah, é mais uma CPI, isso não vai dar em nada, vai dar em pizza. No seu desenrolar ela passa a ter uma audiência muito grande nos meios de comunicação, pois era o contraponto que faltava, porque tinha um cara no Brasil que era o absoluto no cercadinho”, diz se referindo ao presidente Jair Bolsonaro. “Aquilo que ele falava virava lei no país, ninguém podia se contrapor, se alguma jornalista se contrapunha a ele, ele chamava de anta, quadrúpede, os adjetivos que o presidente usa e ainda abre a boca pra dizer que é cristão”, disse. Aziz lembrou ainda que “o chefe da Nação é superficial em tudo, não tem absolutamente nada que ele conheça ou tenha estudado em profundidade. É um acaso e esse acaso está custando 540 mil vidas perdidas. E vamos chegar a muito mais, infelizmente.


Cerâmica de Phillippe Pousset


CPI da Covid analisa quase 2 mil provas e planeja linhas de investigação
Os crimes identificados pela CPI da Pandemia deverão orientar os próximos depoimentos com o retorno das sessões.

A CPI da Covid tem quase 2 mil documentos para analisar e investigar. Neles, além dos já casos expostos de relações de empresas terceiras, denúncias de propinas, paraíso fiscal, trânsito de militares e grupos de ultra-direita nas negociações, personagens do governo são citados.

Ricardo Barros (PP-PR), ex-ministro da Saúde na gestão Temer e atual lider do governo na Câmara, é um deles (leia aqui). Mas também está na lista o ex-ministro de Jair Bolsonaro, general Eduardo Pazuello, e mais 12 pessoas investigadas.

Todos eles são figuras suspeitas nas ações e omissões do governo federal em meio à pandemia no país, desde o atraso, superfaturamento e omissão na compra de vacinas, o uso e aquisição de medicamentos sem comprovação de eficácia, a crise da falta de oxigênio em Manaus e as negociações de insumos, com indícios de corrupção, envolvendo empresas terceiras.

Em cada um dos 27 depoimentos ouvidos pelos senadores, as testemunhas e investigados entregaram documentos oficiais, email, correspondências, troca de mensagens, despachos, cronologias de decisões e uma série de anexos que estão sob análise dos parlamentares.

Há também investigações paralelamente ocorrendo pela Polícia Federal, Tribunal de Contas da União e Controladoria-Geral da União (CGU), com a produção de mais documentos em sigilo, mas que foram compartilhados com os senadores.

Por isso, durante estas duas semanas em que a Câmara e o Senado não terão sessões, a CPI da Pandemia prometeu não parar, mas na impossibilidade de seguir com os depoimentos, usará estes dias para analisar os quase 2 mil arquivos que podem orientar novas linhas de investigações. Os crimes identificados deverão orientar os próximos depoimentos com o retorno das sessões.


Charles Isaac Ginner.
Evening, Dieppe, 1911


A miséria de Bolsonaro: fila pra pegar ossos no açougue é marco histórico
O fato dispensa contextualização acadêmica. É miséria pura, aos olhos do mundo. A brincadeira custou caro.

Há dois dias uma notícia atingiu o Brasil no estômago. Uma fila com centenas de pessoas, em Cuiabá (MT), debaixo de sol inclemente, se formou para desesperadamente aguardar uma doação de ossos que iriam para o lixo de um grande açougue da cidade. O fato dispensa contextualização acadêmica. É miséria pura, aos olhos do mundo.

É uma fotografia que materializa os dados divulgados em abril deste ano, fruto de um estudo desenvolvido pelo Grupo de Pesquisa Alimento para Justiça, da Universidade Livre de Berlim, na Alemanha, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e com a Universidade de Brasília (UnB): 59,4% dos lares brasileiros apresentaram algum nível de insegurança alimentar.

125 milhões de seres humanos no Brasil, num universo total de 212 milhões de habitantes do país, não podem se alimentar adequadamente. Entre eles, 13%, ou seja, 27 milhões, vivem neste momento em miséria absoluta, sem nada, ao Deus dará, famintos, sem casa, sem água, sem coisa alguma.

Pegar osso é saída para frações de nossa população. Outros milhares se aglomeram nas portas de todos os supermercados clamando (muitas vezes agarrando pelo braço) por uma moeda ou para ganhar um saco de arroz. Estamos num umbral desesperador, falidos como nação, vivendo uma apatia que parece irreversível.


Paul Gervais (1859 – 1944)
The Folly of Titania,1897

Mais artigos