Fatos & Fotos – 16/07/2021

Sua zona de conforto, questão de tempo e lugar, haverá de esgarçar seus sonhos.

 

Se gritar…

O Presidente da República deve ser submetido a uma cirurgia em que ficará sedado. Mesmo assim, o vice-presidente Hamilton Mourão foi para Angola. Caso a cirurgia se confirme, quem será o chefe do Poder Executivo enquanto Bolsonaro estiver inconsciente?

O terceiro na linha sucessória é o presidente da Câmara, Arthur Lira. Ele teoricamente não pode assumir a presidência por ser investigado no STF. Sobra para Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

Muito tranquila a linha sucessória brasileira.


– Pazu, essa p*ca é sua, meu filho;
– Pera aí, presidente. Não era “braço forte, mão amiga”?;
– Não. Tô fora do Exército há mais de 30 anos;
Essa tu vai segurar sozinho.


Design – Luminária


Lembrando que Mario Frias substituiu Regina Duarte. Antes da atriz, ocupava o cargo Roberto Alvim, exonerado após um vídeo com trechos similares ao discurso de um nazista.


Fotografia de Claire Mallet


Georg Philipp Telemann – Lucretia na trilha sonora desta noite de sexta-feira


“É urgente decretar moratória ao desmatamento”, afirma cientista.

Líder do estudo pioneiro que mostrou que parte da Amazônia já emite mais carbono do que absorve diz que Brasil está na contramão do Acordo de Paris.Pesquisadora líder do estudo que ganhou os noticiários de todo mundo ao sugerir que partes da Amazônia já emitem mais carbono do que removem da atmosfera devido ao desmatamento e às mudanças climáticas, a coordenadora do Laboratório de Gases de Efeito Estufa do Inpe, Luciana Gatti, acredita que o cenário apontado no estudo ainda pode ser revertido. Em entrevista após a publicação da pesquisa na revista Nature, na última quarta-feira (14), ela comenta que é urgente não só fazer uma moratória do desmatamento, com política de desmatamento zero, como ainda ter grandes projetos de recuperação florestal nas áreas mais impactadas.


Paul Peel st sd


Boa noite.
Poema
Shakespeare

Assim que se olharam, amaram-se;
assim que se amaram, suspiraram;
assim que suspiraram, perguntaram-se um ao outro o motivo;
assim que descobriram o motivo, procuraram o remédio.


O vídeo da terceira via

“As imagens que exibem o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello negociando vacinas Coronavac pelo triplo do preço são um petardo político na pré-campanha presidencial de 2022”.

Gravadas em março, quatro dias antes de Pazuello deixar o governo, quatro meses depois o vídeo constitui uma peça sob medida para uma operação política urgente. Destroçar a reeleição de Jair Bolsonaro e abrir caminho para um personagem dos sonhos da burguesia brasileira – um concorrente novo em folha, derradeira esperança para enfrentar Lula, considerado imbatível pela unanimidade dos analistas políticos.

Do ponto de vista de quem não quer sofrer uma derrota em clima de tragédia no ano que vem, o primeiro passo é livrar-se de um candidato atingido por uma desmoralização irremediável, para dar lugar a um candidato com cara de anjo e passado maleável para 1001 utilidades.


Cores da Índia


Ex-doméstica escravizada por 38 anos ganha apartamento de patrão como indenização bit.ly/3eKTtGT



Até aqui temos:
– 2, possivelmente 3 grupos diferentes tentando comprar 400 milhões de doses imaginárias de AZ
– Covaxin acima do preço
– Sputnik acima do preço
– CoronaVac acima do preço
– Cansino mais cara ainda
Pra um governo antivacina, intermediários eram bem interessantes.


Georges Seurat,Le Chahut (1889-1890)


Pacheco acha “natural” a militarização do governo. Por Moisés Mendes

Rodrigo Pacheco é o novo nome que Globo, Folha e Estadão apresentam como possível candidato da terceira via para enfrentar Lula, pois todos os outros, sem potência eleitoral, falharam até agora. Não podemos esquecer que Pacheco (DEM-MG) engavetou a CPI do Genocídio, que só foi desengavetada por ordem do Supremo.
Pois leiam o que o preferido do momento acha da militarização do governo Bolsonaro, em entrevista a Bruno Boghossian e Renato Machado, na Folha: “Com a eleição do presidente Bolsonaro, cuja convivência é com militares, é natural que a composição de seu governo se dê por militares”.

Um político que ocupa a presidência do Senado e se apresenta como opção de “centro” ao próprio Bolsonaro consegue ser mais cuidadoso com os militares do que todos os outros candidatos que se dizem centristas.

A pergunta é esta: como um líder civil, em posição de destaque, admite, em meio às denúncias de envolvimento de uma dúzia de coronéis com os rolos das vacinas, que a presença de militares no governo é natural?

Pacheco consegue estar à direita de João Doria, Luiz Henrique Mandetta, Ciro Gomes, Eduardo Leite, João Amoedo, Sergio Moro (que está de novo em pré-campanha).

Essa declaração é uma tatuagem na testa de Pacheco, que terá de carregar a marca durante a campanha, se decidir mesmo concorrer.

Nem mesmo uma ressalva que fez logo adiante na entrevista atenua o que disse.


Arquitetura – Portas e JanelasArquitetura,Portas,Janelas,Design,Blog do Mesquita


Um general da ativa recebeu, fora da agenda, empresários oferecendo mediação para compra de vacinas da India. Como chegaram, quem apresentou, o que foi acertado, não se sabe. Espera-se uma Nota oficial do Alto Comando, exigindo explicações do general da ativa.


Média de mortes diárias por covid no Brasil ainda é maior do mundo e supera a de continentes inteiros.

Embora as médias móveis de casos e mortes por covid-19 estejam em queda, Brasil segue com números altíssimos em comparação com outros países que também sofreram muito ao longo da pandemia

Europa, África, América do Norte e Oceania têm atualmente médias móveis de mortes por covid-19 mais baixas que o Brasil.
Apesar da queda considerável nas estatísticas durante as últimas semanas, o número de óbitos por dia em nosso país segue muito alto e chega até a superar o que é registrado em continentes inteiros.
Além disso, o Brasil também ocupa, desde o dia 20 de junho, a primeira posição na média de novas mortes dos últimos sete dias em comparação com outras nações que também foram significativamente afetadas pelo coronavírus.
Covid: caso de idosa morta após infecção com 2 variantes diferentes surpreende médicos
Como Davati negociou vacinas Brasil afora sem aval de fabricantes
De acordo com a plataforma Our World In Data, da Universidade de Oxford (Reino Unido), o Brasil tem média móvel de 1.278 mil mortes por covid-19.




Embalando essa manhã de sexta-feira Vicente Amigo – Callejón de la Luna



Foto do dia – Fotografia de Salih Altuntaş

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby


Renato Guttuso,La strada sd



França multa Google em 3,1 bilhões de reais pelos direitos de autor dos conteúdos da mídia.O órgão que regula a concorrência no país sanciona a empresa por não negociar de boa-fé uma compensação para os meios de comunicação pelo uso de seu conteúdo noticioso.

A Autoridade da Concorrência da França impôs uma multa de 500 milhões de euros (cerca de 3,1 bilhões de reais) ao Google nesta terça-feira por não ter negociado de boa-fé uma compensação para os meios de comunicação pelo uso de seu conteúdo noticioso, o que é exigido pela legislação nacional. O órgão também ordenou à gigante norte-americana da internet que apresente uma oferta de remuneração aos editores e agências de notícias pelo uso de seus conteúdos protegidos, sob pena de ter de pagar 900.000 euros (5,6 milhões de reais) por cada dia de atraso.

“A multa de 500 milhões de euros leva em conta a gravidade excepcional das infracções constatadas e que o comportamento da Google resultou no atraso da boa aplicação da lei sobre os direitos conexos”, afirmou a presidenta da Autoridade da Concorrência, Isabelle de Silva, no comunicado em que anunciou a sanção.
Negociar de boa-fé
Uma lei francesa de 2019 exige que as plataformas da internet negociem de boa-fé com a mídia uma compensação pelo uso de seu conteúdo noticioso em seus mecanismos de busca, protegido pelos chamados direitos conexos. No entanto, a Autoridade da Concorrência concluiu, após uma profunda investigação, que o Google “não respeitou vários requisitos legais formulados em abril de 2020”.


Parte da Amazônia já atingiu
“ponto de virada”, sugere estudo

Cientistas do Inpe afirmam que mudança climática e desmatamento transformaram região sudeste da floresta em fonte de CO2, agravando o aquecimento global.
Pelo menos em uma parte da Amazônia, o pior pesadelo dos climatologistas parece já estar se confirmando. Um estudo publicado nesta quarta-feira (14) sugere que o desmatamento e as mudanças climáticas estão diminuindo a capacidade da floresta no sudeste amazônico, entre Pará e Mato Grosso, de absorver gás carbônico da atmosfera, transformando-a numa fonte de emissão de dióxido de carbono, o principal gás responsável pelo aumento do efeito estufa.

A possibilidade de a floresta tropical atingir um “ponto de virada”, ou “tipping point”, sofrer mortalidade em massa e passar a agravar o aquecimento da Terra em vez de amainá-lo foi estabelecida teoricamente nos anos 1990. Temia-se que o aquecimento global pudesse fazer isso em algum momento do futuro caso as emissões de gases de efeito estufa não fossem controladas.

O novo estudo, liderado por Luciana Gatti, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e publicado na revista científica Nature, indica que esse futuro já chegou. De acordo com a pesquisa, uma das funções mais nobres da maior floresta tropical do mundo, de retirar o CO2 da atmosfera e atuar como um freio ao processo de aquecimento global, hoje não condiz mais com a realidade.

O estudo aponta que, atualmente, a Amazônia emite – além do que consegue absorver – 0,19 bilhão de toneladas de carbono por ano para a atmosfera. Para chegar a essa conclusão, durante quase uma década (2010 a 2018) os pesquisadores analisaram dados de amostras do ar coletadas em cerca de 600 voos em diferentes altitudes de quatro áreas distintas da Amazônia. Assim, puderam acompanhar as mudanças nas concentrações de CO2 e relacioná-las com as diferentes taxas de queimadas e desmatamento em cada região, bem como com o aumento de temperatura.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me