Enriquecimento dos filhos de Roberto Marinho é o fenômeno empresarial mais surpreendente do país

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Um verdadeiro milagre para quem estava devendo 3,5 bilhões de dólares em 2002.

Há algo de errado — e muito errado, mesmo… — no discreto e surpreendente crescimento da fortuna dos proprietários das Organizações Globo.

Os irmãos Roberto Irineu, como presidente, e José Roberto e João Roberto Marinho, como vices (citados por ordem de idade, apesar de o mais importante hoje ser o mais jovem, João Roberto).

Segundo a revista americana Forbes e a agência Bloomberg, os três, juntos, já possuem algo em torno de 28,3 bilhões de dólares, uma quantia realmente fabulosa.

O mais incrível é que foi justamente a partir do primeiro governo Lula, em 2003, que os irmãos Marinho deram esse salto para o futuro, que os posiciona bem perto da 20ª colocação no ranking mundial dos mais ricos do mundo, hoje ocupada por Li Ka-Shing, chinês de Hong Kong, detentor de US$ 31 bilhões.

Mas quando Roberto Marinho morreu, em 2003, nem tudo eram flores. Pelo contrário, as Organizações Globo acumulavam uma dívida superior a 3,6 bilhões de dólares, segundo relatório da Price Waterhouse Coopers – Auditores Independentes, assinado por William J. N. Graham em 2002.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

BNDES DISSE NÃO

Em 2004, a situação ainda estava tão complicada que os filhos de Roberto Marinho contrataram a economista Maria Silvia Bastos Marques para negociar um empréstimo no BNDES, então dirigido por Carlos Lessa. A delegação da Globo (Maria Silvia e diretores) foi recebida pelo vice-presidente Darc Costa, que recusou liminarmente a possibilidade de financiar a Globo enquanto não houvesse uma linha de crédito que pudesse ser utilizada por quaisquer veículos de comunicação. Além disso, o Tribunal de Contas da União havia impedido o BNDES de dar qualquer novo financiamento às Organizações  Globo, enquanto não fosse resolvida a dívida pendente da Net com o banco estatal.

Ex-funcionário da Fundação Roberto Marinho, o escritor Roméro da Costa Machado revelou que no início de 2002 a astronômica dívida de US$ 3,583 bilhões era basicamente concentrada em três empresas do grupo (Globopar, Globo Cabo, Net Sat), representando cerca de 90% da dívida, na qual também aparecia, com cerca de 3% do total, a Editora Globo, de crônico e sistemático prejuízo.

O BNDES não socorreu, mas do governo Lula para cá, a situação milagrosamente se inverteu e as Organizações Globo tiveram espantosa recuperação, embora a audiência de sua TV aberta venha diminuindo progressivamente, o que representa uma contradição inexplicável.

Como se sabe, além da principal emissora de TV do país, o grupo controla jornais, revistas, rádios, gravadora de discos, editora de livros, produtora de filmes, canais pagos da Globosat (SporTV, Multishow, Futura, Playboy, Canal Brasil, Telecine e GloboNews, entre outros), além de participação em operadoras como a Net e Sky. Mas o forte do faturamento é mesmo a Rede Globo.

NÚMEROS NÃO BATEM

Segundo a agência americana Bloomberg, os três irmãos Marinho ocupam o segundo lugar no ranking mundial do setor de mídia, atrás apenas de David Thomson, sócio majoritário da Reuters, embora na lista das maiores corporações de mídia a Rede Globo ocupe apenas o 25º lugar. É um estranho paradoxo, não há dúvida. Ou essas estatísticas estão equivocadas, ou realmente há algo de errado com o megaenriquecimento dos filhos de Roberto Marinho, um fenômeno que merece apuração mais acurada.

Para se ter uma ideia, a fortuna deles, somada, já é duas vezes maior que a de Rupert Murdoch, o magnata australiano que comprou a Fox e o New York Post, e o triplo da riqueza de Silvio Berlusconi, que usou seu controle da mídia italiana para governar o país por quase vinte anos.

O sucesso dos irmãos Marinho é de fato surpreendente, porque a Rede Globo está em decadência. Apesar do número de televisores ter aumentado consideravelmente nos últimos anos, desde 2004 a audiência da Globo no horário nobre vem caindo. Há 10 anos, praticamente 60% dos domicílios com TV ligada sintonizavam a Globo durante esse horário. De lá para cá, a emissora perdeu 37% de sua audiência na faixa de 18h à 0h, de segunda a sexta-feira.

Se antes o canal atingia 38 pontos, hoje fica na marca dos 25, com baixos índices nas novelas das seis e sete. E o “Jornal Nacional” também sai perdendo. Em 2013, pelo segundo ano consecutivo, o JN ficou abaixo dos 30 pontos. A média em São Paulo, a principal praça do país, foi de apenas 26 pontos.

FATURAMENTO EM ALTA

No entanto, ao invés de diminuir, o faturamento da Globo cresce sem parar. No acumulado de 2012, as Organizações Globo dizem que lucraram 2,9 bilhões de reais — um aumento de 35,9% ante o resultado do ano anterior. Com audiência em baixa, foi um verdadeiro milagre. A receita líquida da empresa também avançou 32,4% em 2012, chegando a 12,6 bilhões de reais. E em 2013 o faturamento aumentou 13%, alcançando R$ 14,4 bilhões.

Nada mal para um império que foi construído por Roberto Marinho com apoio total da ditadura militar e que enriquece cada vez mais em plena democracia, mostrando a extraordinária capacidade de adaptação de seus três filhos, digamos assim.Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

José Mesquita

José Mesquita

Nasceu em Fortaleza,Ce. Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em Administração, Ciências da Computação e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. É consultor em Direito Digital. Participou de mais de 250 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Design Gráfico, já criou mais de 35 marcas, logotipos, logomarcas, e de livrosa de arte para empresas no Brasil e Exterior Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. Foi diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo da Ecola de Aviação Civil do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association - NAPP, Usa. É membro da Academia Fortalezense de Letras e Membro Honorário da Academia Cearense de Letras. Autor de três livros de poesias - e outros quatro ainda inéditos; uma peça de teatro; contos e artigos diversos para jornais; apresentações e prefácios de publicações institucionais; catálogos e textos publicitários. Ministra cursos gratuítos de Arte e de Computação Básica para crianças e adolescentes em centros comunitários de comunidades carentes na periferia das cidades.

Gostou? Deixe um comentário