Emily Dickinson – Poesia


Poema
Emily DickinsonLirio Negro,Fotografias,Flickr,Blog do Mesquita
 
Como disciplina,
Passa o lírio pelo solo negro;
Seu alvo rizoma não se abala
E sua fé nada teme.
Mais tarde, por entre a erva,
Balança a campânula de berilo;
A vida, entre torrões, esquecida agora,
Em êxtase e precipício.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Elisa Lucinda - Cor-respondência
Elisa Lucinda - Cor-respondência

de versos que nos bolinaram os dois

August 18, 2019, 6:00 pm
Maquiavel - Frase do dia
Maquiavel - Frase do dia

Uma mudança...

August 8, 2019, 12:53 pm
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer

Mentimos para Proteger o nosso Prazer A mentira é essencial à humanidade. Nela desempenha porventura um papel tão importante como a procura do prazer, e de resto é comandada por...

August 16, 2019, 11:00 am
Miguel Torga - Combater é uma diminuição
Miguel Torga - Combater é uma diminuição

Assim é que nada se salva

August 18, 2019, 7:09 pm
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância

O amor bem nutrido e excessivamente submisso logo nos enjoa e cansa

July 29, 2019, 4:28 pm
Manoel de Barros - Soberania
Manoel de Barros - Soberania

...mas o vento escorregava muito...

August 5, 2019, 8:00 pm