Eleições, comícios pesquisas e TV.

Não espero que não haja quem acredite no indecentemente argumento do “horário eleitoral gratuito”.

Gratuito nada. O valor equivalente ao tempo ocupado na TV é deduzido do imposto de renda das emissoras.

Nós, os bananas, é que pagamos como o nosso sofrido caraminguá o tempo para o desfile de “babosices eleitoreiras das nulidades candidatórias”, como diria o imortal Odorico Paraguassu, com a maior cara de pau prometendo o paraíso com todos os problemas resolvidos.
José Mesquita – Editor


Eleições, comícios, pesquisas e TV.

O Congresso e a Justiça Eleitoral fizeram uma reforma eleitoral fajuta, alegando que era preciso diminuir o custo das campanhas.

Na verdade, o que fizeram foi tomar do povo o pouco que seria gasto com ele e entregar as campanhas aos institutos de pesquisas, às televisões e às empresas de aluguel de automóveis.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Mataram os comícios e, com eles, acabaram com os cantores e bandas animadores de comícios, acabaram com os foguetes dos comícios, acabaram com as festas populares dos comícios, as quermesses dos comícios, as comidilhas dos comícios, as camisetas e bonés dos comícios.

E sobretudo acabaram com os discursos e apartes dos bêbados de comícios.

E concentraram as campanhas nas televisões, nas pesquisas compradas pelas televisões e nas carreatas de centenas de automóveis.

Ficou tudo mais caro, muitíssimo mais caro.

E sem que os candidatos tenham, como reunir o povo para falar com ele, discutir coisas e programas.
Sebastião Nery/Tribuna da Imprensa

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me