loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia

Eleições 2014: Crescem divergências entre PSB e Marina Silva segunda-feira, 9 de junho de 2014

PSBarina Silva,Eduardo Vampos,Eleições 2014,Blog do MesquitaVolto a repertir. São dois farsantes a serviço do Lula. O Collor pernambucano é Lula até aos subterrâneos de Hades, e essa “angelical” Sucuri amazônica é Petista até a última folha de uma palmeira de pupunha.
José Mesquita


O mau desempenho de Eduardo Campos nas pesquisas fez crescer no PSB o debate interno sobre as limitações que a parceria com Marina Silva e sua Rede impõem ao projeto presidencial da legenda. Além de discordar nos detalhes, os integrantes da coligação começam a se desentender no essencial.

No detalhe, o PSB contrariou Marina ao aprovar em São Paulo a aliança com o governador tucano Geraldo Alckmin. No essencial, os correligionários de Campos estão incomodados com a aversão da candidata a vice ao fechamento de acordos que poderiam aumentar o tempo de propaganda da coligação no rádio e na tevê.

Nesse ponto, o incômodo se alastra para outro partido que integra a caravana de Campos, o PPS. Presidente da legenda, o deputado Roberto Freire ecoa, em privado, a preocupação dos operadores do PSB com o nanismo eletrônico da candidatura, que dispõe, por ora, de pouco mais de dois minutos de propaganda.

Há uma semana, Freire teve uma conversa com Alckmin, cuja reeleição o PPS também apoia. Os dois conversaram sobre o interesse de Gilberto Kassab, do PSD, de tornar-se vice na chapa de Alckmin. Freire manifestou-se a favor, desde que Kassab desistisse de apoiar, no plano nacional, a reeleição de Dilma Rousseff.

Lero vai, lero vem Alckmin também revelou-se incomodado com a hipótese de associar-se a Kassab sem que ele se desvinculasse de Dilma. O governador tucano ainda não digeriu o fato de o atual vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, do PSD de Kassab, ter virado ministro de Dilma.

Freire enxergou na conversa com Alckmin uma oportunidade para alargar a coligação de Campos. Sugeriu ao presidenciável do PSB que tentasse atrair Kassab para o seu projeto. Para checar a disposição de Kassab, decidiu-se acionar o ex-senador catarinense Jorge Bornhausen, cujo filho, o deputado Paulo Bornhausen, é, hoje, presidente do diretório do PSB em Santa Catarina.

Em diálogo com Kassab, seu amigo desde o tempo em que ambos coabitavam o DEM, Bornhausen verificou que o mandachuva do PSD não soou 100% avesso à ideia de rever a promessa de apoiar Dilma. Conforme já noticiado aqui, em troca da garantia da posição de vice na chapa de Alckmin, Kassab admitiu pelo menos a hipótese de empurrar o seu partido para uma neutralidade na disputa federal.

Os aliados de Campos querem mais do que isso. Entre quatro paredes, a cúpula do PSB de São Paulo, que indicou o deputado Márcio França para o posto de segundo na chapa de Alckmin, se dispõe a abrir mão da posição se Kassab entregar o tempo de propaganda do PSD federal para Campos.

O problema é que o êxito eventual de uma articulação como essa provocaria um curto-circuito nas relações com Marina. Pode-se acusar a líder da Rede de tudo, menos de incoerência. Para Marina, a lógica eleitoral é como a gravidez: nenhuma mulher pode estar um pouquinho grávida, como não se pode defender uma política um pouco nova.

Numa entrevista que concedeu ao blog em outubro de 2013, logo depois de firmar a parceria com Eduardo Campos, Marina fixou os seus limites: “Não queremos subordinar essa visão de política de país à lógica de que é o ajuntamento de partidos para ter mais tempo de televisão que vai ser o determinante”, disse.

Sem meias palavras, Marina declarou que, “com certeza”, não admitiria uma aliança com Kassab (assista abaixo). Quer dizer: ninguém pode alegar agora que fechou um acordo com a ex-senadora no escuro. Ficou entendido desde o início que, se personagens como Kassab entrassem na coligação por uma porta, Maria poderia se retirar por outra, levando consigo o prestígio materializado nos 20 milhões de votos que amealhou na sucessão de 2010.

Pesquisa feita por um grande instituto a pedido do PSB revela que o volume de intenção de votos de Campos cresce na razão direta da associação do nome dele com o de Marina. É graças a essa perspectiva de crescimento que os correligionários de Campos ainda trazem na coleira suas opiniões sobre a estrela da chapa. Mas a harmonia, por artificial, é cada vez mais frágil.

Nesta segunda-feira, Marina estará em Belo Horizonte. Terá um encontro com a seção mineira da Rede, dará uma palestra e concederá entrevistas. Muito provavelmente, ela realçará mais uma divergência em relação ao PSB. Em Minas, como queria Marina, o partido de Campos distanciou-se do PSDB de Aécio Neves.

Diferentemente do que sucedeu em São Paulo, o PSB mineiro optou por lançar uma candidato próprio ao governo estadual. Porém, escolheu o deputado federal Júlio Delgado, velho aliado do tucanato, para encabeçar a chapa. Maria e sua Rede pegam em lanças por outro nome: o médico e ambientalista Apolo Heringer Lisboa.

Evocando os vínculos de Delgado com o PSDB mineiro, Apolo refere-se a ele como candidato “laranja”. Sustenta que a convenção estadual do PSB para a escolha do candidato a governador vem sendo organizada “de forma manipulada e viciada, bem aos padrões da velha política”, sem respeitar “a democracia interna e a ética.”
blog josias de Souza

Compartilhe a informação:

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

# # # # # # #

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil