• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Eleições 2010: na despedida Serra critica lero lero do Lula

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Nada melhor para Serra, no dia em que se despede do governo de São Paulo e assume oficiosamente sua (dele) candidatura à presidência da república, do que uma greve comandada pela CUT petista.

Ao contrário do que pensam, os “aloprados” das tropas do PT, ao infernizarem a vida dos paulistanos que estavam voltando pra casa após um dia dando duro, o movimento grevista dos professores contribui para angariar simpatias para o Serra.

O Editor


Em SP, ao se despedir, Serra critica bravatas de Lula

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Programado como ato administrativo, a “prestação de contas” de José Serra ganhou ares de comício.

O candidato tucano à sucessão de Lula injetou no discurso ataques ao presidente e ao governo petista.

Esquivou-se de mencionar o nome de seu alvo. Mas o endereço das frases, por indisfarçável, resultou claro.

“Já fui governo e já fui oposição, mas de um lado ou de outro, nunca me dei à frivolidade das bravatas“, disse Serra a certa altura.

“O nosso governo serve ao interesse público, e não à máquina partidária. Nós governamos para o povo”, vociferou mais adiante.

“Repudiamos sempre a espetacularização, a busca pela notícia fácil, o protagonismo sem substância”, vergastou noutro trecho.

Serra falou para uma plateia estimada entre 4 mil e 5 mil pessoas. Gente amistosa, como convém. Além de servidores, políticos do PSDB, DEM e PPS.

Parte da claque foi ao Palácio dos Bandeirantes, local da despedida, conduzida pelas rodas de 60 ônibus.

Quem pagou? Não havia catracas. Nenhum convidado levou a mão ao bolso. Portanto, é de supor que o contribuinte paulista custeou os aplausos.

As palmas soaram mais fortes no instante em que Serra declarou: “Vamos juntos que o Brasil pode mais”.

No pedaço do discurso em que empilhou os “feitos” de governador, Serra fez uma defesa do controle de gastos. “Austeridade não é mesquinharia”, disse.

Disse que, na composição dos cargos técnicos, privilegiou o currículo, não a indicação política. “Sempre tive aversão à tese do ‘dividir para governar”.

Mimetizando Lula, Serra declarou que, ao distribuir verbas, não olhou o partido do prefeito:

“No meu governo, nunca se olhou a cor da camisa partidária. Eu exerci o poder neste Estado sem discriminar ninguém”.

Serra falou também de um tema que não sai de moda, a corrupção: “Aqui não se cultivam escândalos, malfeitos ou roubalheiras”.

Soou como se desejasse dizer: “Essas são coisas mais encontradiças lá de Brasília”.

Enquanto o governador tucano se despedia em palácio, desfilava pela região da Avenida Paulista uma passeata de “bota-fora” para Serra. Foto/Sérgio Andrade

Coisa organizada por 40 entidades sindicais. A maioria delas filiada à CUT, o braço sindical do petismo.

Os manifestantes interditaram a via e hostilizaram jornalistas.

À frente do protesto, o sindicato dos professores de São Paulo. “Vilania”, no dizer de Serra.

Em resposta aos professores, de braços cruzados desde 8 de março, Serra disse: “Os professores e servidores irão ganhar mais segundo o seu próprio esforço”.

Serra declarou-se preparado para o novo desafio. Enrolou-se na bandeira de São Paulo, o maior colégio eleitoral do país.

Citou a inscrição latina que pendia do pavilhão até 1932: Non Ducor Duco (“Não sou conduzido, conduzo”).

E realçou a expressão que tremula na bandeira do Estado hoje: Pro Brasilia Fiant Eximia (“Pelo Brasil, façam-se as grandes coisas”).

Emendou: “Esta é também a nossa missão. Vamos juntos, o Brasil pode mais”.

Disse que vai à campanha, tratada no discurso como “nova etapa”, munido de “muita disposição, muita força, muita confiança, muita sinceridade e muito trabalho”.

A exemplo da Dilma Rousseff das últimas 48 horas –lançamento do PAC 2 e despida do ministério—, Serra embargou a voz.

Mas, como Dilma, não produziu senão um choro à Nardoni, sem lágrimas.

blog Josias de Souza

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me