Eduardo Alves da Costa – Não te renda jamais – Poesia

Procura acrescentar um côvado à tua altura.


Não te renda jamais
Eduardo Alves da CostaFotografia,Escadaria,BlogdoMesquita

Procura acrescentar um côvado
à tua altura. Que o mundo está
à míngua de valores
e um homem de estatura justifica
a existência de um milhão de pigmeus
a navegar na rota previsível
entre a impostura e a mesquinhez
dos filisteus. Ergue-te desse oceano
que dócil se derrama sobre a areia
e busca as profundezas, o tumulto
do sangue a irromper na veia
contra os diques do cinismo
e os rochedos de torpezas
que as nações antepõem a seus rebeldes.
Não te rendas jamais, nunca te entregues,
foge das redes, expande teu destino.
E caso fiques tão só que nem mesmo um cão
venha te lamber a mão,
atira-te contra as escarpas
de tua angústia e explode
em grito, em raiva, em pranto.
Porque desse teu gesto
há de nascer o espanto.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Sêneca - Aprenda para que não pensem por você
Sêneca - Aprenda para que não pensem por você

Rir é correr risco de parecer tolo.

December 2, 2019, 7:29 pm
Górgias de Leontinos – o pai da retórica
Górgias de Leontinos – o pai da retórica

Górgias excedeu o relativismo de Protágoras em direção ao niilismo

November 24, 2019, 12:00 pm
Manuel Alegre - Coisa Amar - Poesia
Manuel Alegre - Coisa Amar - Poesia

Contar-te longamente as perigosas coisas do mar.

November 21, 2019, 4:00 pm
Leon Tolstói - Ana Karenina
Leon Tolstói - Ana Karenina

Creio que o amor... essas duas classes de amor

December 5, 2019, 10:30 pm
René Descartes
René Descartes

Pensarei que o céu, o ar, a terra, as cores, as figuras, os sons, e

November 19, 2019, 7:38 pm
Eugenio de Andrade - O sorriso - Poesia
Eugenio de Andrade - O sorriso - Poesia

Era um sorriso com muita luz

December 2, 2019, 6:55 pm