Economia e impostos – Por que a classe média virou alvo dos fiscalistas

A história é impassível testemunha do papel exercido pela classe média no equilíbrio – tanto na micro, como na macro economia – de habitar os dois extremos da dualidade pobreza/riqueza.

No fim e ao cabo, é a classe média o “remédio” usado, sempre, para manter a sanidade da economia, sendo ocasionalmente agraciada com um mínimo de “benesses”, e majoritariamente servindo de saco de pancadas para absorver os choques e as pressões oriundas da tentativa de salvar o moribundo capitalismo, e manter o apetite pantagruélico do Estado burguês.

A classe média termina como o miolo do sanduíche. É quem sempre finda por “pagar o pato”.

No histórico diálogo reproduzido abaixo, tem-se a constatação de que nada mudou. De Adam Smith a Locke, passando por Mills, a farsa do Estado Liberal continua capaz de fazer de Molière um aprendiz de bufão.

O Editor

Cândido Portinari (Brodowski, SP. – 29 de dezembro de 1903 – Rio de Janeiro, RJ. – 6 de fevereiro de 1962)
Retirantes – óleo sobre tela – 1944 – 190 x 180cm


Diálogo entre Colbert e Mazarino durante o reinado de Luís XIV

Jean Baptiste Colbert – ministro de estado de Luis XIV
* Reims, França – 29 de Agosto de 1619 d.C
+ Paris, França – 06 de Setembro de 1683 d.C

Jules Mazarino – foi cardeal e primeiro ministro da França
* Pescina, França – 14 de julho de 1602 d.C
+ Pescina, França – 9 de março de 1661 d.C

Colbert: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar (o contribuinte) já não é possível. Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até o pescoço…

Mazarino: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão. Mas o Estado… o Estado, esse, é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se…todos os Estados o fazem!

Colbert: Ah, sim? O Senhor acha isso mesmo? Contudo, precisamos de dinheiro. E como é que havemos de o obter se já criámos todos os impostos imagináveis?

Mazarino: Criam-se outros.

Colbert: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.

Mazarino: Sim, é impossível.

Colbert: E, então … os ricos?

Mazarino: Os ricos também não. Eles não gastariam mais. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.

Colbert: Então, como havemos de fazer?

Mazarino: Colbert! Tu pensas como um queijo, como um penico de um doente! Há uma quantidade enorme de gente situada entre os ricos e os pobres: os que trabalham sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para compensarem o que lhes tiramos. É um reservatório inesgotável!

Extraído de “Diálogos de Estado”


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me