Dylan Thomas – Poesia


Deita tranquilo, dorme em paz
Dylan ThomasDylon Thomas,Poesia,Literatura

Deita tranquilo, dorme em paz, tu, com tua chaga
Que arde e se retorce na garganta. Por toda a noite,
Sobre o mar silencioso, escutamos os rumores
Que vêm da chaga envolta num lençol de sal.

Sob a lua, distante tantas milhas, estremecemos ao ouvir
O som do mar flutuando como o sangue da sonora chaga
E quando o lençol de sal se rasgou numa tempestade de canções

As vozes de todos os afogados nadaram sobre o vento.
Abre uma senda através da lenta vela taciturna,
Lança ao vento, na lonjura, as rotas do barco erradio
Para que se inicie a viagem ao fim de minha chaga,

Ouvimos ecoar o som das ondas e o que diz o lençol de sal.
Deita tranquilo, dorme em paz, esconde a boca na garganta,
Ou teremos de obedecer, e cavalgar contigo por entre os afogados.


Você leu?: Elisa Lucinda – Cor-respondência


Tradução de Ivan Junqueira

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Luciano Trigo - Dialética
Luciano Trigo - Dialética

algo em mim resiste e fica do lado

August 22, 2019, 7:00 pm
Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas
Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas

A zona incomensurável dos possíveis

August 7, 2019, 8:00 pm
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância

O amor bem nutrido e excessivamente submisso logo nos enjoa e cansa

July 29, 2019, 4:28 pm
Ricardo Rodrigues - Convicções no peito
Ricardo Rodrigues - Convicções no peito

As convicções são como brasas

August 5, 2019, 8:22 pm
Cesare Pavese - A nossa arte
Cesare Pavese - A nossa arte

A arte de mergulhar fulminante e profundamente na dor

August 17, 2019, 6:34 pm
Luiza Jorge Neto - O poema ensina a cair
Luiza Jorge Neto - O poema ensina a cair

...da lenta volúpia de cair

August 22, 2019, 2:33 pm