Dylan Thomas – Poesia


E a morte perderá o seu domínio
Dylan ThomasMar,Fotografia,Blog do Mesquita

E a morte perderá o seu domínio.
Nus, os homens mortos irão confundir-se
com o homem no vento e na lua do poente;
quando, descarnados e limpos, desaparecerem os ossos
hão-de nos seus braços e pés brilhar as estrelas.
Mesmo que se tornem loucos permanecerá o espírito lúcido;
mesmo que sejam submersos pelo mar, eles hão-de ressurgir;
mesmo que os amantes se percam, continuará o amor;
e a morte perderá o seu domínio.

E a morte perderá o seu domínio.
Aqueles que há muito repousam sobre as ondas do mar
não morrerão com a chegada do vento;
ainda que, na roda da tortura, comecem
os tendões a ceder, jamais se partirão;
entre as suas mãos será destruída a fé
e, como unicórnios, virá atravessá-los o sofrimento;
embora sejam divididos eles manterão a sua unidade;
e a morte perderá o seu domínio.

E a morte perderá o seu domínio.
Não hão-de gritar mais as gaivotas aos seus ouvidos
nem as vagas romper tumultuosamente nas praias;
onde se abriu uma flor não poderá nenhuma flor
erguer a sua corola em direção à força das chuvas;
ainda que estejam mortas e loucas, hão-de descer
como pregos as suas cabeças pelas margaridas;
é no sol que irrompem até que o sol se extinga,
e a morte perderá o seu domínio.


Você pode se interessar também sobre:


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

T.S. Eliot – Poesia – Versos na tarde – 31/05/2017

A Terra Desolada, 1922 T.S Eliot¹ IV. O Sermão do fogo II Tereu Cidade irreal, Sob a fulva neblina de um meio-dia de inverno O Senhor Eugênides, o mercador de...

May 31, 2017, 9:00 pm
Adriana Falcão - Versos na tarde - 25/02/2016

Mania de Explicação Adriana Falcão ¹ Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança para acontecer de novo e não consegue. Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento...

February 25, 2016, 9:00 pm
Cecília Meireles - Versos na tarde

Poema Cecília Meireles ¹ No mistério do sem-fim equilibra-se um planeta. E, no planeta, um jardim, e, no jardim, um canteiro; no canteiro uma violeta, e, sobre ela, o dia...

February 21, 2010, 9:00 pm
Semônides de Amorgos -Versos na tarde

Fragmento 1 Semônides de Amorgos ¹ O que mais belo disse o homem de Quios, "Os homens passam como as folhas passam", muito poucos mortais, de quantos o ouvem, o...

February 17, 2011, 9:00 pm
Manuel Bandeira - Versos na tarde

Bacanal Manuel Bandeira ¹ Quero beber! cantar asneiras No esto brutal das bebedeiras Que tudo emborca e faz em caco… Evoé Baco! Lá se me parte a alma levada No...

October 2, 2009, 9:00 pm
Gonçalves Dias - Versos na tarde

Seus olhos Gonçalves Dias ¹ Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros, de vivo luzir, estrelas incertas, que as águas dormentes do mar vão ferir; seus olhos tão negros,...

September 26, 2010, 9:00 pm