Descobertos povoados de 10 mil anos na Amazônia


Brasil,Amazônia,Desmatamento,Meio Ambiente,EcologiaArqueólogos encontram restos mortais que indicam existência de comunidades estáveis na região amazônica da Bolívia muito antes do que o imaginado. Primeiras sociedades teriam iniciado processo de domesticação de plantas.

Os humanos formaram comunidades estáveis no sudoeste da Amazônia há mais de 10 mil anos, muito antes do que se imaginava, revelou um estudo publicado nesta quarta-feira (24/04). A presença destes povoados foi indicada por restos mortais encontrados na região de Llanos de Moxos, na Bolívia.

Até agora, havia sido descoberta nesta área a existência de sociedades complexas, que habitaram a região, porém, vários séculos mais tarde, e que possuíam estruturas cerimoniais, estradas e praticavam a agricultura, plantando mandioca, batata-doce, pimenta e amendoim.

Segundo o principal autor da pesquisa, José Capriles, da Universidade da Pensilvânia, foi, no entanto, uma surpresa descobrir que a região já era povoada séculos antes, no início e meados do período Holoceno. Devido à carência de pedras na Amazônia, é difícil para pesquisadores identificar sítios arqueológicos pré-cerâmicos.

Para o estudo, os arqueólogos analisaram o terreno e grandes quantidades de terra queimada, carvão vegetal, conchas e restos de animais encontrados no local. A análise revelou a presença de comunidades estáveis com reduzida mobilidade e uso intensivo de recursos na região entre 10,6 mil e 4 mil anos atrás.


Você pode se interessar também sobre: Bacia amazônica perdeu 295 mil Km² da sua cobertura vegetal


Durante as escavações foram encontrados restos de cinco covas, onde estavam enterrados adultos. A maioria dos corpos foram enterrados na horizontal e de costas. Segundo Capriles, essa posição muito provavelmente estaria vinculada a crenças sobre a morte. Em uma das covas foram localizados ainda conchas grandes e restos de um pigmento vermelho.

Llanos des Moxos é uma zona úmida na bacia do Amazonas, na região os especialistas estudaram três ilhas florestais. As evidências indicam que os grupos que habitavam essas ilhas dependiam principalmente da exploração de recursos silvestres. Eles eram caçadores, pescadores e coletores.

De acordo com Capriles, os três locais estudados têm aspectos em comum, que contariam uma estratégia cultural bastante desenvolvida, embora haja evidências que mostram que a intensidade de exploração de recursos variou entre eles. O estudo diz que os povoados foram abandonados muito antes do surgimento de sociedades agrícolas complexas em Llanos de Moxos.

Pesquisadores de diferentes universidades dos Estados Unidos, Suíça, Chile e Bolívia participaram do estudo, divulgado na revista especializada Science Advances, que lança uma luz sobre a transição social e ambiental na região, em grande parte ainda desconhecida.

Os arqueólogos acreditam que essas primeiras sociedades, devido ao seu crescimento ou escassez de recursos, tenham iniciado o processo de domesticação de algumas culturas, como a da mandioca.

CN/efe/ots

Postado na categoria: Amazônia, Brasil - Palavras chave: ,

Leia também:

A Amazônia tem pressa

A importância da Amazônia para o mundo é proporcional à sua extensão. Trata-se de região complexa o suficiente, cujas fronteiras não respeitam limites, já que as mesmas, por si só,...

October 14, 2018, 11:15 am
A mais nova ameaça do governo Bolsonaro à política ambiental
A mais nova ameaça do governo Bolsonaro à política ambiental

Conselho que monitora desmatamento na Amazônia pode ser extinto Agência Brasil Um ofício enviado pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ao titular do Ministério do Meio Ambiente, Ricardo Salles, propõe a...

April 7, 2019, 11:30 am
O futuro incerto da demarcação de terras indígenas
O futuro incerto da demarcação de terras indígenas

Território indígena no Norte do Brasil Atualmente, terras indígenas compõem 13% do território brasileiro Bolsonaro transferiu da Funai para o Ministério da Agricultura a tarefa de delimitar terras indígenas, e...

February 1, 2019, 12:10 pm
Sob tensão, Amazônia se curva à linha tênue entre a preservação ambiental e a expansão agrícola

Fronteira entre uma fazenda, à esquerda, e o Território Indígena Suruí. VICTOR MORIYAMA À bordo de uma caminhonete robusta, Almir Narayamoga Suruí, acelerou. “Segura, tá?”, disse ele à repórter do EL...

October 28, 2018, 10:59 am
O ambíguo saldo ambiental do Brasil

Do acúmulo de plásticos no oceano à preservação das florestas e à resposta ao desastre de Mariana: neste Dia Mundial do Meio Ambiente, a DW Brasil fez um balanço mostrando...

October 21, 2018, 11:10 am
Os sem rio da Amazônia
Os sem rio da Amazônia

Em uma casa simples, sem reboco... Clique para ler mais

June 23, 2019, 12:11 pm