• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Em todo o mundo em 6 objetos artesanais extraordinários

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Uma história do mundo em objetos

Cobra Azteca

Faz parte de um peitoral de duas cabeças em forma de cobra, feito de madeira de cedro e coberto com mosaico de conchas de ostras espinhosas turquesas e vermelhas. Os dentes nas duas bocas abertas também são casca de molusco.

Estes, e os que temos abaixo, são alguns dos trabalhos escolhidos por Neil MacGregor, diretor do Museu Britânico, para contar “Uma história do mundo em 100 objetos” e nos levar a uma jornada ao redor do mundo e no tempo.

Cada um evoca histórias fascinantes, sejam elas ferramentas mundiais ou obras de arte, todas feitas por mãos humanas em algum momento da história.

E agora que muitos de nossos encontros com o mundo exterior precisam ser virtuais, convidamos você a visitar o Egito antigo e o Império Romano, vislumbrar os tesouros da Turquia, prestar homenagem a um deus maia e se maravilhar com um capacete havaiano.

1. Moeda de Croesus (~ 550BC)
Mais de 2.500 anos atrás, o rei Croesus governou Lydia, um próspero reino no oeste da Turquia, de onde algumas das primeiras moedas do mundo entraram em circulação.

Embora as moedas feitas de eletro (uma mistura de ouro e prata) datem de cerca de um século antes do reinado de Croesus, acredita-se que os lidianos sejam as primeiras pessoas a usar uma moeda bimetálica.

O rio do qual os lidianos obtiveram o metal para suas moedas é aquele em que o rei Midas supostamente “lavou” sua capacidade de transformar em ouro tudo o que tocava.

O leão, um símbolo da realeza, e o touro foram esculpidos nesta linda moeda brilhante com um martelo.

2. Sino de bronze chinês (~ 500 aC)

Este sino de bronze intricadamente decorado é conhecido como bo, e é um instrumento muito sofisticado: levou um milênio inteiro para que sinos desse tamanho aparecessem na música ocidental.

Seu cabo tem a forma de dois dragões, e o corpo do instrumento é adornado com dragões que engolem gansos.

As duas notas produzidas por este bo teriam sido ouvidas na China há cerca de 2.500 anos atrás, e sua música pode até ter sido ouvida por contemporâneos do filósofo político chinês Confúcio.

A China da época era definida por distúrbios e fragmentação política, mas no meio dessa cacofonia, a mensagem de Confúcio era de paz e harmonia, a ser alcançada retornando aos valores tradicionais da virtude.

Confúcio não era apenas um filósofo de renome, ele também era um músico e sentia firmemente que o desempenho da música poderia alcançar a harmonia que ele queria ver na sociedade.

3. A pedra de Roseta (196 aC)

Copyright da imagem © OS TRUSTES DO MUSEU BRITÂNICO
Embora esse pesado pedaço de rocha cinza possa não ser muito atraente para os olhos, a Pedra de Roseta é sem dúvida um dos objetos mais famosos e controversos do Museu Britânico.

Está inscrito um decreto para marcar o status de deus do rei Ptolomeu V no primeiro aniversário de sua coroação em 196 a.C., quando ele tinha 13 anos.

Sendo tão jovem, Ptolomeu estava à mercê de seus sacerdotes, a quem apaziguava com alguns benefícios muito lucrativos, também imortalizados na pedra. Com certeza, ele estabeleceu seus incentivos fiscais.

Embora não seja uma leitura empolgante, o fato de o texto ter sido transcrito para três idiomas: grego, hieróglifos e egípcio demótico (o idioma do dia a dia) é extremamente significativo. O grego era a língua oficial da administração do estado, e permaneceu assim por um milênio.

Nos 500 anos seguintes, a linguagem sacerdotal dos hieróglifos deixou de ser usada, e essa antiga linguagem egípcia tornou-se incompreensível.

A presença do grego, que os estudiosos podiam ler, permitiu a interpretação dos hieróglifos, quando a pedra foi escavada durante a campanha de Napoleão no Egito.

O estudioso francês Jean-François Champollion percebeu que todos os hieróglifos eram pictóricos e fonéticos (eles funcionavam como imagens e sons), e ele finalmente decifrou a pedra de Roseta, tornando acessível o idioma do Egito Antigo pela primeira vez.

4. Estátua Maia do Deus do Milho (~ 700 dC)

Quando as civilizações se tornaram dependentes da agricultura, há cerca de 9.000 anos, surgiram histórias de novos deuses: deuses que garantiam o ciclo das estações e o retorno das colheitas, e deuses da própria comida.

Esta estátua em particular é um deus do milho, uma cultura básica americana que floresceu quando a carne era escassa.

Para os maias, o milho tinha propriedades sagradas, pois os deuses acreditavam ter usado massa de milho para fazer seus antepassados ​​à mão.

No entanto, essa colheita prontamente disponível e adaptável foi um pouco branda, então os agricultores aprenderam rapidamente a cultivar pimentas saborosas para adicionar um pouco de sabor aos carboidratos opacos.

Acredita-se que esta bela estátua de calcário tenha 1.300 anos.

O busto é adornado com um toucado de espiga de milho. Sua cabeça enorme nem pode pertencer ao corpo, pois as estátuas do templo caíram e foram reconstruídas novamente.

Ele agora reside no Museu Britânico, mas foi encontrado nas ruínas de um templo de pirâmide em Copán, uma das principais cidades maias das atuais Honduras.

5. Pimenteira

 

 

Essa linda, ainda que surpreendida, mulher de prata é, de fato, uma pimenteira.

Descrita por Neil MacGregor como “um pouco de kitsch para os ricos”, a própria figura pode ter sido baseada em um rico aristocrata romano tardio, o tipo de mulher que usaria uma pimenteira.

Escavado de um local em Suffolk, Inglaterra, como parte do tesouro Hoxne, este utensílio ornamentado representa um caldeirão de culturas.

Seus proprietários viviam no final do domínio romano na Grã-Bretanha, quando os romanos se misturaram e até se casaram com os nativos. Os moradores se esforçaram para se comportar como os romanos, de suas escolhas de moda à comida que comiam.

Os romanos eram admiradores de comida e o tempero chave em seu arsenal era pimenta.

Mas esse tempero cobiçado não cresceu na Inglaterra, nem mesmo na Europa; os romanos o importaram da Índia.

Estima-se que um navio carregado de pimenta valha 7 milhões de sestércios. Para se ter uma idéia de quão caro era, na época, um soldado romano ganhava cerca de 800 sestércios por ano.

6. Capacete de penas havaianas (1778)

Este impressionante capacete vermelho e amarelo foi apresentado ao capitão Cook, ou a uma de sua tripulação, em 1778, quando ele e seus homens se tornaram os primeiros europeus a visitar o Havaí.

Adornado com as vibrantes penas de milhares de pássaros de gengibre, este capacete provavelmente teria sido usado pelo chefe havaiano de mais alto escalão para se comunicar com os deuses.

Os pássaros eram vistos como mensageiros espirituais, e suas penas eram pensadas para fornecer proteção e poder, de modo que a doação deste capacete teria sido uma grande honra.

Cook passou um período feliz no Havaí consertando seu navio e mapeando a ilha, mas um mês depois de embarcar em sua jornada para o norte, uma tempestade o forçou a voltar.

Dessa vez, os habitantes locais foram menos acolhedores quando entraram na temporada dedicada ao deus da guerra. Eles roubaram um dos barcos de Cook, que, na tentativa de negociar seu retorno, planejava manter um dos chefes, mas um combate corpo a corpo estourou e Cook morreu.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário