Como o liberalismo produz vergonha alheia inclusive na música e na história

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Slate pede que Mozart e Beethoven sejam referidos por seus nomes completos para combater "sexismo e racismo", deixando perplexas as rede sociais.

Mas o que é isso? Inacreditável a limitação cognitiva das mentes(?) ditas liberais!

Chamar compositores de música clássica famosos apenas pelos sobrenomes pode ser “prejudicial” hoje em dia, de acordo com um artigo publicado na revista liberal norte-americana Slate. A peça foi imediatamente ridicularizada online.

Escrevendo para a Slate, Chris White, professor assistente de teoria musical na Universidade de Massachusetts Amherst, questionou como alguns compositores, como Beethoven ou Mozart, costumam ser chamados apenas por seus sobrenomes, enquanto outros não. Na verdade, continuar usando esses monônimos hoje pode ser visto como “desatualizado e prejudicial”, argumentou.

Quando dizemos ‘esta noite, você vai ouvir sinfonias de Brahms e Edmond Dede’, estamos tratando linguisticamente o primeiro como estando em um plano diferente do último, uma diferença originalmente criada por séculos de preconceito sistemático, exclusão, sexismo , e racismo.

Para mudar a situação, o autor instou as pessoas a usarem os nomes completos dos compositores para que “possamos nos concentrar mais em sua música do que nas práticas culturais do passado que elevaram os homens brancos heterossexuais em detrimento de todos os outros”.

O artigo foi imediatamente ridicularizado online, com muitos sentindo que sua opinião era rebuscada e demais até mesmo para uma revista liberal. “Eu quero participar de uma de suas reuniões de argumento de venda. As histórias que não fazem sucesso, têm que ser melhores do que as que você publica”, twittou um leitor. “Pare de tirar sarro de Slate,” outro comentou brincando.

Alguns até juraram usar apenas o nome de batismo “completo” de Mozart a partir de agora, que consiste em quatro nomes diferentes.

As pessoas tentaram educar o autor sobre por que os monônimos se prendem a compositores específicos em primeiro lugar. “Se houvesse um conhecido Bob Beethoven ou Jimmy Wagner, faríamos a distinção. Incluímos o primeiro nome de Edmond Dede porque ele não é tão conhecido”, escreveu uma pessoa.

“Que bobagem no Slate!” um tweet lido. “Dede não é musical igual a Beethoven. Fama, e não racismo, nos permite identificar o compositor apenas pelo sobrenome. Isso vale para Dante, Chaucer, Shakespeare também. E artistas e cientistas como Picasso e Einstein, também.”

Outro usuário do Twitter acrescentou que “acontece o mesmo com pessoas tão famosas que podem usar seu primeiro nome, o que inclui muitas mulheres e pessoas de cor: Oprah, Beyonce, Ellen, Kanye, Chappelle, Kobe, Hillary, LeBron . “

José Mesquita

José Mesquita

Nasceu em Fortaleza,Ce. Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em Administração, Ciências da Computação e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. É consultor em Direito Digital. Participou de mais de 250 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Design Gráfico, já criou mais de 35 marcas, logotipos, logomarcas, e de livrosa de arte para empresas no Brasil e Exterior Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. Foi diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo da Ecola de Aviação Civil do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association - NAPP, Usa. É membro da Academia Fortalezense de Letras e Membro Honorário da Academia Cearense de Letras. Autor de três livros de poesias - e outros quatro ainda inéditos; uma peça de teatro; contos e artigos diversos para jornais; apresentações e prefácios de publicações institucionais; catálogos e textos publicitários. Ministra cursos gratuítos de Arte e de Computação Básica para crianças e adolescentes em centros comunitários de comunidades carentes na periferia das cidades.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me