Comissão da verdade é faz de conta

Comissão da Verdade é mais um factóide do país do faz-de-conta e da terra-do-nunca-jamais

Recentemente, o jornalista Carlos Chagas fez um artigo aqui no Blog, questionando os caminhos da Comissão da Verdade. Em sua opinião, os trabalhos têm um encontro marcado com o fracasso, porque cada comissário mora num lugar, eles pouco se reúnem e a documentação sobre as barbaridades cometidas pelos militares e simpatizantes da ditadura já faz tempo que foi destruída.

Chagas tem toda razão. Resta pouco a fazer, como se constata neste iniciar dos trabalhos da Comissão da Verdade. Uma de suas primeiras providências foi convocar para depor o jornalista Elio Gaspari, autor de diversos livros sobre o regime militar, com destaque para a série “A Ditadura Envergonhada”, “A Ditadura Escancarada”, “A Ditadura Derrotada” e a “Ditadura Encurralada”.

Agora, em função da reportagem publicada nos Diários Associados (Correio Braziliense, Estado de Minas etc.) sobre as torturas sofridas pela presidente Dilma Rousseff durante a ditadura militar, a Comissão da Verdade decidiu requisitar os documentos encontrados em Minas Gerais.

Os papéis estão arquivados no Conedh-MG (Conselho de Direitos Humanos de Minas Gerais), em Belo Horizonte, e a Comissão da Verdade destacou um assessor para viajar à capital mineira para obter cópia dos documentos.

Bem, com o depoimento de Elio Gaspari, o que pode a Comissão da Verdade apurar de novidade sobre o instigante e vergonhoso assunto? Nada, salvo o que ele já escreveu e que dificilmente conseguirá reproduzir de memória. Terá de consultar a própria obra. Chega a ser ridículo pensar nisso.

Também em relação aos papéis arquivados no Conedh-MG, o que a Comissão espera encontrar? Nada, porque as informações mais importantes surgiram da entrevista concedida pela presidente Dilma, não em função dos documentos, que têm caráter meramente burocrático.

Justiciamentos

Ao mesmo tempo, aumentam as pressões para que seja esclarecidos os justiciamentos realizados pelos guerrilheiros, que executaram diversos companheiros por suspeições que muitas vezes não tinham o menor cabimento.

Na Folha, o jornalista Lucas Ferraz mostra que 40 anos depois, a esquerda começa a debater os justiçamentos. Em seu recém-lançado “K.” [Expressão Popular, 178 págs., R$ 15], o autor Bernardo Kucinski narra a história de um jovem casal: uma professora de química da Universidade de São Paulo e um físico que trabalha na iniciativa privada. Eles desaparecem misteriosamente em 1974, durante uma das fases mais violentas da ditadura militar.

Jornalista e professor, Kucinski trabalhou no Palácio do Planalto, no primeiro mandato do governo Lula (2003-07), como assessor do presidente, elaborando uma crítica diária da imprensa e sobre a conjuntura do país.

Sob a narrativa ficcional – ou “transcendental”, como o autor prefere -, a história contada é a de sua irmã, Ana Rosa Kucinski Silva, e seu marido, Wilson Silva. Militantes da ALN, os dois foram vistos pela última vez em abril de 1974, nos arredores da praça da República, no centro de São Paulo. O casal integra a lista de desaparecidos políticos.

E assim caminhamos neste país do faz-de-conta e nesta terra-do-nunca-jamais, como na história de Peter Pan, peça teatral do inglês James Matthew Barrie, onde os personagens não envelhecem e vivem como eternos adolescentes, olhando para trás, ao invés de se voltarem para a frente.

Lá vamos nós, de olho no retrovisor
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

Mais artigos