Clarice Lispector – Versos na tarde


Canção de outono
Clarice Lispector ¹

Perdoa-me, folha seca,
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo,
e até do amor me perdi.

De que serviu tecer flores
pelas areias do chão,
se havia gente dormindo
sobre o próprio coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando aqueles
que não se levantarão…

Tu és a folha de outono
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
– a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão…


Você leu?: Lya Luft – Tão sutilmente em tantos breves anos – Poesia


¹ Clarice Lispector
* Ucrânia – 10 de Dezembro de 1920 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Dezembro de 1977 d.C

>> biografia

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Fernando Pessoa - Poesia
Fernando Pessoa - Poesia

Nesta quieta solidão sem fim

November 30, 2019, 8:15 pm
Leon Tolstói - Ana Karenina
Leon Tolstói - Ana Karenina

Creio que o amor... essas duas classes de amor

December 5, 2019, 10:30 pm
René Descartes - Os mortais são dominados por uma curiosidade
René Descartes - Os mortais são dominados por uma curiosidade

As meditações confusas obscurecem a luz natural

December 6, 2019, 8:26 pm
Francisco Carvalho - Discurso da Ira
Francisco Carvalho - Discurso da Ira

Os pobres estão se evaporando

November 13, 2019, 7:12 pm
Aristóteles - O motor não movido do mundo
Aristóteles - O motor não movido do mundo

O próprio tirano é escravo de sua ambição

November 13, 2019, 7:06 pm
Albert Camus - Frase do dia
Albert Camus - Frase do dia

Amor e envelhecer

November 27, 2019, 10:00 am