Racismo,Nazismo,Supremacia Branca,Homofobia,Jihad,Terrorismo,Direitos Humanos

O neonazista pedófilo e homofóbico preso enquanto preparava ‘jihad branca’

Racismo,Nazismo,Supremacia Branca,Homofobia,Jihad,Terrorismo,Direitos Humanos

Jack Renshaw é suspeito de integrar organização banida

Um júri britânico não conseguiu decidir se Jack Renshaw, neonazista que confessou um plano para matar uma parlamentar no Reino Unido, permaneceu como membro de um grupo terrorista que foi banido do país.Agora que chegou ao fim seu quarto e último julgamento, um processo que durou dois anos, podemos contar sua história completa.

Eles bebiam lá regularmente. Normalmente, aos sábados. Muitas vezes, durante a semana também.

O número de participantes variava – podiam ser apenas dois ou um grupo de dez.

O local era o Friar Penketh em Warrington, um pub concorrido no centro da cidade.

Friar Penketh, em Warrington
Este é o Friar Penketh, um pub movimentado no centro da cidade

Mas o papo do grupo não era sobre futebol ou trabalho -, a conversa girava em torno de temas muito mais sombrios, como o ódio aos judeus e não-brancos, a veneração ao nazismo e Adolf Hitler, e o fascínio deles com o terrorismo.

No sábado de 1º de julho de 2017, vários integrantes e ex-membros da Ação Nacional, organização neonazista banida do Reino Unido sob a lei antiterrorismo, chegaram ao pub no fim da tarde.

Pouco depois, se juntou a eles um homem de aparência jovem, cujos olhos grandes e hostis contrastavam com seu corpo franzino e tímido.

Na mesma hora, o rapaz de 22 anos começou a reclamar sobre uma investigação policial em andamento contra ele por incitar o ódio racial em seus discursos.

Jack Renshaw despertava a simpatia de seus companheiros de bar.

Jack Renshaw
Jack Renshaw em um vídeo do Partido Nacional Britânico

À medida que a noite avançava, ele revelou um plano iminente – se fosse acusado pela polícia, faria uma manifestação política matando a parlamentar Rosie Cooper.

Ele já tinha comprado um gládio – espada curta romana – para levar a cabo o assassinato.

O plano incluía fazer reféns e atrair a detetive que estava investigando seu caso para o local, exigindo falar com ela. Ele então a mataria também.

Na sequência, ele cometeria “suicídio pela polícia” (ato de induzir deliberadamente um policial a atirar em você), ao avançar na direção dos policiais armados usando um colete-bomba falso, conforme contou ao grupo.

O ataque seria um ato da “jihad branca” – termo usado pela Ação Nacional – e ele planejava gravar um vídeo em que apareceria como um mártir explicando seus motivos.

Nenhuma das pessoas ao redor da mesa contestou Renshaw – pelo contrário, duas delas chegaram até a sugerir alvos alternativos, como a então ministra do Interior do Reino Unido, Amber Rudd, e uma sinagoga.

O que nenhum deles sabia era que um dos integrantes da mesa estava passando informações secretamente para a organização antirracismo Hope not Hate.

Correndo contra o tempo

Robbie Mullen, que no passado era neonazista convicto, estava desapontado e queria abandonar o grupo.

“Eu não queria estar envolvido na morte de ninguém, ou em um grupo que estava envolvido em matar pessoas. Eu só não queria que ninguém fosse morto ou ferido”, diz ele.

Quando Mullen foi embora do pub naquela noite, Renshaw abraçou ele e disse que provavelmente não se veriam novamente.

Assustado com o que estava por acontecer, Mullen entrou em contato imediatamente com a Hope not Hate.

“Jack vai matar uma parlamentar em breve”, contou.

Jack Renshaw

O caso de Renshaw ilustra claramente os perigos da radicalização.

Ele nasceu em Lancashire, na Inglaterra, e começou a se envolver com política na adolescência – primeiro com a Liga de Defesa Inglesa e depois com o Partido Nacional Britânico (BNP), depois de conhecer seu então líder, Nick Griffin, em um evento.

Quando terminou a escola, ele cursou economia e política na Universidade Metropolitana de Manchester, mas foi convidado a se retirar por seu ativismo de extrema-direita.

Jack Renshaw - (captura de tela de vídeo do BNP)
Jack Renshaw chegou a trabalhar no Parlamento Europeu em Bruxelas

Renshaw ficou anos no BNP, aparecendo em cartazes e vídeos do partido, além de dar palestras em conferências. Trabalhou ainda no Parlamento Europeu em Bruxelas.

Ele também se envolveu em campanhas contra o aliciamento sexual de crianças.

Certa vez, perguntado sobre como descreveria sua jornada, Renshaw disse:

“Eu comecei basicamente como um civil nacionalista com, digamos, pensamentos racistas ligeiramente encobertos, e agora sou um nacional-socialista abertamente racista.”

A Ação Nacional se tornaria seu lar político.

O grupo britânico, fundado em 2013, era abertamente racista e neonazista. E foi banido em dezembro de 2016, após uma investigação concluir que estava exaltando ilegalmente o terrorismo.

A Ação Nacional havia usado, inclusive, uma conta oficial no Twitter para comemorar o assassinato da parlamentar Jo Cox, em junho de 2016, por um supremacista branco.

Robbie Mullen, na época funcionário de um armazém em Runcorn, Cheshire, havia se juntado ao grupo após se converter à política extremista.

Ele chegou a pesquisar outras organizações, mas foi seduzido pelas ideias da Ação Nacional, cujos membros se vestiam de preto em manifestações e usavam as redes sociais para promover suas atividades.

Robbie MullenDireito de imagem HOPE NOT HATE
Robbie Mullen, que já foi um neonazista convicto, se desiludiu e deixou a Ação Nacional

Mullen, hoje com 25 anos, disse à BBC que foi atraído inicialmente pela “imagem” do grupo e porque seus membros tinham mais ou menos a sua idade, “enquanto a extrema-direita tradicional era formada por velhos que bebiam em pubs”.

Mullen, assim como Renshaw, que era porta-voz da Ação Nacional, se tornou uma figura proeminente no grupo, ajudando a organizar atividades no noroeste da Inglaterra.

‘Parasitas’

Renshaw parecia se deleitar com a crueldade da ideologia do grupo.

Seus perfis nas redes sociais se converteram em uma corrente vil de ódio e teorias de conspiração maliciosas, com o povo judeu sendo alvo frequente de ataques.

Mas foram dois discursos antissemitas que ele fez em nome da Ação Nacional que o levariam à ruína.

Durante uma manifestação na orla de Blackpool em março de 2016, Renshaw disse que os judeus eram “parasitas” e que a Grã-Bretanha havia escolhido o lado errado na Segunda Guerra Mundial, em vez de lutar ao lado dos nazistas que estavam implementando a “solução final”.

Em um discurso em Yorkshire um mês antes, ele dissera que Adolf Hitler estava “certo em muitos sentidos”, mas errado quando “mostrou misericórdia em relação a pessoas que não mereciam misericórdia”.

Renshaw afirmou que o povo judeu deveria ser “erradicado”.

Jack Renshaw em vídeo de propaganda da Ação Nacional
IA polícia investigou Jack Renshaw por suposto assédio sexual de menores

Ele foi preso na casa da mãe em Blackpool em janeiro de 2017, acusado de incitar ódio racial.

Seus celulares e outros itens pessoais foram apreendidos.

Mas seus discursos não eram os únicos alvos de investigação.

Renshaw, o pedófilo

Renshaw, ativista contra a exploração sexual infantil, era secretamente um pedófilo que aliciava meninos para sexo.

Por quase um ano, ele usou um perfil falso no Facebook para atrair dois garotos que tinham entre 13 e 15 anos na época.

Apesar de não conhecer os adolescentes, ele ofereceu dinheiro a eles em troca de sexo e pediu fotos íntimas. A polícia foi avisada depois que um parente viu as trocas de mensagens no telefone de um dos meninos.

Os detetives identificaram que as mensagens haviam sido enviadas do endereço de Blackpool ocupado por Jack Renshaw.

Quando foi preso pela primeira vez em janeiro, ele foi interrogado apenas sobre os discursos, antes de ser libertado sob fiança – mas as investigações continuaram.

Uma das investigadoras, Victoria Henderson, foi encarregada de manter contato com o suspeito e também participou do inquérito sobre crimes sexuais.

Em maio daquele ano, Renshaw foi preso novamente e interrogado sobre o aliciamento de menores.

Ele deve ter percebido que sua farsa estava chegando ao fim.

Mais tarde, Henderson disse que Renshaw ficou “chocado e chateado” e “visivelmente pálido, chorando muito”.

Ele negou ter assediado os meninos, apesar de as evidências terem sido encontradas em seu próprio celular.

O suspeito, que tinha um histórico de fazer declarações homofóbicas, afirmou a Henderson que ainda era virgem, não acreditava em sexo fora do casamento e que seu gosto por pornografia era “bastante tradicional” e “conservador”.

Embora tenha admitido ter buscado pornografia gay na internet “por curiosidade”, ele negou ser homossexual e disse que as relações entre pessoas do mesmo sexo eram “antinaturais”.

Dois dias após ser libertado sob fiança, Renshaw procurou por Henderson no Facebook.

Ela havia se tornado um alvo.

O que a polícia não sabia é que Renshaw já havia começado a planejar um ataque à parlamentar Rosie Cooper, o que seria um crime político. E agora tinha resolvido assassinar também Henderson, o que seria um ato de vingança pessoal.

No início daquele mês, ele havia pesquisado sobre a parlamentar na internet e feito a seguinte pergunta ao Google: “Quanto tempo leva para morrer após cortar a jugular?”

Rosie Cooper
Rosie Cooper, a parlamentar do distrito de West Lancashire que Renshaw queria matar

Em 7 de junho, ele comprou um gládio na internet – que, segundo a descrição do fabricante, oferecia “48 centímetros de um poder perfurante e cortante sem precedentes” – e pagou para ser entregue no dia seguinte.

Assim que recebeu, compartilhou uma imagem da arma com os membros do grupo usando o Telegram, aplicativo de mensagens criptografado.

Mas os planos de Renshaw foram frustrados por causa de Robbie Mullen.

Robbie Mullen

A essa altura, Mullen estava se comunicando secretamente com a Hope not Hate.

Após estabelecerem contato na primavera de 2017, Mullen contou que os membros da Ação Nacional não se separaram, apesar de o grupo ter sido banido.

Ele informou que eles continuavam a se encontrar, malhavam juntos na academia e se comunicavam via aplicativos de mensagens criptografadas.

As atividades públicas do grupo – como o site e as manifestações – haviam acabado, mas segundo ele, o núcleo permanecia.

O fascínio de longa data da Ação Nacional pelo terrorismo virou, então, parte central do seu propósito, e seus integrantes começaram a planejar uma guerra racial, conforme contou Mullen à BBC.

Depois que Renshaw revelou seus planos violentos no pub em 1º de julho de 2017, Mullen falou com seu contato, Matthew Collins, diretor de pesquisa da Hope not Hate.

Collins, que estava de férias na época, se lembra do momento em que foi informado de que Renshaw “ia matar uma parlamentar de forma iminente, imediatamente”.

Treino de boxe - (vídeo de propaganda política da Ação Nacional)
Jack Renshaw aparecia em diversos vídeos de propaganda política da Ação Nacional

Ele se lembra de ter perguntado a Mullen: “Como imediatamente?” e ele disse: “Vai acontecer em breve”. E essa história horrível e inimaginável se desenrolou.

No dia seguinte, a Hope not Hate enviou uma mensagem para Rosie Cooper alertando a parlamentar sobre o risco que corria.

Ela avisou a polícia e de repente se viu no centro de uma investigação contra o terrorismo – apenas um ano após o assassinato de sua colega Jo Cox.

Enquanto isso acontecia, Renshaw estava sendo interrogado em Lancashire – novamente por Henderson – sobre a suspeita de aliciamento de menores. Em paralelo, foi acusado de incitar o ódio racial nos dois discursos.

Ele foi libertado sob fiança, e naquela noite publicou uma série de mensagens no Facebook que indicavam seu estado de espírito.

Gládio
Os policiais encontraram o gládio no alto de um armário

“Estou passando meu tempo com a família… Tudo vai acabar em breve.”

Em outra postagem, ele escreveu: “Eu vou rir por último, mas pode não ser por muito tempo”.

Os detetives da polícia antiterrorismo tentaram às pressas localizar Renshaw, mas ele não estava no endereço que informou quando foi liberado sob fiança.

Enquanto faziam buscas na casa do tio dele, descobriram o gládio que ele havia comprado escondido no alto de um armário.

Machete
Fotos feitas pela polícia do gládio comprado por Renshaw

Renshaw acabou sendo encontrado e preso sob a acusação de fazer ameaças de morte.

No dia seguinte, ele compareceu perante um tribunal por causa da acusação de incitação ao ódio racial e a promotoria foi contra conceder fiança.

Renshaw estava, então, fora das ruas.

Robbie Mullen, por outro lado, continuou convivendo com o restante do grupo.

Nenhum deles sabia que ele tinha sido o informante que denunciou o plano de ataque.

Havia ainda a preocupação de que o próprio Mullen pudesse ser processado por ter se tornado membro da Ação Nacional.

Robbie Mullen
Robbie Mullen recebeu ameaças de morte e precisou se esconder por um tempo

A imunidade precisava ser concedida a ele, e a polícia tinha de avaliar se as provas que ele havia apresentado poderiam ser usadas em um tribunal.

No outono de 2017, seis pessoas que estavam bebendo no Friar Penketh na noite em que Renshaw revelou seu plano foram presas.

Duas delas, incluindo o líder do grupo, Christopher Lythgoe, foram condenadas por pertencerem à Ação Nacional. Um homem foi absolvido da mesma acusação. Dois júris foram incapazes de decidir se os outros suspeitos – inclusive Renshaw – haviam permanecido no grupo após o mesmo ter sido banido.

Mullen, que havia recusado participar do programa de proteção a testemunhas, recebeu ameaças de morte.

No meio da noite, a Hope not Hate levou ele às pressas até um lugar seguro – e desde então ele foi impedido de voltar para casa ou ao trabalho.

Julgamentos

Renshaw acabou enfrentando quatro julgamentos nos últimos 14 meses.

Em janeiro de 2018, em Preston Crown Court, ele foi condenado por duas acusações de incitação ao ódio racial em discursos – a pena foi de três anos de prisão.

Em junho, no mesmo tribunal, ele foi considerado culpado por quatro acusações de incitar menores à atividade sexual – o que resultou em mais 18 meses de cadeia.

O caso só pode ser relatado agora que seu julgamento final foi concluído.

No banco dos réus em Preston, ele pareceu envergonhado quando os vídeos do interrogatório da polícia com as duas vítimas, conduzido por Henderson, foram exibidos.

Jack Renshaw - (foto da rede social de Renshaw)
Os jurados não conseguiram decidir se Jack Renshaw permaneceu como membro da Ação Nacional

Aliciamento de menores

A um dos meninos, Renshaw havia pedido fotos de conteúdo sexual explícito e tentou seduzi-lo para ter relações sexuais, oferecendo dinheiro, drogas e pizza:

“Uma noite. 10 mil. Eu e você.”

“Eu temi pela minha vida”, disse o jovem a Henderson.

O outro garoto contou que Renshaw o bombardeava com mensagens diárias.

Na época do Natal, ele enviou uma imagem com alguns presentes e disse que o menino poderia tê-los em troca de fotos íntimas.

Renshaw chegou a enviar fotos impróprias dele próprio para o jovem.

Quando o adolescente chamou Renshaw de “pedófilo sujo”, ele respondeu dizendo “tinha ficado excitado”, recordou a vítima.

Durante seu terceiro julgamento – no Tribunal Central Criminal, conhecido como Old Bailey, no verão de 2018 -, Renshaw se mostrou mais aberto e sem vergonha de seus planos.

Na primeira manhã do julgamento, ele repentinamente se declarou culpado de planejar o assassinato da parlamentar Rosie Cooper e de ameaçar matar a detetive Henderson.

Mas negou ser membro do grupo Ação Nacional.

Quando foi chamado para apresentar provas, ele disse que Rosie Cooper foi escolhida como seu alvo porque “era uma parlamentar local” e “a melhor representante do Estado”.

“Eu queria mandar uma mensagem ao Estado”, disse ele ao tribunal.

Ele explicou que o plano era “aparecer em um de seus eventos sociais” e depois “cortar” sua jugular com o gládio.

Renshaw, que nega o Holocausto, afirmou perante a corte que queria que todo o povo judeu morresse e expressou suas crenças neonazistas de forma arrogante, mas na defensiva, afirmando ser imune aos horrores que tais ideias geraram.

A postura arrogante não condizia com sua verdadeira posição: um pedófilo condenado e suposto terrorista que passaria muitos anos na prisão.

Os membros do júri não conseguiram decidir, no entanto, se ele havia continuado como membro da Ação Nacional.

Mullen, que foi testemunha em ambos os casos em Londres, agora deve começar vida nova.

“Eu vivo mês a mês – não penso muito no futuro”, desabafa.

Mas ele sabe que as coisas nunca serão como antes.

Mullen consente em voz baixa quando perguntado se entende que provavelmente salvou vidas, incluindo a de uma parlamentar.

Todavia, ele ainda não tem certeza sobre o que o levou a começar a passar informações secretamente para a Hope not Hate, organização para a qual trabalha agora.

“Me perguntaram isso duas vezes no tribunal. Eu realmente não sei”, diz ele.

Ele afirma, no entanto, que diante de todos os planos violentos que ouviu precisava tomar uma atitude.

“Eu sabia que se pudesse fazer algo para detê-lo, então eu tinha de fazer.”

Celebrar o golpe representa uma derrota para a democracia

Forças Armadas,Exército,Brasil,Governo,Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro determinou nesta segunda-feira que as Forças Armadas façam as “comemorações devidas” ao golpe de 64, que completa 55 anos no próximo dia 01 de abril. Temendo reações negativas em um ambiente político já bastante polarizado, a cúpula militar orientou que as “comemorações devidas” sejam realizadas intramuros, limitadas aos quartéis e batalhões.

A decisão não pegou ninguém de surpresa. Embora nunca tenha feito muito pelos militares em seus quase 30 anos como deputado (a bem da verdade, bastaria dizer: “embora nunca tenho feito muito em seus quase 30 anos como deputado”), Bolsonaro foi bastante hábil em mobilizar e organizar um circuito de afetos baseados principalmente no esquecimento das violências passadas a informar a indiferença cotidiana para com as violências presentes.

Sua ascensão meteórica à Presidência, não casualmente, ganhou impulso depois de seu voto pela abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, quando prestou homenagens ao coronel Brilhante Ustra, responsável por estuprar, torturar e assassinar, nos porões do DOI-CODI em São Paulo, opositores da ditadura. São igualmente conhecidas as menções elogiosas a ditadores de países vizinhos, como o paraguaio Alfredo Stroessner e o chileno Augusto Pinochet. O primeiro, um pedófilo; o segundo, responsável pelo desvio de 13 milhões de dólares, depositados em mais de 100 contas em bancos americanos.

Juntas, as ditaduras da América do Sul mataram aproximadamente 40 mil pessoas, entre outras inúmeras atrocidades, aí inclusas crianças sendo presas, torturadas, obrigadas a assistir o sofrimento de seus pais e mães, ou sequestradas e adotadas por famílias simpáticas aos governos. Mas se nos vizinhos sua memória desperta repúdio, aqui um presidente eleito pelo voto direto, coisa proibida nos anos de chumbo, desqualifica e fragiliza, aberta e propositadamente, o pouco de democracia que conquistamos.

Em seu anúncio, o porta-voz da Presidência afirmou que Bolsonaro “não considera o 31 de março de 1964 golpe militar”, mas uma medida para conter “o perigo que o país estava vivenciando naquele momento”. O argumento não é novo. Consagrou-se em alguns círculos, e não apenas militares, a versão de que o golpe fez-se para evitar outro. Trata-se, obviamente, de uma narrativa que interessa aos responsáveis pelas duas décadas de ditadura, mas que não se sustenta em nenhuma das muitas evidências históricas sobre o período.

Em entrevista concedida ao CPDOC da FGV, o historiador Luiz Alberto Moniz Bandeira fala das muitas “provocações” que antecederam o 1º de abril, essenciais para criar um clima de animosidade e conflito necessário para justificar a tomada de poder pela direita civil e militar. E embora admita a tendência à radicalização de algumas lideranças ligadas a João Goulart, é enfático quanto à inexistência de qualquer condição ou pretensão golpista, dentro e fora do governo. Havia, por certo, um ambiente de conflito, em parte decorrente da Guerra Fria e do fantasma da ameaça soviética, que ajudaram a alimentar a propaganda e a atmosfera golpista.

A realidade, no entanto, era mais complexa. Os principais grupos de esquerda, como o PCB, eram reformistas: falavam e defendiam as reformas agrária e de base; reivindicavam o nacionalismo contra o capital estrangeiro; produziam uma cultura que se pretendia “popular” como um meio de “desalienar” as massas demasiadamente influenciadas pelos padrões culturais tidos por imperialistas, etc… Mas a ameaça de um “golpe comunista” é apenas mais uma mentira dos artífices da ditadura. Repetidas tantas vezes, ainda há quem nela acredite. Mas isso não a torna verdade.

Por outro lado, abundam evidências sobre os desmandos e a violência da ditadura, embora não apenas, principalmente depois de decretado o AI-5, que conferiu ao regime poderes quase ilimitados. Com o Ato Institucional, escancararam-se as portas à censura. Músicas, livros, filmes e peças teatrais foram proibidos às centenas nos dez anos em que vigorou, cuja capilaridade inquisitorial se estendeu também à imprensa.

Mas ainda mais grave que o verniz de legalidade à repressão política, o AI-5 ampliou e legitimou as inúmeras ações ilegais da ditadura. Com o seu endurecimento, disseminaram-se as muitas arbitrariedades governamentais, inclusos intimidações, sequestros, prisões, torturas e o assassinato de inimigos políticos. A repressão feroz que se abateu sobre toda e qualquer forma de oposição, tem sido recentemente relativizada aqui e acolá, inclusive por alguns historiadores.

Mas não há relativização possível quando se trata da garantia dos direitos humanos fundamentais, sucessivamente desrespeitados nos porões e casas da morte onde a ditadura humilhou, torturou e assassinou centenas, nem sempre e não apenas militantes que pegaram em armas contra o governo. A ditadura não perdoou ninguém e tratou a todos, indiscriminadamente, como criminosos e inimigos.

Democracia e esquecimento
Em Como a democracia chega ao fim, o cientista político David Runciman parte da eleição de Donald Trump nos EUA, para analisar o que chama de “versão caricatural do fascismo”. A insatisfação e a desconfiança com a democracia, geradas principalmente pela crise econômica, propiciaram a ascensão de um líder populista, que se apresentou aos eleitores como um outsider antissistêmico. Sem um programa claro, Trump foi eleito oferecendo soluções fáceis para problemas complexos, somando-se a isso a produção e proliferação serial de fake news, o preconceito contra minorias e o anti-intelectualismo.

Há semelhanças com o caso brasileiro, mas as diferenças chamam mais a atenção. Bolsonaro conjuga elementos do fascismo histórico — a irracionalidade, o personalismo, o elogio da força física e da violência, a moralização da política e a demonização de supostos inimigos, por exemplo —, a formas de autoritarismo cultivadas no terreno fértil da história nacional: a escravidão, experiência estruturante do nosso racismo; a violência estatal contra movimentos sociais; a cordialidade, raiz de nossa baixa tolerância à democracia; e o esquecimento da ditadura.

O crescimento da liderança de Bolsonaro, que de uma excrescência política chegou à Presidência da República, se explica em parte por esse movimento de adesão aos afetos autoritários que, no caso brasileiro, bebe na fonte de uma política sistemática de esquecimento que vigora desde a “abertura lenta, gradual e segura” de Ernesto Geisel, na segunda metade dos anos de 1970, e estabeleceu o marco no interior do qual faríamos a passagem para a democracia.

A Lei de Anistia, de 1979, desempenhou nesse processo papel singular. Se na Argentina e no Uruguai, por exemplo, as respectivas legislações que anistiavam os crimes das ditaduras foram derrogadas, no Brasil não: somos o único país que perdoou os ditadores e seus asseclas sem exigir deles o reconhecimento dos seus crimes. Entre outras coisas, esse ordenamento jurídico limita a própria ação do Estado no cumprimento de suas obrigações em casos de violações dos direitos humanos.

Dos quatro deveres que lhe competem — oferta de reparações; investigar, processar e punir os violadores; revelar a verdade às vitimas, seus familiares e à sociedade; e afastar os criminosos de órgãos relacionados ao exercício da lei e outras posições de autoridade —, mal cumprimos o primeiro. Mesmo a Comissão Nacional da Verdade não mudou substancialmente isso, porque o fundamental restou por fazer: nenhum dos governos eleitos a partir de 1989 enfrentou o imenso edifício de olvido sobre o qual se estrutura parte de nossa cultura política contemporânea.

No último livro publicado ainda em vida, A memória, a história, o esquecimento, o filósofo francês Paul Ricoeur contrapõe ao que considera as dimensões positivas do esquecimento, seus efeitos potencialmente danosos como gesto forçado de apagamento da lembrança, o que ele denomina de “memória impedida”. É esse impedimento que fundamenta aquelas políticas que, como a nossa, confundem anistia com amnésia e tomam essa como critério para associar aquela ao perdão.

O equívoco não é apenas semântico — anistia não significa necessariamente perdão nem, tampouco, esquecimento —, mas político. Desde a transição para a Nova República, há uma interdição, um silenciamento a impedir que tratemos a Lei de Anistia e as políticas de esquecimento daí derivadas pelo que elas são: um obstáculo à efetivação de uma cultura democrática sensível, entre outras coisas, aos muitos riscos a que está exposta, e aos restos de uma ditadura que, mesmo institucionalmente, continuam a ameaçá-la.

As democracias modernas, nos ensina David Runciman, morrem por dentro. A eleição de líderes populistas autoritários, argumenta, é o primeiro passo para um caminho de difícil retorno: quando abrimos mão de nossos direitos e liberdades, ou simplesmente votamos insensíveis ao fato de que indivíduos e grupos serão forçosamente privados deles, porque parte de “minorias” ou porque vistos como “inimigos políticos”, estamos legitimando com nossas escolhas o fascismo em uma de suas muitas versões coevas.

Se a elaboração do passado, e particularmente do passado traumático, pressupõe a eliminação das condições que o permitiram, a anistia concedida pela ditadura criou as condições que seguem autorizando a indiferença para com a desigualdade, a violência de gênero, o racismo e, mesmo, a indiferença para com o terrorismo de Estado, ativo principalmente nas periferias e prisões. Passados 55 anos, a eleição de Bolsonaro em 2018 e sua decisão de comemorar o golpe representam simbólica e, espero, provisoriamente, a derrota da democracia e a vitória da memória e do sentimento autoritário.

Clóvis Gruner é historiador e professor do Departamento de História da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba.

Cesare Battisti,Terrorismo,Justiça,Crimes,Homicídios,Blog do Mesquita

Após confissão de Battisti, deputados cobram retratação da esquerda

Cesare Battisti,Terrorismo,Justiça,Crimes,Homicídios,Blog do MesquitaDeputados apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL) destacaram, na manhã desta segunda-feira (25), a confissão do italiano Cesare Battisti nos assassinatos na década de 1970 pelos quais foi condenado.

Capturado na Bolívia em janeiro, um mês após ter a extradição assinada pelo ex-presidente Michel Temer, Battisti cumpre pena de prisão perpétua na Itália.

Segundo o jornal italiano Corriere della Sera, Battisti fez confissões em um interrogatório feito na prisão pelo procurador Alberto Nobili, em Milão.

À imprensa italiana, o procurador-geral de Milão, Francesco Greco, afirmou que Battisti “admitiu suas responsabilidades” em quatro homicídios, nos ferimentos causados a outras três pessoas e em roubos cometidos pelo grupo Proletários Armados pelo Comunismo, que ele integrou na juventude.

A notícia repercutiu entre parlamentares. “Alguém na esquerda já pediu desculpas por ter apoiado a permanência desse marginal [Battisti] no Brasil por todo esse tempo?”, questionou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), por meio do Twitter.

Na mesma rede social, o deputado Paulo Martins (PSC-PR) também cobrou posicionamento de oposicionistas. “Battisti confessa assassinatos. A esquerda brasileira passou anos protegendo esse verme e alegando sua inocência. Agora dirão que agiu certo ao assassinar pessoas?”, escreveu.

O próprio presidente Bolsonaro se manifestou, também pelo Twitter. “Battisti, ‘herói’ da esquerda, que vivia colônia de férias no Brasil proporcionada e apoiada pelo governo do PT e suas linhas auxiliares (PSOL, PCdoB, MST), confessou pela 1ª vez participação em 4 assassinatos quando integrou o grupo terrorista Proletários Armados pelo Comunismo.

Por anos denunciei a proteção dada ao terrorista, aqui tratado como exilado político. Nas eleições, firmei o compromisso de mandá-lo de volta à Itália para que pagasse por seus crimes. A nova posição do Brasil é um recado ao mundo: não seremos mais o paraíso de bandidos!”, escreveu Bolsonaro.
Congresso em Foco

Terrorismo,Brasil,Bolsonaro,Lei anti Terrorismo,Blog do Mesquita

Bolsonaro e a Lei Antiterrorismo

Terrorismo,Brasil,Bolsonaro,Lei anti Terrorismo,Blog do MesquitaLoja de revenda de motocicletas foi atacada na madrugada da última segunda-feira
Bolsonaro defende lei antiterrorismo vetada por Dilma e temida por movimentos sociais

O presidente Jair Bolsonaro defendeu neste sábado (12) a aprovação de um projeto de lei em tramitação no Senado que endurece a lei antiterrorismo sancionada com vetos pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2016. A proposta enfrenta a oposição de partidos de esquerda e de movimentos sociais, que alegam que as mudanças coíbem o direito à livre manifestação.

Bolsonaro retomou ao assunto, que já havia abordado durante a campanha eleitoral, ao comentar a onda de ataques criminosos que apavora o Ceará desde o início do ano. “Ao criminoso não interessa o partido desse ou daquele governador. Hoje ele age no Ceará, amanhã em SP, RS ou GO. Suas ações, como incendiar, explodir… bens públicos ou privados, devem ser tipificados como TERRORISMO. O PLS 272/2016 do Sen Lasier Martins é louvável”, escreveu o presidente no Twitter.

A proposta classifica como terrorismo o ato de incendiar, depredar, saquear, destruir ou explodir meios de transporte ou qualquer bem público ou privado, além de de interferir, sabotar ou danificar sistemas de informática ou bancos de dados. A pena estipulada para essas condutas vai de 12 a 30 anos de reclusão.

Leque ampliado

A lei em vigor classifica como terrorismo a prática de atos individuais ou coletivos “por razões de xenofobia, discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião”, com a finalidade de provocar terror social ou generalizado. O projeto de Lasier, relatado pelo senador Magno Malta (PR-ES) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), inclui entre os atos terroristas aqueles praticados por “motivações políticas, ideológicas, sociais” e enquadra quem “coagir autoridade do poder público a adotar determinada conduta.”

Pressionada pelo PT e por movimentos sociais e sindicais, Dilma vetou esses itens da lei antiterrorismo aprovada pelo Congresso em 2016 em meio à organização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Naquele ano, a Polícia Federal prendeu um grupo de brasileiros suspeitos de planejar atentado durante a Olimpíada.
MST e MTST

Os opositores alegam que o projeto defendido por Bolsonaro tem a finalidade política de criminalizar organizações como o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), o Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST) e entidades que reúnem quilombolas e indígenas, entre outras.

Lasier diz que os movimentos sociais continuarão a ter o direito à livre manifestação. O alvo, segundo ele, é outro. “Que seja admitido como conduta terrorista incendiar, depredar, saquear, destruir ou explodir meios de transporte ou qualquer bem público ou privado”, defende o autor do projeto.

Na avaliação do senador, ao vetar esses itens quando sancionou a Lei 13.260/16, Dilma tornou a legislação “parcialmente inócua”. Entre outros pontos, a ex-presidente vetou o trecho que tratava da “apologia ao terrorismo” porque, segundo ela, não trazia “parâmetros precisos capazes de garantir o exercício do direito à liberdade de expressão”.

Censura

Para os críticos da proposta, protestos como os de junho de 2013, que tiveram episódios de depredação de patrimônio público e privado, poderiam ser classificados como terroristas se a mudança proposta por Lasier e Bolsonaro estivesse em vigor.

Os opositores do projeto afirmam, ainda, que até manifestações nas redes sociais poderão ser enquadradas nesse tipo de crime, pois há previsão de punição para quem “recompensa ou louva pessoa, grupo, organização ou associação pela prática de terrorismo.

“É um ato de censura, de combate ao direito de ir e vir e à liberdade de manifestação, conceituado na Constituição”, classifica o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor de um relatório paralelo (chamado de voto em separado) que propõe a rejeição do projeto na CCJ. “Em cima desse texto, podem prender militantes de movimentos estudantis, movimentos sindicais, estamos criminalizando o MST”, acrescenta o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

Genérico

Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça em dezembro, o juiz Marcelo Semer, da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), considerou a proposta desproporcional na definição das penalidades. No caso do crime de “apologia ao terrorismo”, por exemplo, o período previsto para reclusão salta de três meses para quatro anos. O jurista também considera vaga a conceituação das condutas enquadradas.

“É uma coisa muito genérica. Veja, apologia é louvar um terrorista. Eu não sei o que seria ‘louvar’. De repente, se [alguém] faz uma manifestação favorável a uma reivindicação, será que está ‘louvando’ um terrorista? Imagina isso nas redes sociais, com compartilhamentos e curtições [de posts]”, criticou. “O que essa alteração pretende fazer não é combater o terrorismo. É criar o terrorista. É tentar criar um problema que a gente não tem. É completamente sem sentido isso”, completou.

Facções contrariadas

Balanço divulgado pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa do Ceará informa que 319 pessoas foram presas até as 17h dessa sexta-feira por suspeita ou flagrante em participação nos ataques registrados no estado desde o último dia 2, promovidos por facções criminosas.Ruas esvaziadas, comércio fechado e lixo por recolher. Fortaleza é afetada por onda de ataques. Foto: José Cruz/ABr
Nessa madrugada, criminosos derrubaram uma torre de transmissão de energia e explodiram uma concessionária de veículos na região metropolitana de Fortaleza. Em seu 11º dia consecutivo, a onda de violência no Ceará já registrou 194 ataques em 43 municípios. Até o momento, segundo o Ministério da Justiça, 35 integrantes de facções criminosas foram transferidos para presídios federais.

As ações começaram depois de o governador reeleito Camilo Santana (PT) criar a Secretaria de Administração Penitenciária e iniciar uma série de ações para combater o crime dentro dos presídios. Foram apreendidos celulares, drogas e armas em celas. O governo anunciou que não dividirá mais os presos conforme a facção criminosa.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, atendeu a pedido do governador e autorizou o envio de 406 agentes da Força Nacional para reforçar a segurança no estado. A violência afastou turistas do estado e compromete a vida da população com o clima de pânico, interrupções no transporte público e fechamento do comércio.

Ditadura,1964,Bolsonaro,Ministros,Brasil

50 anos do AI-5: os integrantes da equipe de Bolsonaro considerados ‘subversivos’ e ‘infiltrados comunistas’ pela ditadura

Estudantes pedem eleições diretas na década de 1980, no RioDireito de imagemINSTITUTO DURANGO DUARTE / REPRODUÇÃO
Estudantes de teatro pedem eleições diretas na década de 1980, no Rio de Janeiro

Ao debater o regime militar (1964-1985), integrantes da equipe de transição e do futuro governo Bolsonaro dizem que a repressão da época – que deixou mais de 400 pessoas mortas e desaparecidas, de acordo com o relatório da Comissão Nacional da Verdade – ocorria no contexto de uma guerra: entre o Estado brasileiro e grupos armados que tentaram impor o comunismo.

Mas um levantamento da BBC News Brasil nos arquivos daquela época mostra que a repressão e a vigilância não se resumia à esquerda armada. Até mesmo pessoas que hoje fazem parte da equipe de transição do presidente eleito foram vigiadas de perto pelo aparato de inteligência dos militares – alguns, inclusive, foram considerados “infiltrados comunistas” e “subversivos”.

“(O golpe de 64) Foi um contragolpe contra um movimento crescente de comunistas. Os militares assumiram o poder, e tivemos uma guerra”, disse ao jornal O Globo o cientista político e professor aposentado da UnB, Antônio Flávio Testa. Ele participou do grupo de militares e intelectuais que formulavam propostas para Bolsonaro, e hoje faz parte da equipe de transição. Na década de 1970, porém, o próprio Testa foi alvo de um inquérito aberto contra si e chegou a ser detido “por algumas horas”, por participar de atividades ligadas ao movimento estudantil.

Quem investigava?

O Serviço Nacional de Informações (SNI) foi criado em junho de 1964, poucos meses depois do golpe militar – que, em 31 de março daquele ano depôs o presidente João Goulart e estabeleceu um regime autoritário que durou até 1985.

O SNI foi idealizado pelo general Golbery do Couto e Silva, e era composto por um Agência Central, em Brasília, e agências e escritórios espalhados por todo o país e em todos os órgãos do governo. O SNI existiu até 1990, quando foi substituído por uma estrutura menor e sob controle civil. O conjunto todo era chamado de “comunidade de informações” do regime.

Artistas em passeata nos anos 1960Direito de imagemINSTITUTO DURANGO DUARTE / REPRODUÇÃO
Chico Buarque (dir., segurando cartaz) e outros artistas na Passeata dos Cem Mil, em 1968

Como os integrantes da equipe de transição de Bolsonaro e do futuro governo aparecem nos arquivos do SNI?

O futuro presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o economista Carlos Doellinger, foi nomeado num documento de 1985 como “infiltração comunista” no governo de José Sarney, que havia acabado de tomar posse. Já o guru econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, teve sua ficha levantada quando pediu um passaporte de viagem, nos anos 1970 – mas nada pesava contra ele.

O cientista político Antônio Flávio Testa, que fez parte do grupo de formuladores das políticas de Bolsonaro e integra o gabinete de transição, era considerado “subversivo” porque participava do movimento estudantil da Universidade de Brasília (UnB), nos anos 1970, e chegou a ser detido por algumas horas, segundo contou à reportagem.

O próximo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, foi vigiado por ser estrangeiro e por participar de congressos de filosofia na década de 1980. A inteligência da ditadura também mencionou textos dele contra a Teologia da Libertação, uma ala de esquerda da Igreja Católica, em análises de conjuntura.

O futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno – que foi comandante militar na Amazônia e chefe da missão de paz no Haiti, a Minustah – aparece como integrante de uma chapa apoiada pelo governo do general João Figueiredo na disputa pelo Clube Militar. Dickson Melges Grael, pai dos velejadores Lars e Torben Grael, fazia parte da chapa adversária.

Reprodução de documento que menciona o pai de Lars e Torben Grael, Dickson Melges, como 'indisciplinado'Direito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Image captionO documento que menciona o pai de Lars e Torben Grael, Dickson Melges, como ‘indisciplinado’

As pessoas mencionadas nos documentos foram procuradas pela reportagem, mas só Antônio Flávio Testa quis comentar o assunto.

‘Até quem nunca sonhou em ser comunista era vigiado’

A maioria das pessoas monitoradas pela inteligência do regime militar nunca teve qualquer envolvimento com o comunismo organizado ou com a esquerda, de acordo com o historiador especializado em história política Antônio Barbosa.

Isso porque quando o SNI surgiu, em 1964, o mundo vivia uma tensão crescente entre os Estados Unidos – capitalista – e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, capitaneada pela Rússia comunista. Ao tomarem o poder no Brasil, os militares justificaram o novo regime como uma forma de evitar que o país aderisse ao bloco soviético – e esse discurso se manteve ao longo de todo o período militar, diz Barbosa, que é professor da Universidade de Brasília (UnB).

“Depois de 1961, quando Cuba se declara marxista-leninista, a Guerra Fria atravessou o Oceano Atlântico e veio da Europa para as Américas. Nesse momento ocorre uma série de golpes militares de direita, anticomunistas, na América Latina, inclusive no Brasil”, diz ele.

Tanques de guerra na ruaDireito de imagemINSTITUTO DURANGO DUARTE / REPRODUÇÃO
Tanques de guerra nas ruas do Rio de Janeiro, em abril de 1964

“Muito do trabalho dos órgãos de segurança, como o SNI, era o que eles chamavam de ‘luta contra a subversão’. Na verdade, era a luta contra as esquerdas (…), que ia muito além da parcela que fazia a luta armada. O espectro dos inimigos do regime era muito amplo. Entravam aí liberais, democratas de forma geral, socialistas, e qualquer um que não rezava pela cartilha do regime”, diz ele.

De 251 acervos, só 40 foram encontrados até hoje

Ao longo dos anos, o SNI produziu um acervo gigantesco. Os dossiês principais eram identificados com a sigla ACE – Arquivo Cronológico de Entrada – e iam sendo numerados em ordem direta, conforme eram produzidos. “Só na Agência Central, a numeração (dos ACEs) chegou a cem mil em 1978. E aí eles zeraram a conta. É por isso que, a partir deste ano, a numeração fica baixa”, explica o historiador Pablo Franco, que trabalha com o acervo da ditadura no Arquivo Nacional, onde o material está guardado hoje.

Infelizmente, apenas uma pequena parte desse material se salvou. O restante não foi encontrado até hoje, e o destino desses documentos é incerto.

“O SNI era a ‘cabeça’ do sistema de informações, mas os outros órgãos que foram criados no regime alimentavam o SNI. Então você tinha o Centro de Informações do Exército, o Cenimar (da Marinha) e o Cisa (da Aeronáutica). Eles vigiavam os militares das forças, mas também a sociedade de forma geral. Dentro de cada órgão público, de cada universidade, tinha uma estrutura dessas”, conta Pablo.

Foto de estudantes da UnB em arquivo da ditaduraDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Estudantes e professores identificados ao participar de manifestações. Na foto, estudantes da UnB

“A gente sabe por fontes documentais, por exemplo, que dentro do Ministério da Educação tinha uma DSI (Divisão de Segurança e Informações). Mas o MEC nunca encontrou os papéis produzidos por essa Divisão. A gente sabe que existiu, mas não se sabe o paradeiro dos documentos”, diz ele.

Desde 2008, historiadores do Arquivo Nacional que investigam esse período histórico já identificaram 251 agências e diretorias de inteligência, mas apenas 40 dessas tiveram seus documentos recuperados, segundo Pablo.

Vélez Rodríguez e a Teologia da Libertação

Nascido em Bogotá, na Colômbia, e naturalizado brasileiro, Vélez Rodríguez é filósofo e teólogo de formação. Chegou ao cargo de ministro da Educação do futuro governo depois de indicado pelo também filósofo e guru conservador Olavo de Carvalho. Em seu blog, Vélez diz que os brasileiros viveram nos últimos anos como “reféns de um sistema de ensino alheio às suas vidas e afinado com a tentativa de impor, à sociedade, uma doutrinação de índole cientificista e enquistada na ideologia marxista, travestida de ‘revolução cultural gramsciana'”.

Como professor – e estrangeiro – Vélez não escapava do olhar atento da Comunidade de Informações do regime.

Num documento de 1985, a Assessoria de Segurança e Informações (ASI) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) pede uma checagem das informações sobre ele na base de dados do Serviço Nacional de Informações (SNI), antes dele assumir o cargo de professor. Outro trecho de dossiê do mesmo ano registra a presença de Vélez num seminário de filosofia organizado pela Arquidiocese do Rio de Janeiro e pela Sociedade Brasileira de Filósofos Católicos, em outubro daquele ano – e visto com desconfiança pelos militares.

Reprodução de artigo de Vélez Rodríguez em dossie do SNIDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Artigos de Ricardo Vélez Rodríguez sobre a Teologia da Libertação eram às vezes mencionados pelos militares em análises internas

Além disso, os relatórios do SNI também citam Vélez em alguns momentos como autor de estudos e artigos críticos à Teologia da Libertação – uma ala de esquerda da Igreja Católica, surgida na América Latina, e para a qual os ensinamentos de Jesus incluem a luta contra injustiças sociais.

Um dos dossiês, da década de 1980, reproduz um trecho de um artigo do futuro ministro, no qual ele afirma que a corrente do teólogo Leonardo Boff representava uma “progressiva penetração da URSS (União Soviética) no nosso continente, através da politização e da radicalização (…)”. Em outro artigo, este publicado no jornal O Estado do Paraná e citado pelos militares, Rodríguez diz que a Teologia da Libertação faz uma “releitura tendenciosa” do texto bíblico.

Reprodução de artigo de Vélez Rodríguez em dossie do SNIDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Os artigos de Vélez sobre a Teologia da Libertação eram lidos pelo SNI, e citados em

Augusto Heleno contra o pai de Lars Grael

Paranaense de Curitiba, Augusto Heleno Ribeiro Pereira é o militar mais próximo do presidente eleito Jair Bolsonaro. Antes mesmo do começo da disputa eleitoral, comandava as reuniões do grupo de formuladores do programa de governo do candidato do PSL. Quase foi candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro, no lugar de Hamilton Mourão – o que só não aconteceu porque o partido de Heleno, o PRP, não topou.

Nos papéis da ditadura já digitalizados e acessíveis ao público, Heleno aparece uma única vez. Trata-se de um dossiê de janeiro de 1984 sobre a eleição para a diretoria do Clube Militar, no Rio de Janeiro, que aconteceria em maio.

Heleno – que na época era major do Exército – integrava a chapa “governista” na disputa pelo comando do clube. Conforme o dossiê, o grupo dele tinha o apoio do ministro do Exército da época, Walter Pires de Carvalho e Albuquerque. A chapa de Heleno era encabeçada por um general de três estrelas chamado Tasso Villar de Aquino. Heleno era suplente do Conselho Fiscal.

Estudantes identificados em fotos feitas pelo aparato de inteligênciaDireito de imagemARQUIVO NACIONAL
Estudantes identificados em fotos feitas pelo aparato de inteligência

Do outro lado estava a chapa “Soberania Nacional”.

“Dentre os integrantes desta Chapa (‘Soberania’) encontram-se militares contestadores e indisciplinados, como os coronéis Tarcísio Célio Carvalho Nunes e Dickson Melges Grael, cujos comportamentos inconvenientes são sobejamente conhecidos”, diz um trecho do dossiê.

Dickson Melges Grael é pai dos velejadores Lars e Torben Grael. No ano seguinte, 1985, ele publicou um livro revelando informações sobre o atentado do Riocentro – quando dois militares tentaram explodir uma bomba num show de música em comemoração ao Dia do Trabalhador, no Rio.

Contando com o apoio do governo do então presidente João Figueiredo, a chapa de Heleno ganhou – teve 4.175 votos contra 2,5 mil do grupo de oposição.

Futuro presidente do Ipea era visto como”infiltração comunista”

Em novembro deste ano, o economista carioca Carlos Von Doellinger foi indicado pelo guru econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes, para assumir a presidência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Doellinger já foi pesquisador do Ipea – também deu aulas na Universidade Federal do Rio de Janeiro e presidiu o Banco do Estado do Rio, o antigo Banerj. Mas em maio 1985, no primeiro governo civil, ele era visto como uma “infiltração comunista” pelo Cisa (Centro de Informações da Aeronáutica).

Carlos Von DoellingerDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Carlos Von Doellinger foi incluído numa lista de “infiltrados comunistas” em 1985

Doellinger foi para o governo em 15 de março de 1985, quando o maranhense José Sarney tomou posse como o primeiro presidente civil depois do ciclo de generais no poder no Brasil. No mesmo dia, o Diário Oficial trouxe a nomeação da Esplanada de Sarney. Francisco Dornelles, hoje governador interino do Rio, foi escolhido ministro da Fazenda. E levou consigo Doellinger, que foi nomeado secretário-geral adjunto do Ministério.

Em maio de 1985, o Cisa produziu um dossiê batizado de “Infiltração comunista nos diversos setores de atividade”. “(…) os elementos abaixo, nomeados para cargos e funções de confiança em órgãos do Poder Executivo, registraram antecedentes negativos neste Centro”, dizia o documento.

A lista de pessoas com “antecedentes” é extensa e ideologicamente heterogênea. Inclui Cláudio Lembo (que seria governador de SP pelo PSDB), Dilson Funaro (veio a ser ministro da Fazenda); Dorothea Werneck (chegou a ministra do Trabalho); Carlos Alberto Menezes Direito (foi ministro do STF); Cláudio Fonteles (ex-Procurador-Geral da República) e até o jornalista de economia Carlos Alberto Sardenberg.

O documento segue descrevendo outras esferas em que teria havido “infiltração comunista”, inclusive na reformulação da educação superior.

Embora o governo já fosse civil, o SNI continuou existindo, e sob o comando de militares. O órgão só foi desmantelado completamente em 1990.

Carlos Von Doellinger acabou deixando o governo poucos meses depois, em agosto de 1985. Há outros documentos que mencionam o economista – geralmente informes sobre sua participação em congressos da área.

Ex-professor da UnB considerado “subversivo”

Estudantes identificados em fotos feitas pelo aparato de inteligênciaDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Antônio Flávio Testa (com a letra ‘A’ sobre si) identificado em foto da ASI-UnB, durante manifestação

Antônio Flávio Testa é cientista político e professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB), além de assessor técnico do Senado Federal. Antes mesmo do começo da campanha oficial, colaborou com o grupo de militares e especialistas responsáveis por formular propostas para Jair Bolsonaro. Próximo dos generais Augusto Heleno e Oswaldo Ferreira, Testa disse ao jornal O Globo que seu envolvimento com o grupo não envolve identificação ideológica.

“Eu não sou de esquerda nem de direita. E não considero Bolsonaro de direita, nem Lula de esquerda. São dois programáticos”, disse ele ao jornal O Globo, em setembro de 2018.

Na década de 1970, porém, Testa era estudante de graduação da UnB – e envolvido com o movimento estudantil da época. Por isso, foi alvo de vigilância constante da Assessoria de Segurança e Informações (ASI) da UnB, que era o braço do SNI dentro da universidade.

Em 1976, Testa integrava uma das chapas que disputou o comando do Diretório Central dos Estudantes (DCE), a principal entidade estudantil da universidade. Concorreu como diretor de Esportes, na chapa Oficina.

Inquérito sobre Antonio Flavio TestaDireito de imagemARQUIVO NACIONAL / REPRODUÇÃO
Um inquérito contra Testa foi instalado, mas ele disse que não teve de responder realmente ao feito

Para a ASI da UnB, tanto o grupo de Testa quanto a chapa adversária, batizada de Unidade, eram “subversivas”. “Os panfletos distribuídos por ambas as chapas continham incitações à indisciplina (…), além de aleivosias ao Governo e à Administração da UnB. (…) Além de conter incitações à luta de classes, à discórdia e à desordem”. A eleição nunca aconteceu: foi suspensa pela direção da universidade, e os integrantes das duas chapas – inclusive Testa – tiveram inquéritos abertos contra si.

À reportagem da BBC News Brasil, testa disse que não respondeu realmente ao inquérito, e que o episódio não trouxe maiores consequências para ele. “Nada (de consequência). Fiquei detido algumas horas”, disse.

O nome de Antônio Flávio Testa aparece em vários outros documentos produzidos pela ASI-UnB ao longo da década de 1970. Toda participação numa palestra ou protesto eram devidamente registradas pelo braço do SNI na universidade, às vezes inclusive com fotografias.

Pouco depois da publicação da reportagem, Testa procurou a BBC News Brasil para frisar que nunca foi, “de jeito nenhum”, um “subversivo”.

“Sou karateca, dava aulas no DCE, daí a fama. Me chamaram para compor a chapa dos estudantes, como diretor de Esportes. Apenas isso. nada político, só treinos. Era e sou ainda muito conhecido. Me relaciono com todo mundo”, conta ele, sobre o período – ele acrescenta que nunca foi “contra o capitalismo”, e que considera o termo “subversivo” obsoleto.

“Eram outros tempos”, diz ele. “Se você fosse poeta e escrevesse letras de música para festivais estudantis, tinha que passar pelo crivo da censura. Foi um tempo de grande desconfiança”.

“Depois (da UnB), passei em concurso para antropólogo da Funai em pleno regime militar. Se fosse subversivo, não teria sido aceito. Trabalhei em áreas sensíveis, delimitando terras indígenas (…). Nunca tive problemas com militares. Dei aulas de karatê para os Fuzileiros Navais e no RCG (Regimento de Cavalaria de Guardas) do Exército. Tive centenas de alunos militares”, disse ele à reportagem.
BBC

Submarino Riachuelo,Marinha do Brasil,Blog do Mesquita

É Froidi – Drops & Picles

Frase do dia
“Assim que a expressão de entrega se choca com bloqueios que impedem a sua livre expansão, transforma-se em raiva destruidora.”
Wilhelm ReichWilhelm Reich,Filosofia,Literatura


Mais estranho que o desaparecimento do motorista, é o desaparecimento da Polícia Federal, do Ministério Público e de todo Judiciário Brasileiro.
Logo aqui, no país da Lava Jato?


“Justiça acata pedido e agricultor deve ser solto após três meses preso por furtar biscoito”

Mas também quem mandou roubar um pacote de biscoito, cuja valor não era irrisório, né?Geddel,Corrupção,Brasil,Malas de Dinheiro,Blog do Mesquita,Justiça Geddel,Corrupção,Brasil,Malas de Dinheiro,Blog do Mesquita,Justiça

Da série de terror “Não irá sobrar nada”

Baleia encontrada morta com 40Kg de sacos plásticos no estômago.Meio Ambiente,Vida Selvagem,Baleia,Poluição,Oceanos,Plásticos,Blog do Mesquita

COAF…COAF…COAF
Cabaré em chamas.
Até a JanaLoka denunciou o esquema do Bozo Filho.
Flávio Bolsonaro contrata assessores e fica com parte dos salários deles.
Parece o governo cubano que ficava com parte do salário dos médicos.


Brasil da série “Sem humor não dá pra agüentar o tranco nesse hospício.”Bolsonaro,Motorista,Blog do Mesquita


Design – Portas e Janelas
Mosteiro de Batalha,Portugal
Arquitetura,Design,Blog do Mesquita,Mosteiro de Batalha,Portugal


Sinto dizer que goiabeira e a bolsa estupro, todos vinculados à ministra Damares, são cortina de fumaça para a corrupção dos Bolsonaros. E nós caímos mais uma vez. Robôs dos goiabas seguem pautando as redes.Bolsonaro,Brasil,COAF,Corrupção


Onde está o motorista Fabrício Bolsonaro Queiroz?Blog do Mesquita,Fabricio Queiroz,Motorista,Bolsonaro,Brasil,Corrupção


Cerimônia de Lançamento ao mar do Submarino Riachuelo, o primeiro de alta tecnologia fabricado no Brasil, nos estaleiros da Marinha Brasileira.

O nuclear, se “as forças ocultas não “atrapalharem”, em breve.Submarino Riachuelo,Marinha do Brasil,Blog do Mesquita
Bebê espantado,Blog do Mesquita

É Froidi – Drops & Picles

Da série “Meu ofício é incomodar”
Cadê o Queiroz?
Quem matou Mariele?
Cadê o esfaqueador?
Só chamando o Herculano QuintanilhaBola de Cristal,Blog do Mesquita,O Astro

Imagina você entrando nessa Catedral em Campinas e o padre com uma 12 do lado da Bíblia?
Uma mistura de Gunslinger com Priest!

Armas,Igreja,Blog do Mesquita

Fotografias,Animais,Cavalos,Blog do Mesquita 3


Vamos fazer as contas?
Fernanda Montenegro é atriz desde antes de 1951, e a Lei Rouanet foi criada em 1991.
Em 1991, ela já era um ícone da dramaturgia no país e conhecida mundialmente.
Como ela só ficou famosa por quê “mama” na Lei Rouanet?
A NASA precisa estudar os devotos da “famiglia”.


Chega!
Ela tem um livro: Jesus no pé de goiaba! Dá pra acreditar?
“Eu vi Jesus no pé de goiaba”, diz Damares Alves, futura ministra de Bolsonaro.


Ministra-pastora propõe relativizar o estupro, humanizar o estuprador e punir a mulher tonando o aborto crime hediondo. Uma inacreditável peça de violência contra a mulher em três atosFreira,Terror,Blog do Mesquita


Ontem foi o Dia Mundial do Palhaço, mas aqui no Bananil, o dia durará, no mínimo quatro anos.

Se abrir a porta para maluco, ninguém a fechará mais.
Reunião dessa turma dos parafuso solto. Olhem só o futuro ministro da Ciência e Tecnologia participando das reuniões do Gabinete de Transição do novo(?) governo, vestido de astronauta.Bolsonaro, Astronauta

O mais triste, desesperador, é que ainda tem muito espaço para piorar.
“Vamos tratar meninas como princesas e meninos como príncipes”, diz futura ministra –
A pastora Damares Alves defendeu o que chamou de uma contrarrevolução cultural. Cuma? Hahahaha.


Inacreditável: Alberto Fraga – bancada da bala, não se reelegeu e é “cliente” da Lava Jato – acaba de culpar a Rede Globo pelo atentado ocorrido em Campinas, em que um homem abriu fogo na catedral, matou quatro e cometeu suicídio. “Esse tipo de atitude deve-se à repercussão da Rede Globo de casos isolados dos EUA sendo repercutidos aqui”. “Quiuspa”!Brasil,Política,Humor


A xenofobia, a rejeição da pluralidade, a mentalidade paranoica em relação ao mundo exterior e a construção de bodes expiatórios se transformaram em tendência mundial. É preciso levar a sério a questão nacional, não deixá-la nas mãos dos extremistas. Também é necessário fortalecer a coesão coletiva


Fabrício Queiroz,Motorista,Bolsonaro


O Junior, “parça” do motorista desaparecido, Filhinho disse que ia invadir a Venezuela. Será que ele mantém a promessa? Se só com a Venezuela sozinha já não iria conseguir, imagine agora com a Rússia. Vai que é sua, Bozinho!Aviões,Bombardeiros,Rússia,Venezuela,Bolsonaro


Mais um.
Ricardo Salles gastou R$ 260 mil para propaganda eleitoral antecipada, diz MP
Procuradoria acusa novo ministro do Ambiente de abuso de poder econômico na eleição
Ricardo Salles gastou R$ 260 mil para propaganda eleitoral antecipada, diz MPBolsonaro,Brasil,COAF,Corrupção


Mudança no mundo das histórias infantis: sai “João e o Pé de Feijão”, entra “Jesus e o Pé de Goiaba”.
Mas é bom tomar cuidado. Depois de ouvir a versão contada pela tia Damares, a criança fica uma semana sem dormir.



Não escapa ninguém. Só tem ladrão. Tudo com rabo preso apontando o rabo preso dos outros.
PSC, PT e PSOL aparecem em relatório do Coaf.


Tem que ser interditada. Na frente da tia da goiabeira, Paschoal é um modelo de sanidade e equilíbrio emocional.

O garotinho do filme “Sexto Sentido”
– Eu acho que vejo gente morta!
Ministra do Bozó:
– Fica quieto moleque, eu vejo Jesus na goiabeira o tempo e, nem por isso fico dando bandeira, fica quieto senão internam a gente!

Meu pé de Laranja, Laranja.

Alguma notícia de como funciona o Programa Minha Laranja Minha Vida?
PF fazendo buscas nas casas dos envolvidos? Um Plantão da Globo mostrando PowerPoint? Algo?Laranjas,Corrupção,Lavagem de dinheiro,Blog do Mesquita
Nicarágua,Terrorismo,Ditadura,Ortega

Nicarágua usa Leis Antiterror para para suprimir dissidentes

Nicarágua,Terrorismo,Ditadura,OrtegaFoto: Inti Ocon/AFP/Getty Images

QUANDO MARIELA CERRATO viu sua filha e seu genro nas notícias do final de julho, rodeados de policiais mascarados e descritos como terroristas, ela não ficou surpresa. Ela sabia que as autoridades estavam atrás do casal há algum tempo.

O seu negócio havia sido incendiado dias antes e um cartaz de procurados com os rostos deles vinha circulando nas redes sociais. Paramilitares usando toucas ninja haviam ido à casa de Cerrato para exigir que ela revelasse onde a filha e o genro estavam. O que ela não sabia era que o casal vinha se mudando de esconderijo para esconderijo. Na última vez que ela os havia visto, em meados de julho, eles se preparavam para fugir da pequena cidade de Masaya, no oeste da Nicarágua, esperando chegar à Costa Rica.

Agora a filha de Mariela, Maria Peralta, e seu marido, Christian Fajardo, estão em uma cadeia de segurança máxima em Manágua, a capital do país, podendo pegar até 30 anos de prisão. Eles são apenas dois dos mais de 400 ativistas presos e processados como parte do cerco do presidente Daniel Ortega a manifestantes que têm cobrado a sua renúncia.Nicarágua,Terrorismo,Ditadura,Ortega

Foto: Carlos Scopio
Mariela Cerrato, cuja filha e genro foram acusados de terrorismo após participar em protestos contra o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega. Mariela Cerrato, cuja filha e genro foram acusados de terrorismo após participar em protestos contra o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.

A Nicarágua mergulhou em violentas revoltas após o início dos protestos em 18 de abril, provocados por uma mudança pouco popular no sistema de seguridade social do país. As manifestações logo se expandiram, tornando-se um movimento nacional liderado por estudantes contra Ortega, a quem os críticos acusam de ter imposto medidas cada vez mais autoritárias durante seus 12 anos no poder. Milhares de pessoas que foram às ruas encontraram policiais e grupos paramilitares fortemente armados, que atiraram contra a multidão, torturaram e estupraram detidos, além de prender líderes arbitrariamente, segundo a ONU. O saldo foi de mais de 300 mortos, mais de 2 mil feridos e outros 2 mil presos.

Embora as ruas agora já não tenham mais barricadas e pareça que a crise acabou, o país continua profundamente turbulento. Mais de 40 mil nicaraguenses estão buscando refúgio na Costa Rica, segundo as autoridades, e cerca de 13,7 mil deles requisitaram asilo formal. O Centro Nicaraguense de Direitos Humanos diz que mais de 550 cidadãos do país ainda estão presos, e o governo continua a buscar e capturar seus oponentes – entre eles, estudantes, agricultores, e familiares daqueles que foram mortos. No mês passado, a polícia divulgou uma declaração proibindo protestos não autorizados.

Muitos dos que foram presos serão julgados como terroristas, graças a uma lei aprovada em julho pelo Congresso controlado por Ortega, que expandiu a definição de terrorismo para incluir uma série de crimes, como a destruição de propriedade. Quem for condenado poderá pegar de 15 a 20 anos de prisão. De acordo com Roberto Larios, diretor de comunicação dos tribunais, mais de 200 pessoas foram acusadas de terrorismo. Pelo menos 18 delas foram consideradas culpadas até agora. Seus casos marcam a primeira vez que alguém foi condenado por terrorismo na Nicarágua.

O estado diz que a lei foi aprovada para o país ficar de acordo com as recomendações da Financial Action Task Force, a FATF, uma organização internacional dedicada a coibir o financiamento ao terror. Antigos procuradores, advogados, ativistas e manifestantes dizem que, independentemente do objetivo original, a lei agora está sendo usada para criminalizar protestos e serve de pretexto para Ortega silenciar seus críticos.

“A lei é tão aberta que pode ser aplicada a qualquer atividade, até mesmo passar uma bolsa d’água para alguém em uma barricada. (…) O que estamos vendo é uma rebelião civil, uma rebelião social, isso não é terrorismo”, disse Alberto Novoa, um ex-advogado geral da Nicarágua, em uma entrevista a um jornal local.

A NICARÁGUA não está sozinha quando se trata de expandir sua definição de “terrorismo” até o ponto em que ativistas e manifestantes acabam atrás das grades. Ortega é apenas o mais recente em uma longa lista de governantes que aprovaram leis antiterrorismo abrangentes que, segundo ativistas, podem ser utilizadas para violar liberdades civis. Nas últimas décadas, mais de 140 países adotaram medidas antiterrorismo, mas os países cada vez mais têm usado essas leis como “atalhos para atacar protestos democráticos e oposição”, conforme explicou Fionnuala Ní Aoláin, relatora especial da ONU para a proteção e promoção de direitos humanos na prevenção ao terrorismo. Um relatório das Nações Unidas divulgado este ano destacou a tendência de classificar defensores de direitos humanos, ativistas e especialistas como “terroristas” em países como Argélia, Egito e Filipinas, entre outros. O Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais também assinalou que vários países além da Nicarágua utilizaram as medidas antiterrorismo da FATF para justificar a aprovação de leis restritivas nos últimos anos.

“Do Brasil e da Nicarágua à França e ao Reino Unido, ao Quirguistão e à Austrália, estamos vendo repressões que tornam muito fácil rotular manifestantes, jornalistas, ativistas, opositores políticos, e outros que as autoridades querem neutralizar, como ‘terroristas’ e ‘extremistas’”, disse Letta Tayler, uma pesquisadora sênior sobre terrorismo na Human Rights Watch. “Vimos uma perigosa expansão global de leis draconianas antiterrorismo desde os ataques de 11 de setembro de 2001. (…) Como a palavra terrorismo é associada a atrocidades, agora é fácil fazer o público comprar respostas que infringem a lei em nome da segurança.”

“Quando governantes precisam de um inimigo e precisam mobilizar o povo contra aquele inimigo, confundir o povo sobre a verdade, e acabar com o debate, o ‘terrorismo’ agora é uma opção.”
Temores quanto ao Estado Islâmico (ISIS, na sigla em inglês) estimularam um uma avalanche recente de leis em muitos países, disse Taylor. Mesmo na América Latina, onde a ameaça de um ataque do ISIS é remota, a palavra “terrorista” começou a vazar para o discurso público. Honduras aprovou uma legislação antiterror em setembro, que poderia mandar manifestantes à prisão por 15 a 20 anos. Ao contrário da Nicarágua, Honduras não usou a lei contra aqueles que participaram em protestos durante sua crise eleitoral, mas alguns líderes das manifestações continuam presos.

No Equador, na Colômbia, e no Chile, ativistas indígenas e ambientalistas foram acusados de terrorismo. Em 2016, o Brasil aprovou uma lei antiterrorismo que foi criticada pela ONU e por especialistas por sua definição ampla de terrorismo. A suprema corte de El Salvador classificou membros de gangues como terroristas e modificou a legislação antiterrorismo existente para implicar também qualquer um que colabore com eles, uma ação que alguns dizem estar sendo usada para justificar repressão e pedir auxílio internacional. A Venezuela aprovou uma controversa lei antiterrorismo em 2012, e o presidente Nicolás Maduro declarou que os protestos de 2017 que tomaram conta do país foram promovidos por “grupos terroristas.”

A Guatemala está considerando uma ampla legislação antiterrorismo que restringiria liberdades civis e a liberdade de expressão, de acordo com grupos da sociedade civil. Pela lei, quem bloquear rodovias, danificar propriedade privada, ou usar as redes sociais com “fins políticos ou econômicos”, entre outras ações que podem causar “pânico e medo na população”, podem ser julgados por terrorismo. Quando governantes precisam de um inimigo e precisam mobilizar o povo contra aquele inimigo, confundir o povo sobre a verdade, e acabar com o debate, o ‘terrorismo’ agora é uma opção,” diz Adam Isacson, um sócio sênior do Washington Office para a América Latina.

Nicarágua,Terrorismo,Ditadura,OrtegaUm nicaraguense é preso pela tropa de choque durante protesto contra o governo Ortega, em Manágua, Nicarágua, em 14 de outubro de 2018. Um nicaraguense é preso pela tropa de choque durante protesto contra o governo Ortega, em Manágua, Nicarágua, em 14 de outubro de 2018.
Foto: Inti Ocon/AFP/Getty Images

NÃO HÁ UMA definição legal universal para o terrorismo, mas, na Nicarágua, atos terroristas agora são definidos como aqueles que resultam em morte, ferimentos ou danos à propriedade – pública ou privada – quando o objetivo do ato era “intimidar uma população, alterar a ordem constitucional ou forçar um governo ou uma organização internacional a efetuar uma ação ou evitar fazê-lo”.

Novoa, o ex-advogado geral, está questionando a nova medida antiterror na justiça, argumentando que a lei é inconstitucional e não deveria se aplicar a manifestantes. “Estou questionando a lei porque eu queria ver se um dia eles me dizem que os argumentos legais lógicos são pelo enfraquecimento dos direitos dos cidadãos estabelecidos no pacto social chamado Constituição Nicaraguense”, ele escreveu ao Intercept em um e-mail. “Independência, autonomia e imparcialidade não existem no estado nicaraguense, pois todos os poderes formais são controlados pelo Sr. Ortega e pela Sra. Murillo”, ele disse, referindo-se à esposa de Ortega, que é a vice-presidente. “O sistema judicial é um braço político da repressão usada contra aqueles que pensam diferente de Ortega e Murillo”.

Julio Montenegro, um advogado de direitos humanos que está lidando com os casos de Christian Fajardo e Maria Peralta, disse que alguns dos indivíduos acusados de terrorismo eram apenas parte de uma barricada nas ruas, trouxeram suprimentos, comida e água para outros manifestantes ou ofereceram cuidados médicos para os feridos. A ONU também demonstrou preocupação quanto aos processos, observando em um relatório contundente que “os julgamentos de pessoas relacionadas aos protestos têm sérias falhas e não seguem o processo devido, incluindo a imparcialidade dos tribunais.”

Como fez Maduro na Venezuela, Ortega usou clássicas táticas autocráticas para esmagar a oposição. O governo negou o papel do estado na violência, e Ortega mudou sua versão várias vezes sobre se os paramilitares mascarados vistos nos vídeos trabalhando ao lado da polícia eram ou não seus apoiadores. Ortega pintou uma imagem dos manifestantes como os únicos causadores do caos e retratou as forças do governo como as defensoras pacíficas do país contra terroristas dedicados a desestabilizar a nação.

Enquanto grupos de direitos humanos dizem que o total de mortes chegou a pelo menos 300, com alguns sugerindo até 500, o governo nicaraguense reconhece somente 198 vítimas, incluindo 22 policiais mortos – em um caso, um oficial foi despido e queimado vivo. Em comícios favoráveis ao governo, os apoiadores do presidente cantam que “eles eram terroristas, não estudantes!” O próprio Ortega clamou por justiça em nome daqueles mortos no lado governista, dizendo que o país entrou em “um momento de justiça e reparação para as 198 vítimas do terrorismo golpista”. Até o momento, nenhum paramilitar ou membro da polícia foi julgado por terrorismo ou qualquer outro crime.

Nicarágua,Terrorismo,Ditadura,OrtegaUma foto de Maria Peralta e Christian Fajardo, que seguem na prisão aguardando julgamento. Uma foto de Maria Peralta e Christian Fajardo, que seguem na prisão aguardando julgamento.
Foto: Carlos Scopio

PASSANDO PELOS VÍDEOS de Fajardo comandando centenas de manifestantes em uma marcha contra o governo em Mayasa, sua sogra, Mariela Cerrato, descrevia seu papel como um líder no movimento. Quando os manifestantes tomaram o controle da cidade em junho, Fajardo e Peralta supervisionaram a campanha, explicou Cerrato. “Se não havia água, comida, luzes, etc., Christian era o responsável. (…) Mas ele não estava nas barricadas – ele não tinha tempo. (…) Tomando declarações, cuidando dos doentes (…) eles estavam abastecendo os postos de saúde que estavam aqui em Masaya”, continuou Mariela, apontando para um canto em sua casa repleto de seringas, curativos e muletas.

Masaya, localizada 24 quilômetros a sudeste de Manágua, foi há muito tempo um bastião do apoio a Ortega e aos seus rebeldes de esquerda, os sandinistas, quando eles derrubaram o ditador conservador Anastasio Somoza em 1979. Mas, em 2018, a cidade tornou-se o centro da resistência contra Ortega. Manifestantes tomaram a cidade, mas a polícia, paramilitares, e atiradores de elite do governo conseguiram reconquistar o controle após uma ofensiva particularmente brutal e sangrenta, na qual forças governamentais utilizaram explosivos, atiraram contra manifestantes e prenderam seus líderes.

“O que é terrorismo? Quando há vontade e intenção de causar pânico nos cidadãos,” disse Montenegro, o advogado de Fajardo e Peralta. “Agressões causando pânico não foram levadas a cabo por Christian e Maria, mas por paramilitares ligados à polícia.”

Além de terrorismo e financiamento ao terrorismo, Fajardo e Peralta foram acusados de participação no crime organizado e obstrução de serviços públicos – crimes para os quais o estado ainda não forneceu evidências para o processo, de acordo com Montenegro. Montenegro e Cerrato, que também é uma advogada constitucional, dizem que o governo violou direitos e contornou o processo devido desde a prisão até o julgamento.

“Os paramilitares vêm e eu olho para eles, pergunto o que eles querem. Se eles quiserem me matar, eles podem me matar.”

No primeiro dia da audiência de Fajardo e Peralta em agosto, Cerrato chegou ao tribunal às 6 da manhã. Às 9, ativistas se juntaram a ela, balançando bandeiras com os rostos do casal, enquanto policiais com toucas ninjas e fuzis M16 os observavam. Como a audiência seguiu sendo atrasada ao longo do dia, ela esperou por 10 horas até finalmente entrar no prédio. Naquela altura, os ativistas e as câmeras de TV já tinham ido embora e ela estava acompanhada por um grupo de cerca de 25 mulheres, todas esperando sob a chuva para entregar comida aos seus parentes e amigos presos. Às 8 da noite, ela voltou para contar que nunca a deixaram entrar na audiência.

Na manhã seguinte, Cerrato caminhou pela casa inacabada da filha e do genro, que fica ao lado da sua. As roupas ainda estavam sobre a cama e um gato de cor branca e alaranjada se esticava no meio da cozinha.

O julgamento do casal agora está marcado para meados de novembro. Nesse intervalo, Cerrato começou a trabalhar em nome de Santiago Fajardo, irmão de Christian, que também foi preso e acusado de terrorismo. Seu esforço não ocorre sem seus perigos. Em uma manifestação da qual ela participou em setembro, pedindo a soltura dos manifestantes presos, a polícia usou gás lacrimogêneo e disparou balas de borracha enquanto apoiadores armados de Ortega abriram fogo – uma pessoa foi morta e cinco outras acabaram feridas.

“Eu estou orgulhosa que esses jovens participaram nessa luta”, ela disse. “Eu não tenho medo. Eu deixo a minha porta aberta. Os paramilitares vêm e eu olho para eles, pergunto o que eles querem. Se eles quiserem me matar, eles podem me matar.”

Fatos & Fotos – 27/11/2017

Lula & Globo; Tudo a ver.

Favores de Lula para a Globo começam a emergir do esgoto.
Nenhum outro vagabundo, ops”, político – querem saber, é vagabundo mesmo – fez mais “favores aos Cavalos Marinhos como o fez Luis, o Inácio. Agora a GlobBando virou alvo para a ira eleitoreira do insano.
Lula declarou que “adoraria enfrentar um candidato que tivesse o carimbo da Globo” Hahahaha. Que cínico, pois não?
Lula e Globo são parceiros em negócios, ops!, negociatas.
Lula que é tudo, mas não é burro. Essa “bufonice” é finória estratégia para angaria a simpatia dos Brasileiros que abominam a latrina televisiva “por sua posição ideologia” Hahaha. Globo com ideologia? Hahahaha. A ideologia da turma do Jardim Botânico é dinheiro, abestados.
Lincoln Gordon,Ditadores de 64, Genoíno, Dirceu, Ulisses, Tancredo, Sarney, Collor, FHC, Lula, Dilma,Temer, NSA, CIA, MI5, MI6, GRU, BND, MSS, 内閣 情報 調査室, Mossad, Shin Bet, Deuxième Bureau, Papas, SEBIN, Soros, NOW, Hades, Set, Satã, e até o Anhangá Tupi – aos livros moçada, pois não irei explicar cada um dos citados, reais e fictícios – foram ou ainda são parceiros da empresa fachada do Grupo Time-Life.
Palocci revelou, mas estranhamente a parte da delação que revelava a grande parceria ente PT e Globo nunca vazou para além de certos “restritissimos” círculos. Acontece que o Renato Gaúcho não é o único a usar drones.


Não é com terrorismo verbal que resolve. Passados trinta anos e asnice volta como um coice no bom senso.
A direita – Direita? “Quibixu é esse mermão” hahaha – repete o mesmo discurso, 30 anos depois:
“Se Lula ganhar as eleições, o número de empresários que fugiriam não seria menor do que 800 mil. Além disso, deixaríamos de ter investimentos dos países desenvolvidos”
(Mario Amato, presidente da FIESP, em 11 outubro 1989)
“Ô povin” pra duvidar dos bons propósitos do MiShell temer em benefício dos Tapuias. Né não?

Será que estão reduzindo a nota da Eletrobras para desvalorizar a empresa e entregar aos gringos a preço de banana mais ainda? Será?


Porque eu não vou votar em nenhum Político nem Partido:
– Cometeram o estelionato eleitoral;
– Destruíram a economia a saúde e a educação;
– Contaminaram o poder judiciário;
– Assaltaram os cofres das estatais,
– Utilizaram o BNDES como banco privado.
A lista é longa, mas essas sacanagens aí acima já são suficientes.Partidos Políticos,Corrupção,Brasil,Blog do Mesquita

Da série meu ofício é incomodar. Quatro anos do Helicoca do Perrelas. E? Nada. Claro. O inquérito não decola, mas o pó “avuou”.Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1 Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1 Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1 Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1 Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1 Helicoca,Perrela,Cocaína,Narcotráfico,Brasil,Blog do Mesquita 1


Fim de semana dedicado a esse livro, para saber mais sobre a história do “pensamento nacionalista, tão intenso hoje na ascensão das “questões nacionais”, na UE e AL. Frantz Fanon, pensador francês do século XX, nesse livro “Condenados da Terra” demonstra a importância que o nacionalismo assumiu nas lutas de libertação da África no século passado.
Como dizem na pauliceia; recomeeeeeennnndo.Literatura,Livros,Condenados da Terra,Blog do Mesquita,Frantz Fanon


Toffoli agora é Temer.
Ele agora é Temer desde quando começou a “sujar”… O pedido de vista foi combinando com os sicofantas do Congresso, para que os esc*otos aprovem uma lei sobre Prerrogativa Por Função de Foro, que “limpe a barra do MiShell quando terminar o mandato.


Claude Monet – Jeanne-Marguerite Lecadre no jardim, 1866 Óleo sobre tela
The State Hermitage Museum,RussiaArte,Pinturas,Blog do Mesquita,Monet

A luz do sol que inunda as pinturas dos impressionistas – aqui desempenha o papel central. Monet passou a infância em Le Havre, que ele visitou periodicamente. O Le Coteaux em Sainte-Adresse perto de Le Havre pertencia ao primo de Monet, Paul-Eugene Lecadre. No verão de 1867, o artista pintou diversas paisagens no jardim da propriedade, dos quais “Woman in the Garden” é de importância central.

Vestida de acordo com a moda da época, a figura de uma senhora – a esposa do Lecadre. Esta silhueta solitária introduz uma nota elegíaca triste na pintura, enquanto a brilhante luz das peças de vestuário tem o papel de demonstraro equilíbrio da composição e a inter-relação de luz e cor.


Renoir – En été,La Bohémienne,1868
085x059cm – Óleo s telaArte,Pinturas,Renoir,Blog do Mesquita,Pierre-Auguste Renoir - En été,La Bohémienne,085x059cm,1868,Óleo s tela


“Processos da Lava Jato devem ser julgados”, diz Cármen Lúcia”.

Madame faz concreto a máxima de Nelson Rodrigues.
Hã? Jura? Que afirmação incrível! Quem imaginaria que um tribunal fizesse julgamento?
Ainda bem que agora podemos ficar tranqüilos.STF,Carmem Lucia,Blog do Mesquita

Astróloga que previu vitória do “#ReichsführerBr” também ” previu”,que Aécio ganharia em 2014, Doria seria um “grande prefeito” e Temer “reconhecido internacionalmente”.
A bola de cristal dessas enganadora é de “galalite”.
Hahahahahahaha. 


#Helicoca
Não é possível que já haja existido, que exista e que venha a existir uma imprensa mais calhorda, sacana, venal e todas as desqualificante possíveis e imaginárias do que a brasileira.
O #helicoca está completando 4 anos de impunidade e tráfico virou “participar da venda de drogas” num jornal de Vitória que certamente tem um editor versado em tucanês pra escrever um título assim. Ah, os traficantes são “empresário e estudante” brancos… tá explicado!


 

Quer fazer uma bomba? A Amazon vende

Suspeito de terrorismo comprou material para bomba na AmazonSymbolbild Amazon plant eigenen Paketdienst (picture-alliance/dpa/C. Schmidt)

Jovem sírio comprou produtos químicos para fabricação de explosivos na loja online, afirma revista “Der Spiegel”. Polícia critica algoritmo que sugere mais produtos perigosos a quem já comprou um. 

O sírio Yamen A., que foi detido em Schwerin e é acusado de planejar um atentado terrorista, comprou o material para fabricar explosivos na popular loja online Amazon, afirmou neste sábado (04/11) a revista Der Spiegel. Segundo o semanário, o jovem de 19 anos começou a comprar produtos químicos utilizados na fabricação do explosivo TATP no último verão europeu.

Yamen A. foi detido em Schwerin por uma unidade especial da polícia alemã, nesta terça-feira. Segundo os investigadores, ele decidiu em julho passado que iria “explodir uma bomba na Alemanha, em meio a uma grande concentração de pessoas, e assim matar e ferir o maior número possível de pessoas”. Ele ainda não teria, porém, escolhido seu alvo.

Segundo a Spiegel, terroristas já compraram várias vezes material para fabricar bombas na Amazon. Os jovens que explodiram uma bomba num templo Sikh de Essen, em abril de 2016, compraram vários quilos de produtos químicos no site. Também Jaber al-Bakr, que é acusado de planejar um atentado no aeroporto de Tegel, em Berlim, e se suicidou na prisão, em Leipzig, teria comprado material para fabricar TATP na loja online.

A Amazon comunicou que colabora com as investigações da polícia e, “diante dos novos acontecimentos”, fez alterações no seu site para garantir que produtos sejam apresentados da forma apropriada. A declaração se refere a uma crítica da polícia ao algoritmo do site, que, na seção “Clientes que compraram este produto também compraram…”, sugeria novos materiais perigosos a quem já tivesse comprado um.

AS/afp/dpa