Lua,Mineração,Espaço,Economia,Blog do Mesquita

Missão SpaceX e NASA: O que os astronautas farão quando chegarem à Estação Espacial Internacional?

Behnken (no fundo) e Hurley chamaram a base da Terra antes de dormir. Os astronautas americanos Doug Hurley e Bob Behnken vão atracar na Estação Espacial Internacional (ISS) no domingo.

Os homens estão subindo para a plataforma em órbita depois que foi lançado em um foguete Falcon-9 do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, no sábado.

A equipe da NASA agora viaja em uma cápsula fornecida e operada por uma empresa privada, a SpaceX. É a primeira vez na história do vôo espacial humano que uma empresa privada transporta dois astronautas da agência espacial dos EUA.

A nave está programada para acoplar com a ISS por volta das 14:30 GMT (15:30 BST).

Será um procedimento totalmente automatizado. Hurley e Behnken não precisarão intervir a menos que haja um problema.

Este foi o lançamento histórico do foguete Falcon-9
A cápsula subirá até ficar suspensa abaixo da estação.

Então haverá manobra para areacar em uma porta de ancoragem na seção de proa.

Depois que os ganchos colocarem a cápsula do Crew Dragon no lugar e a pressão for controlada, os astronautas poderão desembarcar e se juntar à tripulação russo-americana que já está a bordo da ISS.

Hurley e Behnken foram capazes de dormir em sua jornada e estarão preparados para tudo o que acontecerá neste domingo.

Mas antes de começar esta aventura, eles realizaram o que se tornou uma tradição entre a tripulação espacial dos Estados Unidos: dar um nome à nave.

Essa tradição remonta ao programa de cápsulas Mercury no início dos anos 1960.

A missão teve que ser adiada do mau tempo para quarta-feira no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, Estados Unidos.
Direitos autorais da imagem SPACEX

Os dois homens disseram que seria chamado de “Endeavour“.

Hurley transmitiu um rádio para a Terra e disse: “Escolhemos o Endeavor por algumas razões: uma, por causa do incrível esforço que a NASA, a SpaceX e os Estados Unidos fizeram desde o final do programa de ônibus espaciais em 2011”.

O ônibus espacial Endeavour, aposentado há nove anos com o restante da frota da NASA, recebeu o nome de HMS Endeavour, o navio de pesquisa comandado pelo explorador britânico James Cook em sua jornada para a Austrália e Nova Zelândia no final do século XVIII.

“O outro motivo é um pouco mais pessoal para Bob e eu”, acrescentou.

“Nós dois fizemos nossas primeiras missões a bordo do ônibus espacial Endeavour e isso significou muito para nós”.Direitos autorais da imagem GETTY IMAGES
A empresa SpaceX da Elon Musk é a primeira a oferecer um serviço de transporte de tripulação comercial.

O “esforço incrível” a que Hurley se referiu é o esforço para comercializar a Low Earth Orbit (LEO).

O objetivo é que as operações espaciais de rotina, realizadas logo acima do planeta, sejam controladas pelo setor privado.

E que o transporte usual de tripulação e carga é gerenciado por empresas privadas como a SpaceX, a equipe californiana fundada pelo bilionário tecnológico Elon Musk.

Já se reconhece que a abordagem ágil e inovadora da SpaceX para o desenvolvimento de tecnologia de foguetes e cápsulas economizou bilhões de dólares da NASA em comparação com os padrões de aquisição do passado.

A agência espacial dos Estados Unidos não quer mais ter veículos dedicados a essa parte da atmosfera da Terra.

Você simplesmente deseja comprar o “serviço de transporte” fornecido pelas empresas americanas.

Isso deve liberar recursos financeiros que podem ser direcionados para a tarefa muito mais complexa e onerosa de levar os astronautas à Lua.

O programa Artemis, como é conhecido, visa colocar os astronautas da NASA de volta à superfície lunar em 2024.

“Quando aceitei este trabalho há alguns anos, nosso orçamento na NASA era de cerca de US $ 19 bilhões”, disse Jim Bridenstine, administrador da agência.

“O orçamento que o presidente Trump nos deu para o próximo ano é de US $ 25 bilhões. Estamos em uma posição excelente.”

“Não temos tanto apoio para a agência espacial desde John F. Kennedy e também temos o apoio de ambas as partes. Todo mundo quer que o programa Artemis seja bem-sucedido. Todo mundo quer ver não apenas o próximo homem, mas a primeira mulher, em a Lua. E é isso que estamos construindo aqui”

Tecnologia,Veículos,Transportes,Nave Espacial,Trem,Blog do Mesquita

Space X – Após adiamento, foguete deve levar astronautas ao espaço neste sábado

Essa é a primeira missão da SpaceX transportando humanos, desde que a companhia foi criada há quase 20 anos pelo bilionário sul-africano Elon Musk. Desde 2012, a empresa usa uma versão de transporte de carga da cápsula Dragon para reabastecer a Estação Espacial Internacional.

O foguete Falcon 9, da SpaceX, que transportará dois astronautas americanos à Estação Espacial Internacional
Foto: Bill Ingalls/Nasa (22.mai.2020)

O risco de tempestades no Cabo Canaveral, no estado da Flórida, fez o primeiro voo espacial tripulado em quase uma década nos Estados Unidos ser adiado para a tarde deste sábado (30).

O presidente americano Donald Trump até viajou na última quarta-feira (27) para a base de lançamento no sul dos Estados Unidos para assistir de perto ao voo histórico, cancelado no último momento.

Agora, a cápsula Crew Dragon vai transportar dois astronautas americanos —Doug Hurley e Bob Behnken— até o local dentro do foguete Falcon 9. A viagem dura 19 horas e os levará a 408 km da órbita terrestre.

Hurley e Behnken devem ficar na estação por algumas semanas para conduzir pesquisas. Lá, terão a companhia de mais um americano e dois russos. A estação é um laboratório científico no espaço, um projeto de cooperação internacional entre Estados Unidos, Canadá, Rússia, Japão e países da Europa.

Esse lançamento marca um novo momento, em que empresas privadas passam a participar da exploração espacial. A última vez que a Nasa lançou astronautas para o espaço a bordo de um veículo novo foi há 40 anos, no início do programa de ônibus espaciais.

O Falcon 9 é parte do esforço da agência espacial estadunidense para desenvolver tecnologia e ter mais competitividade diante dos avanços da Rússia e da China no setor aeroespacial.

China

A China vem enviando uma série de missões para a Lua nos últimos anos. O país tem investido pesado em um programa espacial para fins científicos, comerciais e militares, e tem ambição de liderar a corrida espacial.

O governo de Pequim está investido na construção da sua própria estação espacial e enviar humanos para a Lua em um futuro próximo. Há seis anos, a China se tornou o terceiro país a conseguir levar para a Lua uma sonda não tripulada, algo antes só alcançado pelos Estados Unidos e pela antiga União Soviética.

Tecnologia,Economia,Trabalho,Emprego,Blog do Mesquita 01

O trabalho remoto não é o fim do vale do silício, mas é o fim de algo

A era de ouro dos escritórios
de tecnologia chega ao fim

Os funcionários trabalham na “Sala de Guerra” do Facebook durante uma demonstração na mídia em 17 de outubro de 2018, em Menlo Park, Califórnia. Foto: Noah Berger / Getty Images

A noção de que o trabalho remoto é o caminho do futuro não é nova. É muito anterior à pandemia e se tornou popular nos Estados Unidos quase tão logo os bloqueios começaram. A resposta ao coronavírus é uma prévia do futuro auto-isolante da sociedade – um futuro que ameaça exacerbar as divisões de classe, entre outros efeitos de longo alcance.
Ainda assim, é notável o quão subitamente algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo adotaram esse futuro.

Na semana passada, conforme coberto neste boletim, o Twitter anunciou que permitiria que seus funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Nesta semana, as comportas foram abertas.Você pode tirar os técnicos do Vale do Silício…

Em 2013, a ex-CEO do Yahoo, Marissa Mayer, tomou uma medida controversa para proibir seus funcionários de trabalhar em casa. A ideia de que o trabalho remoto era antitético à colaboração rapidamente ganhou força no mundo corporativo e, em 2017, era uma sabedoria convencional. Eu acho que essa foi uma daquelas “opiniões fortes, fracamente defendidas” pelas quais alguns líderes do Vale do Silício gostam, porque nesta semana o mundo da tecnologia girou na direção oposta. No espaço de alguns dias, Square, Shopify e Facebook seguiram o Twitter, sinalizando uma mudança para adotar o trabalho remoto como padrão.

O anúncio do Facebook na quinta-feira foi demais, por causa da enorme escala e influência da empresa, mas também porque até recentemente era um exemplo da perspectiva de “escritórios importantes”. Como o Google antes, a cultura do Facebook desfocou famosamente as linhas entre vida profissional e vida pessoal, com escritórios que funcionavam como uma extensão da experiência da faculdade para seus funcionários, em sua maioria jovens. A palavra “campus” era apropriada de várias maneiras, e a sede do Menlo Park, projetada por Frank Gehry, no Facebook, incorporava a tendência em direção a complexos cada vez maiores e extravagantes.

O CEO Mark Zuckerberg disse à equipe em uma reunião ao vivo que a empresa permitiria que muitos funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Ele previu que metade de sua força de trabalho o faria dentro de cinco a dez anos.Facebook,Zuckerberg,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Privacidade

Compreensivelmente, as notícias desencadeiam uma cascata de tomadas e previsões sobre o que as empresas podem seguir, se os funcionários se mudarão do Vale do Silício, onde se estabelecerão e se receberão o mesmo valor quando chegarem. A última é uma pergunta interessante, que Matt Zeitlin explorou no OneZero, assim como a tecnóloga Blair Reeves em seu blog pessoal e, bem, muitas outras em muitos outros lugares. Zuckerberg já respondeu pelo Facebook, dizendo que os funcionários que saírem da área da baía terão seus salários ajustados com base em sua localização.

Quanto esses salários serão ajustados, é claro. Se mudar para Detroit ou Montana significa, digamos, um corte de 15% nos salários, é muito melhor trabalhar a partir daí do que em Menlo Park (pelo menos em termos financeiros). Mas se os salários fossem totalmente reduzidos ao custo de vida local, o corte salarial seria muito mais profundo e a maioria dos funcionários ficaria melhor nas cidades mais caras, onde poderiam despejar seus salários muito mais altos em imóveis mais valiosos, para não mencionar desfrutando das comodidades que colocam essas cidades em uma demanda tão alta em primeiro lugar.

É tentador, com um anúncio como esse, jogar imediatamente todas as implicações e assumir que elas já aconteceram. Provavelmente, existe alguma linha do tempo possível em que isso acaba sendo o começo do fim do Vale do Silício, à medida que os técnicos fogem em massa para locais distantes, a sede fica vazia, os preços dos imóveis em Bay Area convergem para a média nacional e a tecnologia se torna uma indústria totalmente distribuída. Realisticamente, no entanto, isso não acontecerá tão cedo. Os seres humanos ainda são criaturas sociais, Zoom e Slack são substitutos profundamente defeituosos da presença física, e grande parte da indústria criou raízes no Vale do Silício (ou Seattle, nos casos da Microsoft e da Amazon).

Essas raízes não serão simplesmente arrancadas pela opção de trabalhar remotamente. Também existem empresas, como a Apple, para as quais a presença física não é apenas uma questão de cultura, mas de sigilo e segurança operacional. (Mark Gurman, da Bloomberg, teve uma boa notícia em março sobre como a Apple está se adaptando em particular.) Portanto, não, isso não será um golpe mortal para o Vale do Silício – embora, como apontou minha colega do OneZero, Sarah Emerson, possa ter efeitos profundos no Menlo Park e seus arredores imediatos. Mas isso pode marcar o fim de grandes e importantes escritórios de tecnologia que formaram não apenas o coração pulsante da cultura de uma empresa, mas também um ponto focal da vida social dos funcionários.O Spotify está se tornando o Netflix de podcasts. Na terça-feira, a empresa sueca de streaming anunciou que assinou um contrato exclusivo com Joe Rogan, cujo podcast está entre os mais populares do mundo. É um golpe no YouTube, onde Rogan não publicará mais seus podcasts na íntegra e, de maneira mais geral, um golpe nos podcasts como um ecossistema aberto. O Spotify já havia adquirido as redes de podcast Gimlet Media e The Ringer, e agora está claro que a empresa leva a sério a vantagem de conquistar o máximo de mercado possível.

A corporação e o isolamento dos podcasts é um lamento para outra época. Mas, do ponto de vista estratégico, o conteúdo exclusivo é uma proteção astuta para uma empresa cujo principal produto, a música, está disponível de forma quase idêntica em outras plataformas, incluindo a Apple, que tem poder de mercado para inclinar o campo a seu favor.

O conteúdo original provou ser crítico no setor de streaming de vídeo, onde Netflix, Amazon Prime, Hulu e Disney + competem pelo menos tanto em sua lista de exclusivos quanto em preço ou interface do usuário. Embora o acordo com a Rogan possa parecer um alvo improvável para o escrutínio antitruste, Matt Stoller apresenta um argumento surpreendentemente persuasivo para a intervenção regulatória.Ciência,EUA,China,Tecnologia,Computação Quântica

O bate-papo por voz está crescendo, por enquanto. Enquanto plataformas de bate-papo por vídeo, como Zoom e Houseparty, ganham mais atenção como beneficiárias do bloqueio de coronavírus, a próxima onda de aplicativos sociais se concentra no áudio. O Clubhouse, um aplicativo de bate-papo por voz que ganhou popularidade em uma versão beta privada com o conjunto de capital de risco, foi avaliado em US $ 100 milhões na semana passada em uma rodada de angariação de fundos liderada pela A16Z, informou a Forbes.

E o Discord, cujas conversas por voz há muito tempo são as favoritas dos jogadores, estava em negociações para levantar uma nova rodada com uma avaliação de US $ 3 bilhões. Embora o Discord esteja bem estabelecido para certos casos de uso, se uma empresa pode cumprir as esperanças dos investidores dependerá se o apetite das pessoas por melhores maneiras de conversar entre si on-line persistirá quando voltarem à melhor maneira de conversar entre si. outro, que está offline.

Nasa lança primeira missão tripulada dos EUA na década


O conceito de um artista do Spacex Crew Dragon

A Nasa anunciou que no próximo mês lançará sua primeira missão tripulada do solo americano em quase 10 anos.

O foguete e a espaçonave que ele está transportando devem decolar do Centro Espacial Kennedy da Flórida em 27 de maio, levando dois astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS).

O foguete e a espaçonave foram desenvolvidos pela empresa privada SpaceX.

A Nasa usa foguetes russos para vôos tripulados desde que seu ônibus espacial foi retirado em 2011.

Bob Behnken (à esquerda) e Doug Hurley

Os astronautas Bob Behnken e Doug Hurley levarão aproximadamente 24 horas para chegar à ISS.

Se for bem-sucedido, a SpaceX – liderada pelo empresário bilionário Elon Musk – se tornará a primeira empresa privada a enviar astronautas da Nasa para o espaço.

O foguete Falcon Nine e a sonda Crew Dragon decolam do histórico Pad 39A do centro espacial, o mesmo usado para as missões Apollo e ônibus espacial.

Um astronauta americano e dois cosmonautas russos estão atualmente a bordo da ISS.

Os scammers¹ da Dark Web exploram o medo e a dúvida do Covid-19

Os golpistas e criminosos que habitam a “dark web” que encontraram um novo ângulo – a ansiedade em relação ao Covid-19.

Direitos autorais da imagem – GettyImages

“Eles estão explorando o medo, a incerteza e a dúvida que as pessoas experimentam durante a pandemia, e usando a ansiedade e o desespero para levar as pessoas a comprar coisas ou clicar em coisas que não teriam de outra forma”, diz Morgan Wright, ex-consultor sênior ao programa de assistência antiterrorismo do Departamento de Estado dos EUA.

¹Scammers (ou fraudadores, em tradução livre) são perfis maliciosos usados para realizar golpes na Internet.

Wright, que atualmente é consultor chefe de segurança da empresa SentinelOne, costumava ensinar analistas comportamentais da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) sobre a exploração do comportamento humano.

Ele agora vê algumas dessas técnicas sendo usadas na dark web, uma parte criptografada da internet que pode ser acessada usando redes populares como o Tor.

O navegador Tor é focado na privacidade, o que significa que pode obscurecer quem o está usando e quais dados estão sendo acessados. Ele oferece a maus atores uma maneira de operar com um certo grau de impunidade, já que as forças da lei acham muito mais difícil rastrear criminosos que o usam.Wright costumava ensinar analistas comportamentais na Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA)

Desde o início da pandemia global, os mercados na dark web têm visto um aumento nos produtos e serviços relacionados ao Covid-19. Máscaras N95, vestidos, luvas e a droga cloroquina foram todos listados nesses mercados. No mês passado, a empresa de software de segurança IntSights descobriu que sangue supostamente pertencente a pacientes com coronavírus recuperados estava sendo oferecido para venda.

Os criminosos esperam que um maior sentimento de medo faça as pessoas se apressarem em comprar esses produtos e, como resultado, esses itens não são baratos; um relatório do Instituto Australiano de Criminologia descobriu que a vacina falsa média estava sendo vendida por cerca de US $ 370 (£ 300), enquanto uma supostamente originária da China estava vendendo entre US $ 10-15.000 (£ 8-12.000).

Uma das razões para o aumento dessas vendas pode ser o fato de muitos fraudadores terem que abandonar seus métodos normais de ganhar dinheiro na dark web – como a venda de voos falsos reservados usando aeronaves roubadas – porque essas indústrias estão atualmente inativas.

Muitos criminosos também vêem uma oportunidade – como a maioria das pessoas está trabalhando em casa, há uma chance maior de segurança cibernética negligente.

“De repente, houve uma grande mudança [na dark web] de falar sobre vulnerabilidades em software de colaboração quando eles perceberam que as pessoas estavam trabalhando em casa”, diz Etay Maor, diretor de segurança da IntSights.

Os golpes de phishing também estão aumentando. É aqui que os fraudadores fingem ser uma organização ou pessoa diferente por e-mail, esperando que a pessoa forneça alguns detalhes de login ou dados pessoais, que podem ser usados ​​para roubar dinheiro ou identidade de alguém.

“Os ataques de phishing começaram com aqueles que fingiam ser do NHS e depois se estenderam a organizações secundárias relacionadas ao Covid-19, como bancos ou HMRC, enviando e-mails sobre financiamento, subsídios ou concessão de licenças”, diz Javvad Malik, advogado de segurança da empresa de treinamento KnowBe4.

“Agora, existem modelos de phishing relacionados ao Covid-19 entrando em todos os kits de phishing disponíveis na dark web – o que significa que as pessoas podem imitar a Apple ou o LinkedIn com um conjunto de modelos padrão”, acrescenta ele.

Além disso, muitos serviços e produtos, incluindo kits de phishing, estão sendo oferecidos com desconto nas “vendas de coronavírus”.

“Há pessoas especializadas em páginas de phishing, VPNs obscuras ou serviços de spam por vários anos, que agora oferecem descontos porque acreditam que é a melhor hora para ganhar dinheiro e espalhar esses kits”, diz Liv Rowley, inteligência de ameaças. analista da Blueliv, empresa de segurança de computadores e redes.O analista de inteligência Liv Rowley monitora golpistas da dark web – Direito de imagem BLUELIV

A dark web foi projetada pelo Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA, com a idéia de permitir que ativistas de direitos humanos e pessoas do exército conversem e colaborem de maneira anônima e segura.

Embora a introdução do bitcoin tenha permitido aos criminosos ganhar dinheiro na dark web, ainda existe um grande número de usuários que optam por usá-lo para seu objetivo inicial – falando anonimamente em outros fóruns.

Segundo Malik, esses fóruns costumam ser usados ​​para alimentar teorias da conspiração em torno do vírus.

“Conspirações sobre o 5G ser o veículo desse vírus, ou armamento biológico ou que Bill Gates é o homem por trás dele tendem a surgir na dark web”, diz ele.

À medida que as empresas de mídia social e outros meios de comunicação reprimem as informações erradas, muitas outras podem ser empurradas para a dark web. Esses fóruns costumam atuar como uma porta de entrada para os mercados, para que as pessoas conectem seus produtos ou serviços a um público-alvo. Essa pode ser uma maneira dos fraudadores ganharem mais dinheiro nos próximos meses.Teorias da conspiração florescem na dark web, diz Javvad Malik
Direitos de imagem jAVVAD MALIK

O outro lado disso é que muitos jornalistas, ativistas e cidadãos podem estar usando a dark web para se comunicar em países onde há muita censura. As versões Tor de muitos meios de comunicação, incluindo a BBC e o New York Times, podem ser usadas se os sites originais forem bloqueados por governos ou estados, por exemplo.

O Netblocks, um grupo de defesa dos direitos digitais, diz que muitos países cortaram o acesso à Web de maneiras diferentes, pois procuram controlar o fluxo de informações sobre o surto de coronavírus.

Dois grupos de ransomware disseram que não atacariam nenhum hospital ou organização de saúde durante a pandemia, mas, como destacou o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab em uma recente coletiva de imprensa, há evidências de que as quadrilhas criminosas têm como alvo ativo organizações nacionais e internacionais que estão respondendo à pandemia. – incluindo hospitais.

“Essas organizações são direcionadas devido à vulnerabilidade delas no momento e à probabilidade de pagamento de um resgate”, diz Charity Wright, consultora de inteligência contra ameaças cibernéticas da IntSights.

A coordenação e orquestração de muitos desses ataques geralmente começam na dark web.Os golpistas da Dark Web têm como alvo os cuidados com a saúde, diz Etay Maor – Direitos autorais da imagem IntSights

“Estamos vendo mais ofertas na dark web especificamente para informações relacionadas à assistência médica e para direcionar unidades de saúde e médicos. Existe até um banco de dados criado por alguém na dark web com todos os tipos de informações sobre a equipe médica”, diz Etay Maor, da IntSights .

No essencial, a dark web ainda pode estar sendo usada pelos mesmos motivos pelos quais se destinava – sob uma perspectiva de privacidade e segurança. Mas os criminosos estão usando isso para tentar explorar uma crise global para obter ganhos financeiros.

“Essa é a faca de dois gumes que, como sociedade, ainda não elaboramos: como salvaguardamos a liberdade de expressão e garantimos a privacidade, mas ao mesmo tempo rastreamos e impedimos que as pessoas abusem dessas liberdades?” diz Javvad Malik.

EUA estão usando Taiwan como ponto de pressão na luta tecnológica com a China

Uma loja da Huawei em Pequim. O governo Trump está trabalhando em várias frentes para isolar a gigante da tecnologia chinesa.
Foto Carlos Garcia Rawlins / Reuters

O governo Trump está desafiando o acesso chinês à cadeia de suprimentos de alta tecnologia de Taiwan – e, por extensão, a influência de Pequim sobre a ilha que reivindica como seu território.
Durante anos, o governo Trump brigou com a China por ameaças tarifárias, tecnologia e termos de seu acordo comercial. Mas em um par de ações na semana passada, o governo aumentou essas tensões econômicas de uma maneira que quase chega a tocar uma linha vermelha para Pequim: seu relacionamento contencioso com Taiwan.

Uma das principais fabricantes de chips de computador do mundo, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, ou T.S.M.C., disse na quinta-feira que construiria uma fábrica no Arizona, uma medida anunciada por autoridades americanas como um primeiro passo para mudar uma cadeia de suprimentos vital para os Estados Unidos.

No dia seguinte, o Departamento de Comércio anunciou uma mudança de regra que poderia impedir os negócios que a gigante chinesa de tecnologia Huawei faz com a T.S.M.C. e outros fabricantes globais de chips.

O governo tem trabalhado em várias frentes para isolar a Huawei, uma das principais marcas mundiais de smartphones e a maior produtora mundial de equipamentos que alimentam redes móveis. Mas, simultaneamente, minando a Huawei e trazendo o T.S.M.C. mais perto da órbita americana está um golpe de política industrial que seria impensável há apenas alguns anos, um que levanta a perspectiva de um conflito mais sério entre a China e os Estados Unidos.

Nunca antes o governo Trump desafiou com tanta força o acesso das empresas chinesas à cadeia de suprimentos de alta tecnologia de Taiwan – e, por extensão, a influência de Pequim sobre a democracia autônoma das ilhas, que alega ser parte de seu território.

A China considera inegociável sua reivindicação a Taiwan e atacou empresas e políticos por não reconhecê-la, mesmo que inadvertidamente.

O governo parece ter a intenção de “atingir metas econômicas e politicamente sensíveis a Pequim”, disse Eswar Prasad, professor da Universidade Cornell.

O Ministério do Comércio da China condenou a última ação de Washington contra a Huawei, dizendo que faria o necessário para proteger os interesses das empresas chinesas.
Sede da Huawei em Shenzhen, China. A empresa disse que seus negócios “inevitavelmente” seriam afetados por uma mudança de regra do Departamento de Comércio anunciada na semana.
Foto Noel Celis / Agence France-Presse – Getty Images

Desde que o Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciou a mudança de regra, analistas e executivos do setor destacaram o que eles disseram ser uma solução significativa.

de usar a tecnologia americana para produzir ou projetar chips que são enviados, diretamente ou por meio de um intermediário, para a própria Huawei. Mas não parece impedi-los de produzir chips que seriam enviados aos clientes ou parceiros da Huawei, como fabricantes contratados que montam telefones e outros dispositivos em nome da Huawei.

A regra ainda pode atrapalhar os negócios da Huawei, no entanto, forçando a empresa ou seus fornecedores a reorganizar suas operações. E o Departamento de Comércio poderá revisar sua regra nos próximos meses para diminuir as brechas.

“O futuro de pelo menos uma parte importante dos negócios da Huawei está agora firmemente nas mãos do Departamento de Comércio”, disse Paul Triolo, analista de política de tecnologia do Eurasia Group.

Nesta semana, a Huawei se recusou a responder às perguntas dos repórteres sobre a regra alterada, embora tenha reconhecido que seus negócios seriam “inevitavelmente” afetados.

A empresa parece estar se preparando para a possibilidade de ser excluída dos principais fornecedores. No final de 2019, a Huawei havia armazenado US $ 23,5 bilhões em produtos acabados, componentes e matérias-primas, de acordo com seu relatório anual, um aumento de quase três quartos em relação ao ano anterior.

Embora os efeitos práticos da nova regra permaneçam obscuros, a mensagem política enviada pelos anúncios da semana passada foi inequívoca: o governo Trump está ansioso para frustrar os esforços da China para dominar tecnologias críticas e está se voltando para Taiwan como um novo ponto de alavancagem.

Facebook cria órgão independente que decidirá o que seus usuários podem ver

Uma ganhadora do Nobel da Paz, uma ex-primeira-ministra dinamarquesa, um ex-diretor do ‘The Guardian’ e um professor da UERJ estão entre os membros do novo conselho moderadorFacebook,Zuckerberg,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Privacidade

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

Nick Clegg: “O Facebook não pode ser a polícia da Internet”

Tribunais europeus podem obrigar Facebook a apagar comentários ofensivos em todo o mundo

Facebook amplia restrições de conteúdos políticos no Vietnã e nos EUA

O Facebook anunciou a composição de um novo organismo que moderará conteúdos, uma instância independente à qual os usuários e a própria companhia podem recorrer para tomar decisões sobre publicações que afetam a liberdade de expressão e os direitos humanos.

Mark Zuckerberg, fundador da rede social, anunciou sua intenção de criar uma entidade à margem da estrutura da empresa para moderar os conteúdos mais polêmicos. O resultado é um conselho formado, até o momento, por 20 personalidades de todo o mundo, que selecionará e ponderará sobre os limites globais da liberdade de expressão. Suas decisões serão transparentes e de cumprimento obrigatório para a rede, desde que não entrem em conflito com leis locais. Os conteúdos suscetíveis de serem moderados serão os do Facebook e Instagram. O conselho não terá, ao menos por enquanto, capacidade sobre o WhatsApp, outra plataforma pertencente à companhia.

Esta nova instância depende de uma organização alheia à empresa, embora tenha sido criada pela matriz com uma doação irrevogável de 130 milhões de dólares (800 milhões de reais). Os membros do conselho, composto por 10 mulheres e 10 homens, não são funcionários do Facebook nem podem ser demitidos por Zuckerberg. Nesta quarta-feira, foi anunciada a composição desse órgão, que incluirá personalidades como a ativista iemenita Tawakul Kerman, ganhadora do Nobel da Paz de 2011, a ex-primeira-ministra dinamarquesa Helle Thorning-Schmidt e o jornalista britânico Alan Rusbridger, que dirigiu o jornal The Guardian durante duas décadas.

Ronaldo Lemos, advogado de propriedade tecnológica e intelectual e professor de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), é um dos dois únicos latino-americanos da lista, ao lado da jurista colombiana Catalina Botero-Marino, diretora da Faculdade de Direito da Universidade de Los Andes e, entre 2008 e 2014, relatora para a liberdade de expressão na Organização dos Estados Americanos.

O nome oficial é conselho assessor de conteúdo, ou oversight board, e seus membros têm, sobretudo, perfis vinculados ao mundo do direito, ao ativismo digital e aos meios de comunicação. Ao todo serão 40, o dobro dos atuais, embora o processo de seleção deva se prolongar até 2021. O órgão tem quatro copresidentes, que são os que se encarregaram, junto ao Facebook, de recrutar os outros 16 convidados. Além de Botero-Marino e Thorning-Schmidt, os outros dois copresidentes serão os norte-americanos Jamal Greene, catedrático da Universidade Columbia, e Michael McConnell, ex-juiz federal dos EUA e hoje professor em Stanford.

“Isso representa uma mudança fundamental quanto à forma como as decisões difíceis são tomadas no Facebook”, disse Brent Harris, diretor de Assuntos Globais da empresa, em uma entrevista coletiva para jornalistas de todo o mundo, à qual o EL PAÍS assistiu e que teve a participação dos quatro copresidentes e de Thomas Hughes, diretor-administrativo do conselho. Embora sua fundação já seja oficial, só começará a analisar casos dentro de alguns meses. Nas próximas semanas, e com as dificuldades acrescentadas pela pandemia, a instituição contratará pessoal e decidirá a melhor forma de se coordenar e trabalhar.

Outros encarregados

 

Com esse conselho, a intenção da empresa é terceirizar um dos aspectos que mais lhe causam problemas em seu trabalho: os limites à liberdade de expressão dos usuários, levando em conta seus contextos nacionais. O Facebook já transferiu a verificação rotineira de conteúdos para organizações externas, que são as que assumem a avaliação sobre a veracidade de determinada publicação. O Facebook então só acrescenta esse veredicto ao conteúdo questionado e faz que essas mensagens sejam menos visíveis nas contas dos outros usuários.

Com o novo tribunal supremo ocorrerá algo semelhante. As atribuições difíceis não ficarão nas mãos dos funcionários da companhia, que assim se isolarão de decisões que frequentemente dependem de sensibilidades ideológicas ou regionais. Os veredictos deliberados do tribunal, que inclui gente muito diversificada, evitarão a sensação de que um grupo de executivos em Palo Alto decide o que centenas de milhões de pessoas veem ou deixam de ver. Por outro lado, o Facebook se comprometeu publicamente a cumprir as decisões do conselho. “Se não fizerem isso, o custo para a reputação seria muito alto”, disse Botero-Marino.

“Não seremos a polícia da Internet”, quis esclarecer McConnell. “Não será algo rápido, será mais uma corte de recursos que delibera depois do fato. O objetivo é promover a justiça, a neutralidade”, acrescentou. Serão três os critérios para selecionar os casos entre os milhares que chegarão, segundo McConnell: que afetem muita gente, que tenham muita importância por suas consequências, ou que possam afetar as políticas do Facebook. “Não haverá respostas corretas. Ninguém estará sempre satisfeito com nossas decisões”, acrescentou. Como empresa privada, o Facebook pode decidir sobre seu conteúdo. “O direito público vai por outro caminho”, explicou McConnell.

Inicialmente, o tribunal verá casos denunciados por usuários que tiveram conteúdo apagado pelo Facebook, mas depois permitirá os recursos de usuários que queiram pedir que se apague um conteúdo determinado. O conselho poderá decidir não só sobre publicações, também sobre anúncios ou grupos. Poderá também recomendar políticas ao Facebook baseadas nos veredictos.

“Sempre estive comprometido com a liberdade de expressão e de pensamento, mas o crescimento do Facebook criou novas oportunidades e desafios”, diz o juiz húngaro András Sajo, ex-vice-presidente do Tribunal Europeu de Direitos Humanos e um dos membros do conselho, numa mensagem de apresentação no site do organismo.

A rede social do mundo

Tecnologia,Internet,Redes,Computadores,Blog do Mesquita,Informática

Este novo tribunal dará mais peso à imagem do Facebook como a grande rede social do mundo. A metáfora que fala do Facebook como um país próprio ganha agora um pouco mais de fundamento: já tem seu poder judiciário independente. É difícil pensar em redes concorrentes que tenham a capacidade de instituir organismos que incluam personalidades de tanto nível e com capacidade de decisão real sobre os limites da liberdade de expressão em lugares com tradições diferentes. O tribunal se centrará no conteúdo do Facebook e Instagram, mas está aberto a assumir outras redes sociais, como o Twitter, conforme disse Thomas Hughes, seu diretor-administrativo.

O conselho permitirá, segundo Botero-Marino, que os Estados pensem duas vezes sobre a conveniência de regular a rede: “A melhor maneira de manter a arquitetura atual da Internet e evitar a regulação de Estados é que as companhias se autorregulem”, disse. “Este é um bom exemplo porque inclui independência, transparência e diversidade.”

“As sociedades não podem funcionar se seus cidadãos não chegarem a um acordo sobre que significa prova, fato e verdade”, diz Rusbridger em uma mensagem na Internet. “Talvez tenhamos demorado demais para percebermos isso. O conselho assessor de conteúdo parece ser o primeiro passo ousado e imaginativo da parte de um dos principais atores para encontrar um modo de conciliar a necessidade de impor algum tipo de padrão ou julgamento do que é publicado, ao mesmo tempo em que mantêm as coisas que são maravilhosas nas redes sociais e necessárias para a liberdade de expressão”, acrescenta.

Faltando ainda a definição de metade de seus membros, o conselho também tem lacunas. O Facebook não está presente na China, então a única integrante de fala chinesa é a taiwanesa Katharine Chen, catedrática de Comunicação na Universidade Nacional Chengchi. E a única pessoa vinculada à Rússia é a camaronesa Julie Owono, diretora-executiva da organização Internet Sem Fronteiras, que cresceu nesse país.

Há também cinco membros norte-americanos contra apenas três europeus (Sajo, Rusbridger e Thorning-Schmidt). Esse número de norte-americanos se deve, segundo Harris, ao fato de que havia muitos candidatos de lá que os impressionaram, e que a maioria dos casos mais polêmicos para a rede começaram nesse país.Internet,Tecnologia,Vírus,Malware,WhatsApp,Blog do Mesquita

Ao menos por enquanto, os membros trabalharão em tempo parcial e receberão uma compensação compatível “com os conselhos do setor tecnológico”, segundo Hughes. O trabalho deste tribunal não tem em princípio por que interferir na atuação dos verificadores de informação, embora seja provável que eventualmente ocorram conflitos. Durante a pandemia do coronavírus, a Espanha viveu uma polêmica substancial sobre a suposta censura nas redes sociais, embora centrada sobretudo no aplicativo de mensagens WhatsApp.

Censura,Liberdade,Blog do Mesquita 07

A mordaça na era ditital; Há governos que querem desconectar seus cidadãos da Internet, e alguns já têm seu botão vermelho

A web está deixando de ser global. China, Rússia e Irã, entre outros, usam sua infraestrutura digital para vigiar e censurar seus cidadãos. Bem-vindo à ‘balcanização’ da Internet

Ilustração de Diego Quijano – Foto: Getty Images

Na Davos de 1996, o visionário John Perry Barlow já dizia aos “Governos do mundo industrial, cansados gigantes ​​de carne e aço”, que deixassem a Internet em paz. Sua famosa Declaração de Independência do Ciberespaço estabelecia: “O espaço social global que estamos construindo é por natureza independente das tiranias que vocês procuram nos impor. (…) Seus conceitos legais sobre propriedade, expressão, identidade, movimento e contexto não se aplicam a nós. Eles são baseados na matéria”.

A Rede queria ser livre, e os protocolos TCP/IP, a cola universal que unia todas as suas peças, haviam sido projetados para que as informações encontrassem sempre o caminho mais curto, mais seguro e mais barato para alcançar seu destino, alheios às fronteiras políticas e geográficas do mundo “real”. Desde então, sua ânsia de liberdade se deparou com diferentes graus de resistência dos Governos, que costuma administrar a expressão de dissidência com apagões seletivos, leis da mordaça e campanhas de propaganda ou desinformação. Uma nova estratégia se configura este ano: a independência. No final das contas, a Internet era sim matéria e começa a se desintegrar.

Apenas dois dias depois de a Internet completar 50 anos, em 29 de outubro, a Rússia declarou sua independência com uma lei de soberania digital. A legislação autoriza seu regulador de telecomunicações local a bloquear conteúdos, serviços ou aplicativos que considere uma ameaça à segurança do Estado, sem ordem prévia, processo ou notificação. Os critérios sobre o que constitui uma ameaça são tão opacos quanto seu plano de execução. E o conteúdo parece ser a Internet como um todo. A lei contempla a necessidade de um botão vermelho para bloquear a Web quando incomodar e um sistema próprio de gestão de domínios para “proteger os cidadãos russos de serem contaminados por conteúdos tóxicos” e a sua infraestrutura de ataques cibernéticos no exterior.

A mordaça na era digital

O sistema de gerenciamento de domínio, ou DNS, é o que diz o que cada coisa significa na Internet, o diretório administrativo que conecta o nome de um site (exemplo: brasil.elpais.com) ao endereço IP do servidor em que se hospeda fisicamente o conteúdo ao qual está associado. É um dos pilares fundamentais da rede globalizada e foi criado em 1983 como um sistema hierarquizado, descentralizado e global. Com um sistema próprio administrado por seu Governo, os cidadãos russos não poderão mais usar redes privadas virtuais (VPNs, na sigla em inglês) para acessar conteúdos controlados ou se comunicar com o exterior.

BRICS, o supergrupo

A Rússia não está sozinha no caminho da autodeterminação digital. “Devemos respeitar o direito de cada país de governar seu próprio ciberespaço”, declarou o presidente da República Popular da China, Xi Jinping, durante a Segunda Conferência Mundial da Internet, em Wuzhen, em 2015: “Nenhum país deveria buscar a ciberhegemonia ou interferir em assuntos internos de outros Estados”.

A China não possui seu próprio DNS, mas a famosa muralha digital chinesa propiciou um sistema de crédito social baseado na vigilância e punição de seus cidadãos e, também, a expansão de suas três gigantes tecnológicas: Baidu, Alibaba e Tencent. E a do WeChat, um aplicativo que faz tudo (reúne as funções do Facebook, Instagram, Uber, Tinder, YouTube e Skype, entre outros) e serve para pagamentos com o celular e até dar esmolas para os sem-teto. É inegável que o modelo soberanista serve de incentivo para a economia local. A crise do coronavírus, por outro lado, é uma lição sobre suas consequências.

Li Wenliang, o oftalmologista do Hospital Central de Wuhan que primeiro denunciou a irrupção da epidemia, foi silenciado pelas autoridades e detido em 1º de janeiro por “disseminar rumores maliciosos” na Web. Sua morte no mesmo hospital, no dia 6 de fevereiro, mostrou que a densa rede de vigilância chinesa não servia para conter a propagação do vírus, pelo contrário. Naquela manhã, uma hashtag começou a se destacar no Weibo, a versão local do Twitter: “Exigimos liberdade de expressão”. À tarde tinha sido eliminada pelo regime. O coronavírus segue sua expansão letal, mas não haverá outra Tiananmen.

“A China está construindo sua própria Internet focada em seus próprios valores e está exportando essa visão da Internet para outros países”, lamentou Mark Zuckerberg em seu recente discurso de Georgetown. “Há uma década, quase todas as plataformas da Internet eram americanas. Agora, seis das dez primeiras são chinesas”. Em 2018, o cofundador do Google, Eric Schmidt, havia alertado em um evento em San Francisco: “A grande muralha da China nos levará a duas Internets diferentes: uma asiática, dominada pela China, e outra ocidental, dominada pelos EUA”.

Nos últimos meses, o Conselho de Segurança da Federação Russa também anunciou a criação de uma “infraestrutura de rede independente”, junto com a China, o Brasil, a Índia e a África do Sul, o supergrupo de grandes economias emergentes conhecido como BRICS. Se for levada adiante, essa outra Internet ocuparia 25% da superfície planetária e serviria a mais de 40% da população mundial.

“Na verdade, esse espaço utópico e cosmopolita nunca existiu”, explica por email Evgeny Morozov, ensaísta bielorrusso e autor de The Net Delusion: The Dark Side of Internet Freedom. “As teorias que formaram nossa percepção da Internet –a aldeia global, o ciberespaço sem lei, o internauta como um cidadão desvinculado do Estado nacional– estão muito longe da realidade”, acrescenta. “Era um pouco como acreditar que o mercado universal, uma vez alcançados todos os cantos do mundo, teria um efeito homogêneo em todos os lugares.”

De fato, vários dos países que abriram a década com a explosão de otimismo da primavera árabe a encerram com apagões, repressão e censura. A Internet não é apenas matéria, mas pode acabar sendo como as reservas de petróleo; em princípio, deveria melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, mas, quando brota nas democracias mais frágeis, transforma-se em maldição.

O bloco halal

“Observando os dados, não vemos uma incidência maior no número de bloqueios, mas em sua magnitude e gravidade”, explica Alp Toker, diretor da Netblocks, uma organização que observa os bloqueios, restrições e ataques cibernéticos em tempo real. A Índia tem o recorde de apagões, com 134 cortes em 2018, e a Caxemira está sem Internet desde agosto de 2019, exceto por uma centena de páginas que o Governo indiano desbloqueou há três semanas. O Paquistão vem logo atrás, seguido pela Síria e a Turquia. Mas a incidência mais notável ocorreu em 15 de novembro, quando o Irã bloqueou o acesso à Internet a 97% de sua população.

O Irã fez isso no momento em que começaram as manifestações em massa por causa do aumento do preço do combustível. Exceto por algumas contas do Governo, foi um blecaute total (Internet, telefone, dados, SMS). Um evento sem precedente. Embora tenham ocorrido milhares de apagões, nunca um país inteiro havia saído da Rede. Enquanto a mídia tenta verificar durante o apagão o número de mortes que ocorreram nos protestos, os engenheiros tentam elucidar como conseguiram retirar da Internet 80 milhões de pessoas de uma vez.

O fato é que o Governo trabalha há anos em uma Internet halal, alinhada ao islã: a National Information Network. “O país não tolera uma rede social que tem sua chave nas mãos dos Estados Unidos”, disse o aiatolá Ahmad Khatami há dois anos.

Obviamente, existe um nicho de mercado para uma Internet muçulmana. Para além dos valores religiosos, segundo Katherine Maher, diretora-executiva da Wikimedia Foundation, há mais de 350 milhões de pessoas que falam árabe no planeta, mas seu idioma ocupa menos de 1% da web. Em 2016, a start-up malasiana Salam Web Technologies lançou um navegador restritivo alinhado aos valores islâmicos, chamado SalamWeb, que atende usuários da Malásia e da Indonésia, mas quer expandir-se por todo o mundo islâmico. Inclui seu próprio agregador de notícias, rede social e sistema de mensagens, o SalamChat.

“Isso não é necessariamente ruim. Ter a própria infraestrutura pode promover um ecossistema econômico próprio e introduzir alternativas locais às plataformas multinacionais”, diz Toker. E acrescenta: “Mas quando isso é feito às custas da conectividade mundial, é um problema de direitos humanos e liberdade de expressão. E não há ninguém vigiando. Estamos tão focados em nossos debates internos que o ecossistema digital está se decompondo e com ele a possibilidade de debate mundial”.

Uma nova guerra fria

Há aspectos do divórcio que transcendem o colonialismo cultural, a perda de diversidade e a polarização do debate. De acordo com o relatório do Oxford Internet Institute sobre propaganda e desinformação, o Irã é um dos sete países que implementam operações de influência estrangeira, junto com China, Rússia, Índia, Paquistão, Arábia Saudita e Venezuela. Sua relação com a guerrilha digital é intensa e pós-traumática: foi o alvo do primeiro ataque cibernético projetado para destruir a infraestrutura industrial.

O Stuxnet foi um vírus insidioso que destruiu mil centrífugas em seu centro de enriquecimento de urânio em 2010 e abriu um mundo de possibilidades aterrorizantes para a guerra cibernética. De acordo com o arquivo de documentos de Snowden, naquele momento o Irã era o país mais vigiado do mundo, tanto pelos EUA quanto por Israel.

O Irã aprendeu a lição: a Rede Global permite causar muitos danos com poucos recursos. Agora, o país “tem a capacidade e a tendência de lançar ataques destrutivos”, declarou recentemente Christopher C. Krebs, diretor de segurança cibernética e infraestrutura do Departamento de Segurança Interna dos EUA. “É preciso ter a consciência de que qualquer ataque poderá ser o definitivo”, acrescentou. Sua divisão lhe atribuiu muitos ataques, incluindo o dos seis principais bancos dos Estados Unidos.

O malware iraniano destruiu 35.000 computadores da companhia estatal de petróleo Saudi Aramco em 2012. Foram necessários dezenas de milhões de dólares para reconstruir o sistema. Desde então, especializou-se em atacar infraestrutura industrial – um terapeuta chamaria isso de compulsão de repetição– entre os vizinhos mais próximos, como sua arqui-inimiga Arábia Saudita.

“A segurança é um espaço multidimensional no qual diferentes objetivos e diferentes atores competem”, explicou David D. Clark, arquiteto-chefe da Internet nos anos 80 e autor do recente e imprescindível Designing an Internet, em uma conferência na sede do Google há pouco mais de um ano. “Para construir uma Internet segura, você deve firmar um compromisso pelo qual todos e cada um dos atores desejem que a sua solução sobreviva”, acrescentou. Mas o que acontece quando esse compromisso desaparece e duas visões antagônicas ocupam o seu lugar?

Proteger-se do outro

“O Irã é um dos atores mais sofisticados”, diz por telefone Bruce Schneier, autor, consultor e um dos maiores especialistas em segurança cibernética. “Ataca empresas, ataca bancos, ataca usinas elétricas, ataca indivíduos. Mas não acho que a balcanização seja principalmente um problema de segurança, acho que o principal problema é de controle e propaganda. A Rede global acabou. Isso já é ruim o bastante.” E complicado. Como se gerencia o divórcio quando a infraestrutura de uma das partes ocupa grande parte da outra? Como nos protegemos de uma China que se torna independente da mesma Rede que depende do 5G da Huawei? “Bem, teremos que ver como isso se desdobra”, ironiza Schneier. “Como não há um ditador da Internet capaz de impedir esse tipo de coisa, tudo pode acontecer.”

Entre os especialistas, há nuances. “No momento, o que estão criando são Internet separáveis, e não separadas”, explica Ángel Gómez de Ágreda, coronel da Força Aérea espanhola, ex-chefe de cooperação do Comando Conjunto de Defesa Cibernética e autor do recente Mundo Orwell: Manual de Supervivencia para un Mundo Hiperconectado. “Isso nos prejudicará no crescimento porque vai fraturar os mercados e, do ponto de vista da segurança, é o equivalente ao escudo antimísseis: ‘Eu posso atirar em você, mas você não pode atirar em mim.’ Estamos criando um mundo medieval, de castelos, onde as vulnerabilidades de uns e de outros serão diferentes.” Entre os dois modelos antagônicos da Rede –global e soberano–, um espectro de países parece não ter voz nem voto nessa separação. “Nós estaremos com o padrão americano e isso não significa que seja perfeito.” Permaneceremos no bloco de uma Rede dominada por plataformas comerciais, um modelo de negócio baseado na exploração maciça de dados que produziu sua própria família de patologias.

“É fácil atacar a ideia da balcanização da Rede argumentando que os maus querem controlar a Internet. Mas, o que aconteceria se fossem os países democráticos, como aconteceu com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) ou com o direito de ser esquecido?”, argumenta Morozov. “Não estou preocupado com a balcanização da Rede, pois, de qualquer forma, trata-se da desvinculação da esfera econômica e digital controlada pelos Estados Unidos. Os meios de comunicação, por exemplo, possuem regulações diferentes, mesmo dentro da União Europeia –o que é aceitável na Noruega, pode não ser na Itália, e vice-versa. Por isso não acho que devamos nos preocupar com discordâncias na esfera digital só porque nossa concepção original da Internet é um mito de universalismo impossível.”

“A Espanha sozinha não tem margem de manobra”, diz o coronel Gomez de Ágreda, “o que temos, sim, que fazer na Europa é nos perguntar se queremos pertencer a um dos sistemas que estão sendo montados ou ter o nosso sistema separável”. De certa forma, a Europa já faz isso. O RGPD de 2018 separa legalmente os usuários europeus daqueles do restante do mundo. “Podemos criar uma Internet com nossas próprias regras”, conclui Gómez de Ágreda. “Um núcleo de países com os quais compartilhamos uma série de valores.” E esclarece que não se refere estritamente à União Europeia. Isso também começou a se romper.

O que se sabe sobre a nova missão do X-37B, o misterioso avião orbital da Força Aérea dos EUA

O programa do X-37B é altamente sigiloso
Será a sexta missão, e a mais importante delas, segundo a Força Aérea dos Estados Unidos.

Direito de imagem GETTY IMAGES

O X-37B, também chamado de veículo de prova orbital (ou seja, capaz de fazer um voo na órbita da Terra), decolou da estação no Cabo Canaveral (Flórida). Para autoridades americanas, esse novo lançamento permite ao país assegurar uma “superioridade no espaço”.

“A equipe X-37B continua exemplar do tipo de desenvolvimento tecnológico ágil e avançado que precisamos como nação no domínio espacial”, afirmou John Raymond, chefe de operações espaciais da Força Espacial dos Estados Unidos (USSF, na sigla em inglês), na quarta-feira.

Desta vez, a operação estará a cargo da USSF, ainda que a Força Aérea americana (dona do avião orbital) e sócios do governo tenham participado de forma ativa da etapa de testes.

Aeronave espacial tem 9 metros de comprimento
Direito de imagem GETTY IMAGES

Desde a primeira missão, em 2010, tanto o governo quanto os órgãos militares são bastante evasivos a respeito dos testes que são realizados pela aeronave. O programa é sigiloso.

No lançamento desta semana, sabe-se que o veículo levará pela primeira vez um módulo integrado para serem realizados diversos experimentos no espaço.

A aeronave, que tem menos de 9 metros de comprimento, utiliza energia solar e não é tripulada.

Ela detém o recorde do maior número de dias consecutivos de voo ao redor da Terra, alcançado na missão anterior, em outubro de 2019. Foram 780 dias em órbita.

Avião orbital já realizou cinco missões no espaço.
Direito de imagem GETTY IMAGES

‘Um grande passo’

Randy Walden, diretor de programas no departamento de rápidas capacidades da Força Aérea americana, afirma que esta sexta missão será um “grande passo” para o programa orbital.

Segundo o órgão, que não entra em detalhes, um dos objetivos da missão é “testar novos sistemas no espaço e desenvolvê-los na Terra”.

Direito de imagem USSF

A aeronave vai decolar da estação espacial de Cabo Canaveral, na Flórida
O que foi divulgado é que o módulo especial será anexado à popa do veículo e aumentará a capacidade de transportar carga útil e programas experimentais a serem transportados em órbita.

Um satélite

Além da implementação do módulo especial, a sexta missão do X-37B será implantar o FalconSat-8.

Trata-se de um pequeno satélite desenvolvido pela Academia da Força Aérea americana para testes em órbita.

O FalconSat-8 é uma plataforma educacional que levará cinco experimentos a serem operados pela entidade militar.

Além disso, foram incluídos experimentos da Nasa (agência espacial americana) para estudar os efeitos espaciais, como a radiação em diferentes materiais e sementes usadas para cultivar alimentos.

A aeronave vai decolar da estação espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, em 16 de maio. – Direito de imagem GETTY IMAGES

Por fim, o Laboratório de Investigação Naval dos Estados Unidos testará a transformação de energia solar em energia de micro-ondas de radiofrequência que poderia ser transmitida para a Terra.

O misterioso X-37B

Segundo a Força Aérea americana, o X-37B continua a “quebrar barreiras” no desenvolvimento de tecnologia de veículos espaciais reutilizáveis e é considerado um investimento importante para o futuro da estratégia espacial dos EUA.

O programa de aeronaves orbitais começou em 1999 e, após 11 anos, se deu a primeira das cinco missões realizadas até agora.

EUA esperam assegurar superiodade espacial com esta missão
Direito de imagem GETTY IMAGES

Por se tratar de uma operação sigilosa, não há divulgação detalhada de o que o veículo faz quando está em órbita ou do que foi realizado em voos anteriores.

No ano passado, integrantes da Força Aérea americana explicaram em um comunicado que os objetivos principais do X-37B são: tecnologias de naves espaciais reutilizáveis para o futuro dos EUA no espaço e a realização de experimentos que possam ser replicáveis e analisados na Terra.

Em 2017, o governo indicou que o veículo foi utilizado para testar sistemas de navegação, controle e direção avançada no espaço.

Além disso, foram testadas tecnologias de proteção térmica, sistemas de propulsão avançados e de voo eletromecânico e voo orbital autônomo.

Surgiram também diversas suspeitas de que a aeronave seria um dispositivo de espionagem desenvolvido para levar a bordo sensores experimentais, como câmeras de alta tecnologia e radares de mapeamento terrestre. Mas ainda não há provas que confirmem essas alegações.

Tem chamado a atenção que ele passa cada vez mais dias em órbita a cada missão.

Economia,Capitalismo,Blog do Mesquita 01

Geopolítica e tecnologia ameaçam o domínio financeiro da América

Em janeiro, um ex-general americano falou em uma reunião de financistas globais seniores. Acostumado a pensar em estratégia e força, ele alertou que os Estados Unidos estão lidando mal com a mais complexa gama de ameaças desde a Guerra Fria – do Irã e da Rússia ao novo coronavírus.

Mas ele também falou de uma ameaça muito menos visível: como, através do uso agressivo de sanções econômicas, os Estados Unidos estão usando mal sua influência como poder financeiro predominante, pressionando aliados e inimigos para a construção de uma arquitetura financeira separada. “Não tenho certeza da apreciação do decisor-chefe de como o sistema financeiro funciona”, disse ele. O fato de um ex-general estar pensando no sistema financeiro global diz muito sobre o quão significativo esse perigo se tornou.

O sistema é constituído por instituições, moedas e ferramentas de pagamento que determinam como a liquidez invisível que alimenta a economia real flui ao redor do mundo. Os Estados Unidos têm sido seu centro pulsante desde a Segunda Guerra Mundial. Agora, porém, erros repetidos e a crescente atração da China começaram a rasgar as costuras. Muitos assumem que o status quo está enraizado demais para ser desafiado, mas esse não é mais o caso. Uma esfera financeira separada está se formando no mundo emergente, com diferentes pilares e um novo mestre.

O hegemon-in-waiting financeiramente, como geopoliticamente, é a China, cuja rápida ascensão está puxando o sistema. Hoje, o país representa 15,5% do PIB global, ante 3,6% em 2000. Sua economia, a segunda maior do mundo, está profundamente envolvida no tecido do comércio global. No entanto, pesa pouco no sistema financeiro. A China considera a correção dessa assimetria crucial para obter o status de grande potência. “O domínio do dólar está sendo escavado por baixo”, diz Tom Keatinge, da rusi, um think tank. A crise do covid-19 ameaça dar um impulso decisivo às forças centrífugas.

O primeiro pilar do sistema foi estabelecido em 1944 com a fundação do Banco Mundial, o FMI e a ordem monetária global em Bretton Woods, New Hampshire. Tendo fornecido armas a aliados durante a guerra, os EUA possuíam a maior parte do ouro do planeta, no qual precificavam seus produtos. Grande parte da Europa e da Ásia estava em ruínas. O sistema entre guerras das taxas de câmbio flutuantes se mostrou disfuncional. Decidiu-se, portanto, que todas as moedas seriam vinculadas ao dólar e o dólar vinculado ao ouro. Isso fez do dólar a nova moeda de reserva do mundo. Duas décadas depois, o crescente peso econômico do Japão e da Alemanha, juntamente com a imensa impressão de dinheiro dos Estados Unidos durante a guerra do Vietnã, tornaram os estacas insustentáveis. O sistema se desintegrou, mas o “padrão do dólar” sobreviveu.

Na década de 1970, os Estados Unidos também dominaram o sistema de encanamento que sustenta os pagamentos globais. Os bancos americanos, então impedidos de operar fora das fronteiras estaduais, se uniram para desenvolver sistemas de mensagens interbancárias e redes de caixas eletrônicos em todo o país. Os credores também se uniram para formar “esquemas” de cartão de crédito – associações que estabelecem as regras e sistemas através dos quais os membros liquidam os pagamentos em plástico. Esses mundos se fundiram quando duas das principais redes de cartões (logo Visa novamente e MasterCard) compraram as duas maiores empresas de caixas eletrônicos para expandir no exterior. Ao permitir que as pessoas comprassem em qualquer lugar, cartões e caixas eletrônicos se tornaram a infraestrutura dominante para movimentar pequenas somas de dinheiro em todo o mundo.Dinheiro,Economia,Ouro,BitCoin,Dolar,Euro,Real,Blog do Mesquita

Uma revolução logo se seguiu em transferências de grande valor. No antigo sistema de “telex”, um pagamento transfronteiriço entre bancos exigia a troca de uma dúzia de mensagens em texto livre, um processo propenso a erros humanos. Em 1973, um grupo de bancos se uniu para criar o swift, um serviço de mensagens automatizado que atribui um código único a cada agência bancária. Tornou-se a língua franca para pagamentos por atacado.

A nova tecnologia impulsionou os bancos americanos, que se tornaram mais bem equipados para acompanhar clientes no exterior e seus mercados de capitais, ajudados pela digitalização de ativos em papel. Após a reconstrução, o Japão e a Alemanha, ricos em poupança, depositaram seus dólares em títulos do tesouro. Um boom imobiliário gerou títulos lastreados em ativos. Entre 1980 e 2003, o estoque de títulos da América cresceu de 105% para três vezes o PIB, formando o trampolim internacional para seus bancos de investimento. Após um big bang regulatório nos anos 90, eles se fundiram com bancos comerciais. Em 2008, 35 empresas haviam se tornado as quatro maiores empresas – Citigroup, Wells Fargo, JPMorgan Chase e Bank of America – a última ponta do domínio financeiro da América.

A atração da América dentro do sistema permanece enorme. Quando os desastres acontecem, o dólar aumenta. Ainda é a reserva de valor mais segura do mundo e seu principal meio de troca. Isso faz da instituição que a menta o metrônomo dos mercados globais. Em 2008, o Federal Reserve da América evitou uma crise geral de caixa em todo o mundo ao oferecer “linhas de swap” aos bancos centrais do mundo rico, permitindo que eles emprestassem dólares em suas próprias moedas. Quando o pânico tomou conta dos mercados novamente em março, o Fed expandiu a oferta para alguns países emergentes. Em abril, ampliou-o ainda mais, permitindo que a maioria dos bancos centrais e instituições internacionais trocassem seus títulos de dívida americanos contra dólares, impedindo assim a debandada.

O encanamento financeiro do mundo também permanece sob o controle da América. os 11.000 membros da swift em todo o mundo fazem ping uns aos outros 30 milhões de vezes por dia. A maioria das transações internacionais que eles fazem são encaminhadas através de Nova York pelos bancos “correspondentes” americanos para os chips, uma câmara de compensação que paga US $ 1,5 trilhão em pagamentos por dia. A Visa e a Mastercard processam dois terços dos pagamentos com cartão em todo o mundo, de acordo com a Nilson Report, empresa de dados. Os bancos americanos capturam 52% das taxas de banco de investimento do mundo.Rodando o globo terresre,Capitalismo,Economia,Humor,Trabalho,Escravos,Blog do Mesquita

Três coisas estão impulsionando a mudança. Primeiro, o fator “empurrão” da geopolítica. A centralidade da América permite aleijar os rivais, negando-lhes acesso ao suprimento de liquidez do mundo. Até recentemente, ele se absteve de fazê-lo. O sistema financeiro era visto como uma infraestrutura neutra para promover o comércio e a prosperidade. As primeiras rachaduras apareceram depois de 2001, quando os Estados Unidos começaram a usá-la para sufocar fundos para o terrorismo. O crime organizado e os proliferadores nucleares logo se juntaram à lista. Ele convenceu os aliados ao apresentar grupos como ameaças à segurança internacional e à integridade do sistema financeiro, diz Juan Zarate, ex-consultor de George W. Bush que projetou o programa original.

O arsenal ganhou força sob Barack Obama. Após a invasão da Crimeia pela Rússia em 2014, os EUA puniram oligarcas, empresas e setores inteiros de uma economia com o dobro do tamanho das metas anteriores. Sanções “secundárias” foram impostas às empresas de outros países que negociavam com entidades na lista negra. Desde então, o presidente Donald Trump elevou o sistema para uso como arma e o usou contra aliados. Em dezembro, visou empresas construindo um gasoduto que trazia gás russo para a Europa. Em março, endureceu as sanções contra o Irã, enquanto outros canalizavam ajuda para o país. O arsenal dificilmente parece imparcial: desde 2008, os EUA multam os bancos europeus em US $ 22 bilhões, dos US $ 29 bilhões no total. Em 2019, ele designou novas metas de sanções 82 vezes, diz Adam Smith, da Gibson Dunn, um escritório de advocacia.

As sanções agora são cada vez mais usadas em conjunto com outras restrições para estrangular a China. O Departamento de Comércio mantém uma série de listas de entidades com as quais outras empresas não conseguem lidar. Um deles, a lista “não verificada”, proíbe as exportações para empresas sobre as quais o ministério tem dúvidas. Ele passou de 51 nomes em 2016 para 159 em março. As entidades chinesas representam dois terços das adições. Outros departamentos também estão correndo para serem vistos como os mais difíceis da China.

No curto prazo, a natureza opaca de todo o sistema maximiza o impacto das sanções. Mas também cria um forte incentivo para que outras pessoas busquem soluções alternativas, e a tecnologia está cada vez mais fornecendo as ferramentas necessárias para construí-las.

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio

Tais avanços resultam do segundo impulsionador das novas tendências: o fator “puxar” das tentativas de atender às necessidades das economias emergentes. As empresas de tecnologia visam as 2,3 bilhões de pessoas no mundo com pouco acesso a serviços financeiros. Ajudados por capital abundante e regras permissivas, eles criaram sistemas de baixo custo que estão começando a exportar. Alguns também visam possibilitar o comércio em regiões onde os cartões de crédito são raros, mas os celulares são comuns. Apoiados por seu enorme mercado doméstico, os “superapps” da China administram ecossistemas nos quais os usuários passam o seu caminho sem usar dinheiro real.China,Economia,China,Blog do Mesquita

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio. A maioria empresta no exterior e precifica suas exportações em dólares. A América já foi o maior comprador. Sempre que o dólar subia, a demanda se seguia, compensando dívidas mais caras. Mas um dólar mais forte agora significa que a China, seu principal parceiro comercial, pode comprar menos coisas. Portanto, a demanda cai exatamente quando o pagamento dos empréstimos fica mais caro. E as apostas aumentaram: o estoque da dívida em dólares dos mercados emergentes dobrou desde 2010, para US $ 3,8 trilhões.

O terceiro fator que ajuda os insurgentes é o covid-19, que pode levar a um ponto de inflexão. Já prejudicado pelo aumento das tarifas, é provável que o comércio global se fragmente ainda mais. Como uma ruptura distante causa escassez local, os governos querem encurtar as cadeias de suprimentos. Isso dará às potências regionais como a China mais espaço para escrever suas próprias regras. As consequências econômicas nos Estados Unidos – inclusive o impacto fiscal de suas medidas de estímulo de US $ 2,7 bilhões – podem prejudicar a confiança em sua capacidade de pagar dívidas, que sustentam seus títulos e moeda.Economia,Blog-do-Mesquita,Bancos,Finanças 02

Mais importante, a crise prejudica a confiança de outros países na aptidão dos EUA para liderar. Ele ignorou os primeiros avisos e estragou sua resposta inicial. A China é culpada de coisas piores – seus próprios erros ajudaram a exportar a covid-19 em primeiro lugar. No entanto, conseguiu conter os casos rapidamente e agora está transmitindo uma narrativa de competência doméstica. A capacidade da América de garantir a prosperidade global é a cola que mantém a ordem financeira unida. Com sua legitimidade gravemente atingida, novos ataques ao sistema parecem inevitáveis. Na linha da frente estão os soldados de infantaria do sistema do dólar, os bancos.