Coronavírus: como a covid-19 acirrou guerra política entre EUA e China

O novo coronavírus virou o último campo de batalha entre os Estados Unidos e a China.

A crise de saúde mundial por causa da covid-19, doença causada pelo vírus, colocou em evidência a tensa rivalidade entre as duas superpotências mundiais e deixou definitivamente para trás a aparente lua de mel depois de sua reaproximação comercial.

Desta vez, o conflito se deu em meio à circulação de teorias de conspiração sem provas e declarações polêmicas, como a recente do presidente americano, Donald Trump, classificando o corona como “vírus chinês”. Um morde e assopra que, segundo advertem os especialistas, é perigoso para todos.

‘Transparente’

Na semana passada, um post em redes sociais chinesas e estrangeiras chamou a atenção.

“Pode ter sido o Exército dos EUA que levou a epidemia a Wuhan“, disse Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em 12 de março.

Ele estava se referindo ao novo coronavírus detectado na cidade chinesa de Wuhan em dezembro passado que se espalhou pelo mundo, causando uma pandemia de consequências ainda desconhecidas.

Os primeiros casos de covid-19 foram registrados na China – Imagem Getty

Ao comentário, o representante do Ministério das Relações Exteriores da China anexou um vídeo do diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC), Robert R. Redfield, reconhecendo no Congresso que algumas das mortes por influenza no país podem ter sido causados ​​pelo novo coronavírus, sem especificar datas.

“Quando o paciente zero foi registrado nos Estados Unidos? Quantas pessoas estão infectadas? Quais são os nomes dos hospitais? Pode ter sido o Exército dos EUA que trouxe a epidemia para Wuhan. Seja transparente! Torne a data pública! Os Estados Unidos nos devem uma explicação”, escreveu Zhao no Twitter.

O comentário, conforme noticiado por veículos de imprensa como o jornal de Hong Kong The South China Morning Post (SCMP), parece se referir aos Jogos Militares Mundiais, realizados em Wuhan em outubro, com a participação de mais de 100 países pouco antes da cidade se tornar ponto zero da pandemia.

O vírus é assim, segundo essa ilustração criada pelo Centro para o Controle e a Prevenção de Doenças dos EUA – Getty Images

O Pentágono confirmou casos de coronavírus entre os militares na Coreia do Sul e Itália, e está se preparando para mais casos, mas nenhuma doença foi relatada entre os membros que compareceram ao evento mencionado, de acordo com o jornal The New York Times.

Os comentários do porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China levaram ao Departamento de Estado dos EUA a chamar o embaixador chinês em Washington para consultas (medida que sinaliza uma reprimenda diplomática).

Apesar das queixas, o ministério apoiou as declarações de Zhao.

“Nos últimos dias, vimos inúmeras discussões sobre a origem do [vírus causador da doença] covid-19. Fazemos forte oposição a comentários infundados e irresponsáveis ​​de autoridades americanas e membros do Congresso sobre esse assunto para difamar e atacar para a China”, disse outro porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, em entrevista a jornalistas.

Geng criticou a postura americana – Getty Images

Embora a China não tenha questionado inicialmente a origem do surto no país, referências posteriores de sua comunidade científica mostraram outra visão.

Em janeiro, Gao Fu, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, disse que sabia que “a fonte do vírus eram os animais selvagens vendidos no mercado de animais vivos” em Wuhan.

No entanto, no final de fevereiro, o cientista Zhong Nanshan disse a jornalistas que “a epidemia apareceu pela primeira vez na China, mas não necessariamente se originou” no país, segundo a agência de notícias francesa AFP.

As insinuações geraram reações e críticas nos Estados Unidos.

“É simplesmente vergonhoso que o governo chinês não esteja disposto a assumir a responsabilidade pelo coronavírus”, diz Elizabeth Economy, diretora de estudos asiáticos do Centro dos EUA para o Conselho de Relações Internacionais.

“As pessoas não culpam o governo chinês pelo fato de o coronavírus ter aparecido na China, eles culpam o governo por encobrir a epidemia e agora estar tentando disfarçar a responsabilidade pela forma como lidou com ela desde o início”, diz ela à BBC.

Em fevereiro, os líderes chineses enfrentaram uma onda de críticas sem precedentes por causa da maneira como lidaram com a crise, especialmente quando o caso do médico Li Wenliang, 33 anos, veio a público.

O médico Li publicou uma foto sua em sua cama hospital nas redes sociais no dia 31 de janeiro. No dia seguinte, foi diagnosticado com a covid-19

Li, um dos profissionais da linha de frente da epidemia, tentou alertar seus colegas sobre a existência desse novo vírus, mas foi silenciado pela polícia, que o acusou de espalhar informações falsas.

O jovem médico acabou morrendo em decorrência da doença, o que despertou uma onda gigantesca de indignação nas redes sociais chinesas.

Outra ‘teoria’

Outros especialistas consultados pela BBC também consideram que os comentários do porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China culpando os militares americanas são uma resposta clara a outras teorias da conspiração promovidas nos Estados Unidos.

É o caso do senador americano do Partido Republicano Tom Cotton, que em fevereiro insistiu em vários canais que o vírus poderia ter se originado em um laboratório de biossegurança em Wuhan, hipótese amplamente contestada por cientistas.

É consenso na comunidade científica que o vírus atravessou a barreira das espécies, de animal para humano, em um dos mercados de Wuhan.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) observou que, embora o caminho exato que o vírus tomou para entrar nos seres humanos ainda não esteja claro, o SARS-CoV-2 “não era conhecido antes do surto que começou em Wuhan, na China, em dezembro de 2019”.

‘O vírus chinês’

Além das teorias da conspiração, várias declarações controversas foram dadas recentemente.

A última veio do próprio presidente Donald Trump, que em um tuíte referiu-se ao patógeno como o “vírus chinês”.

No entanto, o SARS-CoV-2 foi citado por vários membros do governo dos EUA como o coronavírus “chinês” ou o “vírus de Wuhan”, conforme declarações do secretário de Estado, Mike Pompeo.

No caso de Trump, o governo chinês foi rápido em reagir aos seus comentários mais recentes, pedindo que ele recuasse e reprimisse suas “acusações infundadas contra a China”

Trump se referiu ao novo coronavírus como “vírus chinês”, pouco depois dos comentários de autoridades do país asiático – Getty Images

A imprensa oficial do país asiático, que atualmente destaca o sucesso da China na luta contra a covid-19 e a ajuda que Pequim oferece e está oferecendo a outras nações afetadas, foi além e classificou as declarações do presidente como “racistas e xenófobas”.

Para os observadores de políticas chinesas, “este jogo geopolítico de atribuição de culpas é uma corrida ao abismo”, segundo Bonnie Glaser, diretora do projeto Poder Chinês do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais .

“Ambos os países estão jogando para seu benefício, em vez de unir forças para derrotar um inimigo comum que não reconhece fronteiras políticas ou geográficas”, disse Yonden Lhatoo, editor-chefe do SCMP, jornal de Hong Kong.

Para Glaser, além disso, é uma disputa perigosa, pois torna ainda mais difícil para os dois países gerenciarem adequadamente os problemas de seus relacionamentos, como as diferenças comerciais, que terão consequências inevitáveis ​​para o resto do mundo.

“[Uma intensa competição estratégica entre os dois] aumentará a pressão sobre outros países para escolher entre os Estados Unidos e a China. A atitude atual tornará um incidente militar mais difícil de manejar”, disse ele.

Longe de se acalmar, o governo chinês lançou outra “bomba” na terça-feira (17/3): a expulsão da China de jornalistas americanos de três principais jornais do país (The New York Times, The Washington Post e The Wall Street Journal), tanto no continente quanto em áreas com maiores liberdades, como Hong Kong, onde organizações que não podem atuar no continente chinês (como ONGs em defesa dos direitos humanos) geralmente têm sua base.

Os jornalistas americanos dos três veículos afetados não poderão trabalhar nem no continente nem em Hong Kong ou em Macau, regiões com mais liberdades – Getty Images

A medida — incomum em termos de escala — responde, segundo Pequim, às limitações impostas por Washington ao número de cidadãos chineses que podem trabalhar para a mídia estatal chinesa nos Estados Unidos.

Uma decisão que a Casa Branca anunciou depois que  expulsou três repórteres do Wall Street Journal.

Outro morde e assopra que já afeta todas as áreas.Crise diplomática entre Brasil e China – Getty Images

O alinhamento ideológico do governo de Jair Bolsonaro com o governo de Donald Trump acabou por arrastar o Brasil para o conflito diplomático.

Um tuíte em que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente brasileiro, criticou a China por sua postura diante da eclosão do novo coronavírus renovou as tensões entre o governo Bolsonaro e os chineses.

A atitude de Eduardo também reverberou na política brasileira: de um lado, políticos aliados do presidente e ativistas de direita saíram em defesa do deputado, e alguns copiaram Trump ao empregar a expressão “vírus chinês” para se referir ao novo coronavírus.

Do outro, vários partidos e políticos críticos do governo lamentaram a atitude de Eduardo e exaltaram a importância da China para o Brasil.

Eduardo BolsonaroDireito de imagemERIK S. LESSER/EPA
Polêmica começou quando filho do presidente comparou a postura da China à atitude da antiga União Soviética após o acidente na usina de Chernobyl

O embate se iniciou na quarta-feira (18/03), quando o deputado comparou a postura da China diante do novo coronavírus com a atitude da antiga União Soviética após o acidente na usina de Chernobyl.

“Mais uma vez uma ditadura preferiu esconder algo grave a expor tendo desgaste, mas que salvaria inúmeras vidas. A culpa é da China e liberdade seria a solução”, escreveu Eduardo no Twitter ao compartilhar uma sequências de mensagens publicadas pelo editor de um portal conservador que culpava o Partido Comunista Chinês pela pandemia.

A mensagem do deputado foi rebatida pelo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming.

“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês. Tal atitude flagrante anti-China não condiz com o seu estatuto como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial”, escreveu Yang.

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB-RJ) também se pronunciou sobre a polêmica.

“O Eduardo Bolsonaro é um deputado. Se o sobrenome dele fosse Eduardo Bananinha, não era problema nenhum. Só por causa do sobrenome. Ele não representa o governo”, disse Mourão, em entrevista à Folha de São Paulo.

De todo modo, ao criticar a China pelo novo coronavírus, Eduardo Bolsonaro agitou as redes pró-governo num momento em que o presidente é alvo de protestos e panelaços contra sua postura diante da pandemia.

Coronavírus: Quão perto estamos de uma vacina?

O coronavírus está se espalhando pelo mundo e estão os governos preparados para um grande aumento de casos?

Atualmente, não há vacina disponível para proteger as pessoas contra a doença. Mas quando isso poderia mudar?

Quando haverá uma vacina contra o coronavírus?
Os pesquisadores desenvolveram vacinas e estão começando a testá-las em animais e pessoas, e se isso der certo, poderá haver testes em humanos no final do ano. Mas mesmo que os cientistas possam comemorar o desenvolvimento de uma vacina antes de 2021, ainda há o trabalho maciço de poder produzi-la em massa.

Significa, realisticamente, que não estaria pronto até pelo menos o meio do próximo ano.

Tudo isso está acontecendo em uma escala de tempo sem precedentes e usando novas abordagens para vacinas, portanto não há garantias de que tudo corra bem.

Lembre-se de que existem quatro coronavírus que já circulam nos seres humanos. Eles causam o resfriado comum e não temos vacinas para nenhum deles.

Dentro do laboratório dos EUA desenvolvendo uma vacina contra o coronavírus.

A vacina protegeria pessoas de todas as idades?

Será, quase inevitavelmente, menos bem-sucedido em pessoas mais velhas. Isso não se deve à própria vacina, mas o sistema imunológico envelhecido também não responde à imunização. Vemos isso todos os anos com a vacina contra a gripe.

Todos os medicamentos, mesmo o paracetamol, têm efeitos colaterais. Mas sem ensaios clínicos, é impossível saber quais podem ser os efeitos colaterais de uma vacina experimental.

Até que uma vacina esteja pronta, que tratamentos existem?
As vacinas previnem infecções e a melhor maneira de fazer isso no momento é uma boa higiene.

Se você está infectado pelo coronavírus, então para a maioria das pessoas seria leve. Existem alguns medicamentos antivirais em uso em ensaios clínicos, mas não podemos afirmar com certeza que algum deles funcione.

Como você cria uma vacina?
As vacinas mostram inofensivamente vírus ou bactérias (ou mesmo pequenas partes deles) ao sistema imunológico. As defesas do corpo os reconhecem como invasores e aprendem a combatê-lo.

Então, se o corpo for exposto de verdade, ele já sabe como combater a infecção.

Epidemia X pandemia: qual é a diferença?
O principal método de vacinação há décadas tem sido o uso do vírus original.

A vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (MMR) é feita usando versões enfraquecidas dos vírus que não podem causar uma infecção total. A vacina contra a gripe sazonal é feita tomando as principais estirpes de gripe durante as crises e desativando-as completamente.

O trabalho de uma nova vacina contra o coronavírus está usando abordagens mais novas e menos testadas, chamadas de vacinas “plug and play”. Como conhecemos o código genético do novo coronavírus, o Sars-CoV-2, agora temos o plano completo para a criação desse vírus.

Alguns cientistas de vacinas estão retirando pequenas seções do código genético do coronavírus e colocando-o em outros vírus completamente inofensivos.Agora você pode “infectar” alguém com o vírus inofensivo e, em teoria, dar alguma imunidade contra a infecção.

Outros grupos estão usando pedaços de código genético bruto (DNA ou RNA, dependendo da abordagem) que, uma vez injetados no corpo, devem começar a produzir pedaços de proteínas virais que o sistema imunológico novamente pode aprender a combater.

Prefeito de Bérgamo, Itália e o coronavirus: “Usem o tempo que vocês ainda têm”

Bergamo é o epicentro da crise do coronavirus na Europa. Quase 400 pessoas morreram lá até agora. O prefeito Gori fala sobre o drama em seus hospitais – e alarma a Europa.

Bergamo está à beira do fim, adverte o prefeito Luca Bruno / AP

No domingo, até o primeiro-ministro Giuseppe Conte telefonou para o hospital Giovanni XXIII em Bergamo com preocupação. Ele queria saber como o governo central poderia ajudar. A clínica de última geração dificilmente consegue acompanhar os cuidados dos incontáveis ​​pacientes Covid-19 de Bergamo e arredores. Faltam máscaras de proteção, ventiladores, médicos e enfermeiros. O exército italiano acaba de enviar mais de 20 médicos militares ao hospital para apoio. Atualmente, cada entrega de reposição de oxigênio vale uma mensagem.

Em quatro dias, o número de pessoas infectadas em Bergamo dobrou para quase 3800, e as mortes triplicaram. Os telefones nos escritórios responsáveis ​​não estão mais parados, porque mais e mais cidadãos estão relatando sintomas de tosse e febre.

AP Photo/Luca Bruno)

O social-democrata Giorgio Gori, 59 anos, nasceu na cidade de 120.000 habitantes perto de Milão. Em 2014, ele se tornou prefeito de Bérgamo, antes que o jornalista fosse o chefe do canal de televisão Canale 5. Bergamo está à beira e não aguenta mais a crise, ele alerta por dias.
Spiegel: Sr. Prefeito, qual é a situação atual em Bergamo?
Gori: Muito crítico. O número de pessoas doentes está aumentando constantemente. Infelizmente, muitas pessoas que precisam de cuidados morrem por causa da epidemia.

Spiegel: O que você pode fazer sobre isso?
Gori: A frente mais importante passa por nossos hospitais. Criamos centenas de novos locais na medicina intensiva essas semanas. Convocamos médicos de todas as especialidades, também médicos aposentados e clínicos gerais, e os preparamos para o uso da Corona o mais rápido possível. Na minha cidade e na Lombardia, na verdade, existe um excelente sistema de saúde. Mas nessas circunstâncias, é muito, muito difícil.

Spiegel: O que está acontecendo atualmente nas clínicas?
Gori: É chocante o que dizem os amigos que trabalham lá nas trincheiras. Eles trabalham dia e noite sem dormir. Infelizmente, muitos foram infectados e agora estão doentes em casa. Além disso, não existem máscaras de proteção, óculos de proteção – e, acima de tudo, estamos procurando desesperadamente respiradores e outros dispositivos necessários para a medicina intensiva. Por isso, lançamos um apelo urgente ao sistema de saúde italiano, à defesa civil e também à comunidade internacional. Felizmente, agora também estamos recebendo apoio de outros países. Infelizmente, porém, existem muitos idosos a quem não podemos ajudar e que não podem ser levados ao hospital.

Spiegel: Existem critérios para quem chega ao ventilador e quem não?
Gori: Conheço alguns pacientes que tiveram doenças anteriores complicadas e não estavam mais ventilados para usar os dispositivos para outras pessoas infectadas. Infelizmente, isso aconteceu em vários lugares da Lombardia. Mas não acho que essa seja a regra. Todos devem ser ajudados.Coronavirus,Epidemia,Brasi,China,Blog do Mesquita

Spiegel: A Lombardia ficou sozinha com seus problemas por muito tempo?
“Fomos os primeiros na Europa a enfrentar essa emergência”
Gori: Nós fomos os primeiros na Europa a enfrentar esta emergência muito, muito difícil. No começo, talvez houvesse um pouco de confusão. Mas agora estou convencido de que a cooperação entre o governo, as regiões e os municípios funciona aqui na Itália.

Spiegel: Você poderia ter evitado o surto de Corona na Itália com uma repressão precoce ou pelo menos diminuído o ritmo da epidemia?

Gori: Nós poderíamos ter reagido mais rápido. Por exemplo, uma zona vermelha poderia e deveria ter sido criada aqui na região de Bergamo, no Valle Seriana. Pedimos por isso. Ficou claro que havia muitos casos de coroa no hospital vizinho de Alzano. Assim como no hospital de Codogno, onde uma zona vermelha com 50.000 habitantes foi construída em 23 de fevereiro por esse motivo. Com a gente não foi feito. Demorou alguns dias para o governo fechar toda a Lombardia e outras 14 províncias do norte.

Spiegel: Por que Roma hesitou no seu caso?
Gori: Eu não sei. Não tenho nenhum interesse em lançar ataques políticos ou mudar de responsabilidade para frente e para trás. Quando você é catapultado para tal situação, todos cometem erros. No geral, avalio a resposta que agora foi dada positivamente.

Foto Claudio Furlan – LaPresse
Spiegel: Como você preparou seus cidadãos para a seriedade da situação?Gori: No começo, pensávamos que algumas precauções e regras de conduta poderiam ser suficientes. Que seria possível continuar uma vida cotidiana relativamente normal se você restringir parcialmente a vida pública e manter a distância mínima de um metro. Depois de alguns dias, entendemos: isso não basta. Temos que agir com muito mais rigor. Na última reunião do prefeito, deixamos isso claro para o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Spiegel: Como as pessoas em Bergamo aceitaram as novas regras?Gori: Bom no geral. Mas duas coisas realmente me incomodaram depois de uma semana em que ninguém deveria estar fora: mantivemos as tabacarias abertas para as necessidades diárias. Mas você também pode jogar com raspadinhas, por exemplo. Muitos cidadãos mais velhos aparentemente foram a esses quiosques por tédio para brincar. Eu agora bani esses jogos de azar. Outros se reuniram em hotspots públicos para acessar a Internet gratuitamente. Foi por isso que desliguei o Wi-Fi comum nas praças. É responsabilidade de todos os cidadãos cumprir as regras e evitar sair de casa sempre que possível. Espero que todos entendam agora.

Spiegel: O perigo ainda parece muito abstrato para muitos?Gori: Na verdade, não em Bergamo. Mais ou menos todos nós conhecemos alguém aqui que ficou doente ou morreu.

Spiegel: O que vem a seguir?
Gori: O mais importante é que continuemos sendo duros agora e que todos os cidadãos cumpram as regras. Eu acho que devemos ser ainda mais rigorosos. Muitas empresas do setor ainda estão abertas. Fecharia tudo, pelo menos aqui na Lombardia. A produção deve funcionar apenas para reposição de alimentos e suprimento de energia. E, claro, na tecnologia médica, porque precisamos urgentemente de ventiladores adicionais.

Spiegel: O que você pode fazer como prefeito para tornar a situação mais suportável para os moradores?

Gori: Muitos dos idosos em risco estão vivendo sozinhos e precisam de apoio. Além dos funcionários da administração da cidade, agora temos 500 voluntários que fazem compras e farmácias para eles. E então desenvolvemos várias iniciativas menores. Por exemplo, bibliotecários da biblioteca da cidade leem contos de fadas para crianças no Facebook. Também pedimos a todos os residentes que telefonassem para os idosos e os fizessem companhia por telefone. E entregamos centenas de refeições aos necessitados. Ninguém deve perder nada.

Spiegel: Quando você espera que a onda atinja o pico?
Gori: Não sei, sou muito cuidadoso com isso. Sabemos que a maioria das pessoas infectadas não apresenta sintomas e, portanto, não pode ser detectada pelo radar. E há também muitos que estão com febre em casa, não são testados e, portanto, não aparecem nas estatísticas. Dos idosos que morrem em casa, também não sabemos ao certo se são vítimas do vírus.

Spiegel: Você já pode estimar o dano econômico?
Gori: É impossível. Mas é claro que será muito, muito alto. O governo italiano adotou ontem medidas no valor de 25 bilhões de euros. Esta é uma contribuição importante, mas longe de ser suficiente. E só espero que a cooperação europeia funcione nesta situação e que ninguém pense que devemos salvar.

Spiegel: Qual é a sua conclusão após várias semanas de crise da corona?
“Garante que as pessoas não se encontrem mais, mas mantenha distância”
Gori: Infelizmente, a Itália agora é um modelo para outros países. Agora, outros precisam perceber que não podem mais sair para dançar, mas precisam tomar medidas duras. Como conosco. E eu nem quero falar sobre aqueles que acabaram de fantasiar sobre a suposta imunidade ao rebanho …

Spiegel: … Você quer dizer o primeiro ministro britânico Boris Johnson …
Gori: … e agora feche seus bares e pubs. Só espero que nossas experiências sirvam de exemplo para os outros.

Spiegel: Qual é o seu conselho específico para prefeitos alemães?
Gori: Faz as pessoas pararem de se conhecer, mas mantém distância. Faça bom uso do tempo que você ainda tem disponível.

Spiegel: Como você está pessoalmente e sua família?
Gori: Felizmente, meus filhos voltaram de suas cidades universitárias no domingo à noite. Mas não a abracei, mantemos distância. Não posso me dar ao luxo de ficar doente agora.

A crise que definirá nossa geração

Em exílio, mundo é obrigado a se repensar suas prioridades, seus líderes e seu destino

Turistas usam máscaras de proteção na avenida Champs Elysees, em Paris, no dia 17 de março.MICHEL EULER / AP (AP)

Não faltaram casamentos adiados, ampliando por alguns meses a vida de solteiro de alguns. Todos eles serão remarcados? As cortinas de milhares de teatros caíram, derrubando milhares de empregos. Todos eles voltarão aos palcos?

O que parecia uma história exótica de uma região da China ganhou, de forma silenciosa e invisível, o resto do mundo. Por semanas, nos corredores da OMS, eu ouvia de dirigentes e técnicos: “Acordem, isso tudo é muito grave”.

Agora, depois de muita hesitação, o continente europeu e o resto do Ocidente começaram a entender a dimensão do problema. Descobrimos um mundo vulnerável e dependente.

A partir dessa semana, quase 200 milhões de pessoas estão em quarentena completa ou parcial pela Europa. O vírus colocou uma parte importante do mundo em isolamento. Um exílio em suas casas, um exílio do contato social.

Sempre cauteloso com suas palavras, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, foi claro nesta segunda-feira sobre a dimensão da crise. “Ela definirá nossa geração”, afirmou. Ela testará nossa confiança na ciência e coloca em xeque a relação entre lideranças políticas e seus cidadãos, justamente no momento em que essa relação está corroída.

Dramático é folhear nos últimos dias os jornais italianos e descobrir que a seção de óbitos conta com dez páginas.

A pandemia também traz o pior e melhor da sociedade. Descobrimos a falta de escrúpulos de quem usa tal situação politicamente. E aqueles que, ignorando os cientistas, colocam uma população em risco em nome de um egoísmo que flerta com o crime. Na França, apesar do vírus bater à porta, eleições municipais foram mantidas, obrigado as pessoas a se encontrar em locais de votos.

O coronavírus só é invisível para quem não quer vê-lo.
Jair Bolsonaro deu uma clara demonstração de que não sabe o papel de um presidente ao convocar as pessoas às ruas.

Nas filas dos supermercados ou de serviços essenciais, descobrimos quem é quem. Na espera para comprar botijão de gás, enquanto uma senhora que estava sendo atendida buscava suas moedas e sua idade a levava mais tempo para encontrá-las, alguém tentou furar a fila sob a justificativa de que não tinha a vida toda para esperar.

Mas também presenciei como mães e pais se organizavam numa farmácia para dividir as fraldas ainda existentes no tamanho que precisavam. A solidariedade deve ser mais contagiosa que o vírus.

Ficamos aliviados quando ouvimos histórias de como vizinhos saíram às suas sacadas para cantar juntos na Itália e na Espanha. Um sentimento de uma comunidade real surgido às sombras do mundo virtual?

Mas a quarentena também impõe perguntas desconfortáveis ao mundo. Como é que certos governos gastam mais em armas que em remédios? Em 2018, o mundo destinou 1,8 trilhão de dólares de seus orçamentos públicos para o setor militar. A OMS estima que precisa de 7 bilhões de dólares para lidar com o vírus.

Outra pergunta inconveniente se refere ao destino dos mais pobres nessa crise. Para uma classe privilegiada do mundo, nunca foi tão fácil vencer uma pandemia. Fechados, temos as janelas abertas ao mundo graças às dezenas de conexões e possibilidades tecnológicas. Para aqueles em campos de refugiados, estão mais presos do que nunca.

Curioso como, num momento de agonia coletiva, a mão invisível do mercado parece não ter poderes para lidar com um inimigo. Resta apenas a ironia de ver ultraliberais perguntando: onde está o estado? A constatação é simples: a dificuldade em dar uma resposta ao vírus é o preço que o planeta está pagando por décadas investindo pouco no serviço público.

Desconcertante também é a pergunta sobre onde foram parar os líderes. Aqueles que deveriam chamar para si a responsabilidade pelo destino do mundo optaram pela miopia de uma disputa política por mandatos e influência.

Inquestionável por décadas, a abertura de fronteiras também foi suspensa e a Europa, por algumas semanas, voltará a manter a desconfiança sobre seus vizinhos. O fechamento, agora, pode servir como uma insurreição das consciências de que os luxos do século 21 foram conquistas sociais que o século 20 nos deixou. E conquistas que envolveram o sangue de muitos.

As mesinhas nas calçadas pela Europa não são apenas um hábito de lazer. Trata-se de uma parcela do contrato social de democracias vivas. A garantia da segurança pública, a garantia da renda, a garantia do tempo de lazer, a garantia de participação. Ao vê-las vazias, recolhidas e empilhadas, fica a sombra da possibilidade de que nada é irreversível.

E se usássemos essa quarentena para desenhar um modelo para ampliar a democracia e garantir que a ocupação dos locais públicos seja um direito universal? E se o isolamento fosse usado como incubadora de uma nova geração de líderes? E se o isolamento fosse aproveitado para ajudar nossos filhos sem escolas por semanas a desenhar a letra A? A de ágora.

Em seu livro A peste, Albert Camus conta como a doença que se espalhava pela cidade de Orã gerava em cada um dos moradores um sentimento diferente de exílio e isolamento. Distância daqueles que amamos, de nosso país de origem e até de uma amante.

No começo, todos queriam acelerar o tempo para decretar o fim da peste. Com o passar do tempo, alguns desistiram e outros criaram fantasias paralelas para manter a razão. Todos eram vítimas da mesma epidemia. Todos estavam em um exílio de seus universos. Mas se isso os unia, todos viviam a profunda desconfiança mútua. O resultado: estavam isolados em seu sofrimento.

O nosso exílio que começa nesta semana pela Europa e que pode chegar a outras partes do mundo não pode ser desperdiçado. Uma oportunidade única para a sociedade, fechada, olhar para si mesma e se examinar. Temos como construir uma geração fincada na responsabilidade social?

Entre as milhares de mensagens que circulam pelo Velho Continente nos últimos dias, uma delas tocava no coração do orgulhoso povo europeu, repleto de batalhas. “Nossos avós foram convocados a sair de casa para lutar por sua sobrevivência. Nós, desta vez, estamos sendo convocados a ficar em casa”.

A OMS garante que há como vencer o vírus. Mas ele deixará como legado uma necessidade real de repensar nossa existência.

Adere a
Ambiente,Saúde,Medicina,Saneamento,Meio ambiente,Epidemias,Brasil,Blog do Mesquita 01

A rede social e o coronavírus

Para retardar o vírus, Alessandro Vespignani e outros analistas estão correndo para modelar o comportamento de seu hospedeiro humano.

Alessandro Vespignani, diretor do Network Science Institute da Northeastern University, em Boston.

Os escritórios do Network Science Institute da Northeastern University ficam 10 andares acima da Back Bay de Boston. Janelas envolventes oferecem um panorama flutuante da cidade, de Boston Common a Fenway Park, enquanto meia dúzia de jovens analistas trabalham em silêncio em computadores.

Às 10 da manhã de uma manhã recente, com as primeiras ligações para a Organização Mundial de Saúde e médicos europeus concluídas e o check-in com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças agendados para mais tarde, Alessandro Vespignani, diretor do instituto, teve algum tempo para trabalhar a sala. De blazer preto e calça jeans, ele passou de cubículo em cubículo, dando a cada membro de sua equipe as últimas atualizações sobre a pandemia de coronavírus.

“Chamamos isso de ‘tempo de guerra'”, disse Vespignani mais tarde em seu escritório; ele estava sentado, mas suas mãos não pararam de se mover. “Antes disso, estávamos trabalhando no Ebola e no Zika e, quando essas coisas estão se espalhando, você está trabalhando em tempo real, não para. Você está continuamente modelando redes. ”

Historicamente, os cientistas que tentam antecipar a trajetória de doenças infecciosas focam nas propriedades do próprio agente, como seu nível de contágio e letalidade. Mas as doenças infecciosas precisam de ajuda para espalhar sua miséria: humanos encontrando humanos pessoalmente. Na última década, pesquisadores importantes começaram a incorporar redes sociais em seus modelos, tentando identificar e analisar padrões de comportamento individual que ampliam ou silenciam possíveis pandemias.

Essas descobertas, por sua vez, informam recomendações de políticas. Quando faz sentido fechar escolas ou locais de trabalho? Quando o fechamento de uma borda fará a diferença e quando não fará? As autoridades mundiais de saúde consultam modeladores de redes sociais quase diariamente, e o laboratório do Dr. Vespignani faz parte de um dos vários consórcios que estão sendo consultados nas decisões cruciais e talvez perturbadoras nas próximas semanas.

Na sexta-feira, em uma análise publicada pela revista Science, o grupo estimou que a proibição de viagens da China a Wuhan atrasou o crescimento da epidemia em apenas alguns dias na China continental e em duas a três semanas em outros lugares. “Esperamos que as restrições de viagens às áreas afetadas pelo COVID-19 tenham efeitos modestos”, concluiu a equipe.

“Hoje, com o enorme poder computacional disponível na nuvem, Vespignani e outros colegas podem modelar o mundo inteiro usando” dados publicamente disponíveis, disse Elizabeth Halloran, professora de bioestatística da Universidade de Washington e pesquisadora sênior da Universidade de Washington. o Centro de Pesquisa de Câncer Fred Hutchinson. “Por um lado, há o surgimento da ciência de redes e, por outro, o enorme aumento no poder da computação”.

Dr. Vespignani chegou à análise de redes através da física. Depois de concluir um doutorado. em sua Itália natal, ele fez estudos de pós-doutorado em Yale, onde começou a se concentrar na aplicação de técnicas computacionais à epidemiologia e dados geográficos.

“Olha, sou romano e sou fã do Lazio. Estávamos em primeiro lugar – finalmente, depois de quantos anos? – e alguns fãs pensam que o coronavírus é uma conspiração contra a Lazio. Não digo que isso seja engraçado, mas sim: cada rede social funciona à sua maneira.”

Ele estava de pé novamente e passeava por uma fileira de escritórios com paredes de vidro. A certa altura, ele enfiou a cabeça em um escritório onde Ana Pastore y Piontti, física e pesquisadora associada, trabalhava em um dos problemas do dia: fechamento de escolas, analisado estado por estado e região por região. As autoridades de saúde de todo o país estão discutindo se devem fechar as escolas locais – quais, em quanto tempo e por quanto tempo.

“Ana está trabalhando nisso agora, queremos poder estimar os efeitos”, disse Vespignani.

Detalhes em um mapa de risco do início deste mês simulando o possível caminho do coronavírus da China para o resto do mundo.Credito: Kayana Szymczak for The New York Times

Seu projeto, como muitos outros do instituto, usa dados do censo, que revelam a composição de quase todos os lares americanos: o número de adultos e crianças e suas idades. A partir de uma única família, um grande mapa pode ser construído. Primeiro, as conexões entre mãe, pai, filho e filha. Em seguida, são adicionadas as conexões do pai na loja, a mãe no escritório e as crianças nas respectivas escolas. A análise pode determinar que, digamos, um garoto de 12 anos que mora no centro de Redmond, Washington, perto de Seattle, entre em contato regularmente com seus pais, irmã e uma média de 20,5 colegas da escola secundária local. .

Repetir o processo com famílias próximas gera um mapa digital denso de interconexões sobre uma comunidade inteira. No monitor do computador do Dr. Pastore y Piontti, ele se assemelha a um circuito elétrico complexo, com fios e cabos multicoloridos de e para hubs de interação compactos.

“Pense nisso como rastrear todas as interações regulares no videogame SimCity”, disse ela.

Nesse mapa, ela adiciona ainda mais conexões, incorporando dados de viagens dentro e fora dessa comunidade – por avião, trem ou ônibus (se essas informações estiverem disponíveis). O resultado final, que ela chama de “matriz de contato”, parece um mapa de calor aproximado – um slide colorido mostrando quem tem maior probabilidade de interagir com quem, por idade. A partir disso, ela subtrai todas as interações da escola, revelando uma estimativa de quantas menos interações – e possíveis novas infecções – ocorreriam ao fechar determinadas escolas.

“Cada país, cada estado, pode ser muito diferente, dependendo dos padrões de interação e composição das famílias”, afirma Pastore y Piontti. “E há a questão do que é mais eficaz: uma semana de fechamento, ou duas semanas, ou fechado até o próximo ano letivo.”

Vespignani havia desaparecido de volta ao seu consultório com dois analistas seniores. Eles estavam amontoados em um viva-voz, executando as últimas alterações de modelagem com um pesquisador externo. O laboratório faz parte de um consórcio que assessora a CDC e realiza chamadas contínuas de operações de mapeamento de doenças infecciosas em todo o mundo.

A conversa e a consultoria são ininterruptas, porque o instituto deve navegar pelas limitações inerentes a toda modelagem preditiva. Um desafio é que nem todos os locais importantes de progressão da doença podem ser previstos: navios de cruzeiro, por exemplo. Outra é fatorar eventos aleatórios – digamos, uma pessoa infectada que de repente decide que agora é o momento de fazer uma viagem de sonho à Espanha.

O que é ‘imunidade de grupo’, a polêmica estratégia do Reino Unido para combater o coronavírus

Estratégia do governo Boris Johnson em relação a covid-19 é diferente da de todos os seus vizinhos europeus.

A estratégia do governo do Reino Unido para lidar com a pandemia de coronavírus é radicalmente diferente da de outros países.

Desde a última terça-feira (10 de março), toda a Itália está em quarentena, enquanto a Polônia se prepara para fechar suas fronteiras por duas semanas.

O governo da França ordenou o fechamento de todos os locais públicos não essenciais a partir da meia-noite deste sábado, 14 de março, e a Espanha decretou um estado de emergência que restringirá a circulação de cidadãos por 15 dias e só permitirá que eles saiam de casa por motivos essenciais, como ir ao supermercado ou trabalhar.

Neste sábado, centenas de cientistas pediram que o governo do primeiro-ministro Boris Johnson tomasse medidas mais duras para lidar com o surto de covid-19, como é chamada a doença causada pelo novo coronavírus.

Em uma carta aberta, um grupo de 229 cientistas de universidades britânicas diz que a atual estratégia do governo Johnson colocará o serviço de saúde britânico sob pressão adicional e “ameaçará mais vidas do que o necessário”.

Os signatários também criticaram os comentários feitos por Sir Patrick Vallance, o principal consultor científico do governo, que sugeriu que parte da estratégia das autoridades era gerenciar a propagação da infecção para tornar a população imune.

O Departamento de Saúde britânico notou mais tarde que os comentários de Vallance haviam sido “mal interpretados”.

A carta também critica a opinião do governo de que, se as restrições às atividades das pessoas forem impostas muito cedo, elas ficarão cansadas delas e deixarão de cumpri-las.

Em meio a críticas e crescente pressão, o primeiro-ministro se reúne nesta segunda-feira com seus ministros e especialistas em saúde e segurança nacional para discutir novas medidas de contenção do vírus. No domingo, o governo já dava sinais de que irá recomendar a todos acima de 70 anos que permaneçam em suas casas. A orientação será provavelmente estendida àqueles que tenham condições de saúde consideradas debilitantes.

O texto foi publicado no último sábado, 14 de março, no mesmo dia em que foi anunciado que outras 10 pessoas morreram no Reino Unido por causa do coronavírus, elevando o número total de mortes para 21. Já no domingo, novas mortes foram anunciadas pelo departamento de sa[ude britânico, elevando o total no país para 35, um crescimento de mais de 50% em único só dia.

Além disso, o Conselho Consultivo Científico para Emergências (Sage) do governo recomendou que medidas fossem implementadas em breve para proteger a população vulnerável, incluindo o isolamento dentro de suas casas.

Vallance e o principal consultor médico do governo Chris Whitty disseram que pretendem publicar os modelos de computador nos quais sua estratégia se baseia.Direito de imagemGETTY IMAGES
Luta contra coronavírus é retardar sua propagação e tentar contê-lo

Medidas insuficientes
Em sua carta aberta, os cientistas assinantes argumentam que medidas mais fortes de “distanciamento social” reduziriam “drasticamente” a taxa de contágio no Reino Unido e salvariam “milhares de vidas”.

O grupo disse que as medidas atuais são “insuficientes” e que “medidas adicionais e mais restritivas devem ser aplicadas imediatamente”, como está acontecendo em outros países.

A idéia de “gerenciar a disseminação” da doença para que a população ganhe imunidade, conhecida como “imunidade de grupo” ou “efeito rebanho”, também foi questionada.

De acordo com esse conceito, aqueles que estão em risco de infecção podem ser protegidos porque estão cercados por pessoas resistentes à doença.

A “imunidade de grupo” é normalmente usada por epidemiologistas para falar dos benefícios da aplicação de vacinas recebidos por pessoas que não as tomaram. Isso porque, uma vez vacinados, elas ganham imunidade contra um determinado patógeno, beneficiando indiretamente toda uma comunidade, inclusive aqueles que não tiveram acesso à vacinação.

Mas ainda não há vacina para o coronavírus.

Sendo assim, estimativas sugerem que a “imunidade de grupo” contra a covid-19 seria alcançada quando aproximadamente 60% da população for infectada pela doença.

Mas na carta aberta, os cientistas afirmam que “buscar ‘imunidade de grupo’ neste momento não parece ser uma opção viável”.

Direito de imagemGETTY IMAGES

Segundo OMS, 80% dos infectados desenvolverão sintomas leves, 14% graves e 6% gravíssimos.

Uma atitude de “deixar o vírus circular”
O problema da “imunidade de grupo” é que, para funcionar, seriam necessárias que cerca de 36 milhões de pessoas no Reino Unido sejam infectadas e se recuperem, de acordo com o professor Willem van Schaik, da Universidade de Birmingham.

“É quase impossível prever o que isso significaria em termos de custos humanos, mas, de maneira conservadora, estamos estimando que seriam dezenas de milhares de mortes e possivelmente centenas de milhares de mortes”, disse ele.

“A única maneira de tornar isso possível seria espalhar o contágio desses milhões de casos por um período relativamente longo, para que a saúde pública não seja prejudicada”, acrescentou.

Van Schaik enfatizou que o Reino Unido é o único país da Europa que está realizando o que descreveu como “uma atitude deixar o vírus circular”.

Além disso, especialistas não sabem dizer se os infectados com a doença ganham imunidade após se recuperarem – as primeiras evidências até agora apontam que sim, mas isso ainda não é uma certeza.

Eles acrescentam que uma mutação no vírus poderia tornar essa estratégia “completamente ineficaz”.

No entanto, um porta-voz do Departamento de Saúde afirmou que os comentários de Vallance foram mal interpretados.

“A imunidade de grupo não faz parte do nosso plano de ação, mas é um resultado colateral da epidemia. Nosso objetivo é salvar vidas, proteger os mais vulneráveis e reduzir a pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês)”, disse ele.

“Agora passamos da fase de contenção para a fase de desaceleração e temos especialistas trabalhando permanentemente. Todas as medidas que introduzimos ou aplicaremos no futuro se baseiam nas melhores evidências científicas”, acrescentou.

“Nossa consciência dos níveis prováveis de imunidade no país nos próximos meses garantirá que nosso planejamento e resposta sejam os mais precisos e eficazes possíveis”, concluiu.

Direito de imagemREUTERS

Chris Whitty (à esquerda) e Patrick Vallance são considerados responsáveis ​​pela estratégia do Reino Unido para coronavírus

Medidas mais drásticas
Em uma carta separada ao governo, mais de 200 cientistas comportamentais questionaram o argumento do governo de que começar a implementar medidas drásticas muito em breve faria com que a população deixasse de cumpri-las exatamente no momento em que a epidemia estivesse em seu ponto mais alto.

“Apesar de apoiarmos totalmente uma estratégia baseada em evidências que formula uma política baseada na ciência do comportamento, não estamos convencidos de que se saiba o suficiente sobre ‘fadiga comportamental’ ou em que medida esse conhecimento é aplicado às circunstâncias. excepcional atual “, indica a carta.

“Essa evidência é necessária se quisermos basear uma estratégia de saúde pública de alto risco”, diz o texto.

“De fato, parece provável que mesmo as mudanças essenciais de comportamento necessárias atualmente (como lavar as mãos) sejam adotadas com muito mais facilidade à medida em que a situação seja percebida como mais urgente. Seguir adiante com normalidade pelo maior tempo possível enfraquece esse senso de urgência”, acrescentam.

Os cientistas observaram que uma “mudança radical de comportamento” poderia ter um efeito muito melhor e “salvar um grande número de vidas”.

“A experiência na China e na Coreia do Sul é encorajadora o suficiente e sugere que pelo menos essa possibilidade seja tentada”, acrescentam.

A segunda carta pede ao governo que reconsidere sua posição sobre “fadiga comportamental” e compartilhe as evidências nas quais está baseando sua estratégia.

Como os hackers estão aproveitando os medos do Coronavírus

Especialistas em segurança dizem que um aumento nos golpes por email vinculados ao coronavírus é o pior que eles já viram em anos.

Os criminosos cibernéticos têm como alvo indivíduos e indústrias, incluindo aeroespacial, transporte, manufatura, hospitalidade, saúde e seguros.

Foram encontrados e-mails de phishing escritos nos idiomas inglês, francês, italiano, japonês e turco.

1. Clique aqui para uma cura

Vítimas à procura de uma cura com detalhes pessoais roubados.

Pesquisadores da empresa de segurança cibernética Proofpoint notaram um e-mail estranho sendo enviado aos clientes em fevereiro. A mensagem supostamente era de um médico misterioso que afirma ter detalhes sobre uma vacina sendo encoberta pelos governos chinês e do Reino Unido.

A empresa diz que as pessoas que clicam no documento em anexo são levadas para uma página da web criada para coletar detalhes de login. Diz que até 200.000 dos e-mails estão sendo enviados por vez.

“Vimos mais de 35 dias consecutivos de campanhas maliciosas de email de coronavírus, com muitos usando o medo de convencer as vítimas a clicar”, diz Sherrod DeGrippo, da equipe de pesquisa e detecção de ameaças da empresa.

A Proofpoint diz que três a quatro variações são lançadas a cada dia.

“É óbvio que essas campanhas estão devolvendo dividendos para os cibercriminosos”, diz DeGrippo.

A melhor maneira de ver para onde o link o levará é passar o cursor do mouse sobre ele para revelar o verdadeiro endereço da web. Se parecer desonesto, não clique.

2. Reembolso de imposto Covid-19

É falso que a HM Revenue and Customs esteja oferecendo um desconto de imposto Covid-19

Pesquisadores da empresa de segurança cibernética Mimecast sinalizaram esse golpe algumas semanas atrás. Na manhã em que o detectaram, viram mais de 200 exemplos em apenas algumas horas.

Se um membro do público clicasse em “acesse seus fundos agora”, ele seria levado a uma página do governo falsa, incentivando-o a inserir todas as informações financeiras e fiscais.

“Não responda a nenhuma comunicação eletrônica em relação ao dinheiro via e-mail”, diz Carl Wearn, chefe de crime eletrônico da Mimecast. “E certamente não clique em nenhum link em nenhuma mensagem relacionada. Não é assim que o HMRC o aconselha sobre um possível reembolso de impostos.”

3. Algumas armadilhas

A Organização Mundial da Saúde está sendo usada indevidamente por muitas campanhas de hackers.

Os hackers que pretendem representar a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmam que um documento em anexo detalha como os receptores podem impedir a propagação da doença.

“Esta pequena medida pode salvá-lo”, afirmam eles.

Mas a Proofpoint diz que o anexo não contém nenhum conselho útil e, em vez disso, infecta os computadores com software malicioso chamado AgentTesla Keylogger.

Isso registra cada pressionamento de tecla e o envia aos atacantes, uma tática que lhes permite monitorar on-line todos os movimentos de suas vítimas.

Para evitar esse golpe, tenha cuidado com os e-mails que alegam ser da OMS, pois provavelmente são falsos. Em vez disso, visite o site oficial ou os canais de mídia social para obter os conselhos mais recentes.

4. O vírus agora está no ar

A linha de assunto diz: Covid-19 – agora no ar, maior transmissão da comunidade.

Os hackers estão usando táticas anti-medo para incentivar cliques e downloads.

Ele foi projetado para parecer com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Ele usa um dos endereços de email legítimos da organização, mas na verdade foi enviado por meio de uma ferramenta de falsificação.

A Cofense, o fornecedor de defesa cibernética, detectou o golpe pela primeira vez e o descreve como um exemplo de hackers “armando o medo e o pânico”.

Ele diz que o link direciona as vítimas para uma página de login falsa da Microsoft, onde as pessoas são incentivadas a digitar seus emails e senhas. Em seguida, as vítimas são redirecionadas para a página real de conselhos do CDC, fazendo com que pareça ainda mais autêntico. Obviamente, os hackers agora têm o controle da conta de email.

Cofense diz que a combinação de uma “falsificação bastante boa” e uma “situação de alto estresse” cria uma armadilha potente.
Uma maneira de se proteger é habilitar a autenticação de dois fatores, para que você precise digitar um código enviado por texto ou fornecido a você, para acessar sua conta de email.

5. Doe aqui para ajudar na luta

O CDC não está pedindo doações no Bitcoin

Este exemplo foi relatado aos especialistas em malware Kaspersky. O e-mail falso do CDC pede doações para desenvolver uma vacina e solicita pagamentos no Bitcoin de criptomoeda.

A premissa é obviamente ridícula, mas o endereço de e-mail e a assinatura parecem convincentes.

No geral, a Kaspersky diz que detectou mais 513 arquivos diferentes com coronavírus em seus títulos, que contêm malware.

“Esperamos que os números cresçam, é claro, à medida que o vírus real continua a se espalhar”, diz David Emm, principal pesquisador de segurança da empresa.

Coronavirus; Por que tão poucos casos de coronavírus foram relatados na África?

A disseminação no país africano é preocupante por causa da fragilidade do sistema de saúde e devido aos problemas já existentes

Os especialistas ainda não sabem por que tão poucos casos do novo coronavírus foram relatados na África, apesar da China – onde o vírus se originou – ser o principal parceiro comercial do continente com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, aponta a publicação NewScientist.

Embora o número oficial de casos no Egito tenha aumentado de dois para 59 no fim de semana, incluindo 33 pessoas que estavam em um cruzeiro pelo Nilo, na África, o número de casos permaneceu baixo.

Na manhã de terça-feira, havia apenas 95 casos oficiais no continente, embora dois países – Togo e Camarões – relataram seus primeiros casos no fim de semana. A disseminação na África é preocupante por causa da fragilidade do sistema de saúde, e pelo continente já enfrentar grandes problemas de saúde pública, como malária, tuberculose e HIV.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se apressou em reforçar a capacidade dos países africanos de testar o vírus e treinar profissionais de saúde para cuidar das pessoas afetadas por ele. Somente o Senegal e a África do Sul tinham laboratórios que poderiam testar o vírus no final de janeiro, mas 37 países agora têm capacidade de teste.

Mary Stephen, da OMS, com sede em Brazzaville, na República do Congo, diz que acredita que a contagem de casos é precisa, porque mais de 400 pessoas foram testadas para a covid-19 em toda a África até agora.

“Eu não diria que é uma subestimação”, diz ela. “Sempre será possível perder casos e isso sempre foi admitido no Reino Unido”, diz Mark Woolhouse, da Universidade de Edimburgo, Reino Unido. Mas, dada a maior conscientização na África, a falta de mortes relacionadas ao coronavírus no continente implica que ainda não existem grandes surtos não detectados, diz ele.

“Se houvesse grandes surtos, da escala que a Itália ou o Irã tiveram, em qualquer lugar da África, eu esperaria que essas mortes estivessem bem acima do radar até agora”.

Ambiente,Saúde,Medicina,Brasil,Blog do Mesquita 01

Proibição de viagens na Europa por Trump é confundida com raiva

Grã-Bretanha e Irlanda não foram incluídas na proibição.

Lideres da União Européia condenaram a proibição. A Itália está trancada e o NBA suspendeu sua temporada.

A Europa luta para entender a proibição de viagens nos EUA, à medida que mais países adicionam restrições.

Nos dois lados do Atlântico, na quinta-feira, as consequências da decisão do presidente Trump de proibir a maioria das viagens da Europa começaram a ser sentidas econômica, política e socialmente.

A Comissão Européia, órgão governante da União Européia, emitiu uma declaração contundente condenando a ação.

“O coronavírus é uma crise global, não se limita a qualquer continente e requer cooperação e não ação unilateral”, afirmou. “A União Europeia desaprova o fato de que a decisão dos EUA de impor uma proibição de viagem foi tomada unilateralmente e sem consulta.”

As restrições se aplicam apenas aos 26 países da zona de viagens livres de Shengen do bloco e não parecem estar vinculadas à gravidade dos surtos em países individuais. .

Dezenas de milhares de americanos na Europa se esforçaram para descobrir o que precisavam fazer antes que a proibição de viagem de 30 dias entre em vigor na sexta-feira, muitos pouco claros sobre o escopo da proibição e temiam que seus vôos para casa fossem cancelados. E companhias aéreas, hotéis e dezenas de outras indústrias – muitas das quais já sofreram com as restrições impostas para retardar a propagação do vírus – preparadas para quedas ainda mais acentuadas.

Em todo o continente, as notícias foram recebidas com confusão, raiva e ceticismo, mesmo quando muitas nações européias passaram a restringir suas próprias restrições ao movimento de pessoas dentro e fora de suas fronteiras.

Um terminal quase vazio no Aeroporto Internacional de Los Angeles na quarta-feira (…) Lucy Nicholson / Reuters

A Itália, que já estava confinada, fechou as portas ainda mais e na quinta-feira de manhã, já que praticamente os únicos locais públicos ainda abertos a seus 60 milhões de cidadãos eram supermercados e instalações médicas.

Na União Européia – onde a livre circulação de pessoas entre os estados membros é considerada uma das principais conquistas da ordem pós-Segunda Guerra Mundial – a República Tcheca se juntou na quinta-feira a outras nações ao anunciar novos postos de controle fronteiriços.

Fora da Europa, a luta contra o vírus também ganhou intensidade, com a Índia se juntando à crescente lista de países que impõe limites drásticos de viagem.

Se o vírus parecia uma ameaça distante para muitos americanos, as notícias de que o ator Tom Hanks e sua esposa haviam testado positivo pareciam abalar essa noção. E a batida constante de más notícias de Wall Street apenas aumentou a ansiedade.

Um após o outro, os países anunciaram na quarta-feira planos para gastar dezenas de bilhões para combater o vírus e as conseqüências econômicas que está causando. Mas as medidas pouco ajudaram a aliviar as preocupações dos investidores, com os mercados asiático e europeu sendo negociados acentuadamente mais baixos na quinta-feira.

O Congresso deve votar um pacote abrangente de ajuda para pessoas afetadas financeiramente pelo coronavírus.

Atrasos nos testes nos Estados Unidos tornaram difícil obter uma noção completa da escala do surto ali. Porém, os estados estão cada vez mais tomando conta das suas próprias mãos, declarando estados de emergência, cancelando as aulas de escolas e universidades, limitando o tamanho das reuniões e ordenando o isolamento de milhares de pessoas com potencial exposição ao vírus.

Embora a Organização Mundial da Saúde tenha declarado a propagação global do vírus uma pandemia, seus líderes instaram os países a não desistir da contenção. Eles alertaram que a disseminação descontrolada do vírus poderia sobrecarregar os sistemas de saúde, mesmo nas sociedades mais ricas, apresentando escolhas desconfortáveis ​​sobre quem tratar primeiro.

Esses perigos estavam sendo levados para casa pela crise em curso na Itália, que registrou mais de 12.000 casos e 827 mortes.

Giorgio Gori, prefeito de Bergamo, uma cidade da Lombardia, escreveu no Twitter que as unidades de terapia intensiva ficaram tão sobrecarregadas que “os pacientes que não podem ser tratados são deixados para morrer”. Ele acrescentou em uma entrevista que os médicos estavam sendo forçados a amortizar aqueles com “menores chances de sobrevivência”.

O presidente Trump diz que é necessário restringir as viagens da Europa.
O presidente, sentado atrás da mesa resoluta com os braços cruzados, finalmente pareceu reconhecer a gravidade do vírus, chamando-o de “infecção horrível” e dizendo que os americanos deveriam reduzir as viagens desnecessárias.

O presidente Trump disse na noite de quarta-feira que estava suspendendo a maioria das viagens da Europa para os Estados Unidos por 30 dias, começando na sexta-feira, para conter a propagação do coronavírus. As restrições não se aplicam à Grã-Bretanha, disse ele.

Trump impôs uma proibição de 30 dias a estrangeiros que, nas duas semanas anteriores, estiveram nos 26 países que compõem o espaço Schengen da União Europeia. Os limites, que entrarão em vigor na sexta-feira à meia-noite, isentarão cidadãos americanos e residentes legais permanentes e suas famílias, embora possam ser canalizados para determinados aeroportos para uma triagem aprimorada.

Mais tarde na quarta-feira, o Departamento de Estado emitiu um comunicado dizendo aos americanos para “reconsiderarem as viagens” para todos os países por causa dos efeitos globais do coronavírus. É o segundo conselho mais forte do departamento, por trás de “não viaje”.

Falando do Oval Office, Trump também disse que as empresas de seguros de saúde concordaram em estender a cobertura para cobrir os tratamentos contra o coronavírus e renunciar a pagamentos relacionados.

O presidente disse que em breve anunciará uma ação de emergência para fornecer ajuda financeira aos trabalhadores que adoecem ou precisam ficar em quarentena. Ele disse que pedirá ao Congresso que tome medidas legislativas para estender esse alívio, mas não detalhou o que seria. Ele disse que instruiria o Departamento do Tesouro a “adiar pagamentos de impostos sem juros ou multas para certos indivíduos e empresas impactadas negativamente”.

Isso sinalizou uma quebra da atitude de negócios como de costume que ele tentava projetar na terça-feira, quando instou os americanos a “manter a calma” e disse que o vírus logo desapareceria. Mas Trump continuou a antecipar um fim rápido do surto, mesmo quando especialistas médicos alertaram que a pandemia pioraria.

“Isso não é uma crise financeira”, disse ele. “Este é apenas um momento temporário que venceremos como nação e mundo.”

Esta é uma pandemia global, diz a OMS

Líderes da Organização Mundial da Saúde (OMS) declararam pandemia de surto de coronavírus na quarta-feira. … Fabrice Coffrini / Agence France-Presse – Getty Images

A disseminação do coronavírus em mais de 100 países agora se qualifica como uma pandemia global, disseram autoridades da Organização Mundial da Saúde na quarta-feira, confirmando o que muitos epidemiologistas vêm dizendo há semanas.

Até agora, o OMS evitaram usar o termo, por medo de que as pessoas pensassem que o surto era imparável e os países desistissem de tentar contê-lo.

“Pandemia não é uma palavra para ser usada de maneira leve ou descuidada”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, em entrevista coletiva em Genebra.

“Não podemos dizer isso em voz alta ou clara o suficiente ou com frequência suficiente”, acrescentou. “Todos os países ainda podem mudar o curso dessa pandemia.”

Há evidências em seis continentes de transmissão sustentada do vírus, que já infectou mais de 120.000 pessoas e matou mais de 4.300. A designação da pandemia é amplamente simbólica, mas as autoridades de saúde pública sabem que o público ouvirá na palavra elementos de perigo e risco.

Coronavirus, Itália enfrenta um aumento constante de casos

Com a imprevisível e repentina disseminação do coronavirus, a Itália passou a ser o país europeu mais afetado pelo covid-19.

Em 23 de fevereiro, o número de pessoas infectadas com o coronavírus que surgiram na cidade chinesa de Wuhan, saltou para 190 infectados e 12 mortos, um salto de cerca de 100 em um dia. Três deles, todos com 60 anos ou mais, já morreram. A Itália agora tem o terceiro maior número de casos no mundo, depois da própria China, onde 77.000 foram infectados, e da Coréia do Sul, onde o total subiu para mais de 600.

Dois grupos de infecção surgiram, ambos no norte. Um fica ao sudeste de Milão, ao redor da cidade de Codogno; o outro fica a sudoeste de Veneza, perto de Pádua.
O Carnaval de Veneza foi cancelado

Ambas as áreas foram colocadas em quarentena, restringindo o movimento de cerca de 50.000 pessoas. Mais 500 policiais foram enviados para realizar patrulhas e bloquear barreiras nas estradas de e para as duas áreas.

Quatro dos jogos de domingo da Série A de futebol, todos no norte, foram cancelados. O governo de Roma proibiu as excursões escolares. Luca Zaia, governador de Veneto, a região que circunda Veneza, anunciou que estava encerrando o famoso carnaval da cidade à meia-noite de 23 de fevereiro, cancelando assim os dois últimos dias de um festival que atrai cerca de 3 milhões de visitantes por ano. Zaia também disse que estava fechando os museus da cidade e suspendendo todos os outros eventos envolvendo multidões. Ele reconheceu que as medidas que aprovara eram drásticas. Mas ele acrescentou: “Queremos prevenir e não curar”.

Na vizinha Lombardia, na região de Milão, creches, escolas e universidades não reabrirão por pelo menos uma semana. A Ópera La Scala e a Pinacoteca di Brera, o mais famoso museu de arte de Milão, também estão fechando.

Giorgio Armani e Laura Biagiotti, duas estilistas, exibiram suas coleções de outono e inverno na cidade via transmissão ao vivo, a portas fechadas.

O governador da Lombardia, Attilio Fontana, disse que se a situação piorasse, ele imporia mais medidas draconianas, semelhantes às de Wuhan.

Os consumidores da capital de negócios da Itália, temendo um bloqueio, entraram nos supermercados para estocar alimentos e outros itens essenciais. “Estamos trabalhando como animais de carga”, disse um funcionário à agência de notícias Ansa. Outros varejistas disseram que sofreram uma queda drástica nas vendas.

As autoridades de saúde italianas pensaram que haviam identificado a fonte do surto: um executivo que retornou da China em 21 de janeiro. Mas ele já deu negativo para o vírus; em 22 de fevereiro, emergiu que não havia evidências até o momento para sugerir que ele havia desenvolvido anticorpos. Isso deixa em aberto a questão de quem trouxe a doença para a Itália e complica os esforços para conter o surto.

O primeiro ministro, Giuseppe Conte, disse que ficou surpreso com o que chamou de “explosão de casos”. O Sr. Conte apelou pela unidade entre partes para enfrentar a emergência. Em uma aparente referência ao chefe da Liga Norte de extrema-direita, Matteo Salvini, ele disse que havia informado o líder da oposição sobre as medidas que seu governo estava tomando.

Salvini, cujo partido foi deposto do poder no ano passado depois que ele não forçou uma eleição geral, parecia não estar disposto a cooperar. “Mais de cem infectados na Itália”, ele escreveu em sua página no Facebook.

“No entanto, para alguns gênios do governo, até alguns dias atrás, o problema era Salvini e a Liga: odiadores e racistas que tocavam o alarme sem motivo. Você devia se envergonhar]!” O susto com a saúde parece mais provável de intensificar as amargas divisões políticas da Itália do que de amenizá-las.