• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

A crise que definirá nossa geração

Em exílio, mundo é obrigado a se repensar suas prioridades, seus líderes e seu destino

Turistas usam máscaras de proteção na avenida Champs Elysees, em Paris, no dia 17 de março.MICHEL EULER / AP (AP)

Não faltaram casamentos adiados, ampliando por alguns meses a vida de solteiro de alguns. Todos eles serão remarcados? As cortinas de milhares de teatros caíram, derrubando milhares de empregos. Todos eles voltarão aos palcos?

O que parecia uma história exótica de uma região da China ganhou, de forma silenciosa e invisível, o resto do mundo. Por semanas, nos corredores da OMS, eu ouvia de dirigentes e técnicos: “Acordem, isso tudo é muito grave”.

Agora, depois de muita hesitação, o continente europeu e o resto do Ocidente começaram a entender a dimensão do problema. Descobrimos um mundo vulnerável e dependente.

A partir dessa semana, quase 200 milhões de pessoas estão em quarentena completa ou parcial pela Europa. O vírus colocou uma parte importante do mundo em isolamento. Um exílio em suas casas, um exílio do contato social.

Sempre cauteloso com suas palavras, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, foi claro nesta segunda-feira sobre a dimensão da crise. “Ela definirá nossa geração”, afirmou. Ela testará nossa confiança na ciência e coloca em xeque a relação entre lideranças políticas e seus cidadãos, justamente no momento em que essa relação está corroída.

Dramático é folhear nos últimos dias os jornais italianos e descobrir que a seção de óbitos conta com dez páginas.

A pandemia também traz o pior e melhor da sociedade. Descobrimos a falta de escrúpulos de quem usa tal situação politicamente. E aqueles que, ignorando os cientistas, colocam uma população em risco em nome de um egoísmo que flerta com o crime. Na França, apesar do vírus bater à porta, eleições municipais foram mantidas, obrigado as pessoas a se encontrar em locais de votos.

O coronavírus só é invisível para quem não quer vê-lo.
Jair Bolsonaro deu uma clara demonstração de que não sabe o papel de um presidente ao convocar as pessoas às ruas.

Nas filas dos supermercados ou de serviços essenciais, descobrimos quem é quem. Na espera para comprar botijão de gás, enquanto uma senhora que estava sendo atendida buscava suas moedas e sua idade a levava mais tempo para encontrá-las, alguém tentou furar a fila sob a justificativa de que não tinha a vida toda para esperar.

Mas também presenciei como mães e pais se organizavam numa farmácia para dividir as fraldas ainda existentes no tamanho que precisavam. A solidariedade deve ser mais contagiosa que o vírus.

Ficamos aliviados quando ouvimos histórias de como vizinhos saíram às suas sacadas para cantar juntos na Itália e na Espanha. Um sentimento de uma comunidade real surgido às sombras do mundo virtual?

Mas a quarentena também impõe perguntas desconfortáveis ao mundo. Como é que certos governos gastam mais em armas que em remédios? Em 2018, o mundo destinou 1,8 trilhão de dólares de seus orçamentos públicos para o setor militar. A OMS estima que precisa de 7 bilhões de dólares para lidar com o vírus.

Outra pergunta inconveniente se refere ao destino dos mais pobres nessa crise. Para uma classe privilegiada do mundo, nunca foi tão fácil vencer uma pandemia. Fechados, temos as janelas abertas ao mundo graças às dezenas de conexões e possibilidades tecnológicas. Para aqueles em campos de refugiados, estão mais presos do que nunca.

Curioso como, num momento de agonia coletiva, a mão invisível do mercado parece não ter poderes para lidar com um inimigo. Resta apenas a ironia de ver ultraliberais perguntando: onde está o estado? A constatação é simples: a dificuldade em dar uma resposta ao vírus é o preço que o planeta está pagando por décadas investindo pouco no serviço público.

Desconcertante também é a pergunta sobre onde foram parar os líderes. Aqueles que deveriam chamar para si a responsabilidade pelo destino do mundo optaram pela miopia de uma disputa política por mandatos e influência.

Inquestionável por décadas, a abertura de fronteiras também foi suspensa e a Europa, por algumas semanas, voltará a manter a desconfiança sobre seus vizinhos. O fechamento, agora, pode servir como uma insurreição das consciências de que os luxos do século 21 foram conquistas sociais que o século 20 nos deixou. E conquistas que envolveram o sangue de muitos.

As mesinhas nas calçadas pela Europa não são apenas um hábito de lazer. Trata-se de uma parcela do contrato social de democracias vivas. A garantia da segurança pública, a garantia da renda, a garantia do tempo de lazer, a garantia de participação. Ao vê-las vazias, recolhidas e empilhadas, fica a sombra da possibilidade de que nada é irreversível.

E se usássemos essa quarentena para desenhar um modelo para ampliar a democracia e garantir que a ocupação dos locais públicos seja um direito universal? E se o isolamento fosse usado como incubadora de uma nova geração de líderes? E se o isolamento fosse aproveitado para ajudar nossos filhos sem escolas por semanas a desenhar a letra A? A de ágora.

Em seu livro A peste, Albert Camus conta como a doença que se espalhava pela cidade de Orã gerava em cada um dos moradores um sentimento diferente de exílio e isolamento. Distância daqueles que amamos, de nosso país de origem e até de uma amante.

No começo, todos queriam acelerar o tempo para decretar o fim da peste. Com o passar do tempo, alguns desistiram e outros criaram fantasias paralelas para manter a razão. Todos eram vítimas da mesma epidemia. Todos estavam em um exílio de seus universos. Mas se isso os unia, todos viviam a profunda desconfiança mútua. O resultado: estavam isolados em seu sofrimento.

O nosso exílio que começa nesta semana pela Europa e que pode chegar a outras partes do mundo não pode ser desperdiçado. Uma oportunidade única para a sociedade, fechada, olhar para si mesma e se examinar. Temos como construir uma geração fincada na responsabilidade social?

Entre as milhares de mensagens que circulam pelo Velho Continente nos últimos dias, uma delas tocava no coração do orgulhoso povo europeu, repleto de batalhas. “Nossos avós foram convocados a sair de casa para lutar por sua sobrevivência. Nós, desta vez, estamos sendo convocados a ficar em casa”.

A OMS garante que há como vencer o vírus. Mas ele deixará como legado uma necessidade real de repensar nossa existência.

Adere a
Ambiente,Saúde,Medicina,Saneamento,Meio ambiente,Epidemias,Brasil,Blog do Mesquita 01

A rede social e o coronavírus

Para retardar o vírus, Alessandro Vespignani e outros analistas estão correndo para modelar o comportamento de seu hospedeiro humano.

Alessandro Vespignani, diretor do Network Science Institute da Northeastern University, em Boston.

Os escritórios do Network Science Institute da Northeastern University ficam 10 andares acima da Back Bay de Boston. Janelas envolventes oferecem um panorama flutuante da cidade, de Boston Common a Fenway Park, enquanto meia dúzia de jovens analistas trabalham em silêncio em computadores.

Às 10 da manhã de uma manhã recente, com as primeiras ligações para a Organização Mundial de Saúde e médicos europeus concluídas e o check-in com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças agendados para mais tarde, Alessandro Vespignani, diretor do instituto, teve algum tempo para trabalhar a sala. De blazer preto e calça jeans, ele passou de cubículo em cubículo, dando a cada membro de sua equipe as últimas atualizações sobre a pandemia de coronavírus.

“Chamamos isso de ‘tempo de guerra'”, disse Vespignani mais tarde em seu escritório; ele estava sentado, mas suas mãos não pararam de se mover. “Antes disso, estávamos trabalhando no Ebola e no Zika e, quando essas coisas estão se espalhando, você está trabalhando em tempo real, não para. Você está continuamente modelando redes. ”

Historicamente, os cientistas que tentam antecipar a trajetória de doenças infecciosas focam nas propriedades do próprio agente, como seu nível de contágio e letalidade. Mas as doenças infecciosas precisam de ajuda para espalhar sua miséria: humanos encontrando humanos pessoalmente. Na última década, pesquisadores importantes começaram a incorporar redes sociais em seus modelos, tentando identificar e analisar padrões de comportamento individual que ampliam ou silenciam possíveis pandemias.

Essas descobertas, por sua vez, informam recomendações de políticas. Quando faz sentido fechar escolas ou locais de trabalho? Quando o fechamento de uma borda fará a diferença e quando não fará? As autoridades mundiais de saúde consultam modeladores de redes sociais quase diariamente, e o laboratório do Dr. Vespignani faz parte de um dos vários consórcios que estão sendo consultados nas decisões cruciais e talvez perturbadoras nas próximas semanas.

Na sexta-feira, em uma análise publicada pela revista Science, o grupo estimou que a proibição de viagens da China a Wuhan atrasou o crescimento da epidemia em apenas alguns dias na China continental e em duas a três semanas em outros lugares. “Esperamos que as restrições de viagens às áreas afetadas pelo COVID-19 tenham efeitos modestos”, concluiu a equipe.

“Hoje, com o enorme poder computacional disponível na nuvem, Vespignani e outros colegas podem modelar o mundo inteiro usando” dados publicamente disponíveis, disse Elizabeth Halloran, professora de bioestatística da Universidade de Washington e pesquisadora sênior da Universidade de Washington. o Centro de Pesquisa de Câncer Fred Hutchinson. “Por um lado, há o surgimento da ciência de redes e, por outro, o enorme aumento no poder da computação”.

Dr. Vespignani chegou à análise de redes através da física. Depois de concluir um doutorado. em sua Itália natal, ele fez estudos de pós-doutorado em Yale, onde começou a se concentrar na aplicação de técnicas computacionais à epidemiologia e dados geográficos.

“Olha, sou romano e sou fã do Lazio. Estávamos em primeiro lugar – finalmente, depois de quantos anos? – e alguns fãs pensam que o coronavírus é uma conspiração contra a Lazio. Não digo que isso seja engraçado, mas sim: cada rede social funciona à sua maneira.”

Ele estava de pé novamente e passeava por uma fileira de escritórios com paredes de vidro. A certa altura, ele enfiou a cabeça em um escritório onde Ana Pastore y Piontti, física e pesquisadora associada, trabalhava em um dos problemas do dia: fechamento de escolas, analisado estado por estado e região por região. As autoridades de saúde de todo o país estão discutindo se devem fechar as escolas locais – quais, em quanto tempo e por quanto tempo.

“Ana está trabalhando nisso agora, queremos poder estimar os efeitos”, disse Vespignani.

Detalhes em um mapa de risco do início deste mês simulando o possível caminho do coronavírus da China para o resto do mundo.Credito: Kayana Szymczak for The New York Times

Seu projeto, como muitos outros do instituto, usa dados do censo, que revelam a composição de quase todos os lares americanos: o número de adultos e crianças e suas idades. A partir de uma única família, um grande mapa pode ser construído. Primeiro, as conexões entre mãe, pai, filho e filha. Em seguida, são adicionadas as conexões do pai na loja, a mãe no escritório e as crianças nas respectivas escolas. A análise pode determinar que, digamos, um garoto de 12 anos que mora no centro de Redmond, Washington, perto de Seattle, entre em contato regularmente com seus pais, irmã e uma média de 20,5 colegas da escola secundária local. .

Repetir o processo com famílias próximas gera um mapa digital denso de interconexões sobre uma comunidade inteira. No monitor do computador do Dr. Pastore y Piontti, ele se assemelha a um circuito elétrico complexo, com fios e cabos multicoloridos de e para hubs de interação compactos.

“Pense nisso como rastrear todas as interações regulares no videogame SimCity”, disse ela.

Nesse mapa, ela adiciona ainda mais conexões, incorporando dados de viagens dentro e fora dessa comunidade – por avião, trem ou ônibus (se essas informações estiverem disponíveis). O resultado final, que ela chama de “matriz de contato”, parece um mapa de calor aproximado – um slide colorido mostrando quem tem maior probabilidade de interagir com quem, por idade. A partir disso, ela subtrai todas as interações da escola, revelando uma estimativa de quantas menos interações – e possíveis novas infecções – ocorreriam ao fechar determinadas escolas.

“Cada país, cada estado, pode ser muito diferente, dependendo dos padrões de interação e composição das famílias”, afirma Pastore y Piontti. “E há a questão do que é mais eficaz: uma semana de fechamento, ou duas semanas, ou fechado até o próximo ano letivo.”

Vespignani havia desaparecido de volta ao seu consultório com dois analistas seniores. Eles estavam amontoados em um viva-voz, executando as últimas alterações de modelagem com um pesquisador externo. O laboratório faz parte de um consórcio que assessora a CDC e realiza chamadas contínuas de operações de mapeamento de doenças infecciosas em todo o mundo.

A conversa e a consultoria são ininterruptas, porque o instituto deve navegar pelas limitações inerentes a toda modelagem preditiva. Um desafio é que nem todos os locais importantes de progressão da doença podem ser previstos: navios de cruzeiro, por exemplo. Outra é fatorar eventos aleatórios – digamos, uma pessoa infectada que de repente decide que agora é o momento de fazer uma viagem de sonho à Espanha.

Coronavirus; Por que tão poucos casos de coronavírus foram relatados na África?

A disseminação no país africano é preocupante por causa da fragilidade do sistema de saúde e devido aos problemas já existentes

Os especialistas ainda não sabem por que tão poucos casos do novo coronavírus foram relatados na África, apesar da China – onde o vírus se originou – ser o principal parceiro comercial do continente com uma população de 1,3 bilhão de pessoas, aponta a publicação NewScientist.

Embora o número oficial de casos no Egito tenha aumentado de dois para 59 no fim de semana, incluindo 33 pessoas que estavam em um cruzeiro pelo Nilo, na África, o número de casos permaneceu baixo.

Na manhã de terça-feira, havia apenas 95 casos oficiais no continente, embora dois países – Togo e Camarões – relataram seus primeiros casos no fim de semana. A disseminação na África é preocupante por causa da fragilidade do sistema de saúde, e pelo continente já enfrentar grandes problemas de saúde pública, como malária, tuberculose e HIV.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se apressou em reforçar a capacidade dos países africanos de testar o vírus e treinar profissionais de saúde para cuidar das pessoas afetadas por ele. Somente o Senegal e a África do Sul tinham laboratórios que poderiam testar o vírus no final de janeiro, mas 37 países agora têm capacidade de teste.

Mary Stephen, da OMS, com sede em Brazzaville, na República do Congo, diz que acredita que a contagem de casos é precisa, porque mais de 400 pessoas foram testadas para a covid-19 em toda a África até agora.

“Eu não diria que é uma subestimação”, diz ela. “Sempre será possível perder casos e isso sempre foi admitido no Reino Unido”, diz Mark Woolhouse, da Universidade de Edimburgo, Reino Unido. Mas, dada a maior conscientização na África, a falta de mortes relacionadas ao coronavírus no continente implica que ainda não existem grandes surtos não detectados, diz ele.

“Se houvesse grandes surtos, da escala que a Itália ou o Irã tiveram, em qualquer lugar da África, eu esperaria que essas mortes estivessem bem acima do radar até agora”.

Ambiente,Saúde,Medicina,Brasil,Blog do Mesquita 01

Proibição de viagens na Europa por Trump é confundida com raiva

Grã-Bretanha e Irlanda não foram incluídas na proibição.

Lideres da União Européia condenaram a proibição. A Itália está trancada e o NBA suspendeu sua temporada.

A Europa luta para entender a proibição de viagens nos EUA, à medida que mais países adicionam restrições.

Nos dois lados do Atlântico, na quinta-feira, as consequências da decisão do presidente Trump de proibir a maioria das viagens da Europa começaram a ser sentidas econômica, política e socialmente.

A Comissão Européia, órgão governante da União Européia, emitiu uma declaração contundente condenando a ação.

“O coronavírus é uma crise global, não se limita a qualquer continente e requer cooperação e não ação unilateral”, afirmou. “A União Europeia desaprova o fato de que a decisão dos EUA de impor uma proibição de viagem foi tomada unilateralmente e sem consulta.”

As restrições se aplicam apenas aos 26 países da zona de viagens livres de Shengen do bloco e não parecem estar vinculadas à gravidade dos surtos em países individuais. .

Dezenas de milhares de americanos na Europa se esforçaram para descobrir o que precisavam fazer antes que a proibição de viagem de 30 dias entre em vigor na sexta-feira, muitos pouco claros sobre o escopo da proibição e temiam que seus vôos para casa fossem cancelados. E companhias aéreas, hotéis e dezenas de outras indústrias – muitas das quais já sofreram com as restrições impostas para retardar a propagação do vírus – preparadas para quedas ainda mais acentuadas.

Em todo o continente, as notícias foram recebidas com confusão, raiva e ceticismo, mesmo quando muitas nações européias passaram a restringir suas próprias restrições ao movimento de pessoas dentro e fora de suas fronteiras.

Um terminal quase vazio no Aeroporto Internacional de Los Angeles na quarta-feira (…) Lucy Nicholson / Reuters

A Itália, que já estava confinada, fechou as portas ainda mais e na quinta-feira de manhã, já que praticamente os únicos locais públicos ainda abertos a seus 60 milhões de cidadãos eram supermercados e instalações médicas.

Na União Européia – onde a livre circulação de pessoas entre os estados membros é considerada uma das principais conquistas da ordem pós-Segunda Guerra Mundial – a República Tcheca se juntou na quinta-feira a outras nações ao anunciar novos postos de controle fronteiriços.

Fora da Europa, a luta contra o vírus também ganhou intensidade, com a Índia se juntando à crescente lista de países que impõe limites drásticos de viagem.

Se o vírus parecia uma ameaça distante para muitos americanos, as notícias de que o ator Tom Hanks e sua esposa haviam testado positivo pareciam abalar essa noção. E a batida constante de más notícias de Wall Street apenas aumentou a ansiedade.

Um após o outro, os países anunciaram na quarta-feira planos para gastar dezenas de bilhões para combater o vírus e as conseqüências econômicas que está causando. Mas as medidas pouco ajudaram a aliviar as preocupações dos investidores, com os mercados asiático e europeu sendo negociados acentuadamente mais baixos na quinta-feira.

O Congresso deve votar um pacote abrangente de ajuda para pessoas afetadas financeiramente pelo coronavírus.

Atrasos nos testes nos Estados Unidos tornaram difícil obter uma noção completa da escala do surto ali. Porém, os estados estão cada vez mais tomando conta das suas próprias mãos, declarando estados de emergência, cancelando as aulas de escolas e universidades, limitando o tamanho das reuniões e ordenando o isolamento de milhares de pessoas com potencial exposição ao vírus.

Embora a Organização Mundial da Saúde tenha declarado a propagação global do vírus uma pandemia, seus líderes instaram os países a não desistir da contenção. Eles alertaram que a disseminação descontrolada do vírus poderia sobrecarregar os sistemas de saúde, mesmo nas sociedades mais ricas, apresentando escolhas desconfortáveis ​​sobre quem tratar primeiro.

Esses perigos estavam sendo levados para casa pela crise em curso na Itália, que registrou mais de 12.000 casos e 827 mortes.

Giorgio Gori, prefeito de Bergamo, uma cidade da Lombardia, escreveu no Twitter que as unidades de terapia intensiva ficaram tão sobrecarregadas que “os pacientes que não podem ser tratados são deixados para morrer”. Ele acrescentou em uma entrevista que os médicos estavam sendo forçados a amortizar aqueles com “menores chances de sobrevivência”.

O presidente Trump diz que é necessário restringir as viagens da Europa.
O presidente, sentado atrás da mesa resoluta com os braços cruzados, finalmente pareceu reconhecer a gravidade do vírus, chamando-o de “infecção horrível” e dizendo que os americanos deveriam reduzir as viagens desnecessárias.

O presidente Trump disse na noite de quarta-feira que estava suspendendo a maioria das viagens da Europa para os Estados Unidos por 30 dias, começando na sexta-feira, para conter a propagação do coronavírus. As restrições não se aplicam à Grã-Bretanha, disse ele.

Trump impôs uma proibição de 30 dias a estrangeiros que, nas duas semanas anteriores, estiveram nos 26 países que compõem o espaço Schengen da União Europeia. Os limites, que entrarão em vigor na sexta-feira à meia-noite, isentarão cidadãos americanos e residentes legais permanentes e suas famílias, embora possam ser canalizados para determinados aeroportos para uma triagem aprimorada.

Mais tarde na quarta-feira, o Departamento de Estado emitiu um comunicado dizendo aos americanos para “reconsiderarem as viagens” para todos os países por causa dos efeitos globais do coronavírus. É o segundo conselho mais forte do departamento, por trás de “não viaje”.

Falando do Oval Office, Trump também disse que as empresas de seguros de saúde concordaram em estender a cobertura para cobrir os tratamentos contra o coronavírus e renunciar a pagamentos relacionados.

O presidente disse que em breve anunciará uma ação de emergência para fornecer ajuda financeira aos trabalhadores que adoecem ou precisam ficar em quarentena. Ele disse que pedirá ao Congresso que tome medidas legislativas para estender esse alívio, mas não detalhou o que seria. Ele disse que instruiria o Departamento do Tesouro a “adiar pagamentos de impostos sem juros ou multas para certos indivíduos e empresas impactadas negativamente”.

Isso sinalizou uma quebra da atitude de negócios como de costume que ele tentava projetar na terça-feira, quando instou os americanos a “manter a calma” e disse que o vírus logo desapareceria. Mas Trump continuou a antecipar um fim rápido do surto, mesmo quando especialistas médicos alertaram que a pandemia pioraria.

“Isso não é uma crise financeira”, disse ele. “Este é apenas um momento temporário que venceremos como nação e mundo.”

Esta é uma pandemia global, diz a OMS

Líderes da Organização Mundial da Saúde (OMS) declararam pandemia de surto de coronavírus na quarta-feira. … Fabrice Coffrini / Agence France-Presse – Getty Images

A disseminação do coronavírus em mais de 100 países agora se qualifica como uma pandemia global, disseram autoridades da Organização Mundial da Saúde na quarta-feira, confirmando o que muitos epidemiologistas vêm dizendo há semanas.

Até agora, o OMS evitaram usar o termo, por medo de que as pessoas pensassem que o surto era imparável e os países desistissem de tentar contê-lo.

“Pandemia não é uma palavra para ser usada de maneira leve ou descuidada”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, em entrevista coletiva em Genebra.

“Não podemos dizer isso em voz alta ou clara o suficiente ou com frequência suficiente”, acrescentou. “Todos os países ainda podem mudar o curso dessa pandemia.”

Há evidências em seis continentes de transmissão sustentada do vírus, que já infectou mais de 120.000 pessoas e matou mais de 4.300. A designação da pandemia é amplamente simbólica, mas as autoridades de saúde pública sabem que o público ouvirá na palavra elementos de perigo e risco.

Ciências,Blog do Mesquita 00

Surto de coronavírus é uma pandemia ‘em tudo, menos no nome’, diz especialista

Preocupante a possibilidade de uma Pandemia pelo Coronavirus.

Milão,Itália – Turistas em frente a Catedral de Milão -Foto: Andreas Solaro / AFP

A Organização Mundial da Saúde acredita que o vírus ainda pode ser contido, embora o CoronaVirus já esteja na Itália e no Irã.

A Organização Mundial da Saúde minimizou os temores de uma pandemia de coronavírus que varre o mundo, apesar de surtos sérios e sérios na Itália e no Irã, mas alguns especialistas disseram acreditar que agora é inevitável.

“Usar a palavra pandemia agora não se encaixa nos fatos, mas certamente pode causar medo”, disse o diretor geral da OMS, dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um briefing.

Ainda não estamos lá, disse Tedros. “O que vemos são epidemias em diferentes partes do mundo, afetando diferentes países de diferentes maneiras”.

O vice-ministro da Saúde do Irã tem resultados positivos

A palavra pandemia é usada para descrever uma doença grave que está se espalhando de maneira descontrolada pelo mundo. A China, ele apontou, parecia ter contido. A equipe internacional enviada pela OMS, que está prestes a relatar sua descoberta.

O mais preocupante é a chegada do coronavírus na Itália e no Irã sem aviso prévio, presumivelmente espalhado por pessoas que eram portadoras assintomáticas. A Itália agora tem 219 casos e sete pessoas morreram. Os números no Irã são contestados, mas alguns relatos alegam que houve 50 mortes na cidade de Qom, que é um local de peregrinação.

Um turista usando uma máscara facial visita o Coliseu em Roma, Itália, em 24 de fevereiro. Fotografia: Antonio Masiello / Getty Images

Outros especialistas disseram que é difícil acreditar que o Covid-19 agora não se espalhe pelo mundo.

“Agora consideramos que isso é uma pandemia, com exceção do nome, e é apenas uma questão de tempo até que a Organização Mundial da Saúde comece a usar o termo em suas comunicações”, disse Bharat Pankhania, da Faculdade de Medicina da Universidade de Exeter.

“Isso nos dá foco e nos diz que o vírus agora está aparecendo em outros países e transmitindo para longe da China. No entanto, isso não muda nossa abordagem no monitoramento do surto. No Reino Unido, não há necessidade de avançar em direção a estratégias de mitigação, pois até agora nossas políticas de contenção estão funcionando. Temos apenas 13 casos, e eles são contidos e controlados. Espero que continuemos com essa estratégia de contenção enquanto for bem-sucedida. “

Coronavirus: Trump elogia a China pelas medidas tomadas

Depois de falar por telefone com o líder da China, Xi Jinping, o presidente Trump disse no Twitter que “ele será bem-sucedido”.
A China anuncia uma investigação após a morte de um médico de Wuhan, que em dezembro de 2019 havia primeiro informado o suto do coronavirus.

Aumento acentuado no número de casos de coronavírus em navios de cruzeiro no Japão.

Equipamentos de proteção são usados perto do navio de cruzeiro Diamond Princess em Yokohama, Japão, na última sexta-feira.

Autoridades japonesas disseram na sexta-feira que 61 pessoas haviam testado positivo para o coronavírus em um navio de cruzeiro em quarentena em Yokohama, um aumento acentuado em relação aos 20 casos confirmados na quinta-feira.

As autoridades examinaram 273 passageiros que, segundo eles, estavam potencialmente expostos ao vírus. Os 41 novos pacientes deveriam ser retirados do navio para tratamento médico.

Mais de 2.000 passageiros do navio Diamond Princess ficaram presos em suas cabines durante dias como parte de uma quarentena de duas semanas. As refeições foram irregulares e somente na quinta-feira foram finalmente permitidos a pequenos grupos sair e respirar um pouco de ar fresco.

“Eu continuo ouvindo tosses dolorosas de um estrangeiro em uma sala próxima”, escreveu um passageiro no Twitter na quinta-feira, observando com preocupação que os membros da tripulação estavam entregando refeições de sala em sala. “Eu posso ser infectado hoje ou amanhã.”

Outros passageiros que passaram o tempo nas redes sociais relataram sinais mais esperançosos. Observou-se que os suprimentos estavam sendo transferidos para o porto e que as ambulâncias estavam em posição. Outro disse que equipes de entretenimento estavam visitando quartos de hóspedes para animar as pessoas e que papel higiênico havia sido distribuído.

O presidente Trump falou na quinta-feira na Casa Branca – Foto: Doug Mills / The New York Times.

O presidente Trump elogiou a resposta da China ao surto de vírus na sexta-feira depois de falar por telefone com seu líder, Xi Jinping, que ele disse estar liderando “o que será uma operação de muito sucesso”.

“Ele é forte, afiado e poderosamente focado em liderar o contra-ataque ao Coronavírus”, disse Trump em um par de posts no Twitter na sexta-feira. “Ele sente que eles estão indo muito bem, até construindo hospitais em questão de dias. Nada é fácil, mas ele será bem-sucedido, especialmente quando o tempo começar a esquentar e o vírus, esperançosamente, ficar mais fraco e depois desaparecer. ”

Trump frequentemente elogia Xi e fala calorosamente de seu relacionamento, mesmo durante uma guerra comercial feroz contra a China.

Dos 41 novos casos, 21 eram japoneses, afirmou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão. Nenhum desses 41 passageiros estava em estado grave na manhã de sexta-feira.

Separadamente, um navio de cruzeiro com 3.600 pessoas a bordo permanece preso em Hong Kong. Yu Li, mãe de dois bebês no cruzeiro World Dream, disse que a parte mais difícil foi a falta de clareza das autoridades locais sobre onde os passageiros seriam colocados em quarentena.

“A maioria dos passageiros está disposta a ficar isolada, com ou sem sintomas”, disse ela em entrevista. “Espero que o governo possa nos dar uma resposta o mais rápido possível e nos dizer se ocorrerá em casa, no cruzeiro ou em centros de quarentena designados”.

Mapa dmostrando a expasão doda epidemia do coronavírus
O vírus adoeceu mais de 31.500 pessoas na China e em 24 outros países.


Outros passageiros que passaram o tempo nas redes sociais relataram sinais mais esperançosos. Observou-se que os suprimentos estavam sendo transferidos para o porto e que as ambulâncias estavam em posição.

Um outro disse que equipes de entretenimento estavam visitando quartos de hóspedes para animar as pessoas e que papel higiênico havia sido distribuído.

Famílias com crianças pequenas estão em sua maioria lotadas em seus quartos e assistindo a filmes distribuídos pela companhia de cruzeiros para ajudar a aliviar o tédio, disse Li. Os passageiros mais velhos, disse ela, estavam menos dispostos a ficar confinados em seus quartos, escolhendo jogar mahjong em espaços comuns.

As preocupações se estenderam a outras empresas de cruzeiros, incluindo a Royal Caribbean, que afirmou estar trabalhando com os Centros de Controle de Doenças, a Organização Mundial da Saúde e as autoridades locais de saúde para proteger os passageiros.

“Como as companhias aéreas, estamos participando de níveis elevados de triagem de convidados para verificar a propagação do coronavírus”, afirmou em comunicado. “Estamos monitorando de perto os desenvolvimentos em relação ao coronavírus e temos protocolos médicos rigorosos em vigor a bordo de nossos navios”.

Dos 41 novos casos, 21 eram japoneses, afirmou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão. Nenhum desses 41 passageiros estava em estado grave na manhã de sexta-feira.

O número de mortos e o número de infecções continuaram a subir na China, segundo dados oficiais divulgados no início da sexta-feira.

Os novos números elevaram o número total de mortes na China para pelo menos 636. E o número total de casos confirmados subiu para 31.161.

Sessenta e nove das mortes recentemente relatadas ocorreram na província de Hubei, o coração do surto, disseram as autoridades, mas também houve quatro mortes fora da província: uma nas províncias de Jilin, Henan, Guangdong e Hainan.

Muitos médicos acreditam que as mortes e infecções na China são subestimadas, porque hospitais e laboratórios estão sob severa pressão para testar o vírus.


Li Wenliang, o médico de Wuhan que foi silenciado após alertar os colegas sobre o coronavírus no final de dezembro. Na sexta-feira, o Dr. Li morreu do vírus, que ele pegou de um paciente.

Li Wenliang no Hospital Central de Wuhan no mês passado.
Crédito … Li Wenliang, via Agence France-Presse – Getty Images


Os trabalhadores de hospitais de Hong Kong terminaram a greve.

Dos 7.000 funcionários do hospital que votaram na sexta-feira, cerca de 4.000 votaram contra a extensão da paralisação … Crédito: Philip Fong / Agence France-Presse – Getty Images

Líderes sindicais representando funcionários de hospitais que realizam uma paralisação de cinco dias anunciada na sexta-feira no final do protesto, depois que a maioria dos membros votou para voltar ao trabalho.

O voto dos membros do sindicato, a Aliança dos Funcionários da Autoridade Hospitalar, veio horas antes de uma nova regra que sujeitaria todas as pessoas que entravam na cidade através da China continental a uma quarentena obrigatória de 14 dias. A regra estava programada para entrar em vigor à meia-noite. O governo anunciou as restrições no início da semana, depois que os trabalhadores do hospital começaram sua ação industrial.

Milhares de trabalhadores do sindicato – formados durante o movimento de protesto contra o governo em Hong Kong – participaram da greve para exigir que o governo fechasse todos os postos de controle fronteiriços do continente para combater o surto de coronavírus.

“Sem o trabalho, o apoio e a perseverança de todos, nosso ato de resistência não teria acontecido”, disse Winnie Yu, a presidente do sindicato, em lágrimas, aos trabalhadores médicos que se reuniram na sede da Autoridade Hospitalar.

Censura: Os pedidos de liberdade de expressão aparecem nas mídias sociais chinesas – por um tempo.

Para muitos usuários de mídia social chineses que lamentaram Li Wenliang na sexta-feira, a tragédia foi uma lição sobre a importância da liberdade de expressão – uma que o governo não entendeu.

Pequim aumentou sua censura por relatos de investigações que expuseram erros cometidos por autoridades que subestimaram e minimizaram a ameaça do coronavírus. Os principais líderes da China intensificaram os esforços para fazer com que a cobertura jornalística se concentrasse mais em desenvolvimentos positivos na batalha contra a epidemia.

A hashtag #wewantfreedomofspeech #, criada no serviço semelhante ao Twitter Weibo às 2 da manhã de sexta-feira, tinha mais de dois milhões de visualizações e mais de 5.500 postagens às 7 da manhã, em meio ao clamor online pela morte de Li. Ele foi excluído pelos censores, juntamente com tópicos relacionados, como aqueles dizendo que o governo de Wuhan devia ao Dr. Li um pedido de desculpas.

“Eu amo meu país profundamente”, dizia um post sobre esse tópico. “Mas não gosto do sistema atual e do estilo de governo do meu país. Cobriu meus olhos, meus ouvidos e minha boca.


Aviões fretados dos Estados Unidos estão evacuando os americanos que estão em Wuhan. Pousam no Canadá e na Califórnia.

Por outro lado as companhias aéreas dos USA suspederam os voos entre os Estados Unidos e a China continental: Delta Air Lines, American Airlines e United Airlines suspenderam seus serviços na semana passada.

Uma aeronave fretada pelo Departamento de Estado para evacuar funcionários do governo e outros americanos de Wuhan, China, na Base da Reserva Aérea de março, no condado de Riverside, Califórnia, na semana passada. Crédito: Mike Blake / Reuters

Dois vôos que evacuaram americanos de Wuhan, China, o centro do surto de coronavírus, aterrissaram na sexta-feira na Base da Força Aérea Travis, no norte da Califórnia, e em Vancouver, na Colúmbia Britânica. Os vôos, fretados pelo Departamento de Estado, levavam aproximadamente 300 passageiros. Sua chegada eleva o número total de vôos de evacuação para cinco.

A OMS – Organização Mundia de Saúde – diz que o suprimento global de máscaras e outros equipamentos está acabando.

A Organização Mundial da Saúde disse na sexta-feira que havia uma escassez crônica mundial de vestidos, máscaras, luvas e outros equipamentos para proteger contra a propagação do coronavírus.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da organização, disse que conversaria com os fornecedores “para identificar os gargalos e encontrar soluções”, além de pressionar pela “justiça na distribuição de equipamentos”.

Em Angers, França, uma empresa pertencente à empresa de suprimentos médicos Kolmi Hopen faz 170 milhões de máscaras faciais médicas por ano.

À medida que os pedidos chegam a um ritmo impressionante, Kolmi Hopen está contratando mais trabalhadores para acompanhar a demanda.

“Estamos fazendo máscaras o mais rápido possível”, disse Guillaume Laverdure, diretor de operações da empresa-mãe de Kolmi Hopen, a Medicom, sediada no Canadá.

“Mas a demanda ainda está aumentando”, acrescentou.

O aumento da demanda por equipamentos de proteção individual, como máscaras faciais, elevou os preços e os estoques esgotados necessários por médicos e enfermeiros nas linhas de frente da epidemia de coronavírus, disse na sexta-feira o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. .


Australianops residentes em Wuhan serão evacuados e colocados em quarentena em uma vila mineira vazia no Território do Norte da Austrália, disse o primeiro-ministro Scott Morrison na sexta-feira.

Descarregando alimentos e suprimentos frescos de um avião militar australiano na sexta-feira na Ilha Christmas, onde estão abrigados refugiados de Wuhan. Crédito: Richard Wainwright / EPA, via Shutterstock.

Cerca de 270 australianos que foram evacuados de Wuhan na segunda-feira estão atualmente alojados em um antigo centro de imigração na Ilha Christmas, a 2.000 milhas a oeste do continente australiano.

Mas como esse centro tem pouca capacidade, o governo está agora preparando a vila de Manigurr-ma, perto da cidade de Darwin, no norte, para abrigar o novo grupo de evacuados. A vila era usada anteriormente pela Inpex, uma empresa de petróleo e gás, para abrigar trabalhadores da construção civil, e possui uma academia, uma sala de jantar e uma piscina.

Ambiente,Saúde,Medicina,Brasil,Blog do Mesquita 01

Coronavírus de Wuhan deixa a China cada vez mais isolada do resto do mundo

Os anúncios de fechamento de fronteira e de cancelamento de voos causaram mal-estar no Governo chinês, que trata de controlar a epidemia o quanto antes

Coronavirus,Blog do Mesquita,Epidemia,China
Um grupo de pessoas com máscara deixa uma estação ferroviária de Pequim, neste sábado. WU HONG (EFE)

China impõe censura diante da indignação popular com a epidemia do coronavírus

Cúpula do regime reforça o controle da mídia e da Internet e envia 300 propagandistas a Hubei após denúncias de irregularidades sobre os números de mortos e a distribuição de máscaras.Coronavirus,Epidemia,Brasi,China,Blog do Mesquita 4

O coronavírus de Wuhan não deixou isolados apenas os 46 milhões de pessoas que habitam as cidades bloqueadas da província chinesa de Hubei, o foco da epidemia. Depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência sanitária internacional, na quinta-feira, é toda a China que se encontra cada vez mais desconectada do resto do mundo. Numerosas companhias aéreas se apressam em cancelar suas rotas chinesas. Diversos governos nacionais anunciaram o fechamento de suas fronteiras para quem tiver estado no país asiático nos últimos 14 dias, incluídos os cidadãos de outras origens.

Dentro da China, a situação criada pelo coronavírus 2019-nCoV não dá trégua. O número de infectados ronda os 14.380; as vítimas mortais chegam a 304; as pessoas sob observação são 163.000, das quais 19.544 com suspeita de terem sido contagiadas. A notícia positiva: o número de pacientes curados, 328, supera o de mortos. Na madrugada deste domingo, o Departamento de Saúde das Filipinas anunciou a morte de um homem de nacionalidade chinesa, de 44 anos, por causa do coronavírus.

A epidemia já chegou a 24 países, que acumulam mais de 150 casos. Só a África e a América do Sul se encontram livre do vírus por enquanto.Coronavirus,Epidemia,Brasi,China,Blog do Mesquita 2

Uma situação que, segundo os Estados Unidos, justifica uma declaração de “emergência de saúde pública” em seu território. Esse país ―o primeiro a anunciar a repatriação de seus cidadãos em Wuhan depois do abrupto fechamento dessa cidade, em 23 de janeiro― fechará suas fronteiras a qualquer estrangeiro que não tiver laços familiares com cidadãos ou residentes permanentes dos EUA e que tiverem visitado a China nas duas semanas anteriores à sua chegada, o período máximo de incubação. O veto entrará em vigor já neste domingo. Além disso, as companhias aéreas norte-americanas também anunciaram a suspensão temporária de seus voos para a China.

Outros países já fizeram o mesmo. Neste sábado, se multiplicavam os anúncios de cancelamentos de voos. A British Airways, Iberia e Lufthansa, que já haviam anunciado essa medida, somaram-se a australiana Qantas e as companhias nacionais do Vietnã, Uzbequistão, Turcomenistão e Irã. Os viajantes que tiverem passado pela China nas últimas duas semanas tampouco serão admitidos em nações como Austrália, El Salvador, Mongólia, Itália e Singapura.Coronavirus,China,Epidemia

As medidas causaram um profundo mal-estar no Governo chinês, que trata de controlar a epidemia o quanto antes, sem poupar gastos. Pequim quer deixar claro que erros como o da gestão da SARS ―uma epidemia semelhante à atual, que matou quase 800 pessoas em todo o mundo em 2003― não vão se repetir.

“Não é necessário que o pânico se espalhe inutilmente, nem tomar medidas excessivas”, declarou o embaixador chinês na ONU em Genebra, Xu Chen, numa entrevista coletiva. A OMS, salientou o diplomata, não deixa de salientar sua “plena confiança” na capacidade chinesa de resolver a crise. Esse órgão da ONU não considera necessário restringir as viagens nem o comércio com o país asiático, segunda maior economia do mundo.

Para Pequim, o fechamento de fronteiras e a saída desordenada dos estrangeiros de Wuhan representam um voto de não confiança em suas medidas de controle e no seu sistema sanitário, apesar de o próprio Governo já ter admitido uma situação de saturação e falta de material protetor. Em muitos casos, os obstáculos burocráticos atrasaram em horas ou dias inteiros os voos de repatriação de estrangeiros.

Até certo ponto, não cabe dúvida de que existe um componente político, e não só sanitário, em algumas das decisões de fechar fronteiras ou mantê-las abertas. Apesar das numerosas recomendações de especialistas médicos, e de já ter confirmado 13 casos em seu território, o Governo de Hong Kong se negou até agora a fechar completamente a fronteira ―mas suspendeu as ligações por balsa e trem rápido, além de reduzir o número de voos para a China continental. Os sindicatos da área da saúde ameaçam declarar greve nesta segunda-feira se a chefa do Governo, Carrie Lam, não ordenar um fechamento completo.Coronavirus,Epidemia,Brasi,China,Blog do Mesquita

Outros países com uma grande dependência econômica da China se colocaram decididamente ao lado desta potência. O Paquistão reluta em retirar seus universitários de Wuhan, apesar dos apelos desses estudantes, para demonstrar “solidariedade” a Pequim. Um argumento semelhante foi usado pelo primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen. Numa entrevista coletiva na quinta-feira em Phnom Penh, a capital, ele insistia em que seus cidadãos na China, inclusive em Wuhan, “têm que permanecer ali para ajudar o povo chinês a combater essa doença. Não se deve fugir do povo chinês nestes momentos difíceis”.

Mas as medidas dos Estados Unidos, especificamente, ameaçam abrir mais uma frente de atrito nas difíceis relações entre as duas grandes potências, que tinham assinado em dezembro uma trégua em sua guerra comercial que já durava quase dois anos. Antes do anúncio do fechamento de fronteiras, nesta semana o secretário de Comércio, Wilbur Ross, dizia que o coronavírus na China beneficiava os EUA, pois obrigaria muitas empresas a tirarem suas cadeias de fornecimento do país asiático.

“As palavras e os atos de alguns responsáveis norte-americanos nem se baseiam em fatos nem são adequados”, declarou Hua Chunying, porta-voz da chancelaria chinesa, em nota. “Bem no momento em que a OMS se pronunciou contra restrições de viagem, os Estados Unidos se apressaram em trilhar o caminho oposto. Não é, certamente, um gesto de boa vontade”.

Preocupação com o racismo

O Governo chinês também se preocupa, segundo fontes diplomáticas, com a possibilidade de surtos de racismo contra seus cidadãos em outros países, especialmente indivíduos oriundos de Hubei. Já na semana passada, vários cidadãos japoneses se amotinaram em um avião de volta quando perceberam que um grupo de pessoas dessa província estava a bordo. Nos últimos dias, foram denunciados incidentes de xenofobia na Itália —o país que mais turistas chineses recebe na Europa—, França, Reino Unido e Canadá.

Na França, um porta-voz da Associação de Residentes Chineses, Sacha-Lin Jung, declarou ao canal BFMTV que “as pessoas estão se recusando a serem atendidas por funcionários asiáticos nas lojas… Retiraram uma mulher de um trem porque era asiática, e portanto era óbvio que era portadora do vírus. Essas coisas se somam ao racismo e aos estereótipos que já existem sobre os chineses”.

No Canadá, um grupo de pais solicitou ao conselho escolar num distrito de Ontário que exigissem das famílias que tivessem retornado recentemente da China que “permanecessem em isolamento domiciliar durante um mínimo de 17 dias para observar uma quarentena”.

Ambiente,Saúde,Medicina,Saneamento,Meio ambiente,Epidemias,Brasil,Blog do Mesquita 01

OMS: epidemia do Coronaviris é oportunidade para ação

Os primeiros pacientes infectados com coronavírus chegam ao hospital recém-construído em Wuhan.

Corona Vírus,China,Blog do Mesquita

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que existe uma “janela de oportunidade” para impedir que o novo e mortal coronavírus se torne uma crise global mais ampla.

O diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que as medidas tomadas pela China para combater o vírus em seu epicentro são a melhor maneira de impedir sua disseminação.

Enquanto isso, o enviado da China para a ONU em Genebra disse às nações para não reagir demais.

Pelo menos 427 pessoas morreram com mais de 20.000 casos confirmados em todo o mundo.

A OMS declarou uma emergência de saúde global após o surto, mas disse que o vírus ainda não constitui uma “pandemia” – a disseminação mundial de uma nova doença. Autoridades dizem que 425 pessoas morreram na China, uma em Hong Kong e outra nas Filipinas.

Cerca de 80% dos que morreram tinham mais de 60 anos e 75% deles tinham condições de saúde pré-existentes, como doenças cardiovasculares e diabetes, de acordo com a Comissão Nacional de Saúde da China (NHC).

O novo coronavírus causa infecção respiratória aguda grave e os sintomas geralmente começam com febre, seguida por tosse seca. A maioria das pessoas infectadas provavelmente se recuperará completamente – exatamente como faria com uma gripe.

O que a OMS disse?

Falando em um briefing técnico em Genebra, o Dr. Tedros elogiou as autoridades chinesas por sua resposta no epicentro do surto – a cidade de Wuhan, na província de Hubei, onde milhões de pessoas estão presas e foram impostas severas restrições de transporte.

“Há uma janela de oportunidade por causa das altas medidas, das fortes medidas que a China está adotando no epicentro, na fonte. Então, vamos aproveitar esta oportunidade para evitar uma maior disseminação e controle”, disse ele, enfatizando que os países desenvolvidos estão falhando para compartilhar dados.

O Dr. Tedros também reiterou seu pedido para que os países não imponham restrições de viagens e comércio, dizendo que 22 países haviam relatado oficialmente tais medidas. Ele pediu que fossem “curtos em duração, proporcionados” e revistos regularmente.

Mas Chen Xu, embaixador da China na ONU em Genebra, disse que algumas restrições vão contra o conselho da OMS.

Coronavirus,Epidemia,Brasi,China,Blog do Mesquita 2

O editor de saúde on-line da BBC sobre o que sabemos sobre o vírus
Sylvie Briand, chefe da divisão Global de Preparação para Riscos Infecciosos da OMS, disse que o surto “atualmente” não era uma pandemia.

Embora mais de duas dúzias de países tenham relatado casos, não houve confirmações na África ou na América Latina. Vinte e sete casos de infecções de homem para homem ocorreram em nove países fora da China, segundo a OMS.

O Dr. Briand também enfatizou a importância de lidar com os rumores infundados, dizendo que eles podem ser um “obstáculo para uma boa resposta e dificultar a implementação eficaz de contramedidas”.

O que há de mais recente em todo o mundo?

Os governos do Reino Unido e da França disseram a seus cidadãos na China que deixassem o país se pudessem. O conselho veio depois que a alta liderança da China admitiu “deficiências e deficiências” na resposta do país ao surto.

Entre outros conseqüências:

Taiwan disse que a partir de sexta-feira negaria a entrada a todos os estrangeiros que estiveram na China continental nos últimos 14 dias
Macau – uma região administrativa especial da China e um dos maiores centros de apostas da Ásia – anunciou que fecharia temporariamente todos os seus cassinos
As autoridades de saúde estão examinando cerca de 3.700 pessoas a bordo de um navio de cruzeiro no Japão depois que um passageiro testou positivo para o vírus
Mais três países asiáticos – Cingapura, Malásia e Tailândia – confirmaram infecções entre cidadãos que não viajaram para a China.

Quão mortal é o vírus?

Mais de 75.000 pessoas podem ter sido infectadas em Wuhan, dizem os especialistas. Mas as estimativas da Universidade de Hong Kong sugerem que o número total de casos pode ser muito maior do que os números oficiais.

O Dr. David Heymann, que liderou a resposta da OMS ao surto de Sars, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave, em 2002-03, disse à agência de notícias Associated Press que o novo coronavírus ainda parecia estar aumentando e que era muito cedo para estimar quando atingiria o pico.

Coronavirus,Blog do Mesquita,Epidemia,China 1

Medicina,Canabis,Anvisa,Saúde,Maconha,Blog do Mesquita

Anvisa dá aval à venda de maconha medicinal em farmácias

Agência também autoriza fabricação de produtos à base de cannabis no país, mas veta cultivo para esse fim. Fabricantes precisarão importar extrato. Venda só ocorrerá com prescrição médica e retenção da receita.    

MaconhaRegulamentação proíbe importação da planta de maconha ou de partes dela

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira (03/12) um novo marco regulatório para o registro e venda de produtos à base de cannabis em farmácias no país, tornando o Brasil a nação mais recente da América Latina a autorizar o uso da maconha medicinal.

A decisão entrará em vigor 90 dias após sua publicação no Diário Oficial da União e terá validade de três anos. Os produtos poderão ser em formato de comprimidos ou líquidos, para uso oral ou nasal, bem como soluções oleosas.

De acordo com a Anvisa, a medida visa “encontrar uma forma de garantir o acesso por via farmacêutica” e “assegurar um mínimo de garantia para os usuários do produto”. A agência afirma que a regulamentação oferece alternativa a pacientes que dependem da maconha medicinal.

A Anvisa rejeitou, porém, o cultivo da maconha para fins medicinais ou pesquisa. Dessa forma, apesar de autorizar a fabricação desse produto em território nacional, empresas que desejarem entrar nesse ramo precisarão importar o extrato de cannabis.

As novas regras estabelecem que fabricantes desse tipo de produto necessitam de autorização da vigilância sanitária, além de um certificado de boas práticas emitido pela Anvisa. Farmácias de manipulação não têm autorização para fabricar produtos à base de cannabis.

Além disso, eles só poderão ser vendidos com prescrição médica e retenção de receita. Pacientes precisarão assinar um termo de consentimento. A Anvisa destaca ainda que as embalagens não podem ter termos como medicamento ou remédio, pois mais testes são necessários para elevar o produto à base de cannabis à categoria de medicamento.

Se tiver teor acima de 0,2% de tetra-hidrocanabidiol (THC), um dos derivados da maconha, a embalagem precisará do aviso de que “pode causar dependência física e psíquica”. Esse tipo de produto só será prescrito a pacientes terminais ou que já tenham tentado todas as alternativas terapêuticas.

O marco regulatório possibilita ainda a importação de substratos de cannabis para a fabricação dos produtos. Fica vetada a importação da planta ou de partes dela.

Produtos com o canabidiol são usados no tratamento de doenças como epilepsia, autismo, Parkinson, dores crônicas e câncer.

Atualmente, pacientes que utilizam medicamentos à base de canabidiol precisam de uma autorização da agência para importá-lo. O preço pode chegar a 2 mil reais.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, mais de 7,7 mil pessoas obtiveram o aval da agência desde 2015. Estima-se que 3,9 milhões de podem ser beneficiadas com a liberação da venda em farmácias.

CN/efe/rtr/ots

Ambiente,Saúde,Medicina,Brasil,Blog do Mesquita 01

A desigualdade no Brasil é medida pelos dentes

Ricos vão ao dentista, e pobres sentem dor.

dentes-texto-1571777443

Foto: Image Source/Folhapress

MARIA DA LUZ teve sua primeira escova de dentes aos 15 anos. Antes disso, usava folhas para limpar os dentes, como era de praxe em Mulungu do Morro, interior da Bahia, onde nasceu. Aos 14, sentiu uma dor forte no dente da frente e seu avô a levou ao farmacêutico, ordenando que extraísse todos os dentes da frente de uma vez só — sem anestesia — para que não voltasse a incomodar. Aos 17 anos, depois de muito trabalhar na roça, ela conseguiu juntar dinheiro para comprar uma dentadura, com a qual nunca se adaptou.

Maria migrou para São Paulo com os três filhos, priorizando dar o melhor de saúde e educação para eles com as suadas economias do salário de auxiliar de serviços gerais. Ela nunca tirava foto. Dizia que era infeliz com sorriso e que seu sonho era fazer um tratamento dentário. Em 2015, conseguiu fazer implantes com a poupança de muitos anos. Hoje, não coloca mais a mão na boca para sorrir.

A história de Maria, contada a mim por sua filha Maya, é um pouco da história de dezenas de milhões de brasileiros que têm suas vidas atravessadas por dores de dente e falta de autoestima — quadro que só muda quando as famílias experimentam alguma mobilidade social.

Mas o desfecho positivo do caso de Maria, hoje com 47 anos, é incomum. Os problemas relacionados à saúde bucal tornam miserável o cotidiano de pessoas pobres. A dor física latejante e constante se soma à dor moral – o sentimento de vergonha, a humilhação e o trauma por não conseguir sorrir.

Apesar da onipresença desse sofrimento do cotidiano brasileiro, surpreende o quão invisível é o apartheid bucal que divide o país.

Este texto começou há dez anos, quando vi um estudante rico debochar de um porteiro que se queixava de dor de dente. “Que coisa mais jurássica! Isso ainda existe?”, ele disse. Naqueles dias, eu e a antropóloga Lucia Scalco começávamos nossa pesquisa etnográfica sobre consumo e política na periferia do Morro da Cruz, Porto Alegre. Recém havíamos conhecido Juremir, hoje com 52 anos, que não teve dinheiro para pagar um dentista, e a solução encontrada foi colocar álcool na boca para lidar com a dor até o nervo necrosar.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, quatro a cada dez brasileiros perdem todos os dentes depois dos 60 anos. O país que tem mais dentistas no mundo é também o país dos banguelas. Na terra em que ricos pagam o preço de um apartamento para colocarem facetas reluzentes, milhões de pessoas ainda praticam métodos da Idade Média para lidar com a dor. Como afirmam os pesquisadores Thiago Moreira, Marilyn Nations e Maria do Socorro Alves, nesse mundo de abismos, a questão dentária é chave para compreender a desigualdade social e a pobreza no Brasil.

O país que tem mais dentistas no mundo é também o país dos banguelas.

A pobreza é constituída multidimensionalmente por meio de uma combinação de renda e acesso à educação e à saúde. A condição dental precária é exemplar da pobreza porque é resultado de uma falência de uma série de eixos, como a condição financeira, o local de residência e o acesso à informação e à odontologia.

Se a saúde bucal é um fato social por excelência, não é raro escutar profissionais da saúde culparem as vítimas por sua situação. Durante a apuração que fiz para a elaboração deste texto, ouvi coisas como “pobre é acomodado”, “eles têm valores errados, preferem pagar por um tênis a ir ao dentista”, “hoje em dia qualquer pessoa consegue escova de dente de graça em uma universidade”. Individualizar a responsabilidade é uma falácia conveniente.

É difícil pensar a longo prazo quem tem que viver com o imediatismo da sobrevivência. Muitos sujeitos quando conseguem dinheiro precisam comprar comida. Outras vezes, optam por se dar a um pequeno luxo.

Em nossa pesquisa, coletamos infindáveis casos de pessoas que disseram que, em meio a uma existência precária marcada pela dor e sofrimento, permitir-se um pequeno ato hedonista significava uma espécie de “último desejo”– um prazer que será lembrado na memória para sempre. Podia ser um estrogonofe com batata palha, um book fotográfico ou um tênis de marca. Curiosamente todos esses auto-presentinhos foram comprados por pessoas que, aos 40 anos, já não tinham mais nenhum dente na boca.

Muitas crianças crescem em ambientes onde é comum o compartilhamento de escova de dentes. “Meu sonho é ter uma só para mim e não ter que dividir com meus sete irmãos”, escreveu uma menina em uma cartinha ao Programa Papai Noel dos Correios.

Adolescentes pobres saem da infância acumulando histórias dramáticas, que os prejudicam na socialização. Wellington, oito anos, morador do Morro da Cruz, tinha oito cáries em dentes de leite. “Podre” foi como a a dentista definiu a boca do menino. Ele não comia e não tinha mais alegria de viver. Ainda que existam serviços baratos e até gratuitos oferecidos por universidades e ONGs, famílias como de Wellington não sabem sequer como encontrar esses serviços. Minha colega Lúcia fez a mediação e agora ele está recebendo tratamento.

IMG-20180808-WA0064-1557773667

Beto, 17 anos, não tinha amigos e sofria bullying dos próprios irmãos por causa dos dentes. Hoje com o sorriso reabilitado, Beto tem uma nova vida social. Antes e depois de Beto encontrar a equipe do SAS Brasil.Fotos: Reprodução/SAS Brasil

William Estevesom, 34 anos, trabalha como técnico bucal do bairro mais pobre do município de Alvorada, um dos mais violentos e estigmatizados da Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Ele relata que, nas segundas-feiras de manhã, os pacientes chegam no posto para pegar ficha no SUS depois de um final de semana de tormenta em que já tentaram de tudo para passar a dor, como passar perfume e creolina nos dentes.

As técnicas para lidar com a dor que eu e Lúcia ouvimos nos últimos anos são muitas. Álcool, sal, cravo, pomada de procedência duvidosa e até “sangria”: furar o própria gengiva com uma faca para sangrar e deixar a infecção vazar. Também é comum que as pessoas extraiam seus próprios dentes, pois pensam que, em última instância, é isso que muitos postos de saúde irão fazer. Na comunidade de Dendê, em Fortaleza, os recursos são rezar pelo dente para Santa Apolônia, além de cachaça, óleo de coco e líquido de bateria para diminuir a dor. Muitas dessas técnicas trazem riscos graves à saúde. São fruto do desespero. Como disse Juremir: “não é dor, é uma tormenta, uma angústia”.

Com a ajuda pessoal de Lúcia, Juremir conseguiu colocar uma prótese nos dentes. Voltou a sorrir depois de muitos anos e não parava de postar fotos no Facebook. Mas após cinco anos, o dente que segurava a prótese infeccionou, sua cara inchou e ele recorreu a quase todos os caminhos acima.

Essas experiências vividas vão deixando marcas que deterioram a identidade do sujeito. O processo pode ser encarado como parte da vida: a “sofrência do pobre”. Para muitos, o sofrimento bucal atravessa a vida toda. É uma “sina, um karma de outra vida”, como disse uma interlocutora. Isso porque, mesmo depois de colocar prótese, a alegria pode durar pouco. Sem acompanhamento, muitos não se adaptam e voltam a ser desdentados. “Essa desgraça fica solta, caindo, me machuca gengiva. Só coloco para tirar selfie,” brincou Rosi, 56 anos, também do Morro da Cruz.

Ter os dentes da frente é um requisito estético exigido pela maioria dos empregadores.

Colocar a mão na boca para sorrir é uma cena cotidiana que revela a vergonha sentida por quem tem uma falha na dentição. Por outro lado, percebemos o orgulho que as pessoas têm de mostrar os dentes saudáveis que restam: “esse e esse são bons”.

O técnico do SUS William Estevesom também narrou que, há poucos dias, uma senhora chegou no posto implorando para colocar um dente na frente, alegando que precisava trabalhar já que o inverno estava chegando. Ter os dentes da frente é um requisito estético exigido pela maioria dos empregadores.

Uma amiga, quando soube que eu ia escrever esta coluna, pediu-me para contar a história de sua mãe. Rosana, uma psicóloga que teve uma trajetória de sucesso e ascensão social no norte do país, passou a vida se escondendo das filhas para escovar os dentes. Minha amiga só descobriu que a mãe usava prótese quando tinha 12 anos. Demorou muito tempo para que a mãe se sentisse à vontade para comprar Corega na frente dela. Quando ela faleceu, as filhas tiveram o cuidado de colocar a prótese para velar seu corpo: “ela não gostaria de ser vista de outra forma”.

As filhas de Rosana passaram a vida cuidando excessivamente dos dentes – algo que escutei de muitas pessoas cujas famílias ascendem socialmente. O trauma da dor e a vergonha social de não poder sorrir é uma ferida que deixa marcas familiares profundas. Portanto, o cuidado com a saúde bucal passa a ser uma questão de dignidade, uma herança que essas mães, como Maria e Rosana, deixam para seus filhos.

A estética e a saúde dos dentes dizem muito sobre mobilidade social. Uma das primeiras medidas que muitas pessoas tomam quando conseguem um emprego é colocar aparelho nos dentes. Quando eu a Lúcia pesquisávamos os jovens que davam “rolezinhos” nos shoppings, percebíamos que eles sonhavam em usar aparelho: era uma marca de distinção tal como um tênis da Nike. Eles nos contaram que aparelhos dentários falsos eram vendidos na comunidade para eles irem “bonitos ao baile funk”. Nunca encontramos esses tais aparelhos falsificados, mas a existência dessa história já diz muito sobre as aspirações e desejo de status social da juventude das periferias.

IMG-20180809-1557774350

Anna Borges Louzada, 51 anos, trabalha em um centro de especialidades odontológicas (CEO) em Manaus. Defensora do SUS e preocupada com o governo atual, ela se dedica ao tratamento de pessoas com necessidades especiais.

Foto: Reprodução/Instagram

Apesar do cenário dramático, não são poucas as conquistas individuais e coletivas dos últimos anos. Houve uma significativa expansão das universidades do Brasil — que oferecem serviços a preço muito baixo à comunidade — e a proliferação de clínicas populares que foram impulsionadas pela inclusão financeira da Era Lula. A criação do Programa Brasil Sorridente, que chega a 90% dos municípios brasileiros, já atingiu 100 milhões de pessoas pelo atendimento básico do SUS. Há também, por todos os lados, profissionais que fazem trabalhos na ponta do sistema, superando a falta de recursos de norte a sul do país, em comunidades ribeirinhas ou em favelas.

Se as conquistas sociais aconteceram a duras penas, o cenário de cortes públicos do atual governo alerta para uma situação de calamidade. Quem começou a sorrir nos últimos anos pode voltar a se esconder.

Mastigar, gargalhar e ter uma vida sem dor são direitos humanos fundamentais. Sorrir é o gesto que expressa a felicidade. Por isso, a inclusão bucal, associada a um projeto de transformação social, deve ser uma pauta prioritária em qualquer projeto de reconstrução do campo progressista.

*Os nomes dos personagens deste texto foram omitidos para preservar sua identidade.