Winston Churchill’s Battle of Britain speech

The Winston Churchill statue in Parliament Square, London. PA Photo. Picture date: Thursday June 18, 2020. The statue has been uncovered ahead of the French President Emmanuel Macron’s visit to London today, but monuments to Nelson Mandela and Mahatma Gandhi will stay hidden behind protective screens. See PA story POLICE Floyd. Photo credit should read: Dominic Lipinski/PA Wire

Almost a year has passed since the war began, and it is natural for us, I think, to pause on our journey at this milestone and survey the dark, wide field. It is also useful to compare the first year of this second war against German aggression with its forerunner a quarter of a century ago. Although this war is in fact only a continuation of the last, very great differences in its character are apparent. In the last war millions of men fought by hurling enormous masses of steel at one another. “Men and shells” was the cry, and prodigious slaughter was the consequence.

In this war nothing of this kind has yet appeared. It is a conflict of strategy, of organisation, of technical apparatus, of science, mechanics, and morale. The British casualties in the first 12 months of the Great War amounted to 365,000. In this war, I am thankful to say, British killed, wounded, prisoners, and missing, including civilians, do not exceed 92,000, and of these a large proportion are alive as prisoners of war. Looking more widely around, one may say that throughout all Europe for one man killed or wounded in the first year perhaps five were killed or wounded in 1914-15.

The slaughter is only a small fraction, but the consequences to the belligerents have been even more deadly. We have seen great countries with powerful armies dashed out of coherent existence in a few weeks. We have seen the French Republic and the renowned French Army beaten into complete and total submission with less than the casualties which they suffered in any one of half a dozen of the battles of 1914-18.

The entire body – it might almost seem at times the soul – of France has succumbed to physical effects incomparably less terrible than those which were sustained with fortitude and undaunted will power 25 years ago. Although up to the present the loss of life has been mercifully diminished, the decisions reached in the course of the struggle are even more profound upon the fate of nations than anything that has ever happened since barbaric times. Moves are made upon the scientific and strategic boards, advantages are gained by mechanical means, as a result of which scores of millions of men become incapable of further resistance, or judge themselves incapable of further resistance, and a fearful game of chess proceeds from check to mate by which the unhappy players seem to be inexorably bound.

Churchill, pictured in 1945, gave the speech 80 years ago (Photo: Getty)
There is another more obvious difference from 1914. The whole of the warring nations are engaged, not only soldiers, but the entire population, men, women, and children. The fronts are everywhere. The trenches are dug in the towns and streets. Every village is fortified. Every road is barred. The front line runs through the factories. The workmen are soldiers with different weapons but the same courage. These are great and distinctive changes from what many of us saw in the struggle of a quarter of a century ago.

‘The most united of all the nations’

There seems to be every reason to believe that this new kind of war is well suited to the genius and the resources of the British nation and the British Empire and that, once we get properly equipped and properly started, a war of this kind will be more favourable to us than the sombre mass slaughters of the Somme and Passchendaele. If it is a case of the whole nation fighting and suffering together, that ought to suit us, because we are the most united of all the nations, because we entered the war upon the national will and with our eyes open, and because we have been nurtured in freedom and individual responsibility and are the products, not of totalitarian uniformity but of tolerance and variety.

If all these qualities are turned, as they are being turned, to the arts of war, we may be able to show the enemy quite a lot of things that they have not thought of yet. Since the Germans drove the Jews out and lowered their technical standards, our science is definitely ahead of theirs. Our geographical position, the command of the sea, and the friendship of the United States enable us to draw resources from the whole world and to manufacture weapons of war of every kind, but especially of the superfine kinds, on a scale hitherto practised only by Nazi Germany.

Two Luftwaffe Dornier 217 twin engined medium bombers flying over the Silvertown area of London’s Docklands on 7th September 1940 at the beginning of the Blitz on London.Fires have started near the Beckton Gasworks. West Ham greyhound track is near the centre of the picture, which was taken from a German bomber. (Photo by Central Press/Getty Images)

Two Luftwaffe Dornier 217 twin engined medium bombers flying over the Silvertown area of London’s Docklands on 7th September 1940 at the beginning of the Blitz on London.Fires have started near the Beckton Gasworks. West Ham greyhound track is near the centre of the picture, which was taken from a German bomber. (Photo by Central Press/Getty Images)

Hitler is now sprawled over Europe. Our offensive springs are being slowly compressed, and we must resolutely and methodically prepare ourselves for the campaigns of 1941 and 1942. Two or three years are not a long time, even in our short, precarious lives. They are nothing in the history of the nation, and when we are doing the finest thing in the world, and have the honour to be the sole champion of the liberties of all Europe, we must not grudge these years of weary as we toil and struggle through them. It does not follow that our energies in future years will be exclusively confined to defending ourselves and our possessions. Many opportunities may lie open to amphibious power, and we must be ready to take advantage of them.

One of the ways to bring this war to a speedy end is to convince the enemy, not by words, but by deeds, that we have both the will and the means, not only to go on indefinitely but to strike heavy and unexpected blows. The road to victory may not be so long as we expect. But we have no right to count upon this. Be it long or short, rough or smooth, we mean to reach our journey’s end.

It is our intention to maintain and enforce a strict blockade not only of Germany but of Italy, France, and all the other countries that have fallen into the German power. I read in the papers that Herr Hitler has also proclaimed a strict blockade of the British Islands. No one can complain of that. I remember the Kaiser doing it in the last war. What indeed would be a matter of general complaint would be if we were to prolong the agony of all Europe by allowing food to come in to nourish the Nazis and aid their war effort, or to allow food to go in to the subjugated peoples, which certainly would be pillaged off them by their Nazi conquerors.

‘Ample reserves of food’

There have been many proposals, founded on the highest motives, that food should be allowed to pass the blockade for the relief of these populations. I regret that we must refuse these requests. The Nazis declare that they have created a new unified economy in Europe. They have repeatedly stated that they possess ample reserves of food and that they can feed their captive peoples.

In a German broadcast of 27th June it was said that while Mr. Hoover’s plan for relieving France, Belgium, and Holland deserved commendation, the German forces had already taken the necessary steps. We know that in Norway when the German troops went in, there were food supplies to last for a year. We know that Poland, though not a rich country, usually produces sufficient food for her people. Moreover, the other countries which Herr Hitler has invaded all held considerable stocks when the Germans entered and are themselves, in many cases, very substantial food producers. If all this food is not available now, it can only be because it has been removed to feed the people of Germany and to give them increased rations – for a change – during the last few months.

At this season of the year and for some months to come, there is the least chance of scarcity as the harvest has just been gathered in. The only agencies which can create famine in any part of Europe now and during the coming winter, will be German exactions or German failure to distribute the supplies which they command.

There is another aspect. Many of the most valuable foods are essential to the manufacture of vital war material. Fats are used to make explosives. Potatoes make the alcohol for motor spirit. The plastic materials now so largely used in the construction of aircraft are made of milk. If the Germans use these commodities to help them to bomb our women and children, rather than to feed the populations who produce them, we may be sure that imported foods would go the same way, directly or indirectly, or be employed to relieve the enemy of the responsibilities he has so wantonly assumed.

Let Hitler bear his responsibilities to the full and let the peoples of Europe who groan beneath his yoke aid in every way the coming of the day when that yoke will be broken. Meanwhile, we can and we will arrange in advance for the speedy entry of food into any part of the enslaved area, when this part has been wholly cleared of German forces, and has genuinely regained its freedom. We shall do our best to encourage the building up of reserves of food all over the world, so that there will always be held up before the eyes of the peoples of Europe, including – I say deliberately – the German and Austrian peoples, the certainty that the shattering of the Nazi power will bring to them all immediate food, freedom and peace.

Rather more than a quarter of a year has passed since the new Government came into power in this country. What a cataract of disaster has poured out upon us since then. The trustful Dutch overwhelmed; their beloved and respected Sovereign driven into exile; the peaceful city of Rotterdam the scene of a massacre as hideous and brutal as anything in the Thirty Years’ War. Belgium invaded and beaten down; our own fine Expeditionary Force, which King Leopold called to his rescue, cut off and almost captured, escaping as it seemed only by a miracle and with the loss of all its equipment; our Ally, France, out; Italy in against us; all France in the power of the enemy, all its arsenals and vast masses of military material converted or convertible to the enemy’s use; a puppet Government set up at Vichy which may at any moment be forced to become our foe; the whole Western seaboard of Europe from the North Cape to the Spanish frontier in German hands; all the ports, all the air-fields on this immense front, employed against us as potential springboards of invasion. Moreover, the German air power, numerically so far outstripping ours, has been brought so close to our Island that what we used to dread greatly has come to pass and the hostile bombers not only reach our shores in a few minutes and from many directions, but can be escorted by their fighting aircraft.

Why, Sir, if we had been confronted at the beginning of May with such a prospect, it would have seemed incredible that at the end of a period of horror and disaster, or at this point in a period of horror and disaster, we should stand erect, sure of ourselves, masters of our fate and with the conviction of final victory burning unquenchable in our hearts. Few would have believed we could survive; none would have believed that we should to-day not only feel stronger but should actually be stronger than we have ever been before.

‘No one flinched or wavered’

Let us see what has happened on the other side of the scales. The British nation and the British Empire finding themselves alone, stood undismayed against disaster. No one flinched or wavered; nay, some who formerly thought of peace, now think only of war. Our people are united and resolved, as they have never been before. Death and ruin have become small things compared with the shame of defeat or failure in duty.

We cannot tell what lies ahead. It may be that even greater ordeals lie before us. We shall face whatever is coming to us. We are sure of ourselves and of our cause and that is the supreme fact which has emerged in these months of trial.

Meanwhile, we have not only fortified our hearts but our Island. We have rearmed and rebuilt our armies in a degree which would have been deemed impossible a few months ago. We have ferried across the Atlantic, in the month of July, thanks to our friends over there, an immense mass of munitions of all kinds, cannon, rifles, machine-guns, cartridges, and shell, all safely landed without the loss of a gun or a round. The output of our own factories, working as they have never worked before, has poured forth to the troops. The whole British Army is at home. More than 2,000,000 determined men have rifles and bayonets in their hands to-night and three-quarters of them are in regular military formations. We have never had armies like this in our Island in time of war. The whole Island bristles against invaders, from the sea or from the air.

As I explained to the House in the middle of June, the stronger our Army at home, the larger must the invading expedition be, and the larger the invading expedition, the less difficult will be the task of the Navy in detecting its assembly and in intercepting and destroying it on passage; and the greater also would be the difficulty of feeding and supplying the invaders if ever they landed, in the teeth of continuous naval and air attack on their communications. All this is classical and venerable doctrine. As in Nelson’s day, the maxim holds, “Our first line of defence is the enemy’s ports.” Now air reconnaissance and photography have brought to an old principle a new and potent aid.

Our Navy is far stronger than it was at the beginning of the war. The great flow of new construction set on foot at the outbreak is now beginning to come in. We hope our friends across the ocean will send us a timely reinforcement to bridge the gap between the peace flotillas of 1939 and the war flotillas of 1941. There is no difficulty in sending such aid. The seas and oceans are open. The U-boats are contained. The magnetic mine is, up to the present time, effectively mastered. The merchant tonnage under the British flag, after a year of unlimited U-boat war, after eight months of intensive mining attack, is larger than when we began. We have, in addition, under our control at least 4,000,000 tons of shipping from the captive countries which has taken refuge here or in the harbours of the Empire. Our stocks of food of all kinds are far more abundant than in the days of peace and a large and growing programme of food production is on foot.

Why do I say all this? Not assuredly to boast; not assuredly to give the slightest countenance to complacency. The dangers we face are still enormous, but so are our advantages and resources.

I recount them because the people have a right to know that there are solid grounds for the confidence which we feel, and that we have good reason to believe ourselves capable, as I said in a very dark hour two months ago, of continuing the war “if necessary alone, if necessary for years.” I say it also because the fact that the British Empire stands invincible, and that Nazidom is still being resisted, will kindle again the spark of hope in the breasts of hundreds of millions of downtrodden or despairing men and women throughout Europe, and far beyond its bounds, and that from these sparks there will presently come cleansing and devouring flame.

The great air battle which has been in progress over this Island for the last few weeks has recently attained a high intensity. It is too soon to attempt to assign limits either to its scale or to its duration. We must certainly expect that greater efforts will be made by the enemy than any he has so far put forth. Hostile air fields are still being developed in France and the Low Countries, and the movement of squadrons and material for attacking us is still proceeding.

It is quite plain that Herr Hitler could not admit defeat in his air attack on Great Britain without sustaining most serious injury. If, after all his boastings and blood-curdling threats and lurid accounts trumpeted round the world of the damage he has inflicted, of the vast numbers of our Air Force he has shot down, so he says, with so little loss to himself; if after tales of the panic-stricken British crushed in their holes cursing the plutocratic Parliament which has led them to such a plight; if after all this his whole air onslaught were forced after a while tamely to peter out, the Fuehrer’s reputation for veracity of statement might be seriously impugned. We may be sure, therefore, that he will continue as long as he has the strength to do so, and as long as any preoccupations he may have in respect of the Russian Air Force allow him to do so.

On the other hand, the conditions and course of the fighting have so far been favourable to us. I told the House two months ago that whereas in France our fighter aircraft were wont to inflict a loss of two or three to one upon the Germans, and in the fighting at Dunkirk, which was a kind of no-man’s-land, a loss of about three or four to one, we expected that in an attack on this Island we should achieve a larger ratio. This has certainly come true. It must also be remembered that all the enemy machines and pilots which are shot down over our Island, or over the seas which surround it, are either destroyed or captured; whereas a considerable proportion of our machines, and also of our pilots, are saved, and soon again in many cases come into action.

‘Quantity and quality’

A vast and admirable system of salvage, directed by the Ministry of Aircraft Production, ensures the speediest return to the fighting line of damaged machines, and the most provident and speedy use of all the spare parts and material. At the same time the splendid, nay, astounding increase in the output and repair of British aircraft and engines which Lord Beaverbrook has achieved by a genius of organisation and drive, which looks like magic, has given us overflowing reserves of every type of aircraft, and an ever-mounting stream of production both in quantity and quality.

The enemy is, of course, far more numerous than we are. But our new production already, as I am advised, largely exceeds his, and the American production is only just beginning to flow in. It is a fact, as I see from my daily returns, that our bomber and fighter strength now, after all this fighting, are larger than they have ever been. We believe that we shall be able to continue the air struggle indefinitely and as long as the enemy pleases, and the longer it continues the more rapid will be our approach, first towards that parity, and then into that superiority in the air, upon which in a large measure the decision of the war depends.

The gratitude of every home in our Island, in our Empire, and indeed throughout the world, except in the abodes of the guilty, goes out to the British airmen who, undaunted by odds, unwearied in their constant challenge and mortal danger, are turning the tide of the world war by their prowess and by their devotion. Never in the field of human conflict was so much owed by so many to so few.

Never in the field of human conflict was so much owed by so many to so few

All hearts go out to the fighter pilots, whose brilliant actions we see with our own eyes day after day; but we must never forget that all the time, night after night, month after month, our bomber squadrons travel far into Germany, find their targets in the darkness by the highest navigational skill, aim their attacks, often under the heaviest fire, often with serious loss, with deliberate careful discrimination, and inflict shattering blows upon the whole of the technical and war-making structure of the Nazi power. On no part of the Royal Air Force does the weight of the war fall more heavily than on the daylight bombers who will play an invaluable part in the case of invasion and whose unflinching zeal it has been necessary in the meanwhile on numerous occasions to restrain.

We are able to verify the results of bombing military targets in Germany, not only by reports which reach us through many sources, but also, of course, by photography. I have no hesitation in saying that this process of bombing the military industries and communications of Germany and the air bases and storage depots from which we are attacked, which process will continue upon an ever-increasing scale until the end of the war, and may in another year attain dimensions hitherto undreamed of, affords one at least of the most certain, if not the shortest of all the roads to victory. Even if the Nazi legions stood triumphant on the Black Sea, or indeed upon the Caspian, even if Hitler was at the gates of India, it would profit him nothing if at the same time the entire economic and scientific apparatus of German war power lay shattered and pulverised at home.

The fact that the invasion of this Island upon a large scale has become a far more difficult operation with every week that has passed since we saved our Army at Dunkirk, and our very great preponderance of sea-power enable us to turn our eyes and to turn our strength increasingly towards the Mediterranean and against that other enemy who, without the slightest provocation, coldly and deliberately, for greed and gain, stabbed France in the back in the moment of her agony, and is now marching against us in Africa.

The defection of France has, of course, been deeply damaging to our position in what is called, somewhat oddly, the Middle East. In the defence of Somaliland, for instance, we had counted upon strong French forces attacking the Italians from Jibuti. We had counted also upon the use of the French naval and air bases in the Mediterranean, and particularly upon the North African shore. We had counted upon the French Fleet. Even though metropolitan France was temporarily overrun, there was no reason why the French Navy, substantial parts of the French Army, the French Air Force and the French Empire overseas should not have continued the struggle at our side.

‘Overwhelming sea-power’

Shielded by overwhelming sea-power, possessed of invaluable strategic bases and of ample funds, France might have remained one of the great combatants in the struggle. By so doing, France would have preserved the continuity of her life, and the French Empire might have advanced with the British Empire to the rescue of the independence and integrity of the French Motherland.

In our own case, if we had been put in the terrible position of France, a contingency now happily impossible, although, of course, it would have been the duty of all war leaders to fight on here to the end, it would also have been their duty, as I indicated in my speech of 4th June, to provide as far as possible for the Naval security of Canada and our Dominions and to make sure they had the means to carry the struggle from beyond the oceans. Most of the other countries that have been overrun by Germany for the time being have preserved valiantly and faithfully. The Czechs, the Poles, the Norwegians, the Dutch, the Belgians are still in the field, sword in hand, recognised by Great Britain and the United States as the sole representative authorities and lawful Governments of their respective States.

circa 1940: A Battle of Britain type ‘scramble’. An improved Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots from the squadron. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

circa 1940: A Battle of Britain type ‘scramble’. An improved Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots from the squadron. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

A Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots (Photo: Getty)
That France alone should lie prostrate at this moment, is the crime, not of a great and noble nation, but of what are called “the men of Vichy.” We have profound sympathy with the French people. Our old comradeship with France is not dead. In General de Gaulle and his gallant band, that comradeship takes an effective form. These free Frenchmen have been condemned to death by Vichy, but the day will come, as surely as the sun will rise to-morrow, when their names will be held in honour, and their names will be graven in stone in the streets and villages of a France restored in a liberated Europe to its full freedom and its ancient fame.

But this conviction which I feel of the future cannot affect the immediate problems which confront us in the Mediterranean and in Africa. It had been decided some time before the beginning of the war not to defend the Protectorate of Somaliland. That policy was changed when the French gave in, and when our small forces there, a few battalions, a few guns, were attacked by all the Italian troops, nearly two divisions, which had formerly faced the French at Jibuti, it was right to withdraw our detachments, virtually intact, for action elsewhere. Far larger operations no doubt impend in the Middle East theatre, and I shall certainly not attempt to discuss or prophesy about their probable course. We have large armies and many means of reinforcing them. We have the complete sea command of the Eastern Mediterranean. We intend to do our best to give a good account of ourselves, and to discharge faithfully and resolutely all our obligations and duties in that quarter of the world. More than that I do not think the House would wish me to say at the present time.

A good many people have written to me to ask me to make on this occasion a fuller statement of our war aims, and of the kind of peace we wish to make after the war, than is contained in the very considerable declaration which was made early in the Autumn. Since then we have made common cause with Norway, Holland, and Belgium. We have recognised the Czech Government of Dr. Benes, and we have told General de Gaulle that our success will carry with it the restoration of France.

‘The ground is not new’

I do not think it would be wise at this moment, while the battle rages and the war is still perhaps only in its earlier stage, to embark upon elaborate speculations about the future shape which should be given to Europe or the new securities which must be arranged to spare mankind the miseries of a third World War. The ground is not new, it has been frequently traversed and explored, and many ideas are held about it in common by all good men, and all free men. But before we can undertake the task of rebuilding we have not only to be convinced ourselves, but we have to convince all other countries that the Nazi tyranny is going to be finally broken.

The right to guide the course of world history is the noblest prize of victory. We are still toiling up the hill; we have not yet reached the crest-line of it; we cannot survey the landscape or even imagine what its condition will be when that longed-for morning comes. The task which lies before us immediately is at once more practical, more simple and more stern. I hope – indeed I pray – that we shall not be found unworthy of our victory if after toil and tribulation it is granted to us. For the rest, we have to gain the victory. That is our task.

There is, however, one direction in which we can see a little more clearly ahead. We have to think not only for ourselves but for the lasting security of the cause and principles for which we are fighting and of the long future of the British Commonwealth of Nations.

Some months ago we came to the conclusion that the interests of the United States and of the British Empire both required that the United States should have facilities for the naval and air defence of the Western hemisphere against the attack of a Nazi power which might have acquired temporary but lengthy control of a large part of Western Europe and its formidable resources.

We had therefore decided spontaneously, and without being asked or offered any inducement, to inform the Government of the United States that we would be glad to place such defence facilities at their disposal by leasing suitable sites in our Transatlantic possessions for their greater security against the unmeasured dangers of the future.

The principle of association of interests for common purposes between Great Britain and the United States had developed even before the war. Various agreements had been reached about certain small islands in the Pacific Ocean which had become important as air fuelling points. In all this line of thought we found ourselves in very close harmony with the Government of Canada.

Presently we learned that anxiety was also felt in the United States about the air and naval defence of their Atlantic seaboard, and President Roosevelt has recently made it clear that he would like to discuss with us, and with the Dominion of Canada and with Newfoundland, the development of American naval and air facilities in Newfoundland and in the West Indies. There is, of course, no question of any transference of sovereignty – that has never been suggested – or of any action being taken, without the consent or against the wishes of the various Colonies concerned, but for our part, His Majesty’s Government are entirely willing to accord defence facilities to the United States on a 99 years’ leasehold basis, and we feel sure that our interests no less than theirs, and the interests of the Colonies themselves and of Canada and Newfoundland will be served thereby.

These are important steps. Undoubtedly this process means that these two great organisations of the English-speaking democracies, the British Empire and the United States, will have to be somewhat mixed up together in some of their affairs for mutual and general advantage.

For my own part, looking out upon the future, I do not view the process with any misgivings. I could not stop it if I wished; no one can stop it. Like the Mississippi, it just keeps rolling along. Let it roll. Let it roll on full flood, inexorable, irresistible, benignant, to broader lands and better days.

Em todo o mundo em 6 objetos artesanais extraordinários

Cobra Azteca

Faz parte de um peitoral de duas cabeças em forma de cobra, feito de madeira de cedro e coberto com mosaico de conchas de ostras espinhosas turquesas e vermelhas. Os dentes nas duas bocas abertas também são casca de molusco.

Estes, e os que temos abaixo, são alguns dos trabalhos escolhidos por Neil MacGregor, diretor do Museu Britânico, para contar “Uma história do mundo em 100 objetos” e nos levar a uma jornada ao redor do mundo e no tempo.

Cada um evoca histórias fascinantes, sejam elas ferramentas mundiais ou obras de arte, todas feitas por mãos humanas em algum momento da história.

E agora que muitos de nossos encontros com o mundo exterior precisam ser virtuais, convidamos você a visitar o Egito antigo e o Império Romano, vislumbrar os tesouros da Turquia, prestar homenagem a um deus maia e se maravilhar com um capacete havaiano.

1. Moeda de Croesus (~ 550BC)
Mais de 2.500 anos atrás, o rei Croesus governou Lydia, um próspero reino no oeste da Turquia, de onde algumas das primeiras moedas do mundo entraram em circulação.

Embora as moedas feitas de eletro (uma mistura de ouro e prata) datem de cerca de um século antes do reinado de Croesus, acredita-se que os lidianos sejam as primeiras pessoas a usar uma moeda bimetálica.

O rio do qual os lidianos obtiveram o metal para suas moedas é aquele em que o rei Midas supostamente “lavou” sua capacidade de transformar em ouro tudo o que tocava.

O leão, um símbolo da realeza, e o touro foram esculpidos nesta linda moeda brilhante com um martelo.

2. Sino de bronze chinês (~ 500 aC)

Este sino de bronze intricadamente decorado é conhecido como bo, e é um instrumento muito sofisticado: levou um milênio inteiro para que sinos desse tamanho aparecessem na música ocidental.

Seu cabo tem a forma de dois dragões, e o corpo do instrumento é adornado com dragões que engolem gansos.

As duas notas produzidas por este bo teriam sido ouvidas na China há cerca de 2.500 anos atrás, e sua música pode até ter sido ouvida por contemporâneos do filósofo político chinês Confúcio.

A China da época era definida por distúrbios e fragmentação política, mas no meio dessa cacofonia, a mensagem de Confúcio era de paz e harmonia, a ser alcançada retornando aos valores tradicionais da virtude.

Confúcio não era apenas um filósofo de renome, ele também era um músico e sentia firmemente que o desempenho da música poderia alcançar a harmonia que ele queria ver na sociedade.

3. A pedra de Roseta (196 aC)

Copyright da imagem © OS TRUSTES DO MUSEU BRITÂNICO
Embora esse pesado pedaço de rocha cinza possa não ser muito atraente para os olhos, a Pedra de Roseta é sem dúvida um dos objetos mais famosos e controversos do Museu Britânico.

Está inscrito um decreto para marcar o status de deus do rei Ptolomeu V no primeiro aniversário de sua coroação em 196 a.C., quando ele tinha 13 anos.

Sendo tão jovem, Ptolomeu estava à mercê de seus sacerdotes, a quem apaziguava com alguns benefícios muito lucrativos, também imortalizados na pedra. Com certeza, ele estabeleceu seus incentivos fiscais.

Embora não seja uma leitura empolgante, o fato de o texto ter sido transcrito para três idiomas: grego, hieróglifos e egípcio demótico (o idioma do dia a dia) é extremamente significativo. O grego era a língua oficial da administração do estado, e permaneceu assim por um milênio.

Nos 500 anos seguintes, a linguagem sacerdotal dos hieróglifos deixou de ser usada, e essa antiga linguagem egípcia tornou-se incompreensível.

A presença do grego, que os estudiosos podiam ler, permitiu a interpretação dos hieróglifos, quando a pedra foi escavada durante a campanha de Napoleão no Egito.

O estudioso francês Jean-François Champollion percebeu que todos os hieróglifos eram pictóricos e fonéticos (eles funcionavam como imagens e sons), e ele finalmente decifrou a pedra de Roseta, tornando acessível o idioma do Egito Antigo pela primeira vez.

4. Estátua Maia do Deus do Milho (~ 700 dC)

Quando as civilizações se tornaram dependentes da agricultura, há cerca de 9.000 anos, surgiram histórias de novos deuses: deuses que garantiam o ciclo das estações e o retorno das colheitas, e deuses da própria comida.

Esta estátua em particular é um deus do milho, uma cultura básica americana que floresceu quando a carne era escassa.

Para os maias, o milho tinha propriedades sagradas, pois os deuses acreditavam ter usado massa de milho para fazer seus antepassados ​​à mão.

No entanto, essa colheita prontamente disponível e adaptável foi um pouco branda, então os agricultores aprenderam rapidamente a cultivar pimentas saborosas para adicionar um pouco de sabor aos carboidratos opacos.

Acredita-se que esta bela estátua de calcário tenha 1.300 anos.

O busto é adornado com um toucado de espiga de milho. Sua cabeça enorme nem pode pertencer ao corpo, pois as estátuas do templo caíram e foram reconstruídas novamente.

Ele agora reside no Museu Britânico, mas foi encontrado nas ruínas de um templo de pirâmide em Copán, uma das principais cidades maias das atuais Honduras.

5. Pimenteira

 

 

Essa linda, ainda que surpreendida, mulher de prata é, de fato, uma pimenteira.

Descrita por Neil MacGregor como “um pouco de kitsch para os ricos”, a própria figura pode ter sido baseada em um rico aristocrata romano tardio, o tipo de mulher que usaria uma pimenteira.

Escavado de um local em Suffolk, Inglaterra, como parte do tesouro Hoxne, este utensílio ornamentado representa um caldeirão de culturas.

Seus proprietários viviam no final do domínio romano na Grã-Bretanha, quando os romanos se misturaram e até se casaram com os nativos. Os moradores se esforçaram para se comportar como os romanos, de suas escolhas de moda à comida que comiam.

Os romanos eram admiradores de comida e o tempero chave em seu arsenal era pimenta.

Mas esse tempero cobiçado não cresceu na Inglaterra, nem mesmo na Europa; os romanos o importaram da Índia.

Estima-se que um navio carregado de pimenta valha 7 milhões de sestércios. Para se ter uma idéia de quão caro era, na época, um soldado romano ganhava cerca de 800 sestércios por ano.

6. Capacete de penas havaianas (1778)

Este impressionante capacete vermelho e amarelo foi apresentado ao capitão Cook, ou a uma de sua tripulação, em 1778, quando ele e seus homens se tornaram os primeiros europeus a visitar o Havaí.

Adornado com as vibrantes penas de milhares de pássaros de gengibre, este capacete provavelmente teria sido usado pelo chefe havaiano de mais alto escalão para se comunicar com os deuses.

Os pássaros eram vistos como mensageiros espirituais, e suas penas eram pensadas para fornecer proteção e poder, de modo que a doação deste capacete teria sido uma grande honra.

Cook passou um período feliz no Havaí consertando seu navio e mapeando a ilha, mas um mês depois de embarcar em sua jornada para o norte, uma tempestade o forçou a voltar.

Dessa vez, os habitantes locais foram menos acolhedores quando entraram na temporada dedicada ao deus da guerra. Eles roubaram um dos barcos de Cook, que, na tentativa de negociar seu retorno, planejava manter um dos chefes, mas um combate corpo a corpo estourou e Cook morreu.

Coronavírus dos meios de transporte da Peste Negra para a Amazon com a cobertura-19: mostra as pandemias impulsivas às megacorporações

Em plena Idade Média na Europa, em junho de 1348, os cidadãos da Inglaterra começaram a ter sintomas misteriosos. No início, eram leves e difusas: dor de cabeça, mal-estar e náusea.

“O triunfo da morte” representa o que aconteceu no século XIV.

Isso foi seguido pelo aparecimento de inchaços negros dolorosos, ou bolhas, que cresceram nas axilas e na virilha, que deram à doença o nome: peste bubônica.

O último estágio da infecção foi febre alta e morte.

Originados na Ásia Central, soldados e caravanas trouxeram as bactérias que causavam o vírus, a Yersina pestis, e que carregavam pulgas que viviam em ratos, aos portos do Mar Negro.

O comércio de mercadorias no Mediterrâneo causou a rápida transmissão da praga, através de navios mercantes que chegaram primeiro na Itália e depois em toda a Europa.

A Peste Negra matou entre um terço e meio da população da Europa e do Oriente Médio.

Esse grande número de mortes foi acompanhado por devastação econômica geral.

“A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo. Ele continuará sendo capitalismo, mas não será visto como tal.”
Desde que um terço da força de trabalho morreu, as colheitas foram deixadas sem coleta e as conseqüências para as comunidades que nelas viviam foram devastadoras.

Uma em cada dez cidades da Inglaterra (como muitas na Toscana e outras regiões da Itália) desapareceu e nunca foi re-fundada.

As casas se tornaram ruínas e estavam cobertas de grama e sujeira. Somente as igrejas foram deixadas de pé.

Portanto, se você se deparar com uma igreja ou capela solitária no meio do campo, é provável que esteja vendo os últimos remanescentes de uma das aldeias perdidas da Europa.

Havia uma cidade ao redor daquela igreja em ruínas?

A experiência traumática da Peste Negra, que matou talvez 80% das pessoas infectadas, levou muitas pessoas a escrever para entender o que haviam experimentado.

Em Aberdeen, John de Fordun, um cronista escocês, registrou que:

“A doença afetou a todos, mas principalmente as classes média e baixa, raramente os nobres.”

“Isso gerou tanto horror que as crianças não ousaram visitar seus pais moribundos, nem os pais seus filhos, mas fugiram por medo de contágio, como lepra ou cobra”.

Essas linhas quase poderiam ter sido escritas hoje.

Yuval Noah Harari: “Esta não é a peste negra. Não é como se as pessoas morressem e não tivéssemos ideia do que as mata”
Embora a taxa de mortalidade da covid-19 seja muito menor que a da Peste Negra, as consequências econômicas foram severas devido à natureza globalizada e altamente integrada das economias modernas.

E, como isso foi adicionado à mobilidade da população, a pandemia se espalhou pelo mundo em questão de meses, não anos.

Mão de obra

Embora a Peste Negra tenha causado danos econômicos a curto prazo, as consequências a longo prazo foram menos óbvias.

Antes de começar a se espalhar, o crescimento da população havia causado um excedente de trabalho há séculos, que foi abruptamente substituído por uma escassez de mão-de-obra quando muitos servos e camponeses livres morreram.

Os historiadores argumentam que essa escassez de mão-de-obra permitiu que os camponeses que sobreviveram à pandemia exigissem melhores salários ou procurassem emprego em outro lugar.

Apesar da resistência do governo, a epidemia corroeu o sistema feudal.

Muita literatura foi escrita sobre o que aconteceu com a peste negra.

Mas outra conseqüência da Peste Negra foi a ascensão de empresários ricos e o estreitamento dos laços entre governos e o mundo dos negócios.

Embora a doença tenha causado perdas de curto prazo para as maiores empresas da Europa, elas concentraram seus ativos no longo prazo e permaneceram com uma participação maior no mercado, enquanto aumentavam sua influência nos governos.

Isso tem fortes paralelos com a situação atual em muitos países do mundo.

Embora as pequenas empresas dependam do apoio do governo para evitar o colapso, muitas outras, principalmente as maiores ou aquelas que entregam em casa, estão se beneficiando generosamente das novas condições do mercado.

O que a peste negra pode nos ensinar sobre as conseqüências econômicas globais de uma pandemia.
A economia de meados do século XIV e hoje são muito diferentes em tamanho, velocidade e interconexão para fazer comparações exatas.

Mas certamente podemos ver paralelos com a forma como a Peste Negra fortaleceu o poder do Estado e acelerou o domínio do domínio das megacorporações sobre os principais mercados.

O negócio da morte

A perda repentina de pelo menos um terço da população da Europa não levou a uma redistribuição uniforme da riqueza para todos os outros.

Em vez disso, as pessoas reagiram à devastação mantendo dinheiro dentro da família.

A peste negra matou de 75 a 200 milhões de pessoas em todo o mundo.
Ao mesmo tempo, o declínio do feudalismo e o surgimento de uma economia baseada em salários, seguindo as demandas camponesas por melhores condições de trabalho, beneficiaram as elites urbanas.

O pagamento em dinheiro, e não em espécie (na concessão de privilégios como o direito de coletar lenha) significava que os camponeses tinham mais dinheiro para gastar nas cidades.

Essa concentração de riqueza acelerou bastante uma tendência pré-existente: o surgimento de empresários mercantes que combinavam o comércio de bens com sua produção em uma escala disponível apenas para aqueles com quantidades significativas de capital.

Por exemplo, a seda, uma vez importada da Ásia e Bizâncio, agora era produzida na Europa.

Mercadores italianos ricos começaram a abrir oficinas de seda e tecido.

Esses empresários estavam em uma posição única para responder à súbita falta de mão-de-obra causada pela Peste Negra.

Diferentemente dos tecelões independentes, que careciam de capital, e diferentemente dos aristocratas, cuja riqueza vinha da terra, os empresários urbanos podiam usar seu capital líquido para investir em novas tecnologias, compensando a perda de trabalhadores com máquinas.

Paradoxalmente, ao reduzir a população, a vida dos sobreviventes melhorou.
No sul da Alemanha, que se tornou uma das áreas mais comercializadas da Europa nos séculos 14 e 15, empresas como a Welser (que mais tarde administrou a Venezuela como colônia privada) combinaram o cultivo de linho com posse dos teares.

Nesses teares, o linho era trabalhado para produzir um tecido que a empresa posteriormente vendeu.

Após a Peste Negra, nos séculos XVI e XV, a tendência era de poucas empresas concentrarem todos os recursos: capital, habilidades e infraestrutura.

A era da Amazon

Avançando para o presente, existem algumas semelhanças claras.

Certas grandes organizações aproveitaram as oportunidades oferecidas pela pandemia da covid-19.

Em muitos países, pequenos restaurantes, bares e lojas fecharam subitamente.

O mercado de alimentos, o varejo em geral e o entretenimento tornaram-se digitais e o dinheiro praticamente desapareceu.

Com os restaurantes fechados, grande parte desse suprimento de alimentos foi absorvida pelas redes de supermercados.

A Amazon é vista como um dos vencedores da pandemia.
Eles têm muitas áreas de vendas e muitos funcionários, além da capacidade de acelerar a contratação e no momento em que muitas pessoas ficam sem emprego.

Eles também têm armazéns, caminhões e capacidade logística complexa.

O outro grande vencedor foram os gigantes do varejo on-line, como a Amazon, que possui serviços de vendas de alimentos nos Estados Unidos, Índia e em muitos países europeus.

Quem está ganhando dinheiro com o coronavírus?

As lojas do nível da rua sofrem com a concorrência de preços e a conveniência da Internet há anos, tornando comuns as notícias de fechamentos e falências.

Empresas em ascensão

Agora, grande parte do espaço de negociação “não essencial” está encerrado, e nossos desejos só podem ser realizados através da Amazon, eBay, Argos, Screwfix e outros.

Houve um claro aumento nas compras on-line, e os analistas se perguntam se essa é uma reviravolta definitiva no mundo virtual e demonstra maior domínio das grandes corporações.

A indústria de streaming de entretenimento, um setor de mercado dominado por grandes corporações como Netflix, Amazon Prime (novamente), Disney e outras, nos mantém distraídos enquanto aguardamos nossos pacotes em casa.

Outros gigantes online como Google (dono do YouTube), Facebook (dono do Instagram) e Twitter fornecem as outras plataformas que dominam o tráfego da Internet.

A paralisação das atividades pelo coronavírus elevou o número de desempregados nos Estados Unidos para 22 milhões.

Pandemias do governo

No nível estadual, a Peste Negra provocou uma aceleração da centralização, aumento de impostos e dependência do governo de grandes empresas.

Na Inglaterra, o declínio no valor da terra e a consequente queda na renda levaram a Coroa, o maior proprietário de terras do país, a tentar limitar os salários aos níveis anteriores à Peste Negra com o Estatuto dos Trabalhadores de 1351, e impor impostos adicionais à população.

Anteriormente, os governos se financiavam e impunham impostos para despesas extraordinárias, como guerras.

Mas os impostos estabelecidos após a Peste Negra estabeleceram um precedente importante para a intervenção do governo na economia.

Esses esforços do governo resultaram em um aumento significativo na participação da Coroa na vida cotidiana.

Nos surtos subsequentes de peste, que ocorreram a cada 20 anos ou mais, o movimento das populações foi restringido por toque de recolher, proibição de viagens e quarentena.

“Obrigado, tio Sam”: os US $ 1.200 que os EUA paga milhões de pessoas para combater o impacto econômico do coronavírus.
Isso fez com que o Estado concentrasse ainda mais poder e substituísse a distribuição regional de autoridade por uma burocracia centralizada.

Muitos dos homens que dirigiram o governo após a praga, como o poeta Geoffrey Chaucer, vieram de famílias mercantes inglesas, algumas das quais ganharam poder político.

Detalhe de uma tapeçaria florentina com dois anjos segurando o brasão de Médici.

O exemplo mais proeminente disso foi o da família De la Pole, que em duas gerações passou de comerciante de lã a detentor do título de Suffolk County.

Com o colapso temporário do comércio e das finanças internacionais após a Peste Negra, Richard de la Pole se tornou o maior prestamista da Coroa e amigo íntimo de Richard II.

Quando as megaempresas italianas reapareceram nos séculos 14 e 15, também se beneficiaram da crescente dependência da coroa de empresas comerciais.

A família Medici, que acabou governando Florença, é o exemplo mais impressionante.

Os comerciantes também ganharam influência política comprando terras, cujo preço havia caído após a Peste Negra.

Possuir terras permitiu que se tornassem nobres e aristocratas e casassem seus filhos com os filhos de senhores com problemas de liquidez.

Com seu novo status e com a ajuda de sogros influentes, as elites urbanas ganharam representação política no Parlamento.

No final do século XIV, o controle estatal do governo e seus estreitos laços com empresas mercantis levaram muitos nobres a se voltar contra Ricardo II.

Depois que Ricardo II levantou impostos para arrecadar dinheiro para continuar sua campanha no exterior, os camponeses pegaram em armas em 1381.

Eles transferiram sua lealdade ao primo, que se tornou Henrique IV, na (vã) esperança de que ele não seguisse as políticas de Ricardo.

Isso e as subsequentes Guerras das Rosas foram impulsionadas em parte pela hostilidade da nobreza em relação à centralização do poder do governo.

A derrota de Enrique a Ricardo III em 1485 não apenas terminou a guerra, mas anulou qualquer tentativa da nobreza inglesa de recuperar a autoridade regional, abrindo caminho para o crescimento contínuo das empresas e do governo central.

O estado em que estamos

O poder do estado é algo que assumimos amplamente no século XXI.

Em todo o mundo, a idéia de nação soberana tem sido central na política e na economia imperiais nos últimos séculos.

Mas a partir da década de 1970, tornou-se comum os intelectuais sugerirem que o Estado era menos importante, seu monopólio sobre o controle do território começou a ser disputado por empresas multinacionais.

Em 2016, das 100 maiores entidades econômicas, 31 eram países e 69 eram empresas.

O Walmart era maior que a economia da Espanha, a Toyota, maior que a da Índia.

A capacidade dessas grandes empresas de influenciar políticos e reguladores já foi clara o suficiente: basta olhar para o papel das empresas de petróleo em negar as mudanças climáticas.

E que Margaret Thatcher, primeira ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, declarou que pretendia “reverter o Estado” também trouxe mudanças.

Desde então, mais e mais ativos que antes eram estatais começaram a ser operados como empresas ou como agentes privados em um mercado regulamentado pelo estado.

Aproximadamente 25% do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, por exemplo, possui contratos com o setor privado.

O sistema de saúde do Reino Unido tem sofrido muita pressão durante a pandemia – Direitos autorais da imagem GETTY IMAGES

Em todo o mundo, transportes, serviços públicos, telecomunicações, dentistas, oftalmologistas, correios e muitos outros serviços costumavam ser monopólios estatais e agora são administrados por empresas.

É comum ouvir-se que as indústrias nacionalizadas ou estatais são lentas e precisam de disciplina no mercado para se tornarem mais modernas e eficientes.

Mas, graças ao coronavírus, o estado voltou novamente como um tsunami.

Seus gastos foram direcionados aos sistemas nacionais de saúde, abordaram os problemas dos sem-teto, forneceram renda básica universal para milhões de pessoas e ofereceram garantias de empréstimos ou pagamentos diretos a um grande número de empresas.

Essa é a economia keynesiana de larga escala, na qual os títulos nacionais são usados ​​para emprestar dinheiro lastreado em impostos futuros dos contribuintes.

As idéias sobre o equilíbrio orçamentário parecem ser, por enquanto, históricas, dado o número de setores que dependem de resgates públicos.

Políticos de todo o mundo tornaram-se repentinamente intervencionistas, usando metáforas da época da guerra para justificar gastos gigantescos.

Também não se fala muito da restrição surpreendente das liberdades pessoais. A autonomia do indivíduo é fundamental para as idéias neoliberais.

Os “povos amantes da liberdade” contrastam com aqueles que vivem suas vidas sob o jugo da tirania, de estados que exercem poderes de vigilância como um Big Brother sobre o comportamento de seus cidadãos.

Quase metade da população da Inglaterra desapareceu devido à peste negra.

No entanto, nos últimos meses, estados ao redor do mundo restringiram o movimento para a grande maioria das pessoas e estão usando a polícia e as forças armadas para impedir multidões em espaços públicos e privados.

Teatros, bares e restaurantes estão fechados.

Também parques estão fechados, e até sentar em bancos pode motivo para levar uma multa, ou bem correr muito perto de alguém.

Um rei medieval ficaria impressionado com esse nível de autoritarismo.

O poder do Estado está agora sendo exercido de maneiras nunca vistas desde a Segunda Guerra Mundial, e tem havido amplo apoio público a ele.

Resistência popular

Para retornar à Peste Negra, o crescimento da riqueza e a influência de comerciantes e grandes empresas agravaram seriamente o sentimento anti-comércio que já existia.

O pensamento medieval, intelectual e popular, sustentava que o comércio era moralmente suspeito e que os comerciantes, especialmente os ricos, eram propensos à ganância.

A Peste Negra foi amplamente interpretada como a punição de Deus pelo pecado da Europa, e muitos escritores pós-epidêmicos culparam a Igreja, os governos e as empresas ricas pelo declínio moral da cristandade.

O famoso poema de protesto de William Langland, Piers Plowman (“Peter, o Labrador”), era fortemente anti-comercialista.

Lutero ficou indignado com o monopólio da Igreja Católica.

Outras obras, como o poema de meados do século XV, o Libelle de Englysche Polycye, toleraram o comércio, mas o desejavam nas mãos dos comerciantes ingleses e fora do controle dos italianos, que, segundo o autor, empobreceram o país.

Com o avanço dos séculos XIV e XV, e as corporações ganharam maior participação no mercado, a hostilidade popular e intelectual aumentou. A longo prazo, isso teria resultados incendiários.

Já no século XVI, a concentração do comércio e das finanças nas mãos das empresas havia se tornado um monopólio próximo dos bancos reais e papais.

Essas empresas também tinham o monopólio ou quase as principais matérias-primas da Europa, como prata, cobre e mercúrio, e importações da Ásia e das Américas, principalmente especiarias.

Martin Luther (o teólogo que promoveu a reforma religiosa na Alemanha e cujos ensinamentos foram inspirados pela Reforma Protestante) ficou indignado com essa concentração e principalmente com o monopólio da Igreja Católica.

Em 1524, ele publicou um tratado argumentando que o comércio deveria ser conduzido em nome do bem comum (alemão) e que os comerciantes não deveriam cobrar preços altos por seus produtos.

Este sinal foi colocado em cemitérios para alertar sobre a Peste Negra.

Juntamente com outros escritores protestantes, como Philip Melancthon e Ulrich von Hutten, Luther apontou o sentimento anti-mercado existente de criticar a influência dos negócios no governo, acrescentando injustiça financeira ao seu pedido de reforma religiosa.

Max Weber associou o protestantismo ao surgimento do capitalismo e do pensamento econômico moderno.

(Recomendo a leitura de “A ética Protestante e O Espírito do Capitalismo”, de Weber)

Mas os primeiros escritores protestantes se opuseram às corporações multinacionais e à comercialização de suprimentos básicos, apontando para o sentimento anti-comercial que teve suas raízes na Peste Negra.

Essa oposição popular e religiosa acabou levando à ruptura com Roma e à transformação da Europa.

Pequeno é sempre bom?

No século 21, nos acostumamos à idéia de que as empresas capitalistas produzem concentrações de riqueza.

Quer se trate de industriais vitorianos, aristocracia, ladrões americanos ou bilionários pontocom, as desigualdades geradas pelos negócios e a capacidade de corromper governos moldaram o debate comercial desde a revolução industrial.

Para os críticos, as grandes empresas costumam ser caracterizadas como cruéis.

Um gigante que esmaga as pessoas comuns sob as rodas de suas máquinas ou extrai vampiricamente os lucros do trabalho das classes trabalhadoras.

Como vimos, o debate entre pequenas empresas locais e aqueles que favorecem corporações e poder estatal remonta há muitos séculos.

Poetas e radicais românticos lamentavam como os “moinhos satânicos escuros” estavam destruindo o campo e produzindo pessoas que nada mais eram do que apêndices em máquinas.

As populações dos países ocidentais foram alimentadas por grandes redes de supermercados durante a pandemia.

A idéia de que o artesão honesto estava sendo substituído pelo empregado alienado, um escravo assalariado, é comum tanto aos críticos nostálgicos quanto aos progressistas do capitalismo primitivo.

Na década de 1960, a fé nos negócios locais, combinada com suspeitas sobre empresas e o estado, deu origem a movimentos ecológicos, como o Occupy ou o Extinction Rebellion.

Consumir comida local, usar dinheiro local e tentar aumentar o poder de compra de “instituições âncoras”, como hospitais e universidades, em direção a pequenas empresas sociais tornou-se o senso de muitos ativistas econômicos contemporâneos.

Mas a crise do covid-19 questiona esse “pequeno é bom e grande é ruim” de algumas maneiras fundamentais.

Do Washington Post a uma cadeia de supermercados: os tentáculos do império de Jeff Bezos além da Amazon.

Parece ser necessário uma organização em larga escala para lidar com a grande variedade de problemas que o vírus gerou, e os estados que parecem ter tido mais sucesso são aqueles que adotaram as formas mais intervencionistas de vigilância e controle.

Até o mais ardente pós-capitalista teria que reconhecer a incapacidade das pequenas empresas sociais de equipar um hospital gigantesco em poucas semanas.

E, embora existam muitos exemplos de empresas locais envolvidas na entrega de alimentos e uma quantidade louvável de ajuda ao cidadão, a população dos países ocidentais está sendo amplamente alimentada por redes de supermercados com operações logísticas complexas.

Após o coronavírus

O resultado a longo prazo da Peste Negra foi o fortalecimento do poder das grandes empresas e do Estado. Os mesmos processos ocorreram durante a quarentena de coronavírus e muito mais rápidos.

Mas devemos ser cautelosos com as fáceis lições históricas.

A história nunca se repete realmente.

As circunstâncias de cada época são únicas e simplesmente não é aconselhável tomar as “lições” da história como experimentos que testam certas leis gerais.

O coronavírus não matará um terço de qualquer população, portanto, embora seus efeitos sejam profundos, eles não causarão a mesma escassez de trabalhadores. Na verdade, reforçou o poder dos empregadores.

A diferença mais profunda é que a causada pelo vírus coincide com outra crise, a das mudanças climáticas.

Existe um risco real de que as políticas de recuperação econômica simplesmente substituam a necessidade de reduzir as emissões de carbono.

Este é o cenário de pesadelo, em que o covid-19 é apenas um prenúncio de algo muito pior.

O coronavírus está afetando o planeta.

Mas as enormes mobilizações de pessoas e dinheiro que governos e empresas implementaram também mostram que as grandes organizações podem se reformar e ao mundo notavelmente rapidamente, se quiserem.

Isso fornece um motivo real de otimismo em relação à nossa capacidade coletiva de redesenhar a produção de energia, transporte, sistemas alimentares e muito mais – o novo acordo ecológico que muitos formuladores de políticas têm patrocinado.

A Peste Negra e o covid-19 parecem ter causado a concentração e centralização dos negócios e do poder do Estado.

É interessante saber disso.

Mas a questão mais importante é se essas forças podem ajudar a combater a crise que se aproxima.

Eleanor Russell é Doutor em História na Universidade de Cambridge e Martin Parker é professor na Universidade de Bristol, ambos no Reino Unido.

As surpreendentes semelhanças entre o coronavírus e a peste bubônica

As surpreendentes semelhanças entre o coronavírus e a peste bubônica


Um mosaico do século VI do governante bizantino Justiniano e sua corte na igreja de San Vitale em Ravena, Itália.

Novas pesquisas da Universidade de Barcelona analisam os paralelos entre a atual pandemia e a doença que varreu o Império Bizantino, 1.500 anos atrás.

A pandemia se originou em uma terra estrangeira e se estendeu rapidamente por todos os portos onde os passageiros infectados chegaram – assintomáticos ou não. Não havia cura médica disponível para detê-lo, todos os residentes estavam confinados em suas casas para evitar o contágio, a economia paralisada, o exército foi mobilizado nas ruas, os médicos exaustos trabalhavam até os ossos e havia milhares de diários. vítimas cujos corpos ficaram sem enterro “por dias a fio, porque escavadores não podiam trabalhar rápido o suficiente …”

Este não é um relato da pandemia de coronavírus de 2020. É a crônica fornecida pelo historiador Procópio de Cesareia sobre o surto de peste bubônica que ocorreu no mundo conhecido entre 541 e 544, sob o imperador bizantino Justiniano I. A doença varreu vasto território, da China às cidades portuárias da Hispânia, como os romanos chamavam de Península Ibérica.

Uma epidemia eclodiu que quase acabou com toda a raça humana e que é impossível encontrar uma explicação para as palavras.

PROCÓPIO HISTÓRICO DE CAESAREA

Um novo estudo chamado La Plaga de Justinià, Segons el Testimoni de Procopi (ou A praga de Justiniano segundo o testemunho de Procópio), de Jordina Sales Carbonell, pesquisadora da Universidade de Barcelona, ​​acrescenta nova relevância a esse conto antigo escrito 1.500 anos atrás.

“A partir de 1º de abril de 2020, certas semelhanças e paralelos observados no comportamento humano em relação a um vírus e suas conseqüências parecem tão familiares e contemporâneas que, apesar da tragédia que todos estamos enfrentando pessoalmente, permanece uma fonte de espanto como a história se repete. Escreve este arqueólogo e historiador Sales Carbonell, que trabalha no Instituto de Pesquisa de Cultura Medieval da universidade.

No ano 541, sob o governo bizantino Justiniano, houve um surto de peste bubônica no império. “O alarme soou no Egito, de onde a infecção se expandiu rápida e letalmente.” Procópio refletiu isso em seu livro History of the Wars, onde contou as campanhas militares de Justiniano na Itália, norte da África e Hispânia, e como os soldados espalharam a doença pelos portos onde pararam – fundamentalmente na Europa, norte da África, Império Sasaniano (Pérsia). ) e de lá até a China.

Como consultor jurídico de Belisarius, principal comandante militar de Justiniano, Procópio acompanhou as campanhas deste último e, assim, tornou-se uma “testemunha privilegiada” dos efeitos de uma pandemia que passou a ser conhecida como a Praga de Justiniano.

Continua sendo uma fonte de espanto como a história se repete.

“Surgiu uma epidemia que quase acabou com toda a raça humana e é impossível encontrar uma explicação com palavras, nem mesmo com pensamentos, exceto para atribuí-la à vontade de Deus”, escreveu Procópio.

“Essa epidemia não afetou uma porção limitada da Terra, nem um conjunto específico de homens, nem foi reduzida a uma estação específica do ano […], mas se espalhou e atacou toda a vida humana, não importa quão diferente os indivíduos podem ser, sem levar em conta a natureza ou a idade. ” A doença atingiu “todos os cantos do mundo, como se tivesse medo de perder um lugar”.

Um ano após a primeira detecção, a praga atingiu a capital do império, Bizâncio (atual Istambul), devastando-a por quatro meses. “Houve confinamento e isolamento completos”, escreve Sales Carbonell em seu estudo. “Era absolutamente obrigatório para pessoas doentes. Mas havia também um tipo de autocontrole espontâneo e intuitivamente voluntário, amplamente motivado pelas circunstâncias. ”

“Não foi nada fácil ver alguém em espaços públicos, pelo menos em Bizâncio; em vez disso, todos que estavam saudáveis ​​estavam em casa, cuidando dos doentes ou chorando por seus mortos ”, escreveu Procópio.

Enquanto isso, a economia estava em queda livre. “As atividades cessaram e os artesãos abandonaram todo o trabalho que estavam fazendo”. Ao contrário de hoje, no entanto, as autoridades não conseguiram garantir o fornecimento de serviços essenciais. “Parecia muito difícil obter pão ou qualquer outro tipo de alimento, de modo que, no caso de alguns pacientes, o fim de sua vida foi sem dúvida prematuro devido à falta de itens essenciais”, escreveu Procópio em History of the Wars .

“Muitos morreram porque não tinham ninguém para cuidar deles”, acrescentou. Os cuidadores da época “caíram de exaustão porque não conseguiam descansar e estavam sofrendo constantemente. Por causa disso, todos sentiram mais pena deles do que dos doentes.”

Patrulhas nas ruas
À luz da situação desesperadora, o imperador enviou grupos de guardas do palácio para patrulhar as ruas e os corpos de pessoas que morreram sozinhos foram enterrados às custas dos cofres imperiais, escreveu o historiador. Até o próprio Justiniano foi vítima da praga, mas ele a superou e continuou a reinar por mais de uma década.

Os picos de mortalidade aumentaram de 5.000 para 10.000 vítimas por dia e mais, de modo que, “embora, a princípio, todos cuidassem de seus mortos em casa, o caos se tornou inevitável e cadáveres também foram jogados dentro dos túmulos de outros, furtivamente ou usando violência. ” Com o tempo, os corpos começaram a se acumular dentro das torres e não havia serviços funerários para eles.

Quando a pandemia finalmente terminou, uma coisa positiva surgiu.

“Os que apoiaram as várias facções políticas abandonaram as acusações mútuas. Mesmo aqueles que haviam sido dados anteriormente a atos baixos e maus abandonaram todo o mal em suas vidas cotidianas, porque uma necessidade imperiosa os fez aprender sobre a honestidade ”, escreveu Procópio.

“Esse elemento da poesia oferece um pouco de esperança de que talvez possamos superar isso e não tropeçar novamente na mesma pedra”, diz Sales Carbonell, parecendo mais esperançoso do que seguro de si.

Globalismo,Mundo,História,Economia,Blog do Mesquita

Hoje na História – Calígula

No dia de hoje em 37dC, o senado Romano proclama Gaius Julius Caesar Augustus Germanicus, vulgo Calígula, Imperador.

“Sou o amanhecer do mundo e a última estrela que cai na noite. Assim como tomei a forma de Caius Calígula eu posso tomar a forma de qualquer um. Sou todos os homens e não sou nenhum. Portanto, sou um deus.”
Não imaginaria tal animalesca persona, que seus seguidores brotariam com ratos ao longo da história pelos tempos que viriam.

História e Cinema: A joia Mudéjar escondida no palácio da vida real ‘Citizen Kane’

Uma fundação descobriu que um teto coberto de uma igreja espanhola foi comprado pelo magnata americano William Randolph Hearst e colocado em sua biblioteca.

O excêntrico barão de jornais americanos William Randolph Hearst construiu uma vasta mansão na Califórnia em meados do século passado e a adornou com jóias arquitetônicas e artísticas de valor inestimável de todo o mundo.

Izaskun Villena, diretor técnico da Fundação de Restauração da Terra de Campos, e Marcos Pérez Maldonado, chefe de construção, apontam os restos do teto coberto no convento de Cuenca de Campos.R. G.

Essa foi a extensão da coleção acumulada pelo homem imortalizado no filme clássico de Orson Welles, Citizen Kane, que a arquiteta da mansão, Julia Morgan, não foi capaz de usá-la. Mas ela incorporou o teto em mudéjar que fazia parte de um convento em Cuenca de Campos, na comarca Tierra de Campos, na região espanhola de Castela e Leão, no noroeste da Espanha, como a Fundação de Restauração Tierra de Campos descobriu recentemente.

Mudéjar refere-se a um estilo de ornamentação desenvolvido a partir do século XII pelos mouros – ou mudéjar – que permaneceram no sul da Espanha, apesar da reconquista cristã.

Presidida pelo prefeito de Cuenca de Campos, Faustino González Miguel, a fundação foi criada em 2017, em uma tentativa de promover a atividade econômica, social e cultural da região. Em abril de 2018, adquiriu o convento de San Bernardino de Siena, usado por cinco séculos pela ordem das freiras das Clarissas que o herdaram de María Fernández de Velasco, membro de uma das mais poderosas famílias do Reino de Castela, conforme mostra na obra, em 1455.

Um dos primeiros projetos da fundação foi a restauração do convento. Por ser o único mosteiro daquele período construído em Castela e Leão, a fundação vinha tentando há anos evitá-la de cair em um estado irreversível.

Iniciado o trabalho, o chefe do processo de restauração, Marcos Pérez Maldonado, sugeriu a remoção dos cofres que permaneciam na área de alto coral, dada a deterioração das alvenarias ali e o custo extra de sua reforma. Sua remoção revelou os restos do antigo teto caixão, que foi deixado para trás porque levá-lo implicaria desmontar o telhado e enfraquecer as paredes, segundo Izaskun Villena, diretor técnico da fundação. Os restos atingem cerca de dois metros do antigo teto de madeira caixotada, que é relativamente bem preservado com os quadrados policromos e pequenos pedaços de azulejo claramente visíveis.

As freiras da Pobre Clara, que desembarcaram em tempos difíceis, decidiram vender o teto coberto em 1930 a um antiquário na província de Palencia. Graças às receitas da venda, as freiras conseguiram sobreviver na vila até março de 1967. Nesse momento, deixaram Cuenca de Campos levando consigo o retábulo, várias pinturas preciosas e a tumba de mármore do aristocrata que havia dado a ordem. o mosteiro no século XV. Mas para onde foi a maior parte do teto coberto? Os membros da fundação iniciaram sua própria investigação sobre o assunto.

O castelo de Hearst, na Califórnia, adornava a maior parte do teto do convento em Cuenca de Campos.GEORGE ROSE (GETTY)

Sua primeira pista veio do pediatra Alfredo Blanco del Val, que os colocou em contato com a professora de história María José Martínez Ruiz, autora de vários livros, incluindo um em co-autoria com o arquiteto José Miguel Merino de Cáceres, chamado A destruição do patrimônio artístico espanhol. . W. R. Hearst: “The Great Hoarder”, publicado por Cátedra em 2012.

Merino de Cáceres disse que suas pesquisas em bibliotecas e arquivos dos EUA vinculados ao Hearst levaram a um inventário de 83 tetos com caixilharia comprados pelo magnata. Uma delas foi adquirida em 20 de junho de 1930 pelo negociante de arte Arthur Byne, que pagou US $ 12.000 (10.800 €) por 372 metros de “teto e friso de Campos”. Bingo! Essa era a chave que a fundação procurava desvendar o mistério.

Os “Campos” aos quais Byne se referia eram mais do que provavelmente Cuenca de Campos. No inverno de 1930, Byne, que morreu em um acidente de trânsito na Espanha em 1935, disse a Hearst que o teto de “Campos” estava sendo enviado através do Atlântico, indicando que “pode ​​servir de material para vários telhados”, Merino. e Martínez explicam em seu livro. Julia Morgan parece ter usado parte desse teto coberto para decorar o teto da biblioteca em Hearst Castle.

O arquiteto Izaskun Villena, diretor da Fundação de Restauração da Terra de Campos, está convencido de que o teto é o mesmo. “Procurei imagens da sala na internet e encontrei elementos idênticos aos que são conservados na igreja de Cuenca de Campos. Um elemento definitivo que o identifica totalmente como tal é, por exemplo, o brasão da família Fernández de Velasco, que é claramente visível ”, explica ela. “É claro que descartamos a recuperação do teto coberto. Mas uma possibilidade é fazer uma réplica, aproveitando os workshops que organizamos na Fundação de Restauração da Terra de Campos ”, diz ela, acrescentando que novos membros e apoio econômico adicional são bem-vindos.

Globalismo,Mundo,História,Economia,Blog do Mesquita

Imagem e Comunidade: Representações de Santos Militares no Mediterrâneo Oriental Medieval

Imagem e Comunidade: Representações de Santos Militares no Mediterrâneo Oriental Medieval

Por Heather A. Badamo

Resumo: A devoção a santos militares floresceu no Egito e no Levante nos séculos XII e XIII, a era das Cruzadas. Durante este período de conquista e expansão, ícones de santos guerreiros foram feitos em grande número. Os criadores de imagens responderam às preocupações locais, descrevendo os santos como soldados ferozes: St. Mercurios podia ser visto matando um inimigo da fé, St. George realizando um milagre da salvação, ou St. Theodore brandindo uma espada. Os cultos floresceram em zonas fronteiriças, áreas contestadas de limites inconstantes, onde os santos guerreiros lutavam para se proteger contra aqueles que mantinham crenças rivais.

O foco desta dissertação, que se baseia em material visual e textual, é o culto aos santos guerreiros no Egito e no Levante, como praticado nas comunidades cristãs orientais que vivem sob o domínio muçulmano. Este estudo trabalha contra as geografias disciplinares tradicionais, considerando ícones do Egito, Levante e Bizâncio em suas inter-relações. No centro do projeto estão imagens em vários meios (pinturas de parede, pinturas em painel, fichas de peregrinação, ilustrações de manuscritos e selos), examinadas em relação a uma variedade de fontes textuais (paixões, relatos de milagres, homilias, hinos, epigramas). , geografias, apocalipses, livros sobre mosteiros, textos polêmicos, relatos de viajantes e crônicas).

Os capítulos quatro e cinco tratam o fenômeno da militarização como revelado em imagens e relatos de milagres. O capítulo seis oferece um estudo aprofundado de imagens e práticas religiosas no Levante, com foco em um conjunto de ícones no Mosteiro de Santa Catarina, no Sinai, e nas pinturas de parede em Deir Mar Musa, na Síria. Este capítulo revela a instabilidade de formas e significados iconográficos na área caracterizada pela mudança de fronteiras e populações. A dissertação termina com uma análise focada no extenso programa no mosteiro de Santo Antônio no Egito, que posiciona os mártires militares como os predecessores dos monges, travando batalhas espirituais. Este capítulo revela o papel das imagens sagradas no fortalecimento da fé e da coesão comunitária.

Clique aqui para ler esta tese da Universidade de Michigan

Imagem superior: Detalhe de um balão do século VI ou Sétimo, representando São Sérgio a cavalo, rodeado pela inscrição: “Bênção do Senhor de São Sérgio”. Imagem do Walters Art Museum

Design,Moda,Comportamento,Roupas,Vestuário,História,BlogdoMesquita

Negligenciadas e subvalorizadas: roupas íntimas na Idade Média

Por Madeleine Colvin

Apesar de ser uma das roupas mais importantes, a roupa íntima é a parte de roupas medievais que é frequentemente ignorada e inexplorada na ficção histórica e no figurino. Os trajes modernos e a moda parecem ter um fascínio pelos espartilhos e crinolinas da era vitoriana, mas têm pouco interesse no que veio antes. O que podemos dizer sobre esse elemento da moda, que tem sido negligenciado por muito tempo?

Embora os espartilhos possam estar relacionados a roupas de baixo modernas, como “spanx” e outras engenhocas de treinamento da cintura e modelagem do corpo, e quanto às roupas íntimas anteriores, elas são totalmente ignoráveis? E as roupas de baixo dos homens? Este artigo é uma breve visão geral de como era a cueca na Idade Média e como ela se compara ao que provavelmente usaremos hoje. Embora as roupas íntimas modernas pareçam estar em busca de diminuir e ficar menos visíveis a cada ano, na verdade ela teve grandes começos!

As roupas de baixo vitorianas e a silhueta com espartilho costumam ser o que vem à mente quando alguém pensa em roupas íntimas históricas … “Catálogo de moda ilustrado: verão de 1890” por Internet Archive Book Images, via Wikimedia Commons

A roupa de baixo dos homens é muito mais prevalente nas fontes históricas da arte do que a das mulheres, possivelmente porque a idéia de um homem sem roupa era considerada humorística em oposição à obscena. Havia dois itens comuns de roupas íntimas na idade média: braies e sob túnicas. Se quisermos pensar no que os homens vestem hoje em dia, eles podem ser comparados às camisetas e boxers modernas.

Um undertunic do estilo do século XIV dobrado em braies. Braies medievais para homens de ArmStreet.

As roupas de baixo e as camisas dos homens modernos geralmente são feitas de uma mistura de algodão ou algodão / poliéster e são elásticas para permitir que elas se ajustem à forma do corpo e não sejam visíveis sob a roupa exterior. As roupas íntimas medievais eram um pouco diferentes – embora elas não fossem visíveis, não era um insulto parecer espreitando em lugares que suas roupas externas não cobrem. As túnicas eram longas e onduladas, às vezes até o chão ou o joelho, dependendo do comprimento das roupas externas. Geralmente, as túnicas eram geralmente colocadas nas roupas íntimas de um homem.

Na Idade Média, calças como as conhecemos hoje não estavam na moda.  As interpretações modernas de trajes costumam considerar as calças da Idade Média como “calças justas”, mas na verdade eram feitas de duas peças de tecido separadas e não se tornaram um item singular que se assemelha a “calças” até o final do século XV. Em vez disso, os homens usavam meias compridas e ajustadas que iam dos pés aos quadris e criavam uma aparência geral semelhante às calças justas. Eles estavam amarrados na cintura para amarrar as cuecas (roupas íntimas) ou a um cinto de pano separado, usado sob as roupas. Devido à natureza dessas “calças”, os braiestinha alguns desenhos diferentes, variando de cuecas boxer curtas e semelhantes a longas e penduradas frouxamente sob o joelho em montes ondulados de tecido. Alguns dos exemplos mais famosos podem ser encontrados na Bíblia Maciejowski (Bíblia Morgan), que apresenta um número de homens sem roupa, dando-nos uma maior compreensão do que o homem comum na idade média usaria sob sua roupa.

Homens em um pátio vestindo Braies medievais, da Bíblia Maciejowski

Então, a roupa íntima masculina era um pouco mais volumosa, mas não tão diferente da atual. O que aconteceu antes para as mulheres, antes da cintura apertada e das roupas íntimas estruturadas? É uma resposta bastante simples: gloriosa falta de forma. Nos dias de hoje, a mulher pode optar por atingir sua figura preferida através de roupas íntimas ajustadas, mas as roupas íntimas iniciais eram mais propensas a ser apenas um vestido de linho folgado. As imagens de referência de mulheres em roupas íntimas na Idade Média são poucas (é mais provável que sejam retratadas como completamente nuas ou totalmente vestidas), mas esse vestido largo é o mais comumente observado. Essa peça era frequentemente chamada de “bata” ou “camisa” e era a roupa mais comum para mulheres há mais de 500 anos, desde o início do período medieval até o Renascimento.

Uma reconstrução moderna de uma camisa do século XIV pelo fabricante de roupas ArmStreet.

Alguns designs e materiais diferentes podem ser observados com a camisa, sendo o material mais comum o linho. Os civis mais pobres podem usar roupas de baixo feitas de tecido de cânhamo, enquanto as mulheres nobres são conhecidas por usar avental de seda. As roupas de baixo sempre foram descritas em manuscritos como sendo brancas ou esbranquiçadas, feitas de tecido opaco ou de material mais transparente e transparente (que provavelmente era de linho ou seda muito, muito fino). Alguns vestidos, como os usados ​​pelo coloquialmente conhecido “Bohemian Bathhouse Babes” na Bíblia Wenceslas, usam vestidos com cintas de espaguete com um torso mais ajustado que parece fornecer algum suporte comparável ao sutiã moderno.

O conhecido “Bohemian Bathhouse Babes” da Bíblia de Wenceslaus IV

Com roupas tão folgadas, é fácil supor que a moda do dia deve ter sido de silhuetas semelhantes, mas esse não foi o caso! Particularmente nos séculos XIV e XV, a moda parecia favorecer o ajuste apertado sobre os vestidos de lã de seda, exibindo um peito apertado e cintura justa, brilhando em uma saia reta e cheia. Um exemplo pode ser retirado do Livro da Cidade das Senhoras (1405), onde podemos ver mulheres usando vestidos lisonjeiros e contornados.

O Livro da Cidade das Senhoras – século XV

Você também pode estar se perguntando o que as mulheres fizeram por roupas íntimas na parte inferior do corpo. A resposta para isso é… ninguém sabe! Não há fontes históricas confiáveis ​​sobre o assunto, e é uma conclusão comum que as mulheres não usavam cuecas de nenhuma variedade. Se o fizeram, podemos assumir que eles eram semelhantes aos dos homens, parecendo pequenos shorts. Os pesquisadores tendem a discordar sobre esse assunto, e atualmente não há resposta definitiva para essa pergunta.

Nos tempos modernos, pode parecer contraproducente usar uma camisa solta e ondulada sob uma roupa apertada, mas a roupa de baixo era usada para mais do que apenas apoio na Idade Média. Também fornecia uma camada extra vital de calor e protegia a pele sensível das roupas externas de lã com coceira. Também protegeu roupas caras do suor e de outros desgastes, prolongando sua vida útil e exigindo muito menos lavagem, o que era especialmente importante em materiais delicados, como a seda.

Toda vez que fazemos uma descoberta histórica, aprendemos cada vez mais sobre a vida cotidiana na Idade Média. Há apenas alguns anos, descobrimos uma série de roupas íntimas do século XV que se assemelham a sutiãs , mudando completamente nossa perspectiva sobre roupas íntimas históricas. Assuntos domésticos, como roupas íntimas, podem parecer banais, mas entender coisas assim ajuda a aprofundar nosso conhecimento do passado e a entender quem nos tornamos hoje. É fácil esquecer que os itens que são frequentemente negligenciados e subvalorizados são os mais essenciais.

Refletindo sobre tudo, fica claro que o verdadeiro uso utilitário de roupas íntimas realmente não mudou muito nos últimos 700 anos. No entanto, não se pode deixar de notar que, enquanto as roupas íntimas medievais eram largas e largas, as roupas íntimas modernas parecem estar ficando cada vez menores. Sem mencionar que roupas íntimas e tiras parecem ter saído de moda há alguns anos, reservadas para serem usadas apenas com o mais puro dos vestidos. Há muito a dizer sobre a diferença nos padrões de beleza da Idade Média até hoje – mas talvez eu guarde isso em outro momento. Espero que este artigo tenha trazido alguma clareza à questão da roupa íntima e tenha despertado interesse no que normalmente permanece oculto – depois de tudo isso, é apenas uma breve visão geral, há muito mais a ser descoberto!

Nossos agradecimentos a Madeleine Colvin e Mykhaylo “Miha” Skorobogatov, da ArmStreet, por este artigo. A ArmStreet é uma empresa internacional com escritórios nos EUA, Austrália e Ucrânia. Sediada em Milwaukee, WI, EUA, foi fundada como uma cooperativa de vários mestres e designers de jogos LARP, e agora é líder mundial em trajes medievais de alta qualidade. Clique aqui para visitar o site deles . Você também pode gostar deles no Facebook ou segui-los no Twitter @armstreet .v

Filosofia,Literatura,Blog do Mesquita 05

Górgias de Leontinos – o pai da retórica

Górgias (480/378 a.C.) nasceu em na colônia grega de Leotinos, na Sicília e teria vivido mais de cem anos e morrido na cidade de Larissa. Visitou Atenas como embaixador em 427 e impressionou os seus habitantes pela sua capacidade retórica. Foi grande viajante, tendo visitado todas as outras cidades importantes da Grécia. Sua posição na história da Filosofia situa-se após os pré-socráticos, sendo considerado um dos mais importantes representantes dos sofistas juntamente com Protágoras.

Foi chamado de “o pai da sofística” por suas contribuições à retórica. Originalmente, a retórica era voltada para a persuasão, porém, acabou sendo associada à arte de falar com competência e efetividade. Para Górgias, não importa quem está “com a razão” ou “ao lado da verdade”, mas sim quem domina a retórica. Este sim terá razão, pois a “verdade” não existe. Os sofistas eram famosos pela habilidade retórica, e foi justamente essa a oposição de Sócrates a eles.

É atribuído a Górgias a introdução da retórica em Atenas, fato que contribuiu para as críticas de Sócrates e também para boa parte da filosofia de Platão. A cidade onde Górgias nasceu, Leotinos, é também chamada de terra natal da retórica grega.

Escreveu várias obras, sendo as mais importantes:

  • Sobre a natureza ou o não-ser,
  • A arte retóricaDefesa de Palamedes,
  • Elogio de Helena e
  • Elogio da cidade de Eléia

Górgias excedeu o relativismo de Protágoras em direção ao niilismo. Este niilismo foi elaborado na forma de uma crítica contundente às doutrinas da escola eleática, mais especificamente à Parmênides. Talvez essa tenha sido sua grande contribuição à Filosofia.

Parmênides formulou uma teoria na qual o ser é imutável e única realidade, daí a famosa frase deste filósofo: “O ser é, o não ser não é”.  No escrito que se intitulava, “Sobre o não-ser”, Górgias procurou desmontar as principais teses do eleatismo de Parmênides e seus seguidores, principalmente combatendo a doutrina de que há um vínculo necessário entre o ser e o pensar.

Aqui estamos falando do ser como essência imutável das coisas; aquela que se pode atingir através do pensamento e da razão. Para Górgias não há o ser, muito menos uma essência que se perceba através do pensamento, portanto, não existiria um vínculo entre ser e pensar, muito menos uma verdade imutável. Segundo Górgias:

  • não existe o ser;
  • mesmo que existisse não seria compreensível;
  • mesmo que fosse compreensível não seria comunicável aos outros.

Com isso, ele tenta excluir a possibilidade de uma verdade absoluta, objetiva e definitiva com base em uma suposta correspondência entre o ser e o pensar, pois não há verdade racional sobre o inexistente, sobre o que é incognoscível e sobre o que é inexprimível.

As três teses fundamentais de Górgias

O ser não existe: Esta tese é defendida mediante a utilização da técnica argumentativa empregada pelos representantes do eletatismo. Parmênides declarou que o devir e a multiplicidade são contraditórios e, portanto, ilusórios, concluindo que a realidade é uma ilusão e apenas o ser é verdadeiro e existe. Górgias, por sua vez, procurou demonstrar que qualquer posição a respeito do ser também é contraditória e, portanto, ilusória.

ser é incognoscível: Aqui Górgias combate o suposto laço necessário entre o ser e o pensamento. Parmênides afirmou que a referência do pensar é o ser e que este é sempre inteligível. Górgias procurou mostrar que estas afirmações não se sustentam, pois pode haver pensamento sobre o que não existe, como uma baleia voadora. Se a referência do pensamento é sempre o ser, todos os seus conteúdos deveriam corresponder a coisas existentes, o que não se verifica. Portanto, o pensamento não é garantia de verdade ou realidade.

O ser é inexprimível: Parmênides, além de ter afirmado a identidade entre o ser e o pensar, afirmou também a identidade dos dois com o dizer. Definir significa dizer o que é, sendo impossível definir o que não é. Górgias não aceita que a palavra tenha por si só o poder de significar ou mostrar o que é a realidade. Há um divórcio entre a palavra e o ser, pois aquele que diz algo não é capaz de transmitir uma experiência ou a realidade de algo que não foi experimentado pelo seu interlocutor. Por exemplo, a mera repetição da palavra “vermelho” para um cego de nascença, jamais terá o poder de transmitir o que é realmente o vermelho. Por outro lado, as coisas não são as próprias palavras e mesmo entre indivíduos saudáveis não se pode ter a certeza de que a palavra “vermelho” é representada da mesma maneira.

Górgias e as possibilidades da retórica

Com a separação entre o pensar, o ser e o dizer, Górgias abriu para a retórica infinitas possibilidades, pois não há uma realidade objetiva, nem tampouco qualquer conhecimento absoluto ou qualquer discurso que possa pretender representar a realidade ou a verdade.

Consequentemente, a habilidade retórica torna-se praticamente absoluta. Não importam os fatos ou o que é certo ou errado, pois a retórica é capaz de tornar tudo relativo. Aquele que domina a retórica conseguirá sempre manipular as coisas em seu próprio favor. Falando mais claramente: a retórica também estaria a serviço da mentira e da enganação, fato que lhe rendeu má fama, contudo, isso não diminui a grande importância dessa habilidade. Tal é o tema principal do diálogo “Górgias”, de Platão, que busca atacar esta postura retórica e relativista como imoral.

Górgias gabava-se de poder convencer qualquer um de qualquer coisa e responder a qualquer pergunta, pois tudo será de acordo com a maior ou menor capacidade de persuasão do retórico. Diz-se que ele conquistou uma grande riqueza, chegando a encomendar uma estátua de ouro de si mesmo.

Referências Bibliográficas


  1. DUMONT, J. P. Elementos de história da filosofia antiga. Brasília: EdUnB, 2005
  2. HADOT, P. O que é a Filosofia antiga? São Paulo: Lisboa, 1999.
  3. REALE, G. História da filosofia antiga. São Paulo: Loyola, 1993