Globalismo,Mundo,História,Economia,Blog do Mesquita

Hoje na História – Calígula

No dia de hoje em 37dC, o senado Romano proclama Gaius Julius Caesar Augustus Germanicus, vulgo Calígula, Imperador.

“Sou o amanhecer do mundo e a última estrela que cai na noite. Assim como tomei a forma de Caius Calígula eu posso tomar a forma de qualquer um. Sou todos os homens e não sou nenhum. Portanto, sou um deus.”
Não imaginaria tal animalesca persona, que seus seguidores brotariam com ratos ao longo da história pelos tempos que viriam.

História e Cinema: A joia Mudéjar escondida no palácio da vida real ‘Citizen Kane’

Uma fundação descobriu que um teto coberto de uma igreja espanhola foi comprado pelo magnata americano William Randolph Hearst e colocado em sua biblioteca.

O excêntrico barão de jornais americanos William Randolph Hearst construiu uma vasta mansão na Califórnia em meados do século passado e a adornou com jóias arquitetônicas e artísticas de valor inestimável de todo o mundo.

Izaskun Villena, diretor técnico da Fundação de Restauração da Terra de Campos, e Marcos Pérez Maldonado, chefe de construção, apontam os restos do teto coberto no convento de Cuenca de Campos.R. G.

Essa foi a extensão da coleção acumulada pelo homem imortalizado no filme clássico de Orson Welles, Citizen Kane, que a arquiteta da mansão, Julia Morgan, não foi capaz de usá-la. Mas ela incorporou o teto em mudéjar que fazia parte de um convento em Cuenca de Campos, na comarca Tierra de Campos, na região espanhola de Castela e Leão, no noroeste da Espanha, como a Fundação de Restauração Tierra de Campos descobriu recentemente.

Mudéjar refere-se a um estilo de ornamentação desenvolvido a partir do século XII pelos mouros – ou mudéjar – que permaneceram no sul da Espanha, apesar da reconquista cristã.

Presidida pelo prefeito de Cuenca de Campos, Faustino González Miguel, a fundação foi criada em 2017, em uma tentativa de promover a atividade econômica, social e cultural da região. Em abril de 2018, adquiriu o convento de San Bernardino de Siena, usado por cinco séculos pela ordem das freiras das Clarissas que o herdaram de María Fernández de Velasco, membro de uma das mais poderosas famílias do Reino de Castela, conforme mostra na obra, em 1455.

Um dos primeiros projetos da fundação foi a restauração do convento. Por ser o único mosteiro daquele período construído em Castela e Leão, a fundação vinha tentando há anos evitá-la de cair em um estado irreversível.

Iniciado o trabalho, o chefe do processo de restauração, Marcos Pérez Maldonado, sugeriu a remoção dos cofres que permaneciam na área de alto coral, dada a deterioração das alvenarias ali e o custo extra de sua reforma. Sua remoção revelou os restos do antigo teto caixão, que foi deixado para trás porque levá-lo implicaria desmontar o telhado e enfraquecer as paredes, segundo Izaskun Villena, diretor técnico da fundação. Os restos atingem cerca de dois metros do antigo teto de madeira caixotada, que é relativamente bem preservado com os quadrados policromos e pequenos pedaços de azulejo claramente visíveis.

As freiras da Pobre Clara, que desembarcaram em tempos difíceis, decidiram vender o teto coberto em 1930 a um antiquário na província de Palencia. Graças às receitas da venda, as freiras conseguiram sobreviver na vila até março de 1967. Nesse momento, deixaram Cuenca de Campos levando consigo o retábulo, várias pinturas preciosas e a tumba de mármore do aristocrata que havia dado a ordem. o mosteiro no século XV. Mas para onde foi a maior parte do teto coberto? Os membros da fundação iniciaram sua própria investigação sobre o assunto.

O castelo de Hearst, na Califórnia, adornava a maior parte do teto do convento em Cuenca de Campos.GEORGE ROSE (GETTY)

Sua primeira pista veio do pediatra Alfredo Blanco del Val, que os colocou em contato com a professora de história María José Martínez Ruiz, autora de vários livros, incluindo um em co-autoria com o arquiteto José Miguel Merino de Cáceres, chamado A destruição do patrimônio artístico espanhol. . W. R. Hearst: “The Great Hoarder”, publicado por Cátedra em 2012.

Merino de Cáceres disse que suas pesquisas em bibliotecas e arquivos dos EUA vinculados ao Hearst levaram a um inventário de 83 tetos com caixilharia comprados pelo magnata. Uma delas foi adquirida em 20 de junho de 1930 pelo negociante de arte Arthur Byne, que pagou US $ 12.000 (10.800 €) por 372 metros de “teto e friso de Campos”. Bingo! Essa era a chave que a fundação procurava desvendar o mistério.

Os “Campos” aos quais Byne se referia eram mais do que provavelmente Cuenca de Campos. No inverno de 1930, Byne, que morreu em um acidente de trânsito na Espanha em 1935, disse a Hearst que o teto de “Campos” estava sendo enviado através do Atlântico, indicando que “pode ​​servir de material para vários telhados”, Merino. e Martínez explicam em seu livro. Julia Morgan parece ter usado parte desse teto coberto para decorar o teto da biblioteca em Hearst Castle.

O arquiteto Izaskun Villena, diretor da Fundação de Restauração da Terra de Campos, está convencido de que o teto é o mesmo. “Procurei imagens da sala na internet e encontrei elementos idênticos aos que são conservados na igreja de Cuenca de Campos. Um elemento definitivo que o identifica totalmente como tal é, por exemplo, o brasão da família Fernández de Velasco, que é claramente visível ”, explica ela. “É claro que descartamos a recuperação do teto coberto. Mas uma possibilidade é fazer uma réplica, aproveitando os workshops que organizamos na Fundação de Restauração da Terra de Campos ”, diz ela, acrescentando que novos membros e apoio econômico adicional são bem-vindos.

Globalismo,Mundo,História,Economia,Blog do Mesquita

Imagem e Comunidade: Representações de Santos Militares no Mediterrâneo Oriental Medieval

Imagem e Comunidade: Representações de Santos Militares no Mediterrâneo Oriental Medieval

Por Heather A. Badamo

Resumo: A devoção a santos militares floresceu no Egito e no Levante nos séculos XII e XIII, a era das Cruzadas. Durante este período de conquista e expansão, ícones de santos guerreiros foram feitos em grande número. Os criadores de imagens responderam às preocupações locais, descrevendo os santos como soldados ferozes: St. Mercurios podia ser visto matando um inimigo da fé, St. George realizando um milagre da salvação, ou St. Theodore brandindo uma espada. Os cultos floresceram em zonas fronteiriças, áreas contestadas de limites inconstantes, onde os santos guerreiros lutavam para se proteger contra aqueles que mantinham crenças rivais.

O foco desta dissertação, que se baseia em material visual e textual, é o culto aos santos guerreiros no Egito e no Levante, como praticado nas comunidades cristãs orientais que vivem sob o domínio muçulmano. Este estudo trabalha contra as geografias disciplinares tradicionais, considerando ícones do Egito, Levante e Bizâncio em suas inter-relações. No centro do projeto estão imagens em vários meios (pinturas de parede, pinturas em painel, fichas de peregrinação, ilustrações de manuscritos e selos), examinadas em relação a uma variedade de fontes textuais (paixões, relatos de milagres, homilias, hinos, epigramas). , geografias, apocalipses, livros sobre mosteiros, textos polêmicos, relatos de viajantes e crônicas).

Os capítulos quatro e cinco tratam o fenômeno da militarização como revelado em imagens e relatos de milagres. O capítulo seis oferece um estudo aprofundado de imagens e práticas religiosas no Levante, com foco em um conjunto de ícones no Mosteiro de Santa Catarina, no Sinai, e nas pinturas de parede em Deir Mar Musa, na Síria. Este capítulo revela a instabilidade de formas e significados iconográficos na área caracterizada pela mudança de fronteiras e populações. A dissertação termina com uma análise focada no extenso programa no mosteiro de Santo Antônio no Egito, que posiciona os mártires militares como os predecessores dos monges, travando batalhas espirituais. Este capítulo revela o papel das imagens sagradas no fortalecimento da fé e da coesão comunitária.

Clique aqui para ler esta tese da Universidade de Michigan

Imagem superior: Detalhe de um balão do século VI ou Sétimo, representando São Sérgio a cavalo, rodeado pela inscrição: “Bênção do Senhor de São Sérgio”. Imagem do Walters Art Museum

Design,Moda,Comportamento,Roupas,Vestuário,História,BlogdoMesquita

Negligenciadas e subvalorizadas: roupas íntimas na Idade Média

Por Madeleine Colvin

Apesar de ser uma das roupas mais importantes, a roupa íntima é a parte de roupas medievais que é frequentemente ignorada e inexplorada na ficção histórica e no figurino. Os trajes modernos e a moda parecem ter um fascínio pelos espartilhos e crinolinas da era vitoriana, mas têm pouco interesse no que veio antes. O que podemos dizer sobre esse elemento da moda, que tem sido negligenciado por muito tempo?

Embora os espartilhos possam estar relacionados a roupas de baixo modernas, como “spanx” e outras engenhocas de treinamento da cintura e modelagem do corpo, e quanto às roupas íntimas anteriores, elas são totalmente ignoráveis? E as roupas de baixo dos homens? Este artigo é uma breve visão geral de como era a cueca na Idade Média e como ela se compara ao que provavelmente usaremos hoje. Embora as roupas íntimas modernas pareçam estar em busca de diminuir e ficar menos visíveis a cada ano, na verdade ela teve grandes começos!

As roupas de baixo vitorianas e a silhueta com espartilho costumam ser o que vem à mente quando alguém pensa em roupas íntimas históricas … “Catálogo de moda ilustrado: verão de 1890” por Internet Archive Book Images, via Wikimedia Commons

A roupa de baixo dos homens é muito mais prevalente nas fontes históricas da arte do que a das mulheres, possivelmente porque a idéia de um homem sem roupa era considerada humorística em oposição à obscena. Havia dois itens comuns de roupas íntimas na idade média: braies e sob túnicas. Se quisermos pensar no que os homens vestem hoje em dia, eles podem ser comparados às camisetas e boxers modernas.

Um undertunic do estilo do século XIV dobrado em braies. Braies medievais para homens de ArmStreet.

As roupas de baixo e as camisas dos homens modernos geralmente são feitas de uma mistura de algodão ou algodão / poliéster e são elásticas para permitir que elas se ajustem à forma do corpo e não sejam visíveis sob a roupa exterior. As roupas íntimas medievais eram um pouco diferentes – embora elas não fossem visíveis, não era um insulto parecer espreitando em lugares que suas roupas externas não cobrem. As túnicas eram longas e onduladas, às vezes até o chão ou o joelho, dependendo do comprimento das roupas externas. Geralmente, as túnicas eram geralmente colocadas nas roupas íntimas de um homem.

Na Idade Média, calças como as conhecemos hoje não estavam na moda.  As interpretações modernas de trajes costumam considerar as calças da Idade Média como “calças justas”, mas na verdade eram feitas de duas peças de tecido separadas e não se tornaram um item singular que se assemelha a “calças” até o final do século XV. Em vez disso, os homens usavam meias compridas e ajustadas que iam dos pés aos quadris e criavam uma aparência geral semelhante às calças justas. Eles estavam amarrados na cintura para amarrar as cuecas (roupas íntimas) ou a um cinto de pano separado, usado sob as roupas. Devido à natureza dessas “calças”, os braiestinha alguns desenhos diferentes, variando de cuecas boxer curtas e semelhantes a longas e penduradas frouxamente sob o joelho em montes ondulados de tecido. Alguns dos exemplos mais famosos podem ser encontrados na Bíblia Maciejowski (Bíblia Morgan), que apresenta um número de homens sem roupa, dando-nos uma maior compreensão do que o homem comum na idade média usaria sob sua roupa.

Homens em um pátio vestindo Braies medievais, da Bíblia Maciejowski

Então, a roupa íntima masculina era um pouco mais volumosa, mas não tão diferente da atual. O que aconteceu antes para as mulheres, antes da cintura apertada e das roupas íntimas estruturadas? É uma resposta bastante simples: gloriosa falta de forma. Nos dias de hoje, a mulher pode optar por atingir sua figura preferida através de roupas íntimas ajustadas, mas as roupas íntimas iniciais eram mais propensas a ser apenas um vestido de linho folgado. As imagens de referência de mulheres em roupas íntimas na Idade Média são poucas (é mais provável que sejam retratadas como completamente nuas ou totalmente vestidas), mas esse vestido largo é o mais comumente observado. Essa peça era frequentemente chamada de “bata” ou “camisa” e era a roupa mais comum para mulheres há mais de 500 anos, desde o início do período medieval até o Renascimento.

Uma reconstrução moderna de uma camisa do século XIV pelo fabricante de roupas ArmStreet.

Alguns designs e materiais diferentes podem ser observados com a camisa, sendo o material mais comum o linho. Os civis mais pobres podem usar roupas de baixo feitas de tecido de cânhamo, enquanto as mulheres nobres são conhecidas por usar avental de seda. As roupas de baixo sempre foram descritas em manuscritos como sendo brancas ou esbranquiçadas, feitas de tecido opaco ou de material mais transparente e transparente (que provavelmente era de linho ou seda muito, muito fino). Alguns vestidos, como os usados ​​pelo coloquialmente conhecido “Bohemian Bathhouse Babes” na Bíblia Wenceslas, usam vestidos com cintas de espaguete com um torso mais ajustado que parece fornecer algum suporte comparável ao sutiã moderno.

O conhecido “Bohemian Bathhouse Babes” da Bíblia de Wenceslaus IV

Com roupas tão folgadas, é fácil supor que a moda do dia deve ter sido de silhuetas semelhantes, mas esse não foi o caso! Particularmente nos séculos XIV e XV, a moda parecia favorecer o ajuste apertado sobre os vestidos de lã de seda, exibindo um peito apertado e cintura justa, brilhando em uma saia reta e cheia. Um exemplo pode ser retirado do Livro da Cidade das Senhoras (1405), onde podemos ver mulheres usando vestidos lisonjeiros e contornados.

O Livro da Cidade das Senhoras – século XV

Você também pode estar se perguntando o que as mulheres fizeram por roupas íntimas na parte inferior do corpo. A resposta para isso é… ninguém sabe! Não há fontes históricas confiáveis ​​sobre o assunto, e é uma conclusão comum que as mulheres não usavam cuecas de nenhuma variedade. Se o fizeram, podemos assumir que eles eram semelhantes aos dos homens, parecendo pequenos shorts. Os pesquisadores tendem a discordar sobre esse assunto, e atualmente não há resposta definitiva para essa pergunta.

Nos tempos modernos, pode parecer contraproducente usar uma camisa solta e ondulada sob uma roupa apertada, mas a roupa de baixo era usada para mais do que apenas apoio na Idade Média. Também fornecia uma camada extra vital de calor e protegia a pele sensível das roupas externas de lã com coceira. Também protegeu roupas caras do suor e de outros desgastes, prolongando sua vida útil e exigindo muito menos lavagem, o que era especialmente importante em materiais delicados, como a seda.

Toda vez que fazemos uma descoberta histórica, aprendemos cada vez mais sobre a vida cotidiana na Idade Média. Há apenas alguns anos, descobrimos uma série de roupas íntimas do século XV que se assemelham a sutiãs , mudando completamente nossa perspectiva sobre roupas íntimas históricas. Assuntos domésticos, como roupas íntimas, podem parecer banais, mas entender coisas assim ajuda a aprofundar nosso conhecimento do passado e a entender quem nos tornamos hoje. É fácil esquecer que os itens que são frequentemente negligenciados e subvalorizados são os mais essenciais.

Refletindo sobre tudo, fica claro que o verdadeiro uso utilitário de roupas íntimas realmente não mudou muito nos últimos 700 anos. No entanto, não se pode deixar de notar que, enquanto as roupas íntimas medievais eram largas e largas, as roupas íntimas modernas parecem estar ficando cada vez menores. Sem mencionar que roupas íntimas e tiras parecem ter saído de moda há alguns anos, reservadas para serem usadas apenas com o mais puro dos vestidos. Há muito a dizer sobre a diferença nos padrões de beleza da Idade Média até hoje – mas talvez eu guarde isso em outro momento. Espero que este artigo tenha trazido alguma clareza à questão da roupa íntima e tenha despertado interesse no que normalmente permanece oculto – depois de tudo isso, é apenas uma breve visão geral, há muito mais a ser descoberto!

Nossos agradecimentos a Madeleine Colvin e Mykhaylo “Miha” Skorobogatov, da ArmStreet, por este artigo. A ArmStreet é uma empresa internacional com escritórios nos EUA, Austrália e Ucrânia. Sediada em Milwaukee, WI, EUA, foi fundada como uma cooperativa de vários mestres e designers de jogos LARP, e agora é líder mundial em trajes medievais de alta qualidade. Clique aqui para visitar o site deles . Você também pode gostar deles no Facebook ou segui-los no Twitter @armstreet .v

Filosofia,Literatura,Blog do Mesquita 05

Górgias de Leontinos – o pai da retórica

Górgias (480/378 a.C.) nasceu em na colônia grega de Leotinos, na Sicília e teria vivido mais de cem anos e morrido na cidade de Larissa. Visitou Atenas como embaixador em 427 e impressionou os seus habitantes pela sua capacidade retórica. Foi grande viajante, tendo visitado todas as outras cidades importantes da Grécia. Sua posição na história da Filosofia situa-se após os pré-socráticos, sendo considerado um dos mais importantes representantes dos sofistas juntamente com Protágoras.

Foi chamado de “o pai da sofística” por suas contribuições à retórica. Originalmente, a retórica era voltada para a persuasão, porém, acabou sendo associada à arte de falar com competência e efetividade. Para Górgias, não importa quem está “com a razão” ou “ao lado da verdade”, mas sim quem domina a retórica. Este sim terá razão, pois a “verdade” não existe. Os sofistas eram famosos pela habilidade retórica, e foi justamente essa a oposição de Sócrates a eles.

É atribuído a Górgias a introdução da retórica em Atenas, fato que contribuiu para as críticas de Sócrates e também para boa parte da filosofia de Platão. A cidade onde Górgias nasceu, Leotinos, é também chamada de terra natal da retórica grega.

Escreveu várias obras, sendo as mais importantes:

  • Sobre a natureza ou o não-ser,
  • A arte retóricaDefesa de Palamedes,
  • Elogio de Helena e
  • Elogio da cidade de Eléia

Górgias excedeu o relativismo de Protágoras em direção ao niilismo. Este niilismo foi elaborado na forma de uma crítica contundente às doutrinas da escola eleática, mais especificamente à Parmênides. Talvez essa tenha sido sua grande contribuição à Filosofia.

Parmênides formulou uma teoria na qual o ser é imutável e única realidade, daí a famosa frase deste filósofo: “O ser é, o não ser não é”.  No escrito que se intitulava, “Sobre o não-ser”, Górgias procurou desmontar as principais teses do eleatismo de Parmênides e seus seguidores, principalmente combatendo a doutrina de que há um vínculo necessário entre o ser e o pensar.

Aqui estamos falando do ser como essência imutável das coisas; aquela que se pode atingir através do pensamento e da razão. Para Górgias não há o ser, muito menos uma essência que se perceba através do pensamento, portanto, não existiria um vínculo entre ser e pensar, muito menos uma verdade imutável. Segundo Górgias:

  • não existe o ser;
  • mesmo que existisse não seria compreensível;
  • mesmo que fosse compreensível não seria comunicável aos outros.

Com isso, ele tenta excluir a possibilidade de uma verdade absoluta, objetiva e definitiva com base em uma suposta correspondência entre o ser e o pensar, pois não há verdade racional sobre o inexistente, sobre o que é incognoscível e sobre o que é inexprimível.

As três teses fundamentais de Górgias

O ser não existe: Esta tese é defendida mediante a utilização da técnica argumentativa empregada pelos representantes do eletatismo. Parmênides declarou que o devir e a multiplicidade são contraditórios e, portanto, ilusórios, concluindo que a realidade é uma ilusão e apenas o ser é verdadeiro e existe. Górgias, por sua vez, procurou demonstrar que qualquer posição a respeito do ser também é contraditória e, portanto, ilusória.

ser é incognoscível: Aqui Górgias combate o suposto laço necessário entre o ser e o pensamento. Parmênides afirmou que a referência do pensar é o ser e que este é sempre inteligível. Górgias procurou mostrar que estas afirmações não se sustentam, pois pode haver pensamento sobre o que não existe, como uma baleia voadora. Se a referência do pensamento é sempre o ser, todos os seus conteúdos deveriam corresponder a coisas existentes, o que não se verifica. Portanto, o pensamento não é garantia de verdade ou realidade.

O ser é inexprimível: Parmênides, além de ter afirmado a identidade entre o ser e o pensar, afirmou também a identidade dos dois com o dizer. Definir significa dizer o que é, sendo impossível definir o que não é. Górgias não aceita que a palavra tenha por si só o poder de significar ou mostrar o que é a realidade. Há um divórcio entre a palavra e o ser, pois aquele que diz algo não é capaz de transmitir uma experiência ou a realidade de algo que não foi experimentado pelo seu interlocutor. Por exemplo, a mera repetição da palavra “vermelho” para um cego de nascença, jamais terá o poder de transmitir o que é realmente o vermelho. Por outro lado, as coisas não são as próprias palavras e mesmo entre indivíduos saudáveis não se pode ter a certeza de que a palavra “vermelho” é representada da mesma maneira.

Górgias e as possibilidades da retórica

Com a separação entre o pensar, o ser e o dizer, Górgias abriu para a retórica infinitas possibilidades, pois não há uma realidade objetiva, nem tampouco qualquer conhecimento absoluto ou qualquer discurso que possa pretender representar a realidade ou a verdade.

Consequentemente, a habilidade retórica torna-se praticamente absoluta. Não importam os fatos ou o que é certo ou errado, pois a retórica é capaz de tornar tudo relativo. Aquele que domina a retórica conseguirá sempre manipular as coisas em seu próprio favor. Falando mais claramente: a retórica também estaria a serviço da mentira e da enganação, fato que lhe rendeu má fama, contudo, isso não diminui a grande importância dessa habilidade. Tal é o tema principal do diálogo “Górgias”, de Platão, que busca atacar esta postura retórica e relativista como imoral.

Górgias gabava-se de poder convencer qualquer um de qualquer coisa e responder a qualquer pergunta, pois tudo será de acordo com a maior ou menor capacidade de persuasão do retórico. Diz-se que ele conquistou uma grande riqueza, chegando a encomendar uma estátua de ouro de si mesmo.

Referências Bibliográficas


  1. DUMONT, J. P. Elementos de história da filosofia antiga. Brasília: EdUnB, 2005
  2. HADOT, P. O que é a Filosofia antiga? São Paulo: Lisboa, 1999.
  3. REALE, G. História da filosofia antiga. São Paulo: Loyola, 1993
Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Shakespeare a 17 mãos

‘Big data’ revela autoria mista em peças de ShakespeareBlog do Mesquita,Literatura,Teatro,Shakespeare

O célebre dramaturgo inglês recebeu ajuda para escrever 17 peças, inclusive de seu suposto arquirrival Christopher Marlowe; coautoria foi revelada em nova edição da obra do escritor inglês, baseada em pesquisa de dados complexos.

Ele pode ter sido o maior dramaturgo de todos os tempos, mas William Shakespeare (1564-1616) não trabalhou sozinho. Uma equipe internacional de pesquisadores concluiu que 17 de 44 obras do bardo de Stratford-upon-Avon resultaram de colaborações, informou a editora Oxford University Press.

Isso é mais que o dobro das oito de 39 peças que foram identificadas pela mesma editora, em 1986, como sendo de autoria mista.

Considerado desde o século 18 como sendo rival de Shakespeare, acredita-se agora que Christopher Marlowe (1564-1593) tenha sido coautor da trilogia sobre o rei Henrique 6°. Além disso, acredita-se que Thomas Middleton tenha adaptado a peça Tudo bem quando termina bem.

Desde janeiro de 2009, 23 especialistas de cinco países trabalharam na nova edição da obras de Shakespeare. A descoberta de que Marlowe não foi realmente um rival, mas um colaborador, pôs abaixo uma antiga crença sobre o relacionamento deles.

“Muitos acadêmicos suspeitavam disso desde o século 18, mas até bem recentemente, não tínhamos nenhuma maneira de comprovar isso de forma confiável”, declarou Gary Taylor, professor da Universidade da Flórida. “Agora podemos estar seguros que [Shakespeare e Marlowe] não só tiveram influências mútuas, mas também trabalharam juntos. Os rivais às vezes colaboram.”

Investigação

Segundo Taylor, a equipe de pesquisadores utilizou “big data” ou megadados – conjunto de dados muito grandes armazenados e analisados para otimizar tomadas de decisão – para realizar comparações precisas entre as obras de Shakespeare e alguns de seus contemporâneos. Essas bases de dados informatizadas somente ficaram disponíveis nas duas últimas décadas.

“Nós contamos quantas vezes determinadas palavras e frases apareceram nos textos de Shakespeare e outros autores de sua época. Esses padrões se revelaram bastante inconfundíveis”, explicou Gabriel Egan, da Universidade Montford em Leicester.

Ele disse que ainda não está claro como funcionava a cooperação entre os autores. É possível que Marlowe tenha escrito os textos e que Shakespeare os tenha editado posteriormente.

“Parte do que é interessante está na interação entre esses dois gênios bastante diferentes. É por isso que tais obras tocavam as pessoas como sendo diferentes de Shakespeare”, continuou Taylor, referindo-se à trilogia Henrique 6°.

“Podemos ver agora que essa diferença se deve a Marlowe, um escritor que era muito interessado em política, violência e no conflito religioso. Marlowe escreve sobre tais coisas num estilo diferente. Estas descobertas tornam essas peças mais interessantes, não menos”, acrescentou o professor da Universidade da Flórida.

Taylor afirmou ainda que a colaboração entre dramaturgos era algo inteiramente normal na época elisabetana e que nada apontava para um grande segredo ou conspiração em relação à cooperação entre Shakespeare e Marlowe. Em consequência, os nomes dos dois dramaturgos aparecerão agora juntos nos títulos de crédito das três partes da peça de teatro Henrique 6°.

CA/afp/dpa/lusa/dw

Capitalismo,Blog do Mesquita,Economia

O Capitalismo perdeu o bonde da história

Comecei 2019 decidido a me lançar em uma reflexão sobre um certo anacronismo contemporâneo: o modus operandi de boa parte das profissões, com suas burocracias, expedientes exaustivos, rotinas e procedimentos ancorados na maneira de pensar da sociedade industrial. É o que o sociólogo italiano Domenico de Masi chama de “cultural gap”, uma defasagem cultural — típica do capitalismo deste século 21 — em relação a um passado já quase remoto.

Passei alguns dias garimpando uma bibliografia e, depois de fuçar várias sinopses, resolvi iniciar o ano acompanhado do excelente “O imaterial — Conhecimento, valor e capital” (2003), do filósofo austro-francês André Gorz.

Uma ideia central do livro é a necessidade de repensar o capitalismo a partir do inegável protagonismo do conhecimento como principal força produtiva do sistema econômico. E quando fala em conhecimento, Gorz se refere àqueles que, com a informatização, tornaram-se ainda mais insubstituíveis: “o saber da experiência, o discernimento, a capacidade de coordenação, de auto-organização e de comunicação”.

Esse conjunto complexo de habilidades — que as empresas insistem em rotular de “motivação” — são fruto, na realidade, de uma meticuloso “investimento de si mesmo”, que está quase sempre desconectado do contexto corporativo. Uma vez que essa motivação, aliada a um componente comportamental, é a responsável pela criação de valor, o julgamento por parte dos chefes e dos clientes se torna um tanto mais subjetivo. Antes, diria Adam Smith, trabalho era trabalho e ponto final: bastava bater o ponto na hora certa. Hoje, não. O profissional precisa criar um nome, uma marca; investir na própria formação e no aperfeiçoamento.Pensem comigo: se “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin, ganhasse um reboot de Hollywood, o protagonista não estaria apertando parafusos loucamente em uma fábrica, mas preenchendo planilhas às 22h de uma sexta-feira, entre um gole e outro de Redbull, e estressadíssimo porque precisou faltar a aula do MBA. André Gorz diz que no lugar da exploração entra a “auto-exploração e a auto-comercialização do Eu/SA, que rendem lucros às grandes empresas, que são os clientes do auto-empresário”. BUM! Por essa nem Max Gehringer esperava!

E aí surgem os problemas: o trabalho deixou de ser mensurável segundo padrões e normas preestabelecidas. Nesse ponto, Gorz trava um diálogo com o cientista social Pierre Veltz, que afirma: “Não se sabe mais como definir as tarefas de maneira objetiva. O desempenho não é mais definido na relação com essas tarefas; ele tem a ver diretamente com as pessoas”. E o próprio André Gorz completa: “As qualidades impossíveis de demandar e que são esperadas são o discernimento, a capacidade de enfrentar o imprevisto, de identificar e resolver problemas”. Você pode protestar: “Mas e eu, que sou de Virgem, com ascendente em Escorpião? O máximo de imprevisto que consigo lidar é a tela azul do Windows 2000; vou saber enfrentar as broncas da empresa?”. Provavelmente sim, uma vez que esses conhecimentos tão valorizados são lastreados sobretudo na cultura do cotidiano, na habilidade de improvisar; enfim, em “capacidades expressivas e cooperativas que não se podem ensinar”. É uma bagagem cultural que se adquire em jogos, esportes em equipe, lutas, disputas, atividades musicais, teatrais etc.

Dessa forma, a dupla de filósofos Muriel Combes e Bernard Aspe vai defender que não são mais as pessoas que interiorizam a “cultura da empresa”, mas as empresas contemporâneas que vão buscar na vida cotidiana de cada um as vivências de que necessitam. Eles também apontam, por outro lado, o perigo de uma “mobilização total” das capacidades e disposições, ou seja, o hábito de ficar 24 horas à disposição do trabalho: “Não se concebe como uma economia do imaterial poderia funcionar sem submeter indivíduos a uma nova forma de servidão voluntária”. Uma possível resposta para essa demanda ilegítima é a recusa da imersão total no trabalho, muitas vezes investindo sua dignidade e sua capacidade em tarefas fora do âmbito corporativo. “São muitas as maneiras de salvar sua alma. Para subtrair uma parte de sua vida à aplicação integral no trabalho, os ‘trabalhadores do imaterial’ dão às atividades lúdicas, esportivas, culturais e associativas, nas quais a produção de si é a própria finalidade, uma importância que enfim ultrapassa a do trabalho”. (Agora você tem condições de entender aquele fenômeno editorial dos livros com mandalas para colorir).

O poderia ser feito, então, por parte das empresas? A resposta é do teórico Hervé Serieyx: “deve apostar na abundância, no aumento de atividades e de trocas multilaterais dos membros de seu pessoal, e não procurar dominá-los pretendendo seus desempenhos individuais. A sobrevivência da empresa num ambiente complexo depende dessa faculdade de auto-organização — de sua capacidade de promover o desenvolvimento da inteligência coletiva e individual”
Felipe Torres/Obvius

Fabrício Queiroz,Bolsonaro,Corrupção

É Froidi – Picles & Drops

O Poderoso Queiroz! Faltou novamente.
Será qual a cortina de fumaça que vão jogar agora?
Quarta foi a soltura de presos da segunda instância
Esse aprendeu direitinho a tática do atestado médico pra sumir de onde devia estar.
Caberia uma coletiva – “periculum mora” – , do segmento do MP diretamente envolvido, sobre o assunto. Ou não vem ao caso?
Queiroz está esperando o padrinho tomar posse e mexer os pauzinhos ou melhor as laranjinhas.Fabrício Queiroz,Bolsonaro,Corrupção

 


Infelizmente o país não mudará nunca. Enquanto as pessoas confundirem caráter com opção política, aqui não vai pra frente. Mau caráter tem em todos os lados e partidos infelizmente
Sabem o PM que deu 6 tiros no rosto de um trabalhador no Rio de Janeiro numa briga de trânsito?
Caso aconteceu na manhã desta quinta-feira na Avenida Brasil, em Bangu. O soldado Cleiton de Oliveira Guimarães foi preso na UPP Nova Brasília, onde foi trabalhar como se nada tivesse acontecido. Ele já tinha tentado matar outra pessoa no trânsito.
Na cabeça desse povo matar tá liberado porque nossa justiça mostrou que está morta.
Isso é só o fim.

Design – EscadasArquitetura,Escadas,Design,Blog do Mesquita 3


O brasileiro médio, de todas as classes sociais, emburreceu e alienou-se a tal ponto que boa parte agora defende que a solução contra a corrupção é mais corrupção, contra a violência a solução seria mais violência, contra o desemprego seria também mais desemprego. Haja burrice!


Tostão furado,Blog do MesquitaMajor Vaz? PC Farias? Celso Daniel?

Fabrício Queiroz – ou o que restou dele – faltou mais uma vez à convocação para prestar depoimento no MP-RJ.
Ele e o Adélio devem estar muito preocupados com o futuro.
Quando os “nominhos” sumirem do noticiário, as vidas desses dois não valerão um tostão furado.

Sem humor não dá pra agüentar o tranco nesse hospício.
Campanha #PosteUmFilmeComOQueiroz
Meus títulos. Mandem os seus!:
– Queiroz o oitavo passageiro
– A insustentável leveza do Queiroz
– Corra que o Queiroz vem ai
– Corra Queiroz. Corra
– Apertem o cinto o Queiroz sumiu
– Conduzindo Mrs. Micheque
– O poderoso Queiroz
– O Queiroz do Os
– Queiroz no País da Maravilha
– A Lista do Queiroz
– Queiroz da Arábia
– O labirinto de Queiroz
– Cidadão Queiroz
– Queiroz Gump o contador de estorias
– Queiroz o caçador de androides
– Queiroz Poppins
– Os treze Queiroz
– Fabrício Queiroz e a arca perdida
Blog do Mesquita,Língua


E o Queiroz? Hahaha. Simples, bobinhos.
Vai continuar escondido até que o Bolsonaro tome posse e sua equipe use de todos os meios que estiverem ao alcance deles pra abafar o caso.
Os eleitores que se diziam anticorrupção e se calam nesse episódio assinam seu atestado de cumplicidade, o que não é nenhuma surpresa.

A fábrica de biscoitos da Nabisco foi vendida para a Philippe Morris, por U$ 15 bilhões. Ou seja, a Embraer, maior fabricante de aviões do seu setor, foi vendida com toda a sua tecnologia por pouco mais de 1/3 do valor de uma fábrica de biscoitos. E você aí preocupado com a mamadeira erótica.Brasil,Cabeça pra baixo,Blog do Mesquita


Brasil da série “Só dói quando eu rio”Assessor,Fabrício Queiroz,Bolsonaro,Corrupção,Brasil,Humor,Nani,Blog do MesquitaNetflix – “A Livraria”.
Delicado, terno, amorosamente encantador, e surpreendente.
Põe a nu o secular hábito da burguesia em sufocar qualquer tentativa de liberdade por via da cultura. Ela, a lamacenta burguesia, manipula o poder para se manter no topo da pirâmide.

Brasil,Capitalismo,Blog do Mesquita


Durante a noite até há pouco, pesquisei todas as decisões liminares tomadas pelos Presidentes do STF, durante os períodos de recessos, entre 2006 e 2010. Irei pesquisar, agora no período 2007/2018. Em nenhum caso, um presidente modificou a decisão liminar do relator. Todos aguardaram o referendo do Pleno.


Arquitetura,Escadas,Design,Blog do Mesquita AArquitetura – Escadas


Não precisou nem um cabo e um soldado. Bastou um “presidente” que desconhece a CF e a jurisprudência do STF.
Uma juíza de primeira instância questionando a decisão de um ministro do Supremo.
O Brasil não é uma República.
É uma piada.


Jackson PollockAtes Plásticas,Pintura,Blog do Mesquita, Jackson Pollock

Sim, eu sou Chato, Comunista, Petralha e mais adjetivos desqualificativos infindos, mas… cadê a “*orra” do Queiroz?
Ex-assessor de Flávio Bolsonaro não comparece à depoimento.
O motorista Fabrício Queiroz está há semanas desaparecido.STF,Blog do Mesquita

Arquitetura – Portas e janelasArquitetura,Design,Portas,Janelas,Blog do Mesquita


Sempre existiram idiotas, a tecnologia apenas está dando palco a eles. Temos de usar a tecnologia para tentar mostrar que há mais coisas entre o céu e a terra que a cabeça desse olavo. Com minúscula mesmo.Tragédia, blog do Mesquita,Olavo de Carvalho


– No meu governo combaterei a corrupção e minha equipe só terá gente honesta.

– E fulano?
– Já se arrependeu
– Mas tem sicrano, que tá sendo investigado
– É só investigado
– Beltrano é réu
– Réu? eu também sou. O que não pode é condenado
– Ei, olhe, tem um condenado
– Mas não tá preso

FIM.


Submarino Riachuelo,Marinha do Brasil,Blog do Mesquita

É Froidi – Drops & Picles

Frase do dia
“Assim que a expressão de entrega se choca com bloqueios que impedem a sua livre expansão, transforma-se em raiva destruidora.”
Wilhelm ReichWilhelm Reich,Filosofia,Literatura


Mais estranho que o desaparecimento do motorista, é o desaparecimento da Polícia Federal, do Ministério Público e de todo Judiciário Brasileiro.
Logo aqui, no país da Lava Jato?


“Justiça acata pedido e agricultor deve ser solto após três meses preso por furtar biscoito”

Mas também quem mandou roubar um pacote de biscoito, cuja valor não era irrisório, né?Geddel,Corrupção,Brasil,Malas de Dinheiro,Blog do Mesquita,Justiça Geddel,Corrupção,Brasil,Malas de Dinheiro,Blog do Mesquita,Justiça

Da série de terror “Não irá sobrar nada”

Baleia encontrada morta com 40Kg de sacos plásticos no estômago.Meio Ambiente,Vida Selvagem,Baleia,Poluição,Oceanos,Plásticos,Blog do Mesquita

COAF…COAF…COAF
Cabaré em chamas.
Até a JanaLoka denunciou o esquema do Bozo Filho.
Flávio Bolsonaro contrata assessores e fica com parte dos salários deles.
Parece o governo cubano que ficava com parte do salário dos médicos.


Brasil da série “Sem humor não dá pra agüentar o tranco nesse hospício.”Bolsonaro,Motorista,Blog do Mesquita


Design – Portas e Janelas
Mosteiro de Batalha,Portugal
Arquitetura,Design,Blog do Mesquita,Mosteiro de Batalha,Portugal


Sinto dizer que goiabeira e a bolsa estupro, todos vinculados à ministra Damares, são cortina de fumaça para a corrupção dos Bolsonaros. E nós caímos mais uma vez. Robôs dos goiabas seguem pautando as redes.Bolsonaro,Brasil,COAF,Corrupção


Onde está o motorista Fabrício Bolsonaro Queiroz?Blog do Mesquita,Fabricio Queiroz,Motorista,Bolsonaro,Brasil,Corrupção


Cerimônia de Lançamento ao mar do Submarino Riachuelo, o primeiro de alta tecnologia fabricado no Brasil, nos estaleiros da Marinha Brasileira.

O nuclear, se “as forças ocultas não “atrapalharem”, em breve.Submarino Riachuelo,Marinha do Brasil,Blog do Mesquita
Bebê espantado,Blog do Mesquita

É Froidi – Drops & Picles

Da série “Meu ofício é incomodar”
Cadê o Queiroz?
Quem matou Mariele?
Cadê o esfaqueador?
Só chamando o Herculano QuintanilhaBola de Cristal,Blog do Mesquita,O Astro

Imagina você entrando nessa Catedral em Campinas e o padre com uma 12 do lado da Bíblia?
Uma mistura de Gunslinger com Priest!

Armas,Igreja,Blog do Mesquita

Fotografias,Animais,Cavalos,Blog do Mesquita 3


Vamos fazer as contas?
Fernanda Montenegro é atriz desde antes de 1951, e a Lei Rouanet foi criada em 1991.
Em 1991, ela já era um ícone da dramaturgia no país e conhecida mundialmente.
Como ela só ficou famosa por quê “mama” na Lei Rouanet?
A NASA precisa estudar os devotos da “famiglia”.


Chega!
Ela tem um livro: Jesus no pé de goiaba! Dá pra acreditar?
“Eu vi Jesus no pé de goiaba”, diz Damares Alves, futura ministra de Bolsonaro.


Ministra-pastora propõe relativizar o estupro, humanizar o estuprador e punir a mulher tonando o aborto crime hediondo. Uma inacreditável peça de violência contra a mulher em três atosFreira,Terror,Blog do Mesquita


Ontem foi o Dia Mundial do Palhaço, mas aqui no Bananil, o dia durará, no mínimo quatro anos.

Se abrir a porta para maluco, ninguém a fechará mais.
Reunião dessa turma dos parafuso solto. Olhem só o futuro ministro da Ciência e Tecnologia participando das reuniões do Gabinete de Transição do novo(?) governo, vestido de astronauta.Bolsonaro, Astronauta

O mais triste, desesperador, é que ainda tem muito espaço para piorar.
“Vamos tratar meninas como princesas e meninos como príncipes”, diz futura ministra –
A pastora Damares Alves defendeu o que chamou de uma contrarrevolução cultural. Cuma? Hahahaha.


Inacreditável: Alberto Fraga – bancada da bala, não se reelegeu e é “cliente” da Lava Jato – acaba de culpar a Rede Globo pelo atentado ocorrido em Campinas, em que um homem abriu fogo na catedral, matou quatro e cometeu suicídio. “Esse tipo de atitude deve-se à repercussão da Rede Globo de casos isolados dos EUA sendo repercutidos aqui”. “Quiuspa”!Brasil,Política,Humor


A xenofobia, a rejeição da pluralidade, a mentalidade paranoica em relação ao mundo exterior e a construção de bodes expiatórios se transformaram em tendência mundial. É preciso levar a sério a questão nacional, não deixá-la nas mãos dos extremistas. Também é necessário fortalecer a coesão coletiva


Fabrício Queiroz,Motorista,Bolsonaro


O Junior, “parça” do motorista desaparecido, Filhinho disse que ia invadir a Venezuela. Será que ele mantém a promessa? Se só com a Venezuela sozinha já não iria conseguir, imagine agora com a Rússia. Vai que é sua, Bozinho!Aviões,Bombardeiros,Rússia,Venezuela,Bolsonaro


Mais um.
Ricardo Salles gastou R$ 260 mil para propaganda eleitoral antecipada, diz MP
Procuradoria acusa novo ministro do Ambiente de abuso de poder econômico na eleição
Ricardo Salles gastou R$ 260 mil para propaganda eleitoral antecipada, diz MPBolsonaro,Brasil,COAF,Corrupção


Mudança no mundo das histórias infantis: sai “João e o Pé de Feijão”, entra “Jesus e o Pé de Goiaba”.
Mas é bom tomar cuidado. Depois de ouvir a versão contada pela tia Damares, a criança fica uma semana sem dormir.



Não escapa ninguém. Só tem ladrão. Tudo com rabo preso apontando o rabo preso dos outros.
PSC, PT e PSOL aparecem em relatório do Coaf.


Tem que ser interditada. Na frente da tia da goiabeira, Paschoal é um modelo de sanidade e equilíbrio emocional.

O garotinho do filme “Sexto Sentido”
– Eu acho que vejo gente morta!
Ministra do Bozó:
– Fica quieto moleque, eu vejo Jesus na goiabeira o tempo e, nem por isso fico dando bandeira, fica quieto senão internam a gente!

Meu pé de Laranja, Laranja.

Alguma notícia de como funciona o Programa Minha Laranja Minha Vida?
PF fazendo buscas nas casas dos envolvidos? Um Plantão da Globo mostrando PowerPoint? Algo?Laranjas,Corrupção,Lavagem de dinheiro,Blog do Mesquita