Oceanos,Poluição,Brasil,Nordeste,Óleo,Praias,Petróleo,Crimes Ambientais,BlogdoMesquita

A Maldição do Ouro Negro

Praia do Baixio, foz do Rio Inhambupe Município de Esplanada, Bahia. Foto: cedida cordialmente por Rosalvo de Oliveira Junior.

Existem pessoas que não acreditam na sorte. No mundo acadêmico, essa palavra sempre vem acompanhada de careta ou nariz torcido. Aos mais céticos sobre poder do acaso, existe uma história que gosto de contar. A história do petróleo.

Tudo começou durante a consolidação da vida no planeta Terra ainda primitivo, quando o mar estava transbordando de pequenos seres que se multiplicavam em um ritmo alucinante, mas também morriam muito rápido e, assim, afundavam até o leito do oceano, onde eram enterrados por sedimentos de argila antes mesmo de se decomporem. Agora imaginem quantos microrganismos são necessários, nesse processo, para formarem um galão de petróleo bruto?

No entanto, não basta enterrar uma quantidade absurda de organismos para que isso ocorra. É necessário que os falecidos seres estejam abaixo de mais de 2 mil metros de sedimentos para o processo começar, o que leva milhões de anos de movimentações do leito marinho, além da existência de certos tipos específicos de sedimentos que não são tão comuns.

A partir desse ponto, precisamos de condições muito específicas de calor e pressão para cozinhar esse material orgânico que vai se liquefazer e escoar por entre as fissuras e os poros das rochas.   E nada disso será suficiente se toda essa matéria orgânica não encontrar um grande reservatório entre as rochas que depois é lacrado por uma camada de sal ou xisto a quilômetros abaixo da superfície.

Mas existem lugares do planeta em que o óleo simplesmente aflora por entre o solo, principalmente no Oriente Médio, onde há registros da utilização do petróleo que remontam a 4.000 a.C. Os povos da Mesopotâmia, do Egito, da Pérsia e da Judeia já utilizavam seus derivados para pavimentação de estradas, calafetação de grandes construções, aquecimento e iluminação de casas, bem como lubrificantes e até laxativo. Os chineses já perfuravam poços, usando hastes de bambu, no mínimo em 347 a.C., ou seja, muito antes do primeiro poço perfurado nos EUA pelo aclamado Edwin Drake – que acabou ficando com a fama de inventar a indústria petrolífera em 1859 e iniciar uma nova era de industrialização, quando as pessoas do mundo ocidental ainda caçavam baleias para manterem suas lamparinas acesas enquanto liam estarrecidos “A Origem das espécies” de Charles Darwin, que havia sido publicado naquele mesmo ano.

A Febre do Ouro Negro

O petróleo bruto é constituído por diferentes hidrocarbonetos (compostos formados por carbono e hidrogênio) e pequenas quantidades de enxofre e nitrogênio.   Depois de extraído do solo e transportado para refinarias, ele é aquecido para que sejam separados os diversos componentes com pontos de ebulição distintos. A cada ponto do processo, surgem os chamados compostos petroquímicos, que são matéria prima para uma variedade infinita de produtos como fluídos de limpeza, pesticidas, fibras sintéticas usadas em roupas, tintas, medicamentos e o material polimérico que trouxe inúmeras facilidades à vida moderna e tornou-se fonte de um enorme problema ambiental: o plástico.

Enfeites de plástico invadem as casas nessas época do ano – alguns itens não duram uma temporada. Foto: Gualter Pedrini.

Geralmente, associamos o petróleo apenas a combustíveis para os mais diversos maquinários, do cortador de grama ao transatlântico.  Mas hoje, a nossa vida está fundamentada na posse de bens quase sempre fabricados a partir de polímeros derivados do petróleo, incluindo peças de carros elétricos, bicicletas e turbinas eólicas.

Com tantas finalidades, o consumo mundial de petróleo tem aumentado rapidamente desde 1950. Em 2010,  se contabilizava um consumo anual de 34 bilhões de barris – sendo que um barril contém 159 litros de petróleo – que, se colocados lado a lado, se estenderiam por cerca de 31 milhões de quilômetros. O suficiente para ir à Lua e voltar cerca de 40 vezes..

O petróleo é a forma mais amplamente utilizada de energia comercial. Junto com o gás natural e o carvão, representa mais de 80% da fonte de energia utilizada em todo mundo. São os chamados combustíveis fósseis, pois todos os três possuem origem da decomposição de compostos orgânicos antigos (fóssil).

Em 2019, a da demanda global de petróleo ainda sobe vertiginosamente, com destaque para o Oriente Médio, EUA, países da Ásia e China. Em paralelo, a oferta tem apresentado alta, com a expectativa de crescimento da extração financiada por países como EUA, Brasil, Noruega, Rússia, Canadá, Cazaquistão e Austrália. Novas tecnologias como a perfuração em águas profundas e o fracking, também conhecido como fraturamento hidráulico, permitiu a extração de petróleo e gás natural em lugares e em condições inimagináveis há 20 anos.

Mas esse padrão de consumo financiado por um constante incremento da exploração pode estar com seus dias contados. Fato é que o planeta Terra contém um suprimento finito de petróleo. Algum dia o fluxo de óleo cru atingirá seu ponto máximo, e a partir daí passará a diminuir. Alguns estudos no começo dos anos 2000 afirmavam que seria em 2016, outros apontam para 2040 e existem aqueles que dizem que já estamos vivenciando o pico. Seja como for, não sabemos se estamos próximos do limite.

Transito em São Paulo – Sábado pela manhã. Foto: Gualter Peldrini.

A dependência econômica mascarada de liberdade

Em um passado não tão distante, no começo da década de 1970, os EUA viviam uma economia totalmente dependente do petróleo, mas os poços texanos começavam a secar. Em 1973, os líderes árabes impuseram um embargo aos norte americanos, em retaliação ao apoio dado ao Estado de Israel naquele mesmo ano. Com a lei da oferta e da demanda, os postos tiveram que elevar o preço da gasolina e filas quilométricas de charmosos cadilacs esperando por reabastecimento impuseram uma dura lição ao país sobre a fragilidade da economia embasada em combustíveis fósseis.

Em 1978, a Revolução Iraniana comprometeu novamente as exportações de petróleo, promovendo a segunda crise naquela década. A nova alta dos preços incentivou o governo americano a buscar novas alternativas. Energia renovável? Não. A busca e exploração de novas jazidas no Alasca, no México e no mar do Norte.

A cada nova descoberta, o preço destes combustíveis cai ao ponto das grandes indústrias frearem a extração por um ou dois anos apenas para esperar a alta dos preços e voltar a explorar em maior intensidade. Tivemos algumas outras crises de fornecimento protagonizadas por países como Venezuela, Nigéria e Iraque, mas nada que tenha alterado o crescimento, ano após ano, da demanda dentro dos EUA, que segue como principal consumidor mundial, referente a um quarto do petróleo do planeta (algo em torno de 11 litros diários por pessoa), embora tenha apenas 5% da população mundial. O imposto médio sobre a gasolina é 5 vezes menor do que é praticado no Brasil, com um galão de gasolina custando menos que uma garrafa d’água, o que leva a maioria dos americanos a não se darem o trabalho de economizar.

Devemos reconhecer que a sorte do nosso planeta mudou drasticamente a partir do momento em que redescobrimos como extrair o ouro negro que emana de dentro da terra. Da extração ao consumo final, os combustíveis de origem fóssil resultam em vários impactos ambientais, como destruição do solo, emissões de gases do efeito estufa, poluição da água e ameaças à biodiversidade.

Se antes a justificativa para se abater focas e baleias era a extração de óleo para gerar luz e calor, hoje a busca por combustíveis fósseis não só mata incontáveis seres marinhos, como também destrói montanhas, rios e mares. Mais que uma ironia, os próprios combustíveis fósseis possibilitaram avanços científicos que acabaram nos mostrando que o nosso futuro depende da rápida substituição da nossa matriz energética.

Existe luz no fim do túnel?

Mesmo com tudo que já foi escrito sobre mudanças climáticas, o desafio realmente se resume ao triste fato de que os combustíveis fósseis são extremamente úteis, valiosos e importantes geopoliticamente, no entanto, combater o aquecimento global implicaria deixar a maior parte do petróleo sem ser extraída. Embora muitas vezes ouçamos mais sobre tecnologia verde, níveis de consumo ou crescimento populacional, deixar o combustível no subsolo é o cerne da questão. Afinal, para o clima global, não importa quantidade de energia renovável ou nuclear que usamos, nem a eficiência de nossos carros e nossas casas, nem quantas pessoas existem no planeta ou como administramos a economia. Para o clima, só importa o quanto de CO² estamos emitindo.

Se desistíssemos de todas as novas minas e jazidas com as quais as empresas estão gastando bilhões tentando acessar para novas extrações e apenas queimássemos as reservas de petróleo, carvão e gás que já foram descobertas até então, mesmo assim, as emissões atuais já consistiriam em quase 3 toneladas de dióxido de carbono. Ninguém pode dizer exatamente o quanto de aquecimento global isso causa, mas provavelmente já basta para arruinar todos os acordos mundiais do clima feitos até agora.

Nos últimos anos, os defensores da energia limpa estão cada vez mais empolgados com a queda dos preços da energia solar e eólica, na esperança de impulsionar uma revolução energética. Mas nada disso freou as emissões mundiais de CO².

Emissões de CO2 desde 1850 (vermelho); crescimento exponencial (azul); cortes para atingir a meta climática (pontilhada).

Graça às políticas e tecnologias verdes, as emissões vêm diminuindo na Europa, nos EUA e em muitos outros países. Turbinas eólicas e painéis solares são cada vez mais comuns, não apenas no ocidente, mas também na China, que hoje figura como uma dos maiores produtoras de placas solares. Então, por que a curva de emissão carbono não está mostrando nenhuma melhora?

Alguns podem querer culpar a crescente população. Porém, a velocidade do crescimento populacional caiu intensamente desde a década de 1960 e não acompanha há tempos o crescimento das emissões mundiais de carbono, que por sua vez não se abalou nem com o Protocolo de Kyoto, nem com as conferências do clima promovidas pela ONU. Por alguma razão, reduzir as emissões de carbono tem sido até agora como apertar um balão: os ganhos obtidos em um local foram cancelados por aumentos em outros lugares.

Para entender o que está errado, é necessário analisar o crescimento exponencial do consumo de combustíveis fosseis. Podemos comparar com a dívida do cartão de crédito de uma pessoa física, que cresce de forma parecida, pois os juros são aplicados em cima de mais juros. Nesse sentido, as emissões de carbono seguem a mesma tendência acelerada, impulsionada por um tipo semelhante de retroalimentação em loop, que está cancelando aparentes ganhos das medidas verdes.

A Revolução Industrial, que desencadeou o início da grande interferência do homem no clima do planeta, foi impulsionada por esse processo. O motor a vapor nos permitiu drenar as minas de carvão, fornecendo acesso a mais minério, o qual poderia alimentar mais motores a vapor, capazes de extrair ainda mais carvão. Isso nos levou a desenvolver novas tecnologias e materiais que eventualmente ajudaram na exploração do petróleo. Porém, o petróleo não substituiu o carvão, ele nos ajudou a extraí-lo de forma mais eficaz e propiciou o desenvolvimento de novas tecnologias, as quais estimularam a demanda de energia em geral. Portanto, o uso de carvão também aumentou o uso de petróleo, por sua vez, aumentou à medida que gás, energia nuclear e hidrelétrica entraram em operação, ajudando a era digital e que trouxe tecnologias mais avançadas capazes de abrir reservas de combustíveis fósseis em lugares antes inexploráveis.

De fato, embora nossos governos agora subsidiem fontes de energia limpa e incentivem a redução do consumo de energia, eles paradoxalmente continuam a prejudicar essas medidas ao extraírem o máximo possível de petróleo, carvão e gás do subsolo. Lembremos do caso dos EUA de Obama, que se orgulhava de que as emissões americanas estavam caindo devido aos padrões crescentes de eficiência automotiva e à substituição do gás de carvão por fontes mais limpas. No entanto, os americanos aumentaram a exportação de carvão para outros países como a China, que por sua vez o utiliza para produzir produtos para os mercados dos EUA.

Cobra caninana faz reconhecimento em carvoaria ilegal em área de Mata Atlântica.

Outro exemplo é a Austrália, no mesmo ano, que, por um lado, introduziu um imposto sobre o carbono e, por outro, começou a debater planos para uma série de “mega-minas”, as quais aumentariam enormemente suas exportações de carvão, ajudando a criar confiança entre as empresas que planejavam nada menos que 1.200 novas usinas de carvão. Até o Reino Unido, com suas metas de emissões mundiais, oferece incentivos fiscais para incentivar a exploração de petróleo e gás, o que tem aumentado sua pegada de carbono total. E não é só isso. Embora raramente seja comentado, a Grã-Bretanha, junto com outras nações supostamente verdes como a Alemanha, regularmente pedem à Arábia Saudita e aos outros países da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para que produzam mais petróleo e, assim, promovam uma queda nos preços, impulsionando suas economias.

O mundo parece ignorar o fato de que já existe muito mais combustível acessível do que pode ser queimado com segurança. Os gestores de fundos de pensão e outros investidores estão permitindo que as empresas de combustíveis fósseis gastem perto de US$ 1 milhão por ano para encontrar e explorar ainda mais reservas. Se e quando emergirmos dessa insanidade, a bolha de carbono estourará e esses investimentos serão tão tóxicos quanto o óleo que ainda invade a costa brasileira neste exato momento.

Como mudar esse quadro? Desde 2016, economistas e professores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) publicaram inúmeros trabalhos que provam que as reduções de custos em tecnologia, impulsionados pelos combustíveis fósseis nos levarão a continuar usando todo o petróleo, gás e carvão que pudermos, a menos que os governos criem novos impostos sobre as emissões de carbono.

“Se não adotarmos novas políticas, não deixaremos combustíveis fósseis no solo”, diz Christopher Knittel, economista de energia da MIT Sloan School of Management. “Precisamos de uma política como um imposto sobre carbono e colocar mais dinheiro em fontes renováveis”.

Para taxar as emissões de carbono, precisamos aceitar que quase tudo que envolva combustíveis fósseis para ser produzido ou utilizado precise ter seu valor de venda dez vezes maior do que é praticado atualmente. Principalmente se você mora nos EUA ou na China. Com um barril de petróleo custando US$ 40,00, fica difícil vender um carro elétrico com custos de US$ 325 quilowatt-hora, apenas para manter a bateria.  Por mais que se invista em novas tecnologias e fontes de energia renováveis, não tem como competir com a gasolina custando US$ 0,60 o litro nos EUA, onde o governo atualmente se nega até a discutir sobre mudanças climáticas. Resumindo, para diminuir as emissões de carbono, a gasolina precisa ficar muito mais cara para que as alternativas ecológicas se tornem viáveis e rentáveis.

Como último exemplo, vamos recordar dois momentos distintos que passamos em nosso País. Em maio de 2018, o Brasil parou diante da greve dos caminhoneiros que contestavam os constantes reajustes no valor dos combustíveis. Um ano e meio depois, ficamos estarrecidos com a nossa vulnerabilidade e o despreparo do nosso governo diante de toneladas de óleo cru que invadiram o litoral brasileiro. Infelizmente, estes dois fatos estão interligados e correlaciona-los é tão urgente quanto entender e aceitar que as mudanças são necessárias e que serão muito dolorosas e demandarão coragem que nenhum líder, de qualquer nação ou império jamais imaginou exercer. Muito menos nos dias atuais.


Gualter Pedrini
Professor Universitário, fotógrafo e mergulhador desde 1995. Fundador do Projeto Antrópica, que ajuda a divulgar ONGs e pesquisa científica em prol dos oceanos.


Referências para esse texto e leitura complementar1-       Sally M. Benson, John Deutch. Advancing Enhanced Oil Recovery as a Sequestration Asset. Joule, 2018; 2 (8): 1386 DOI: 10.1016/j.joule.2018.07.026

2-       Jones et al. Total amounts of oil produced over the history of the industry. International Journal of Oil Gas and Coal Technology, 2009; 2 (2): 199 DOI: 10.1504/IJOGCT.2009.024887

3-       Lakatos et al. Global oil demand and role of chemical EOR methods in the 21st century. International Journal of Oil Gas and Coal Technology, 2008; 1 (1/2): 46 DOI: 10.1504/IJOGCT.2008.016731

4-       McGlade, C., Ekins, P. The geographical distribution of fossil fuels unused when limiting global warming to 2 °C. Nature 517, 187–190 (2015) doi:10.1038/nature14016

5-       Covert, Thomas, Michael Greenstone, and Christopher R. Knittel. “Will We Ever Stop Using Fossil Fuels?” Journal of Economic Perspectives 30, no. 1 (February 2016): 117-138. © 2016 American Economic Association As Published http://dx.doi.org/10.1257/jep.30.1.117

6-       R B Jackson, P Friedlingstein, R M Andrew, J G Canadell, C Le Quéré, G P Peters. Persistent fossil fuel growth threatens the Paris Agreement and planetary health. Environmental Research Letters, 2019; 14 (12): 121001 DOI: 10.1088/1748-9326/ab57b3

7-       RB Jackson, C Le Quéré, RM Andrew, JG Canadell, JI Korsbakken, Z Liu, GP Peters e B Zheng. O crescimento global da energia está superando a descarbonização . Cartas de Pesquisa Ambiental , 2018 DOI: 10.1088 / 1748-9326 / af303

 

 

Natureza,Ambiente,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 00

R$ 7 trilhões por ano: os estudos que tentam calcular quanto a Amazônia, em pé, rende ao Brasil

Ocupando quase a metade do território brasileiro, a Amazônia é objeto de debates inflamados entre os que desejam protegê-la, conservá-la e ‘monetizá-la’

Quanto vale a Amazônia? Ou melhor, quanto custariam, para o Brasil, os serviços que ela nos oferece gratuitamente?

A Amazônia brasileira possui hoje 340 milhões de hectares de floresta ainda intacta. Ocupando quase a metade do território brasileiro, ela é objeto de debates inflamados entre os que desejam protegê-la, conservá-la e “monetizá-la”.

Em entrevista recente à BBC News Brasil, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que a Amazônia só será preservada se forem encontradas “soluções capitalistas” que deem dinamismo econômico para a floresta e gerem renda para os cerca de 20 milhões de brasileiros que habitam a região.

Seguindo essa lógica — a de que é preciso fazer a Amazônia “render” dentro do sistema capitalista —, economistas e ecólogos vêm, há algumas décadas, tentando calcular o valor monetário dos serviços que o meio ambiente oferece aos humanos.

Eles dizem que com isso querem, primeiro, abrir um diálogo com as várias correntes de pensamento usando uma linguagem que todos entendem: o cifrão. Segundo, querem mostrar que a natureza (e nesta reportagem, a floresta) não é um patrimônio “que está ali à toa, fazendo nada”. Já contribui muito para a economia do planeta.

Terceiro, os pesquisadores propõem que os estudos sirvam como ponto de partida para decisões futuras.

No caso da Amazônia, a ideia é que esses estudos auxiliem os brasileiros na busca de atividades econômicas sustentáveis baseadas em um conhecimento profundo do potencial da floresta. Para que ela renda ainda mais dólares — em pé.

Isso não é sonho mirabolante e já foi feito antes, eles argumentam. No auge do ciclo da borracha, a floresta contribuía com mais de um terço das exportações brasileiras e rivalizava com a lavoura do café no período — sem que uma árvore fosse derrubada.

Estudo mundial e estudo brasileiro

Muda de planta perto de pilhas de moedasDireito de imagem GETTY IMAGES
Alguns pesquisadores têm se especializado no cálculo, em dinheiro, dos serviços oferecidos pela natureza

Em particular, dois estudos revelam números surpreendentes sobre a contribuição financeira atual da Floresta Amazônica para o Brasil.

Um deles é o estudo global macroeconômico Changes in the Global Value of Ecosystem Services, liderado pelo americano Robert Constanza, professor da Crawford School of Public Policy da Universidade Nacional da Austrália e pioneiro em estudos de precificação dos serviços oferecidos pela natureza.

Publicado em 2014, esse estudo — que atualiza um trabalho anterior do especialista — calcula o valor de diferentes tipos de biomas, entre eles, as florestas tropicais. Segundo os cálculos, a Amazônia brasileira rende ao país (e ao mundo) cerca de US$ 1,83 trilhão (R$ 7,67 trilhões) por ano em valor bruto.

O segundo estudo, Valoração Espacialmente Explícita dos Serviços Ecossistêmicos da Floresta Amazônica Brasileira, publicado em novembro de 2018, foi liderado pelo modelador ambiental Britaldo Soares Filho, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e realizado em parceria com o Banco Mundial. A equipe, integrada por pesquisadores de várias universidades brasileiras, precificou, em valores líquidos, um pequeno número de serviços que a Amazônia oferece.

O estudo concluiu, por exemplo, que o valor somado de diferentes serviços pode chegar, em determinadas áreas, a US$ 737 (R$ 3 mil) por hectare por ano. Esse valor é muito superior à renda gerada pela pecuária de baixa produtividade praticada na Amazônia — cerca de US$ 40 (R$ 167) por hectare por ano, segundo os pesquisadores.

A BBC News Brasil contactou pesquisadores envolvidos nesses estudos. A seguir, vamos destacar alguns dos números encontrados.

US$ 1,83 trilhão por ano: contribuição anual da Amazônia

Robert Constanza iniciou suas pesquisas em precificação de serviços ecossistêmicos e praticamente criou, no final da década de 1990, uma nova disciplina, a Economia Ecológica.

O cientista não é pouco ambicioso. Em 1997, decidiu calcular o valor total dos serviços ecossistêmicos do planeta. Entre eles, regulação climática, gestão da água, controle da erosão, polinização, controle biológico, fornecimento de alimentos, combustíveis e fibras, serviços culturais e recreativos.

O valor obtido foi US$ 33 (R$ 138) trilhões (em 1997), atualizado, no estudo de 2014, para US$ 125 (R$ 524) trilhões por ano. Coloquemos esse número em contexto: em 1997, o PIB mundial era US$ 18 (R$ 75) trilhões; em 2014, US$ 80 (R$ 335) trilhões.

O trabalho de Constanza é polêmico e ele recebe críticas de todos os lados. Os economistas questionam suas metodologias. “Como é possível que a natureza valha mais do que o PIB mundial?”, perguntam.

Já os ecologistas dizem que o cálculo é inútil, porque a natureza não pode ser reduzida a cifrões. Sem ela, não haveria vida humana. Seu valor, portanto, tem de ser infinito, argumentam.

Mas o pesquisador se defende explicando que seus cálculos são apenas estimativas, cujo objetivo é permitir que países façam sua própria contabilidade. Que percebam que aquela área de floresta, de pântano ou de caatinga que aparentemente está inerte não é patrimômio parado.

Em uma palestra, um integrante da equipe de Constanza — o geógrafo Paul Sutton, da Universidade de Denver, nos Estados Unidos — explicou:

“Queremos que as pessoas tenham estimativas confiáveis dos benefícios que recebemos da natureza, e na moeda que todo mundo entende: o dólar.”

“Nós concordamos, a natureza é infinitamente valiosa. Mas não a tratamos como tal”, disse. “Estamos tratando a natureza como se o seu valor fosse zero.”

Precificando a polinização: metodologias

Foto próxima de abelha sobre flor, repleta de pólenDireito de imagem GETTY IMAGES
No cálculo de Constanza, o valor da polinização é o custo que é evitado quando as abelhas fazem esse serviço para nós, ‘gratuitamente’

Para fazer seus cálculos, a equipe de Constanza combinou múltiplos métodos e milhares de estudos publicados por cientistas de todo o mundo.

Para estimar o valor da polinização, por exemplo, o raciocínio foi o seguinte:

“Se tivéssemos de substituir a polinização feita pelas abelhas por trabalho humano, para polinizar manualmente a lavoura, o custo seria US$ 200 (R$ 838) bilhões por ano”, disse Sutton. Portanto, ele explicou, o valor da polinização é o custo que é evitado quando as abelhas fazem esse serviço para nós, gratuitamente.

Para calcular o valor de serviços como a produção de combustíveis e alimentos, a equipe simplesmente usou os valores de mercado desses serviços.

O efeito protetor dos manguezais de Fukushima

Manguezais, como os que estão sendo ameaçados pelo vazamento de óleo no Nordeste brasileiro, prestam serviços valiosíssimos. “Sabemos que os manguezais evitam que marés adentrem e destruam parte das cidades em dias de ressaca”, disse o professor de Ecologia Jean Paul Matzger, do Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo, USP, à BBC News Brasil.

“Para Constanza, a pergunta foi: qual seria o prejuízo que teríamos se não houvesse o manguezal?”. Para responder a essa pergunta, a equipe estudou o acidente na usina nuclear de Fukushima, no Japão, em 2011.

“Eles perceberam que o fato de você ter a proteção dos mangues dá uma super-segurança para as usinas. Havia situações com e sem mangue. Foi justamente assim (fazendo a comparação) que eles avaliaram o prejuízo que (que o vazamento das usinas) tiveram pela ausência do mangue.”

Em 2014, Robert Constanza revisou o valor dos manguezais.

“O valor dos mangues aumentou muito”, disse Metzger. “São US$ 194 mil (R$ 813 mil) por hectare ao ano.”

Já as florestas tropicais, segundo o estudo de Constanza, podem gerar benefícios estimados em US$ 5,4 mil (R$ 22,5 mil) por hectare/ano.

Estudo Brasileiro: Um mapa dos tesouros da Amazônia

Esteira com castanhas-do-pará e mãos de uma pessoa trabalhando manipulando-asDireito de imagem GETTY IMAGES
Estudo brasileiro inclui ganhos com produção de alimentos e matérias-primas da Amazônia

Mas o estudo de Constanza não leva em conta as especificidades de cada floresta tropical. Ele oferece apenas um valor médio global. E a Floresta Amazônica é única em vários aspectos. Por exemplo, ela é a mais biodiversa do planeta, segundo especialistas.

Entra em cena o estudo brasileiro, o mais importante desse tipo já feito no país, publicado na prestigiosa revista Nature Sustainability.

O Estudo Espacialmente Explícito de Valoração investiga exclusivamente a porção brasileira da Amazônia e precifica, com maior precisão, um número menor de serviços que ela oferece à economia do Brasil — produção de alimentos (castanha-do-pará), produção de matérias-primas (borracha e madeira sustentável), mitigação dos gases do efeito estufa (absorção e retenção do carbono) e regulação climática (produção de chuva e energia hidrelétrica). O estudo também mapeia a biodiversidade da Amazônia, embora sem precificá-la.

Segundo seus autores, a ideia era criar uma espécie de ferramenta, um mapa que ajudasse tomadores de decisão a desenhar políticas de preservação e uso sustentável dos recursos da floresta.

“O estudo avalia o potencial hoje da floresta de gerar valor econômico em termos líquidos”, disse à BBC News Brasil um de seus autores, o professor da UFMG Raoni Rajão, especialista em gestão ambiental e validação econômica.

Crucialmente, os vários gráficos e tabelas apontam as áreas em que as autoridades deveriam intervir com maior urgência para evitar a perda de valiosos serviços e produtos florestais que — os pesquisadores ressaltam — beneficiam toda sociedade.

Trata-se das áreas em que os serviços prestados podem alcançar o valor mais alto estimado, US$ 737 por hectare por ano.

Ou, fazendo o raciocínio inverso…

“O desmatamento nessas áreas pode gerar prejuízos de até US$ 737 por hectare por ano”, explicou Rajão.

Os pesquisadores explicam que, nessas regiões, os valores são altos porque, ali, vários serviços se combinam: produção de alimentos e de matérias-primas e também serviços indiretos, como regulação climática e absorção do carbono.

Segundo Rajão, essas são também as áreas sob maior risco de ocupação ilegal e desmatamento para a pecuária de baixa produtividade (a mais prevalente na Amazônia).

Isso não é coincidência, explicou. As terras mais valiosas identificadas são as áreas da Amazônia onde o acesso é mais fácil. Por serem de fácil acesso, são também as mais viáveis economicamente. Estamos falando de terras próximas de estradas, de rios e próximas de outras áreas já desmatadas.

Se é assim, então por que não sair abrindo estradas para aumentar a rentabilidade de toda a Amazônia? — você talvez esteja se perguntando.

Porque estradas atraem assentamentos ilegais e mais desmatamento, explicou o pesquisador. E isso pode ter consequências catastróficas para a Amazônia.

Funciona desta forma: a floresta tropical é capaz de gerar sua própria umidade. Mas a floresta desmatada e degradada produz menos umidade, pega fogo mais facilmente, perde a função de transportadora e retentora de umidade. Isso gera um efeito cascata que se alastra por toda a floresta, disse Rajão.

“Quando você degrada a floresta, você faz com que áreas que não foram desmatadas também se ressequem.”

“Então, se fizermos isso (se sairmos rasgando a floresta com estradas), chegaremos ao que os cientistas chamam de ‘tipping point’. Um limite de destruição após o qual a floresta inteira morre.”

US$ 737 (estudo brasileiro) X US$ 5.382 (estudo global)

Ilustração mostra o planeta, com destaque para porções verdesDireito de imagem GETTY IMAGES
Diferentes abordagens e métodos explicam resultados também distintos em estudos de precificação

De volta aos estudos de precificação, como explicar a discrepância tão grande entre os valores encontrados pelos dois estudos?

Nesse ponto, é preciso lembrar que o estudo de Robert Constanza estimou o valor somado de todos os serviços realizados por florestas tropicais.

O estudo brasileiro mediu apenas quatro serviços da Amazônia. Ficaram de fora, além da biodiversidade, serviços de recreação e turismo, retenção de nutrientes, proteção contra inundações, produção de alimentos pela pesca e benefícios à saúde, entre vários outros.

Outra diferença: o estudo global traz valores brutos, o brasileiro, valores líquidos.

E porque buscou valores precisos, o estudo brasileiro acabou trazendo resultados bastante conservadores, explicou Rajão. Tudo aquilo que não pôde ser comprovado na ponta do lápis acabou ficando fora da conta.

Ainda assim, colocado em contexto na realidade do Brasil, US$ 737 por hectare é um valor altíssimo, explicou o pesquisador. Ele usa os números da pecuária para efeito de comparação.

“Muitos acham que, se você tira a floresta e põe gado, o valor anual daquele hectare, que era zero, vai passar a fornecer, em média, US$ 40 por hectare”, disse.

“Porém ao considerar todos os serviços e produtos fornecidos pela floresta, vemos que, na verdade, teremos uma perda para sociedade de até U$S 700 (dependendo da área), já considerando o lucro com a pecuária. Acontece que, quanto mais próxima de estradas, e quanto mais ameaçada é a terra, maior é também seu valor potencial para a exploração de produtos madeireiros e não madeireiros — isso porque os custos de transporte são menores.”

Mudança de mentalidade

Nosso estudo informa sobre as alternativas, disse o especialista.

“Manter (a floresta) protegida produz para a economia até US$ 737 (R$ 3 mil) por hectare por ano. Se você põe pecuária, gerará em média apenas US$ 40 (R$ 167) por hectare ano.”

E oferece um “mapa da mina” da bioeconomia da Amazônia.

“Com isso, esperamos que os criadores de políticas públicas e o setor privado deixem de ver a floresta como um obstáculo para o desenvolvimento”, disse Rajão. “E que a vejam como uma infraestrutura verde crucial para o bem estar e crescimento econômico do país.”

Mineração e soja

Foto aérea mostra gado em área desmatada perto de Porto VelhoDireito de imagem REUTERS/BRUNO KELLY
Gado em área desmatada perto de Porto Velho; pesquisador diz que mais do que 80% de áreas convertidas na Amazônia são para a pecuária

Até agora, os valores encontrados pelo estudo foram comparados aos ganhos da pecuária na Amazônia. Mas por que fazer a comparação com a pecuária, e não com a mineração — atividade favorecida pelo governo?

“Mais do que 80% das áreas convertidas são para a pecuária, então a comparação é, sim, com a pecuária”, argumentou.

Segundo Rajão, o problema da mineração não é tanto a área minerada.

“Em teoria, (a mineração) poderia ser até um caminho para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. O problema é que, primeiro, você tem de construir uma estrada até lá. E a gente sabe que 90% do desmatamento acontece a menos de 5 km da estrada.”

“Então, só ao rasgar a floresta, você já gera toda uma dinâmica de desmatamento para pôr pecuária. E você também atrai muita população. Quando você constrói essas megaobras, atrai dezenas de trabalhadores e, depois que terminam a obra, parte deles continua ali. Essa é uma população que depois também vai desmatar. Vai comprar as áreas griladas para a pecuária e se fixar ali.”

Então não vale a pena desmatar para mineração e pecuária, dizem os cientistas. Mas e a soja?

“Grande parte das áreas desmatadas na Amazônia não tem condição de receber agricultura de maior valor, não tem favorabilidade climática. Chove demais, algumas são acidentadas, e os custos logísticos são tão altos que inviabilizam o negócio”, disse o pesquisador.

Os números da extração e coleta na Amazônia

O estudo de precificação da Amazônia brasileira foi feito ao longo de três anos e é assinado por 13 pesquisadores, a maioria do Brasil. A equipe foi a campo observar como os locais extraem seu sustento da floresta.

“Nosso estudo foi olhar valores concretos. O ribeirinho vai lá e vende a castanha. Quantas latas de castanha aquele hectare produz?”, explicou Rajão.

Os pesquisadores usaram o mesmo método para medir a produção de borracha e de madeira sustentável.

“Nossa equipe foi a diferentes Estados da Amazônia entrevistou produtores. Estimou custo de produção, receita, a produtividade daquela área específica de floresta. E ao cruzar esses valores com dados de outras áreas, estimamos o valor daquele hectare. Um trabalho que partiu da análise microeconômica do valor da floresta.”

De US$ 40 a US$ 200 por hectare por ano

Feitas as contas, o estudo mostra que, em certas regiões da floresta, um hectare gera ganhos anuais de até US$ 40 (R$ 167) para a produção de castanha do Pará e US$ 200 (R$ 838) para produção de madeireira sustentável.

Então a castanha rende US$ 40 por hectare por ano? À primeira vista, não parece muito. Mas quando se olha de perto, o valor cresce.

“Pequenos imóveis na Amazônia chegam a 400 hectares. Multiplicados por US$ 40, são US$ 16 mil, ou RS$ 66 mil por ano”, calculou Rajão. “Já são RS$ 5.500 líquidos, por mês, no bolso do produtor.”

Seis milhões de brasileiros tiram sustento da floresta

Mão segura ferramenta que tira seiva de árvoreDireito de imagem GETTY IMAGES
Pesquisa estia que 6 milhões de pessoas se beneficiam da extração sustentável de produtos da floresta como a borracha

A pesquisa revela também que 6 milhões de pessoas se beneficiam hoje da extração sustentável de alimentos e de matérias-primas da floresta.

“São populações ribeirinhas, populações tradicionais, indígenas e agricultores”, explicou Rajão. “Eles coletam castanha, borracha e açaí nas reservas extrativistas, como a (reserva) Chico Mendes, por exemplo.”

“O amazônida é aquele que vive da floresta, sabe do valor e não desmata”, continua Rajão. “Quem desmata são os forasteiros que entram ilegalmente.”

Mas ao ressaltar de maneira positiva a contribuição de atividades como a coleta de castanha para a economia do país, estariam os autores ignorando os altos níveis de pobreza e o baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos coletores de castanha?

“O IDH está ligado fortemente às políticas públicas”, respondeu Rajão. “Ele é baixo pois não há escolas, hospitais etc. Com o desmatamento para a pecuária, isso não muda”, argumentou.

“O extrativismo de alguns produtos — como a castanha, a madeira, o açaí — já é mais lucrativo do que a pecuária”, disse Rajão. Mas ele reconhece que nenhuma dessas atividades tira o produtor da pobreza. Isso, disse, requer outras medidas. “É necessário agregar valor, ou seja, em vez de vender o produto para um atravessador, é preciso organizar cadeias de valor onde a maior parte do lucro fica no local.”

Rajão disse que é preciso também modernizar a produção. Ele deu exemplos de como isso poderia ser feito: “Transformando a castanha bruta na descascada, que já está pronta para o consumo. Ou o açaí fruta na pasta congelada que consumimos aqui no Sudeste. E (é preciso) fazer isso já na floresta, com energia solar e tecnologias de baixa manutenção e custo”, disse.

“Esse conceito está na base do que chamamos de Amazonia 4.0. É a bioeconomia da Amaônia com aspectos da indústria 4.0. Mas para chegarmos nessa visão de longo prazo são necessários investimentos em ciência e tecnologia, além de um grande esforço de capacitação.”

O pesquisador lembra que, ao longo de sua história, a Floresta Amazônica já sustentou milhões de pessoas.

“Antes da colonização, havia 50 milhões de pessoas vivendo na Amazônia. O ecossistema tem uma capacidade incrível de sustentar vida. Mas quando você tira a floresta e põe capim, você diminui essa capacidade.”

Os rios voadores e a regulação climática

Até agora, falamos da renda direta que a floresta produz para o Brasil ao gerar alimentos e matérias-primas. Mas a equipe brasileira também mediu a renda que a floresta gera indiretamente ao prestar dois outros serviços: a absorção e retenção do carbono que produz o aquecimento global e a regulação do clima.

Tente traçar na sua mente um quadrilátero que vai de São Paulo até Buenos Aires, na Argentina, e de Cuiabá até a cordilheira dos Andes, pediu o respeitado climatologista brasileiro Antônio Nobre em uma palestra TED na internet.

Essa área, ele disse, gera 70% do PIB da América do Sul. E para fazer isso, depende dos chamados rios voadores que fluem da Amazônia transportando umidade.

Esses fluxos aéreos maciços de vapor de água que vêm de áreas tropicais do oceano Atlântico e são alimentados pela umidade que se evapora da Amazônia viajam mais de 3 mil km pela atmosfera levando chuvas e irrigando o sul do Brasil, Uruguai, Paraguai e norte da Argentina.

Os rios voadores são, portanto, vitais para a produção agrícola e a vida de milhões de pessoas na América Latina.

Pois quanto vale a regulação climática que a Amazônia faz para o Brasil — lembrando que os rios voadores também geram energia hidrelétrica para o país?

Essa foi mais uma pergunta que a equipe brasileira tentou responder, mas um serviço dessa magnitude não é fácil de precificar.

E de fato, no esforço de calcular valores líquidos, com precisão, nessa categoria de serviço o estudo brasileiro traz números que os próprios pesquisadores consideram conservadores.

Os mapas e gráficos revelam, no entanto, alguns dados importantes. Um deles diz respeito às chamadas “áreas sem destinação” da Amazônia brasileira:

Estamos falando de 62 milhões de hectares de floresta em áreas públicas que não tiveram seu uso definido pelo governo — por exemplo, não são reservas indígenas e não foram destinadas à conservação ou à reforma agrária. Por conta dessa indefinição, são áreas sob grande risco de ocupação ilegal e desmatamento para dar lugar à pecuária.

Rio em meio a floresta amazônia visto de cimaDireito de imagem GETTY IMAGES
Águas da Amazônia, seja na forma líquida ou no vapor que será transportado pelo continente, são recurso valioso que devem entrar na conta, segundo estudiosos

O estudo concluiu que a chuva gerada por esses 62 milhões de hectares contribui, anualmente, com US$ 422 milhões (R$ 1,77 bilhão) para a produção agropecuária. Isso equivale a 35% da renda líquida das lavouras de soja no Mato Grosso, principal estado produtor brasileiro.

Ou seja, se essas áreas forem desmatadas, o setor perderá mais de US$ 400 milhões (R$ 1,68 bilhão) por ano pela queda de produtividade resultante da diminuição nas chuvas.

Caso o desmatamento atinja áreas de uso sustentável, proteção integral, terras indígenas, não designadas, privadas e militares, as perdas para o setor podem alcançar US$ 763 milhões (R$ 3,2 bi) por ano.

Outra revelação importante: o desmatamento para a pecuária gerará perdas para os próprios pecuaristas. A redução nas chuvas associada ao desmatamento nas áreas citadas acima pode trazer perdas anuais de US$ 1,4 bilhão (R$ 5,8 bilhão) para a pecuária brasileira.

Quanto vale a biodiversidade da Floresta Amazônica?

Raoni Rajão e seus colegas não sabem quanto vale a biodiversidade da floresta. Mas o pesquisador explicou que há métodos para se fazer esse cálculo:

“Existem estudos que estimam o nível de desconhecimento. Olham o esforço de amostragem e o tanto de diversidade que foi descoberta. Aí, estimam a quantidade de espécies desconhecidas e, em cima disso, o valor econômico.”

Fazer isso na Amazônia ainda é um projeto futuro. Mas, para termos uma noção do valor da nossa biodiversidade, basta olharmos na outra direção, para a história do Brasil, disse Rajão.

A Segunda Revolução Industrial, que ocorreu entre meados dos séculos 19 e 20 — quando foram inventados o automóvel, o avião e o telefone —, não teria sido possível sem a borracha da Amazônia, disse o especialista.

“Para você ter equipamentos mecânicos, precisa de borracha, algo para amortecer. Você não conseguiria fazer um carro sem a borracha produzida sustentavelmente na Amazônia.”

No livro A luta pela borracha no Brasil: Um estudo em história ecológica, o historiador Dean Warren dá uma pista do valor econômico que a floresta já rendeu ao país:

“O comércio da borracha tornou-se um sustentáculo da economia brasileira. Em seu auge, proporcionou quase 40% das receitas de exportação, quase igualando o café em importância”, escreveu o historiador.

“Hoje, depois de desmatar uma área de quase cem milhões de hectares, a agropecuária na Amazônia contribui com menos de 10% da produção brasileira”, comparou Rajão.

Os anestésicos amazônicos que revolucionaram a medicina

Há milhares de anos, indígenas na Amazônia usam um conjunto de plantas que têm extratos venenosos para anestesiar a caça, contou Rajão.

“A flecha penetra na caça, o animal fica paralisado mas logo na sequência o veneno é processado, não envenena quem come a caça.”

As plantas, conhecidas como curare, deram origem aos poderosos anestésicos que transformaram a medicina.

“No século 20, cientistas da Universidade de Leipzig, na Alemanha, foram lá, roubaram esse conhecimento, isolaram o princípio ativo e isso contribuiu para a revolução anestesiológica.”

Quanto valeriam, em moeda de hoje, o ciclo da borracha e os anestésicos produzidos pelas plantas curare?

E qual seria o valor, para o Brasil e o mundo, de outras preciosidades ainda desconhecidas, ou quem sabe conhecidas e protegidas pelos povos tradicionais da floresta?

Esse preço, difícil de estimar, é o valor da biodiversidade da Amazônia.

Meio Ambiente,Oceanos,Vida Selvagem,Fauna,Flora,Crimes Ambientais,Petróleo,Óleo,Blog do Mesquita 01

O que se descobriu até agora sobre o óleo no Nordeste

Meio Ambiente,Oceanos,Vida Selvagem,Fauna,Flora,Crimes Ambientais,Petróleo,Óleo,Blog do Mesquita 01

Mancha de óleo na praia de Peroba, Alagoas

Enquanto o petróleo avança pelo litoral brasileiro e já pode chegar ao Sudeste, investigação se concentra em navio grego como provável origem do desastre. Entenda o que foi divulgado até agora e a extensão dos danos.

Desde o final de agosto, praias do Nordeste brasileiro vêm sendo atingidas por manchas de petróleo. Segundo uma ampla investigação da Polícia Federal, em parceria com a Marinha e outras instituições, o responsável é um navio de bandeira grega, que fugiu sem alertar sobre o vazamento, e o óleo é venezuelano.

O principal suspeito

O navio de bandeira grega Bouboulina é o principal suspeito de ser o responsável pelo vazamento do óleo nas praias do Nordeste, segundo afirmaram procuradores da República em representação encaminhada à Justiça Federal.

O Bouboulina atracou na Venezuela em 15 de julho, ficou ali por três dias, e continuou viagem rumo a Cingapura, pelo Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul. Foi no trajeto que ocorreu o vazamento

Segundo os investigadores, há fortes indícios de que a empresa Delta Tankers, o comandante do navio e tripulação deixaram de comunicar às autoridades competentes sobre o vazamento no Atlântico.

A Grécia é líder global em transporte de petróleo, com 24% do mercado mundial, segundo relatório da agência das Nações Unidas sobre comércio e desenvolvimento.

O Ministério Público Federal (MPF) afirmou, em comunicado, que a embarcação investigada pela PF ficou quatro dias retida nos Estados Unidos devido a “incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga do mar”.

O marco zero

Os investigadores da PF dizem terem conseguido achar a localização da mancha inicial de petróleo em águas internacionais, a aproximadamente 700 quilômetros da costa brasileira.

A partir da localização da mancha inicial – o derramamento teria ocorrido entre os dias 28 e 29 de julho – foi possível identificar o único navio petroleiro que navegou pela área suspeita.

Por meio do uso de técnicas de geointeligência e cálculos oceanográficos regressivos, chegou-se então ao navio de bandeira grega.

Selo venezuelano

A Marinha disse ainda que o óleo coletado nas praias do litoral nordestino foi submetido a análises em laboratórios que comprovaram ser originário de campos petrolíferos da Venezuela.

Estudos feitos pela Petrobras e pela Universidade Federal da Bahia já haviam apontado que o óleo que chegou à costa do Nordeste foi produzido na Venezuela.

Extensão dos danos

O último boletim do Ibama, da quinta-feira última, indica que 286 locais em 98 cidades do Nordeste foram atingidos pelas manchas de óleo.

Um terço das mais de 280 localidades atingidas chegaram a ser limpas, mas viram a poluição retornar ao menos uma vez. Ao todo, 83 praias e outras localidades tiveram a reincidência da contaminação, segundo um levantamento do portal G1.

O Instituto de Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) diz que o óleo pode chegar aos estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro. O órgão foi acionado pelo comitê de crise do governo federal e atua para detectar movimentação do óleo no mar.

Um relatório entregue na sexta-feira ao comitê de crise aponta que as manchas podem estar “represadas” em alto mar e sendo arrastadas por correntes marítimas, podendo se mover ainda por bastante tempo e chegar ao Sudeste, especificamente ao Espírito Santo e ao norte do Rio de Janeiro. A possibilidade de que as manchas avancem ainda mais em direção ao sul é tratada como remota, dadas as características geográficas da região, que oferecem uma espécie de proteção natural.

Risco para Abrolhos

As manchas de óleo de origem desconhecida que atingem o litoral do Nordeste começaram a aparecer na região de Abrolhos, que abriga o arquipélago homônimo, no sul da Bahia, e a maior biodiversidade marinha de todo o Atlântico Sul. Especialistas preveem uma catástrofe ambiental se o óleo chegar em grande quantidade até ali.

A ONG Conservação Internacional relata ter encontrado óleo, nesta semana, em Canavieiras, Belmonte e Santa Cruz de Cabrália, na região de Abrolhos, que engloba o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos e compreende os ecossistemas marinhos e costeiros entre a foz do Rio Jequitinhonha, em Canavieiras (BA), e do Rio Doce, em Linhares (ES), além dos bancos marinhos de Abrolhos e de Royal Charlotte.

Criado em 1983, o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos abriga as cinco ilhas do arquipélago e ainda não foi atingido pelas manchas de óleo. A área é rica em corais e o principal berçário de baleias jubarte da costa brasileira. O turismo e a pesca na região são fonte de renda para cerca de 100 mil pessoas.

Limpeza

No auge da crise, críticos apontaram que a população, os municípios e os estados das regiões afetadas estavam basicamente tendo que limpar sozinhos as praias, recifes e manguezais atingidos pelas manchas de óleo.

Segundo a Marinha, os estados de Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba estão com todas as suas praias limpas, e os esforços estão agora concentrados na limpeza de cinco praias de Alagoas (Maragogi, Japaratinga, Barra de São Miguel, Feliz Deserto e Coruripe) e de uma na Bahia (Moreré).

Até esta semana, haviam sido retiradas mais de 2 mil toneladas de resíduos de óleo das praias no Nordeste. No total, foram empregados mais de 3.100 militares, 19 navios e três helicópteros da Marinha, além de 5 mil militares do Exército e seis aeronaves da Força Aérea Brasileira.

Eles se somam a 140 servidores do Ibama, 40 do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e 440 funcionários da Petrobras, além de funcionários de órgãos estaduais e municipais.

Com o governo Bolsonaro criticado pela demora e falta de ações efetivas para conter o desastre ambiental no Nordeste, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles,chegou a insinuar, sem provas, que o Greenpeace, uma das principais ONGs ambientais do mundo, seria responsável pela situação.

Outra hipótese

A Marinha contesta categoricamente um estudo da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) que sugeriu que as manchas de petróleo podem ter origem em um grande vazamento abaixo da superfície do mar.

Um pesquisador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), vinculado à Ufal, apontou a identificação de um “enorme vazamento de óleo, em formato de meia lua, com 55 quilômetros de extensão e 6 quilômetros de largura, a uma distância de 54 quilômetros da costa do Nordeste”.

De acordo com a assessoria de imprensa da Marinha, não há tal registro de mancha de óleo na região ao sul da Bahia. Para a Marinha, a imagem de satélite pode ter mostrado uma nuvem espessa.

RPR/dw/ots

Meio Ambiente,Economia,Agricultura,Agrotóxico,Alimentos cópia

Parlamento da Áustria aprova banir o glifosato

Lei para proibir todos os usos do herbicida no país recebe apoio tanto de social-democratas quanto de liberais e populistas de direita. Produto desenvolvido pela Monsanto foi apontado como cancerígeno em estudos.    

Symbolbild: Monsanto RoundUp (Getty Images/AFP/J. Edelson)O Roundup, produto a base de glifosato desenvolvido pela Monsanto, empresa que hoje pertence à Bayer

A câmara baixa do Parlamento da Áustria aprovou nesta terça-feira (02/07) uma lei que proíbe todos os usos do herbicida glifosato. É a primeira vez que um país da União Europeia (UE) toma medidas tão fortes contra o produto químico devido a preocupações de que ele pode causar câncer.

Outros países da UE aprovaram apenas proibições parciais do glifosato, um produto desenvolvido pela Monsanto, que pertence à alemã Bayer.

“A evidência científica do efeito carcinogênico do veneno de plantas está aumentando. É nossa responsabilidade banir esse veneno do nosso meio ambiente”, disse a líder dos social-democratas da Áustria, Pamela Rendi-Wagner, em comunicado.

O Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), de extrema direita, e a legenda liberal Neos também apoiaram o projeto. Se o Conselho Federal (equivalente ao Senado) não levantar objeções, o que parece provável, o projeto vai se tornar lei assim que for sancionado pelo presidente da Áustria, Alexander Van der Bellen, um antigo líder dos verdes, que não têm assento no Parlamento.

O glifosato foi desenvolvido pela Monsanto sob a marca Roundup. Sua patente já expirou, e ele vem sendo comercializado em todo o mundo por dezenas de outros grupos químicos, incluindo Dow Agrosciences e a gigante alemã BASF.

Preocupações sobre seus riscos surgiram quando uma agência da Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu em 2015 que o herbicida é provavelmente cancerígeno. A Bayer, que adquiriu a Monsanto no ano passado, diz que estudos consideraram o glifosato seguro para uso humano.

A empresa enfrenta ações judiciais por causa de alegações de que o produto causa linfoma não Hodgkin (LNH), um tipo de câncer que tem origem nas células do sistema linfático.

Em maio, a Monsanto foi condenada a pagar 2 bilhões de dólares em indenizações, após um júri popular na Califórnia, nos Estados Unidos, considerar que um produto à base de glifosato causou câncer em um casal de idosos.

A Áustria tem a maior proporção de terras agrícolas orgânicas na União Europeia – cerca de 23%, muito acima da média da UE, de 7%, segundo dados do bloco para 2017 – e suas paisagens montanhosas são uma de suas maiores atrações turísticas.

A nova lei, contudo, não agradou a todos no país. O Ministério de Sustentabilidade e Turismo da Áustria, pasta que engloba agricultura e meio ambiente, disse acreditar que a proibição seria contrária à legislação da UE porque o glifosato é liberado para uso no bloco até dezembro de 2022.

O conservador Partido Popular Austríaco (ÖVP), que é tradicionalmente apoiado pelo setor agrário do país e que controlou o ministério por muitos anos, apresentou o mesmo argumento e se opôs à lei. “É puro populismo”, disse o deputado Klaus Lindinger, do ÖVP, sobre a legislação.

A Áustria é atualmente liderada por um governo provisório que administra o país até as eleições parlamentares previstas para setembro. Nos últimos meses, partidos políticos estão formando alianças para aprovar leis com forte apelo eleitoral antes do recesso parlamentar, que tem início nesta semana e deve durar até a eleição.

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA reafirmou em maio que o glifosato é um produto seguro. A Agência Europeia das Substâncias Químicas (ECHA, na sigla em inglês) e outros órgãos reguladores em várias partes do mundo também afirmaram ser improvável que o herbicida cause câncer em humanos.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso do glifosato, o agrotóxico mais utilizado no país, após uma reavaliação toxicóloga concluir que o produto não causa danos à saúde. Agora o órgão realiza uma consulta pública sobre o tema.

JPS/rtr/ots

Ambiente,AgroTóxicos,Meio Ambiente,Natureza,Poluição,Ecologia,Agricultura,Alimentos,Vida Selvagem,Crimes Ambientais,Fauna & Flora,Brasil

Por que o Brasil deveria se importar com a morte de abelhas

Ambiente,AgroTóxicos,Meio Ambiente,Natureza,Poluição,Ecologia,Agricultura,Alimentos,Vida Selvagem,Crimes Ambientais,Fauna & Flora,BrasilPaís enfrenta mortandade de colmeias em vários estados. Diminuição das espécies tem impactos na agricultura, meio ambiente e economia. Mas tema ainda é negligenciado.

A morte de abelhas não é um fenômeno recente: é observada por pesquisadores ao menos desde a década passada. No entanto, nos últimos meses, a mortandade alcançou números alarmantes no Brasil.

“A morte de abelhas não é só um risco para o Brasil, mas para o mundo todo. Quando se pensa em abelhas, se pensa em mel. O principal produto delas, porém, é a polinização”, afirma Fábia Pereira, pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na área de Apicultura.

Apenas nos últimos três meses, 500 milhões de abelhas foram encontradas mortas por apicultores no país, segundo um levantamento feito pela ONG Repórter Brasil em parceria com a Agência Pública. A grande maioria dos casos foi registrada no Rio Grande Sul, seguido por Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Além da morte em massa de colmeias em apiários, cinco espécies nativas de abelhas estão ameaçadas de extinção – três delas habitam a Mata Atlântica, uma o Cerrado e outra o pampa gaúcho. Não há dados, porém, sobre a mortandade em comunidades selvagens.

As abelhas são responsáveis pela polinização de cerca de 70% das plantas cultivadas para alimentação, principalmente frutas e verduras. Sua morte coloca em risco a agricultura e, consequentemente, a própria segurança alimentar. Sem elas, o ser humano enfrentaria uma mudança drástica na sua dieta, que ficaria restrita apenas a culturas autopolinizáveis, como feijão, arroz, soja, milho, batata e espécies de cereais.

Além da agricultura, as abelhas são ainda agentes fundamentais para a polinização de florestas nativas. Seu desaparecimento poderia desencadear a morte de ecossistemas inteiros. “Se o homem parasse de fazer qualquer outra intervenção ambiental, e as abelhas apenas sumissem, haveria um desaparecimento da mata correspondente a entre 30% e 90% do que temos hoje, provocando um processo de extinção em cadeia até chegar em nós que estamos no topo”, ressalta Pereira.

Essa mortandade tem ainda potencial para impactar a economia brasileira. O país é o oitavo produtor mundial de mel e, em 2017, as exportações totalizaram 121 milhões de dólares. A diminuição na produção diante da redução do número de colmeias resultaria numa queda nas vendas. Além disso, em caso de mortes causadas por agrotóxicos, resíduos destas substâncias possivelmente poderiam ser encontrados no mel, o que levaria compradores estrangeiros a rejeitarem o produto brasileiro.

“A exportação para a Europa é muito exigente, e qualquer resíduo é detectado. O mel que foi produzido nos últimos meses está contaminado. No exterior, ninguém vai querê-lo, e não há um mercado interno suficiente para a quantidade produzida. Isso vai desestimular a apicultura”, afirma o engenheiro agrônomo Aroni Sattler, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Números alarmantes

A morte de abelhas começou a chamar a atenção mundial a partir da identificação do Distúrbio do Colapso das Colônias (CCD), em 2006 nos Estados Unidos, quando um forte surto dizimou milhares de colmeias. Na Europa, fenômenos semelhantes estão sendo observados desde o fim da década de 1990. Pesquisadores descobriram que, além das doenças e da redução do habitat das espécies, os agrotóxicos são um dos fatores que desencadeia essa mortandade.

Além da toxicidade elevada de alguns defensivos agrícolas, contribui para esse cenário o uso incorreto destas substâncias. Elas são aplicadas durante o dia, quando as abelhas estão fora das colmeias, sem seguir parâmetros de segurança e sem comunicar apicultores para que possam deixar as caixas fechadas.

No atual caso brasileiro, pesticidas à base de neonicotinoides e de fipronil foram os principais agentes causadores das mortes. “O histórico da mortandades agudas que temos constatado deixa muito clara a sua relação com o uso de agrotóxicos”, ressalta Sattler, especialista em apicultura.

No Rio Grande do Sul, onde mais de 400 milhões de abelhas morreram só no primeiro trimestre, 80% das mortes foram causadas pelo fipronil, inseticida usado amplamente em lavouras de monoculturas, mas também em pequenas propriedades rurais. A substância é ainda muito popular no extermínio de formigas e em remédios veterinários para controle de insetos, como pulgas. Em Santa Catarina, resquícios do pesticida foram detectados em colmeias mortas entre o fim do ano passado e início deste.

“Precisamos começar a questionar o modelo agrícola atual. Os efeitos da expansão do monocultivo baseado em agrotóxicos estão comprovados. Os Estados Unidos tinham 6 milhões de colmeias na década de 1940, e hoje estão com cerca de 2,5 milhões”, destaca Sattler.

Pressão popular

Na Europa, a morte abelhas é há alguns anos um tema presente na mídia e na política. Em 2017, um estudo chamou atenção da opinião pública alemã ao revelar que as populações de insetos voadores haviam recuado 75% ao longo de 25 anos no país. A pesquisa desencadeou um debate sobre a questão.

Atualmente na Alemanha a iniciativa popular “Salvem as abelhas” quer forçar o governo da Baviera a buscar soluções para a diminuição da biodiversidade. A proposta prevê o incentivo à agricultura orgânica, proteção de matas ciliares, a ampliação da ligação de habitats naturais e o banimento de agrotóxicos.

A pressão popular e de ativistas ambientais foi fundamental para a União Europeia (UE) aprovar no ano passado a proibição de três substâncias neonicotinoides – clotianidina, imidacloprida e tiametoxam, que danificam o sistema nervoso central de insetos, como as abelhas. Já a França foi mais além e baniu cinco inseticidas desta categoria de derivados da nicotina.

Já o fipronil teve seu uso restrito na Europa. Proibida completamente na França desde 2004 e, posteriormente, em vários países europeus, a aplicação do pesticida na União Europeia foi limitada em 2013 a cultivos em estufas e de alho-poró, cebola, cebolinha e couve. A substância também é banida da indústria alimentícia do bloco, podendo ser usada apenas para combater pulgas, piolhos e carrapatos de animais domésticos.

A Europa patina, porém, ainda no banimento do glifosato, outro defensivo agrícola que, segundo uma pesquisa divulgada no ano passado, é prejudicial às abelhas.

Enquanto países europeus estão reavaliando e restringindo o uso de agrotóxicos, o Brasil nos últimos meses tem incentivado a liberação de defensivos agrícolas. Em relação às abelhas, o tema continua negligenciado, ainda mais diante do impacto que a extinção destas espécies pode ter.

“Apesar de todos os esforços, ainda não conseguimos sensibilizar suficientemente o público em geral e o próprio governo sobre a importância de trabalharmos na proteção das abelhas. Já foram realizados eventos sobre o assunto, reuniões explicando a importância das abelhas e com sugestões de políticas públicas, mas ainda precisamos avançar nas ações efetivas”, ressalta Pereira.

Satller tem opinião semelhante. “A situação é bastante grave, mas ainda dá para reverter”, afirma o pesquisador, que defende o questionamento do atual modelo do agronegócio no país e a restrição do uso indiscriminado de agrotóxicos.
DW