Bolsonaro e Guedes: a dupla do capitalismo da morte

Parabéns aos envolvidos! Bolsonaro e Guedes articulam congelamento das aposentadorias por dois anos e desvinculação do mínimo.

Sim o tempo reina; ele retomou sua brutal ditadura. E está-me empurrando, como se eu fosse um boi, com seu duplo aguilhão: “Vai, anda, burrico! Vai, sua, escravo! Vai, vive, maldito!” Charles Baudelaire

Como a taxação de livros pode afetar os mais pobres

Projeto de reforma tributária do governo Bolsonaro prevê o fim da isenção para livros e taxação de 12%. Além de agravar crise do mercado editorial, mudança pode aprofundar desigualdades no país.

Proposta de taxar livros tem gerado forte repercussão no mercado editorial, que encolheu mais de 20% em uma década

Quando recebeu seu primeiro salário, aos 15 anos, Amaury de Sousa se dirigiu a uma loja da livraria Saraiva e comprou O Abusado, obra do jornalista Caco Barcellos. “Foi um dos dias mais felizes da minha vida”, lembra. Ele finalmente poderia ler à vontade, sem o prazo que sua mãe estipulava para devolver os livros que tomava emprestado em uma das casas onde trabalhava como cuidadora de idosos. Tão recheadas eram as estantes, que um vão entre os títulos passava despercebido.

“Eu achava interessante aquelas prateleiras gigantescas e sempre gostei de livros, mas naquele tempo a gente não tinha condição de comprar. Ela me dava uma semana para ler, antes de devolver sem que ninguém notasse”, conta o jovem de 24 anos que foi criado e reside até hoje com a mãe na favela Santa Marta, em Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Cumprir o prazo era difícil, já que a mãe trazia para o menino de 12 anos clássicos como Microfísica do Poder, de Michel Foucault. “Eram livros muito técnicos. Às vezes eu não entendia nada, ficava voltando na mesma página várias vezes. Mas tinha uma curiosidade incontrolável para entender o mundo, os outros e eu mesmo”, recorda. Rapidamente, a leitura tornou-se a janela para o mundo que não existe no quarto onde dorme, sem luz natural.

Os livros representam para Amaury uma plataforma de transformação social. A bagagem cultural o colocou em vantagem no processo seletivo para atendente na Livraria da Travessa, onde trabalhou por dois anos e intensificou o mergulho literário. Hoje, ele cursa Cinema na Universidade Federal Fluminense (UFF) e trabalha em projetos audiovisuais.

Os saberes absorvidos e interpretados pelas lentes de sua realidade fizeram com que, desde cedo, despertasse a atenção de produtores internacionais. Ele acaba de roteirizar e filmar um documentário sobre a pandemia nas favelas do Rio para a emissora de televisão japonesa NHK.

Hoje, devido à situação financeira mais confortável, falta espaço na casa apertada para empilhar novos títulos. Toda vez que se depara com um curso que gostaria de fazer e não pode pagar, ele busca um livro que integre as referências bibliográficas. É assim que está aprendendo francês sozinho no momento.

“Valor dos livros cria distanciamento entre o jovem periférico e a literatura”, diz Amaury de Sousa, morador de Santa Marta

O fechamento de lojas físicas durante a pandemia, devido às medidas de restrições sanitárias, afetou ainda mais o setor. Em abril, o mercado livreiro registrou uma perda de 47% no faturamento em comparação ao mesmo mês em 2019, segundo o levantamento Painel Varejo de Livros no Brasil, feito pela Nielsen Bookscan.

“É preciso considerar que esse imposto tem um efeito cascata sobre a cadeia econômica do livro. Estimamos que a mudança possa aumentar o preço final em até 20%”, afirma Bernardo Gurbanov, presidente da Associação Nacional de Livrarias e proprietário da editora Letraviva.

Gurbanov destaca que o encarecimento dos livros não terá impactos meramente econômicos. “Não é somente o ato de compra, mas o que o livro significa como veículo de transmissão de informações, conhecimento e produção cultural. Não só do Brasil, mas de todos os países. Os efeitos colaterais serão muito graves, e o Brasil vai pagar muito caro se esse projeto for aprovado”, avalia.

O argumento de Guedes

Para defender a mudança, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem defendido a ideia de que livros são consumidos por camadas de maior renda da população. Nesse sentido, a isenção não se justificaria. Para compensar o impacto sobre os mais pobres, Guedes defende a realização de doações pelo governo — sem explicar como isso seria feito — e a ampliação do Bolsa Família para essa finalidade.

“Vamos dar o livro de graça para o mais frágil, para o mais pobre. Eu também, quando compro meu livro, preciso pagar meu imposto. Então, uma coisa é você focalizar a ajuda. A outra coisa é você, a título de ajudar os mais pobres, na verdade, isentar gente que pode pagar”, disse o ministro durante audiência na Comissão Mista da Reforma Tributária.

Ao defender a ampliação dos programas de transferência de renda, Guedes argumentou que as camadas de menor renda estão mais preocupadas em comprar comida do que livros. “Num primeiro momento, quando fizeram o auxílio emergencial, estavam mais preocupados em sobreviver do que em frequentar as livrarias que nós frequentamos”, declarou Guedes.

Em artigo publicado recentemente na Folha de São Paulo, Luiz Schwarz, editor da Companhia das Letras, contestou a tese do ministro. Ele destacou que na última edição da Bienal do Livro no Rio de Janeiro, realizada no ano passado, parte expressiva dos 600 mil participantes era de jovens da classe C.

“Na Flup [Festa Literária das Periferias], os dados são ainda mais eloquentes: do público total do evento, 97% se declaram leitores frequentes de livros, 51% têm entre 10 e 29 anos, 72% são não brancos, e 68% pertencem às classes C,D e E”, ressaltou.

Visão de curto prazo

A economista Juliana Damasceno, pesquisadora da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), afirma que a reforma tributária deve priorizar uma redistribuição de tributos que vise a correção de distorções que penalizam a economia brasileira atualmente.

“A carga é o ponto final da reforma. A justiça social e estratégia econômica do sistema deveria ser o ponto de partida. Dentro dessa questão estratégica, fomentar educação deveria ser prioridade”, avalia.

Damasceno lembra que os retornos da educação para a economia no longo prazo são amplamente documentados. E defende que é preciso reconhecer a importância do setor de livros, ainda que represente uma parcela mais restrita da educação após os avanços da digitalização.

“Incentivar esse setor vai na direção contrária de aumentar sua carga, o que pode resultar em aumento do preço pro consumidor final. Governos tendem a ter visões mais ‘curto-prazistas’ quando a situação fiscal se aperta. Antes de um plano de recuperação desse forte desequilíbrio fiscal, é difícil pensar no longo prazo, e isso acaba penalizando áreas estratégicas como a educação”, analisa a especialista.

A pandemia de covid-19 está forçando a repensar a macroeconomia

Na forma como é conhecido hoje, a macroeconomia começou em 1936 com a publicação de “The The General Theory of Employment, Interest and Money”, de John Maynard Keynes.

Sua história subsequente pode ser dividida em três épocas. A era da política, guiada pelas idéias de Keynes, começou na década de 1940. Nos anos 70, encontrou problemas que não conseguia resolver e, nos anos 80, começou a era monetarista, mais comumente associada ao trabalho de Milton Friedman. Nas décadas de 1990 e 2000, os economistas combinaram idéias de ambas as abordagens. Mas agora, nos destroços deixados pela pandemia de coronavírus, uma nova era está começando. O que ele contém?

A idéia central da economia de Keynes é o gerenciamento do ciclo de negócios – como combater recessões e garantir que tantas pessoas que querem trabalho possam obtê-lo. Por extensão, essa ideia-chave se tornou o objetivo final da política econômica. Ao contrário de outras formas de teoria econômica no início do século XX, o keynesianismo previa um grande papel para o Estado alcançar esse objetivo. A experiência da Grande Depressão convenceu os proto-keynesianos de que a economia não era um organismo naturalmente corretor. Os governos deveriam ter grandes déficits (ou seja, gastando mais do que gastaram em impostos) durante as crises para sustentar a economia, com a expectativa de que pagariam a dívida acumulada durante os bons tempos.

O paradigma keynesiano entrou em colapso na década de 1970. A inflação persistentemente alta e o alto desemprego daquela década (“estagflação“) confundiram os economistas comuns, que pensavam que as duas variáveis ​​quase sempre se moviam em direções opostas. Isso, por sua vez, convenceu os formuladores de políticas de que não era mais possível “sair do caminho da recessão”, como admitiu James Callaghan, então primeiro-ministro britânico, em 1976. Um insight central da crítica de Keyman ao modernismo de Friedman era que, se os formuladores de políticas tentassem estimular sem enfrentar as deficiências estruturais subjacentes, eles aumentariam a inflação sem reduzir o desemprego. E a inflação alta poderia persistir, apenas porque era o que as pessoas esperavam.

Os formuladores de políticas procuraram algo novo. As idéias monetaristas da década de 1980 inspiraram Paul Volcker, então presidente do Federal Reserve, a esmagar a inflação restringindo a oferta de moeda, embora isso também produzisse uma recessão que provocou um aumento do desemprego. O fato de Volcker saber que isso provavelmente aconteceria revelou que algo mais havia mudado. Muitos monetaristas argumentaram que os formuladores de políticas antes deles tinham se concentrado demais na igualdade de renda e riqueza em detrimento da eficiência econômica. Em vez disso, precisavam se concentrar no básico – como inflação baixa e estável – que, a longo prazo, criaria as condições nas quais os padrões de vida aumentariam.

Parece um sussurro

Nas décadas de 1990 e 2000, surgiu uma síntese do keynesianismo e do Friedmanismo. Eventualmente, recomendou um regime político amplamente conhecido como “metas flexíveis de inflação”. O objetivo central da política era atingir inflação baixa e estável – embora houvesse espaço para, durante as crises, colocar o emprego em primeiro lugar, mesmo que a inflação estivesse desconfortavelmente alta. A principal ferramenta de gestão econômica era o aumento e a redução das taxas de juros de curto prazo, que, como se viu, eram determinantes mais confiáveis ​​do consumo e do investimento do que a oferta monetária. A independência dos bancos centrais dos governos garantiu que eles não caíssem nas armadilhas inflacionárias que Friedman advertiu. A política fiscal, como forma de gerenciar o ciclo de negócios, foi deixada de lado, em parte porque era vista como sujeita a influência política. O trabalho da política fiscal era manter as dívidas públicas baixas e redistribuir a renda na medida e da maneira que os políticos entendessem.

Agora parece que esse paradigma econômico dominante atingiu seu limite. Começou a tremer após a crise financeira global de 2007-09, quando os formuladores de políticas foram confrontados com dois grandes problemas. A primeira foi que o nível de demanda na economia – em geral, o desejo agregado de gastar em relação ao desejo agregado de economizar – parecia ter sido permanentemente reduzido pela crise. Para combater a crise, os bancos centrais reduziram as taxas de juros e lançaram flexibilização quantitativa (qe, ou imprimir dinheiro para comprar títulos). Mas, mesmo com uma política monetária extraordinária, a recuperação da crise foi lenta e longa. o crescimento do PIB foi fraco. Eventualmente, os mercados de trabalho cresceram, mas a inflação permaneceu silenciosa (ver gráfico 1). O final de 2010 foi simultaneamente a nova década de 1970 e a anti-década de 1970: inflação e desemprego mais uma vez não estavam se comportando como esperado, embora desta vez os dois fossem surpreendentemente baixos.

Isso pôs em questão a sabedoria recebida sobre como gerenciar a economia. Os banqueiros centrais enfrentaram uma situação em que a taxa de juros necessária para gerar demanda suficiente estava abaixo de zero. Esse era um ponto que eles não podiam alcançar com facilidade, pois se os bancos tentassem cobrar taxas de juros negativas, seus clientes poderiam simplesmente retirar seu dinheiro e colocá-lo debaixo do colchão. qe era um instrumento político alternativo, mas sua eficácia foi debatida. Tais disputas levaram a uma repensar. De acordo com um documento de trabalho publicado em julho por Michael Woodford e Yinxi Xie, da Columbia University, os “eventos do período desde a crise financeira de 2008 exigiram uma reavaliação significativa da sabedoria convencional anterior, segundo a qual somente a política de taxas de juros. deve ser suficiente para manter a estabilidade macroeconômica. ”

O segundo problema pós-crise financeira estava relacionado à distribuição. Embora as preocupações com os custos da globalização e automação ajudassem a impulsionar a política populista, os economistas perguntaram em cujos interesses o capitalismo vinha trabalhando ultimamente. Um aparente aumento na desigualdade americana após 1980 se tornou central em muitas pesquisas econômicas. Alguns temiam que as grandes empresas tivessem se tornado poderosas demais; outros, que uma sociedade globalizada era muito afiada ou que a mobilidade social estava em declínio.

Alguns argumentaram que o crescimento econômico estruturalmente fraco e a má distribuição dos despojos da atividade econômica estavam relacionados. Os ricos têm uma maior tendência a economizar, em vez de gastar, por isso, se sua parcela da renda aumentar, a economia geral aumentará. Enquanto isso, na imprensa, os bancos centrais enfrentaram acusações de que baixas taxas de juros e qe estavam aumentando a desigualdade, aumentando os preços da habitação e das ações.

No entanto, também estava ficando claro o quanto de estímulo econômico poderia beneficiar os pobres, se o desemprego caísse o suficiente para que os salários das pessoas de baixa renda aumentassem. Pouco antes da pandemia, uma parcela crescente do PIB em todo o mundo rico era acumulada para os trabalhadores na forma de ordenados e salários. Os benefícios foram maiores para os trabalhadores mal remunerados. “Estamos ouvindo em voz alta e clara que essa longa recuperação está beneficiando comunidades de baixa e moderada renda em maior extensão do que se sente há décadas”, disse Jerome Powell, presidente do Fed, em julho de 2019. A crescente crença no o poder redistributivo de uma economia em expansão aumentou a importância de encontrar novas ferramentas para substituir as taxas de juros para gerenciar o ciclo de negócios.

Mesas começando a virar

Então o coronavírus atingiu. As cadeias de suprimentos e a produção foram interrompidas, o que, sendo tudo o mais, deveria ter causado o aumento dos preços, pois as matérias-primas e os produtos acabados eram mais difíceis de encontrar. Mas o maior impacto da pandemia tem sido do lado da demanda, fazendo com que as expectativas de inflação e taxas de juros futuras caiam ainda mais. O desejo de investir caiu, enquanto as pessoas em todo o mundo estão economizando grande parte de sua renda.

A pandemia também expôs e acentuou desigualdades no sistema econômico. Aqueles em empregos de colarinho branco podem trabalhar em casa, mas trabalhadores “essenciais” – os motoristas de entrega, os limpadores de lixo – devem continuar trabalhando e, portanto, correm maior risco de contrair a covid-19, o tempo todo por salários baixos. Aqueles em setores como hospitalidade (desproporcionalmente jovens, mulheres e com pele negra ou marrom) sofreram o impacto da perda de empregos.

Mesmo antes da covid-19, os formuladores de políticas estavam começando a se concentrar mais uma vez no maior efeito do rebentamento e do boom do ciclo de negócios sobre os pobres. Mas desde que a economia foi atingida por uma crise que mais afeta os mais pobres, surgiu um novo senso de urgência. Isso está por trás da mudança na macroeconomia. Criar novas maneiras de voltar ao pleno emprego é mais uma vez a principal prioridade para os economistas.

Mas como prosseguir sobre isso? Alguns argumentam que a covid-19 provou temores errados de que os formuladores de políticas não possam combater recessões. Até agora, neste ano, os países ricos anunciaram estímulos fiscais no valor de US $ 4,2 trilhões, o suficiente para levar seus déficits a quase 17% do PIB, enquanto os balanços dos bancos centrais cresceram 10% do PIB. Esse enorme estímulo acalmou os mercados, impediu que as empresas colapsassem e protegessem a renda das famílias. Ações políticas recentes “repreendem a idéia de que os formuladores de políticas podem ficar sem munição”, argumenta Erik Nielsen, do banco Unicredit.

No entanto, embora ninguém duvide que os formuladores de políticas tenham encontrado muitas alavancas, ainda há divergências sobre o que deve continuar sendo puxado, quem deve fazer o puxão e quais serão os efeitos. Economistas e formuladores de políticas podem ser divididos em três escolas de pensamento, do menos ao mais radical: um que exige apenas mais coragem; um que olha para a política fiscal; e um que diz que a solução são taxas de juros negativas.

Pegue a primeira escola. Seus defensores dizem que, enquanto os bancos centrais puderem imprimir dinheiro para comprar ativos, poderão impulsionar o crescimento econômico e a inflação. Alguns economistas argumentam que os bancos centrais devem fazer isso na medida do necessário para restaurar o crescimento e atingir suas metas de inflação. Se eles falham, não é porque estão sem munição, mas porque não estão se esforçando o suficiente.

Há pouco tempo, os banqueiros centrais seguiram esse credo, insistindo que ainda tinham as ferramentas para fazer seu trabalho. Em 2013, o Japão, que tem mais experiência do que qualquer outro país com condições de baixo crescimento e inflação ultra baixa, nomeou um banqueiro central “o que for preciso”, Kuroda Haruhiko, para liderar o Banco do Japão (boj). Ele conseguiu provocar um boom de empregos, mas aumentou a inflação em menos do que o prometido. Logo antes da pandemia Ben Bernanke, ex-presidente do Fed, argumentou em um discurso para a Associação Econômica Americana que o potencial de compra de ativos significava que apenas a política monetária provavelmente seria suficiente para combater uma recessão.

Mas, nos últimos anos, a maioria dos banqueiros centrais gravitou para exortar os governos a usarem seus orçamentos para impulsionar o crescimento. Christine Lagarde abriu seu mandato como presidente do Banco Central Europeu com um pedido de estímulo fiscal. Powell alertou recentemente o Congresso contra a retirada prematura de sua resposta fiscal à pandemia. Em maio, Philip Lowe, governador do Banco da Reserva da Austrália (rba), disse ao parlamento australiano que “a política fiscal terá que desempenhar um papel mais significativo na gestão do ciclo econômico do que no passado”.

Permanecendo nas linhas de bem-estar

Isso coloca a maioria dos banqueiros centrais na segunda escola de pensamento, que se apóia na política fiscal. Os adeptos duvidam que as compras de ativos do banco central possam oferecer estímulo ilimitado, ou ver essas compras como perigosas ou injustas – talvez, por exemplo, porque a compra de dívida corporativa mantém as empresas vivas que deveriam falir. Melhor para o governo aumentar os gastos ou cortar impostos, com os déficits orçamentários absorvendo o excesso de poupança criada pelo setor privado. Pode significar ter grandes déficits por um período prolongado, algo que Larry Summers, da Universidade de Harvard, sugeriu.

Essa visão não elimina o papel dos bancos centrais, mas os relega. Eles se tornam facilitadores de estímulos fiscais, cuja principal tarefa é manter os empréstimos públicos de longo prazo ainda mais baratos à medida que os déficits orçamentários disparam. Eles podem fazer isso comprando títulos diretamente, ou fixando as taxas de juros de longo prazo perto de zero, como fazem o boj e o rba atualmente. Como resultado da covid-19 “a linha tênue entre política monetária e gerenciamento da dívida do governo ficou turva”, de acordo com um relatório do Bank for International Settlements (bis), um clube de bancos centrais.

Nem todo mundo está feliz com isso. Em junho, Paul Tucker, ex-vice-governador do Banco da Inglaterra, disse que, em resposta às vastas compras de títulos do governo pelo banco, a questão era se o banco “agora voltou a ser o braço operacional do Tesouro”. Mas aqueles influenciados pela escola keynesiana, como Adair Turner, ex-regulador financeiro britânico, querem que o financiamento monetário do estímulo fiscal se torne uma política declarada – uma idéia conhecida como “dinheiro de helicóptero”.Enormes programas de estímulo fiscal significam que os índices de dívida pública / PIB estão aumentando (ver gráfico 2). No entanto, esses não mais preocupam economicamente os economistas. Isso ocorre porque as baixas taxas de juros atuais permitem que os governos paguem dívidas públicas muito mais altas (veja o gráfico 3). Se as taxas de juros continuarem abaixo do crescimento econômico nominal – ou seja, antes de se ajustar à inflação -, uma economia poderá sair da dívida sem precisar ter um superávit orçamentário, um ponto enfatizado por Olivier Blanchard, do Instituto Peterson de Economia Internacional, um think tank. Outra maneira de argumentar é dizer que os bancos centrais podem continuar a financiar governos enquanto a inflação permanecer baixa, porque é a perspectiva de inflação que força os formuladores de políticas a aumentar as taxas para níveis que tornam a dívida cara.

Para alguns, a idéia de transformar a torneira fiscal ao máximo e cooptar o banco central para esse fim se assemelha à “moderna teoria monetária” (mmt). Essa é uma economia heterodoxa que pede que países que podem imprimir sua própria moeda (como os EUA e a Grã-Bretanha) ignorem os índices de dívida em relação ao PIB, confiem no banco central para conter a dívida pública e continuem executando gastos deficitários, a menos e até desemprego e inflação voltam ao normal.

E há de fato uma semelhança entre essa escola de pensamento e a mmt. Quando as taxas de juros são zero, não há distinção entre emitir dívida, que de outra forma incorreria em custos de juros, e imprimir dinheiro, que os livros didáticos supõem que não incorrem em custos de juros. A uma taxa de juros zero, “não importa se você financia com dinheiro ou com dívida”, disse Blanchard em um webinar recente.

Mas a comparação termina aí. Enquanto aqueles que defendem o mmt querem que o banco central atrele as taxas de juros a zero permanentemente, outros economistas do setor defendem uma política fiscal expansionista precisamente porque desejam que as taxas de juros subam. Isso, por sua vez, permite que a política monetária recupere a tração.

A terceira escola de pensamento, que se concentra nas taxas de juros negativas, é a mais radical. Preocupa-se com a forma como as taxas de juros permanecerão abaixo das taxas de crescimento econômico, como Blanchard estipulou. Seus defensores veem o estímulo fiscal, financiado por dívida ou pela criação de dinheiro do banco central, com alguma suspeita, pois ambos deixam contas para o futuro.

Um efeito colateral do qe é que ele deixa o banco central incapaz de aumentar as taxas de juros sem pagar juros pela enorme quantidade de dinheiro eletrônico que os bancos estacionaram com ele. Quanto mais dinheiro for impresso para comprar títulos do governo, mais dinheiro será depositado nele. Se as taxas de curto prazo aumentarem, a conta de “juros sobre reservas” do banco central também aumentará. Em outras palavras, um banco central que cria dinheiro para financiar estímulos está, em termos econômicos, fazendo algo surpreendentemente semelhante a um governo que emite uma dívida de taxa flutuante. E os bancos centrais são, em última instância, parte do governo.

Portanto, não há almoços grátis. “Quanto mais alto o qe pendente como parcela da dívida total do governo, mais o governo fica exposto a flutuações nas taxas de juros de curto prazo”, explicou Gertjan Vlieghe, do Banco da Inglaterra, em um discurso recente. Outra preocupação é que nas próximas décadas os governos enfrentarão ainda mais pressão sobre seus orçamentos com os gastos com pensões e assistência médica associados ao envelhecimento da população, investimentos para combater as mudanças climáticas e outras catástrofes no molde da covid-19. A melhor maneira de estimular as economias continuamente não é, portanto, criar contas a serem pagas quando as taxas subirem novamente. É tomar taxas de juros negativas.

À espera de uma promoção
Algumas taxas de juros já são marginalmente negativas. A taxa da política do Banco Nacional Suíço é de -0,75%, enquanto algumas taxas na zona do euro, Japão e Suécia também estão no vermelho. Mas Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, e Willem Buiter, ex-economista-chefe do Citigroup, um banco, prevê taxas de juros de -3% ou menos – uma proposta muito mais radical. Para estimular gastos e empréstimos, essas taxas teriam que se espalhar por toda a economia: aos mercados financeiros, às taxas de juros dos empréstimos bancários e também aos depósitos nos bancos, que precisariam encolher com o tempo. Isso desencorajaria a poupança – em uma economia deprimida, afinal, muita economia é o problema fundamental – embora seja fácil imaginar taxas de juros negativas provocando uma reação populista.

Muitas pessoas também gostariam de tirar seu dinheiro dos bancos e enfiá-lo debaixo do colchão. Efetuar essas propostas, portanto, exigiria uma reforma abrangente. Existem várias idéias de como fazer isso, mas o método da força bruta é abolir pelo menos as notas de alta denominação, tornando caro e impraticável manter grandes quantidades de dinheiro físico. Rogoff sugere que, eventualmente, o dinheiro possa existir apenas como “moedas pesadas”.

Taxas negativas também apresentam problemas para os bancos e o sistema financeiro. Num artigo publicado em 2018, Markus Brunnermeier e Yann Koby, da Universidade de Princeton, argumentam que existe uma “taxa de juros reversa” abaixo da qual os cortes nas taxas de juros realmente impedem os empréstimos bancários – prejudicando a economia em vez de impulsioná-la. Abaixo de uma certa taxa de juros, que a experiência sugere que deve ser negativa, os bancos podem não estar dispostos a repassar cortes nas taxas de juros para seus depositantes, por medo de levar os clientes irritados a transferir seus depósitos para um banco rival. Taxas de juros profundamente negativas podem esmagar os lucros dos bancos, mesmo em uma economia sem dinheiro.

Pegue o que é deles

Vários fatores ainda podem tornar a economia mais hospitaleira a taxas negativas, no entanto. O dinheiro está em declínio – outra tendência que a pandemia acelerou. Os bancos estão se tornando menos importantes para o financiamento, com cada vez mais intermediação nos mercados de capitais (ver artigo). Os mercados de capitais, observa Buiter, não são afetados pelo argumento da “taxa de reversão”. Enquanto isso, os banqueiros centrais estão brincando com a idéia de criar suas próprias moedas digitais, que podem funcionar como contas de depósito para o público, permitindo que o banco central pague ou pague juros diretamente sobre os depósitos, e não através do sistema bancário. A campanha de Joe Biden para a Casa Branca inclui idéias semelhantes, o que permitiria ao Fed atender diretamente aqueles que não têm uma conta bancária privada.

Os formuladores de políticas agora têm que ponderar os riscos a escolher no mundo pós-cobiçado: ampla intervenção do banco central nos mercados de ativos, aumentos contínuos na dívida pública ou um abalo no sistema financeiro. No entanto, um número crescente de economistas teme que mesmo essas mudanças radicais não sejam suficientes. Eles argumentam que existem problemas mais profundos que só podem ser resolvidos por reformas estruturais.

Um novo artigo de Atif Mian, da Universidade de Princeton, Ludwig Straub, da Universidade de Harvard, e Amir Sufi, da Universidade de Chicago, expande a idéia de que a desigualdade prejudica a demanda da economia. Assim como a desigualdade cria uma necessidade de estímulo, eles argumentam, o estímulo acaba criando mais desigualdade. Isso ocorre porque deixa as economias mais endividadas, ou porque as baixas taxas de juros incentivam as famílias ou empresas a tomar empréstimos, ou porque o governo está com déficits. O endividamento público e privado transfere a renda para investidores ricos que possuem a dívida, diminuindo ainda mais a demanda e as taxas de juros.

As tendências seculares das últimas décadas, de maior desigualdade, maiores índices dívida / PIB e menores taxas de juros, reforçam-se assim. Os autores argumentam que escapar da armadilha “requer consideração de políticas macroeconômicas menos padronizadas, como as que se concentram na redistribuição ou as que reduzem as fontes estruturais de alta desigualdade”. Uma dessas “fontes estruturais de alta desigualdade” pode ser a falta de competitividade. Grandes empresas com mercados cativos não precisam investir tanto quanto investiriam se enfrentassem mais concorrência.

Um novo documento de trabalho de Anna Stansbury, também da Universidade de Harvard, e Summers, rejeita essa visão e culpa o declínio do poder de barganha dos trabalhadores no mercado de trabalho. Segundo os autores, isso pode explicar todos os tipos de tendências econômicas americanas: o declínio (até meados de 2010) da participação dos trabalhadores na renda, redução do desemprego e da inflação e alta rentabilidade corporativa. Eles sugerem que os empresários podem economizar mais do que os trabalhadores, de modo que, à medida que a renda das empresas aumenta, as economias agregadas aumentam.

Stansbury e Summers são a favor de políticas como o fortalecimento dos sindicatos ou a promoção de “acordos de governança corporativa que aumentem o poder dos trabalhadores”. Eles argumentam que tais políticas “precisariam ser cuidadosamente consideradas à luz dos possíveis riscos do aumento do desemprego”. Idéias para aumentar o poder dos trabalhadores como indivíduos podem ser mais promissoras. Uma é fortalecer a rede de segurança, o que aumentaria o poder de barganha dos trabalhadores e a capacidade de se afastar de acordos de trabalho pouco atraentes.

Em um livro recente, Martin Sandbu, colunista do Financial Times, sugere substituir os subsídios isentos de impostos por pequenos rendimentos básicos universais. Outra idéia é fortalecer a aplicação da legislação trabalhista existente, atualmente fraca em muitos países ricos. Uma regulamentação mais rigorosa de fusões e aquisições, para impedir a formação de novos monopólios, também ajudaria.

Todas essas novas idéias agora competirão por espaço em um ambiente político no qual a mudança repentinamente parece muito mais possível. Quem poderia imaginar, apenas seis meses atrás, que dezenas de milhões de trabalhadores em toda a Europa teriam seus salários pagos por esquemas de licença financiados pelo governo ou que sete em cada dez desempregados americanos em recessão ganhariam mais com o seguro-desemprego pagamentos do que haviam feito no trabalho? Devido aos resgates em massa, “o papel do estado na economia provavelmente parecerá consideravelmente maior”, diz o bis.

Falando sobre uma revolução

Muitos economistas desejam precisamente essa intervenção do estado, mas ela apresenta riscos claros. Os governos que já possuem dívidas pesadas podem decidir que se preocupar com déficits é para os fracos e que a independência do banco central não importa. Isso poderia finalmente desencadear inflação alta e fornecer um lembrete doloroso dos benefícios do antigo regime. As reformas do setor financeiro podem sair pela culatra. Uma maior redistribuição pode tirar a economia de uma maneira estranha, como Sufi, Stansbury e seus respectivos colegas descrevem – mas impostos pesados ​​podem igualmente desencorajar o emprego, a empresa e a inovação.

Repensar a economia é uma oportunidade. Atualmente, existe um consenso crescente de que mercados de trabalho restritos poderiam dar aos trabalhadores mais poder de barganha sem a necessidade de uma grande expansão da redistribuição. Uma reavaliação equilibrada da dívida pública pode levar ao investimento público verde necessário para combater as mudanças climáticas. E os governos poderiam desencadear uma nova era das finanças, envolvendo mais inovação, intermediação financeira mais barata e, talvez, uma política monetária que não seja restringida pela presença de dinheiro físico. O que está claro é que o velho paradigma econômico parece cansado. De um jeito ou de outro, a mudança está chegando.
Com dados da The Economist/

A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo, que não será vista como capitalismo

Paul Mason é autor de “Pós-Capitalismo”: Um Guia para o Nosso Futuro’ – Getty Imeges

Um grande ponto de interrogação se coloca sobre o mundo neste momento: o que vai acontecer depois da pandemia de covid-19?

A pergunta recai sobre as coisas mais mundanas e concretas — como quando voltaremos a dar as mãos ou abraçar nossos amigos — até as mais abstratas e aparentemente mais distantes: nossas liberdades individuais serão afetadas?

Será o fim da globalização? O que acontecerá com o capitalismo?

Esta última parece ir ao cerne do momento que vivemos atualmente. O capitalismo é mais uma vítima da crise ou seu causador? Como o sistema deve mudar para se adaptar a novas realidades? Há apetite para uma mudança desse porte entre as classes dirigentes e os empresários?

O britânico Paul Mason dedicou parte da vida para refletir sobre o capitalismo. Como jornalista, cobriu parte das grandes crises econômicas e dos movimentos sociais das últimas décadas.

Como intelectual, além de um livro de ficção e uma peça de teatro, escreveu sobre os mesmos temas: a classe trabalhadora, a crise financeira de 2008 e os diferentes protestos globais como a Primavera Árabe, Ocuppy Wall Street e os “indignados” da Espanha.

Mas fora suas últimas obras — PostCapitalism: A Guide to Our Future (“Pós-capitalismo: Um guia para o nosso futuro”, editado pela Cia das Letras) e Clear Bright Future: A Radical Defence of the Human Being (ainda sem edição no Brasil) — que o tornaram um nome conhecido internacionalmente, envolvido em vários debates sobre o estado atual do capitalismo e seu futuro.

A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, conversou com Paul Mason em Londres, onde ele vive.

Direito de imagemGETTY IMAGES

A peste negra foi a epidemia que mais matou na História

Em um artigo recente, o senhor traça um interessante paralelo entre o que acontece hoje e o que aconteceu depois da epidemia de peste negra, no século 14, que marcou a transição do feudalismo para o capitalismo.

Paul Mason – Um dos temas do meu trabalho é que, como o feudalismo, o capitalismo tem um começo, um meio e um fim.

Em meu último livro (Clear Bright Future: A Radical Defence of the Human Being), digo que o fim de um modo de produção de um sistema econômico é com frequência uma mistura de suas fraquezas internas com o que chamamos de “choques externos” ou exógenos.

Então, para nós, a mudança climática se manifesta como um choque exógeno, porque o único capitalismo industrial que conhecemos está baseado na extração de carvão e na destruição da biosfera.

É possível que, em um universo paralelo, o capitalismo tivesse se desenvolvido a partir da energia limpa e em harmonia com a natureza, mas não foi assim.

Há ainda a questão do envelhecimento populacional, que possivelmente levaria à falência 60% dos países até meados deste século porque não haverá gente o suficiente para sustentar uma população envelhecida.

O coronavírus é outro fator que parece ser um choque externo.

Mas meu argumento é que, ainda que todos pareçam choques externos, na realidades são produzidos pelo próprio capitalismo.

Esse é o problema: o tipo de capitalismo que temos destrói as florestas tropicais e cria condições para que milhões de pessoas vivam em situação vulnerável.

E no mundo desenvolvido — provavelmente não tão óbvio para alguns leitores na América Latina — ele tem criado “doenças da pobreza”. Há muita gente morrendo de obesidade em Londres, com diabetes tipo B ou enfermidades nos pulmões porque fumou a vida inteira.

O paralelo que faço com a peste negra é limitado, mas vale a pena ser explorado, porque a epidemia foi responsável por duas coisas: primeiro, interrompeu o modelo econômico do feudalismo porque não havia componeses para cultivar a terra.

E nas cidades não havia pessoas o suficiente que soubessem trabalhar com o que era a principal matéria-prima da época, a lã. Nas revoltas que eclodiram depois da peste negra, sempre houve participação dos trabalhadores que manufaturavam a lã.

Protestos em Wall Street em 2008: para Mason, capitalismo financeiro é danoso para o próprio capitalismo
Direito de imagemGETTY IMAGES

O outro impacto — e maior — foi a quebra da ideologia. Porque fez com que as pessoas dissessem: “Isso (o modelo) não está funcionando.”

Entre aqueles que estudaram aquele período há um livro brilhante que se chama Lust for Liberty (“Desejo de liberdade”, em tradução livre), de Samuel K. Cohn. O título já diz tudo: ao final da epidemia, as pessoas se deram conta de que o sistema não as estava protegendo.

Se pensa no feudalismo — e acredito que na América Latina a imagem seja desses grandes senhores de terras, pois as revoltas coloniais também foram contra os grandes senhores de terras —, e a cultura entre esses donos de terra era o paternalismo. O proprietário está ali para explorar, mas também para proteger.

E o que aconteceu no século 14 foi que as pessoas disseram: “Espera aí, isso não está nos protegendo”. E a palavra liberdade começou a ser usada e disseminada.

Nós pensamos na palavra “liberdade” no contexto da Revolução Francesa, mas desde 1360 observamos o uso da palavra “libertas”, em latim, pelos revolucionários.

Algo que me chama atenção nesta comparação é que a peste negra marcou a transição do feudalismo para o capitalismo, o que, de alguma maneira, permitiu o Renascimento e o que conhecemos como Idade Moderna. Há mais ou menos 40 anos se fala do fim dessa Idade Moderna e do que, por falta de uma expressão melhor, se chama “pós-modernismo”. Como se novamente uma epidemia estivesse marcando a transição para um período distinto…

Mason – É interessante, mas não vejo as coisas assim. Há muita coisa em jogo. Minha posição é a de que temos em nível global um sistema econômico que não funciona. E é um sistema que depende que um mundo rico bombeie recursos para um mais pobre e, por sua vez, que este mundo pobre bombeie lucro de volta ao rico.

É uma simplificação extrema, mas é assim que funciona.

Isso gerou grande desenvolvimento no hemisfério sul do planeta — algo bom para a região —, mas, ao mesmo tempo, cria pobreza e desigualdade, inclusive no mundo desenvolvido, tanto ao ponto de mostrar que o sistema não é sustentável.

Em 2008, dissemos: “Há muita dívida”. E a razão foi que os bancos centrais imprimiram muita moeda e as pessoas usaram isso para especular. E a solução foi US$ 75 bilhões extras em dívida e mais dinheiro por parte dos bancos centrais.

Estamos tentando curar a doença… com mais doença. E a doença é o capitalismo financeiro.

E qual a cura que se está oferecendo para a crise de covid-19? Mais dinheiro por parte dos bancos centrais, mais dívida.

Então, antes de falar de Modernidade, devemos falar de algo muito mais recente: o modelo econômico neoliberal, que está baseado em uma profunda desigualdade, especulação financeira extrema e baixos salários. Um modelo que em algum momento funcionou, mas que não funciona mais.

Indústria automotiva destruiu empregos quando surgiu, mas acabou gerando outros – Direito de imagem GETTY IMAGES

Deixemos de lado a questão da dívida. Se você pensa em uma franquia da Starbucks, ela trabalha com uma margem de lucro bem pequena, porque está em constante pressão para reduzir preços.

Se a Starbucks decide aumentar o preço do café, o McDonald’s reduz imediatamente. Então estamos diante de algo que há sido chamado de “capitalismo just in time”, onde praticamente não há estoque.

É o que temos no serviço de saúde britânico: deixamos que ele opere em sua capacidade máxima, assim não há camas ou respiradores sobressalentes. E isso não pode continuar assim. O que se necessita é de capacidade.

No futuro fará sentido que a Starbucks tenha várias lojas com cafés de cada país. Fará sentido que elas tenham empregados adicionais, porque essa situação deve continuar e eles devem em algum momento ter algo como 10% da força de trabalho doente a todo momento.

E, logicamente, o serviço de saúde britânico deveria ter mais camas, mais médicos, mais enfermeiros.

Mas, se tudo isso acontecer, todo o modelo neoliberar vai ruir. Então esse é meu ponto. Estamos diante de um modelo que já se esgotou e acredito que a tarefa para aqueles envolvidos na política é pensar em uma solução.

Porque a resposta não pode ser a mesma que a maioria dos países deu em 2008, certo? Austeridade, cortes em áreas como a saúde… Isso parece estar no centro de tudo o que está errado neste momento.

Mason – Exatamente. Temos que rechaçar a austeridade, não só porque ela afeta mais aqueles que têm menos, mas porque se você a combina com a maior disponibilidade de recursos por parte dos bancos centrais…

Pense em termos da quantidade de dinheiro circulando: se um governo coloca mais dinheiro para circular, mas ao mesmo tempo está cortando gastos, o único lugar para onde esses recursos podem fluir é para os mais ricos.

Então, essa combinação de imprimir mais moeda enquanto se reduz o Estado só vai produzir mais desigualdade.

E digo o seguinte a seus leitores: qualquer governo da América Latina que se proponha a fazer essas duas coisas ao mesmo tempo está conscientemente enchendo o bolso das casses mais altas.

Como jornalista, Paul Mason trabalhou para a BBC e para o Channel 4, na Inglaterra
Direito de imagem GETTY IMAGES

O que você acha que vai acontecer? Porque estamos diante de mudanças que nunca se pensou que ocorreriam com tanta rapidez: países aprovando uma renda básica universal ou a nacionalização de alguns setores da economia… Isso deve continuar?

Mason – Não. Veja, é possível pensar na nossa cabeça que o livre mercado funciona perfeitamente bem e que vai corrigir tudo em circunstâncias normais, mas o que precisamos agora é de forte intervenção estatal.

O que estamos vendo com Trump ou com os conservadores no Reino Unido que estão tomando as medidas corretas, ainda que com lentidão: fechar a economia e a reconversão de algumas companhias às mãos do Estado.

Mas o que vai acontecer quando as pessoas se derem conta de que a normalidade não vai retornar? Acredito que precisamos de três coisas.

Primeiro, que o governo tenha uma participação em todos os negócios estratégicos. Isso não é o mesmo que resgatá-los financeiramente. Pode-se dar-lhes algum dinheiro, mas com algumas condições, como que mantenham toda a força de trabalho que possam — no caso das empresas do setor aéreo e as petroleiras, pode-se pedir que comecem a fazer uma transição para a tecnologia verde. E que o Estado seja dono de parte da empresa.

Você mencionou a renda básica. A longo prazo, a melhor maneira para que isto funcione é através de algo chamado de serviços básicos universais.

Quer dizer, usar o dinheiro dos contribuintes para garantir renda para todo mundo, mas também para prover serviços básicos gratuitos: saúde, educação universitária, moradia acessível e transporte barato ou gratuito nas cidades.

O problema nesta crise é que nada disso vai ajudar, porque o que as pessoas precisam neste momento é dinheiro. Assim, no curto prazo precisamos que cada país tenha um esquema de salário básico universal.

Finalmente, a terceira coisa que creio que precisamos é que os bancos centrais comprem a dívida do governo, se necessário, de maneira indireta.

Isso é um anátema para a economia de livre mercado porque basicamente é o governo decretando o fim da independência dos bancos centrais — algo que era uma ficção, de qualquer maneira. É o governo emprestando a si mesmo.

Para muitos isso não faz sentido, mas teríamos que pensar da seguinte maneira: estaríamos concedendo um “empréstimo ponte” (modalidade que algumas instituições financeiras condecedem quando seus clientes necessitam de liquidez imediata) ao futuro.

A conta seria paga por aqueles que estivesse vivos daqui 50 ou 100 anos. Porque, se pagássemos os custos agora, as pessoas não morreriam apenas pela doença. A própria democracia poderia morrer.

E em um momento em que ela já está frágil — veja Trump e Bolsonaro —, se permitirmos uma depressão na escala de 1929 creio que em muitos países a democracia evaporaria.

Algo que o senhor analisava quase cinco anos atrás em “Postcapitalism”, seu livro anterior, é que o capitalismo havia perdido sua capacidade de se adaptar, em especial o neoliberalismo. O que pensa sobre esse tema hoje?

Mason – O capitalismo pode se adaptar a essa crise, mas assumirá uma forma bem diferente. Ficará tão diferente que muita gente nem o enxergará como capitalismo.

Agora mesmo há muitas oportunidades para o investimento privado. Na área de educação, por exemplo, ou no entretenimento.

O faturamento da Netflix está aumentando, seu problema é não conseguir produzir conteúdo novo neste momento. Mas está lá a oportunidade para que as pessoas criativas o façam. Por exemplo: acho que a animação voltará a ser bastante popular.

Não estou dizendo que essa crise vai significar o fim do capitalismo. O ponto do meu livro era diferente: que o capitalismo havia perdido sua capacidade de se adaptar a mudanças tecnológicas.

Sim, é verdade.

Em essência, em todas as revoluções tecnológicas anteriores, as novas tecnologias eliminavam formas antigas de trabalho.

Por exemplo, as pessoas que usavam cavalos ou carroças ficaram sem trabalho no início do século 20, com a criação do automóvel. Mas novos postos de trabalho foram criados nas fábricas de veículos.

E assim o capitalismo vai se adaptando. O problema é que a tecnologia da informação atualmente destrói formas de trabalho mais rapidamente do que cria — e em particular elimina empregos com alta remuneração.

Claro que ele também cria a função do desenvolvedor de software, que é bem pago, mas agora muito do processo de desenvolvimento de software está automatizado.

O clássico trabalho manual bem remunerado era o de fabricante de ferramentas para maquinário. E então havia um engenheiro talentoso que era capaz de desenhar e fundir em metal algo que era tão precioso que poderia construir aviões com ele. Agora ele faz um computador.

Essa é a ideia que trato de explicar quando falo da capacidade de adaptação do capitalismo, mas a crise causada pela covid-19 é um problema a mais.

O senhor segue acreditando que é possível ver as sementes desse pós-capitalismo no ambiente em que vivemos hoje?

Mason – A tecnologia da informação permite que o lucro venha cada vez mais fácil. Também cria a possibilidade de automatização rápida. Cria um efeito de rede que produz novos materiais.

Por exemplo: quando descobrirmos uma vacina contra o coronavírus, independentemente da decisão dos fabricantes de cobrar ou não por ela, o fato é que ela poderia estar à disposição do mundo inteiro no dia seguinte. E de forma gratuita. Hoje é muito fácil fabricar uma vacina com uso da tecnologia da informação.

Basicamente, a tecnologia da informação está dificultando que o capitalismo seja capitalista. Agora, temos modalidades diferentes de propriedade, como a Wikipedia, o movimento “open source”, plataformas de cooperação.

Em Postcapitalism eu argumento que nos levará tempo para amadurecer um sistema alternativo. E creio que o fato de que agora mesmo estejamos enfrentando uma crise de funcionalidade do modelo existente deveria fazer as pessoas pensarem nas alternativas de que dispomos.

Para mim, a alternativa para os próximos 20 anos é uma forma mais sustentável de capitalismo. Quero dizer mais verde, menos excludente, sem especulação financeira.

Continuará sendo capitalismo, mas muitos não o enxergarão como tal.

Fome,Economia,Capitalismo,A vida como não deveria ser,Pobreza,Crianças,Fotografias

Joseph Schumpeter; O homem que previu o fim do capitalismo e que ajuda a entender a economia de hoje

“O capitalismo pode sobreviver?”, se perguntou Joseph Schumpeter. “Não, acho que não”, foi a resposta dele.

Joseph Schumpeter nasceu em 1883 e morreu em 1950.
Direito de imagem GETTY IMAGES

A reflexão foi feita em uma de suas principais obras: Capitalismo, Socialismo e Democracia, de 1942.

O influente economista austríaco não acreditava na ditadura do proletariado nem na revolução de Karl Marx. Pelo contrário, ele rejeitava o que entendia como os elementos ideológicos da análise marxista.

Para ele, o que levaria ao fim do capitalismo seria o seu próprio sucesso. “Considero Schumpeter o analista mais aguçado do capitalismo que já existiu. Ele viu coisas que outras pessoas não viram”, disse Thomas K. McCraw, professor emérito da Escola de Negócios da Universidade de Harvard, ao Working Knowledge, o site da universidade.

Schumpeter “está para o capitalismo assim como Freud está para a psicologia: alguém cujas ideias se tornaram tão onipresentes e arraigadas que não podemos separar seus pensamentos fundamentais dos nossos”, disse o acadêmico.

A tragédia

Schumpeter nasceu em 1883 em uma cidade da República Tcheca, que na época fazia parte do império austro-húngaro.

Schumpeter falava diversos idiomas.
Direito de imagem GETTY IMAGES

Ele era filho único e perdeu o pai aos 4 anos de idade. Sua educação ficou a cargo de sua mãe e seu novo marido, que frequentavam a aristocracia local.

Embora estudasse direito, o tema que o atraiu foi a economia — Schumpeter se tornaria um dos melhores alunos da Escola Austríaca de Economia.

“Schumpeter era um excelente aluno, leitor incansável, tinha uma mente viva e curiosa, era um mestre em várias línguas”, escreveu Gabriel Tortella, professor emérito de História e Instituições Econômicas da Universidade de Alcalá, no artigo Um profeta da social-democracia, publicado na revista Book.

Ele tinha uma personalidade carismática, era mulherengo e amava cavalos. Viveu por um tempo na Inglaterra, onde teve um relacionamento com uma mulher 12 anos mais velha que ele.

Sylvia Nasar, em seu livro “Grande Busca: A história do Gênio Econômico, conta que se casou com o economista, mas que, com o tempo, ambos reconheceram que o casamento fora um erro. Em 1913, eles se separaram e anos depois se divorciaram oficialmente.

Schumpeter se casou novamente em 1925, desta vez com uma mulher muitos anos mais nova. Mas, um ano depois, uma tragédia abalaria sua vida: sua esposa morreu enquanto dava à luz seu filho, que também morreu pouco tempo depois. Nesse mesmo ano, ele ainda perderia a mãe.

Entre luxo e academia

Schumpeter morou em Viena após a Primeira Guerra Mundial e a queda do império austro-húngaro.

Schumpeter viveu a Primeira Guerra Mundial, que causou grandes estragos na Europa. Direito de imagem GETTY IMAGES

Schumpeter foi ministro da economia do governo socialista que governou a Áustria em 1919. Depois, morou em sete países, em alguns dos quais foi professor e trabalhou como banqueiro de investimentos, o que lhe permitiu fazer uma fortuna — que depois desapareceria.

Antes de seu segundo casamento, por algum tempo, Schumpeter levou uma vida de muitos luxos e parecia não se importar de ser visto em público com prostitutas, diz Nasar.

“Schumpeter era um acadêmico brilhante que fracassou retumbantemente como ministro das Finanças da Áustria”, escreveu Pearlstein, vencedor do prêmio Pulitzer, em uma resenha do livro de Nasar publicada no jornal americano The Washington Post.

O economista se estabeleceu nos Estados Unidos em 1932, onde lecionou na Universidade de Harvard pelo resto da vida. Em sua nova casa, diz Tortella, Schumpeter se apaixonou e se casou com uma historiadora de economia chamada Elizabeth Boody, 15 anos mais nova que ele.

Foi ela quem compilou e editou os textos dele sobre a história do pensamento econômico, publicados postumamente (ambos morreram antes da publicação do livro em 1954: ele em 1950 e ela em 1953) no monumental History of Economic Analysis (História da Análise Econômica, em inglês).

Schumpeter analisou a Grande Depressão dos anos 1930
Direito de imagem GETTY IMAGES

Destruição criativa

Durante a Grande Depressão da década de 1930, disse Thomas K. McCraw, “muitas pessoas inteligentes da época acreditavam que a tecnologia havia atingido seu limite, e que o capitalismo atingira seu auge “.

“Schumpeter acreditava exatamente no oposto e, é claro, estava certo”, afirmou McCraw, foi o autor do livro Profeta da Inovação: Joseph Schumpeter e Destruição Criadora.

O conceito de destruição criativa foi um dos que Schumpeter ajudou a popularizar. E, segundo Fernando López, professor de Pensamento Econômico da Universidade de Granada, essa ideia é uma espécie de darwinismo social.

“É a ideia de que o capitalismo destrói empresas não criativas e não competitivas”. “O processo de acumulação de capital continuamente os leva a competir entre si e a inovar e apenas os mais poderosos sobrevivem”.

Uma ansiedade constante

Essa dinâmica ideal do capitalismo significa que os empreendedores nunca podem relaxar. “Esta é uma lição extremamente difícil de aceitar, principalmente para pessoas de sucesso. Mas os negócios são um processo darwiniano e Schumpeter frequentemente o vincula à evolução”, afirmou McCraw.

Novos produtos aparecem constantemente para substituir os antigos, que se tornam obsoletos.

“É um processo contínuo de aprimoramento, e essa é a característica número um do capitalismo”, segundo Pep Ignasi Aguiló, professor de economia aplicada na Universidade das Ilhas Baleares, na Espanha.

A dinâmica dos negócios leva à “única maneira de sair da competição, que é muito dura, é através de tentativas de redução de custos, o que exige processos de inovação na produção ou através do desenvolvimento de novos produtos preferidos pelos consumidores em relação aos anteriores “, diz o doutor em Economia.

No entanto, as tentativas de redução de custos também podem levar a superexploração de trabalhadores, lobby para regulamentação e práticas nocivas para o ambiente — temas que muitas vezes são “esquecidos” quando se fala do assunto.

O fim do capitalismo e das meias femininas

Schumpeter usava dois exemplos para explicar suas teorias foi o das meias femininas.

Schumpeter explicava suas teorias dando como exemplos produtos como meias femininas – Direito de imagem GETTY IMAGES

No início do século 20, apenas mulheres da classe alta podiam comprá-las. Mas, após a Segunda Guerra Mundial, eles se tornaram mais acessíveis aos consumidores de diferentes grupos sociais.

“Tornar algo acessível a todos leva a mentalidade socialista a entrar gradualmente nos poros do sistema capitalista e desacelerar sua característica essencial, que é a competição entre produtores”, diz o professor.

O raciocínio do austríaco era que, ao “apaziguar a concorrência e acabar gerando igualdade no acesso aos produtos”, o capitalismo chegaria ao fim.

Schumpeter fixou um prazo para isso: o fim do século 20.

“Ele estava errado sobre isso. Acreditava que até então as condições de disseminação da produção em massa e de produtos entre toda a população fariam todas a pessoas viverem melhor do que o rei da França do século 18 e, portanto, o clamor pelo socialismo seria grande”.

Vítima de seu próprio sucesso

“A ideia era a de que o capitalismo leva à produção em massa, a produção em massa leva a uma riqueza extraordinária que se espalha por uma parte muito importante da população, o que aumentaria o desejo de igualdade”, explica Aguiló.

O automóvel, por exemplo, deixou de ser um produto que apenas uma elite poderia adquirir e passou a estar disponível para milhões de pessoas. “O preço cai, as quantidades aumentam, e isso acontece repetidas vezes com todos os produtos”, diz o professor.

Essa circulação em massa de produtos significa que os padrões de vida dos consumidores aumentam, que há uma “demanda por mais igualdade” e que isso acaba dificultando a essência do sistema: a concorrência”, explica Aguiló.

Questões como os problemas ambientais se tornaram mais evidente desde a época de Schumpeter
Direito de imagem GETTY IMAGES

“Esse grande sucesso da abundância compartilhada, ao alcance de todos, é o que levaria ao fim do capitalismo”.

No entanto, embora a riqueza seja mais bem distribuída em alguns países, o que se viu no mundo desde então foi o contrário: apesar de muitos produtos estarem acessíveis para grande parte da população, o que se vê é uma concentração cada vez maior da riqueza produzida.

Virtude e perigo

Seguindo a lógica de Schumpeter, a concorrência se tornaria, ao mesmo tempo, uma virtude e um problema para as empresas.

Segundo López, Schumpeter acreditava que “o processo de acumulação incessante de capital levaria, em algum momento, ao que Marx chamava de tendência decrescente da taxa de lucro”.

“O capitalismo é um sistema incomparável em termos produtivos, é um sistema que, no nível produtivo, eu uso Marx novamente, é o mais progressista da história, mas tem o problema de que a acumulação incessante de capital o leva a competir também incessantemente.”

“Essa competição força as empresas a estar em uma guerra constante para inovar, obter novos mercados, novos produtos. E aí mora o perigo”.

Harry Landreth e David C. Colander, em seu livro História do Pensamento Econômico, explicam que “enquanto Marx havia previsto que o declínio do capitalismo derivaria de suas contradições, Schumpeter especulou que seu fim seria produto do seu próprio sucesso”.

Sua ideia de uma sociedade socialista

Em seu trabalho Capitalismo, Socialismo e Democracia, Schumpeter imaginou o tipo de sociedade socialista que surgiria depois que o capitalismo perecesse.

Guillermo Rocafort, professor da Faculdade de Ciências Sociais e Comunicação da Universidade Europeia, inclui o pensador austríaco no grupo de economistas pessimistas ou fatalistas, desiludidos com o capitalismo de sua época.

Enquanto Marx via uma luta de classes entre a burguesia e a classe trabalhadora, Schumpeter percebia uma grande tensão entre um grupo de empreendedores, aqueles que provocam “vendavais capitalistas que levam a um grande crescimento econômico” e outro composto de empreendedores “que implementam um capitalismo não tão pioneiro, mas calculista, mais conservador “, diz Rocafort.

Na sociedade imaginada por Schumpeter, a distribuição da riqueza seria mais justa ainda existiria mercado.

Seria uma sociedade em que o valor da igualdade estaria acima de tudo, segundo Aguiló, “o que levaria a um status quo que desacelera a inovação para e na qual, portanto, o peso do mercado na distribuição dos recursos é menor, e o peso do Estado aumenta.”

Landreth e Colander citam Schumpeter: “Os verdadeiros promotores do socialismo não foram os intelectuais ou agitadores que o pregaram, mas os Vanderbilts, Carnegies e Rockefellers (famílias ricas do início do século 20)”.

Ciclos econômicos

Rocafort explica que Schumpeter reforçou a teoria dos ciclos econômicos como forma de evolução do capitalismo.

“Como se fosse uma montanha-russa, subindo e descendo, (…)Schumpeter refere-se a ciclos econômicos que têm sua origem em inovações tecnológicas e financeiras. Elas causam momentos de grande boom, depois estabilização e depois uma depressão ou recessão”, diz o professor.

O especialista cita como exemplos a quebra da bolsa de 1929 e a crise financeira de 2008.

Schumpeter nos faz ver o capitalismo como “um processo histórico e econômico que não tem crescimento contínuo, o que seria desejável, mas um crescimento bastante volátil, e que, em última análise, tem consequências para a sociedade em termos de, por exemplo, desemprego”.

No século 21

“Vários economistas, incluindo Larry Summers e Brad DeLong, disseram que o século 21 será ‘o século Schumpeter’ e eu concordo”, disse McCraw.

Schumpeter e John Maynard Keynes (na foto) são considerados os principais economistas do século 20
Direito de imagem GETTY IMAGES

“O motivo disso é que a inovação e o empreendedorismo estão florescendo em todo o mundo de uma maneira sem precedentes, não apenas nos casos bem conhecidos da China e da Índia, mas em todos os lugares, exceto em áreas que tolamente continuam a rejeitar o capitalismo.”

“A destruição criativa pode acontecer em uma grande empresa inovadora (Toyota, GE, Microsoft), mas é muito mais provável que isso aconteça nas start-ups, especialmente agora que elas têm muito acesso ao capital de risco”, afirmou McCraw.

De fato, segundo o autor, Schumpeter foi um dos primeiros economistas a usar esse termo: ele o fez em um artigo que escreveu em 1943, no qual falava de capital de risco.

Os inovadores

Schumpeter, suas idéias e, acima de tudo, o conceito de destruição criativa ganharam uma importância especial nas últimas duas décadas.

“É essencial para entender nossa economia”, diz Aguiló. Essa competição de negócios nem sempre significa “dominar o mercado com um produto, mas com uma idéia, com um tipo ou modelo de negócios”.

Rocafort destaca que nessa destruição criativa, inovadores e empreendedores são os principais protagonistas.

Um exemplo é como a indústria de tecnologia e seus gigantes como Google e Microsoft ocuparam o espaço de um setor que nas décadas de 20, 30, 40 e 50 era um dos principais: a indústria automotiva.

“Se você observar o preço das ações, as empresas de tecnologia são as mais importantes e são todas americanas”, diz ele.

Hoje, muitos setores da sociedade pedem uma mudança no sistema econômico
Direito de imagem GETTY IMAGES

Um alerta

Por outro lado, especialistas como López pedem cautela na aplicação das idéias de Schumpeter para explicar a economia atual. “Não é conveniente usar categorias históricas porque são sociedades diferentes. As velhas teorias não funcionariam para nós “, diz ele.

Schumpeter é o produto de uma época e “seu capitalismo não é o capitalismo de hoje”, alerta.

A acumulação de capital era diferente e não tinha nem o alcance global nem o impacto ecológico de hoje. Segundo o professor, o sistema está atravessando barreiras que antes pareciam impensáveis: se um país se industrializa, o emprego aumenta, mas o meio ambiente se deteriora.

“Isso não estava na mente de Schumpeter, nem John Maynard Keynes. [Na época,] a industrialização era o elemento fundamental do desenvolvimento.”

Mas López reconhece que “aspectos parciais do trabalho de Schumpeter [como destruição criativa] podem nos ajudar a entender o sistema”.

Em transição?

Rocafort também concorda que o trabalho de Schumpeter é sua visão pessoal da realidade em que ele viveu. “Agora temos um contexto macroeconômico que não existia na época: paraísos fiscais, fundos de investimento especulativos, endividamento excessivo das nações”, explica.

No entanto, ele esclarece que dada a situação de incerteza que enfrentamos diante da economia mundial, faz sentido procurar explicações nos grandes clássicos da economia. “É preciso tentar ver o que se aplica de cada teórico, porque não pode haver ortodoxia ou dogmatismo na economia. Nós idolatramos Keynes e o resultado, como vimos nos últimos 15 anos, está sendo um fracasso”, diz Rocafort.

O economista acredita que Schumpeter e suas ideias como “ciclos econômicos e destruição criativa” podem ajudar a esclarecer alguns pontos do momento que vivemos. “Talvez o modelo econômico atual esteja esgotado e estejamos precisando de novas inovações tecnológicas e financeiras”.

“Ele fala de destruição criativa como aquele novo ciclo causado por um grande desenvolvimento tecnológico. Talvez um ciclo esteja colidindo com outro, como placas tectônicas”, reflete.

Coronavírus dos meios de transporte da Peste Negra para a Amazon com a cobertura-19: mostra as pandemias impulsivas às megacorporações

Em plena Idade Média na Europa, em junho de 1348, os cidadãos da Inglaterra começaram a ter sintomas misteriosos. No início, eram leves e difusas: dor de cabeça, mal-estar e náusea.

“O triunfo da morte” representa o que aconteceu no século XIV.

Isso foi seguido pelo aparecimento de inchaços negros dolorosos, ou bolhas, que cresceram nas axilas e na virilha, que deram à doença o nome: peste bubônica.

O último estágio da infecção foi febre alta e morte.

Originados na Ásia Central, soldados e caravanas trouxeram as bactérias que causavam o vírus, a Yersina pestis, e que carregavam pulgas que viviam em ratos, aos portos do Mar Negro.

O comércio de mercadorias no Mediterrâneo causou a rápida transmissão da praga, através de navios mercantes que chegaram primeiro na Itália e depois em toda a Europa.

A Peste Negra matou entre um terço e meio da população da Europa e do Oriente Médio.

Esse grande número de mortes foi acompanhado por devastação econômica geral.

“A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo. Ele continuará sendo capitalismo, mas não será visto como tal.”
Desde que um terço da força de trabalho morreu, as colheitas foram deixadas sem coleta e as conseqüências para as comunidades que nelas viviam foram devastadoras.

Uma em cada dez cidades da Inglaterra (como muitas na Toscana e outras regiões da Itália) desapareceu e nunca foi re-fundada.

As casas se tornaram ruínas e estavam cobertas de grama e sujeira. Somente as igrejas foram deixadas de pé.

Portanto, se você se deparar com uma igreja ou capela solitária no meio do campo, é provável que esteja vendo os últimos remanescentes de uma das aldeias perdidas da Europa.

Havia uma cidade ao redor daquela igreja em ruínas?

A experiência traumática da Peste Negra, que matou talvez 80% das pessoas infectadas, levou muitas pessoas a escrever para entender o que haviam experimentado.

Em Aberdeen, John de Fordun, um cronista escocês, registrou que:

“A doença afetou a todos, mas principalmente as classes média e baixa, raramente os nobres.”

“Isso gerou tanto horror que as crianças não ousaram visitar seus pais moribundos, nem os pais seus filhos, mas fugiram por medo de contágio, como lepra ou cobra”.

Essas linhas quase poderiam ter sido escritas hoje.

Yuval Noah Harari: “Esta não é a peste negra. Não é como se as pessoas morressem e não tivéssemos ideia do que as mata”
Embora a taxa de mortalidade da covid-19 seja muito menor que a da Peste Negra, as consequências econômicas foram severas devido à natureza globalizada e altamente integrada das economias modernas.

E, como isso foi adicionado à mobilidade da população, a pandemia se espalhou pelo mundo em questão de meses, não anos.

Mão de obra

Embora a Peste Negra tenha causado danos econômicos a curto prazo, as consequências a longo prazo foram menos óbvias.

Antes de começar a se espalhar, o crescimento da população havia causado um excedente de trabalho há séculos, que foi abruptamente substituído por uma escassez de mão-de-obra quando muitos servos e camponeses livres morreram.

Os historiadores argumentam que essa escassez de mão-de-obra permitiu que os camponeses que sobreviveram à pandemia exigissem melhores salários ou procurassem emprego em outro lugar.

Apesar da resistência do governo, a epidemia corroeu o sistema feudal.

Muita literatura foi escrita sobre o que aconteceu com a peste negra.

Mas outra conseqüência da Peste Negra foi a ascensão de empresários ricos e o estreitamento dos laços entre governos e o mundo dos negócios.

Embora a doença tenha causado perdas de curto prazo para as maiores empresas da Europa, elas concentraram seus ativos no longo prazo e permaneceram com uma participação maior no mercado, enquanto aumentavam sua influência nos governos.

Isso tem fortes paralelos com a situação atual em muitos países do mundo.

Embora as pequenas empresas dependam do apoio do governo para evitar o colapso, muitas outras, principalmente as maiores ou aquelas que entregam em casa, estão se beneficiando generosamente das novas condições do mercado.

O que a peste negra pode nos ensinar sobre as conseqüências econômicas globais de uma pandemia.
A economia de meados do século XIV e hoje são muito diferentes em tamanho, velocidade e interconexão para fazer comparações exatas.

Mas certamente podemos ver paralelos com a forma como a Peste Negra fortaleceu o poder do Estado e acelerou o domínio do domínio das megacorporações sobre os principais mercados.

O negócio da morte

A perda repentina de pelo menos um terço da população da Europa não levou a uma redistribuição uniforme da riqueza para todos os outros.

Em vez disso, as pessoas reagiram à devastação mantendo dinheiro dentro da família.

A peste negra matou de 75 a 200 milhões de pessoas em todo o mundo.
Ao mesmo tempo, o declínio do feudalismo e o surgimento de uma economia baseada em salários, seguindo as demandas camponesas por melhores condições de trabalho, beneficiaram as elites urbanas.

O pagamento em dinheiro, e não em espécie (na concessão de privilégios como o direito de coletar lenha) significava que os camponeses tinham mais dinheiro para gastar nas cidades.

Essa concentração de riqueza acelerou bastante uma tendência pré-existente: o surgimento de empresários mercantes que combinavam o comércio de bens com sua produção em uma escala disponível apenas para aqueles com quantidades significativas de capital.

Por exemplo, a seda, uma vez importada da Ásia e Bizâncio, agora era produzida na Europa.

Mercadores italianos ricos começaram a abrir oficinas de seda e tecido.

Esses empresários estavam em uma posição única para responder à súbita falta de mão-de-obra causada pela Peste Negra.

Diferentemente dos tecelões independentes, que careciam de capital, e diferentemente dos aristocratas, cuja riqueza vinha da terra, os empresários urbanos podiam usar seu capital líquido para investir em novas tecnologias, compensando a perda de trabalhadores com máquinas.

Paradoxalmente, ao reduzir a população, a vida dos sobreviventes melhorou.
No sul da Alemanha, que se tornou uma das áreas mais comercializadas da Europa nos séculos 14 e 15, empresas como a Welser (que mais tarde administrou a Venezuela como colônia privada) combinaram o cultivo de linho com posse dos teares.

Nesses teares, o linho era trabalhado para produzir um tecido que a empresa posteriormente vendeu.

Após a Peste Negra, nos séculos XVI e XV, a tendência era de poucas empresas concentrarem todos os recursos: capital, habilidades e infraestrutura.

A era da Amazon

Avançando para o presente, existem algumas semelhanças claras.

Certas grandes organizações aproveitaram as oportunidades oferecidas pela pandemia da covid-19.

Em muitos países, pequenos restaurantes, bares e lojas fecharam subitamente.

O mercado de alimentos, o varejo em geral e o entretenimento tornaram-se digitais e o dinheiro praticamente desapareceu.

Com os restaurantes fechados, grande parte desse suprimento de alimentos foi absorvida pelas redes de supermercados.

A Amazon é vista como um dos vencedores da pandemia.
Eles têm muitas áreas de vendas e muitos funcionários, além da capacidade de acelerar a contratação e no momento em que muitas pessoas ficam sem emprego.

Eles também têm armazéns, caminhões e capacidade logística complexa.

O outro grande vencedor foram os gigantes do varejo on-line, como a Amazon, que possui serviços de vendas de alimentos nos Estados Unidos, Índia e em muitos países europeus.

Quem está ganhando dinheiro com o coronavírus?

As lojas do nível da rua sofrem com a concorrência de preços e a conveniência da Internet há anos, tornando comuns as notícias de fechamentos e falências.

Empresas em ascensão

Agora, grande parte do espaço de negociação “não essencial” está encerrado, e nossos desejos só podem ser realizados através da Amazon, eBay, Argos, Screwfix e outros.

Houve um claro aumento nas compras on-line, e os analistas se perguntam se essa é uma reviravolta definitiva no mundo virtual e demonstra maior domínio das grandes corporações.

A indústria de streaming de entretenimento, um setor de mercado dominado por grandes corporações como Netflix, Amazon Prime (novamente), Disney e outras, nos mantém distraídos enquanto aguardamos nossos pacotes em casa.

Outros gigantes online como Google (dono do YouTube), Facebook (dono do Instagram) e Twitter fornecem as outras plataformas que dominam o tráfego da Internet.

A paralisação das atividades pelo coronavírus elevou o número de desempregados nos Estados Unidos para 22 milhões.

Pandemias do governo

No nível estadual, a Peste Negra provocou uma aceleração da centralização, aumento de impostos e dependência do governo de grandes empresas.

Na Inglaterra, o declínio no valor da terra e a consequente queda na renda levaram a Coroa, o maior proprietário de terras do país, a tentar limitar os salários aos níveis anteriores à Peste Negra com o Estatuto dos Trabalhadores de 1351, e impor impostos adicionais à população.

Anteriormente, os governos se financiavam e impunham impostos para despesas extraordinárias, como guerras.

Mas os impostos estabelecidos após a Peste Negra estabeleceram um precedente importante para a intervenção do governo na economia.

Esses esforços do governo resultaram em um aumento significativo na participação da Coroa na vida cotidiana.

Nos surtos subsequentes de peste, que ocorreram a cada 20 anos ou mais, o movimento das populações foi restringido por toque de recolher, proibição de viagens e quarentena.

“Obrigado, tio Sam”: os US $ 1.200 que os EUA paga milhões de pessoas para combater o impacto econômico do coronavírus.
Isso fez com que o Estado concentrasse ainda mais poder e substituísse a distribuição regional de autoridade por uma burocracia centralizada.

Muitos dos homens que dirigiram o governo após a praga, como o poeta Geoffrey Chaucer, vieram de famílias mercantes inglesas, algumas das quais ganharam poder político.

Detalhe de uma tapeçaria florentina com dois anjos segurando o brasão de Médici.

O exemplo mais proeminente disso foi o da família De la Pole, que em duas gerações passou de comerciante de lã a detentor do título de Suffolk County.

Com o colapso temporário do comércio e das finanças internacionais após a Peste Negra, Richard de la Pole se tornou o maior prestamista da Coroa e amigo íntimo de Richard II.

Quando as megaempresas italianas reapareceram nos séculos 14 e 15, também se beneficiaram da crescente dependência da coroa de empresas comerciais.

A família Medici, que acabou governando Florença, é o exemplo mais impressionante.

Os comerciantes também ganharam influência política comprando terras, cujo preço havia caído após a Peste Negra.

Possuir terras permitiu que se tornassem nobres e aristocratas e casassem seus filhos com os filhos de senhores com problemas de liquidez.

Com seu novo status e com a ajuda de sogros influentes, as elites urbanas ganharam representação política no Parlamento.

No final do século XIV, o controle estatal do governo e seus estreitos laços com empresas mercantis levaram muitos nobres a se voltar contra Ricardo II.

Depois que Ricardo II levantou impostos para arrecadar dinheiro para continuar sua campanha no exterior, os camponeses pegaram em armas em 1381.

Eles transferiram sua lealdade ao primo, que se tornou Henrique IV, na (vã) esperança de que ele não seguisse as políticas de Ricardo.

Isso e as subsequentes Guerras das Rosas foram impulsionadas em parte pela hostilidade da nobreza em relação à centralização do poder do governo.

A derrota de Enrique a Ricardo III em 1485 não apenas terminou a guerra, mas anulou qualquer tentativa da nobreza inglesa de recuperar a autoridade regional, abrindo caminho para o crescimento contínuo das empresas e do governo central.

O estado em que estamos

O poder do estado é algo que assumimos amplamente no século XXI.

Em todo o mundo, a idéia de nação soberana tem sido central na política e na economia imperiais nos últimos séculos.

Mas a partir da década de 1970, tornou-se comum os intelectuais sugerirem que o Estado era menos importante, seu monopólio sobre o controle do território começou a ser disputado por empresas multinacionais.

Em 2016, das 100 maiores entidades econômicas, 31 eram países e 69 eram empresas.

O Walmart era maior que a economia da Espanha, a Toyota, maior que a da Índia.

A capacidade dessas grandes empresas de influenciar políticos e reguladores já foi clara o suficiente: basta olhar para o papel das empresas de petróleo em negar as mudanças climáticas.

E que Margaret Thatcher, primeira ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, declarou que pretendia “reverter o Estado” também trouxe mudanças.

Desde então, mais e mais ativos que antes eram estatais começaram a ser operados como empresas ou como agentes privados em um mercado regulamentado pelo estado.

Aproximadamente 25% do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, por exemplo, possui contratos com o setor privado.

O sistema de saúde do Reino Unido tem sofrido muita pressão durante a pandemia – Direitos autorais da imagem GETTY IMAGES

Em todo o mundo, transportes, serviços públicos, telecomunicações, dentistas, oftalmologistas, correios e muitos outros serviços costumavam ser monopólios estatais e agora são administrados por empresas.

É comum ouvir-se que as indústrias nacionalizadas ou estatais são lentas e precisam de disciplina no mercado para se tornarem mais modernas e eficientes.

Mas, graças ao coronavírus, o estado voltou novamente como um tsunami.

Seus gastos foram direcionados aos sistemas nacionais de saúde, abordaram os problemas dos sem-teto, forneceram renda básica universal para milhões de pessoas e ofereceram garantias de empréstimos ou pagamentos diretos a um grande número de empresas.

Essa é a economia keynesiana de larga escala, na qual os títulos nacionais são usados ​​para emprestar dinheiro lastreado em impostos futuros dos contribuintes.

As idéias sobre o equilíbrio orçamentário parecem ser, por enquanto, históricas, dado o número de setores que dependem de resgates públicos.

Políticos de todo o mundo tornaram-se repentinamente intervencionistas, usando metáforas da época da guerra para justificar gastos gigantescos.

Também não se fala muito da restrição surpreendente das liberdades pessoais. A autonomia do indivíduo é fundamental para as idéias neoliberais.

Os “povos amantes da liberdade” contrastam com aqueles que vivem suas vidas sob o jugo da tirania, de estados que exercem poderes de vigilância como um Big Brother sobre o comportamento de seus cidadãos.

Quase metade da população da Inglaterra desapareceu devido à peste negra.

No entanto, nos últimos meses, estados ao redor do mundo restringiram o movimento para a grande maioria das pessoas e estão usando a polícia e as forças armadas para impedir multidões em espaços públicos e privados.

Teatros, bares e restaurantes estão fechados.

Também parques estão fechados, e até sentar em bancos pode motivo para levar uma multa, ou bem correr muito perto de alguém.

Um rei medieval ficaria impressionado com esse nível de autoritarismo.

O poder do Estado está agora sendo exercido de maneiras nunca vistas desde a Segunda Guerra Mundial, e tem havido amplo apoio público a ele.

Resistência popular

Para retornar à Peste Negra, o crescimento da riqueza e a influência de comerciantes e grandes empresas agravaram seriamente o sentimento anti-comércio que já existia.

O pensamento medieval, intelectual e popular, sustentava que o comércio era moralmente suspeito e que os comerciantes, especialmente os ricos, eram propensos à ganância.

A Peste Negra foi amplamente interpretada como a punição de Deus pelo pecado da Europa, e muitos escritores pós-epidêmicos culparam a Igreja, os governos e as empresas ricas pelo declínio moral da cristandade.

O famoso poema de protesto de William Langland, Piers Plowman (“Peter, o Labrador”), era fortemente anti-comercialista.

Lutero ficou indignado com o monopólio da Igreja Católica.

Outras obras, como o poema de meados do século XV, o Libelle de Englysche Polycye, toleraram o comércio, mas o desejavam nas mãos dos comerciantes ingleses e fora do controle dos italianos, que, segundo o autor, empobreceram o país.

Com o avanço dos séculos XIV e XV, e as corporações ganharam maior participação no mercado, a hostilidade popular e intelectual aumentou. A longo prazo, isso teria resultados incendiários.

Já no século XVI, a concentração do comércio e das finanças nas mãos das empresas havia se tornado um monopólio próximo dos bancos reais e papais.

Essas empresas também tinham o monopólio ou quase as principais matérias-primas da Europa, como prata, cobre e mercúrio, e importações da Ásia e das Américas, principalmente especiarias.

Martin Luther (o teólogo que promoveu a reforma religiosa na Alemanha e cujos ensinamentos foram inspirados pela Reforma Protestante) ficou indignado com essa concentração e principalmente com o monopólio da Igreja Católica.

Em 1524, ele publicou um tratado argumentando que o comércio deveria ser conduzido em nome do bem comum (alemão) e que os comerciantes não deveriam cobrar preços altos por seus produtos.

Este sinal foi colocado em cemitérios para alertar sobre a Peste Negra.

Juntamente com outros escritores protestantes, como Philip Melancthon e Ulrich von Hutten, Luther apontou o sentimento anti-mercado existente de criticar a influência dos negócios no governo, acrescentando injustiça financeira ao seu pedido de reforma religiosa.

Max Weber associou o protestantismo ao surgimento do capitalismo e do pensamento econômico moderno.

(Recomendo a leitura de “A ética Protestante e O Espírito do Capitalismo”, de Weber)

Mas os primeiros escritores protestantes se opuseram às corporações multinacionais e à comercialização de suprimentos básicos, apontando para o sentimento anti-comercial que teve suas raízes na Peste Negra.

Essa oposição popular e religiosa acabou levando à ruptura com Roma e à transformação da Europa.

Pequeno é sempre bom?

No século 21, nos acostumamos à idéia de que as empresas capitalistas produzem concentrações de riqueza.

Quer se trate de industriais vitorianos, aristocracia, ladrões americanos ou bilionários pontocom, as desigualdades geradas pelos negócios e a capacidade de corromper governos moldaram o debate comercial desde a revolução industrial.

Para os críticos, as grandes empresas costumam ser caracterizadas como cruéis.

Um gigante que esmaga as pessoas comuns sob as rodas de suas máquinas ou extrai vampiricamente os lucros do trabalho das classes trabalhadoras.

Como vimos, o debate entre pequenas empresas locais e aqueles que favorecem corporações e poder estatal remonta há muitos séculos.

Poetas e radicais românticos lamentavam como os “moinhos satânicos escuros” estavam destruindo o campo e produzindo pessoas que nada mais eram do que apêndices em máquinas.

As populações dos países ocidentais foram alimentadas por grandes redes de supermercados durante a pandemia.

A idéia de que o artesão honesto estava sendo substituído pelo empregado alienado, um escravo assalariado, é comum tanto aos críticos nostálgicos quanto aos progressistas do capitalismo primitivo.

Na década de 1960, a fé nos negócios locais, combinada com suspeitas sobre empresas e o estado, deu origem a movimentos ecológicos, como o Occupy ou o Extinction Rebellion.

Consumir comida local, usar dinheiro local e tentar aumentar o poder de compra de “instituições âncoras”, como hospitais e universidades, em direção a pequenas empresas sociais tornou-se o senso de muitos ativistas econômicos contemporâneos.

Mas a crise do covid-19 questiona esse “pequeno é bom e grande é ruim” de algumas maneiras fundamentais.

Do Washington Post a uma cadeia de supermercados: os tentáculos do império de Jeff Bezos além da Amazon.

Parece ser necessário uma organização em larga escala para lidar com a grande variedade de problemas que o vírus gerou, e os estados que parecem ter tido mais sucesso são aqueles que adotaram as formas mais intervencionistas de vigilância e controle.

Até o mais ardente pós-capitalista teria que reconhecer a incapacidade das pequenas empresas sociais de equipar um hospital gigantesco em poucas semanas.

E, embora existam muitos exemplos de empresas locais envolvidas na entrega de alimentos e uma quantidade louvável de ajuda ao cidadão, a população dos países ocidentais está sendo amplamente alimentada por redes de supermercados com operações logísticas complexas.

Após o coronavírus

O resultado a longo prazo da Peste Negra foi o fortalecimento do poder das grandes empresas e do Estado. Os mesmos processos ocorreram durante a quarentena de coronavírus e muito mais rápidos.

Mas devemos ser cautelosos com as fáceis lições históricas.

A história nunca se repete realmente.

As circunstâncias de cada época são únicas e simplesmente não é aconselhável tomar as “lições” da história como experimentos que testam certas leis gerais.

O coronavírus não matará um terço de qualquer população, portanto, embora seus efeitos sejam profundos, eles não causarão a mesma escassez de trabalhadores. Na verdade, reforçou o poder dos empregadores.

A diferença mais profunda é que a causada pelo vírus coincide com outra crise, a das mudanças climáticas.

Existe um risco real de que as políticas de recuperação econômica simplesmente substituam a necessidade de reduzir as emissões de carbono.

Este é o cenário de pesadelo, em que o covid-19 é apenas um prenúncio de algo muito pior.

O coronavírus está afetando o planeta.

Mas as enormes mobilizações de pessoas e dinheiro que governos e empresas implementaram também mostram que as grandes organizações podem se reformar e ao mundo notavelmente rapidamente, se quiserem.

Isso fornece um motivo real de otimismo em relação à nossa capacidade coletiva de redesenhar a produção de energia, transporte, sistemas alimentares e muito mais – o novo acordo ecológico que muitos formuladores de políticas têm patrocinado.

A Peste Negra e o covid-19 parecem ter causado a concentração e centralização dos negócios e do poder do Estado.

É interessante saber disso.

Mas a questão mais importante é se essas forças podem ajudar a combater a crise que se aproxima.

Eleanor Russell é Doutor em História na Universidade de Cambridge e Martin Parker é professor na Universidade de Bristol, ambos no Reino Unido.

Tecnologia,Economia,Trabalho,Emprego,Blog do Mesquita 01

A banca, a farsa e a ditadura invisível

George Orwell e a novilíngua

O romance 1984 de George Orwell, pseudônimo do súdito nascido na Índia Eric Arthur Blair, lançado em 1949, é uma crítica a Stalin e à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e, de modo sutil, a glorificação de Winston Churchill, nome do herói – Winston – do romance.Imagem relacionada

Logo no início do livro travamos conhecimento da existência do Ministério da Verdade e da Novilíngua, graças aos quais se difundiam lemas governamentais: “liberdade é escravidão”, “ignorância é força”.

Parece ridículo que alguém fosse atingido por tais farsas? Mas outra coisa não lhe é feita, desde os anos 1980, com as palavras e expressões tais como globalização, mercado livre, política ou decisão inevitável, modernização trabalhista, ações indispensáveis, contenção de despesas públicas, superavit fiscal, déficits públicos e baboseiras semelhantes.

A ensaísta e premiada escritora francesa Viviane Forrester publicou, em 2000, Uma Estranha Ditadura (UNESP, 2001) que desmascara a novilíngua neoliberal, que tomou conta de todas as notícias da imprensa, das análises supostamente técnicas e mesmo da academia, como demonstra com precisão e objetividade o filme de Charles Ferguson, Trabalho Interno (Inside Job), lançado em 2010.

Vamos analisar os verdadeiros significados destas palavras, os objetivos desta farsa e, como é óbvio, quem é beneficiado com este reeditado “1984”.

Tomemos um caso concreto – a reforma da previdência social no Brasil. Como já foi sobejamente demonstrado esta previdência é superavitária, mesmo sem a cobrança de milhões de reais devidos por empresas privadas.

O economista J. Carlos de Assis, nas páginas do jornal Monitor Mercantil e em vários blogs e portais virtuais, lançou o desafio a qualquer membro do governo, economista chapa branca ou independente, analista de jornal, rádio e emissora de televisão e doutos acadêmicos para debater com ele o “déficit previdenciário”. Ninguém se ofereceu a este repto que já completa dois meses.

Vejamos alguns elementos desta novilíngua. Primeiro este “pensamento único”, por si já prova do sentido ditatorial, que se autodenomina neoliberal. Que magnífica composição: neo, dando a ideia de novo, de atual, e liberal, que lembra imediatamente liberdade, independência.

Mas significando efetivamente a selvageria do cada um por si, de nenhuma restrição ao abuso, da satisfação de desejo, o mais iníquo, e a competitividade destruidora de pessoas e bens.

Resultado de imagem para a ditadura invisivel da economia

Viviane Forrester levantou, para março de 1996, sete grandes empresas multinacionais que tiveram cotações em bolsa elevadas com a divulgação da demissão de empregados. O resultado desta “competitividade” foi transferir o dinheiro de salários para os maiores lucros dos acionistas, um processo de concentração de renda e de expansão da miséria.

Mas a competitividade parece atender a voz divina que manda os ricos ficarem mais ricos e os pobres ainda mais pobres. Ou você não havia notado esta novilíngua?

Para que serve a economia? Para promover concentração de riqueza ou existência digna para as pessoas?

Em Londres e em Nova Iorque houve manifestações, peço atenção do analfabeto Ministro da (des)Educação (sic) – “houveram” – remete-lo-ia (!) ao ensino Fundamental I, de mestres de escolas de economia em defesa do real estudo desta disciplina, pois, em suas próprias palavras, estava sendo transformada apenas e simplesmente em engenharia financeira. Mas a imprensa mundial, dominada pela banca (sistema financeiro), fez-se surda e muda.

Resultado de imagem para a ditadura invisivel da economia

Outro vocábulo da novilíngua é globalização. Viviane Forrester chama “obra-prima do gênero” farsante.

Escreve esta crítica francesa: “seu nome por si só cobre todos os fatos de nossa época e consegue camuflar, tornando-a indiscernível no interior desse amálgama, a hegemonia do ultraliberalismo: um sistema político que, sem estar oficialmente no poder, comanda o conjunto daquilo que os poderes têm a governar, obtendo uma plenipotência planetária”.

Este avanço da banca à economia, à política, à comunicação social, a toda sociedade já é descrito até por seus executivos e membros de um organismo da banca: o Fundo Monetário Internacional (FMI).

E a imprensa, mesmo quando combate ações da banca, divulga a novilíngua, como se fosse inevitável a discussão nos seus termos e significados. É uma escolha a qual também devemos combater.

Afinal expropriação privada é tirar de alguém, sem que haja interesse público, algo que lhe pertence, seja o salário, no exemplo dado por Viviane Forrester, seja o direito à saúde ou à educação.

Chame-se de déficit público, de custo irrecuperável, de administração perdulária (como se altos juros não fosse o mais perdulário dos gastos públicos), de futura insolvência, como se alardeia às aposentadorias e pensões, sempre é você que está sendo tungado.

Já pensou o caro leitor quem vai receber suas contribuições previdenciárias se não for o Estado? e que garantia você terá da própria permanência da seguradora ou banco daqui a 30 ou 40 anos quando você resolver se aposentar?

É a farsa da banca que nos coloca nesta ditadura da própria linguagem, muito mais difícil de se insurgir do que a da censura, dos tanques nas ruas ou de um Estado totalitário. É a ditadura invisível que nos oprime neste século XXI. E que os coxinhas, batedores de panela ou simplesmente ignorantes colocaram no Poder no Brasil.

Economia,Capitalismo,Blog do Mesquita 01

Geopolítica e tecnologia ameaçam o domínio financeiro da América

Em janeiro, um ex-general americano falou em uma reunião de financistas globais seniores. Acostumado a pensar em estratégia e força, ele alertou que os Estados Unidos estão lidando mal com a mais complexa gama de ameaças desde a Guerra Fria – do Irã e da Rússia ao novo coronavírus.

Mas ele também falou de uma ameaça muito menos visível: como, através do uso agressivo de sanções econômicas, os Estados Unidos estão usando mal sua influência como poder financeiro predominante, pressionando aliados e inimigos para a construção de uma arquitetura financeira separada. “Não tenho certeza da apreciação do decisor-chefe de como o sistema financeiro funciona”, disse ele. O fato de um ex-general estar pensando no sistema financeiro global diz muito sobre o quão significativo esse perigo se tornou.

O sistema é constituído por instituições, moedas e ferramentas de pagamento que determinam como a liquidez invisível que alimenta a economia real flui ao redor do mundo. Os Estados Unidos têm sido seu centro pulsante desde a Segunda Guerra Mundial. Agora, porém, erros repetidos e a crescente atração da China começaram a rasgar as costuras. Muitos assumem que o status quo está enraizado demais para ser desafiado, mas esse não é mais o caso. Uma esfera financeira separada está se formando no mundo emergente, com diferentes pilares e um novo mestre.

O hegemon-in-waiting financeiramente, como geopoliticamente, é a China, cuja rápida ascensão está puxando o sistema. Hoje, o país representa 15,5% do PIB global, ante 3,6% em 2000. Sua economia, a segunda maior do mundo, está profundamente envolvida no tecido do comércio global. No entanto, pesa pouco no sistema financeiro. A China considera a correção dessa assimetria crucial para obter o status de grande potência. “O domínio do dólar está sendo escavado por baixo”, diz Tom Keatinge, da rusi, um think tank. A crise do covid-19 ameaça dar um impulso decisivo às forças centrífugas.

O primeiro pilar do sistema foi estabelecido em 1944 com a fundação do Banco Mundial, o FMI e a ordem monetária global em Bretton Woods, New Hampshire. Tendo fornecido armas a aliados durante a guerra, os EUA possuíam a maior parte do ouro do planeta, no qual precificavam seus produtos. Grande parte da Europa e da Ásia estava em ruínas. O sistema entre guerras das taxas de câmbio flutuantes se mostrou disfuncional. Decidiu-se, portanto, que todas as moedas seriam vinculadas ao dólar e o dólar vinculado ao ouro. Isso fez do dólar a nova moeda de reserva do mundo. Duas décadas depois, o crescente peso econômico do Japão e da Alemanha, juntamente com a imensa impressão de dinheiro dos Estados Unidos durante a guerra do Vietnã, tornaram os estacas insustentáveis. O sistema se desintegrou, mas o “padrão do dólar” sobreviveu.

Na década de 1970, os Estados Unidos também dominaram o sistema de encanamento que sustenta os pagamentos globais. Os bancos americanos, então impedidos de operar fora das fronteiras estaduais, se uniram para desenvolver sistemas de mensagens interbancárias e redes de caixas eletrônicos em todo o país. Os credores também se uniram para formar “esquemas” de cartão de crédito – associações que estabelecem as regras e sistemas através dos quais os membros liquidam os pagamentos em plástico. Esses mundos se fundiram quando duas das principais redes de cartões (logo Visa novamente e MasterCard) compraram as duas maiores empresas de caixas eletrônicos para expandir no exterior. Ao permitir que as pessoas comprassem em qualquer lugar, cartões e caixas eletrônicos se tornaram a infraestrutura dominante para movimentar pequenas somas de dinheiro em todo o mundo.Dinheiro,Economia,Ouro,BitCoin,Dolar,Euro,Real,Blog do Mesquita

Uma revolução logo se seguiu em transferências de grande valor. No antigo sistema de “telex”, um pagamento transfronteiriço entre bancos exigia a troca de uma dúzia de mensagens em texto livre, um processo propenso a erros humanos. Em 1973, um grupo de bancos se uniu para criar o swift, um serviço de mensagens automatizado que atribui um código único a cada agência bancária. Tornou-se a língua franca para pagamentos por atacado.

A nova tecnologia impulsionou os bancos americanos, que se tornaram mais bem equipados para acompanhar clientes no exterior e seus mercados de capitais, ajudados pela digitalização de ativos em papel. Após a reconstrução, o Japão e a Alemanha, ricos em poupança, depositaram seus dólares em títulos do tesouro. Um boom imobiliário gerou títulos lastreados em ativos. Entre 1980 e 2003, o estoque de títulos da América cresceu de 105% para três vezes o PIB, formando o trampolim internacional para seus bancos de investimento. Após um big bang regulatório nos anos 90, eles se fundiram com bancos comerciais. Em 2008, 35 empresas haviam se tornado as quatro maiores empresas – Citigroup, Wells Fargo, JPMorgan Chase e Bank of America – a última ponta do domínio financeiro da América.

A atração da América dentro do sistema permanece enorme. Quando os desastres acontecem, o dólar aumenta. Ainda é a reserva de valor mais segura do mundo e seu principal meio de troca. Isso faz da instituição que a menta o metrônomo dos mercados globais. Em 2008, o Federal Reserve da América evitou uma crise geral de caixa em todo o mundo ao oferecer “linhas de swap” aos bancos centrais do mundo rico, permitindo que eles emprestassem dólares em suas próprias moedas. Quando o pânico tomou conta dos mercados novamente em março, o Fed expandiu a oferta para alguns países emergentes. Em abril, ampliou-o ainda mais, permitindo que a maioria dos bancos centrais e instituições internacionais trocassem seus títulos de dívida americanos contra dólares, impedindo assim a debandada.

O encanamento financeiro do mundo também permanece sob o controle da América. os 11.000 membros da swift em todo o mundo fazem ping uns aos outros 30 milhões de vezes por dia. A maioria das transações internacionais que eles fazem são encaminhadas através de Nova York pelos bancos “correspondentes” americanos para os chips, uma câmara de compensação que paga US $ 1,5 trilhão em pagamentos por dia. A Visa e a Mastercard processam dois terços dos pagamentos com cartão em todo o mundo, de acordo com a Nilson Report, empresa de dados. Os bancos americanos capturam 52% das taxas de banco de investimento do mundo.Rodando o globo terresre,Capitalismo,Economia,Humor,Trabalho,Escravos,Blog do Mesquita

Três coisas estão impulsionando a mudança. Primeiro, o fator “empurrão” da geopolítica. A centralidade da América permite aleijar os rivais, negando-lhes acesso ao suprimento de liquidez do mundo. Até recentemente, ele se absteve de fazê-lo. O sistema financeiro era visto como uma infraestrutura neutra para promover o comércio e a prosperidade. As primeiras rachaduras apareceram depois de 2001, quando os Estados Unidos começaram a usá-la para sufocar fundos para o terrorismo. O crime organizado e os proliferadores nucleares logo se juntaram à lista. Ele convenceu os aliados ao apresentar grupos como ameaças à segurança internacional e à integridade do sistema financeiro, diz Juan Zarate, ex-consultor de George W. Bush que projetou o programa original.

O arsenal ganhou força sob Barack Obama. Após a invasão da Crimeia pela Rússia em 2014, os EUA puniram oligarcas, empresas e setores inteiros de uma economia com o dobro do tamanho das metas anteriores. Sanções “secundárias” foram impostas às empresas de outros países que negociavam com entidades na lista negra. Desde então, o presidente Donald Trump elevou o sistema para uso como arma e o usou contra aliados. Em dezembro, visou empresas construindo um gasoduto que trazia gás russo para a Europa. Em março, endureceu as sanções contra o Irã, enquanto outros canalizavam ajuda para o país. O arsenal dificilmente parece imparcial: desde 2008, os EUA multam os bancos europeus em US $ 22 bilhões, dos US $ 29 bilhões no total. Em 2019, ele designou novas metas de sanções 82 vezes, diz Adam Smith, da Gibson Dunn, um escritório de advocacia.

As sanções agora são cada vez mais usadas em conjunto com outras restrições para estrangular a China. O Departamento de Comércio mantém uma série de listas de entidades com as quais outras empresas não conseguem lidar. Um deles, a lista “não verificada”, proíbe as exportações para empresas sobre as quais o ministério tem dúvidas. Ele passou de 51 nomes em 2016 para 159 em março. As entidades chinesas representam dois terços das adições. Outros departamentos também estão correndo para serem vistos como os mais difíceis da China.

No curto prazo, a natureza opaca de todo o sistema maximiza o impacto das sanções. Mas também cria um forte incentivo para que outras pessoas busquem soluções alternativas, e a tecnologia está cada vez mais fornecendo as ferramentas necessárias para construí-las.

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio

Tais avanços resultam do segundo impulsionador das novas tendências: o fator “puxar” das tentativas de atender às necessidades das economias emergentes. As empresas de tecnologia visam as 2,3 bilhões de pessoas no mundo com pouco acesso a serviços financeiros. Ajudados por capital abundante e regras permissivas, eles criaram sistemas de baixo custo que estão começando a exportar. Alguns também visam possibilitar o comércio em regiões onde os cartões de crédito são raros, mas os celulares são comuns. Apoiados por seu enorme mercado doméstico, os “superapps” da China administram ecossistemas nos quais os usuários passam o seu caminho sem usar dinheiro real.China,Economia,China,Blog do Mesquita

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio. A maioria empresta no exterior e precifica suas exportações em dólares. A América já foi o maior comprador. Sempre que o dólar subia, a demanda se seguia, compensando dívidas mais caras. Mas um dólar mais forte agora significa que a China, seu principal parceiro comercial, pode comprar menos coisas. Portanto, a demanda cai exatamente quando o pagamento dos empréstimos fica mais caro. E as apostas aumentaram: o estoque da dívida em dólares dos mercados emergentes dobrou desde 2010, para US $ 3,8 trilhões.

O terceiro fator que ajuda os insurgentes é o covid-19, que pode levar a um ponto de inflexão. Já prejudicado pelo aumento das tarifas, é provável que o comércio global se fragmente ainda mais. Como uma ruptura distante causa escassez local, os governos querem encurtar as cadeias de suprimentos. Isso dará às potências regionais como a China mais espaço para escrever suas próprias regras. As consequências econômicas nos Estados Unidos – inclusive o impacto fiscal de suas medidas de estímulo de US $ 2,7 bilhões – podem prejudicar a confiança em sua capacidade de pagar dívidas, que sustentam seus títulos e moeda.Economia,Blog-do-Mesquita,Bancos,Finanças 02

Mais importante, a crise prejudica a confiança de outros países na aptidão dos EUA para liderar. Ele ignorou os primeiros avisos e estragou sua resposta inicial. A China é culpada de coisas piores – seus próprios erros ajudaram a exportar a covid-19 em primeiro lugar. No entanto, conseguiu conter os casos rapidamente e agora está transmitindo uma narrativa de competência doméstica. A capacidade da América de garantir a prosperidade global é a cola que mantém a ordem financeira unida. Com sua legitimidade gravemente atingida, novos ataques ao sistema parecem inevitáveis. Na linha da frente estão os soldados de infantaria do sistema do dólar, os bancos.

O total de desempregados nos EUA está prestes a ficar pior do que durante a Grande Depressão. É hora de uma nova abordagem radical

© AFP / GETTY IMAGES AMÉRICA DO NORTE / SPENCER PLATT

Estamos entrando em uma Depressão ainda maior do que nos anos 1930, com centenas de milhões de desempregados em todo o mundo.

Noventa e um anos após o início da Grande Depressão (a pior crise do capitalismo até agora), estamos entrando em uma Depressão ainda maior. Os anos 30 foram tão terríveis que, desde então, os líderes das economias capitalistas disseram ter aprendido a evitar futuras depressões. Todos prometeram tomar as medidas necessárias para evitá-las. Todas essas promessas foram quebradas. O capitalismo permanece intrinsecamente instável.

Essa instabilidade é revelada em seus ciclos recorrentes, recessões, desacelerações, depressões, colisões, etc. Eles atormentaram o capitalismo onde quer que ele se estabelecesse como o sistema econômico predominante. Agora que o sistema econômico predominante no mundo inteiro é o capitalismo, sofremos instabilidade global. Até o momento, a instabilidade capitalista resistiu a todos os esforços (políticas monetárias e fiscais, economia keynesiana, privatização, desregulamentação etc.) para superá-la ou detê-la. E agora está aqui mais uma vez.

Em todo o mundo, centenas de milhões de trabalhadores estão desempregados. As ferramentas, equipamentos e matérias-primas de suas fábricas, escritórios e lojas ficam ociosos, acumulando poeira e ferrugem. Os bens e serviços que eles podem ter produzido não surgem agora para nos ajudar nesses tempos terríveis. Plantas e animais perecíveis que agora não podem ser processados ​​são destruídos, mesmo quando a escassez se multiplica.

O capitalismo é um sistema instável e quebrado que está além do reparo – mas existem alternativas.
Os trabalhadores perdem seus empregos se e quando os empregadores – principalmente capitalistas privados – os demitem. Os empregadores contratam trabalhadores quando os trabalhadores agregam mais valor ao que o empregador vende do que o valor do salário desses trabalhadores. A contratação aumenta os lucros. Os empregadores despedem trabalhadores quando acrescentam menos do que o valor dos salários pagos a eles. O disparo reduz as perdas. Os empregadores protegem e reproduzem suas empresas, maximizando os lucros e minimizando as perdas.

O lucro, não o pleno emprego dos trabalhadores nem os meios de produção, é “o resultado final” dos capitalistas e, portanto, do capitalismo. É assim que o sistema funciona. Os capitalistas são recompensados ​​quando seus lucros são altos e punidos quando não são.

Ninguém quer desemprego. Os trabalhadores querem seus empregos de volta; os empregadores querem que os trabalhadores voltem a produzir resultados lucrativos; os governos querem as receitas tributárias que dependem de trabalhadores e empregadores capitalistas que colaboram ativamente para produzir.

No entanto, o sistema capitalista produz regularmente crises econômicas em todos os lugares por três séculos – em média, a cada quatro a sete anos. Até o momento, tivemos três acidentes neste século: ‘dot.com’ em 2000, ‘hipoteca subprime’ em 2008 e agora ‘corona’ em 2020. Isso ocorre em média em um acidente logo a cada sete anos – a norma do capitalismo ‘ Os capitalistas não querem desemprego, mas o geram regularmente. É uma contradição básica do seu sistema.


Por Richard D. Wolff, professor de Economia Emérito, Universidade de Massachusetts, Amherst, e professor visitante no Programa de Pós-Graduação em Assuntos Internacionais da New School University, Nova York. O programa semanal de Wolff, Economic Update, é distribuído em mais de 100 estações de rádio e vai para 55 milhões de receptores de TV via Free Speech TV e seus dois livros recentes com Democracy at Work são Understanding Marxism e Understanding Socialism, ambos disponíveis em democratwork.info.

Bertrand Badie:Covid-19 está evidenciando de forma dolorosa a verdadeira face da globalização

Os profetas do neoliberalismo viraram promotores da economia social. É preciso voltar aos imperativos sociais”

Bertrand Badie, em seu escritório do Instituto de Estudos Políticos.PATRICE NORMAND / AFP / CONTACTOPHOTO / PATRICE NORMAND / AFP
CARLA MASCIA

Que um vírus originado em um mercado de Wuhan tenha se espalhado pelos cinco continentes em apenas algumas semanas, causando uma das crises sanitárias mais graves da história da humanidade não surpreende Bertrand Badie, um dos maiores especialistas franceses da globalização. O cientista político de 69 anos, professor emérito no Science Po (Instituto de Estudos Políticos de Paris) e pesquisador associado ao Centro de Estudos e Pesquisas Internacionais (CERI), há décadas defende que a ação individual de um dos 6 bilhões de habitantes do planeta pode ser mais importante do que a decisão de qualquer Governo.

Em um “mundo único” em que as fronteiras já não impedem que o que acontece em um país tenha efeitos imediatos nos outros, onde a interdependência entre os diferentes setores de atividade humana jamais havia sido tão importante e a mobilidade, tanto humana como de mercadorias, tão veloz, “um aperto de mãos em Wuhan” pode colocar em xeque toda a humanidade, afirma.

Por isso, o autor do recente ensaio L’Hégémonie Contestée acha que a crise atual precisa abrir nossos olhos para a importância da dimensão social da mundialização, abandonando o dogma neoliberal que se limita a conceber o ser humano como um simples ator econômico para abraçar um multilateralismo inclusivo.

Pergunta. Acha que a pandemia do coronavírus revelou o verdadeiro rosto da globalização?

Resposta. Penso que, até essa crise, a opinião pública e, o que é ainda mais surpreendente, os dirigentes dos diferentes países do mundo ignoravam e pretendiam ignorar o que esse fenômeno realmente significa. A mundialização muda profundamente o próprio significado da alteridade. O outro, em nosso antigo sistema westfaliano, era o inimigo potencial; depois, com o livre comércio e a aceleração das trocas comerciais, o outro se transformou em um competidor, um rival, e não vimos que, no plano social, estava sendo criada outra definição de alteridade, em que o outro era um parceiro cujo destino está profundamente ligado ao nosso. Isso significa que entramos em mundo que já não é o da hostilidade e da competição, e sim necessariamente o da solidariedade, porque agora se quero sobreviver e, ainda mais, ganhar, preciso me assegurar de que o outro sobreviva e que o outro ganhe, e temos muita dificuldade em admitir isso. Essa dificuldade nos levou nesse contexto de crise a escutar idiotices como “é um vírus chinês” e “o vírus é um inimigo do povo americano”, como afirmou o presidente dos Estados Unidos. Donald Trump não entendeu que o verdadeiro significado da mundialização está na criação de necessidades de integração social que devemos satisfazer urgentemente, do contrário nos encaminharemos ao desastre.

P. O senhor defende que é a fraqueza, e não a força, que rege o mundo globalizado em que vivemos. A que se refere?

R. Em um mundo inclusivo, interdependente e móvel, é o fraco que decide enquanto o poderoso está perpetuamente em uma posição reativa e defensiva. Devemos levar muito a sério as novas necessidades de segurança humana já que dos segmentos de população mais inseguros, frágeis em termos de saúde, economia, alimentação e condições climáticas, vem necessariamente o risco mais agudo da crise. Não devemos nos esquecer que esse vírus nasceu em um mercado de Wuhan caracterizado por uma grande precariedade sanitária. A vulnerabilidade de nossas sociedades extraordinariamente sofisticadas é, em última instância, bem alta. Entramos em um mundo invertido em que a lógica da fraqueza é a lei. Isso se observa em outros conflitos que ameaçam o planeta como o Sahel, Oriente Médio, a bacia do Congo e o Chifre da África, que continuam sendo áreas de grande fraqueza e que, de certo modo, conformam a agenda internacional.

P. Por que os Estados continuam priorizando o investimento militar para garantir sua segurança, sem se preocupar com os focos de vulnerabilidade que o senhor menciona?

R. Vivemos durante séculos e séculos com a ideia de que o que nos ameaça e causa nossa insegurança é de natureza militar e interestatal. No mundo de hoje gasta-se por volta de dois trilhões de dólares (10 trilhões de reais) em orçamento militar. Precisamos admitir que essa competição só adula a arrogância dos Estados e não tem nenhuma eficácia em termos humanos. O Programa das Nações Unidas ao Desenvolvimento deixou claro em um relatório de 1994 que a principal ameaça ao mundo era a humana, a alimentar, a sanitária, a ambiental, entre outras, e ninguém, nenhum líder do planeta levou a sério essa advertência, seguindo os incertos caminhos do investimento militar. Se pelo menos essa crise servir para que os dirigentes que até agora não estavam à altura de sua responsabilidade, e que não quiseram ver o que estava diante de seus olhos, levem a sério, então terá servido para algo.

P. O que lhe inspira a guinada keynesiana que de repente impregna o discurso de alguns políticos mais conhecidos por sua orientação liberal como Donald Trump e Emmanuel Macron?

R. É preciso lembrar que o social foi assassinado pelo neoliberalismo e relegado a um mero efeito de goteira. A famosa fórmula tão elogiada pelo Banco Mundial de que “o crescimento é bom para os pobres” porque acabarão se beneficiando de seus efeitos, reflete a maneira como o social foi concebido nos últimos 30 anos. Se hoje os profetas do neoliberalismo estão se transformando em promotores da economia social é porque concebem, diante da catástrofe atual, que já não será possível fazer o mesmo que antes e que será necessário voltar aos imperativos sociais.

P. Acha que essa mudança social será duradoura?

R. É muito cedo para saber se irá se manter após a crise ou se as velhas práticas voltarão. Há um sinal de otimismo, entretanto, no fato de que o novo foco dessa direita que se confundia com o ultraliberalismo, responsável pelo desmantelamento dos serviços públicos, foi anterior à crise sanitária. O ano de 2019 foi extremamente turbulento com a proliferação de movimentos sociais em todo o mundo e isso teve consequências. A prova disso é, por exemplo, o tom social adotado por Boris Johnson no Reino Unido durante as últimas eleições legislativas. A ideia de investir em questões sociais praticamente se transformou no slogan do Partido Conservador Britânico. Acho que isso significa que essa redescoberta do social não depende totalmente do medo ao coronavírus, há algo mais, e isso me faz pensar que, aconteça o que acontecer, nunca voltará a ser o mesmo.

Devemos levar muito a sério as novas necessidades de segurança humana
P. A União Europeia está sendo muito criticada por sua incapacidade de proporcionar uma solução comum contra a pandemia da Covid-19…

R. Essa é, de fato, a grande decepção dessa crise, e talvez o ponto mais obscuro. A Europa esteve até agora, e quero ser muito cuidadoso com minha formulação, em um nível zero de integração. Ou seja, uma incapacidade total, não digo parcial, para dar uma resposta integrada a uma crise que, comparada com todas as que enfrentamos, é exatamente a que precisa de mais solidariedade. Esse fracasso pôde ser observado tanto no plano sanitário, com a ausência de coordenação entre Estados membros —cada Estado faz do seu jeito e frequentemente de maneira contraditória—, como econômico, com um BCE (Banco Central Europeu) cuja primeira ação foi totalmente desastrosa e causou uma espécie de quebra nas Bolsas que poderia ter sido ainda mais considerável.

P. Christine Lagarde corrigiu isso ligeiramente depois, concorda?

R. É verdade que existiu uma pequena inflexão, em ritmo forçado, mas a verdade é que continuamos sem ter acordo sobre os Eurobônus (ou coronabônus), no meu entendimento, a maior expressão do que se pode fazer juntos para enfrentar a crise financeira que se aproxima no horizonte. O problema é que ainda que consigamos chegar a uma solução comum, o dano já está feito. Estamos vendo o verdadeiro rosto da União Europeia e suas lacunas no plano da solidariedade. Outro aspecto com o qual precisamos nos preocupar é por que não importa qual seja a questão na UE, encontramos essa distância entre o norte e o sul? E isso desde Maastricht. Acabará tendo efeitos catastróficos e podemos até nos perguntar se algum dia acabaremos por ter duas Europas.

P. O que resta da governança global diante da retomada soberanista que estamos vendo nos últimos anos?

R. A inoperância da Europa é um reflexo do fracasso da governança mundial. A ação da OMS se reduz a ler todas as noites um comunicado em um inglês aproximado para pedir aos Estados que façam alguma coisa, o que é verdadeiramente desastroso quando a OMS deveria ter sido a task force no assunto, o órgão que coordena as políticas de saúde, que organiza a ajuda técnica e médica e, principalmente, que produz normas. O grande perigo é justamente a falta de padrões comuns, e que cada país continue operando por sua conta e à sua maneira.

P. A solução para sair dessa crise está, de acordo com o senhor, em mais multilateralismo e decisões comuns. O mundo atual, entretanto, está cheio de líderes nacionalistas, de Trump, passando por Bolsonaro, a Johnson. É paradoxal, não acha?

Há uma necessidade de governança global como nunca em nossa história, e ao mesmo tempo um auge de nacionalismo que não havia sido visto até agora
R. Acho que podemos dizer que os planetas nunca estiveram tão mal alinhados. Há uma necessidade de governança local como nunca em nossa história, e ao mesmo tempo um auge de nacionalismo que não havia sido visto até agora. Ambos são inconciliáveis. De modo que a única razão à esperança é que o nacionalismo é uma ideologia vazia que não tem nada a oferecer. Todas as tentativas de gestão estritamente nacional da crise falharam. Líderes como Johnson, Trump e até Bolsonaro, que partiram de premissas nacionalistas, e negacionistas, precisaram mudar seu discurso, cada um a sua maneira. Além disso, o desprezo desses políticos liberais pelos desafios sanitários nos leva a outro ponto essencial que abordei no ensaio L´impuissance de la Puissance, que é a flagrante impotência de um país como os Estados Unidos diante dessa pandemia. A evolução da crise nos EUA é aterrorizante e em parte se deve a essa concepção herdada da Escola de Chicago de total cegueira diante das ameaças e dramas coletivos.

P. Há outras grandes ameaças, como a mudança climática, que requerem uma ação conjunta a curto prazo. Acha que o coronavírus mudará a mentalidade dos políticos mais céticos sobre a necessidade de investir recursos antes que não se possa mais voltar atrás?

R. Logicamente, esse raciocínio é imparável. Humanamente já é diferente e politicamente, ainda mais. Humanamente, é difícil olhar os dois objetivos ao mesmo tempo ainda que estejam muito ligados, mas politicamente, o fato de que a luta contra o aquecimento global signifique gastos, esforços, sacrifícios a curto prazo para se ter conquistas a longo prazo transforma esse investimento em algo politicamente suspeito. Após essa crise, os Estados terão que investir muito para reconstruir a economia global. Aceitaremos gastar e investir muito pelo clima, ou seja, acrescentar gastos aos gastos? Sou bem pessimista.

P. Sairá algo bom dessa crise?

R. Sempre há esperança. O próprio de uma crise, aumentar o medo, é o que permite o desenvolvimento da criatividade humana e social. A crise econômica de 1929 que levou os nacionalistas a vencer nas urnas, também inventou o keynesianismo e permitiu que a economia nacional se revitalizasse até a vingança do neoliberalismo nos anos oitenta. Também foram as grandes guerras, e as mais mortíferas, que trouxeram, pelo menos na Europa, invenções absolutamente extraordinárias e que por fim permitiram a resolução de problemas que não poderiam ser resolvidos em contextos de paz e mobilização. Quanto mais forte essa crise for, portanto, mais romperá os esquemas e os círculos viciosos e por isso acho que algo positivo pode sair dela. Quando, como e por quê, não sabemos.