Design – Valkyrie – Automóveis

O Valkyrie será talvez o melhor Aston Martin.

É o mais próximo possível de um carro de Fórmula 1 que a montadora pode chegar, mantendo-o legal nas ruas. Apenas 150 Valquírias prontas para a estrada serão construídas e 25 versões de competição. Todos eles já encontraram casas, portanto, mesmo se você tiver o preço de admissão de US $ 2,3 milhões (para a versão de estrada), a oportunidade já passou.

O carro é uma colaboração (o nome de código era AM-RB 001) entre a Aston Martin e a Red Bull Racing, e é o último que pode levar uma versão para a pista francesa. O diretor técnico da Red Bull, Adrian Newey, liderou a equipe de design.

O resultado, dizem os parceiros, será um velocista implacavelmente despojado, potencialmente o carro de rua mais rápido do mundo, com 1.130 cavalos de potência e uma velocidade máxima de 250 milhas por hora.

Fotos: Cortesia de @astonmartinlagonda

Royal Falcon One – Super-iate projetado pela Porsche

Royal Falcon One – O catamarã de 135 pés da Porsche apresenta modernismo da era espacial e acomodações para dormir acima do convés.

Um super-iate fabricado pela Porsche chegou ao mercado com a aparência de algo fora deste mundo.
Essa foi a intenção quando a empresa Royal Falcon Fleet, de Cingapura, abordou o Studio F.A. Porsche – uma subsidiária da icônica montadora de carros esportivos – para ajudar a fazer “uma nave espacial na água”, segundo a agência de design sediada na Áustria.
O iate de 135 pés foi oficialmente listado no início deste mês, com um preço sob consulta, de acordo com os corretores Camper & Nicholsons.

Os interiores modernos apresentam bordas suaves e curvas e uma paleta de branco, preto e azul.
O super-iate, conhecido como Royal Falcon One, apresenta um design de catamarã, um estilo pelo qual dois cascos paralelos agem como pernas, levantando todo o navio da água. O CEO e presidente da Royal Falcon Fleet, M A Zaman, disse que a forma pouco ortodoxa visa diferenciar o iate de seus pares. “Em St. Tropez ou Fort Lauderdale, você vê 20 ou 30 ou 40 mega-iates parados ali, parecendo o mesmo”, disse Zaman, da Superyacht Design Week de Londres em 2014. “A menos que você olhe o nome do barco não vejo a diferença.”

O design do catamarã também é funcional, permitindo que as suítes dos quartos tenham uma posição mais luxuosa no convés principal ou acima dele, e não abaixo, como costumam ser organizados os iates monocasco convencionais, disse ele à SuperyachtNews.
Fiel à palavra de Zaman, o Royal Falcon abriga três cabines de hóspedes no convés principal, enquanto a suíte master e a chamada “suíte VIP” no convés superior, oferecendo vistas mais altas sobre a água, de acordo com a listagem da Camper & Nicholsons. Em vez disso, os dois cascos são usados para abrigar cabines para a tripulação de 10 pessoas do navio.Um terraço com jacuzzi e assentos – Foto Camper & Nicholsons
O Royal Falcon One também abriga uma variedade de comodidades de luxo, incluindo um deck superior com jacuzzi; um salão principal com um bar iluminado e deck de observação panorâmico; bem como um deck ao ar livre privado fora da suíte master, de acordo com a listagem.

No interior, o Studio F.A. Porsche imbuiu os interiores luxuosos com um pouco de modernismo da era espacial, incluindo sofás de couro de forma livre, uma paleta de cores limpas de brancos, cinzas e pretos e portas de vidro automáticas. Os designers empregaram linhas suaves e bordas orgânicas curvas reconhecíveis nos automóveis icônicos da Porsche, mostram as imagens.

Construído na Suécia, o super iate econômico em combustível tem uma velocidade de cruzeiro de 15 nós e pode chegar a cerca de 35 nós, de acordo com os fabricantes.

Por que alguns russos (e não apenas eles) são obcecados por Ladas?

A queda do regime soviético enfim permitiu que os russos importassem carros. No entanto, quase 30 anos depois, muitos ainda preferem a marca que nasceu na URSS.

Eugene Odinokov/Sputnik

O primeiro Lada foi lançado em 1970 em Togliatti, uma cidade industrial na União Soviética. Os engenheiros soviéticos trabalharam em conjunto com a montadora italiana Fiat para criar o famoso Lada “2101”. O carro foi um grande sucesso para o mercado soviético e até internacional, e vários outros modelos vieram depois.

Quando a União Soviética entrou em colapso em 1991, o mercado internacional de automóveis se abriu para os russos, e desde então podem escolher entre uma grande variedade de marcas estrangeiras.

No entanto, para muitos russos, aqueles carros velhos e enferrujados fabricados na União Soviética e também os modelos mais novos da mesma marca causam sentimentos contraditórios: alguns pensam ser sinônimo de lixo da União Soviética, enquanto outros acreditavam que esses eram os melhores carros do mundo. Mas, afinal, o que está por trás dessa obsessão dos russos pela famosa marca soviética?

Quem ama um Lada?

A marca soviética de carros (agora considerada “russa”) é um assunto perpétuo de memes na internet, e os russos costumam chamá-los com desprezo de ‘caçambas de ferrugem’. Mesmo assim, segundo dados recentes, a marca Lada vende mais carros novos na Rússia do que qualquer estrangeira presente no país.

Alexander Guschin/Sputnik

Reza o estereótipo popular que os Ladas são especialmente queridinhos dos moradores das repúblicas caucasianas, como a Tchetchênia, o Daguestão e o resto dos distritos federais do sul e do Cáucaso do Norte.

Há um quê de verdade nisso. Quem já esteve no sul da Rússia e no Cáucaso percebeu que os nacionais Ladas são vistos com mais frequência nessa parte da Rússia – sobretudo, o modelo Priora preto, que tornou-se um símbolo implícito da região.

Legion Media

“No Daguestão, as pessoas têm uma abordagem específica para compras: se você gasta uma certa quantia de dinheiro, deve comprar o melhor produto por aquele preço. Um Lada Priora novo custa semelhante a um Hyundai Accent, ou qualquer carroça, se não mais barato. Estar ao volante de um Hyundai mostra a todos que você dirige um carro de fabricação estrangeira, mas é um carro m**** e isso não é legal. Dirigir um Priora, por outro lado, diz a todos que você ainda não está disposto a pagar muito por um carro, mas conseguiu o melhor pelo dinheiro que tinha e dirige um bom carro”, explica Amirkhan Kurbanov, que é natural da região russa.

Outros modelos, porém, parecem mais adequados para motoristas de outras partes do país. O novo Lada Vesta é, por exemplo, um carro comum em Moscou, onde os jovens preferem evitar os antigos modelos soviéticos; e o Lada Niva 4×4 é popular entre caçadores e pescadores que residem em regiões mais remotas do país.

Portanto, seria um eufemismo dizer que os russos adoram Lada – acontece que muitos deles também admiram os carros da marca. Até o presidente Putin é dono de um.

Elegante, acessível e fácil de consertar

O preço é um dos principais fatores pelos quais muitos russos optam pela marca nacional. Um Lada Granta novo custa o equivalente a US$ 5.200 – uma fração do preço que qualquer revendedor estrangeiro cobra por seus modelos. Os carros usados ​​são comercializados por um preço ainda mais baixo. É possível comprar um Lada antigo por apenas algumas centenas de dólares norte-americanos – atraindo iniciantes prematuros ou que acabaram de atingir a idade necessária para dirigir legalmente.

Sergei Vedyashkin/Moskva Agency

“Eu tinha um Playstation, que eu vendi por 30.000 rublos (cerca de US$ 400). Meu pai sugeriu gastar o dinheiro em um par de rodas para perambular no inverno”, conta Serguêi, que comprou o primeiro Lada com seu pai aos 13 anos.

Além disso, diversos jovens russos apreciam o estilo retrô desses modelos, que podem causar impressão se devidamente personalizado.

Outra vantagem que os Ladas têm sobre carros estrangeiros na Rússia é que eles são fáceis de consertar. É comum que os proprietários de carros importados mais caros enfrentem longo período de espera para que peças de reposição cheguem do exterior.

Pavel Kuzmichev

É exatamente o oposto do que ocorre com um Lada. As peças de reposição são abundantes em todas as lojas especializadas do país. Não há necessidade de esperar nem um dia, e a maioria das peças é extremamente barata. O mais importante é que esses carros não requerem muito conhecimento técnico para o conserto, e a maioria dos proprietários aprendeu a fazê-lo por conta própria..

“Com o passar do tempo, mais modelos começaram a ficar desatualizados, sua qualidade se deteriorou, e isso ficou evidente. Mas, em compensação, você pode comprar peças baratinhas e consertar tudo sozinho”, diz Protas Bardakhanov.

A moscovita Iúlia, que possuía um Lada 2105 branco quando era estudante, afirma também que o carro lhe proporcionou uma experiência de condução inestimável. “Era muito barato consertar. Não ganhava nada na época, mas não tinha problema para manter o carro. Com ele, aprendi a lidar com câmbio manual: um Audi teria morrido rapidamente sob tanta pressão, mas esses carros perdoam erros de novatos”, brinca.

Não apenas na Rússia

A Lada também vendeu inúmeros carros no exterior durante a União Soviética e continua a fazê-lo hoje. Muitas pessoas que vivem na Europa, na África e na América Latina, incluindo o Brasil, também têm boas lembranças desses carros, porque seus pais costumavam possuí-los.

Angola

S. Frolov/TASS
“Meu pai tinha um Niva. Era um carro que eu gostava quando garoto. Durou bastante e em estradas terríveis”, lembra Mohamed Lamin Sesay, de Freetown, em Serra Leoa.

Musa Tamba, da Gâmbia, conta que costumava chamar o Lada de “o carro da África”. “Os modelos Lada [na Gâmbia] eram o 2104, 2105 Combi e Niva 4×4. Nós os chamávamos de ‘carro para todos os terrenos’, por causa do excelente desempenho. O motor é fantástico, e o corpo é quase revestido de blindagem”, diz Musa.

Além disso, o modelo incomum e personalizado de limusine do Lada 2101 é um popular veículo de táxi em Cuba, e o Lada Niva tem fama na França.

Automóveis fabricados na ex União Soviética

A indústria automobilística da União Soviética cobriu um período de 1929 a 1991.

Começou com o estabelecimento de grandes fábricas de automóveis e a reorganização da fábrica da AMO em Moscou no final dos anos 20 e início 30, comparando-o com o russo Detroit durante o primeiro plano de cinco anos, e continuou até a dissolução da União Soviética em 1991.

Mostramos para vocês com alguns dos carros e conceitos de corrida mais legais e estranhos que foram construídos na URSS.

Torpedo GAZ (1951)
Um motor de quatro cilindros com 105 hp a 4000 rpm. Velocidade máxima de 191 km / h.

GAZ TR Arrow (1954)
GAZ TR “Arrow”, com um motor a jato. A velocidade deste carro deve ser de cerca de 500 km / h, mas devido à falta de estradas e pneus de alta velocidade especialmente preparados, a velocidade máxima de acordo com o programa de chegada do teste não excedeu 300 km / h.

ZIS-112 (1951)
Em 1951, a montadora russa ZIS estreou seu primeiro Concept Car ZIS-112. O carro, conhecido como o Ciclope, foi projetado por Valentine Rostkov. O carro tinha um capota removível e era movido por um V-8 de 140 hp.

NAMI-050 “Belka” (“esquilo”) (1955)
No final dos anos 40, Yuri Dolmatovsky, irmão do poeta soviético Yevgeny Dolmatovsky, refletiu sobre os profissionais do design de carros. Foi seu envolvimento que levou desenvolver o NAMI-050, tornando-se a primeira minivan soviética de passageiros.

Moskvitch-C2 (1956)
Moskvich-G2. Um carro de corrida que quebrou recordes, projetado por I.A. Gladilin e I.I. Okunev, construído em 1956. O Moskvitch G2 estabeleceu três recordes de velocidade soviéticos em corridas de longa distância. Ele competiu no campeonato da URSS de 1959 e venceu na categoria de menos de 2500 cc. O Moskvitch G2 deixou de ser utilizado após 1960 e foi cancelado no final de 1963. Apenas dois foram construídos e ambos foram desmontados como peças de reposição.

VAZ-Porsche 2103 (1976)
Em 1975, o presidente da Porsche, Ernst Fuhrmann, reuniu-se com o ministro soviético da indústria automobilística, Viktor Polyakov, e concordou em uma parceria de três anos na qual a Porsche ajudaria a projetar Ladas. Este é o resultado com falha dessa associação. Chama-se VAZ-Porsche 2103 e foi planejado para ser um facelift para o Lada da época.

GAZ M-20 Pobeda Sport (1950)
Carro esportivo baseado no modelo de produção GAZ-20 “Pobeda”. Em 1951, três veículos foram equipados com escapamentos rotativos “Rutz”, dois carburadores substituídos por um. Com uma potência máxima que aumentou para 105 CV e uma velocidade de 190 km / h!

Pangolina (1980)
Outro projeto esportivo caseiro, desta vez a idéia do engenheiro Alexander Kulygin, que também produziu um veículo todo-o-terreno de seis rodas e um carro-conceito, ambos para o exército. O Pangolina foi construído em 1980 e com muito sucesso. Juntamente com seu criador, ele participou de várias competições de corrida soviéticas e até visitou a Exposição Internacional de Automóveis “EXPO 85” em Plovdiv, Bulgária. O carro foi usado em clipes pop soviéticos.

NAMI Okhta (1986)
O Okhta foi construído em 1986 no Laboratório de Protótipos Avançados de Veículos Leves de Leningrado pelo NAMI (Instituto Central de Pesquisa Automobilística). Este protótipo de carro tinha capacidade máxima para sete pessoas: a segunda e terceira fila de assentos eram removíveis, enquanto a parte da frente podia ser girada em 180 °. Uau!