Uma breve introdução a Caravaggio, o mestre da luz

Como muitos grandes artistas, a sorte de Michelangelo Merisi da Caravaggio aumentou e caiu dramaticamente. Após sua morte, possivelmente de sífilis ou assassinato, sua influência se espalhou pelo continente à medida que seguidores chamados Caravaggisti usavam o claro-escuro no exterior.

Ele influenciou Rubens, Rembrandt e Velázquez – na verdade, todo o período barroco na história da arte europeia provavelmente nunca teria acontecido sem ele. “Com exceção de Michelangelo”, escreveu o historiador da arte Bernard Berenson, “nenhum outro pintor italiano exerceu uma influência tão grande”.

Mas os críticos posteriores atacaram violentamente seu realismo hiper-dramático e de alto contraste. Seu estilo, chamado de “tenebrismo” pelo uso de escuridão profunda em pinturas como A Chamada de São Mateus, é chocante em comparação com o maneirismo fantasioso que veio antes. No vídeo acima, Evan Puschak, o Nerdwriter, explica o que torna o trabalho de Caravaggio tão estranhamente hiperreal.

Ele “preferia pintar seus temas como os olhos os vêem”, escreve a Fundação Caravaggio, “com todas as suas falhas e defeitos naturais, em vez de como criações idealizadas. Essa mudança da prática padrão e do idealismo clássico de Michelangelo foi muito controversa na época…. Seu realismo foi visto por alguns como inaceitavelmente vulgar. ”

Também polêmico foi o próprio Caravaggio. Sua vida selvagem se tornou um tema ideal para o filme biográfico de arte de Derek Jarman de 1986, estrelado por Tilda Swinton. Famoso por brigas, “as transcrições de seus registros policiais e processos de julgamento ocupam várias páginas”. Ele nunca se casou ou se estabeleceu e o erotismo masculino em suas pinturas levou muitos a sugerir que ele era gay.

(O filme de Jarman torna isso uma parte explícita de sua biografia.) É provável, pensam os historiadores da arte, que o pintor teve muitos relacionamentos tumultuosos, sexual ou não, com homens e mulheres antes de sua morte prematura aos 38 anos.

Apesar de sua vida profana, as pinturas de Caravaggio evidenciam uma “espiritualidade notável” e ilustram, como observa Puschak, exatamente o tipo de intensidade apaixonada que a Igreja Católica contra-Reformada queria usar para estimular os fiéis. A popularidade de Caravaggio significou encomendas de patrocinadores ricos e, por um tempo, ele foi o pintor mais famoso de Roma, bem como um dos personagens mais famosos da cidade. Caravaggio pintou da vida, encenando seus arranjos intrincados com modelos reais que seguravam as poses enquanto ele trabalhava.

Suas figuras eram pessoas comuns que poderiam ser encontradas nas ruas da cidade do século 17. E o próprio Caravaggio, apesar de seu enorme talento, também era uma pessoa comum, deixando de lado os estereótipos de gênios trágicos e torturados. Ele era profundamente falho, é verdade, mas impulsionado por um desejo incrível de se tornar algo maior.

A pintura de Jack Vettriano

Nascido em Fife, Escócia, Jack Vettriano deixou a escola aos dezesseis anos para se tornar um engenheiro de minas.No aniversário de 21 anos, uma namorada deu-lhe um conjunto de tintas aquarela e, a partir daí, ele passou a maior parte do tempo aprendendo a pintar sozinho.Em 2008, Vettriano empreendeu uma variedade de projetos privados, incluindo o lançamento de um novo livro, Studio Life, e comissões para pintar retratos de Sir Jackie Stewart e Zara Phillips, o último dos quais fazia parte de um projeto de arrecadação de fundos de caridade para o Sport Relief, cuja experiência foi capturada em um documentário transmitido pela BBC1 em março de 2008.Em 1989, ele apresentou duas pinturas para a exposição anual da Royal Scottish Academy; ambos foram aceitos e vendidos no primeiro dia.No ano seguinte, uma reação igualmente entusiástica saudou as três pinturas, as quais ele inscreveu para a prestigiosa Exposição de Verão na Royal Academy de Londres e sua nova vida como artista começou a partir daí. Nos últimos vinte anos, o interesse pelo trabalho de Vettriano cresceu de forma consistente. Exposições individuais esgotadas em Edimburgo, Londres, Hong Kong e Nova York.
2004 foi um ano excepcional na carreira de Vettriano; sua pintura mais conhecida, The Singing Butler, foi vendida na Sotheby’s por cerca de £ 750.000; ele foi premiado com um OBE por Serviços às Artes Visuais e foi o tema de um documentário da South Bank Show, intitulado “Jack Vettriano: The People’s Painter”.De 1994 a 2007, Vettriano foi representado pela Portland Gallery em Londres, mas o relacionamento terminou em junho de 2007.

Em 2009, Vettriano foi contratado pelo Iate Clube de Mônaco para criar uma série de pinturas para marcar o centenário de seu iate mundialmente famoso, Tuiga.A exposição subsequente, “Homage a Tuiga”, estreou em Mônaco como parte da Classic Yacht Week em setembro de 2009, antes de viajar para o Reino Unido em 2010.

Lucien-Victor Guirand de Scevola, um pintor simbolista

Rosto de mulher em roupas medievais


Lucien-Victor Guirand de Scévola foi um pintor francês. Ele é conhecido por sua liderança pioneira dos Camoufleurs (o Departamento de Camuflagem da França) na Primeira Guerra Mundial.


Les Amoureux


La lampe a huile Christies


La princesse aux narcisses


Le Bassin d’Amour – 1901


Nature morte aux fleurs
et plat de porcelaine


Portrait de Marguerite Moreno


The Kings Daughter


The Princess


The white dress


Victoria Melita of Saxe Coburg and Gotha
and her daughter

Fatos & Fotos – 10/012/2020

Da série 15 razões para preferir jogar golfe


As ilustrações luminosas de
Tang Yau Hoong


O que desabou sobre os infelicitados habitantes de Southern Banânia, faz um estrago que nem o meteoro conseguiria. O brasileiro está impedido de entrar em vários países devido ao Covid. O  dólar explodiu encarecendo as viagens internacionais. E Alexandre Gracinha, ops!,Garcia, sustenta que a mudança do turismo, do mercado externo para o interno, foi fruto do trabalho do presidente da Embratur. O da sanfona.

O bolsonarismo redescobriu que, no Brasil, de nada adianta o racionalismo na política. Sua base está fincada nos instintos arcaicos encontrados nas sociedades de sapiens primitivos. Suas palavras chave são medo & ódio.


Pintura de Marc Chagall
L’écuyère en blanc,1941


O caso de Bolsonaro não é caso de impeachment, mas de insuficiência mental. Já houve precedência na história da Repúclica


A arte e a arte de Artur Bispo do Rosário


Design – Estantes


O plano de Bolsonaro para a vacinação contra a Covid nunca existiu. O Governo(?) primeiro mentiu e depois admitiu que não tem plano contra efeitos econômicos e sanitários do coronavírus.

O plano de Bolsonaro para a vacinação nunca existiu


Seul Coreia – Residência
Apartamento – Lab Architects



Foto do dia – Ballet – Tumblr
Agripina Yakovlevna Vaganova


Esse senhor que nos (des)governa, não é apenas asqueroso, porque asquerosas também são as hienas, mas elas não são antropófagas e cumprem seu papel no meio ambiente. Este senhor é repulsivo e repugnante, representa o que há de mais ojerizante na humanidade. Nem Hitler riu de suas vítimas publicamente.


Pintura de Isaac Levitan
Work through 1892 – Óleo s/cartão,12 x17cm


“O pior canalha que este país já produziu.”

João Ximenes Braga

Como juiz federal, Sérgio Fernando Moro, o mais célebre cidadão maringaense, destruiu a indústria da construção civil no Brasil, além da cadeia de óleo e gás. Levou à falência, numa tacada, as principais multinacionais brasileiras, entre elas a Odebrecht, que atuava em diversos países da América Latina e da África. Nisso, ele destruiu a economia do Rio de Janeiro. Muito se fala de Cabral. Nada, Cabral roubou. Quem destruiu os pilares da Economia do Rio de Janeiro foi Moro.

Os moradores de rua que transformaram o Centro da cidade num grande campo de concentração de desvalidos? Na conta do Moro.
E o que faz o Sérgio Fernando agora? Vai se alimentar da carniça do animal abatido. Foi contratado por uma empresa americana de consultoria, Alvarez & Marsal, que cuida, vejam bem vocês, que administra a falência… da Odebrecht!

Não é lindo isso? Não dá vontade de fazer cuti cuti na bochecha do Merval?
Depois de dar de bandeja a presidência ao sacolé de pus e virar seu ministro, agora ele vai ganhar um troco sugando as tripas da multinacional que ele mesmo destruiu, enquanto sua patroa promove um livro que destaca na capa “Moro X Lula”.

Não tem pra Lacerda. Não tem pra Toninho Malvadeza. Não tem pra Temer. Não tem pra Collor. Não tem nem pra Bolsonaro.
Sérgio Fernando Moro é o pior canalha que este país já produziu.


A pintura de Edvard Munch

Young Woman on the Beach,1896

Edvard Munch
Mother and Daughter,1897

Paesaggio marino,1918


Adolf Kaufmann – Pinturas

Adolf Kaufmann era um paisagista austríaco e artista marinho.
Inicialmente autodidata, concluiu os estudos com o pintor de animais Émile van Marcke em Paris e realizou várias viagens de estudos pela Europa e Médio Oriente.
Sua residência alternava entre Paris, Berlim, Düsseldorf e Munique.
Em 1890, ele decidiu se estabelecer em Viena e abriu um estúdio no distrito de Wieden. Em 1900, junto com Carl von Merode e Heinrich Lefler, ele abriu uma “Escola de Arte para Mulheres”.

Continuou a visitar Paris com frequência e, quando aí pintou, assinou as suas obras com o pseudónimo “A. Guyot”. Outros nomes com os quais assinou incluem “A. Papouschek”, “G. Salvi”, “A. Jarptmann”, “R. Neiber”, “J. Rollin” e “M. Bandouch”. Por que ele fez isso não está claro, embora sua escolha de assinatura frequentemente reflita diferenças estilísticas.

Suas paisagens foram influenciadas pela escola de Barbizon e pelo estilo conhecido como “paysage intime”, que conheceu na França na década de 1870.

Suas viagens continuaram até que foram interrompidas no início da Primeira Guerra Mundial.
Muitas de suas obras foram adquiridas por membros de famílias reais e nobres; notavelmente o imperador Napoleão III, a princesa Stéphanie da Bélgica, o arquiduque Friedrich, o duque de Teschen, o czar Nicolau II e a rainha Isabel II da Espanha.
Suas obras podem ser vistas no Museu da Silésia (Opava), no Museu Pera em Istambul e no Museu Leopold em Viena.