• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Baleias vivas geram bilhões de dólares ao país em serviços ecossistêmicos

Por muito tempo, o valor econômico de uma baleia poderia ser medido pelo óleo extraído do animal morto, usado para iluminar as cidades antes do advento da eletricidade.
Observação de baleia em Porto Seguro, Bahia. Foto: Projeto Baleia Jubarte.

O que pouca gente sabe é que as baleias vivas também podem ser medidas em termos de ganhos econômicos. E a cifra não é pequena. Um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Universidade Duke estimou que as grandes baleias que trafegam pelas águas de jurisdição brasileira são avaliadas em cerca de 82,5 bilhões de dólares. Os economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Universidade Duke (Carolina do Norte) calcularam, a pedido do Projeto Baleia Jubarte e da organização Great Whale Conservancy (GWC), o valor das baleias vivas para o Brasil levando em conta o turismo de observação que existe em torno desses animais, a captura de carbono e a fertilização marinha.

Esse mesmo grupo de economistas havia calculado, em 2019, o valor global dos serviços ecossistêmicos das baleias vivas em cerca de um trilhão de dólares norte-americanos.

Como foi feito o cálculo?

O Projeto Baleia Jubarte e a organização Great Whale Conservancy (GWC) forneceram estimativas das populações de baleias em águas brasileiras. Os economistas do FMI e da Universidade Duke pegaram essas estimativas e calcularam os valores dos serviços oferecidos pelas baleias em ecoturismo, sequestro de carbono, e estímulo ao crescimento do fitoplâncton, utilizando as ferramentas de Economia Financeira, como a Valoração.

“A principal dificuldade para nós era fazer previsões sobre as populações futuras, no caso de recursos naturais vivos, como as baleias. É especialmente difícil prever com que rapidez uma espécie ou ecossistema ameaçado crescerá. Felizmente, tivemos o apoio de outros cientistas especialistas em biologia das baleias, e uma de nossa equipe é especialista em modelagem matemática”, explica o economista Connel Fullenkamp, professor da Universidade Duke e um dos autores do estudo.

Baleia franca astral. Foto: Wikipédia

“No momento, estamos escrevendo um documento técnico que detalha os cálculos, e o publicaremos quando estiver pronto. Uma breve visão geral é que projetamos os serviços fornecidos pelas baleias no futuro e, usando estimativas dos preços de mercado desses serviços, localizamos o valor presente (o valor hoje) desses serviços”, disse, em entrevista a ((o))eco, por e-mail..

Capturadoras de carbono

As baleias acumulam carbono ao longo da vida. Cada grande baleia sequestra, em média, 33 toneladas de CO2, retirando esse carbono da atmosfera por séculos. Para efeito de comparação, uma árvore absorve, em média, apenas 7 kg de CO2 por ano.

Além do sequestro no próprio corpo, as baleias têm o poder de multiplicar a produção de fitoplâncton, criaturas microscópicas responsáveis pela captura de nada mais, nada menos, que 40% do CO2 produzido no mundo. Isso equivale à quantidade de emissões capturada por 1,70 trilhão de árvores – ou quatro florestas amazônicas. Mais fitoplâncton significa mais captura de carbono.

“A diversidade de baleias que ocorre aqui contribui para a fertilização marinha de maneiras diferentes. Por exemplo, os cachalotes, que vivem na borda da plataforma continental, se alimentam a grandes profundidades e depois defecam nas águas superficiais, promovendo aumento do fitoplâncton que está na base da cadeia alimentar.

Já espécies grande-migratórias, como as baleias-jubarte, se alimentam nas regiões polares no verão e trazem nutrientes para as regiões tropicais no verão. São literalmente centenas de milhares de toneladas de fertilizante natural que, em última análise, torna a pesca possível em nossa costa em volumes muito maiores do que se não houvesse esse serviço prestado pelas baleias”, explica José Truda Palazzo, Jr, ex-chefe da delegação científica do Brasil à Comissão Internacional da Baleia e atual Coordenador de Desenvolvimento do Instituto Baleia Jubarte.

A ciclagem de carbono e a fertilização dos oceanos são dois serviços ecossistêmicos de maior relevância prestada pelos grandes cetáceos, animais que tiveram redução drástica de população em todo mundo por causa da caça. Apesar da proibição na década de 80, e do anúncio recente do fim da captura “científica” de baleias pelo Japão, que restringirá a caça ao seu próprio território marinho, as grandes populações de cetáceos ainda se recuperam de séculos de caça indiscriminada.

Atividade não extrativa em Abrolhos. Foto: Projeto Baleia Jubarte.
Ainda segundo Truda, que também é colunista de ((o))eco, a fertilização dos oceanos promovida pelas grandes baleias beneficia diretamente a pesca. “Esse fenômeno é ainda mais importante em mares tropicais, relativamente pobres de nutrientes, como no Brasil”.

Outro importante serviço fornecido pelas grandes baleias, principalmente as mais exibidas, como a jubarte (Megaptera novaeangliae) e a franca (Eubalaena australis), é o turismo de observação, um dos maiores aliados da conservação destas espécies.

“[O turismo de observação de baleias] é uma atividade muito próspera, principalmente porque agrega a conservação do animal, gera pesquisa científica e aproximação das pessoas com os animais marinhos”, explica Sergio Cipolotti, coordenador operacional do Instituto Baleia Jubarte.

O turismo de observação de cetáceos movimenta, no mundo, cerca de 2 bilhões de dólares anuais. São mais de 130 países que promovem a atividade.

No Bahia, a visitação embarcada para observação ocorre principalmente no inverno, na época de reprodução das jubartes.

“A baleia fomenta o turismo no momento de baixa temporada e atrai pessoas do mundo inteiro. É uma atividade muito emocionante, todos têm um feedback muito positivo e, principalmente, aproxima as pessoas da questão da conservação dos oceanos. É uma forma única de sensibilização para essas questões, com as pessoas em um ambiente natural observando esses animais majestosos”, diz Cipolotti, que é encarregado da área de turismo do Instituto Baleia Jubarte.

Máscaras contra o coronavírus são piores que sacolas plásticas: o impacto no meio ambiente é devastador

O descarte inadequado das máscaras — hoje usadas por um grande número de pessoas devido à emergência sanitária — está levando a novos riscos concretos de poluição marinha, um problema que já é bastante sério, dada a quantidade de resíduos plásticos que acabam nos oceanos todos os anos.

Durante uma viagem exploratória às ilhas de Soko, em Hong Kong, uma equipe da OceansAsia, organização para a conservação marinha, encontrou pilhas de máscaras depositadas na praia. Daí o alarme: se não forem descartadas adequadamente, esses instrumentos provocarão um forte impacto ambiental.

Atualmente, as máscaras são usadas em grandes quantidades em todo o mundo devido à pandemia de coronavírus, mas, como tantos outros objetos, muitas vezes acabam se tornando lixo abandonado, espalhado por todos os cantos, chegando depois ao mar.

Todo mundo de máscara. Mas será que elas funcionam mesmo?

Um primeiro exemplo concreto disso foi observado em Soko, um pequeno grupo de ilhas localizadas na costa sudoeste da ilha de Lantau, em Hong Kong. Atualmente, a OceansAsia está conduzindo alguns projetos de pesquisa sobre poluição por plásticos e, duas vezes por mês, uma equipe visita as ilhas para investigar e analisar o acúmulo de resíduos na praia.

Na última expedição, a equipe percebeu o efeito provocado pela emergência do coronavírus nesses locais, não em termos sanitários, mas ambientais. Montes de máscaras se espalharam pela costa. Como declarou Gary Stokes, fundador da OceanAsia, ao Energy Live News:

“Encontramos 70 máscaras descartadas a 100 metros da praia e outras 30 máscaras quando voltamos uma semana depois”

Outras se encontravam na corrente e estavam prestes a chegar ao mar (o que não é surpreendente, considerando que 7 milhões de pessoas as usaram na China).

“As máscaras não eram tão antigas, algumas pareciam quase novas, o que significa que elas não estão na água há muito tempo”

Mas quais são os riscos ambientais?
Teale Phelps Bondaroff, diretor de pesquisa da OceansAsia, explicou:

“Uma máscara que venha a ser ingerida por uma tartaruga local, um golfinho-cor-de-rosa ou um boto-do-índico, por exemplo, pode facilmente ficar presa no sistema digestivo desses animais, matando-os.”

Mas não apenas:

A maioria dessas máscaras contém ou é feita de polipropileno, que não se rompe rapidamente.

A poluição marinha de plásticos é um problema sério. Estima-se que mais de oito milhões de toneladas de plástico entrem em nossos oceanos a cada ano. Este plástico não desaparece, mas se decompõe lentamente em microplástico, que entra nas cadeias alimentares, com efeitos devastadores”.

A organização asiática nos lembra algo muito importante: as pessoas definitivamente devem ser informadas para conhecer as maneiras adequadas de descartar corretamente o lixo, ao mesmo tempo que os governos devem prover meios para isso, tentando ainda reduzir o descarte ao máximo possível.

Do ponto de vista tecnológico, cada vez mais novas invenções aparecem: das embalagens aos materiais para construção, um mundo sustentável é possível.

Medidas de isolamento aumentam a quantidade de lixo doméstico e hospitalar

Mesmo com a interrupção dos trabalhos em grande parte dos setores, a coleta de resíduos entrou na lista dos serviços considerados “essenciais” e que, portanto, não podem parar, por vários motivos, mas, principalmente, pela importância em relação à proteção do meio ambiente e da saúde humana, mesmo durante processos epidêmicos.

As medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial e, para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes. A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), estima que as medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial. Já para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes.

Descarte correto é fundamental.

Crédito: Alamy Stock Photo.

Durante o período de quarentena imposto por autoridades de saúde globais para controle da pandemia do coronavírus (Covid-19), a população deve reforçar os cuidados com o descarte dos resíduos. O isolamento social e a prática do trabalho em casa aumentaram o volume de lixo produzido nas casas.

“Por conta desse caráter de essencialidade, é indispensável assegurar que tais serviços sejam diariamente executados, porque eles contribuem para auxiliar na prevenção da transmissão do coronavírus, bem como de outras doenças e endemias decorrentes de acúmulo e má gestão de resíduos. Se não houver trabalho efetivo nessa área, a imunidade e a saúde das pessoas ficariam comprometidas, o que seria um agravante bem sério diante do quadro atual”, observa Carlos Silva Filho, diretor-presidente da Abrelpe.

Em relação aos trabalhadores, a Abrelpe recomendou o afastamento das atividades dos empregados que integram grupos de risco (idosos, portadores de doenças crônicas, grávidas e lactantes, por exemplo), o uso e a higienização constantes dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), além de orientações frequentes para que os funcionários evitem de tocar olhos, nariz e boca antes de sempre higienizar muito bem as mãos.

No Paraná, a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo estima que a produção do lixo residencial dobrou nas últimas semanas. Segundo o engenheiro e coordenador de Projetos Sustentáveis, Charles Carneiro, os restaurantes e comércio em geral pararam de funcionar, mas as pessoas estão produzindo mais lixo em casa. Parece ser uma transferência simples de local. Porém, a situação é mais complexa.

“O agravante desse cenário é que esses setores compram no atacado e a aquisição da sociedade civil é no varejo. As pessoas em casa geram, portanto, muito mais material de acondicionamento de produtos, assim como sobras e aquilo que não é aproveitável para o consumo, aumentando, com isso, ainda mais o volume de lixo”, explicou o secretário Márcio Nunes.

Edélcio Marques dos Reis, diretor de limpeza pública de Curitiba, afirma que não houve aumento na produção de resíduos na capital paranaense, devido a um equilíbrio que ocorreu com a paralisação da atividade de bares, restaurantes, empresas e a presença menor de moradores da Região Metropolitana circulando na cidade.

“Talvez a resposta esteja aí. As pessoas estão em casa, estão gerando um pouco mais de resíduo, mas, em compensação, milhares de pessoas deixaram de vir diariamente à cidade, que são moradores da Região Metropolitana da cidade. Essas pessoas ficam nos municípios de origem e deixam de gerar lixo na capital”, avalia.

Curitiba gera, em média, 1,6 toneladas de resíduos domésticos por dia, de acordo com a média do ano de 2019. Nos primeiros meses de 2020, essa média se manteve e houve até uma pequena redução em março, para 1.585 quilos por dia.

Quanto aos resíduos recicláveis, a coleta pública cresceu. De 1.600 a 1.700 toneladas por mês e o total passou para o volume de duas mil toneladas. Mas isso não significa que a população esteja separando mais, mas sim, que existem menos coletores informais transitando pelas ruas.

Descarte em larga escala de máscaras de proteção
contamina oceanos

Algumas das muitas máscaras cirúrgicas achadas na praia das Ilhas Soko. Crédito: OceansAsia

Em alguns pontos do mundo, a pandemia pelo Covid-19 gerou contaminações tão inéditas quanto preocupantes. O alerta é de ambientalistas da ONG OceansAsia, que denunciaram o impacto desse novo tipo de lixo nas Ilhas Soko, na costa sudoeste de Hong Kong.

A equipe da OceansAsia realiza vários projetos de pesquisa sobre poluição plástica e, duas vezes por mês, visita as ilhas para realizar análises de microplásticos e do acúmulo de lixo na praia, procurando pistas da origem dos detritos. Também em conjunto com a WWF, a pesquisa monitora a superfície do oceano com drones. No início da epidemia, já foram vistas máscaras no ambiente marinho e, com o agravamento do problema, elas foram vistas ao longo da linha da maré alta e do litoral, à deriva nas correntes, chegando até a costa.

O município está fazendo um tipo de quarentena com o lixo coletado que é enviado às associações de catadores parceiras. Unidades que têm espaço nos barracões recebem o material em um ponto do depósito, onde ele fica por, no mínimo, por 24 horas. Só depois desse tempo é que o material vai para triagem e para venda. Para o diretor de limpeza pública, Edélcio Marques dos Reis esse é o protocolo adequado para que se evite a propagação do coronavírus e se garanta mais segurança para a saúde dessas pessoas que prestam um trabalho fundamental para o meio ambiente.

“Também vivemos um momento de epidemia de dengue. É muito importante para quem está em casa, até para ocupar o tempo, que faça a limpeza do quintal, desentulhe e desapegue das coisas sem uso. Se for material reciclável, as pessoas podem apresentá-los para a coleta seletiva. Se for orgânico, entregar para o caminhão da coleta. Jamais jogue o lixo em terreno baldio, nos cantos das ruas ou na beira dos rios.”

Iniciativas privadas também perceberam alteração na geração de lixo doméstico. A startup Composta+ coleta sobras orgânicas em mais de duzentas casas e em mais de cem empresas para fazer compostagem e fabricação de adubo e fertilizantes orgânicos. Em épocas normais, a empresa coletava uma média de 45 toneladas por mês. Após a quarentena iniciar, a quantidade de lixo orgânico gerada nas casas aumentou 26%.

A humanidade precisa repensar o consumo de plástico e o descarte do lixo. Essa imagem nos faz lembrar a urgência de medidas responsáveis, para que não se tornem tão frequentes como hoje.Meio Ambiente,Oceanos,Plásticos,Poluição,Blog do Mesquita

A startup viu neste momento uma oportunidade de negócio e, para as pessoas, uma chance de construir hábitos sustentáveis e saudáveis. A empresa até lançou promoções, com uma isenção no 1°mês, para conseguir mais clientes dispostos a separar os resíduos para compostagem. O serviço funciona por assinatura. A empresa leva os baldinhos até os locais e passa uma vez por semana recolhendo os orgânicos gerados. O custo mensal inicial para residência é de R$55 por mês.

“Mesmo com esse momento difícil, queremos compostar o máximo que a gente puder, pois essa é a nossa forma de ajudar a sociedade a enfrentar esse desafio. Queremos levar essa experiência para mais pessoas e famílias, para que possamos gerar esse impacto positivo no mundo – junto com a entrega de mudas e adubo, revivendo momentos como o de cultivo de uma mudinha, até para dar uma desestressada”, diz Igor Gonçalves Oliveira, representante da Composta.

Os microorganismos podem resolver nosso problema de resíduos de plástico?

A reciclagem de plásticos e outros materiais sintéticos costuma ser cara e nem sempre é possível.

Agora, os pesquisadores descobriram uma enzima que decompõe o PET em apenas algumas horas e permite que novas garrafas de plástico sejam produzidas com lucro.

Pesquisadores da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, examinaram cerca de 100.000 microorganismos diferentes e finalmente encontraram o que procuravam em uma pilha de folhas. A enzima bacteriana mutada, agora presente na revista “Nature”, decompõe o tereftalato de polietileno (PET)  Em suas partes constituintes em um curto espaço de tempo: em apenas 10 horas, a enzima mutada decompôs 1 tonelada (1,1 tonelada de US) de velhas garrafas plásticas em 90% de seus componentes.

Solução para o problema global de resíduos?

Há muita esperança de que os microrganismos sejam capazes de resolver nosso problema de plástico em um futuro próximo. Afinal, a reciclagem eficaz de plásticos ainda é apenas um mito. Em todo o mundo, são produzidas anualmente cerca de 359 milhões de toneladas de plásticos, das quais cerca de 150 a 200 milhões de toneladas acabam em aterros sanitários ou no meio ambiente.Afinal, a reciclagem eficaz de plásticos ainda é apenas um mito.

O tereftalato de polietileno (PET) é o plástico de poliéster mais difundido, com quase 70 milhões de toneladas usadas a cada ano. Na sua forma mais pura, o PET é usado na indústria de alimentos, por exemplo, na produção de garrafas, filmes e embalagens de alimentos. O poliéster resistente a rasgões, intempéries e sem rugas também é usado para fabricar fibras têxteis.

No entanto, o PET não pode realmente ser reciclado, apenas reduzido. Durante esse processo termomecânico, o material perde muitas de suas propriedades e pode ser usado apenas para produtos inferiores, como tecidos de lã ou tapetes.

Resultados da pesquisa japonesa

Pesquisadores japoneses do Instituto de Tecnologia de Kyoto descobriram em 2016 que certas enzimas podem quebrar os plásticos. Ao examinar as águas residuais, sedimentos e lodo ativo em uma planta de reciclagem de garrafas PET, eles encontraram a bactéria Ideonella sakaisensis 201-F6. Duas enzimas anteriormente desconhecidas da bactéria são responsáveis ​​pelo processo de decomposição natural. A enzima ISF6_4831 converte PET em um produto intermediário, e a outra enzima, ISF6_0224, converte ainda mais esse produto intermediário para que, no final, restem apenas ácido tereftálico e glicol inofensivos.

No entanto, como esse processo de decomposição natural leva mais de um ano, cientistas da Universidade de Portsmouth e do Laboratório de Energia Renovável do Departamento de Energia dos EUA continuaram suas pesquisas e, acidentalmente, criaram a nova enzima mencionada acima, que decompõe o PET muito mais rapidamente. Os resultados foram publicados pela primeira vez em 2018 na revista “Proceedings of the American Academy of Sciences” (PNAS).

Há muito se sabe que certos fungos podem decompor não apenas o PET, mas também o alsopoliuretano. Milhões de toneladas desse plástico também são produzidas anualmente, principalmente como espuma macia usada para itens como isolamento de espuma, esponjas de cozinha e fraldas, ou como espuma rígida em calçados esportivos, por exemplo. Geralmente, o poliuretano é descartado em aterros, porque o material é muito resistente para ser reciclado.

Quando o poliuretano se degrada, podem ser liberados produtos químicos tóxicos e cancerígenos que matariam a maioria das bactérias. No entanto, a bactéria encontrada em um aterro sanitário e apresentada ao público em março pelo Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental (UFZ) em Leipzig não é afetada.Geralmente, o poliuretano é descartado em aterros, porque o material é muito resistente para ser reciclado.

Provém da cepa das bactérias Pseudomonas, que são capazes de sobreviver mesmo sob condições adversas, como altas temperaturas e ambientes ácidos.

Embora seja muito mais fácil usar bactérias do que fungos para aplicações industriais, Hermann Heipieper, da equipe de pesquisa Helmholtz, estima que ainda levaria 10 anos para que a bactéria pudesse ser empregada em larga escala. Enquanto isso, é importante diminuir o uso de plásticos difíceis de reciclar e reduzir a quantidade de plásticos no ambiente, diz Heipieper.

Perspectivas lucrativas

A enzima recentemente apresentada pode ser de grande benefício não apenas para o meio ambiente, mas também para a empresa francesa Carbios, que trabalha intensamente há anos na decomposição em larga escala de PET usando enzimas e que também financiou esse desenvolvimento.

Em cinco anos, a Carbios pretende trazer o novo processo de reciclagem para o mercado em escala industrial. Isso pode valer a pena porque o custo da enzima é de apenas 4% do custo do petróleo necessário para produzir uma quantidade comparável de novas garrafas de plástico.

Embora as garrafas de PET ainda precisem ser trituradas e aquecidas, o novo processo é lucrativo, disse Martin Stephan, vice-diretor da Carbios. Para garantir que o desenvolvimento de enzimas possa ganhar rapidamente impulso, a Carbios recebe forte apoio financeiro de grandes empresas como Pepsi e L’Oreal.

Alta concentração microplástica encontrada no fundo do oceano

O que acontece com os microplásticos no oceano?

Os cientistas identificaram os níveis mais altos de microplásticos já registrados no fundo do mar.

A contaminação foi encontrada em sedimentos retirados do fundo do Mediterrâneo, perto da Itália.

A análise, liderada pela Universidade de Manchester, encontrou até 1,9 milhão de peças plásticas por metro quadrado.

Esses itens provavelmente incluíam fibras de roupas e outros tecidos sintéticos e pequenos fragmentos de objetos maiores que haviam se quebrado ao longo do tempo.

As investigações dos pesquisadores os levam a acreditar que os microplásticos (menores que 1 mm) estão sendo concentrados em locais específicos no fundo do oceano por poderosas correntes de fundo.

“Essas correntes constroem o que chamamos de depósitos à deriva; pense nas dunas subaquáticas”, explicou o Dr. Ian Kane, que liderou a equipe internacional.

“Eles podem ter dezenas de quilômetros de comprimento e centenas de metros de altura. Eles estão entre os maiores acúmulos de sedimentos da Terra. Eles são feitos predominantemente de lodo muito fino, por isso é intuitivo esperar que microplásticos sejam encontrados dentro deles”.

O audacioso plano da Nature Conservancy para salvar os oceanos do mundo

Como um projeto TED Audacious de 2019, a TNC espera desbloquear US $ 1,6 bilhão em financiamento para conservação.

Hoje, a The Nature Conservancy (TNC), uma organização ambiental internacional sem fins lucrativos, anunciou no TED em Vancouver, Canadá, um plano para aumentar drasticamente a conservação dos oceanos em todo o mundo.

Ao entregar Blue Bonds para a Conservação do Oceano em até 20 países nos próximos cinco anos, a TNC ajudará a garantir a nova proteção de até 4 milhões de quilômetros quadrados dos mais habitats oceânicos críticos para a biodiversidade do mundo – 15 aumento percentual na quantidade de oceano protegido que existe atualmente. Este plano, que foi selecionado entre mais de 1.500 candidatos ao The Audacious Project, já garantiu mais de US $ 23 milhões em financiamento de vários doadores dentre os US $ 40 milhões da TNC, em última análise, requer o desbloqueio de US $ 1,6 bilhão na conservação marinha.

Por que isso é importante? Os cientistas estimam que, com os negócios como de costume, 90% dos recifes de coral desaparecerão durante nossas vidas. Oitenta por cento da pesca global já são considerados totalmente explorados ou superexplorados. O aumento do mar e as tempestades mais fortes ameaçam 40% da população mundial. As florestas de mangue sequestram quatro vezes mais carbono que as florestas tropicais, mas estão desaparecendo em um ritmo três a cinco vezes mais rápido. Esses ecossistemas fornecem recursos e proteção cruciais para as comunidades costeiras e suas economias.Blog do Mesquita,Crimes Ambientais,Brasil,IBAMA,Meio Ambiente,Ecologia,Amazônia,Rio Amazonas,Economia,Petróleo,Poluição,Oceanos

Mas tudo não está perdido. A proteção do oceano, quando bem feita, funciona. Cabo Pulmo, na Península de Baja, no México, estabeleceu uma área marinha protegida e, 10 anos depois, reverteu o número de décadas de sobrepesca e aumentou o estoque de peixes em mais de 400%. Mas exemplos como esse são raros porque, com muita freqüência, as nações insulares e costeiras estão endividadas e não podem pagar pela conservação para tornar seu ambiente e economia mais resilientes.

“Ainda há tempo para reverter décadas de danos aos oceanos do mundo antes de chegarmos ao ponto de não retorno”, disse Mark Tercek, CEO da The Nature Conservancy. “Será preciso algo audacioso para enfrentar a proteção marinha nessa escala, o que significa pensar além das abordagens mais tradicionais de conservação dos oceanos”.

“Para proteger a vida marinha e restaurar a saúde e a produtividade de nossos oceanos, precisamos proteger muito mais áreas marinhas do planeta em sua condição natural”, disse Hansjörg Wyss, fundador e presidente da The Wyss Foundation e um financiador. Não há solução para a bala de prata, aplicando um conjunto cada vez mais inventivo de estratégias – de novas áreas protegidas e reformas de políticas a investimentos inteligentes em conservação – países e comunidades ao redor do mundo já estão começando a trazer vida de volta às áreas marinhas ameaçadas. ”

Como funciona?

Os títulos financeiros para conservação refinanciam e reestruturam a dívida dos países costeiros e insulares em grande escala.

No coração de um Blue Bond está um acordo. Uma nação costeira ou insular compromete-se a proteger pelo menos 30% de suas áreas oceânicas próximas à costa, incluindo recifes de coral, manguezais, locais de desova de peixes e outros habitats e espécies oceânicos importantes. Em troca, a TNC ajuda a reestruturar uma parte da dívida soberana do país, levando a taxas de juros mais baixas e períodos de reembolso mais longos, além de apoiar o trabalho de conservação em andamento, como melhorar o gerenciamento da pesca e reduzir a poluição.

Os cientistas da TNC criam então um plano espacial marinho com contribuições das comunidades locais, incluindo associações de pescadores, empresas de turismo e funcionários do governo. O engajamento local é fundamental para garantir que o plano apóie de maneira sustentável a economia local, enquanto protege o habitat.

Por fim, a TNC estabelece um fundo fiduciário para pagar pelas novas áreas marinhas protegidas e outras ações de conservação, usando economias da reestruturação da dívida e dólares filantrópicos. O fundo fiduciário – que é independente do governo e controla totalmente o financiamento – garante que o governo cumpra seu compromisso.

“Encontrar maneiras de proteger terras e águas – e pagar por essa proteção – está em nosso DNA”, continuou Tercek. “A Nature Conservancy trabalha com nações para projetar áreas marinhas protegidas há 30 anos. Lideramos mais de 100 projetos oceânicos cobrindo 1,3 milhão de quilômetros quadrados em todo o mundo e geramos mais de US $ 250 milhões em financiamento para a conservação marinha. Estamos empolgados com a oportunidade de aproveitar essa experiência e demonstrar a mais países que salvar a natureza é o investimento mais inteligente que eles podem fazer. ”

A TNC testou a idéia do Blue Bonds nas Seychelles a partir de 2012, e o país está agora no caminho de expandir as proteções marinhas para quase 400.000 quilômetros quadrados de habitat oceânico até 2020 – uma área do tamanho da Alemanha.

“A Nature Conservancy é pioneira na conservação da natureza – usando financiamento inovador para alimentar planos de proteção marinha cientificamente sólidos que trazem de volta à vida os corais, melhoram os estoques de peixes e protegem a vida e os meios de subsistência das pessoas”, disse Anna Verghese, diretora executiva do The Audacious Project . “Ficamos inspirados pela simplicidade do plano e pelo incrível histórico da Conservancy e esperamos ver o que a Conservancy realizará quando expandir seu alcance com o apoio alavancado por meio do The Audacious Project”.

Impacto esperado

A TNC agora pretende entregar o modelo de títulos azuis para conservação em 20 países nos próximos cinco anos. Com US $ 40 milhões em financiamento filantrópico antecipado – incluindo financiamento através do The Audacious Project, complementado por futuras contribuições filantrópicas – o objetivo da TNC é expandir sua capacidade de fechar rapidamente acordos que desbloqueiem um fluxo de receita sustentável de US $ 1,6 bilhão para a conservação do oceano. A TNC estima que existam perto de 100 países onde esses projetos poderiam ser desenvolvidos.

“Esta é a oportunidade filantrópica de uma vida”, disse Tercek. “Todo dólar que levantarmos resultará em 40 vezes o impacto. É difícil encontrar uma alavancagem melhor que essa. ”

Com seu plano de trazer Blue Bonds para 20 países, a organização espera realizar o seguinte:

Proteger 2 milhões de milhas quadradas (4 milhões de km2) de oceano
Compromissos dos países para proteger pelo menos um terço de seus recursos marinhos
Metade desses recursos marinhos são reservados para aumentar a resiliência às mudanças climáticas para as principais espécies e habitats marinhos
Economize 13% dos recifes de coral do mundo
Planos de proteção marinha personalizados garantem a proteção e restauração dos recifes de coral mais importantes
Recifes saudáveis ​​fornecem habitat para peixes, tartarugas marinhas, raias e outras espécies marinhas e “sementes” ao redor dos recifes, espalhando larvas de coral pelas correntes oceânicas
Beneficie 43 milhões de pessoas que vivem a 100 km de uma costa
A pesca saudável é protegida e a pesca degradada retorna à abundância, dando às pessoas do litoral uma fonte segura de alimento e renda
Recifes de coral, manguezais e zonas úmidas armazenam carbono, protegem as comunidades de tempestades e mares altos e reforçam as economias costeiras

Plástico,Ambiente,MicroPlásticos,Oceanos,MeioAmbiente, Natureza,Poluição,Ecologia,Alimentos,Vida Selvagem,Crimes Ambientais,FaunaeFlora 02

Caribe: uma paraíso… de plástico!

Um paraíso, um lugar dos sonhos que sempre foi considerado o símbolo da beleza natural.

Mas o Caribe está escondendo uma sua outra face. Um verdadeiro mar de lixo envolvendo suas ilhas, mostrado pelas fotos tiradas da Reserva Marinha dos Cayos Cochinos pela fotógrafa Caroline Power.

Cayos Cochinos é um grupo de ilhas formado por duas pequenas ilhas e 13 cayos (ilhas rasas, pequenas, arenosas, formadas na superfície por um arrecife de coral).

Localizada a cerca de 30 km a nordeste de La Ceiba, na costa norte de Honduras, estas ilhas fazem parte de uma reserva marinha protegida. O recife de coral do qual fazem parte é o segundo maior do mundo e é conhecido como a Barreira de Coral Mesoamericana.

Caroline, especialista em fotografia subaquática, dedica sua carreira a destacar os danos que o lixo plástico vem causando aos nossos oceanos e águas. Assim, recentemente, ela imortalizou uma cena de horror que se encontra ao largo da costa de Honduras, entre as ilhas Roatan e Cayos Cochinos.

O barco em que ela estava passou por uma extensão de lixo, principalmente feito de plástico.

“Ver algo que eu amo assim tão profundamente, danificado, lentamente sufocado até a morte por causa do lixo humano, tem sido devastador”, disse a fotógrafa ao Telegraph. “Uma vez que o lixo acaba no oceano, é incrivelmente difícil e caro removê-lo”.

A solução seria evitar isso, melhorando a gestão dos resíduos, a educação ambiental e a abertura de fábricas de reciclagem no mundo inteiro.

As imagens abaixo mostram o que você pode encontrar visitando um dos locais de mergulho mais lindos do Caribe. A fotógrafa atravessou uma lixeira marinha de cerca de 10 km de largura:

“Em todo lugar que olhamos, havia sacolas de plástico de todas as formas e tamanhos e outras embalagens. Algumas estavam cheias e outras rasgadas. Infelizmente, muitas tartarugas, peixes, baleias e aves marinhas não sabem que é lixo e as confundem por comida”.

Blue Planet Society, uma organização que pretende por fim à pesca e à super exploração dos oceanos, acredita que os resíduos vieram do rio Motágua na Guatemala, terminando no mar durante chuvas intensas.

A fotógrafa colocou suas fotos nas redes sociais para mostrar o que estamos fazendo com o nosso planeta.


“Se não mudarmos nosso comportamento agora, teremos mais plástico do que peixes no oceano”.

 

Inteligência Artificial está ajudando a entender os oceanos

As aplicações de aprendizado de computadores estão se mostrando especialmente úteis para a comunidade científica que estuda as maiores massas de água do planeta.

Direito de Imagem Getty Images

Se você tivesse cerca de 180.000 horas de gravações subaquáticas do Oceano Pacífico e precisasse saber quando e onde, nessas horas diferentes, baleias jubarte estavam cantando, você pesquisaria no Google?

Foi o que Ann Allen, ecologista de pesquisa da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, fez. 

Em janeiro de 2018, ela se aproximou do Google e perguntou se eles poderiam ajudá-la a encontrar o sinal de músicas de baleias jubarte em meio a todo o ruído do oceano, como chamadas de golfinhos ou motores de navios. Usando 10 horas de dados anotados, nos quais as músicas das baleias e outros ruídos foram identificados, os engenheiros do Google treinaram uma rede neural para detectar as músicas, com base em um modelo para reconhecer sons nos vídeos do YouTube, disse Julie Cattiau, gerente de produtos do Google.

Cerca de nove meses depois, a Dra. Allen tinha um modelo para identificar canções de baleias jubarte, que ela está usando em sua pesquisa sobre a ocorrência da espécie em ilhas do Pacífico e como ela pode ter mudado na última década. O Google usou algoritmos semelhantes para ajudar o Departamento de Pescas e Oceanos do Canadá a monitorar em tempo real a população da Orca Residente do Sul, em risco de extinção, que tem cerca de 70 animais.

As aplicações de aprendizado de máquina e inteligência artificial estão se mostrando especialmente úteis no oceano, onde existem tantos dados – grandes superfícies, profundidades profundas – e dados insuficientes – é muito caro e não é necessariamente útil coletar amostras de qualquer tipo por toda parte.

A mudança climática também torna o aprendizado de máquina muito mais valioso: muitos dados disponíveis para os cientistas não são mais precisos, pois os animais mudam de habitat, as temperaturas aumentam e as correntes mudam. À medida que as espécies se movem, o manejo de populações se torna ainda mais crítico.

A baleia franca do Atlântico Norte, ameaçada de extinção, cuja população caiu para cerca de 400, é um animal que pode se beneficiar de um monitoramento tecnologicamente mais avançado: provavelmente por causa do aquecimento das temperaturas, essas baleias se mudaram para o norte de seu habitat tradicional do Golfo do Maine para o Golfo de São Lourenço no Canadá. Coincidir com essa mudança é o que a NOAA chamou de “evento incomum de mortalidade”, no qual se sabe que 30 baleias morreram desde 2017 – 21 no Canadá e 9 nos Estados Unidos – a maioria devido a ataques de navios ou emaranhados em equipamentos de pesca.

As baleias francas do Atlântico Norte, como esta mãe e filhote, se mudaram para o norte, e mais delas estão morrendo.

Para proteger as baleias, os cientistas precisam saber onde estão, o que o Charles Stark Draper Laboratory e o New England Aquarium estão fazendo no que chamam de “contar baleias do espaço”. Tomando dados de satélites, sonar, radar, avistamentos humanos, correntes oceânicas e muito mais, eles estão treinando um algoritmo de aprendizado de máquina para criar um modelo de probabilidade de onde as baleias podem estar. Com essas informações, as autoridades federais, estaduais e locais podem tomar decisões sobre rotas de navegação e velocidades e pesca mais rapidamente, ajudando-as a proteger melhor as baleias, de acordo com Sheila Hemami, diretora de desafios globais da Draper.

Muitas populações de peixes também estão se movendo ou estão com sobrepesca ou se aproximando, e grande parte dessa pesca é feita ilegalmente. Em um esforço para conter as atividades ilegais e manter as populações em níveis saudáveis no oceano, o Google também ajudou a iniciar o Global Fishing Watch, uma organização que monitora a pesca em todo o mundo coletando.

Plástico,Meio Ambiente,Poluição,Blog do Mesquita

Como o plástico está tornando comunidades da América Central inabitáveis

Plástico,Meio Ambiente,Poluição,Blog do Mesquita

Josua Dubón García, funcionário do Conselho Nacional de Áreas Protegidas da Guatemala, caminha em uma praia na foz do rio Motagua, na costa do Caribe, em 1º de outubro de 2018. Foto: Celia Talbot Tobin

OS PESCADORES ESTÃO com as pernas até a altura das coxas imersas na água barrenta quando nosso barco se aproxima da costa, a grama roçando o casco. É uma manhã quieta e fresca, e a névoa esconde o rio quando o sol começa a subir acima das árvores. Na praia, uma garça branca se ergue no raso e alça voo em uma explosão de som quando os pescadores levantam a rede para revelar sua captura brilhante. Ao lado deles, semissubmersa, uma garrafa de refrigerante de plástico aponta na direção do mar.

Quando piso na praia, noto mais pedaços de plástico entre os juncos, meio enterrados na lama, além de retalhos de tecido manchados, pedaços de espuma de embalagem, uma única sandália de plástico rachada. Logo depois, o rio Motagua, na Guatemala, desagua no Caribe, levando consigo um carregamento diário de detritos lavado de lixões superlotados e aterros clandestinos a centenas de quilômetros rio acima.

Hendrik, um jovem funcionário do departamento de áreas protegidas do país, fez uma excursão comigo e alguns colegas no final de 2018. No último ano, trabalhadores empregados pelo ministério do meio ambiente estavam limpando esse trecho de praia, carregando carrinhos de mão com muito lixo, mas mesmo assim a areia está coberta por um mosaico de pedaços coloridos de plástico. “É um esforço constante”, diz Hendrik. Por mais lixo que tirem, o rio sempre traz mais para substituí-lo.

1EL QUETZALITO

Os moradores de El Quetzalito são encarregados de manter as “biocercas” recentemente instaladas pelo governo, que atuam como barreiras superficiais para impedir que o lixo flutuante chegue à foz do rio ao desaguar no Caribe.

Os moradores de El Quetzalito são encarregados de manter as “biocercas” recentemente instaladas pelo governo, que atuam como barreiras superficiais para impedir que o lixo flutuante chegue à foz do rio ao desaguar no Caribe. Foto: Celia Talbot Tobin

A CIDADE fica no final de uma estrada de terra que passa por intermináveis fileiras de bananeiras e palmeiras, a poucos quilômetros da fronteira da Guatemala com Honduras. Um pouco além das casas situadas na margem do Motagua, o rio vira à direita para um beco que vai até o Caribe em uma nuvem lamacenta de sedimentos e detritos.

Embora a pequena comunidade, habitada por apenas cerca de 305 pessoas, esteja a quase 300 quilômetros da movimentada capital, cheia de gases, o lixo da cidade passa flutuando e chega às praias todos os dias. Em 2016, imagens de um grande deslizamento de lixo no lixão da Cidade da Guatemala que teria provocado a morte de três catadores e brevemente chamado a atenção internacional para as condições insustentáveis no local. Mas com infraestrutura sobrecarregada ou inexistente em toda a Guatemala, a estação das chuvas leva regularmente grandes quantidades de materiais descartados de muitos lixões para os rios todos os anos.

Com poucos aterros adequadamente contidos na Guatemala, a estação das chuvas leva grandes quantidades de materiais dos lixões para os rios.

“É algo que vem acontecendo há um tempo”, diz Marco Dubón, conhecido como Marquito. Durante a infância e adolescência, ele não se lembra de uma época em que o rio não estivesse cheio de lixo. Nos últimos anos, no entanto, ficou muito pior.

Em 2017, ameaçado por um processo de Honduras pelas praias poluídas, o ministro do Meio Ambiente da Guatemala apresentou um dispositivo que ele chamou de “biocerca”. Feito de garrafas plásticas vazias amarradas com uma rede de plástico, a barragem flutuante projeta-se da costa para a corrente principal do rio em ângulo, canalizando o lixo para o lado antes que ele chegue ao mar.

A cerca biológica foi instalada perto de El Quetzalito, e um pequeno grupo de moradores, supervisionado por Marquito, foi contratado para remover o lixo capturado pela barreira. Eles também trabalhariam para limpar a praia pouco depois da cidade e, com sorte, causar algum impacto na poluição geral.

Esquerda/acima: Cadáver de vaca inchado chega à praia na foz do Motagua, onde o rio deságua no Caribe. Direita/abaixo: Montes de plástico e isopor se acumulam nas praias da Guatemala, cheias de tudo: da esperada garrafa de refrigerante até pentes, escovas de dentes, Crocs, bonecos de ação, seringas e bolsas intravenosas.Fotos: Celia Talbot Tobin

Numa segunda-feira de setembro de 2018, quando a visitamos, havia uma série de garrafas de plástico e paus flutuantes presos na curva da biocerca. A superfície parece sólida, mas ondula-se contra o casco do barco amarrado ao lado da margem. No momento, não há muita coisa descendo o rio, explicou Marquito, mas o lixo voltará com as chuvas. “Quando está cheio, praticamente dá para caminhar sobre ele”, diz.

No momento, os trabalhadores se concentram na praia, um rápido passeio de barco rio abaixo. É cedo, mas o sol já está forte. Uma fogueira de madeira encharcada e detritos não identificáveis envia ondas de vapor e fumaça pela praia, mas a maior parte do que os trabalhadores juntam vai para sacos grandes para serem transportados de volta à cidade, ao centro de reciclagem. Lá, vidro e plástico limpos serão separados, e todo o resto, compactado em combustível para os fornos de incineração de uma empresa de cimento.

Os trabalhadores recebem cerca de 2,8 mil quetzales por mês, um pouco menos de US$ 400. O trabalho não é agradável, mas é mais estável do que a pesca. Carlos René Ortega diz que prefere trabalhar na praia a limpar a biocerca ou separar o lixo no calor do abafado centro de reciclagem com telhado de zinco. Na praia, há uma brisa perto do meio-dia. E, quando trabalham na biocerca, os trabalhadores precisam entrar na água para remover o lixo. “Nós nos revezamos”, explicou ele, “mas depois de três ou quatro horas, saímos com coceira”.

rio-de-lixo-guatemala-05-1576181225
rio-de-lixo-guatemala-06-1576181231
rio-de-lixo-guatemala-07-1576181236
rio-de-lixo-guatemala-08-1576181243

Uma pequena equipe de cerca de 16 moradores de El Quetzalito foi contratada pelo governo guatemalteco para limpar manualmente as praias com ancinhos e carrinhos de mão, a última barreira entre o lixo do resto do país e o oceano. Do canto superior esquerdo estão Carolina Ortega, Carlos René Ortega, Izak Dubón e Miguel López.Fotos: Celia Talbot Tobin

“Dez anos atrás, era incrível pescar aqui”, diz Izak Dubón, fazendo uma pausa para plantar sua pá na areia. “Dava para pegar peixes grandes e realmente ganhar dinheiro.” Izak, 20 anos, é alto e magro, com uma voz surpreendentemente profunda por trás do lenço azul que amarrou sobre a boca e o nariz. Ele costumava pescar com o pai, mas agora sente que não tem outra escolha senão trabalhar para ministério do meio ambiente. “Este é um ótimo país”, diz. “Se não tivéssemos toda essa contaminação, teríamos turismo.”

À tarde, pegamos o barco pela foz do rio até a praia em frente. Ali, ninguém removeu nada do lixo que agora está empilhado em dunas tão grandes que impossibilitam que se veja a areia. Há uma TV está meio enterrada no lixo. No outro extremo da praia, a carcaça de uma vaca com as patas esticadas rola na borda da superfície, inchada e brilhante, com um abutre curvado sobre ela.

Marquito, parado entre as pilhas de plástico e madeira, tem uma expressão indecifrável. Baixinho, como que falando sozinho, diz: “Tem trabalho aqui para anos”.

2RIO ACIMA

O único aterro oficial da Guatemala, localizado na capital movimentada do país, com 3 milhões de habitantes, é o maior da América Central.

O único aterro oficial da Guatemala, localizado na capital do país, com 3 milhões de habitantes, é o maior da América Central.

Foto: Celia Talbot Tobin

DESDE QUE O PRIMEIRO plástico sintético apareceu em 1907, produzimos 8,3 bilhões de toneladas, 5 bilhões das quais ainda estão espalhadas pelo mundo, não mais em uso, mas sem perspectiva de desaparecerem tão cedo. Em todo o mundo, países com economias em desenvolvimento, como a Guatemala, são a principal fonte de plástico oceânico. Embora países de alta renda, como os EUA, consumam a uma taxa mais alta – e, portanto, joguem fora muito mais plástico per capita –, os países menos desenvolvidos geralmente não têm infraestrutura para reciclagem ou eliminação adequada de resíduos, o que significa que muito mais do seu lixo acaba no oceano.

Em 2017, os pesquisadores descobriram que 90% do plástico marinho foi levado aos oceanos por apenas 10 rios, incluindo o Yangtze, o Nilo e o Ganges. Eles são as vias navegáveis de algumas das áreas mais populosas do mundo e, como resultado, carregam enormes quantidades de lixo plástico. Como o Motagua, podem ter infraestrutura mínima para tratamento de água ou disposição de resíduos. No total, entre 5 e 12 milhões de toneladas de plástico fluem da terra para o mar todos os anos.

Com o rio contaminado demais para ser usado para fornecimento de água potável ou irrigação, as comunidades ao longo do rio ficam presas a um cenário cada vez mais fechado de escassez e poluição.

O custo desses rios altamente poluídos também é alto em terra.

“Olhando para o mapa, a Guatemala deveria ter água em abundância”, explicou Gerardo Paiz em seu escritório na organização sem fins lucrativos Madre Selva – ou Mãe Floresta –, onde trabalha como ativista e porta-voz. Ele aponta para um mapa topográfico de aparência exuberante do país enquanto explica o que toda aquela paisagem de selva e montanha esconde. O Motagua percorre cerca de 480 quilômetros, cruzando a maior parte do istmo da América Central, mas, segundo Paiz, quase toda a contaminação ocorre em cerca de um terço de seu comprimento, onde ele se junta a afluentes que transportam esgoto, escoamento industrial e lixo da cidade da Guatemala.

O lixo se acumula em uma entrada nos arredores de Puerto Barrios, na Guatemala.

O lixo se acumula em uma entrada nos arredores de Puerto Barrios, na Guatemala.

Foto: Celia Talbot Tobin

Paiz diz que não há estações de tratamento de água públicas no país. As poucas estações de tratamento de águas residuais existentes são caras e difíceis de manter, e muitas não estão mais funcionando. Nos últimos anos, vários projetos financiados internacionalmente para construir novas infraestruturas de águas residuais foram suspensos, possivelmente como resultado do governo da Guatemala, atingido por escândalos. Enquanto isso, esgoto e detritos não tratados fluem desimpedidos para o rio.

Para os estados de El Progreso e Zacapa, situados rio abaixo, a água está se tornando um problema maior. Esses estados ficam ao longo do “corredor seco” da Guatemala, uma região agrícola que foi duramente atingida pelas mudanças climáticas e pela seca na última década. Com o rio contaminado demais para ser usado para fornecimento de água potável ou irrigação, as comunidades ao longo do rio ficam presas a um cenário cada vez mais fechado de escassez e poluição. Esses problemas ambientais, agravados pela violência, a corrupção e a pobreza, estão entre os fatores que motivaram mais de 116.808 guatemaltecos a tentarem atravessar a fronteira dos EUA em 2018.

Quanto ao plástico, não é difícil acompanhar o problema de volta à sua origem.

“A indústria do plástico está se movendo agressivamente para aumentar a produção”, explica Judith Enck, ex-administradora regional da Agência de Proteção Ambiental dos EUA e professora de políticas públicas no Bennington College. Um relatório de 2016 previu que a produção de plástico dobraria nos próximos 20 anos. Enck aponta que, apesar da má repercussão recente em relação a plásticos nos EUA, as empresas petroquímicas ainda estão planejando novas fábricas para transformar subprodutos da fraturamento em plástico. “Eles estão apenas avançando com literalmente dezenas de novas fábricas nos Estados Unidos.”

“Grandes empresas estão lançando muitos produtos que sabem que não têm chance de serem reciclados. E eles estão sendo vendidos em locais com pouco acesso a aterros sanitários.”

Isso dá às empresas um forte incentivo para vender mais plástico nos países em desenvolvimento, onde as economias em crescimento proporcionaram novos mercados para produtos plásticos baratos e descartáveis. Em um mercado em Puerto Barrios, pequena cidade a cerca de 40 minutos de El Quetzalito, bancas exibem camisas de futebol e camisetas baratas embrulhadas em plástico, bonés de beisebol de malha de espuma e plástico, brinquedos em cores neon, sandálias e calçados baratos e muito mais.

Uma fonte grande e crescente de resíduos de plástico é a embalagem, especialmente os pacotes de folhas laminadas frequentemente usados para alimentos e outros produtos de uso único, como sabonete ou xampu. Eles são populares em economias emergentes como a América Central e a Ásia, observa Enck, porque pode ser acessível às pessoas comprar pequenas quantidades de um produto em vez de uma garrafa inteira. Mas esses materiais, feitos de plásticos especializados e folhas laminadas juntas, raramente são recicláveis.

“Grandes empresas estão lançando muitos produtos que sabem que não têm chance de serem reciclados”, diz Enck. “E eles estão sendo vendidos em locais com pouco acesso a aterros sanitários.”

Em outras palavras, com as atividades normais atuais, empresas projetam e produzem materiais não biodegradáveis e não recicláveis que serão usados uma vez e depois descartados para fluir diretamente para o oceano.

3BARRANDO O FLUXO

Em 26 de setembro de 2018, trabalhadores separam tipos de papel em uma instalação de recolhimento na Cidade da Guatemala, onde os materiais são separados e organizados antes de serem enviados para reciclagem.

Em 26 de setembro de 2018, trabalhadores separam tipos de papel em uma instalação de recolhimento na Cidade da Guatemala, onde os materiais são separados e organizados antes de serem enviados para reciclagem.

Foto: Celia Talbot Tobin

“COMO RESOLVER a poluição plástica na sala de reuniões em vez das praias?”, foi a pergunta feita por Luisa Santiago, líder da América Latina para a iniciativa New Plastics Economy, nova economia de plásticos, da Ellen MacArthur Foundation. Reciclar não é a resposta, diz ela. Apenas 9% dos plásticos produzidos atualmente são reciclados, e a maior parte desse material só pode ser reciclada uma vez antes de também ser enviada para a aterro ou lixão.

“Entendemos que lidar com o lixo é parte do problema, mas a poluição do plástico realmente precisa ser resolvida rio acima”, afirma Santiago. Isso significa trabalhar com governos e a indústria para encontrar melhores soluções para os problemas que os plásticos de uso único devem solucionar. A organização de Santiago publicou uma análise em 2016 que constatou que de US$ 80 bilhões a US$ 120 bilhões desaparecem da economia todos os anos na forma de embalagens plásticas de uso único que nunca são recicladas.

Ao fazer um argumento econômico contra o plástico e em direção a uma economia mais circular, a organização de Santiago espera obrigar a indústria a mudar de maneira sistemática, em vez de confiar nos consumidores para tentar fazer escolhas individuais dentro de um sistema defeituoso. “Precisamos redesenhar o sistema, e o consumidor será automaticamente transferido para esse sistema – assim como o consumidor foi transferido para um sistema de uso único algumas décadas atrás”, observa ela.

A pedra angular do plano da New Plastics Economy é uma promessa de eliminar “plásticos desnecessários” até 2025. Para isso, Santiago acredita que é necessário trabalhar com empresas como Coca-Cola e Nestlé, mesmo que essa abordagem dificulte uma postura contra os motivos de puro lucro do setor. “Nós não acreditamos na proibição do plástico”, Santiago me disse.

Instalações privadas de coleta de lixo para o país existem apenas na capital. Ali, materiais recicláveis, como garrafas de refrigerante de plástico, papel e sacolas plásticas finas, são separados por tipo, cor e peso, e depois compactados.

Instalações privadas de coleta de lixo para o país existem apenas na capital. Ali, materiais recicláveis, como garrafas de refrigerante de plástico, papel e sacolas plásticas finas, são separados por tipo, cor e peso, e depois compactados.

Fotos: Celia Talbot Tobin

Judith Enck discorda. “A proibição de sacolas reduz a poluição do plástico”, afirma. Desde que a Enck deixou a EPA em 2017, iniciou um projeto chamado Beyond Plastics, com o objetivo de levar as comunidades a eliminar a poluição de plásticos na base. Segundo ela, onde as proibições de sacos são implementadas, além de restringir o isopor e disponibilizar canudos de plástico apenas mediante solicitação, elas podem ser bastante eficazes –uma abordagem que ela chama de “trifecta dos plásticos”. “São frutas baixas”, observa Enck. “E existem alternativas fáceis.”

O problema é que esses tipos de políticas ainda não são comuns. Segundo ela, menos de 10% dos municípios dos EUA aprovaram qualquer tipo de legislação antiplástico. No mundo em desenvolvimento, no entanto, as políticas sem-plástico estão se espalhando. Em 2002, Bangladesh se tornou um dos primeiros países a proibir completamente as sacolas descartáveis e, até este ano, de acordo com a National Geographic, 34 países africanos tinham proibições em suas leis.

O governo guatemalteco anunciou a proibição do plástico descartável e do isopor a partir de 2021.

Também na Guatemala, o plástico é cada vez mais visto como um problema. No final de 2016, a cidade de San Pedro La Laguna ganhou as manchetes ao proibir sacolas e embalagens de plástico. Os moradores as estão substituindo por alternativas reutilizáveis. Em setembro deste ano, o governo guatemalteco anunciou uma proibição de plástico descartável e isopor a partir de 2021. Os dois anos seguintes devem dar aos fornecedores tempo para encontrar alternativas compostáveis ou reutilizáveis.

E se a política demorou a acompanhar o problema, a conversa sobre o plástico está mudando rapidamente. As pessoas em El Quetzalito nos disseram que estavam mais conscientes da poluição do que costumavam ser. Muitos deles disseram que tentaram reduzir o próprio desperdício. Miguel López, um homem de meia idade com rosto bronzeado e sombrio sob um boné de beisebol azul-petróleo, nos disse que se sentia parte de algo bom.

“É importante fazer isso”, disse, endireitando-se do ancinho para empurrar o chapéu de volta à cabeça. O trabalho, embora difícil e às vezes desagradável, tem um propósito. Apertando os olhos na direção da água, ele nos disse, simplesmente: “Para amanhã, precisamos de praias limpas”.

Esta reportagem recebeu o apoio da International Women’s Media Foundation, como parte da Adelante Latin America Reporting Initiative.

Tradução: Cássia Zanon

Ambiente,Oceanos,Ártico,MeioAmbiente,Mudanças Climáticas,Clima,Natureza,Poluição,Ecologia,Blog do Mesquita

Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo

Calor absorvido pelos mares nos últimos 25 anos equivale ao gerado por 3,6 bilhões de bombas como a de Hiroshima. Aquecimento disparou nas últimas décadas, o que, segundo cientistas, é “prova do aquecimento global”.    

Mar turquesa com ilha no meioDesde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos

Em 2019, a temperatura média dos oceanos do mundo atingiu a marca mais alta já registrada, e o ritmo em que eles estão esquentando está se acelerando, aponta um novo estudo divulgado nesta terça-feira (14/01).

A temperatura média dos oceanos no ano passado ficou cerca de 0,075 grau Celsius acima da média verificada entre 1981 e 2010, de acordo com um estudo publicado na revista chinesa Advances in Atmospheric Sciences.

Os cientistas calcularam que,nos últimos 25 anos, os oceanos absorveram o equivale ao calor gerado por 3,6 bilhões de explosões como a da bomba de Hiroshima.

O texto, assinado por 14 cientistas de 11 institutos de vários países, indica que as temperaturas mais quentes foram registradas entre a superfície do mar e os dois mil metros de profundidade.

“Esse aquecimento medido dos oceanos é irrefutável e é mais uma prova do aquecimento global”, diz Cheng Lijing, principal autor do artigo e professor associado do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências.

“Não há alternativas razoáveis ​​além das emissões humanas de gases captadores de calor [do efeito estufa] para explicar esse aquecimento”, completou.

Os pesquisadores também compararam dados de 1987 a 2019 com o período entre 1955 e 1986. Eles descobriram que, nas últimas seis décadas, o aquecimento mais recente foi cerca de 450% maior que o aquecimento anterior, sugerindo um grande aumento na taxa de alterações climáticas globais.

“É fundamental entender o quão rápido as coisas estão mudando”, afirma John Abraham, coautor e professor de Engenharia Mecânica na Universidade de St. Thomas, nos Estados Unidos. “E isso é apenas a ponta do iceberg do que está por vir.”

O aquecimento dos oceanos pode causar ondas de calor marinhas, o que, por sua vez, pode levar a grandes perda de vidas marinhas e à formação de furacões, segundo os pesquisadores.

De acordo com os cientistas, é possível trabalhar para reverter os efeitos da atividade humana no clima, mas os mares levarão mais tempo para responder do que ambientes atmosféricos e terrestres. Desde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos, enquanto menos de 4% foram para a terra e a atmosfera.