Um boom de energia renovável está mudando a política do aquecimento global

Nos últimos anos, Dewey Engle, um trabalhador aposentado de 81 anos que mora nos arredores de Tahoka, uma pequena cidade agrícola no oeste do Texas, adquiriu uma nova visão de sua varanda dos fundos.

Dezenas de turbinas eólicas zumbem 300 pés sobre os campos de algodão atrás de sua casa. Algumas pessoas podem ficar perturbadas com a chegada repentina de máquinas tão monstruosas praticamente em seu jardim. Engle diz que seu único problema com eles é que eles não estão em seu modesto pedaço de terra, de modo que ele não recebe royalties. “Eu adoraria receber esse dinheiro”, diz ele. “Gostaria de ter dez deles.”

O parque eólico de Tahoka é de propriedade da Orsted, uma empresa dinamarquesa de energia que entrou no mercado americano há menos de dois anos. É composto por 120 turbinas, cada uma capaz de gerar energia suficiente para 1.000 residências. Na porta seguinte, Sage Draw, outras 120 turbinas ainda estão sendo montadas e conectadas à rede do Texas. O Fracking, outro setor que transformou partes do oeste do Texas na última década, agora está com problemas. Mas as pás da turbina não param de girar. Dirija de Lubbock a Sweetwater e, durante quase toda a jornada, o horizonte está repleto de moinhos de vento em todas as direções. A grande maioria foi apresentada nos últimos dez anos. O Texas agora atende a 20% de sua demanda considerável de eletricidade com o vento. Se fosse um país, o Lone Star State seria o quinto maior do mundo em sua produção de energia eólica.Energia,Renovável,Solar,Eólica,Blog do Mesquita

Curiosamente, o boom de energia renovável da América tem sido mais forte em estados controlados pelos republicanos como o Texas. Lugares controlados por democratas como Nova York têm políticas destinadas a atrair investimentos, por exemplo, promessas de que os governos estaduais comprem apenas energia verde. Mas o Texas tem muito vento e sol e muito menos Nimbys. O presidente Donald Trump, que gastou uma pequena fortuna tentando combater um parque eólico à vista do seu clube de golfe escocês, evidentemente não suporta turbinas. Em comícios, ele gosta de reclamar sobre como eles matam pássaros. Mas para muitos de seus apoiadores, principalmente nas áreas rurais, turbinas eólicas e painéis solares são um impulso para as economias em dificuldades. No Condado de Lynn, do qual Tahoka é a sede, 77% das pessoas votaram em Trump. O boom poderia convencer os republicanos de que a descarbonização pode ser uma oportunidade econômica, não apenas um custo?

Nos últimos anos, turbinas surgiram nas planícies americanas; proporcionalmente, Kansas e Oklahoma dependem mais do vento do que o Texas. Há alguns anos, uma das categorias de trabalho que mais crescem nos Estados Unidos é o “técnico de turbinas eólicas”. Nem o boom está confinado ao vento. O investimento está sendo investido em usinas solares e sistemas de bateria, especialmente no sudoeste banhado pelo sol. O crescimento do número de instaladores de painéis solares ultrapassou o dos técnicos de turbinas eólicas. Em conjunto, a energia solar e eólica representam 55% da nova capacidade de geração de eletricidade adicionada a cada ano, de acordo com a Associação de Indústrias de Energia Solar, um grupo da indústria. Como as usinas de carvão estão fechando mais rápido do que as de gás, a capacidade geral de combustíveis fósseis está diminuindo.Tecnologia,Energia Eólica,Ciêcia,Energia,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

O que precipitou esse boom? As políticas federais ajudaram – o vento se beneficiou de um crédito de imposto de produção por décadas, apesar de expirar nos próximos anos. Um crédito fiscal de investimento solar continuará. Mas as políticas locais também ajudaram. O Texas tem sua própria rede de eletricidade, administrada pela ercot, uma empresa estatal. Nos anos 2000, o lobby de políticos no oeste do estado levou-o a criar um fundo para construir uma nova rede de linhas de transmissão, o que possibilitou aos produtores de energia eólica fornecer energia à rede a partir de partes remotas, mas com muito vento do estado. As mesmas linhas agora estão ajudando a aumentar a energia solar, diz Dan Woodfin, da ercot. Ele diz que, há dez anos, ele não acreditava que o sistema seria capaz de lidar com tanta energia renovável quanto agora; no pico, 55% da eletricidade do Texas é fornecida pelo vento.

No entanto, o maior impulsionador foi simplesmente o baixo custo e a alta demanda. O custo de turbinas eólicas e painéis solares caiu vertiginosamente. E em locais rurais como o Texas (ao contrário de partes mais densamente povoadas do país), os royalties pagos pelo uso da terra são importantes o suficiente para que os proprietários de terras e os governos locais detenham a oposição. Enquanto isso, um número crescente de grandes empresas deseja comprar eletricidade verde para reduzir suas próprias emissões de carbono, o que significa que os produtores podem empacotar suas energias renováveis ​​para vender com contratos virtuais de fornecimento de energia.

Todo esse crescimento começará a mudar atitudes em relação às mudanças climáticas? Por enquanto, o Texas tem cerca de 35.000 empregos em energia solar e eólica. O número cresceu rapidamente, mas dez vezes esse número ainda está em combustíveis fósseis. O Texas é o maior produtor de emissões de carbono da América. Portanto, talvez não seja surpreendente que seu governador, Greg Abbott, tenha sido cético quanto à humanidade ter muito a ver com o aquecimento global. Muitos políticos republicanos, como o senador Chuck Grassley, de Iowa, mostram que é perfeitamente possível ser um defensor entusiasmado da energia verde em seu distrito, enquanto ainda negam que a mudança climática em geral exija qualquer resposta política nacional.Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Mas a mudança para uma energia mais verde está mudando algumas mentes. Curt Morgan, CEO da Vistra Energy, uma das maiores empresas de eletricidade do Texas, que gera e vende eletricidade, diz que sua empresa passou de contar com carvão para cerca de 70% de sua geração para menos da metade agora. Todos os novos investimentos da Vistra são em energia renovável, e a empresa agora apóia um imposto sobre o carbono, que Morgan diz ser a melhor maneira de incentivar empresas como a dele a deixar de poluir o carbono. A ExxonMobil, uma gigante de combustíveis fósseis com sede no estado, é outro proponente da idéia.

No entanto, isso convencerá os republicanos? Morgan diz que acha que o partido está indo na direção certa. Eles deixaram de ser “apenas diga que não há partido sobre mudança climática para um partido que reconhece que é um problema”, diz ele. Mas, ele acrescenta, o progresso é lento. “Os políticos têm um problema – eles precisam ser reeleitos.” Em fevereiro, os republicanos da Câmara dos Deputados propuseram reduzir as emissões criando um crédito fiscal para o seqüestro de carbono e incentivando o plantio de árvores. Apesar da modéstia, o plano foi imediatamente denunciado como capitulação por alguns grupos à direita. O Partido Republicano corre o risco de ser deixado para trás defendendo indústrias antigas, mesmo quando novas as varrem.

O que o mundo perderia com a extinção das abelhas

Philip Donkersley estuda insetos para ganhar a vida, e as abelhas são favoritos.

Eles são os animais mais carismáticos e amigáveis ​​que você provavelmente verá por aí.

Infelizmente, suas chances de ver um zangão na Europa e na América do Norte caíram um terço desde 1970, segundo uma nova pesquisa.

Em toda a Europa, temos 68 espécies de abelhas, mas o aumento da temperatura global e o clima imprevisível obrigaram alguns a abandonar as regiões sul. Como resultado, aproximadamente metade dessas espécies estão em declínio, com 16 já ameaçadas.

Muitas dessas espécies são encontradas em apenas alguns lugares, como Bombus hyperboreus, que vive apenas na tundra escandinava. À medida que o clima muda, essas abelhas ficam sem ter para onde ir e podem morrer completamente.

Suas peles grossas e felpudas e o ferrão alto diferenciam essas abelhas de outros insetos, e são uma visão familiar em grande parte do mundo. Existem até abelhas tropicais que podem ser encontradas na floresta amazônica. Mas como seria um mundo sem eles?Bombus hyperboreus é listado como ‘Vulnerável’ pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Crédito: Smithsonian Institution / Wikimedia Commons, CC BY-SA

Polinizadores especializados

Mais de três quartos das culturas do mundo se beneficiam da polinização por insetos, avaliada em US $ 235-577 bilhões anualmente. Das 124 culturas básicas cultivadas para consumo humano, 70% dependem da polinização por insetos. Embora a situação das abelhas tenda a chamar mais atenção, pesquisas recentes sugerem que as abelhas são polinizadores muito mais eficientes.

Os zangões são maiores e mais peludos e, portanto, podem transportar mais pólen. Eles também  podem transferir o pólen de maneira mais eficaz para fertilizar as plantas. Eles se comportam de maneira diferente em torno das flores, movendo-se metodicamente para cobrir cada flor em um trecho, enquanto as abelhas tendem a se mover aleatoriamente entre as flores em um trecho.

Os zangões também são mais duros que as abelhas e continuão a polinizar sob ventos fortes ou chuva. Ainda poderíamos cultivar alimentos sem abelhas, mas podemos nos esforçar para conseguir o suficiente e nossa dieta não seria tão diversa.

Os zangões são mestres da “polinização por zumbido”. Eles podem vibrar em uma frequência particularmente alta (até 400Hz) perto das flores, para liberar o pólen que é difícil de alcançar. Os abelhões estão entre uma pequena minoria de insetos polinizadores que podem fazer isso, e tomates, batatas e mirtilos dependem dele para se reproduzir.

A vida interior dos zangões

Como as abelhas, as bumbles são criaturas sociais e vivem em colméias. Eles são governados por uma rainha solteira que é sustentada por suas filhas (as trabalhadoras) e alguns filhos (zangões).

Embora as abelhas normalmente formem colmeias de cerca de 30.000 indivíduos, que podem ser quase tão grandes quanto uma pessoa, os zangões vivem muito mais modestamente. Suas colméias hospedam cerca de 100 abelhas e são pequenas o suficiente para caber em um vaso.

À medida que as temperaturas aumentam no início da primavera, as enormes rainhas que hibernaram no subsolo durante o inverno acordam e procuram néctar e pólen, e um local de nidificação adequado para o ano. Eles não são exigentes – cavidades de árvores, caixas de pássaros e o espaço sob os galpões de jardim servem.A abelha-comum (Bombus pascuorum) forma um ninho acima do solo na grama e no musgo. Crédito: Panoramedia / Wikimedia Commons, CC BY-SA

As operárias guardam o ninho e a forragem da rainha, que põe ovos no final do verão para drones masculinos e novas rainhas. Ambos saem para acasalar com abelhas de outras colméias, enquanto novas rainhas se alimentam de pólen e néctar, armazenando a energia como gordura dentro de seus corpos, para que possam hibernar durante o inverno e emergir na primavera, para iniciar o ciclo novamente. Enquanto isso, os trabalhadores e os drones morrem a cada inverno.

Nem todas as abelhas vivem em colmeias e produzem mel. A abelha cuco, por exemplo, pertence à família das abelhas, mas é uma espécie de ovelha negra. Os cucos se disfarçam de outras espécies de abelhas, escondem seus ovos nas colméias e permitem que os anfitriões que trabalham duro criem e cuidem deles. Tão bem disfarçados são esses parasitas que até os entomologistas lutam para identificá-los na natureza.

Embora as abelhas sejam generalistas e se alimentem de tudo o que possam encontrar, os abelhões tendem a ter uma dieta altamente especializada, e as flores desenvolveram relações estreitas com determinadas espécies. Plantas como trevo vermelho têm longos e complexos tubos de flores que apenas espécies de língua longa como Bombus hortorum podem alcançar. Em sistemas altamente especializados como esse, a perda da planta ou do polinizador pode levar à perda da outra, causando uma cascata de extinções.

Primavera Silenciosa?

A mudança climática não é a única ameaça aos abelhões. Mudanças na maneira como a terra é usada – mais agricultura rica em pesticidas, menos pastagens selvagens – significam menos forragem. Isso causou declínios maciços, mesmo recentemente. O humilde bumble de Cullum (Bombus cullumanus) caiu 80% em todo o mundo desde 2010

Mas as abelhas selvagens são resistentes e respondem mais rapidamente às melhorias em seu habitat, como as tiras de flores silvestres, do que as abelhas. No Reino Unido, o zangão de pelos curtos (Bombus subterraneus) foi declarado extinto em 2000, mas a colaboração entre o RSPB e o Bumblebee Conservation Trust ajudou a reintroduzir a espécie em locais no sul da Inglaterra, perto de Dungeness e Romney Marsh.

Indústria nuclear é um risco e uma ameaça à meta climática da Inglaterra

Diante das reações o governo da Inglaterra pode abandonar um plano para pagar a construção de novas usinas nucleares através da cobrança de uma taxa sobre as contas de energia.


O governo pode abandonar um plano para pagar por novas estações nucleares através de uma taxa sobre as contas de energia.

O Reino Unido perderá sua meta de carbono zero líquido até 2050, a menos que encontre uma maneira de financiar usinas nucleares, disse a indústria nuclear.

A indústria enviou uma carta confidencial ao chanceler Rishi Sunak, que foi vista pela BBC.

A carta foi motivada por temores de que o governo use o orçamento da próxima semana para abandonar um plano de pagamento de novas usinas através de uma taxa sobre as contas de energia.

O esquema acrescentaria cerca de £ 6 por ano às contas de energia.

Foi apresentada pelo Tesouro no ano passado como forma de pagamento de uma nova usina planejada em Sizewell, em Suffolk.

Todas, exceto uma das usinas nucleares existentes no Reino Unido, que fornecem cerca de 20% da eletricidade do país, serão aposentadas até o final da década.

Críticas severas
Apenas um novo reator, em Hinkley Point, em Somerset, está em construção.

Ele está sendo pago pela empresa francesa de serviços públicos EDF e seu parceiro no projeto, China General Nuclear Power Corp (CGN).

A construção é apoiada pela promessa de que o Reino Unido pagará 92,50 libras por cada megawatt-hora que produz, mais que o dobro do preço atual de mercado.

A nova estação de Hinkley enfrentou críticas – Getty

O alto preço atraiu críticas severas e levou à busca de uma nova maneira de financiar usinas nucleares.
“Existe uma necessidade urgente de um novo mecanismo de financiamento robusto que garanta a confiança do investidor, reduz o custo de capital e ofereça um valor muito significativo ao consumidor”, afirma a carta da Associação da Indústria Nuclear ao chanceler.

“Sem a estrutura política adequada e o modelo de investimento na legislação, é impossível alcançar a substituição dessa capacidade e sustentar nossas necessidades futuras de energia”.

A associação acrescenta que o Reino Unido não pode contar com energia renovável “dependente do clima” – energia eólica e solar – para todas as suas necessidades futuras de energia. Nem poderia esperar o surgimento de tecnologias “inovadoras”.

“O relatório Net Zero do Comitê de Mudanças Climáticas recomendou que um futuro mix de energia fosse constituído por 38% de energia firme, da qual nuclear é a única opção comprovada e comercialmente viável”, diz a carta.

Também encontra falhas nas conclusões da Comissão Nacional de Infraestrutura sobre energia nuclear, dizendo que elas não levam em conta adequadamente os compromissos de mudança climática do governo – o mesmo motivo pelo qual o Tribunal de Apelação bloqueou recentemente a terceira pista planejada em Heathrow.

A comissão disse que o Reino Unido precisará de apenas mais uma nova usina nuclear do tamanho da que está sendo construída em Hinkley Point antes de 2025. “Essa conclusão é fundamentalmente falha – até porque a avaliação não leva em conta o comprometimento líquido agora legislado, “a carta diz.

‘Indústria falida’
No entanto, a organização de campanha nuclear CND disse que seria melhor se a taxa fosse descartada.

Kate Hudson, secretária geral da CND, disse: “Os subsídios do governo para a indústria nuclear – como uma taxa de 6 libras por cabeça para Sizewell – estão de fato sustentando uma indústria falida, motivo pelo qual congratulamo-nos com qualquer plano para descartá-los.

“Não apenas a energia nuclear é mais cara que as renováveis, como todas as usinas nucleares construídas desde 1951 tiveram perdas de £ 4 bilhões em média.

“A nuclear também cria um problema insolúvel em resíduos, e como o drama de TV Chernobyl revelou graficamente, os acidentes nucleares criam miséria humana e destruição ambiental.

“Parece que o governo pode finalmente estar acordando para essas realidades econômicas e ambientais”.

Excesso de custos
Executivos do setor nuclear disseram que o Tesouro estava adotando uma visão sombria do plano de financiar usinas através de uma taxa sobre as contas dos clientes.

Seus especialistas em contabilidade disseram que, como o plano levaria o governo a pagar a conta por grandes excedentes de custos, o custo total poderia contar como parte dos empréstimos do governo.

Na terça-feira, o governo mostrou vontade de abalar a política energética, abrindo as portas para a construção de novos parques eólicos em terra.

Na verdade, eles foram banidos por David Cameron quando primeiro ministro.

Clima,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

Jeff Bezos, da Amazon, promete US $ 10 bilhões para combater as mudanças climáticas

Embora a iniciativa do Bezos Earth Fund tenha sido aplaudida por muitos, críticos questionaram o apoio da Amazon aos negócios de petróleo e gás. Ele está seguindo um caminho semelhante a outros magnatas como Bill Gates e Warren Buffett.

O CEO da Amazon, Jeff Bezos, comprometeu na segunda-feira US $ 10 bilhões de sua fortuna para criar um fundo destinado a enfrentar a crise climática, semanas depois que centenas de seus funcionários assinaram um blog exigindo que o gigante do varejo online tomasse medidas drásticas para reduzir sua pegada de carbono.

O fundo, chamado Bezos Earth Fund, começará a emitir doações para cientistas e ativistas neste verão, anunciou o homem mais rico do mundo em um post no Instagram.

“A mudança climática é a maior ameaça ao nosso planeta. Quero trabalhar ao lado de outras pessoas para ampliar maneiras conhecidas e explorar novas maneiras de combater o impacto devastador da mudança climática neste planeta que todos compartilhamos”, disse Bezos, cujo patrimônio líquido é estimado em US $ 130 bilhões.

“Esta iniciativa global financiará cientistas, ativistas, ONGs – qualquer esforço que ofereça uma possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo natural. Nós podemos salvar a Terra. Ela tomará ações coletivas de grandes empresas, pequenas empresas, estados nacionais, globais. organizações e indivíduos “, afirmou.

A doação pessoal de Bezos segue o “Compromisso Climático” da Amazon no ano passado, que visa tornar a empresa neutra em carbono até 2040. Como parte do compromisso, ele disse que a Amazon cumprirá as metas do Acordo de Paris no mesmo ano, dez anos antes de programação – também prometendo comprar 100.000 vans de entrega elétrica.

A tarefa de reduzir sua pegada de carbono será desafiadora para a maior empresa de comércio eletrônico do mundo, que entrega 10 bilhões de itens por ano. O enorme consumo de energia dos farms de servidores usados pelos negócios de computação em nuvem da Amazon aumenta ainda mais suas emissões de efeito estufa.

Um grupo de defesa, Funcionários da Amazon para Justiça Climática, disse que aplaudiu a iniciativa de Bezos, mas acrescentou que “uma mão não pode dar o que a outra está tirando“. O grupo também questionou o apoio da empresa aos negócios de petróleo e gás.

Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita

Entrevista: Christiana Figueres sobre a emergência climática: “Esta é a década e nós somos a geração”

A líder do acordo de Paris de 2015 fala sobre seu novo livro, “O futuro que escolhemos”, e por que é hora da crise da humanidade.

Christiana Figueres. Foto: © Jimena Mateo

Christiana Figueres é fundadora do grupo Global Optimism e foi chefe da convenção da ONU sobre mudanças climáticas quando o acordo de Paris foi alcançado em 2015.

Seu novo livro se chama “O futuro que escolhemos”.

Mas não é tarde demais para parar a crise climática?
Definitivamente, estamos atrasados. Adiamos terrivelmente por décadas. Mas a ciência nos diz que ainda estamos na hora certa.

Você diz que esta década é a mais importante da história humana …
Esta é a década em que, ao contrário de tudo que a humanidade já experimentou antes, temos tudo ao nosso alcance. Temos o capital, a tecnologia, as políticas. E temos o conhecimento científico para entender que temos que metade das nossas emissões até 2030.

Então, estamos diante da bifurcação mais importante da estrada. Se continuarmos como agora, seguiremos irreparavelmente um curso de destruição constante, com muita dor humana e perda de biodiversidade. Ou podemos optar por seguir na outra direção, um caminho de reconstrução e regeneração e, pelo menos, diminuir os impactos negativos das mudanças climáticas para algo que seja administrável.

Mas só podemos escolher essa década. Nossos pais não tiveram essa escolha, porque não tinham capital, tecnologias e entendimento. E para os nossos filhos, será tarde demais. Então esta é a década e nós somos a geração.Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Apenas 11 páginas, aproximadamente, do livro descrevem as terríveis conseqüências das mudanças climáticas não controladas, enquanto o restante fala sobre a possibilidade de um mundo muito melhor. Por quê?

É importante que todos enfrentem as consequências negativas para as quais estamos sonambulando, e é por isso que essas 11 páginas estão lá. Mas igualmente importante é despertar a imaginação e a criatividade que advém da compreensão de que temos essa agência incrível para criar algo completamente diferente.

Queríamos oferecer os dois universos àqueles que, compreensivelmente, estão paralisados ​​pelo desespero e pela tristeza pela perda que já está ocorrendo, bem como aqueles que estão paralisados ​​pelo seu conforto e falta de compreensão do momento em que estamos.Aquecimento Global,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 01

Muito do livro é sobre a necessidade de uma mudança na consciência das pessoas. Isso não é grandioso ou, por outro lado, vago demais para fazer a diferença no mundo real?

Tudo o que consideramos possível e quaisquer valores e princípios pelos quais vivemos determinam as ações que tomamos. Tudo o que consideramos próximo e querido para nós é o que estamos dispostos a trabalhar. E assim, mudar da desgraça e da tristeza para uma atitude positiva, otimista e construtiva é muito importante, porque é o que nos levanta de manhã e diz: “Sim, podemos fazer isso, vamos trabalhar juntos nisso”, em vez de puxar o cobertor sobre a cabeça e dizer “é muito difícil”. Portanto, essa mudança de atitude dentro de nós mesmos é crítica.

Também precisamos entender que não podemos mais viver em um mundo baseado em extração e resíduos ilimitados. Antes, temos que mudar nossa consciência para uma de regeneração.

Como a consciência das pessoas pode mudar dessa maneira?

A primeira coisa que precisamos entender é a consequência de não mudar nossas atitudes. Existem consequências existenciais muito graves. Espero que possamos tomar uma decisão séria e madura se queremos escolher algo diferente.

Uma das 10 ações recomendadas no livro é ser cidadão e não consumidor. Você pode explicar isso e por que é importante?

O próprio conceito de ser consumidor já nos aponta na direção de consumir irresponsável. Temos que ser capazes de, em algum momento, particularmente nos países desenvolvidos, chegar ao ponto em que dizemos “basta”. Antes de fazer uma compra, um investimento ou qualquer tipo de decisão que tenha impacto no planeta e em outras pessoas, a pergunta deve ser: “Eu realmente preciso disso e isso é realmente propício para melhorar a qualidade de vida neste planeta?

Outra das ações que você escolheu é a construção da igualdade de gênero. Por quê?

Educar as jovens e capacitar as mulheres para comparecerem às mesas de tomada de decisão é a coisa mais forte que podemos fazer pelo clima. Quando há mais mulheres nas salas de reuniões e posições de alto nível nas instituições, você obtém decisões mais sábias e de longo prazo.

Claro que existem muitos homens que também fazem isso. Mas há uma tendência para as mulheres serem mais colaborativas, que é a base do que precisamos fazer, e elas tendem a pensar muito mais a longo prazo. [As mulheres] têm o primeiro dever de cuidar de nossos filhos recém-nascidos e, portanto, biologicamente, estamos voltados para essa mordomia. Mas é simplesmente estúpido, francamente, não usar 50% do potencial humano. Estamos em uma situação de emergência que precisamos implantar 100% do nosso potencial.África,Seca,Água,Mudanças Climáticas,Aquecimento Global,Clima,Blog do Mesquita

Clima,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

“Se você não se preocupa com as plantas, é possível que não saiba cuidar de outro ser humano”

A cada ano, 2.100 espécies vegetais fascinam as 250.000 pessoas que visitam o jardim botânico da Universidade Harvard, em Boston. Seu diretor admite que ele próprio não deixa de se surpreender com elas

O biólogo Wiiliam Friedman, em uma recente visita a San Sebastián, na Espanha.
O biólogo Wiiliam Friedman, em uma recente visita a San Sebastián, na Espanha. ADELINE MARCOS (SINC)

Milhares de crianças visitam anualmente o Arnold Arboretum, o jardim botânico da Universidade Harvard, em Boston (EUA), onde há uma norma: todos são capazes de ensinar, dos universitários aos cientistas, passando pelos funcionários.

Um deles é o biólogo William Friedman, que esteve recentemente na Espanha para participar do festival científico Passion for Knowledge (P4K), em San Sebastián. Apaixonado pelas plantas, Friedman é professor de Biologia Evolutiva e dos Organismos na Universidade de Harvard e dedicou toda sua carreira ao estudo da diversificação evolutiva das plantas.

Pergunta. Você demonstrou que as plantas têm relações especiais e se ajudam mutuamente. Nesse sentido, são melhores que nós?

Resposta. Do ponto de vista de um biólogo evolutivo, entre as plantas ocorre uma grande quantidade de mortes prematuras. Por cada pássaro que você vê pela janela, 199 morreram. Por cada planta que você vê, quantas sementes caíram ou cresceram um pouco e não conseguiram ir além? As plantas fazem coisas maravilhosas ao cooperar entre elas, mas às vezes têm um lado sombrio.

P. Que aspecto das plantas mais o surpreendeu ao longo de sua carreira?

R. Tive surpresas incríveis ao longo de minha vida, sobretudo com o estudo da origem evolutiva das plantas de flor, que são um grupo muito recente, o mais jovem. Como é possível então que estejam por toda parte? Estudei o tecido interior das sementes onde as mães põem seu alimento, e que depois vai para o embrião. É algo que domesticamos para comer, o chamado endoesperma. Comemos um grão de arroz ou de milho porque está cheio de nutrientes. Descobri muitas coisas sobre este processo.

P. Como o quê?

R. Que mães e pais diferem quanto à contribuição nutritiva desse tecido, e podemos ver isso com análises genéticas. Quando observo uma semente, posso ver os genes da mãe e os do pai, como estes debatem sobre quanto alimento deveria haver. Estou há vinte anos me perguntando se pais e mães discutem sobre como alimentar a seu broto, e nos cinco últimos anos descobrimos…

P. E quem ganha?

R. Ah [risos], pois a verdade é que depende. Essa é a questão. Em geral, os pais são doadores de esperma, e as mães do óvulo, mas além disso eles têm que alimentar. Alguém se envolve mais que o outro, que só fornece os seus genes. Isto ocorre com os animais, mas também com as plantas.

P. Então, o que quer um pai quando dá seus genes a uma semente da mãe?

R. Que essa semente tenha todo o alimento possível. As mães têm muitas sementes, mas selecionam e rejeitam as que acreditam que não são boas, porque têm recursos limitados e precisam decidir onde investem seu alimento.

P. E ao analisar essas sementes, que mais se pode ver?

R. Nos estudos de genética molecular se pode ver inclusive como tudo isto ocorre. Como fazem diferentes investimentos, os pais são egoístas, e as mães tentam tomar decisões universais. Se uma mãe com 100 sementes só tem comida para 50, em quais vai investir? Ela vai se perguntar quais são as melhores. As fêmeas reconhecem as sementes que podem estar aparentadas geneticamente e fecham a chegada do pólen de maneira bioquímica. Estão continuamente filtrando os pais. É uma das grandes histórias das plantas, e não creio que muita gente a conheça.

P. Quando rejeitam um pai, podem escolher outro?

R. No caso dos pinheiros, que polinizam por meio do vento, a mãe recebe o esperma de muitos pais, e assim pode escolher. Se insetos entrarem em jogo, a cada flor chegam pais de diferentes origens, e as mães faz que compitam entre si.

P. Mas como sabem se são bons pais?

R. Conhecem os atributos genéticos do pai, é incrível. Em alguns casos, saberão se o pai é um parente direto; em outros saberão se não é um bom partido, e então as mães interromperão a fertilização. E inclusive quando a fertilização já começou elas podem abortar as sementes. Durante muitos anos me diverti entendendo que as plantas, como os humanos e outros animais, têm conversas entre progenitores e tomam decisões.

P. Quando começou a se interessar pelas plantas?

R. Cresci no campo, mas foi nas aulas de Biologia do colégio onde me interessei mais. Não era bom, mas eu gostava tanto… Uma manhã, estávamos no laboratório e tínhamos um porco peludo morto em formol, que tínhamos que dissecar. Não gostei nada. Não tinha nem ideia de como os animais funcionavam. Então pensei que talvez não devesse ser biólogo [risos]. Mas de repente apareceram as plantas, e senti com elas uma conexão instintiva e profunda. Tive muita sorte em experimentar essa sensação com as plantas e seguir em frente.

P. Então na verdade foram as plantas que o escolheram…

R. A verdade é que sim, e me sinto muito afortunado de ter descoberto seu mundo [risos].

P. De todas as características das plantas, qual delas foi para você inimaginável quando começou a estudá-las?

R. As plantas fazem muitas coisas estranhas. Conhece o ginkgo? É uma árvore muito antiga, presente nas cidades. Tem dois sexos (os que fazem o pólen, os machos, e os que fazem as sementes, as fêmeas), mas você não vai vê-las juntas em Madri. Não verá nenhuma semente pela cidade, e a razão é que têm um cheiro muito forte, então só os machos são plantados. No jardim botânico de Harvard temos fêmeas, e cheiram a vômito por causa do ácido butírico do seu interior. As sementes estão dispersas pelo chão, e cheira como se todo mundo na cidade tivesse vomitado ali. É muito forte.

P. E que sentido tem que as fêmeas façam isto?

R. Algum animal extinto achou que cheiravam muito bem e começou a comer as sementes para dispersá-las. A planta ficou com esse código, que cheira péssimo para nós, mas você pode ver todo tipo de moscas, que dispersam sementes, voando ao redor.

P. Foi sua maneira de se adaptar e sobreviver, mas em geral as plantas enfrentam muitas ameaças…

R. Sim, como os patógenos invasores que se deslocam em pallets de madeira transportados em navios. Como movimentamos coisas pelo mundo todo e às vezes não tomamos cuidado, continuamos introduzindo ameaças que poderiam aniquilar toda uma espécie. Podem ser insetos, cogumelos ou bactérias nos lugares mais insuspeitos, como as solas dos meus sapatos.

P. Todo isso piorará com a crise climática.

R. Claro. A mudança climática agrava a situação. Posso lhe dar um exemplo. No jardim botânico temos magníficas faias que padecem de uma enfermidade causada por um cogumelo invasor. As árvores podem lutar contra a epidemia, como você e eu fazemos se estivermos saudáveis, mas o que acontece se estivermos estressados, se formos mais velhos ou nos alimentarmos mal? Neste sentido, as plantas são exatamente iguais aos humanos. Há três anos tivemos a pior seca da região. Durante dois meses sofremos condições de aridez, e nos dois anos posteriores as árvores doentes terminaram por perecer. A doença ganhou. As faias estavam tão estressadas por causa da seca que não puderam lutar. Tivemos que abater árvores de três metros de largura que tinham morrido. E isto está sendo visto com insetos e aves por todo o mundo. A questão é se nos preocupa ou não. Acredito que à maioria sim, mas não aos que têm o poder para tomar decisões.

P. Por que se preocupar com as plantas, perguntarão muitos?

R. Claro, não somos nós. Os pássaros não somos nós, os insetos não somos nós. Se você não consegue se preocupar com uma planta, é possível que não consiga cuidar de outro ser humano. Dizem que devemos nos preocupar com a natureza porque, se não, perderemos a capacidade de alimentar o mundo, mas não acredito que seja a principal razão.

P. E qual seria?

R. Pensar que todos estes organismos são nossa comida e dependem de nossa exploração é ser míope. Há um valor mais profundo. Devemos nos preocupar porque compartilhamos a Terra com eles.

P. As plantas estão há milhões de anos se adaptando, mas continuam mantendo essa capacidade agora?

R. As plantas podem se adaptar, sim. Podem se adaptar rapidamente? Sim. Podem se adaptar à velocidade com que estamos mudando o planeta? Veremos. Há 20.000 anos, em Boston, não havia nem plantas nem árvores, havia uma geleira, e agora a cidade está repleta de vegetação. As plantas se movem, mudam, crescem e se adaptam. Entretanto, as mudanças que estamos introduzindo agora são tão rápidas que certos ecossistemas tombarão.

P. O que acontecerá? Não poderemos voltar ao ponto de partida?

R. Se afinal der errado, sem dúvida será nossa culpa. Não poderemos voltar. Será um novo futuro.

P. E como será esse futuro?

R. Não sei… Talvez seja sem humanos. Mas de uma coisa estou certo: que esse futuro será muito rico graças à evolução. O mais incrível da vida é que é resistente. O equilíbrio pode voltar. Talvez nós não sejamos suficientemente resistentes, mas em milhões de anos é possível que o planeta continue sendo verde e continue tendo animais. Se quisermos continuar sendo parte disso, temos que ser mais cuidadosos.

P. Pode ser que atualmente estejamos começando a mudar. Não notou?

R. Sim, há cada vez mais consciência ambiental. Há 40 anos, quando comecei meus estudos, os cientistas não falavam com o público, achavam não ser parte do seu trabalho. Nos últimos 20 anos, o jornalismo científico virou uma maneira muito poderosa de ajudar os cientistas — que não eram bons explicando coisas — a se conectarem com as pessoas. Ser cientista não é só fazer ciência. Somos cidadãos encarregados de conscientizar os outros.

P. Algum dia saberemos tudo das plantas?

R. Não acredito… Há um poema de Alfred Tennyson chamado Flower in the Crannied Wall, de 1863, que é a resposta a sua pergunta. Se eu pudesse conhecer totalmente cada uma das plantas, conheceria todo o universo. Mas não podemos. Cada planta é tão complicada que acaba sendo impossível. É isso que torna a natureza seja tão maravilhosa.

Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

2020: acabou o prazo para que grandes empresas mudem sua forma de fazer negócios

Passados dez anos do compromisso assumido com seus consumidores, fabricantes ainda não aumentaram esforços para banir o desmatamento de suas cadeias produtivas

Há 10 anos, algumas das maiores empresas do mundo prometeram parar de contribuir com o desmatamento até 2020, ou seja, até este ano. O tempo acabou e adivinhem? As florestas ainda estão sendo destruídas a um ritmo alarmante.

O compromisso foi assumido pelos membros do Fórum de Bens de Consumo (The Consumer Goods Forum – CGF) em 2010, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em Cancún, sob forte pressão da sociedade civil e da comunidade científica, que já alertava para a crise climática que se aproximava e a necessidade de preservar as florestas.

As companhias prometeram redobrar cuidados com fornecedores das commodities mais ligadas à destruição florestal: soja, gado, óleo de palma e papel e celulose. O que, obviamente, não aconteceu, como demonstramos com o relatório “Contagem Regressiva para a extinção”, que traz casos de envolvimento destas empresas com desmatamento, queimadas e violência no campo.

Entre 2010 e 2020, cerca de 50 milhões de hectares de florestas foram destruídos em todo o mundo para dar lugar à produção de commodities. Aproximadamente um milhão de espécies no mundo correm risco de extinção.

Mas empresas como Nestlé, Unilever e Mondelez, entre muitas outras, continuam colocando nas prateleiras produtos feitos com óleo de palma contaminado pela destruição das florestas da Indonésia, com soja de desmatamento do Cerrado e o gado dos incêndios florestais da Amazônia. Estamos cansados de promessas não cumpridas.

Em um momento em que o governo brasileiro afrouxa a proteção ambiental, numa tentativa de normalizar a destruição da floresta, é ainda mais importante que as empresas e a sociedade civil liderem o movimento pela proteção das florestas do mundo.

Sabemos que é possível produzir alimentos sem destruir o meio ambiente e ameaçar as pessoas. Por isso, exigimos que as empresas façam sua parte para que o desmatamento no Cerrado, na Amazônia e em outros ambientes naturais do mundo todo pare já!

Chegamos ao limite. É preciso segurar a linha do desmatamento, antes que ela passe por cima de tudo o que temos de mais precioso. Ajude a pressionar estas empresas para que:

  • parem de lucrar com a destruição ambiental imediatamente e se comprometam a proteger o Cerrado, a Amazônia e outros ambientes naturais;
  • coloquem em prática o compromisso firmado há anos de não comprarem soja, gado e outras matérias-primas oriundas do desmatamento e violações de direitos.
Aquecimento Global,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 01

Aquecimento global – 2019 – O ano mais quente da hitória

Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior. A ONU alertou que as emissões precisam cair 7,6% ao ano para salvar o planeta.    

thermometer

As Nações Unidas alertaram na quarta-feira que a década passada foi a mais quente já registrada, com 2019 confirmado como o segundo ano mais quente da história.

O ano mais quente já registrado foi 2016.

“Desde a década de 1980, cada década tem sido mais quente que a anterior”, disse a Organização Meteorológica Mundial (OMM) em comunicado, acrescentando que “essa tendência deve continuar”.

As conclusões da OMM são baseadas nos principais conjuntos de dados de todo o mundo.

“O ano de 2020 começou de onde parou 2019 – com clima de alto impacto e eventos relacionados ao clima”, disse o chefe da OMM Petteri Taalas. “Infelizmente, esperamos ver muito clima extremo ao longo de 2020 e nas próximas décadas, alimentado por níveis recordes de gases de efeito estufa que retêm o calor na atmosfera”.

Taalas apontou especificamente para os incêndios que assolam a Austrália, que mataram pelo menos 28 pessoas, deslocaram dezenas de milhares e mataram até 1 bilhão de animais.

A ONU disse que as emissões feitas pelo homem precisam diminuir 7,6% ao ano até 2030 para limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus Celsius (2,7 graus Fahrenheit), uma promessa que muitos países assinaram no acordo climático de Paris.

A manutenção do registro climático moderno começou em 1850. Segundo Taalas, a temperatura média global aumentou 1,1 graus Celsius desde então.

Como a maior parte do calor do mundo é armazenada em seus oceanos, a vida marinha e os ecossistemas foram os mais atingidos, evidenciados pela morte em massa de peixes e pelo amplo branqueamento de corais.

“No atual caminho das emissões de dióxido de carbono, estamos caminhando para um aumento de temperatura de três a cinco graus Celsius até o final do século”, disse Taalas.Seca,Nordeste,Brasil,Clima,Blog do Mesquita

Greta Thunberg lidera protestos contra mudanças climáticasGreta Thunberg,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

Ambiente,Oceanos,Ártico,MeioAmbiente,Mudanças Climáticas,Clima,Natureza,Poluição,Ecologia,Blog do Mesquita

Aquecimento global: 7 gráficos que mostram em que ponto estamos

As geleiras do mar Ártico diminuíram nos últimos anos

As mudanças climáticas devem causar grandes transformações em todo o mundo: o nível do mar vai subir, a produção de alimentos pode cair e algumas espécies talvez sejam extintas.A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que o mundo precisa limitar o aumento da temperatura média global a menos de 1,5 °C em relação aos níveis pré-industriais.Mas, de acordo com os cientistas, cumprir a meta de 1,5 °C exige “mudanças rápidas, de longo alcance e sem precedentes” em todos os aspectos da sociedade.

Afinal, o quão quente o mundo está e o que pode ser feito?

1. O mundo está mais quente

O planeta está agora quase um grau mais quente do que estava antes do processo de industrialização, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Como a temperatura dos anos se compara com a média do séc. 20

Os 20 anos mais quentes foram registrados nos últimos 22 anos, sendo que 2015 a 2018 ocupam os quatro primeiros lugares do ranking, diz a OMM.

Se essa tendência continuar, as temperaturas poderão subir entre 3ºC e 5ºC até 2100.

Um grau pode não parecer muito, mas, segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), se os países não tomarem uma atitude, o mundo enfrentará mudanças catastróficas — o nível do mar vai subir, a temperatura e a acidez dos oceanos vão aumentar e a nossa capacidade de cultivar alimentos como arroz, milho e trigo estaria ameaçada.

Short presentational grey line

2. 2019 bateu todos os recordes

Quase 400 temperaturas recordes foram registradas no Hemisfério Norte durante o verão de 2019.

Os recordes foram alcançados em 29 países entre 1º de maio e 30 de agosto. Um terço das temperaturas mais altas de todos os tempos foi registrada na Alemanha, seguida por França e Holanda.

Esses recordes europeus foram registrados em meio a ondas de calor em todo o continente que provocaram um aumento nas temperaturas médias em junho e julho.

Durante o período indicado no mapa abaixo (de maio a agosto de 2019), os pontos amarelos mostram onde e quando um recorde de calor foi quebrado, o rosa indica os lugares mais quentes naquele mês, e o vermelho escuro representa os locais mais quentes desde o início dos registros.

As temperaturas mais altas destas regiões

Datas

Fonte: Robert A. Rohde/Berkeley Earth. Mapa criado em Carto

Mais de 30 recordes foram registrados nos EUA, de acordo com os dados do Berkeley Earth. No Japão, onde 11 pessoas morreram em decorrência da onda de calor no verão, foram quebrados 10 recordes de temperatura.

Short presentational grey line

3. Não estamos no caminho de atingir as metas de mudança climática

Se somarmos todas as promessas para reduzir emissões de gases que provocam efeito estufa pelos países que assinaram o Acordo de Paris, o mundo ainda esquentaria em mais de 3°C até o fim deste século.

Gráfico média de aquecimento global
Nos últimos três anos, climatologistas mudaram a definição do que acreditam ser o limite “seguro” da mudança climática.

Por décadas, pesquisadores argumentaram que o aumento da temperatura global devia ser mantido abaixo de 2°C até o fim deste século para evitar consequências mais graves.

Os países que assinaram o acordo de Paris se comprometeram a manter as temperaturas “bem abaixo dos 2°C em relação aos níveis pré-industriais e a buscar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C”.

Mas a comunidade científica concorda agora que, na verdade, precisamos manter os aumentos de temperatura abaixo de 1,5°C.

Short presentational grey line

4. Os maiores emissores são a China e os EUA

Os países que emitem mais gases de efeito estufa são, de longe, a China e os EUA. Juntos, eles são responsáveis por mais de 40% do total global de emissões, de acordo com dados de 2017 do Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia e da Agência Holandesa de Avaliação Ambiental (PBL).

Gráfico emissores de CO2

A conduta ambiental dos EUA mudou sob o governo de Donald Trump, que adotou uma política pró-combustíveis fósseis.

Depois de tomar posse, o presidente americano anunciou a retirada do país do Acordo de Paris.

Na ocasião, Trump disse que queria negociar um novo acordo “justo” que não prejudicasse empresas e trabalhadores americanos.

Short presentational grey line

5. As áreas urbanas são particularmente ameaçadas

Quase todas as cidades — 95% delas — que enfrentam riscos climáticos graves estão na África ou na Ásia, segundo um relatório da Verisk Maplecroft, consultoria de estratégia e risco.

E o risco é maior para cidades com crescimento mais rápido, incluindo megacidades como Lagos, na Nigéria, e Kinshasa, na República Democrática do Congo.

Cerca de 84 das 100 cidades que mais crescem no mundo enfrentam riscos “extremos” de aumento das temperaturas e de fenômenos climáticos extremos.

Cidades em rápida expansão enfrentam piores riscos climáticos
Short presentational grey line

6. Gelo do Ártico também está ameaçado

A extensão do gelo do mar do Ártico diminuiu nos últimos anos. Em 2012, chegou ao nível mais baixo já registrado.

Gráfico gelo no Ártico

As geleiras vêm diminuindo há décadas, com a aceleração do derretimento desde o início dos anos 2000, de acordo com o Comitê de Auditoria Ambiental do Parlamento do Reino Unido.

O Oceano Ártico pode ficar sem gelo no verão antes de 2050, a menos que as emissões sejam reduzidas, acrescenta o comitê.

A extensão do gelo do mar Ártico em 2019 foi a segunda menor já registrada por satélite, empatando com a de 2007 e 2016.

Short presentational grey line

7. Todo mundo pode fazer algo para ajudar

Enquanto os governos precisam fomentar grandes mudanças, indivíduos também podem fazer sua parte.

Os cientistas dizem que todos nós temos de adotar “mudanças rápidas, abrangentes e sem precedentes” no nosso estilo de vida, a fim de evitar danos mais severos ao clima.

O IPCC recomenda uma redução no consumo de carne, leite, queijo e manteiga; comer mais alimentos sazonais de origem local — e desperdiçar menos; dirigir carros elétricos, mas caminhar ou pedalar distâncias curtas; pegar trens e ônibus em vez de aviões; substituir viagens de negócios por videoconferências; usar varal em vez de máquina de secar roupa; aprimorar o isolamento térmico das casas; exigir bens de consumo com baixo teor de carbono.

Mas a maneira mais eficaz de se reduzir o próprio impacto ambiental no planeta é mudar a dieta, com menos menos carne — de acordo com estudos recentes.

Gráfico mostra impacto dos alimentos

Cientistas dizem que devemos consumir menos carne por causa das emissões de carbono que essa indústria produz, entre outros impactos ambientais negativos.

Um estudo recente publicado na revista científica Science destacou uma enorme variação no impacto ambiental na produção de um mesmo alimento.

O gado de corte criado em terras desmatadas, por exemplo, produz 12 vezes mais emissões de gases de efeito estufa que o criado em pastagens naturais.

Em resumo, o estudo mostra que mesmo a carne com o menor impacto ambiental ainda gera mais emissões de gases de efeito estufa do que o cultivo de hortaliças e cereais de maneira sustentável.

Mas, além de alterar nossas dietas, a pesquisa indica ser preciso mudar radicalmente as práticas agrícolas para beneficiar o meio ambiente.

Por Nassos Stylianou, Clara Guibourg, Daniel Dunford, Lucy Rodgers, David Brown e Paul Rincon.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

Por que vítimas de incêndios estão iradas com premiê da Austrália: ‘Não quero apertar sua mão’

Morrison foi criticado na internet por forçar uma mulher a apertar sua mão

“Eu realmente não quero apertar sua mão.”

“Você não vai conseguir nenhum voto aqui, parceiro. Você está fora.”

“E as pessoas que morreram, senhor primeiro-ministro? E aquelas que não têm para onde ir?”

Em visita a uma cidade devastada por incêndios nesta quinta-feira (2), o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, foi duramente questionado pela população local.

Em Cobargo, no Estado de New South Wales, a raiva era palpável. Mas mais constrangedores — e, por isso, alvo de maior atenção — foram dois encontros menos barulhentos.

“Eu só vou cumprimentá-lo se você der mais dinheiro ao RFS [o corpo de bombeiros rural]. Tantas pessoas perderam suas casas”, disse ela.

“Eu entendo”, ele respondeu. Enquanto ele se afastava, ela acrescentou: “Precisamos de mais ajuda”.

Depois que um bombeiro também se recusou a apertar sua mão, Morrison disse a seus assessores: “Digam àquele rapaz que eu sinto muito. Tenho certeza de que ele está apenas cansado”. Ele, então, ouviu de uma autoridade local: “Não, não, ele perdeu sua casa”.

As interações, todas filmadas e bastante compartilhadas online, voltaram a colocar Morrison no centro da ira popular pela forma como ele vem lidando com os incêndios florestais sem precedentes que atingem o país.

O primeiro-ministro é acusado de estar sendo negligente perante a crise — passou, inclusive, alguns dias de férias no Havaí — e também tem sido criticado por subestimar os efeitos do aquecimento global nos incidentes.

Incêndios do tamanho de pequenos países

Desde setembro, os incêndios já deixaram 19 mortos, destruíram mais de 1.200 casas e devastaram milhões de hectares. Embora a atenção esteja centrada em New South Wales, o Estado mais atingido, todas as regiões do país foram afetadas.

A fumaça se espalhou por cidades do sudeste, a área mais populosa da Austrália, prejudicando a qualidade do ar para milhares de pessoas. Estima-se que milhões de animais tenham morrido, e que o custo econômico do desastre seja gigantesco.

Bombeiros atravessam túnel de fogo durante incêndio florestal na Austrália

O apoio popular aos bombeiros — em sua maioria voluntários —, que vêm lutando contra chamas em regiões cujo tamanho se assemelha ao de pequenos países, tornou-se unanimidade no país. Três deles morreram em serviço.

Chefes dos corpos de bombeiros locais, como o comissário Shane Fitzsimmons em NSW, tornaram-se os rostos da crise.

Para os críticos do primeiro-ministro, esses agentes são um exemplo de liderança. Nesta sexta (3), um membro destacado do partido de Morrison fez uma crítica pública à sua atuação.

“As únicas duas pessoas que estão oferecendo alguma liderança neste momento são Shane Fitzsimmons e [a governadora de New South Wales] Gladys Berejiklian”, disse Andrew Constance, secretário estadual dos transportes.

Ao comentar as interações do primeiro-ministro com a população, Constance afirmou: “Para ser sincero, ele provavelmente teve a recepção que mereceu”.

O que causou a ira da população?

No início da crise, as críticas se centravam na relutância de Morrison em debater como a mudança climática está piorando os incêndios florestais —uma conexão admitida pelo Serviço de Meteorologia da Austrália.

Embora tenha, desde então, admitido a contribuição do fenômeno, o líder conservador ainda sustenta que não há ligação direta entre o fogo e suas políticas para o clima.

O tema continua causando controvérsia em decorrência da dependência energética da Austrália na mineração de carvão.

Mas, conforme o fogo se espalhava, Morrison passou a ser acusado de “desaparecer” ocasionalmente. No mês passado, tirou férias no Havaí com a família enquanto os incêndios se intensificavam —ele se desculpou, mais tarde, pela “grande ansiedade” causada pela viagem.

Ao falar em um evento de críquete no dia do Ano Novo, Morrison foi considerado insensível ao dizer que os australianos se reuniriam em torno de suas TVs para serem “inspirados pelos grandes feitos de nossos atletas”.

Parte da população pede ainda que o governo direcione mais recursos para os corpos de bombeiros do país, amplamente não-remunerados, citando uma pressão extraordinária sobre os recursos e argumentando que comunidades menores são desfavorecidas.

Um grupo de ex-chefes dos serviços defende que o país precisa de uma nova estratégia de longo prazo contra incêndios, e criticam o primeiro-ministro por se recusar a encontrá-los.

O que diz Morrison?

Depois de dizer inicialmente que os bombeiros estão trabalhando “porque querem”, Morrison prometeu compensar financeiramente os voluntários que faltaram a seus trabalhos para ajudar, e disse que direcionará 11 milhões de dólares australianos (US$ 7,7 milhões) para financiar aviões que combatam o fogo.

Ele tem recusado os novos pedidos de recursos, mas elogia a atuação dos bombeiros com frequência. Para o político, uma seca prolongada é a principal razão da proporção tomada pelos incêndios.

Quando questionado nesta sexta-feira sobre o motivo de estar sendo contestado em público, ele afirmou à rádio 3AW: “As pessoas estão tristes e com raiva. Se estão nervosas comigo ou com a situação, o que importa é que estão sofrendo”.

Ele defende que a Austrália vai cumprir suas metas climáticas — afirmação contestada pelas Nações Unidas e outras entidades —, mas diz que medidas adicionais não podem ocorrer às custas de cortes irresponsáveis de vagas de trabalho na indústria de combustíveis fósseis.

Morrison pediu aos australianos que não cedam ao pânico e já disse repetidamente que cada Estado tem de ser responsável por sua estratégia de emergência — a melhor tática é deixar que cada um faça seu trabalho, disse.

Seus apoiadores dizem que ele não pode ser responsabilizado por esse tipo de desastre natural que sempre atingiu a Austrália, nem consertar o problema com mudanças bruscas e reativas nas políticas públicas.

‘Você será julgado’

Morrison foi reconduzido ao cargo em maio após vitória surpreendente nas urnas, levando-o a ser elogiado por muitos como um político perspicaz e instintivo. Mas, para alguns, sua reação aos incêndios despertou incredulidade.

“Estamos assistindo à destruição de um líder político, e dessa vez pelas suas próprias mãos”, tuítou o comentarista político Barrie Cassidy. O também comentarista Hugh Riminton escreveu: “Nunca vi um primeiro-ministro tão publicamente desprezado durante um desastre nacional”.

Vista aérea de cidades afetadas pelo fogo

Nem todos os comentários, porém, foram tão críticos. O governador de Victoria, Daniel Andrews, um político trabalhista, agradeceu a Morrison pelo auxílio fornecido ao Estado. Liz Innes, prefeita de um condado perto de Cobargo, pediu desculpas ao primeiro-ministro em nome daqueles que o contestaram, segundo a ABC.
BBC