Meio Ambiente: Cataratas de Vitória: como uma das maiores quedas d’água do mundo secou

Cataratas Vitória, acima em foto de janeiro de 2019, ainda no período de cheia

Em seu volume máximo, as Cataratas de Vitória, no Zimbábue, facilmente se encaixam entre as maravilhas naturais do mundo. Com dimensão de 1,7 km em seu ponto mais largo e altura de mais de 100 metros, elas são conhecidas pelos locais não só como as maiores cataratas africanas, mas também como a ‘fumaça que troveja”.

A queda d’água é formada pelo fluxo do rio Zambezi caindo sobre um precipício chamado Primeiro Desfiladeiro. O precipício foi esculpido pela ação da água sobre rochas vulcânicas que formam essa região do sul da África.

Em dezembro de 2019, porém, a maior parte dessa majestosa queda d’água foi silenciada.

Em meio à maior seca em um século na região, sobraram ali apenas alguns filetes de água. Segundo a imprensa local, o fluxo hídrico voltou cerca de três meses depois, mas persistem as preocupações quanto ao futuro das cataratas e do clima africano.Como uma das principais atrações turísticas locais, as Cataratas de Vitória são uma valiosa fonte de renda para o Zimbábue e a Zâmbia. À medida que a notícia do baixo nível de água se espalhou, comerciantes locais notaram uma queda considerável na chegada de turistas.
Além disso, a falta de água prejudicou o abastecimento de energia, uma vez que afetou o funcionamento de hidrelétricas.

Os efeitos foram além: agências humanitárias alertaram que aumentou a necessidade de auxílio alimentar para a população local, uma vez que as colheitas foram prejudicadas pela seca.As Cataratas, em dezembro de 2019; grande parte da queda d’água se reduziu a pequenos filetes

Secas extremas

Observadores de padrões climáticos no rio Zambezi acreditam que as mudanças climáticas estão causando um retardamento da temporada de monções, fazendo com que as chuvas se concentrem em eventos maiores e mais intensos.

Isso torna mais difícil o armazenamento de água na região, além de tornar mais dramático o impacto da temporada estendida de secas, com mais consequências danosas para a população e o meio ambiente.

Um evento climático extremo não pode, isoladamente, ser considerado consequência das mudanças climáticas. Mas essa região do sul da África tem registrado uma série de duras secas que refletem o que cientistas climáticos previam que iria ocorrer, como resultado de aumento nos gases de efeito estufa na atmosfera global, lançados por ação humana.

O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, disse à época que o ressecamento da queda d’água era “um duro lembrete de o que as mudanças climáticas estão fazendo com o nosso ambiente”.Enchentes em Moçambique e Zimbábue em 2019; eventos climáticos mais extremos estão castigando o continente africano

O relatório de 2019 da ONU sobre O Estado do Clima na África pintava um cenário preocupante para um continente que pode ver sua população dobrar no próximo século.

Em discurso no lançamento do relatório, em outubro de 2020, Petteri Taalas, secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, observou: “Mudanças climáticas estão tendo um impacto crescente no continente africano, atingindo com mais dureza os mais vulneráveis, e contribuindo para a insegurança alimentar, o deslocamento de populações e o estresse sobre recursos hídricos”.

“Nos últimos meses, vimos enchentes devastadoras, invasões de gafanhotos do deserto e, agora, a perspectiva de secas, por causa do La Niña”, prosseguiu.

O relatório da ONU acrescenta que 2019 esteve entre os anos mais quentes da história no continente africano, uma tendência que deve continuar.

O mais preocupante é que, ao mesmo tempo em que a África deve ser o continente mais duramente atingido pelas mudanças climáticas, é também o que tem menos capacidade de se adaptar às realidades de um mundo mais quente — em áreas como suprimento de água, segurança alimentar e proteção da biodiversidade, em meio a cada vez mais secas e enchentes intensas.

Compensação de carbono usada por grandes companhias aéreas com base em sistema falho, alertam especialistas

Floresta,Desmatamento,Amazônia,Brasil,Meio Ambiente,EcologiaFlorestas em todo o mundo estão ameaçadas de desmatamento. O parque nacional Tapantí, na Costa Rica, é cuidadosamente protegido como parte dos planos do governo para chegar a zero líquido até 2050. Fotografia: REUTERS / Alamy

O mercado de compensação de carbono de proteção florestal usado por grandes companhias aéreas para reivindicações de voos neutros em carbono enfrenta um problema significativo de credibilidade, com especialistas alertando que o sistema não é adequado para o propósito, descobriu uma investigação.

O dinheiro das compensações de carbono pode fornecer suporte financeiro vital para projetos que buscam proteger e restaurar alguns dos mais belos ecossistemas ameaçados em todo o mundo. Dado que as soluções baseadas na natureza podem dar uma contribuição significativa para a mitigação do clima necessária para estabilizar o aquecimento global, um canal de financiamento funcional será importante para o progresso da mudança climática e, particularmente, para os países em desenvolvimento.Mas uma investigação conjunta sobre os esquemas de compensação usados ​​por algumas das maiores companhias aéreas do mundo realizada pelo Guardian and Unearthed, braço investigativo do Greenpeace, descobriu que embora muitos projetos florestais estivessem fazendo um trabalho valioso de conservação, os créditos que eles geraram ao prevenir a destruição ambiental aparecem para ser baseado em um sistema falho e muito criticado, mesmo que esses créditos estivessem sendo usados ​​para apoiar alegações de “vôo neutro em carbono” e compromissos líquidos zero.

Analisamos 10 esquemas de proteção florestal que as companhias aéreas estavam usando antes da pandemia, que foram credenciados pela Verra, uma organização sem fins lucrativos dos EUA que administra o padrão de crédito de carbono líder mundial, VCS (Verified Carbon Standard). Os projetos estimam as emissões que evitaram, prevendo quanto desmatamento e desmatamento teriam ocorrido sem eles. As reduções são então vendidas como créditos. Descobrimos que suas previsões eram frequentemente inconsistentes com os níveis anteriores de desmatamento na área e, em alguns casos, a ameaça às árvores pode ter sido exagerada.

Além disso, existem preocupações sobre o problema inerente de olhar para o futuro e prever quais árvores seriam ou não abatidas, e de provar a adicionalidade – que o próprio projeto fez uma diferença para o resultado – que atrapalhou o sistema de compensação de seu início. Embora tenha havido trabalho para abordar essa questão fundamental, descobrimos que as preocupações permaneceram.

As descobertas foram duramente criticadas pela Verra, que afirma que os métodos por eles endossados ​​contribuíram para a luta contra as mudanças climáticas e o desmatamento, e transformaram as economias locais para melhor.
As descobertas foram duramente criticadas pela Verra, que afirma que os métodos por eles endossados ​​contribuíram para a luta contra as mudanças climáticas e o desmatamento, e transformaram as economias locais para melhor.

Thales West, um cientista e ex-auditor de projetos, conduziu um estudo sobre esquemas na Amazônia brasileira que descobriu que os projetos costumavam exagerar nas suas reduções de emissões. Ele disse que as metodologias “não são robustas o suficiente”, o que significa que “há espaço para projetos gerarem créditos que não tenham nenhum impacto no clima”.

Arild Angelsen, professor de economia da Universidade Norueguesa de Ciências da Vida e especialista em Redd + (redução das emissões do desmatamento e degradação florestal), disse que embora as metodologias da Verra para reivindicar créditos fossem uma tentativa séria de medir as reduções de emissões decorrentes da redução do desmatamento, eles eram atualmente não é robusto o suficiente.

Britaldo Soares-Filho, especialista em modelagem de desmatamento e professor do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, disse ao Guardian que, no sistema atual, calcular reduções genuínas de emissões depende da capacidade de prever o futuro com precisão. “Os modelos não são bolas de cristal. Os modelos são um sinal para ajudar a formular políticas e avaliar as opções de políticas ”.

O software de uso da terra que ele projetou, Dinamica EGO, é frequentemente usado por projetos para prever onde o desmatamento teria ocorrido. Soares-Filho disse, em sua experiência, os projetos tendem a aumentar as ameaças à floresta e as atuais abordagens de modelagem resultam em “créditos de carbono fantasma”.
Alexandra Morel, uma cientista do ecossistema da Universidade de Dundee que esteve envolvida na criação de um dos 10 projetos em questão, acredita que foi difícil julgar se as reduções de emissões reivindicadas pelos projetos eram reais.

“É impossível provar um contrafactual”, disse ela. “Em vez de apenas avaliar quais florestas estão realmente lá, que estão ativamente fornecendo um sumidouro ou armazenamento de carbono agora, temos que supor quais florestas ainda estariam aqui contra quais são as florestas bônus que foram poupadas do machado teórico.”

Margaret Kim, CEO da Gold Standard, outra organização que certifica compensações de carbono, disse ao Guardian e à Unearthed que sua organização não certificou projetos Redd + porque ela acreditava que a forma como foi criada não funcionava. “Um projeto pode realmente selecionar áreas de proxy. Portanto, uma região de referência pode ser configurada para ser mais conveniente para um projeto para maximizar sua taxa de desmatamento de linha de base. ”

A Verra, que atesta os projetos estudados nesta investigação, apontou que muitos dos benefícios proporcionados por esses projetos eram difíceis de medir. “A Verra canaliza financiamento, tecnologia e conhecimento para comunidades rurais dependentes da floresta que, de outra forma, carecem de recursos. Esses projetos enfrentam o desmatamento de maneiras cada vez mais novas e criativas.”Em todo o mundo, terras agrícolas, como a plantação de óleo de palma vista aqui, estão devorando a floresta original. Os projetos florestais buscam reduzir o desmatamento usando uma variedade de métodos. Fotografia: Willy Kurniawan / Reuters

Eles criam empregos criando guardas para vigiar a extração ilegal de madeira; eles apóiam os agricultores locais que desejam mudar para práticas mais sustentáveis; melhoram o acesso à água e à educação. “Em suma, os projetos estão trabalhando para transformar as economias locais para que não tenham mais que depender do corte da floresta.” Alguns dos projetos apontaram que estavam lidando com pecuaristas e madeireiros agressivos, funcionários públicos corruptos, plantações de coca e cartéis de drogas locais e pobreza extrema, bem como mudança climática.

Mas a Verra também acredita fortemente em seu programa Redd + e argumentou que a análise de nossa investigação foi “profundamente falha”. Ele ressaltou que, desde nosso contato inicial com ele, havia iniciado o processo de alteração de seu padrão com um conjunto abrangente de atualizações que acredita representar “nosso compromisso em garantir que a contabilização das reduções de emissão dos esforços de preservação florestal seja o mais precisa possível , incorpora de forma consistente as melhores práticas científicas mais recentes e apóia esforços liderados pelo governo para impedir o desmatamento ”.

Crystal Davis, diretora do Global Forest Watch do World Resources Institute, defendeu fortemente a utilidade dos mecanismos de financiamento da conservação e destacou que “as florestas tropicais não podem perder o Redd + como mecanismo de financiamento da conservação em escala”.

Ela não acha que a análise da McKenzie Intelligence Services (MIS), uma empresa com sede em Londres especializada em análise e inteligência de imagens geoespaciais, mostrou que os projetos estavam inflando suas projeções, mas concordou que “a avaliação post-facto da integridade das linhas de base é realmente difícil de fazer.

“Isso é um grande problema. Eu não acho que o Redd + jamais alcançará todo o seu potencial como um mecanismo de financiamento da conservação se não pudermos criar mais transparência e responsabilidade voltadas para o público no sistema.” Ela acrescentou que foi incentivada a ver grandes esforços em andamento para alcançar isso.
Já se passou bem mais de uma década desde que os governos mundiais surgiram com um plano para desacelerar e até parar o desmatamento como parte da ação internacional sobre a crise climática. O plano era simples: os países em desenvolvimento seriam, basicamente, pagos para não derrubar árvores. A ideia, assinada em 2007, foi batizada de Redd +.

Esperava-se que as reduções de emissões alimentassem um sistema cap-and-trade para o clima, um método baseado no mercado que se provou bem-sucedido algumas décadas antes em lidar com a chuva ácida (e depois a camada de ozônio), estabelecendo limites sobre quanto dióxido de enxofre cada empresa poderia emitir. Se você precisava emitir mais do que seu limite, você comprava créditos de uma empresa que havia conseguido emitir menos. Os benefícios de emitir menos e o custo de emitir mais rapidamente reduziram as emissões. O plano era fazer o mesmo com os gases do efeito estufa em escala global.

Mas 13 anos depois, a intensa discordância sobre o mercado global de carbono que sustentaria o Redd + e outros sistemas de mitigação do clima significa que é a única parte do livro de regras do acordo de Paris que os governos ainda não concordaram. Na ausência de um sistema robusto e internacionalmente aceito, projetos de proteção florestal não regulamentados em pequena escala surgiram em todo o mundo, geralmente conhecidos como “Redd + voluntário”.

Não existe um sistema de certificação oficial, mas o mais utilizado é o Verra. Empresas como companhias aéreas, empresas de sorvete, bancos – qualquer um que emita carbono e queira compensar suas próprias emissões – dão dinheiro às ONGs para continuar protegendo a floresta.

Até agora, o mercado de compensação de carbono tem sido pequeno, cerca de US $ 300 milhões (£ 215 milhões) em 2019. Mas, durante os últimos dois anos, uma grande onda de estratégias corporativas líquidas de zero e reivindicações de neutralidade de carbono mudaram a necessidade de contabilidade de carbono rigorosa para créditos Redd +. O ex-governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, está liderando uma força-tarefa para transformar a compensação de carbono em um mercado anual de bilhões de libras. O chanceler, Rishi Sunak, anunciou sua intenção de fazer de Londres um centro de comércio global para compensações voluntárias.

Para que estes projetos cumpram o papel que lhes foi delineado na descarbonização do mundo desenvolvido, proporcionando compensações para grandes empresas e ajudando a contribuir para a jornada da rede zero, é vital que as metodologias que utilizam para calcular o a redução das emissões são rigorosas e precisas.A extração ilegal de madeira – como este carregamento apreendido pela Polícia Militar da Amazônia no Brasil no ano passado – é uma ameaça crítica para as florestas. Fotografia: Ricardo Oliveira / AFP / Getty Images

Atualmente, a Verra tem uma série de requisitos para projetos que concordará em certificar e existem várias metodologias que podem ser utilizadas. Geralmente, cada projeto Redd + deve medir o desmatamento e as mudanças no uso da terra em uma região de referência, uma área muito maior que é considerada representativa do esquema que geralmente inclui o projeto. Eles também devem documentar as ameaças ambientais de áreas próximas, suas atividades de conservação, a composição ecológica da área e o provável efeito do projeto Redd + nas comunidades que vivem dentro e ao redor dele, em muitos casos projetando tendências históricas no futuro.

O número de créditos de carbono gerados por um projeto depende da diferença entre sua previsão de desmatamento e o que realmente acontece. A Verra diz que suas metodologias são conservadoras por design para garantir que as previsões contrafactuais sejam realistas. As reivindicações são então verificadas por um auditor terceirizado aprovado para ver se eles seguiram a metodologia corretamente.

The Guardian and Unearthed analisaram 10 projetos, que fornecem créditos a seis grandes companhias aéreas, incluindo a British Airways e a easyJet, para avaliar, da melhor forma que pudemos com a ajuda de especialistas e análises de satélite encomendadas, exatamente o quão realistas eram suas previsões. Embora esta não seja uma análise abrangente de projetos voluntários do Redd +, esses projetos constituem 10 dos 79 que Verra supervisiona, portanto, uma análise dará algumas dicas úteis sobre o funcionamento do setor maior. Vimos as ferramentas que eles usaram para suas previsões e os resultados até o momento.

A investigação encontrou um uso inconsistente de métodos e ferramentas preditivas. Dois dos projetos usaram o Dinamica EGO para estimar onde o desmatamento ocorreria devido às ameaças ao meio ambiente. Soares-Filho advertiu contra seu uso para projetos Redd +, e disse que a abordagem de modelagem para calcular linhas de base prospectivas resultou em “créditos fantasmas” porque o software não foi projetado para prever o futuro com precisão.

Dois modelaram o desmatamento e a mudança no uso da terra usando uma ferramenta que lhes permite supor um aumento maciço na taxa de desmatamento em comparação com a taxa histórica.

Um projeto usou um modelo simples de variável única, que previu um grande aumento no desmatamento na ausência do projeto. Outros dois construíram seus próprios modelos – um alegando que toda a floresta tropical teria desaparecido sem eles, outro alegando que cerca de um quarto iria desaparecer. Outro adotou uma linha de base do governo nacional. Um disse que evitaria grandes quantidades de desmatamento com cultivo sustentável de nozes, outro com uma mistura de extração planejada de madeira e proteção florestal.

Vimos as taxas de desmatamento anteriores dentro e ao redor dos projetos e as comparamos com as taxas previstas. Aqui, descobrimos que, onde pudemos comparar, os projetos geralmente previam taxas de desmatamento que pareciam inconsistentes com as taxas anteriores.

Um projeto previu uma taxa anual que era o triplo do pior ano antes de começar. Um em uma parte remota e inacessível da selva baseava suas previsões na taxa de desmatamento de cada lado de uma estrada principal. Outro estava cuidando de uma área que havia sido transformada em parque nacional e onde não ocorria desmatamento ilegal há anos. Apesar disso, previu um grande aumento no desmatamento se o projeto não estivesse lá.

Um tinha taxas muito baixas de desmatamento antes do início do projeto, mas previa altas taxas anuais sem ele, enquanto outro havia adotado uma abordagem geralmente conservadora. Não foi possível avaliar as projeções de cinco projetos devido às limitações técnicas e metodológicas utilizadas.
Quatro esquemas haviam feito previsões de desmatamento sobre sua área de projeto e uma região de referência circundante que poderíamos facilmente examinar. Pedimos à MIS que avaliasse a perda de cobertura de árvores nas áreas de referência de todos os quatro projetos, excluindo as áreas do projeto (por uma série de razões, não era apropriado ou possível examinar todas as 10). Se a cobertura de árvores for menor nessa área, isso pode indicar que as previsões originais eram imprecisas e as linhas de base do desmatamento foram infladas.

No entanto, como Verra, GFW e alguns dos projetos nos indicaram, isso também pode indicar que os projetos foram muito mais bem-sucedidos do que o inicialmente esperado, e que o trabalho para reduzir o desmatamento dentro dos projetos se espalhou para a área circundante, reduzindo o desmatamento na região.

A análise do MIS, de fato, descobriu que o desmatamento nas regiões de referência foi muito menor do que o previsto; em dois projetos, a taxa real de desmatamento, de acordo com os números do MIS, ficou em torno de um terço da taxa prevista. Em outro era metade, enquanto em um terço era apenas um quinto. Mas a dificuldade em avaliar o significado dessas informações destaca um problema fundamental com o sistema contábil.

Conversamos com todos os projetos sobre seus desafios e benefícios de seu trabalho. “[Estamos lidando com] pecuaristas e madeireiros agressivos, funcionários públicos corruptos, plantações de coca e cartéis de drogas locais, pobreza extrema, tempestades tropicais, incêndios florestais, políticas perversas de uso da terra e agora mudanças climáticas”, disse um projeto.

Vários disseram que estavam protegendo ecossistemas preciosos com vida selvagem rara e suas atividades ajudaram a sustentar sua sobrevivência. “Contamos com o mercado voluntário de carbono para pagar as comunidades da floresta pelos serviços ambientais que prestam à comunidade global, que incluem a proteção da floresta e a redução das emissões de carbono”, disse outro. “Usamos a melhor ciência disponível e cumprimos os protocolos acordados e verificados por terceiros para produzir créditos de carbono que atestam os serviços ambientais que estão sendo prestados.”

Os créditos de carbono foram uma fonte vital de financiamento para quase todos os projetos. Um disse que eles preencheram a lacuna depois que o financiamento de doadores ocidentais acabou. Outro disse que o dinheiro dos créditos ajudava a apoiar comunidades que, de outra forma, não teriam uma fonte externa de renda. Alguns projetos Redd + eram esquemas com fins lucrativos e diziam que as críticas ao sistema eram ideológicas.

Infelizmente, nenhuma avaliação científica abrangente foi publicada sobre como os projetos de compensação de carbono com base em florestas afetam o desmatamento. Este ano, os pesquisadores da Universidade de Cambridge devem publicar um estudo inédito para avaliar o quão bem os projetos Redd + param e reduzem o desmatamento.

O estudo de 2020 da West, que foi publicado no PNAS, avaliou 12 esquemas Redd + aprovados pela Verra na Amazônia brasileira para analisar como as reduções de emissões alegadas combinavam com a realidade.

Para fazer isso, os pesquisadores compararam as tendências de desmatamento em projetos Redd + com grupos de controle com características semelhantes, descobrindo que os esquemas rotineiramente exageraram em suas reduções de emissões. O estudo descobriu que as reduções no desmatamento foram quase todas devido a políticas em nível nacional, como a moratória da soja de 2006 na Amazônia, que causou quedas espetaculares no desmatamento, não os projetos.

Embora os 12 projetos reivindicassem 24,8 milhões de toneladas de reduções de emissões usando metodologias Verra, as taxas de desmatamento em 11 deles não mostraram nenhuma diferença com os grupos de controle no estudo. Para o único projeto que o fez, os autores disseram que 40% das emissões declaradas foram exageradas.

Em um comunicado, a Verra disse estar preocupada que o Guardian não entendesse como suas metodologias funcionavam, ou as regras do VCS, a investigação era “fatalmente falha” e não havia produzido jornalismo baseado em fatos, ignorando seu sucesso na preservação de árvores em pé. A organização contestou a independência da investigação e a descreveu como um “hit” por causa da oposição do Greenpeace aos créditos de carbono, acrescentando que muitas das críticas estavam desatualizadas e não refletiam o que estava acontecendo atualmente com os créditos de carbono Redd +. Por fim, Verra disse que o jornalismo era perigoso, pois ameaçava as finanças para preservar as florestas em pé e era mais parecido com uma campanha política.

A Verra está fazendo mudanças substanciais na forma como os projetos geram créditos para cumprir as mudanças prováveis ​​se as divergências sobre o livro de regras do acordo de Paris que cobre o Redd + em nível nacional forem resolvidas. Os projetos serão “aninhados” em sistemas nacionais e regionais e derivarão créditos de uma linha de base alocada nacionalmente. A organização desenvolveu uma nova ferramenta de mapeamento de risco para destacar as áreas de maior risco de desmatamento. Verra disse que os créditos gerados com as metodologias anteriores não seriam retirados.

Em resposta aos resultados da investigação, as companhias aéreas disseram que confiavam na qualidade dos créditos Redd + que usavam para compromissos climáticos, que muitas vezes eram obtidos por meio de terceiros. A EasyJet, que compensa as emissões de combustível em nome de todos os clientes para “voos neutros em carbono”, disse que era uma medida provisória enquanto a tecnologia de emissão zero era desenvolvida e a companhia aérea estava confiante de que os projetos que apoiou estavam efetivamente evitando a perda de floresta.

A British Airways disse que está comprometida com as emissões líquidas zero até 2050 e que a compensação continua sendo uma parte importante de seu plano de curto prazo, enquanto alternativas aos combustíveis fósseis são desenvolvidas.

Delta disse que as metodologias da Verra são rigorosas e baseadas na ciência, acrescentando também que está investindo em tecnologias de baixo carbono. Outras companhias aéreas ecoaram esses comentários e disseram que o uso de compensações era uma medida intermediária.

O que tira o sono dos especialistas em clima?

De físicos a climatologistas e entomologistas, diversos cientistas falam sobre que aspecto da mudança climática mais os preocupa, à medida que o planeta vai se aquecendo inexoravelmente.

Jovens manifestantes do movimento Greve pelo Futuro

O que faz realmente meu estômago virar quando penso na mudança climática? O degelo do permafrost. Um quadro em que ele se derrete todo, liberando copiosas quantidades de dióxido de carbono e metano (o também chamado pergelissolo contém atualmente duas vezes mais carbono do que a atmosfera). E não há retorno.

Mas o que está no topo da lista de apreensões para os próprios cientistas do clima, aqueles que estudam como a mudança climática está progredindo, nas camadas de gelo do solo e nas esquinas urbanas, nos oceanos e campos arados?

A DW perguntou a um dezena de especialistas, de setores indo desde entomologia, oceanografia e climatologia até pesquisa do permafrost, o que lhes tira o sono quando o assunto é clima.

A maior incógnita: o ser humano

Nana Ama Browne Klutse analisa a mudança do clima na Universidade de Gana usando modelos digitais. Embora perigos definitivos como o degelo do permafrost a preocupem, sua maior apreensão é como os seres humanos lidarão com as transformações.

“O que você pode fazer, enquanto indivíduo, para evitar o impacto da mudança climática? São necessárias políticas governamentais no sentido da resiliência urbana, construir para a comunidade. Aí precisamos daquela ação global.”

A climatologista Ruth Mottram se ocupa das camadas de gelo da Groenlândia e da Antártida e da elevação do nível marinho no Instituto Meteorológico Dinamarquês. Mas tampouco é a ciência que a deixa em suspense.

“Estou menos preocupada de que estejam ocorrendo processos desconhecidos que não entendemos, e de que alguma catástrofe imprevista possa estar a caminho. Sabemos como será grande parte dos impactos. Acho que o que me deixa acordada à noite, no sentido metafórico, é realmente a interação entre o sistema físico e como as sociedades humanas vão lidar com ele.”

Um exemplo é o nível marinho: ele subirá um metro no século corrente – portanto durante as vidas dos atuais habitantes do planeta e seus filhos – e serão necessárias medidas drásticas em relação às cidades costeiras. Mas a coisa não acaba aí.

“Acho que as sociedades humanas ainda não compreenderam realmente o que isso significa, que se adaptar à subida do nível do mar será um processo longo, e que vamos ter que fazer durante centenas de anos”, observa Mottram, sugerindo que se deve começar a pensar em termos das vidas das cidades (séculos), em vez de apenas vidas humanas.Derretimento do permafrost literalmente afundará comunidades inteiras nos polos

Proteger os mais vulneráveis

Embora Vladimir Romanovsky, professor de geofísica do Laboratório de Permafrost da Universidade de Alaska Fairbanks, saiba que o que acontece na Região Ártica afetará o resto o mundo, suas preocupações são muito mais locais.

“Devemos lembrar que ainda há algumas pessoas vivendo no Ártico”, frisa. Na realidade, aproximadamente 4 milhões teriam que encarar as consequências na vida real, se o chão sólido começar a derreter sob seus pés e suas casas. “Mudanças nesses tipos de climas e meios ambientes locais e regionais afetam essas pessoas, e alguns desses impactos podem ser muito severos.”

Mais próxima do outro polo do planeta, Carolina Vera teme que as desigualdades existentes sejam ainda exacerbadas pelas alterações climáticas, uma vez que “a mudança climática já está impactando os setores mais vulneráveis do nosso planeta”.

Pesquisadora-chefe do Conselho Nacional de Ciência da Argentina, professora da Universidade de Buenos Aires e chefe de gabinete do Ministério argentino de Ciência e Tecnologia, em seu trabalho Vera incorpora coleta de dados e saber local, envolvendo as comunidades que equilibram os problemas do desflorestamento com suas necessidades agropecuárias.

Calor humanamente insuportável

Não surpreende que o aquecimento global seja a principal apreensão para pesquisadores como Dim Coumou, especialista em condições meteorológicas extremas da Universidade Livre de Amsterdã. Especialmente alarmantes são os extremos de calor e humidade dos trópicos.

Sobretudo em áreas de alta densidade demográfica, como África Oriental, Paquistão e Índia, a permanência ao ar livre ficará insuportável. E quando não for mais possível refrescar-se suando, fica inviável o trabalho no campo e, portanto, o cultivo de alimentos. O provável resultado será migração em massa.

O problema não é só dos trópicos: intimamente relacionado ao calor está o agravamento das condições meteorológicas. Os estudos de Coumou e seus colegas mostram que alterações das correntes de jato provocarão tempo extremo na Europa, incluindo inundações e secas.

As intempéries extremas também são a principal preocupação do climatologista Abubakr Salih Babiker: “Uma atmosfera mais quente retém mais água, e as chuvas são mais pesadas, provocando inundações. Um oceano mais quente pode gerar ciclones tropicais mais fortes”, já que esse fenômeno ganha energia do calor da água.

“Temos visto provas de todos esses eventos”, prossegue o colaborador do Centro de Previsão e Aplicação do Clima (ICPAC), em Nairóbi, Quênia. “Os ciclones tropicais mais fortes que atingiram a Península Árabe, a Somália e Moçambique ocorreram nos últimos 20 anos.” Suas pesquisas também confirmaram que os extremos meteorológicos podem acarretar outros desastres ecológicos, como pragas de gafanhotos.Pragas de gafanhotos estão entre consequências secundárias do aquecimento global

“Como minha ciência pode ajudar?”

Pragas, secas e inundações também estão no centro das apreensões da entomologista Esther Ngumbi, da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign. Seu trabalho com safras resistentes a pragas e secas é motivado pelo destino dos agricultores vulneráveis de países em que faltam redes de segurança social, e uma estação de devastação da colheita por insetos pode resultar em fome e na impossibilidade de pagar pela educação dos filhos.

“Como minha ciência pode ajudar de verdade?”, ela se pergunta. “Isso genuinamente me faz acordar todo dia e ir ao laboratório, para entender como minha pesquisa pode contribuir para as soluções de que precisamos.”

Também para Natasha Picone, climatologista urbana da Universidade Nacional do Centro de Buenos Aires, as soluções são o que ocupam sua mente. “Com a pandemia, eu me dei conta que não estamos fazendo o suficiente para tornar nossas cidades mais habitáveis.”

Sua pesquisa informa planejadores de cidades sobre problemas urbanos como o efeito ilha de calor, a poluição atmosférica e a escorrência superficial que pode ocasionar inundações. “Se não mudarmos esse curso agora, será realmente difícil voltar atrás.”

“As pessoas são a solução”

Uma fonte de ansiedade para a oceanógrafa Renata Hanae Nagai, da Universidade do Paraná, é seu sobrinho de quatro anos e como será a vida dele num mundo mais quente. Porém também lhe dá esperança: durante a visita recente a uma praia, para observar tartarugas pondo ovos, o menino avisou aos outros para deixarem os animais em paz.

Nagai nota o mesmo cuidado entre seus estudantes: aprender sobre os problemas e apresentar soluções. “As pessoas são a solução”, afirma a pesquisadora brasileira. “Nós tentamos, mesmo sob as condições mais duras.”

Para Levke Caesar, física do clima da Universidade de Maynooth, na Irlanda, o que mais preocupa são os indivíduos e organizações que negam a mudança climática. “Para mim, o que eles fazem é totalmente inaceitável, do ponto vista moral: eles mentem. Afinal, você não pode discutir com o clima.” Esse fato, contudo, só a faz se empenhar mais ainda para comunicar o que a ciência mostra.

Gerações mais jovens: fonte de ansiedade e esperança

Eles se preocupam conosco

Um traço comum nesta panorâmica um tanto anticientífica, é que enquanto nós, leigos, nos preocupamos com o que a ciência diz, os profissionais da áreas muitas vezes estão preocupados conosco.

“Os cientistas sempre pensam sobre quais serão os resultados de seus estudos, como serão importantes para as pessoas comuns, normais”, comentou o especialista em permafrost Vladimir Romanovsky. Em sua pesquisa, afirma, ele sempre está refletindo “como isso poderia ser usado para tornar a vida mais fácil e mais previsível”.

Governo Bolsonaro: Ricardo Salles aposta na gestão Arthur Lira na Câmara para avançar mineração na Amazônia

Sob pressão com mudança de poder nos EUA, titular do Meio Ambiente afirma que não está preocupado com possível reforma ministerial sinalizada por Bolsonaro.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, em entrevista do programa Poder em Foco, do SBT.DIVULGAÇÃO/SBT

Ricardo Salles tem oscilado entre altos e baixos no Governo Jair Bolsonaro. Apontado por ambientalistas como um representante de ruralistas no Ministério do Meio Ambiente e visto por alguns diplomatas como um extremista, Salles tenta buscar uma sobrevida para sua permanência na pasta. Para isso, tenta se apoiar no novo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) para emplacar projetos caros ao bolsonarismo, que têm potencial para dizimar regiões florestais e que podem prejudicar a sobrevivência de populações tradicionais. Entre essas propostas estão a regularização fundiária de regiões florestais e a que autoriza a mineração em terras indígenas. Ambas têm tudo para avançar sob a gestão Lira.

A primeira sinalização que o ministro fez para a base de apoio bolsonarista foi a de reclamar que, durante a gestão Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrada no início deste mês, pautas governamentais pouco avançaram. Agora, ele diz estar confiante de que a situação será mais favorável ao Governo. “O que nós vimos ao longo desse período que acabou é que nem sequer as discussões podiam ser feitas. Você mandava um projeto de lei ou até uma medida provisória que caducaram no Congresso, e as discussões não aconteciam”, disse Salles em entrevista ao programa Poder em Foco, do SBT.

Sobre seu apoio ao polêmico projeto de mineração em terras indígenas, o ministro diz que gostaria que houvesse regras claras sobre o tema. “A mineração na Amazônia, seja em terra indígena ou fora da terra indígena, qual é a regra que vai ser imposta? Nós estamos desde a Constituição de 1988 aguardando a solução de uma norma que já previa uma regulamentação e esse assunto vai sendo jogado pra baixo do tapete ano após ano. Então é preciso discutir e encontrar um caminho, a solução não é não ter solução”.

Nesta montanha-russa da política, Salles esteve fortalecido com o presidente mesmo após seguidas altas dos índices de desmatamento e de queimadas na floresta amazônica e no Pantanal ao longo de 2019 e 2020. O prestígio decaiu depois que, em março do ano passado, foi filmado em reunião ministerial dizendo que o Governo deveria aproveitar a pandemia para “passar a boiada” no afrouxamento de regras ambientais. Ficou um tempo fora das manchetes jornalísticas depois desse episódio. Mais recentemente, voltou a ter seu nome em destaque quando Joe Biden venceu Donald Trump na disputa presidencial dos Estados Unidos e vários analistas apostaram que ele seria demitido.

Manteve-se no cargo porque Bolsonaro estava irritado com seu vice, Hamilton Mourão, que comanda o agora esvaziado Conselho Nacional da Amazônia. O presidente queria ter alguém para se contrapor ao general. Mourão é visto por alguns bolsonaristas como uma ameaça a Bolsonaro, que já acumula mais de 60 pedidos de impeachment. Essa queda de braço tem sido vencida pelo ministro, por enquanto, já que os militares subordinados indiretamente ao conselho deixarão de atuar na fiscalização da região amazônica nos próximos dois meses.

O curioso é que o mesmo Centrão que pode dar sobrevida a Salles com o prestígio junto a Lira é o grupo que pode derrubá-lo, em busca de nacos de poder na Esplanada dos Ministério. O nome de Salles juntamente com o do chanceler Ernesto Araújo, volta a ser apontado como um dos próximos a ser demitido numa iminente reforma ministerial realizada para acomodar políticos do fisiológico Centrão. “O cargo é do presidente (…) Eu não estou preocupado se vai ter reforma, se não vai ter reforma”, disse no programa do SBT.

Primeira reunião com representante de Biden

Ao mesmo tempo em que tenta, mais uma vez, se equilibrar no cargo, Salles busca demonstrar institucionalidade e proatividade. No último dia 18, Salles e Ernesto Araújo se reuniram pela primeira vez, por videoconferência, com o secretário de Estado americano, John Kerry. Na ocasião, levaram uma proposta ao homem forte da área ambiental de Biden na qual pediam mais dinheiro para a proteção ambiental. Segundo interlocutores, o Governo americano não discordou da proposta. Apenas sinalizou que alguma compensação financeira poderia ser apresentada nos próximos meses. A proximidade entre Bolsonaro e Trump, e as declarações de apoio feitas pelo brasileiro antigo presidente americano por ora, tem criado barreiras entre a cúpula dos dois Governos.

A busca de Salles por mais recursos tem várias razões. Uma delas: em 2021, o Ministério do Meio Ambiente se deparará com um de seus menores Orçamentos das últimas décadas. O resultado prático disso será a redução de fiscalização, que está cada vez menor, e o enxugamento administrativo. Ainda assim, mesmo com menos recursos, desde que Bolsonaro chegou ao poder o país abriu mão de receber doações da Noruega e da Alemanha por meio do Fundo Amazônia. Atualmente, há 40 projetos de proteção ambiental com 1,4 bilhão de reais parados nas contas porque Bolsonaro e Salles decidiram alterar as regras de gestão desses recursos. A razão é ideológica. “Ao invés de mandar o dinheiro para projetos e ideias que não necessariamente o governo concorde, dissemos que queríamos ter maior participação nisso e os doadores, Noruega e Alemanha, não concordaram”, justificou-se o ministro.

Como alternativa para suprir esses recursos, Salles disse que o Brasil busca convencer os países ricos a doarem mais para a proteção ambiental. A contrapartida brasileira seria antecipar de 2060 para 2050 o prazo em que se zeraria as emissões de gás carbônico no país. A conta sairia cara para os países ricos, entre eles, os Estados Unidos: 10 bilhões de dólares por ano (algo em torno 53 bilhões de reais). “Pedimos cem Fundos Amazônia por ano”, afirmou na entrevista, gravada no último dia 10.

‘Elite poluidora’: ricos do mundo precisam reduzir consumo para conter mudanças climáticas, diz grupo científico

PA MEDIA
Estilo de vida dos mais ricos inclui muitos voos de avião e carros grandes – resultando em uma emissão de carbono muito maior do que a população mais pobre

O 1% mais rico da humanidade produz o dobro das emissões de carbono dos 50% mais pobres do mundo juntos e, por isso, precisa mudar radicalmente seu estilo de vida para ajudar no combate às mudanças climáticas, aponta um relatório britânico publicado na última semana.

Um grupo um pouco maior, o dos 5% mais ricos do mundo – a chamada “elite poluidora” -, contribuiu com mais de um terço (37%) do crescimento das emissões de carbono entre 1990 e 2015.

Por conta disso, os autores do relatório defendem reduções drásticas no “excesso de consumismo”, desde evitar o uso de veículos utilitários esportivos (SUV) poluidores até redução nas múltiplas viagens aéreas em voos comerciais ou jatos particulares.

O relatório é da Comissão de Cambridge para Mudanças Comportamentais de Escala, um painel de 31 pesquisadores que estudam comportamento humano relacionado ao meio ambiente e que se dedicam a encontrar formas eficientes de escalonar iniciativas que combatam a emissão de carbono.

Críticos dessas conclusões afirmam que a melhor forma de conter as emissões de carbono é por melhorias tecnológicas, em vez de por medidas impopulares.

Mas o principal autor do estudo, Peter Newell, professor da Universidade de Sussex (Reino Unido), afirmou à BBC News que, embora seja “totalmente a favor de melhorias tecnológicas e produtos mais eficientes, está claro que será necessária uma ação mais drástica, porque as emissões (de carbono) continuam subindo”.

“Temos de conter o excesso de consumo, e o melhor lugar para começar é com o excesso de consumo entre as elites poluidoras, que contribuem com muito mais de o que lhes caberia nas emissões de carbono”, agregou.GETTY IMAGES
Carros utilitários não só consomem muito mais combustível, como exigem muito mais emissões para serem fabricados

“Essas são as pessoas que mais viajam de avião, dirigem os carros maiores, vivem nas maiores casas, para as quais podem facilmente pagar o aquecimento, então não tendem a se preocupar muito quanto a se essas casas são bem isoladas (termicamente) ou não. E também são as pessoas que poderiam adquirir um bom isolamento térmico e painéis solares, se quisessem.”

Newell afirmou que, para enfrentar o aquecimento global, todas as pessoas precisam se sentir parte de um esforço coletivo – o que significa que os ricos precisam consumir menos e dar o exemplo aos mais pobres.

“Ricos que viajam muito de avião podem achar que compensam suas emissões com projetos de plantio de árvores, para capturar o carbono do ar. Mas esses projetos são altamente contenciosos e não têm comprovação a longo prazo. (Os mais ricos) precisam simplesmente viajar menos de avião e dirigir menos. Mesmo que eles tenham um carro utilitário elétrico, ele ainda é um dreno ao sistema de de energia, e há todas as emissões emitidas na construção do veículo”, prossegue o pesquisador.

Em resposta, Sam Hall, da Rede Ambiental Conservadora, afirmou que “é importante enfatizar a importância da igualdade (nos cortes de emissões) – e políticas podem facilitar que pessoas e negócios se tornem mais ambientalmente corretos por meio de incentivos e regulação direcionada. Mas encorajar tecnologias limpas é provavelmente mais eficiente e tem mais chance de conquistar consenso entre o público do que penalidades ou restrições ao estilo de vida”.

No entanto, Newell argumenta que as estruturas políticas atuais permitem aos mais ricos fazer lobby contra mudanças necessárias na sociedade que possam interferir em seu estilo de vida.

Um exemplo recente é o da Assembleia do Clima do Reino Unido, iniciativa que propôs uma série de medidas para conter comportamentos de alta emissão de carbono – como desincentivos ao alto consumo de carne vermelha e derivados de leite, veto a utilitários poluidores e taxas a viajantes aéreos frequentes.

Um empecilho citado pela Secretaria do Tesouro britânica é que, para taxar viajantes frequentes, seria necessário que o governo coletasse e armazenasse dados pessoais dos passageiros, abrindo debates em torno da privacidade.

Mas, para a comissão de Cambridge, só será possível alcançar as metas do Acordo Climático de Paris com “mudanças radicais em estilos de vida e em comportamentos, especialmente entre os membros mais ricos da sociedade”.

“Para haver mudanças na velocidade e na escala exigidas para o cumprimento das metas, precisamos encolher e dividir: reduzir o carbono e distribuir (a riqueza) mais igualmente”.

O relatório é o mais recente dentro de um amplo debate em torno de o que significa ser “justo” no âmbito do combate às mudanças climáticas.

Países mais pobres, como a Índia, costumam argumentar que deveriam poder aumentar sua poluição, uma vez que sua emissão de carbono per capita é menor do que a de países ricos.

Essas questões são parte da intrincada negociação que fará parte da conferência climática marcada para a semana que vem e organizada pelo presidente americano, Joe Biden. E também da conferência COP, que será em novembro no Reino Unido.

Meio Ambiente: Estamos perto de um ponto sem volta

Devemos fazer de 2021 o ano em que a ação climática atingiu a maturidade, ou enfrentaremos o desastre, escreve Inger Andersen, o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Incêndios extremos ligados às mudanças climáticas foram uma ocorrência frequente em 2020

Com a implementação dos programas de vacinação COVID-19, 2021 começa com a esperança de que o fim da pandemia esteja próximo. Precisávamos de liderança ousada, decisões difíceis e financiamento dedicado para nos levar até este ponto. Devemos agora aplicar o mesmo vigor para combater a mudança climática ou arriscar muitos mais anos tão mal quanto o anterior.

O ano de 2020 – provavelmente o mais quente já registrado – trouxe tempestades, incêndios florestais, secas, inundações e derretimento de geleiras. A desaceleração econômica associada à pandemia causou uma queda temporária nas emissões de dióxido de carbono, mas isso fará uma diferença insignificante nas temperaturas de longo prazo; nossas emissões anteriores ainda estão na atmosfera e estamos adicionando a elas.

Mesmo se os países implementassem as últimas promessas voluntárias – conhecidas como contribuições determinadas nacionalmente (NDCs) – sob o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, ainda estaríamos caminhando para um aumento projetado na temperatura média global de 3,2 graus Celsius (4,4 F) acima dos níveis pré-industriais até o final do século XXI. Esse aquecimento traria dor, miséria e perturbação que eclipsaria tudo o que COVID-19 jogou em nós.

Estamos perto de um ponto sem volta.

A seca e a escassez de água estão entre os muitos impactos do aumento das temperaturas

Os líderes podem recuar investindo em soluções sustentáveis ​​como parte dos esforços de recuperação da pandemia. O Relatório de Lacunas de Emissões 2020, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), nos disse que fazer isso poderia reduzir as emissões projetadas para 2030 em 25% – trazendo o mundo aproximadamente onde ele precisa estar para ter uma chance de atingir a meta do Acordo de Paris de limitando o aquecimento global a 2 graus Celsius. O comprometimento líquido zero pode até mesmo nos aproximar da meta de 1,5 grau Celsius.

Preparando-se para uma maratona

Medidas de recuperação verde e sustentável podem proporcionar esses cortes ao mesmo tempo em que apóiam outras metas ambientais, sociais e econômicas. Precisamos de suporte direto para tecnologias e infraestrutura de emissão zero. Fim dos subsídios ao carvão e aos combustíveis fósseis. Políticas que permitem o consumo de baixo carbono. Soluções baseadas na natureza – incluindo restauração de paisagem em grande escala e reflorestamento realizado durante a Década das Nações Unidas para Restauração de Ecossistemas, que começa este ano.

Inger Andersen, Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

Até agora, poucas nações investiram em pacotes de estímulo verdes. Isso tem que mudar.

2021 é também o ano em que se realiza a COP26, reunião central dos países signatários do Acordo de Paris. De acordo com o Emissions Gap Report, 126 países adotaram, anunciaram ou estão considerando planos de emissão líquida zero. Se o novo governo dos EUA entrar na corrida conforme prometido, os países responsáveis ​​por mais de 63% das emissões globais de dióxido de carbono terão se comprometido com a neutralidade de carbono.

Mas, como quem se compromete no primeiro dia de janeiro a correr uma maratona até o final do ano, precisamos dar passos específicos, a partir de agora, para estarmos prontos para a corrida. Esses compromissos devem ser traduzidos urgentemente em políticas e ações fortes e de curto prazo que se integrem a uma recuperação pandêmica de baixo carbono e sejam incluídas em novos e mais fortes NDCs antes da cúpula de novembro. Caso contrário, são promessas vazias.

A energia limpa é fundamental para atingir metas líquidas de zero

O financiamento da adaptação precisa de um impulso

Outra prioridade é ajudar os países e comunidades vulneráveis ​​a lidar com os impactos cada vez maiores das mudanças climáticas. O Adaptation Gap Report do PNUMA, que será publicado nas próximas semanas, mostrará que ainda não estamos levando a adaptação a sério. O financiamento permanece muito abaixo dos níveis exigidos e a maioria das iniciativas ainda deve reduzir os riscos climáticos. Como disse o Secretário-Geral da ONU, precisamos de um compromisso global para destinar metade de todo o financiamento climático global à adaptação antes da COP26.

Este ano, temos uma chance real de evitar uma catástrofe climática. Usando recursos de estímulo com sabedoria para dar início a uma mudança sistêmica real, planejada e monitorada por meio de NDCs mais fortes e compromissos líquidos de zero, poderíamos não apenas atingir a meta de 2 ° C do Acordo de Paris, mas ter uma chance de lutar Meta de 1,5 ° C.

Devemos aproveitar esta oportunidade para proteger nosso clima e natureza e, por sua vez, a saúde humana, a paz e a prosperidade, nas próximas décadas. Pode ser um dos últimos que receberemos.

Onde estamos cinco anos após o Acordo de Paris

Cinco anos após a negociação do Acordo de Paris de 2015, o cientista climático Saleemul Huq diz que vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Desde 2015, o Acordo de Paris tornou-se um símbolo de esperança

Em 12 de dezembro de 2015, o então Ministro das Relações Exteriores da França e Presidente da 21ª Conferência das Partes (COP21) Laurent Fabius martelou o histórico Acordo de Paris sob aplausos estrondosos na sala de conferências.

Tive a sorte de estar naquela câmara naquela noite histórica. Eu fiz parte desse aplauso. Fui testemunha de um momento de última hora que ficou em suspenso durante as duas semanas de negociações intensas.

As emoções estavam em alta na sala de conferências cheia de promessas
Cinco anos depois, o Reino Unido – como presidente entrante da COP26 a ser realizada em novembro de 2021 – convocou uma Cúpula da Ambição do Clima. A ser realizado no quinto aniversário daquela noite memorável, é uma oportunidade para chefes de governo de todo o mundo compartilharem seus planos revisados ​​para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

E esta é uma oportunidade que eles devem levar a sério.

Em dezembro de 2015, os países em desenvolvimento vulneráveis, que ajudo a representar, defenderam fortemente uma meta de temperatura de longo prazo de 1,5 grau Celsius. Nosso apelo encontrou resistência inicial de muitas nações desenvolvidas, o que tornou a inclusão final da meta no Acordo de Paris uma grande conquista para nós.

‘Perda de momentum’

Mas não aconteceu o suficiente nos anos que se seguiram para nos colocar no caminho para atingir a meta. Vimos os Estados Unidos se retirarem do acordo e, embora nenhum outro país tenha seguido o exemplo, ainda assim foi um grande revés para o esforço global de combate às mudanças climáticas.Cientista do clima, Saleemul Huq

A perda geral de ímpeto na última meia década permitiu que as temperaturas subissem mais de 1 grau Celsius acima das médias pré-industriais. Os impactos adversos desse aquecimento planetário estão agora se tornando visíveis em todo o mundo, com incêndios florestais, inundações, secas e furacões afetando vidas e meios de subsistência.

Já vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Um dos principais resultados do Acordo de Paris foi liberar as oportunidades para que atores não governamentais, incluindo prefeitos de cidades, chefes de empresas, grupos da sociedade civil, bem como jovens e até crianças, tomem as ações necessárias, independentemente de seus próprios governos estarem fazendo isso. .

Isso levou a grandes movimentos globais que viram crianças em idade escolar – lideradas por Greta Thunberg – pressionarem seus pais e idosos a tomarem as medidas necessárias.

Furacões e ciclones, mas também secas e inundações estão se tornando cada vez mais frequentes e, em muitos casos, mais graves

O futuro do planeta, entretanto, não pode ser deixado apenas para esses movimentos.

Joe Biden prometeu voltar a aderir ao Acordo de Paris assim que tomar posse como presidente dos Estados Unidos em janeiro de 2021. Mas se quisermos chegar perto da meta de 1,5 grau pela qual lutamos tanto, todos os países precisarão consideravelmente aumentar suas ambições.

E quando a COP26 finalmente acontecer no ano que vem, também deve ser um fórum para abordar a questão do apoio às vítimas de perdas e danos como resultado do aquecimento global. Não fazer isso pode levar ao fracasso do COP.

Saleemul Huq é o diretor do Centro Internacional para Mudanças Climáticas e Desenvolvimento (ICCCAD) em Bangladesh. Ele também assessora o grupo de Países Menos Desenvolvidos (LDC) na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

Mudanças climáticas: Por que o futuro livre de carbono do Reino Unido precisará de regras

Um plano de 10 pontos com o objetivo de colocar o Reino Unido no caminho para uma economia de emissões zero deve ser revelado pelo primeiro-ministro nas próximas semanas.

Getty Images

Os discursos anteriores de Boris Johnson sobre mudança climática deram a impressão de que o problema pode ser amplamente resolvido pela tecnologia – uma explosão nuclear, uma rajada de hidrogênio, uma rajada de vento offshore, uma porção de captura e armazenamento de carbono.

Mas um porta-voz do governo disse que todos precisamos “trabalhar juntos e fazer nossa parte”.

E especialistas alertam que o problema é fenomenalmente complicado – apresentando desafios nunca vistos antes.

Lidar com as mudanças climáticas, dizem eles, vai precisar de ação em toda a sociedade e na economia – com uma série de novos incentivos, leis, regras, proibições, padrões de eletrodomésticos, impostos e inovações institucionais.

Vamos examinar alguns dos problemas …

Eletricidade solar

Getty Images
Poucos desafios do Reino Unido são tão complexos ou estranhamente maravilhosos quanto o futuro sistema elétrico, no qual milhões de geradores e usuários de energia comercializarão uns com os outros pela Internet.

Centenas de milhares de locais já estão gerando energia – de proprietários de casas com um único painel solar no telhado à poderosa estação de energia Drax, em North Yorkshire, com seus polêmicos aquecedores de madeira, a gigantescos parques eólicos flutuando no mar.

Está muito longe da década de 1990, quando a energia era fornecida em uma rede simples dominada por algumas dezenas de usinas movidas a carvão

Nos próximos anos, milhões de pessoas desejarão vender a energia que estão gerando em seus telhados.

Precisaremos de eletricidade extra porque os carros funcionarão com baterias e as casas serão aquecidas por bombas de calor (que funcionam como geladeiras ao contrário para sugar o calor do solo ou do ar). Eles não poluem, ao contrário das caldeiras a gás.

Getty Images

Mas esse não é o fim da história.

Sim, os carros elétricos aumentarão a demanda – mas também aumentarão o armazenamento de energia. Baterias de carros inteligentes serão programadas para carregar quando a eletricidade for mais barata, no meio da noite.

Os carros podem então armazenar a energia e vendê-la de volta à rede com lucro quando for necessário, na hora do chá. Em outras palavras, possuir um carro pode realmente gerar dinheiro para você.

E aqui está outro pedaço de estranheza. Máquinas de lavar inteligentes já podem ligar-se para tirar proveito da eletricidade barata e fora do horário de pico.

Você economizará ainda mais dinheiro ao permitir que uma mão invisível desligue brevemente seu freezer inteligente bem isolado para economizar energia em horários de pico de demanda.

Isso ajudará a economizar sua empresa de energia gerando mais eletricidade, então você receberá um pouco por isso. É chamado de gerenciamento de demanda.

Mas como esses milhões de geradores, usuários, evitadores e armazenadores de energia conseguirão negociar uns com os outros? Como os sistemas elétricos lidarão com esse nível de complexidade destruidora de cérebros?

Guy Newey, do grupo de reflexão Energy Systems Catapult, avisa: “Há imensas oportunidades em nosso futuro energético.

“Mas pensar na complexidade inacreditável é um desafio realmente difícil – e não está claro se alguém ou qualquer organização no Reino Unido tem a responsabilidade de fazer isso.”

Regras para um futuro zero carbono

Uma coisa que está absolutamente clara é que o futuro livre de carbono do Reino Unido precisará de regras.

Os padrões da UE para eletrodomésticos como geladeiras e aspiradores de pó são uma história de sucesso de energia desconhecida. Eles obrigam os fabricantes a fazer produtos que realizam uma tarefa com menos energia.

Isso significa que, embora o preço da eletricidade tenha subido, as contas dos consumidores caíram, porque eles estão usando menos.

Libby Peake, do think-tank Green Alliance, disse: “Os padrões dos produtos reduziram a pegada de carbono do Reino Unido e economizaram uma família média de pelo menos £ 100 por ano em suas contas de energia.”

Mas ela avisa que produtos de má qualidade estão caindo no mercado porque não há funcionários de padrões comerciais suficientes para fazer cumprir as regras.
GettyImages

Financiando um futuro Net Zero

Finanças é outra área que requer atenção. De acordo com a Vivid Economics, a Agência de Crédito de Exportação do governo – que subscreve projetos financiados pelo Reino Unido no exterior – está investindo £ 2 bilhões em empreendimentos de petróleo e gás.

A Climate Coalition de grupos verdes diz que isso não se encaixa nas prioridades do Reino Unido.

Enquanto falamos de dinheiro, o governo está sendo instado a reconsiderar suas prioridades para projetos de infraestrutura caros.

Alguns ambientalistas argumentam que, dado todo o concreto necessário para os trilhos e túneis, o HS2 não será neutro em carbono até 2050. Eles querem que seja descartado.

O HS2 diz que vai economizar emissões a longo prazo, mas ambientalistas dizem que está desviando £ 100 bilhões de causas mais eficazes.

Há uma disputa semelhante sobre o programa governamental de construção de estradas de £ 27 bilhões.

Um estudo – fortemente contestado pelo Departamento de Transporte – estima que 80% da economia de CO2 dos carros elétricos será anulada pelas estradas planejadas.

O governo diz que está realizando o maior aumento já feito na Inglaterra para ciclistas e pedestres, mas os verdes dizem que os ministros não deveriam fazer nada que prejudique a batalha contra o aquecimento climático.

Eles dizem que, quando se trata de infraestrutura, o isolamento residencial oferece, de longe, a melhor relação custo-benefício, com o maior número de empregos.

Enquanto isso, o setor financeiro privado do Reino Unido é um dos maiores financiadores mundiais de combustíveis fósseis. O ex-presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, pediu aos financistas que revelassem seus ativos em indústrias sujas porque representam um risco para os negócios em um mundo de baixo carbono.

A Climate Coalition quer que os banqueiros dêem mais um passo para eliminar ativamente as empresas poluentes de suas carteiras.

Kate Levick, do think tank e3g, me disse: “Há uma urgência real nisso. As empresas financeiras estão financiando projetos hoje que contribuirão para as emissões em 30 anos.”

Ela está convocando o governo a legislar para fazer a transição acontecer.

A coalizão também quer que o Tesouro estabeleça um plano de financiamento do clima para mostrar como os ministros irão financiar a transição líquido-zero no Reino Unido.

Getty Images

Estradas, trilhos e casas

GettyImages

Então, finalmente, para nós.

O porta-voz do nosso governo diz que concorda “de todo o coração” com o espírito de maior envolvimento dos cidadãos em torno da mudança climática recomendado pela recente Assembleia dos Cidadãos do Reino Unido – um grupo reunido para considerar como fazer mudanças com o mínimo de dor.

Ele sugeriu que as famílias precisarão isolar suas casas e, eventualmente, se livrar das caldeiras de gás poluentes.

Que devemos comer menos carne e laticínios gradualmente.

Acordou que algumas viagens agora feitas de carro devem ser feitas a pé ou de bicicleta – e que a venda de novos carros a gasolina e diesel deve ser encerrada em breve.

E queria que os passageiros frequentes tivessem as asas cortadas.

Mas até que ponto o plano de dez pontos do primeiro-ministro explicará que as pessoas – assim como as tecnologias – terão que mudar se quisermos parar de danificar o clima?

Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo. José Ortega y Gasset

Em entrevista, ex-presidente da Funai diz que já na não se pode falar em falha na proteção de reservas, mas numa política deliberada para destruí-las: “Não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”.

Queimada perto de Apui, no estado do Amazonas: destruição da floresta avança sob Bolsonaro

Se nos governos anteriores havia desaprovação a ações pontuais ligadas aos povos tradicionais, no governo de Jair Bolsonaro as críticas são direcionadas a tantas áreas que a questão indígena acaba diluída em meio a uma desaprovação maior e mais geral.

É essa a avaliação do jurista Carlos Frederico Marés de Souza Filho, professor de Direito Agrário e Socioambiental na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Ele foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000.

Para o jurista, a política ambiental da atual gestão, simplesmente, não existe. “Até o ministro [do Meio Ambiente] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”, afirma.

Em entrevista à DW Brasil, Marés também comenta o enfraquecimento e desmonte gradual da Funai nos últimos anos, fala sobre o papel do governo federal em conter o avanço do coronavírus e dos recentes incêndios em terras indígenas e explica como a demarcação de terras ganhou cada vez mais ares de processo político em vez de técnico.

DW Brasil: Você foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000. Em essência, o que mudou de lá para cá em relação à questão indígena no Brasil?

Na virada de 1999 para 2000, os povos indígenas estavam muito expostos na mídia por causa dos 500 anos [do descobrimento]. Havia, então, essa exposição muito grande e, consequentemente, uma articulação muito grande. Justamente em 2000, houve uma repressão policial ao movimento indígena na festa dos 500 anos em Porto Seguro (BA), razão pela qual pedi demissão do cargo. Não podia compactuar com uma ação daquelas.

Quanto à Funai, nesses últimos 20 anos, ela foi sendo deteriorada do ponto de vista da ação possível. Até 2016, mais ou menos, embora estivesse fraca, ela ainda tinha dinheiro, funcionários e, portanto, ação. Mas de quatro anos para cá ela foi perdendo tudo isso. Foram muitas aposentadorias sem reposição de quadro funcional e uma deterioração da política significativa. Um exemplo é a proteção dos povos indígenas chamados “isolados”, que demandam somente uma aproximação muito distante. Essa é uma política correta e que não custa muito. Mas nos últimos anos, e principalmente nos primeiros dois anos de gestão [Jair] Bolsonaro, essa política foi rompida. Trata-se de uma política desastrosa, mortal. O correto é proteger as áreas de povos isolados e não deixar ninguém entrar.

A diferença, então, é que houve uma piora funcional e política. A Funai deixou de ser uma intermediária entre governo e povos indígenas para ela mesma ser contrária a essa população. O governo atual incentiva o ingresso em terras indígenas, a ocupação ilegal de terras, e a Funai não faz nada. E não adianta os indígenas correrem para a Funai porque a Funai “corre com eles”.

No fim de agosto, o presidente Bolsonaro afirmou em uma live que há “índios evoluídos” no Brasil, que poderiam ter “mais liberdade sobre sua terra”…

Não posso atribuir isso à ignorância porque o nome disso é racismo. Essa fala é racista e genocida. É uma postura inimiga dos indígenas, porque ele acha que os povos indígenas atrapalham. Quando ele diz que os indígenas devem ter mais liberdade, eu concordo plenamente, mas qual é a liberdade que os indígenas querem? Que ninguém entre em suas terras, que a natureza não seja destruída, que não tenha garimpeiro, madeireiro por lá. Os povos indígenas têm pouca força para usufruir dessa liberdade e quem tem que garanti-la é exatamente o Estado brasileiro. O Estado precisa ouvir os indígenas. Os ianomâmis [grupo que vive na floresta amazônica, na fronteira entre Venezuela e Brasil], por exemplo, eu sei o que vão responder: tirem os garimpeiros das nossas terras.

Os indígenas querem liberdade, mas não para trazer gente branca para a terra deles, e sim para impedir que haja exploração. E o que o presidente quer dizer é que as terras indígenas devem ser mais livres para quem quiser invadir.

Um relatório divulgado recentemente pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontou que no primeiro ano de governo Bolsonaro (2019) as invasões em terras indígenas cresceram 135%. É exagero dizer que o atual governo está falhando na proteção aos povos indígenas?

“Falha” é uma palavra gentil. O governo não está falhando, está intencionalmente tentando destruir os povos indígenas. E isso é genocídio.

Até o momento foram registrados 36 mil casos de contaminação pela Covid-19 entre indígenas, segundo dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). O senhor acredita que o estabelecimento de barreiras sanitárias em terras indígenas por parte do Governo Federal, previsto emMedida Provisória publicada no último dia 1°, ajudará, de forma efetiva, a conter esse cenário? Além disso, o governo não demorou muito para tomar ações a respeito? A pandemia começou em março.

Essa demora foi intencional. Essas barreiras sanitárias eram muito fáceis de terem sido feitas há seis meses. Alguns povos, inclusive, fizeram barreiras por conta própria, mas mesmo assim teve missionário que quis entrar [nas terras], pessoas do governo, gente para entregar remédio. Há uma tensão muito grande em relação ao coronavírus e os povos indígenas.

Somente em setembro, mais de uma centena de focos de incêndio avançaram sobre terras indígenas na região do Pantanal. Em agosto, foram 200 focos. Ainda que queimadas sejam esperadas para a região nesta época do ano, os números não são altos demais? Qual é o papel do Poder Público para proteger as terras indígenas?

O grande drama que vive o Pantanal, assim como o Cerrado e a Amazônia, é o desmatamento irregular. Sempre que acontece um episódio como esses incêndios temos que nos perguntar: alguém leva vantagem nisso? O incêndio é bom para alguém?

Nesses três biomas, há quem leve vantagem com os incêndios, que é quem quer ocupar terra, que são pessoas que não são de lá. Não são os indígenas, não são os povos tradicionais, os quilombolas. Agora, para quem quer expandir suas terras, o incêndio é bom. Lembro também do Cerrado porque é uma região da qual se fala menos, mas que está sendo duramente castigada pela abertura e derrubada da vegetação nativa para dar lugar a grandes monoculturas.

Podemos então dizer que hoje a demarcação das terras indígenas se transformou em um processo político e não técnico?

A resposta é sim, apesar de que o caráter político sempre esteve presente. Os indígenas têm garantido na Constituição Federal direito à terra que ocupam. Eles têm esse direito com ou sem demarcação. A demarcação é uma providência que a Constituição determinou ao Estado brasileiro para que haja melhor proteção da terra. A ideia, portanto, não é definir qual deve ser essa terra, mas dar proteção à terra que já é do povo. Só que as forças contrárias aos povos indígenas sabem que, uma vez demarcada, é mais difícil invadir a terra, matar índio, tocar fogo. Assim, politicamente, serão contra a demarcação. Essa ação contrária aos povos indígenas é uma ação política, e acaba transformando a demarcação em um ato político.

Já no governo [Michel] Temer, mas com mais força a partir do governo Bolsonaro, veio uma vontade política muito forte de não demarcar. Mais ainda: tentar reverter as demarcações já feiras. E aqui esse adendo vale tanto para as terras indígenas como para os quilombolas. Antes de ser eleito, inclusive, o presidente Bolsonaro declarou que não iria demarcar nenhum centímetro a mais de terra indígena.

Para o senhor, quais são as principais diferenças entre o modo como o governo Bolsonaro trata a questão indígena em relação a governos anteriores? Os governos do Partido dos Trabalhadores (PT), por exemplo, receberam muitas críticas no sentido de que deveriam ter demarcado mais terras.

O governo Bolsonaro recebe críticas em tantas áreas – desenvolvimento, direitos humanos, etc – que a questão indígena é “só” mais uma coisa. No governo do PT houve fortes críticas à política ambiental, mas eram sempre críticas localizadas. A questão de [usina hidrelétrica de] Belo Monte, por exemplo, do rio Xingu, da Usina Hidrelétrica de Jirau. Eram ações específicas. Agora, no governo Bolsonaro, a política ambiental não existe, é de destruição. Até o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que diga que é a favor do meio ambiente. Nos outros governos ao menos tinha alguém para defender. Nesse sentido, as críticas ambientais acabam diluídas em meio a uma crítica maior e mais geral.

Costuma-se contrapor o direito dos povos indígenas ao desenvolvimento nacional. Essa contraposição já não seria, por si só, contraditória?

Dizer que a proteção aos povos indígenas é contrária ao desenvolvimento nacional é uma mentira. Não podemos admitir um desenvolvimento nacional com destruição da natureza, e as terras indígenas preservam a natureza. Quem é contrário a isso está ultrapassado. Uma das maiores preocupações mundiais é a alimentação. Mas a falta de comida significa que temos que invadir terras indígenas? Elas não são o lugar para produzir comida. É preciso pensar em desenvolvimento atrelado à preservação da natureza. Destruir as terras indígenas vai piorar a condição da água, gerando reflexos em todo o país. Dependemos da Amazônia, da Mata Atlântica. Tudo o que for destruidor da natureza prejudica o nosso desenvolvimento. Não se trata, portanto, de mera contradição, mas de uma mentira.