Meio Ambiente: Estamos perto de um ponto sem volta

Devemos fazer de 2021 o ano em que a ação climática atingiu a maturidade, ou enfrentaremos o desastre, escreve Inger Andersen, o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Incêndios extremos ligados às mudanças climáticas foram uma ocorrência frequente em 2020

Com a implementação dos programas de vacinação COVID-19, 2021 começa com a esperança de que o fim da pandemia esteja próximo. Precisávamos de liderança ousada, decisões difíceis e financiamento dedicado para nos levar até este ponto. Devemos agora aplicar o mesmo vigor para combater a mudança climática ou arriscar muitos mais anos tão mal quanto o anterior.

O ano de 2020 – provavelmente o mais quente já registrado – trouxe tempestades, incêndios florestais, secas, inundações e derretimento de geleiras. A desaceleração econômica associada à pandemia causou uma queda temporária nas emissões de dióxido de carbono, mas isso fará uma diferença insignificante nas temperaturas de longo prazo; nossas emissões anteriores ainda estão na atmosfera e estamos adicionando a elas.

Mesmo se os países implementassem as últimas promessas voluntárias – conhecidas como contribuições determinadas nacionalmente (NDCs) – sob o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, ainda estaríamos caminhando para um aumento projetado na temperatura média global de 3,2 graus Celsius (4,4 F) acima dos níveis pré-industriais até o final do século XXI. Esse aquecimento traria dor, miséria e perturbação que eclipsaria tudo o que COVID-19 jogou em nós.

Estamos perto de um ponto sem volta.

A seca e a escassez de água estão entre os muitos impactos do aumento das temperaturas

Os líderes podem recuar investindo em soluções sustentáveis ​​como parte dos esforços de recuperação da pandemia. O Relatório de Lacunas de Emissões 2020, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), nos disse que fazer isso poderia reduzir as emissões projetadas para 2030 em 25% – trazendo o mundo aproximadamente onde ele precisa estar para ter uma chance de atingir a meta do Acordo de Paris de limitando o aquecimento global a 2 graus Celsius. O comprometimento líquido zero pode até mesmo nos aproximar da meta de 1,5 grau Celsius.

Preparando-se para uma maratona

Medidas de recuperação verde e sustentável podem proporcionar esses cortes ao mesmo tempo em que apóiam outras metas ambientais, sociais e econômicas. Precisamos de suporte direto para tecnologias e infraestrutura de emissão zero. Fim dos subsídios ao carvão e aos combustíveis fósseis. Políticas que permitem o consumo de baixo carbono. Soluções baseadas na natureza – incluindo restauração de paisagem em grande escala e reflorestamento realizado durante a Década das Nações Unidas para Restauração de Ecossistemas, que começa este ano.

Inger Andersen, Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

Até agora, poucas nações investiram em pacotes de estímulo verdes. Isso tem que mudar.

2021 é também o ano em que se realiza a COP26, reunião central dos países signatários do Acordo de Paris. De acordo com o Emissions Gap Report, 126 países adotaram, anunciaram ou estão considerando planos de emissão líquida zero. Se o novo governo dos EUA entrar na corrida conforme prometido, os países responsáveis ​​por mais de 63% das emissões globais de dióxido de carbono terão se comprometido com a neutralidade de carbono.

Mas, como quem se compromete no primeiro dia de janeiro a correr uma maratona até o final do ano, precisamos dar passos específicos, a partir de agora, para estarmos prontos para a corrida. Esses compromissos devem ser traduzidos urgentemente em políticas e ações fortes e de curto prazo que se integrem a uma recuperação pandêmica de baixo carbono e sejam incluídas em novos e mais fortes NDCs antes da cúpula de novembro. Caso contrário, são promessas vazias.

A energia limpa é fundamental para atingir metas líquidas de zero

O financiamento da adaptação precisa de um impulso

Outra prioridade é ajudar os países e comunidades vulneráveis ​​a lidar com os impactos cada vez maiores das mudanças climáticas. O Adaptation Gap Report do PNUMA, que será publicado nas próximas semanas, mostrará que ainda não estamos levando a adaptação a sério. O financiamento permanece muito abaixo dos níveis exigidos e a maioria das iniciativas ainda deve reduzir os riscos climáticos. Como disse o Secretário-Geral da ONU, precisamos de um compromisso global para destinar metade de todo o financiamento climático global à adaptação antes da COP26.

Este ano, temos uma chance real de evitar uma catástrofe climática. Usando recursos de estímulo com sabedoria para dar início a uma mudança sistêmica real, planejada e monitorada por meio de NDCs mais fortes e compromissos líquidos de zero, poderíamos não apenas atingir a meta de 2 ° C do Acordo de Paris, mas ter uma chance de lutar Meta de 1,5 ° C.

Devemos aproveitar esta oportunidade para proteger nosso clima e natureza e, por sua vez, a saúde humana, a paz e a prosperidade, nas próximas décadas. Pode ser um dos últimos que receberemos.

É hora de alugar, não comprar, eletrônicos?

O lixo eletrônico é um problema crescente. Mas se os fabricantes mantivessem a propriedade de seus produtos e os alugassem para nós, a reciclagem poderia fazer sentido para os negócios.

Laptops, telefones e tablets são lançados em novas e mais chamativas atualizações a cada ano, e os consumidores os absorvem, ansiosos por adquirir os modelos mais recentes e desejáveis com os recursos mais avançados. Mas a cada atualização, modelos mais antigos são acumulados em aterros sanitários em todo o mundo.

Em 2020, geramos um recorde de 53,6 milhões de toneladas métricas de lixo eletrônico, de acordo com o Monitor Global de E-waste da Universidade das Nações Unidas (UNU) – uma instituição acadêmica e de pesquisa da ONU – entre outras organizações. A previsão é que esse montante chegue a 74 milhões de toneladas até o final da década.

Além do grande volume de lixo que se acumula em pilhas de lixo, os eletrônicos geralmente contêm produtos químicos tóxicos, como mercúrio e clorofluorcarbonos, que podem contaminar o meio ambiente.

Apesar da crescente conscientização sobre o problema, poucos desses resíduos estão sendo reciclados.

Tanto as pessoas quanto o meio ambiente sofrem com os impactos negativos do lixo eletrônico

“Embora os consumidores muitas vezes digam ‘Sim, é claro que sou a favor da reciclagem e sim, eu reciclo’, quando você realmente olha para os comportamentos, isso não corresponde às porcentagens que dizem que o fariam”, disse Laura Kelly, diretora do grupo Shaping Sustainable Markets no Instituto Internacional para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (IIED), uma organização de pesquisa independente com sede em Londres.

É por isso que alguns especialistas estão pedindo uma revisão radical do modelo de negócios dos fabricantes de eletrônicos.

“A inovação é muito necessária para reutilizar o máximo possível”, disse Ruediger Kuehr, diretor do Programa de Ciclos Sustentáveis ​​da UNU e um dos autores do Global E-waste Monitor.

Kuehr acredita que precisamos “desmaterializar” os setores eletrônicos – em vez de comprar e possuir a tecnologia mais recente, devemos alugar os dispositivos que usamos, com os fabricantes mudando seu modelo para fornecer um serviço em vez de bens materiais.

Mudando a responsabilidade dos consumidores para os fabricantes
Com os fabricantes mantendo a propriedade de seus produtos, o fardo da reciclagem passaria dos consumidores – que geralmente não sabem a melhor forma de descartar dispositivos antigos – para empresas que reutilizariam materiais e peças para novos produtos.

Muitos produtos eletrônicos ficam rapidamente desatualizados

Em 2019, apenas 17,4% do lixo eletrônico – 9,3 milhões de toneladas – foi formalmente coletado e reciclado, de acordo com o último Monitor de lixo eletrônico. Em grande parte, isso resulta em instalações de reciclagem que operam independentemente dos fabricantes. E como o lixo eletrônico não é problema deles, os próprios fabricantes têm pouco incentivo para projetar produtos com a desmontagem fácil e a recuperação de materiais reutilizáveis ​​em mente.

Os novos dispositivos com invólucros suaves da era espacial costumam ser virtualmente impossíveis de desmontar, o que significa que até os materiais preciosos que eles contêm vão parar em aterros sanitários. E para os fabricantes, quanto mais rápido os descartamos e substituímos, maiores serão seus lucros.

No entanto, para certos produtos, os modelos de leasing já estão provando fazer sentido para os negócios. A empresa japonesa de eletrônicos Canon tem um esquema para alugar grandes impressoras de escritório na Europa, que Kuehr citou como um exemplo de desmaterialização. A Hewlett-Packard e a Xerox oferecem iniciativas semelhantes.

Quando um aluguel termina, a Canon pega de volta a impressora usada, a recondiciona para o próximo cliente ou, se ela não estiver mais em funcionamento, a envia para suas instalações em Giessen, Alemanha, onde é desmontada no chassi. As peças são então reutilizadas no conserto de outras máquinas. Isso permite que a empresa recupere 80% dos materiais em peso, de acordo com o gerente de sustentabilidade da Canon Andy Tomkins.

Natureza,Ambiente,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 00

Bolsonaro anuncia veto à venda de terras a estrangeiros

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai vetar o projeto de lei que facilita a compra e o arrendamento de terra por estrangeiros caso o projeto que trata do assunto, aprovado há duas semanas pelo Senado, passe pela Câmara.
A posição do presidente coincide com a do PT e de ONGs ambientalistas, como o Greenpeace, diversas vezes atacadas pelo presidente. Em transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais, Bolsonaro classificou a proposta como antipatriótica e disse que não deixará o Brasil ser vendido a estrangeiros.
“Você acha justo vender terras aqui para estrangeiros? Se você vender terra para estrangeiro ele nunca mais vai revender para ninguém, vai ser território dele”, afirmou. “Não pode acontecer isso no Brasil. Passou no Senado… vai para a Câmara, se a Câmara aprovar tem o veto meu. Aí o Congresso vai derrubar ou não o veto. Falta patriotismo para nós. Não podemos permitir que o Brasil seja comprado”, emendou.
O projeto do senador Irajá Abreu (PSD-TO) foi aprovado após articulação entre a bancada ruralista e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).
O texto prevê a dispensa de autorização para a compra ou posse de imóveis com áreas de até quinze módulos fiscais por estrangeiros. Cidadãos ou empresas de outra nacionalidade poderão comprar essas áreas rurais até o limite de 25% do território do município. Também terá de ser observada a função social da propriedade.
“Ele [estrangeiro] vai comprar terras e municípios que ele sabe de uma forma ou de outra o que tem no subsolo”, criticou o presidente ainda em sua live. Bolsonaro lançou uma enquete em suas redes sociais sobre o projeto.

A proposta estabelece restrições para terrenos na região da Amazônia e também em áreas de fronteiras – casos em que será necessário aval do Conselho de Defesa Nacional.

Senado aprova projeto que facilita compra de terras por estrangeiros

Onde estamos cinco anos após o Acordo de Paris

Cinco anos após a negociação do Acordo de Paris de 2015, o cientista climático Saleemul Huq diz que vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Desde 2015, o Acordo de Paris tornou-se um símbolo de esperança

Em 12 de dezembro de 2015, o então Ministro das Relações Exteriores da França e Presidente da 21ª Conferência das Partes (COP21) Laurent Fabius martelou o histórico Acordo de Paris sob aplausos estrondosos na sala de conferências.

Tive a sorte de estar naquela câmara naquela noite histórica. Eu fiz parte desse aplauso. Fui testemunha de um momento de última hora que ficou em suspenso durante as duas semanas de negociações intensas.

As emoções estavam em alta na sala de conferências cheia de promessas
Cinco anos depois, o Reino Unido – como presidente entrante da COP26 a ser realizada em novembro de 2021 – convocou uma Cúpula da Ambição do Clima. A ser realizado no quinto aniversário daquela noite memorável, é uma oportunidade para chefes de governo de todo o mundo compartilharem seus planos revisados ​​para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

E esta é uma oportunidade que eles devem levar a sério.

Em dezembro de 2015, os países em desenvolvimento vulneráveis, que ajudo a representar, defenderam fortemente uma meta de temperatura de longo prazo de 1,5 grau Celsius. Nosso apelo encontrou resistência inicial de muitas nações desenvolvidas, o que tornou a inclusão final da meta no Acordo de Paris uma grande conquista para nós.

‘Perda de momentum’

Mas não aconteceu o suficiente nos anos que se seguiram para nos colocar no caminho para atingir a meta. Vimos os Estados Unidos se retirarem do acordo e, embora nenhum outro país tenha seguido o exemplo, ainda assim foi um grande revés para o esforço global de combate às mudanças climáticas.Cientista do clima, Saleemul Huq

A perda geral de ímpeto na última meia década permitiu que as temperaturas subissem mais de 1 grau Celsius acima das médias pré-industriais. Os impactos adversos desse aquecimento planetário estão agora se tornando visíveis em todo o mundo, com incêndios florestais, inundações, secas e furacões afetando vidas e meios de subsistência.

Já vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Um dos principais resultados do Acordo de Paris foi liberar as oportunidades para que atores não governamentais, incluindo prefeitos de cidades, chefes de empresas, grupos da sociedade civil, bem como jovens e até crianças, tomem as ações necessárias, independentemente de seus próprios governos estarem fazendo isso. .

Isso levou a grandes movimentos globais que viram crianças em idade escolar – lideradas por Greta Thunberg – pressionarem seus pais e idosos a tomarem as medidas necessárias.

Furacões e ciclones, mas também secas e inundações estão se tornando cada vez mais frequentes e, em muitos casos, mais graves

O futuro do planeta, entretanto, não pode ser deixado apenas para esses movimentos.

Joe Biden prometeu voltar a aderir ao Acordo de Paris assim que tomar posse como presidente dos Estados Unidos em janeiro de 2021. Mas se quisermos chegar perto da meta de 1,5 grau pela qual lutamos tanto, todos os países precisarão consideravelmente aumentar suas ambições.

E quando a COP26 finalmente acontecer no ano que vem, também deve ser um fórum para abordar a questão do apoio às vítimas de perdas e danos como resultado do aquecimento global. Não fazer isso pode levar ao fracasso do COP.

Saleemul Huq é o diretor do Centro Internacional para Mudanças Climáticas e Desenvolvimento (ICCCAD) em Bangladesh. Ele também assessora o grupo de Países Menos Desenvolvidos (LDC) na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

Enquanto Bolsonaro patina em se aproximar de Biden, oposição brasileira ganha terreno com democratas

Deputada Deb Haaland – Enviado climático e cotada para secretária do novo presidente se aproximaram de lideranças políticas indígenas do Brasil

Se o presidente brasileiro Jair Bolsonaro demorou 38 dias para reconhecer a vitória de Joe Biden à Presidência dos Estados Unidos e patina para estabelecer conexões com os democratas, a oposição ao seu governo no Brasil tem se mostrado mais efetiva em construir pontes com a nova administração, que começará oficialmente no dia 20 de janeiro.

E uma parte importante dessa conexão tem sido operada por meio de lideranças indígenas, com quem Bolsonaro tem acumulado embates.

A última prova disso é o lançamento de uma parceria entre a parlamentar americana democrata Deb Haaland e a deputada federal brasileira Joênia Wapichana (Rede-RR).

Na semana passada, as duas conversaram pelo telefone para coordenar esforços interamericanos para avançar em pautas de respeito aos direitos dos povos nativos e proteção ao meio ambiente nos dois países.

“Continuaremos colocando Bolsonaro na fogueira enquanto ele cometer violações dos direitos humanos, seguir no esforço para destruir a Floresta Amazônica e colocar nosso planeta em risco de um desastre climático ainda maior”, afirmou Haaland em nota enviada à BBC News Brasil.

Entusiasta da gestão do republicano Donald Trump, que tentou sem sucesso a reeleição, Bolsonaro já havia se posicionado publicamente em favor de um segundo mandato para Trump, de quem se disse fã.

Seu filho e deputado federal, Eduardo Bolsonaro, que em 2019 acalentou o desejo de ser embaixador em Washington, fez campanha por Trump em suas redes sociais.

Após a divulgação do resultado do pleito, o Itamaraty mergulhou em silêncio enquanto até duas semanas atrás Bolsonaro dizia ter informações sobre “fraude eleitoral”. Na terça-feira (15), o presidente enviou “saudações” a Biden”, “com meus melhores votos e a esperança de que os EUA sigam sendo “a terra dos livres e o lar dos corajosos”.

E acrescentou: “Estarei pronto a trabalhar com o novo governo e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA”.

Haaland é a primeira mulher indígena a ser eleita para o Congresso americano – Reuters
Haaland: crítica a Bolsonaro e cotada para o gabinete de Biden

O caminho dessa cooperação, no entanto, pode ser acidentado. Isso porque existe uma sincronia de movimentos de atores políticos nos legislativos tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos que dificultam a aproximação.

“A gente tem visto um Itamaraty disfuncional, declinante, com o filho do presidente (Eduardo) como uma eminência parda da política externa. Então outros atores políticos passaram a atuar, como o legislativo brasileiro, que geralmente não têm protagonismo no tema. Do lado do Brasil, vemos uma politização histórica da política externa”, afirma Guilherme Casarões, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas.

“Ao mesmo tempo, pela primeira vez, o Congresso americano mostrou interesse em se aproximar do legislativo brasileiro e a vitória de Biden empoderou esse grupo de deputados democratas que está na Câmara.”

Primeira mulher indígena a ser eleita para o Congresso americano, Haaland é cotada para ser a secretária do Departamento de Interior do presidente-eleito Joe Biden, o que a colocaria no primeiro time da nova administração.

Haaland se tornou uma das principais críticas de Bolsonaro no partido — e na Câmara —, e tem trazido nomes proeminentes da agremiação consigo para as manifestações públicas contra o mandatário brasileiro, como o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. Ela passou a atuar tanto na pressão pública a Bolsonaro, por meio de cartas, quanto na proposição de medidas contra os interesses do governo brasileiro no Congresso americano.

A deputada americana tentou, por exemplo, barrar a aprovação do status do Brasil como aliado militar extra-OTAN, uma das conquistas mais comemoradas pelo Itamaraty sob Bolsonaro.

Nas últimas semanas, ela se empenhava em cortar do Orçamento de Defesa dos EUA a previsão de verba pública para o acordo de salvaguardas tecnológicas entre os países, que deve viabilizar lançamentos de satélites americanos da base de Alcântara, no Maranhão.

Em maio de 2019, pouco depois do anúncio do acordo para uso da base de Alcântara, Haaland conseguiu angariar assinaturas de 54 congressistas americanos para uma carta enviada ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo, na qual alertava para “violações dos direitos humanos de comunidades indígenas e quilombolas no Brasil”.

Meses antes, além de Wapichana, a política americana recebeu no Congresso dos EUA as parlamentares oposicionistas Erika Kokay (PT-DF) e Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

GIOVANNI BELLO/BBC
Wapichana encontrou-se com Haaland no Congresso americano em fevereiro de 2020

Em junho desse ano, voltou à carga com uma carta enviada ao presidente da Câmara brasileira, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em que pedia a derrubada de um projeto de lei que previa ampla regularização fundiária na Amazônia e que acabou batizado pelos críticos de “PL da Grilagem“.

“Entendemos que esse projeto é muito prejudicial para a floresta amazônica, uma vez que legalizará grandes áreas de terras públicas que já foram ocupadas e desmatadas ilegalmente”, escrevia Haaland, na carta assinada por 18 de seus colegas.

No mesmo período, seus colegas da Comissão de Orçamento e Tributos da Câmara enviaram comunicação às autoridades comerciais americanas dizendo que se opunham a qualquer avanço em tratados comerciais com o Brasil de Bolsonaro.

E em dezembro, Haaland assinou com outros 21 colegas um pedido de proteção à deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), em que qualificava as políticas de Bolsonaro como “antidemocráticas e xenófobas”.

“O que estamos fazendo é expor para o mundo as ações do governo Bolsonaro que precisam parar e teremos intercâmbio de relações legislativas intensas”, afirmou à BBC News Brasil a deputada Joênia Wapichana.

Segundo ela, o governo Bolsonaro deveria “ter atuado de forma mais diplomática e menos de acordo com preferência individual” com os democratas. Questionado repetidas vezes sobre o assunto, o embaixador brasileiro em Washington, Nestor Forster, afirma manter bom trânsito nos dois partidos.

John Kerry e os Munduruku

Mas não para por aí. Em outubro de 2020, enquanto a disputa para a Presidência da Casa Branca chegava à reta final, em Washington D.C., a líder indígena Alessandra Korap Munduruku recebia o prêmio Robert F. Kennedy de Direitos Humanos.

Korap ganhou proeminência ao pedir a expulsão de garimpeiros das terras de seu povo, motivo pelo qual passou a ser ameaçada de morte.

A líder tem denunciado que desde a chegada ao poder de Bolsonaro, a situação das populações nativas se deteriorou.

Bolsonaro já se posicionou publicamente a favor do garimpo em terras indígenas, contra a destruição de maquinário usado por madeireiros para derrubar ilegalmente a floresta na Amazônia e, durante a campanha, prometeu que não demarcaria mais nem “um centímetro quadrado” de área para essas populações.SUSANA VERA/REUTERS
Kerry foi Secretário de Estado dos Estados Unidos entre 2013 e 2017

No evento de homenagem a Korap, coube a John Kerry, recém-nomeado por Biden como enviado especial de mudanças climáticas para o Conselho Nacional de Segurança, fazer o principal discurso da noite. Ali, ele disse à Korap que se comprometia a lutar a seu lado.

“O povo Munduruku no Brasil é guerreiro de muitas formas diferentes. Tem resistido ativamente à pressão constante, violenta, ilegal e, às vezes, patrocinada pelo Estado, de madeireiros e mineradores para explorar suas terras. Alessandra, você falou e continua a falar a verdade ao poder. E é extraordinária a maneira como você luta pelos pulmões do planeta, a maneira como você luta para proteger nossa terra e por todos os bens comuns que precisamos nos esforçar para salvar”, disse Kerry, responsável pela formulação das propostas para meio ambiente da campanha de Biden.

Naquele mesmo mês, o democrata surpreendeu o governo brasileiro ao citar o desmatamento na Amazônia como um exemplo de como mudaria sua liderança global em relação à gestão Trump durante um debate televisivo entre os candidatos.

Ao anunciar que pretendia criar um fundo para a preservação do Bioma, Biden afirmou: “Aqui estão US$ 20 bilhões, pare de destruir a floresta. E se não parar, vai enfrentar consequências econômicas significativas”. A fala foi vista pelo governo Bolsonaro como uma ameaça à soberania do país.

O poder da oposição americana a Bolsonaro

Para Casarões, é difícil dimensionar o poder desse grupo de deputados democratas, no qual Haaland é uma liderança. Isso porque, diferente do Brasil, o presidente americano depende essencialmente do legislativo para aprovar medidas centrais e por enquanto a Câmara é a única das duas casas que os democratas controlam por enquanto — a maioria no Senado para o próximo ano ainda está indefinida.

Considerado um moderado e centrista entre os Democratas, Biden terá que fazer concessões à ala mais à esquerda do partido para poder governar.

E um tema no qual seria mais fácil chegar a um consenso é justamente a agenda ambiental, na qual Bolsonaro é visto como um antagonista claro para o partido. Biden já anunciou, por exemplo, que recolocará os EUA no Acordo de Paris, de onde Trump retirou o país, em um movimento que Bolsonaro admitiu ter vontade de copiar.

ADRIANO MACHADO/REUTERS
Bolsonaro tem relação conflituosa com povos indígenas

No final de novembro, dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostraram que a Amazônia brasileira perdeu mais de 11 mil quilômetros quadrados de área de floresta no período entre agosto de 2019 e julho de 2020.

É o maior desmatamento registrado nos últimos 12 anos. Nesta quarta, dia 16, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo de países do qual o Brasil quer se tornar membro, divulgou relatório em que aponta que o Brasil tem falhado em coibir a devastação ambiental.

“As discussões políticas enviaram sinais contraditórios sobre o compromisso (do governo) com a estrutura de proteção ambiental existente”, afirma o relatório, que exorta o governo a aumentar o orçamento para a fiscalização.

Reservadamente, democratas afirmam não ver condições de interlocução nesses temas com o chanceler Ernesto Araújo, que, em setembro de 2019, deu uma palestra em um think tank conservador na capital americana no qual questionava premissas científicas do aquecimento global.

“O negacionismo climático que uniu Bolsonaro a Trump simplesmente não funcionará com Biden, que priorizará ações climáticas globais ambiciosas, incluindo a proteção da floresta Amazônica. O problema não é apenas dos ministros atuais e seus discursos públicos, mas as políticas destrutivas do governo Bolsonaro no assunto continuarão a isolar o Brasil de governos e investidores internacionais”, afirma Andrew Miller, um dos diretores da organização ambiental Amazon Watch.

BBC

Fatos & Fotos – 10/012/2020

Da série 15 razões para preferir jogar golfe


As ilustrações luminosas de
Tang Yau Hoong


O que desabou sobre os infelicitados habitantes de Southern Banânia, faz um estrago que nem o meteoro conseguiria. O brasileiro está impedido de entrar em vários países devido ao Covid. O  dólar explodiu encarecendo as viagens internacionais. E Alexandre Gracinha, ops!,Garcia, sustenta que a mudança do turismo, do mercado externo para o interno, foi fruto do trabalho do presidente da Embratur. O da sanfona.

O bolsonarismo redescobriu que, no Brasil, de nada adianta o racionalismo na política. Sua base está fincada nos instintos arcaicos encontrados nas sociedades de sapiens primitivos. Suas palavras chave são medo & ódio.


Pintura de Marc Chagall
L’écuyère en blanc,1941


O caso de Bolsonaro não é caso de impeachment, mas de insuficiência mental. Já houve precedência na história da Repúclica


A arte e a arte de Artur Bispo do Rosário


Design – Estantes


O plano de Bolsonaro para a vacinação contra a Covid nunca existiu. O Governo(?) primeiro mentiu e depois admitiu que não tem plano contra efeitos econômicos e sanitários do coronavírus.

O plano de Bolsonaro para a vacinação nunca existiu


Seul Coreia – Residência
Apartamento – Lab Architects



Foto do dia – Ballet – Tumblr
Agripina Yakovlevna Vaganova


Esse senhor que nos (des)governa, não é apenas asqueroso, porque asquerosas também são as hienas, mas elas não são antropófagas e cumprem seu papel no meio ambiente. Este senhor é repulsivo e repugnante, representa o que há de mais ojerizante na humanidade. Nem Hitler riu de suas vítimas publicamente.


Pintura de Isaac Levitan
Work through 1892 – Óleo s/cartão,12 x17cm


“O pior canalha que este país já produziu.”

João Ximenes Braga

Como juiz federal, Sérgio Fernando Moro, o mais célebre cidadão maringaense, destruiu a indústria da construção civil no Brasil, além da cadeia de óleo e gás. Levou à falência, numa tacada, as principais multinacionais brasileiras, entre elas a Odebrecht, que atuava em diversos países da América Latina e da África. Nisso, ele destruiu a economia do Rio de Janeiro. Muito se fala de Cabral. Nada, Cabral roubou. Quem destruiu os pilares da Economia do Rio de Janeiro foi Moro.

Os moradores de rua que transformaram o Centro da cidade num grande campo de concentração de desvalidos? Na conta do Moro.
E o que faz o Sérgio Fernando agora? Vai se alimentar da carniça do animal abatido. Foi contratado por uma empresa americana de consultoria, Alvarez & Marsal, que cuida, vejam bem vocês, que administra a falência… da Odebrecht!

Não é lindo isso? Não dá vontade de fazer cuti cuti na bochecha do Merval?
Depois de dar de bandeja a presidência ao sacolé de pus e virar seu ministro, agora ele vai ganhar um troco sugando as tripas da multinacional que ele mesmo destruiu, enquanto sua patroa promove um livro que destaca na capa “Moro X Lula”.

Não tem pra Lacerda. Não tem pra Toninho Malvadeza. Não tem pra Temer. Não tem pra Collor. Não tem nem pra Bolsonaro.
Sérgio Fernando Moro é o pior canalha que este país já produziu.


A pintura de Edvard Munch

Young Woman on the Beach,1896

Edvard Munch
Mother and Daughter,1897

Paesaggio marino,1918


Lixo plástico aumenta na pandemia e reciclagem do material diminui no Brasil

A pandemia de Covid-19 fez com que o consumo de plástico aumentasse, seja pela facilidade do delivery quanto pela necessidade do uso de materiais hospitalares como máscaras e luvas

Em contrapartida, a reciclagem de plástico no Brasil diminuiu e um dos motivos é a proibição dos mutirões de limpeza.

Consumo de plástico aumenta na pandemia

Um estudo realizado pela Fundação Heinrich Böll aponta que o Brasil recicla apenas 1,28% do lixo plástico que é consumido no país. Desse percentual, cerca de 90 a 170 mil toneladas de plástico vão parar no oceano, agravando ainda mais os problemas ambientais.

O Plano Nacional de Combate ao Lixo do Mar, criado em abril de 2019, está parado desde março devido à pandemia e os R$ 40 milhões destinados para ele ainda não foram desembolsados, pelo mesmo motivo.

Segundo informações das autoridades envolvidas, ainda não há previsão para o retorno das atividades de limpeza das praias.

Reciclagem de plástico no Brasil

De todo o lixo que é produzido no Brasil, cerca de 13,5% é plástico e desse percentual, apenas 1,28% é reciclado. Isso ocorre porque a maioria dos brasileiros (75%) não separa o lixo orgânico dos demais, segundo dados extraídos de uma publicação da BBC News Brasil.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos, foi criada em 2010 com o objetivo de reduzir o impacto dos resíduos sólidos no meio ambiente. No entanto, alguns fatores como a dupla tributação e a falta de incentivo à reciclagem no país, levou o plano ao fracasso, dez anos depois.

A Abiplast (Associação Brasileira da Indústria do Plástico) aponta que os principais motivos para o baixo índice de reciclagem no país são:

  1. o descarte inadequado,
  2. a falta de coleta seletiva,
  3. a baixa infraestrutura para reciclagem e
  4. as dimensões continentais que tornam a reciclagem inviável em algumas regiões.

Contudo, o Ministério do Meio Ambiente anunciou que alguns projetos saíram do papel em 2019, como por exemplo o Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos (SINIR). Esse instrumento comporta medidas de apoio a municípios e consórcios e sistemas de logística reversa para setores de eletroeletrônicos, baterias automotivas de chumbo e medicamentos.

A Abiplast elogia a iniciativa, mas lembra que ainda há muito o que ser feito. A responsabilidade de fazer a reciclagem do plástico acontecer deve ser compartilhada com todos os envolvidos: Indústria, Executivo, Ministério Público, Estado e, principalmente, consumidores.

Em paralelo à Política Nacional de Resíduos Sólidos está o Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar, citado anteriormente. Este plano foi desenvolvido com o intuito de incentivar a redução do consumo e da produção de plástico, bem como de banir o uso de plásticos descartáveis (de uso único).

Contudo, o problema não está no uso do plástico em si, mas sim na conscientização das pessoas sobre a importância dele e essa é a verdadeira raiz do problema. Reduzir o consumo do que não é reciclável e reaproveitar o que é, são a chave para diminuir a poluição do planeta, seja por plástico ou qualquer outro resíduo produzido por cada um de nós diariamente.

Mas a culpa não pode recair somente sobre o consumidor final. Governos devem incentivar o desenvolvimento e uso de materiais sustentáveis que substituam o plástico. Ideias não faltam.

Jornalista ambientais enfrentam ameaças mortais e intimidações

Shubham Mani Tripathi, repórter de jornal da Índia, morto a tiros em junho de 2020 por expor a mineração ilegal de areia.

Seas Efigenia Vasquez, Astudillo, repórter de rádio do México, atingido e morto por um projétil em outubro de 2017 enquanto cobria confrontos entre a comunidade indígena e a polícia local. Joseph Oduha, jornalista do Sudão do Sul, fugiu do país em 2019 após prisão e tortura por descobrir a destruição ambiental por companhias internacionais de petróleo.

Essas são apenas três das pessoas destacadas pela Repórteres sem Fronteiras (RSF). De acordo com o grupo de liberdade de imprensa, pelo menos 20 jornalistas morreram na última década como resultado de suas reportagens sobre casos de destruição ambiental.

Comunidades indígenas ameaçadas

Jornalistas ambientais na Europa também enfrentam intimidação e assédio, disse o porta-voz da RSF Johann Dreyer, apontando para casos relacionados à destruição da floresta Hambach no noroeste da Alemanha ou práticas agrícolas insustentáveis ​​na Bretanha, França. Mas a maioria desses ataques, mais de 65%, são registrados na Ásia e nas Américas.

“Esses casos existem nos lugares onde a matéria-prima está sendo minerada ou onde a terra está sendo confiscada para a agricultura, em países onde o governo está do lado da indústria”, disse Dreyer.

É nessas áreas, onde as comunidades indígenas geralmente vivem em meio a recursos naturais inexplorados e florestas intocadas, onde os jornalistas locais geralmente são os primeiros a noticiar os conflitos. Freqüentemente, eles são os únicos na cena.

Mais: ‘É uma época incrivelmente perigosa para ser jornalista’

“Em alguns países latino-americanos, a mídia tradicional dominante é fortemente controlada pela elite econômica e política”, disse Dreyer. “Freqüentemente, eles evitam reportagens críticas sobre questões ambientais porque vão de encontro aos seus interesses”. Como resultado, quando a mídia local decide dar uma olhada mais de perto, eles são colocados sob extrema pressão, acrescentou.

Jornalistas locais sob pressão

O trabalho dos jornalistas locais é extremamente importante para as comunidades indígenas, disse Kathrin Wessendorf, chefe do Grupo de Trabalho Internacional para Assuntos Indígenas (IWGIA). “Cada comunidade tem seu próprio idioma espanhol, e apenas os repórteres da comunidade podem fazer reportagens sobre esse idioma”, disse ela à DW. “Eles também sabem a melhor forma de abordar a comunidade para divulgar a mensagem.”

Patricia Gualinga, que luta pelos direitos indígenas no Equador, disse à DW que as grandes redes nacionais de mídia costumam ser lentas em reportar sobre questões ambientais e de direitos humanos. “É realmente muito difícil conseguir cobertura na TV. E se um problema não é divulgado pela mídia, ele não existe”, disse ela.

Patricia Gualinga (foto no topo) luta contra projetos de perfuração de petróleo no Equador há anos

Gualinga pertence aos grupos indígenas Sarayaku que, em 2002, processaram o Estado do Equador na Corte Interamericana de Direitos Humanos por dar luz verde a empreendimentos de perfuração de petróleo em suas terras sem consultá-los. Inúmeras tentativas de intimidar o grupo foram feitas durante o processo – principalmente contra Gualinga, que representou os Sarayaku na Justiça. Mas em 2012, os juízes decidiram a seu favor e concederam à comunidade US $ 1,3 milhão (€ 1,1 milhão) em danos.

A violência contra ativistas ambientais aumentou significativamente nos últimos anos, conforme mostrado em um relatório divulgado pela organização ambiental e de direitos humanos Global Witness em julho. De acordo com a Global Witness, 212 ambientalistas foram assassinados em todo o mundo em 2019 – o maior número que o grupo já registrou em um único ano.

A cobertura da mídia oferece proteção

O jornalismo é necessário para trazer esses crimes à luz, disse Wessendorf, acrescentando que a mídia internacional tem uma responsabilidade particularmente importante.

“Os jornalistas podem levar as violações dos direitos humanos frequentemente associadas à destruição ambiental à atenção do público em geral”, disse ela. “Isso, por sua vez, pode levar à solidariedade internacional e pressionar governos ou empresas”.

Leia mais países mortais para defensores ambientais 5

A cobertura da mídia sobre os grandes incêndios na região amazônica, em 2019 e 2020, por exemplo, trouxe o assunto para uma audiência global, destacando a prática destrutiva da agricultura de corte e queima e o tratamento dos povos indígenas. Isso levou ao apoio de muitas campanhas internacionais.

“A solidariedade internacional é muito importante para a população local”, disse Gualinga. “Quando eles percebem que não estão mais sozinhos, que são visíveis e apoiados por outras pessoas, isso também ajuda a aliviar o medo.”

Documentando violência e intimidação através das fronteiras
Gualinga e outros profissionais da mídia da América Latina discutiram o papel do jornalismo na luta pela proteção ambiental e pelos direitos humanos durante um recente painel de discussão no Global Media Forum da DW. Andres Bermudez também participou lievan, um jornalista colombiano e um dos editores da resistência Tierra (“Terra da resistência”). O projeto de jornalismo investigativo, disponível em inglês, espanhol e português, foi lançado pela Associação de Jornalistas da Colômbia, Consejo de redacción, com o apoio da DW Akademie.

No projeto, jornalistas de 10 países diferentes documentaram o destino de centenas de ativistas ambientais na América Latina que foram ameaçados e mortos por seu trabalho. Quase 2.400 casos foram compilados até o momento, com alguns agora assumidos por organizações da ONU.

Sinal de Fumaça: Jornalistas lançam monitor de ataques à política socioambiental no Brasil

Foto: Araquém Alcântara

Há dois anos, Jair Bolsonaro foi eleito presidente da República com uma campanha de ameaça a ativistas, proposta de fusão do Ministério da Agricultura com o do Meio Ambiente e recusa em demarcar terras indígenas, entre outras promessas desastrosas do ponto de vista socioambiental.

Entendendo que tais ameaças não eram falas isoladas do presidente mas parte de uma estratégia de consolidação de seu projeto político, um time de comunicadores independentes se uniu para acompanhar como as ações e omissões do governo federal na área socioambiental estão relacionadas entre si. A partir da pesquisa de cerca de 800 conteúdos e textos sobre o tema, foi criado o Sinal de Fumaça – Monitor Socioambiental, uma linha do tempo interativa com foco na atuação do poder público e respostas da sociedade civil nesta área.

Bilíngue e de utilidade pública, o Sinal de Fumaça – Monitor Socioambiental registra fatos e movimentos relacionados às políticas socioambientais brasileiras e já nasce com mais de 220 textos que narram os principais eventos desde outubro de 2018. A curadoria de conteúdo é feita a partir de notícias publicadas em portais confiáveis da imprensa nacional e internacional, canais oficiais do governo na internet, sites de ONGs e movimentos sociais, além de publicações do Diário Oficial; o monitoramento é contínuo e a atualização da linha do tempo é semanal.

Com objetivo de oferecer ao público uma visão geral sistemática que dê transparência à crise socioambiental no Brasil, a plataforma possibilita ao usuário personalizar a linha do tempo com a seleção de editorias, temas e personagens para aprofundar a compreensão sobre fatos e consequências em assuntos específicos.

“As conquistas e direitos socioambientais garantidos pela Constituição de 1988 estão ameaçados e sendo desmantelados em tempo recorde pelo governo Bolsonaro”, explica Rebeca Lerer, jornalista, ativista de direitos humanos e coordenadora do Sinal de Fumaça. “A crise ecológica brasileira obviamente é bem anterior a 2018, mas nosso monitoramento mostra que o atual governo tem agido de forma sistemática e sem precedentes para acelerar o desmonte da estrutura de proteção e desenvolvimento socioambiental no país. As tais reformas infralegais começaram no primeiro dia da gestão Bolsonaro, bem antes do ministro Ricardo Salles verbalizar sua “boiada” na reunião ministerial de abril de 2020″, completa Rebeca.

Sem a pretensão de cobrir todo o noticiário socioambiental, a ferramenta visa servir conteúdo selecionado a pesquisadores, jornalistas, ambientalistas, ativistas, estudantes, economistas, investidores, assessores parlamentares, organizações não-governamentais, coletivos e movimentos sociais na consulta dos temas de seu interesse. Apresentando os resultados deste monitoramento de maneira categorizada desde outubro de 2018, o Sinal de Fumaça ainda atua como eficiente espaço de preservação de memória dos fatos e combate a fake news.

Sinal de fumaça – monitor socioambiental é uma realização da Agência Lema, sob a coordenação geral da jornalista e ativista de direitos humanos Rebeca Lerer, a redatora Julia Alves e o editor bilíngue Pedro Nogueira

Fatos & Fotos do dia 22/11/2020

Árvores amazônicas estão vivendo menos, diz estudo.Amazônia,Brasil,Blog do Mesquita

Pesquisadores constatam círculo vicioso na região, impulsionado pelo aquecimento global, que estaria privilegiando árvores que morrem mais jovens. Quanto mais cedo elas desaparecem, menor o papel na absorção de carbono.


Quando um excremento não tem vergonha na cara, ele faz esse tipo de coisa.


Pintura de Yuki Kodaira


“Cês” querem entender o tamanho do buraco onde nos enfiaram?
O vice-presidente da República, General Hamilton Mourão, ainda se refere às pessoas negras como “pessoas de cor”


Foto do dia – Gary Hoffman


Postado por Louis Hamilton na conta dele no Twitter. Um campeão muito além das pistas.


O vice-presidente errou ao afirmar que não há racismo no Brasil. Se João Alberto fosse ariano, certamente o espancamento não teria ido até a morte, pode-se supor.

O que Mourão deveria dizer é que no Brasil há menos racismo embora a imensa maioria da população tem “um pé na senzala”, como se definiu o moreno Fernando Henrique Cardoso, que não é racista e inclusive tem um filho adulterino com uma bela negra, que trabalhava em sua casa como doméstica. Jamais reconheceu o filho, mas garantiu o sustento dele, deu dois pequenos apartamentos à mãe e empregos ao dois, que trabalham no Senado. O próprio Mourão também tem um pé na senzala, nota-se à primeira vista.

Mas nada disso justifica a morte do freguês do Carrefour.

Aqui no Brasil há racismo, sim. O que falta é civilização, que também falta ao mundo inteiro. É como dizia o historiador britânico Kenneth Clark: “Civilização? Sei bem o que é, mas nunca encontrei nenhuma. Se algum dia encontrar, saberei reconhecê-la”.

Por fim, a melhor maneira de os franceses do Carrefour se livrarem do problema é fazer racismo ao contrário e só contratar negros para os serviços de segurança. É muito triste chegar a essa conclusão num país que acha não ser racista.


O esgoto que abriga a imprensa brasileira é um espanto.

João Alberto não “morreu”, seus jornalistas de “zerda!”
Ele FOI MORTO – não gosto de usar textos em caixa alta, contudo, muitas vezes é inevitável.
Quando o jornalismo opta por uma conjugação verbal, em detrimento de outra, escolhe como contar a história conforme a ótica do dono do órgão de imprensa, ou, na maioria das vezes é puro mau caratismo servil, do autor do texto. O que andam ensinando nos cursos de jornalismo, ou o que estão colocando na água que eles bebem?


Sorte dos racistas e negacionistas – alô Mourão! – é que os negros somente querem igualdade, pois se quisessem vingança, a história seria outra.


Agenda ambiental de Biden deve aumentar importânciageopolítica da América do Sul.

Meta de zerar emissões nos EUA até 2050 deve impulsionar interesse nas reservas de Argentina, Bolívia e Chile de lítio, usado em baterias, e em energias renováveis do Brasil.


No Brasil, protestar contra um assassinato, racista e brutal, quebrando vidraças do supermercado Carrefour responsável por essa barbárie, é “vandalismo”.

Mas matar um negro à cada vinte e três minutos é “abordagem exagerada”. O excretíssimo governador – não cito o nome do indigente mental por salvaguardas jurídicas – e que urra tal absurdo, entre uma garfada e outra de alfafa estragada, não merece atenuantes nessa loucura fascista compartilhada “pelaszelites” que têm apartamento financiado em 30 anos, “carrão” pendurado na financeira, salário de R$10mil e pensa que é rica.


“Não existe racismo no Brasil”. General  Hamilton  Mourão. Racismo existe sim, general. O que não existe no Brasil é governo.
O que pensar de um cidadão desse tipo que excreta uma aberração dessa e que chama negros de “pessoas de cor?”
Reafirmo: é urgente que as FFAA reavaliem os critérios usados para promover o acesso de oficiais ao generalato.


Essa pustema é o homofóbico protoditador da Rússia, o ultra escroto Vladimir Putin, que, agora após a derrota do ultraextremista Donald “The Tramp” Trump é o novo parça do Verme que infesta a Taba dos Tapuias. Que falta faz o meteoro.
Ps1. Essa ilustração aí do genocida da ex(?)- KGB, está proibida de ser publicada na Rússia.