Boeing,Blog do Mesquita,737 Max

Boeing 737 MAX: A decisão ‘sem precedentes’ da gigante da aviação de parar a produção do modelo problemático

Boeing 737 Max

Direito de imagem GETTY IMAGES
A Boeing deixará de fabricar em janeiro o modelo 737 Max

A americana Boeing decidiu suspender em janeiro a fabricação de seu problemático avião 737 Max.

A produção da aeronave havia sido mantida mesmo durante o período de nove meses em que o modelo foi proibido de voar em razão de dois acidentes fatais em 2018 e 2019.

Mais de 300 pessoas morreram na queda de 737 Max na Indonésia e na Etiópia, em decorrência de problemas de fabricação da aeronave.

A Boeing esperava que os aviões voltassem a voar no fim deste ano, mas autoridades reguladoras dos Estados Unidos deixaram claro que não iriam avalizar tão cedo esse retorno.

A companhia americana, uma das maiores exportadoras do país, afirmou em comunicado que não vai demitir os funcionários ligados à fabricação do 737 Max, mas a paralisação deve afetar sua cadeia produtiva e a economia como um todo.

“A retomada com segurança do 737 Max é nossa principal prioridade”, disse a empresa.

“Nós sabemos que o processo de aprovação do retorno do 737 Max à operação, e a definição dos treinamentos necessários, deve ser algo extraordinariamente preciso e robusto, para assegurar que nossos reguladores, clientes e passageiros confiem nas melhorias do 737 Max.”

Riscos conhecidos

Em uma audiência no Congresso americano na semana passada, foi divulgado que as autoridades reguladoras dos EUA estavam cientes dos riscos de novos acidentes depois que um 737 Max caiu na Indonésia em outubro de 2018.

Uma análise da agência de aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês) apontou que poderia haver mais de uma dezena de acidentes ao longo do tempo de vida da aeronave caso não fossem feitas mudanças no equipamento.

Local do acidente com voo da Ethiopian AirlinesDireito de imagem REUTERS
157 pessoas morreram no voo ET 302 da Ethiopian Airlines em 2019

Ainda assim, os 737 Max só foram proibidos de voar depois do segundo acidente, na Etiópia, em março de 2019.

A Boeing está remodelando seu sistema automatizado de controle, apontado como principal causa das quedas.

A fabricante afirmou que tem 400 unidades do 737 Max em suas instalações e focará a entrega deles para seus clientes.

O Boeing 737 MAX 8 foi a aeronave que a empresa vendeu mais rapidamente em sua história.

Ainda que diversas companhias aéreas ao redor do mundo tenham mantido suas encomendadas, as entregas foram suspensas enquanto os engenheiros da Boeing resolvem os problemas técnicos do modelo.

O especialista na indústria turística Henry Harteveldt afirmou que a decisão de suspender a produção não tem precedentes e que terá um impacto enorme na Boeing, em seus fornecedores e nas companhias aéreas.

“Isso vai criar um caos para as companhias áreas, as mais de 600 empresas da cadeia produtiva do 737 Max e para a Boeing como um todo.”

A suspensão do 737 Max já custou à Boeing mais de US$ 9 bilhões (cerca de R$ 37 bilhões). As ações da empresa caíram mais de 4% em meio a especulações de que a companhia anunciaria a suspensão da produção.

Aviões Boeing 737 MaxDireito de imagem REUTERS
Todas as aeronaves 737 Max estão proibidas de voar

Impacto na cadeia de suprimentos

Estima-se que a suspensão da produção atinja toda a cadeia de suprimentos global do 737 Max.

Richard Aboulafia, analista de aviação do Teal Group, classificou as opções da Boeing para gerenciar o forte impacto em seus fornecedores como “de mal a pior”.

Para ele, a fabricante de aviões poderia permitir que seus fornecedores fossem atingidos ou poderia pagar para que eles estivessem a postos para quando o 737 Max for finalmente liberado para voar.

Alguns fornecedores, como a fabricante de fuselagens Spirit Aerosystems, são altamente dependentes do modelo da Boeing — quase 50% da receita da empresa está ligada a essa operação.

Até o momento, a Spirit Aerosystems disse apenas que está “trabalhando em estreita colaboração” com a Boeing para determinar qual o impacto da suspensão da produção.

É improvável que o movimento da Boeing afete também os passageiros, já que as companhias aéreas alugaram aeronaves adicionais para substituir o 737 Max.

Mas agora é um novo capítulo para as companhias aéreas, que têm a despesa adicional de alugar aviões e gerenciar suas aeronaves “presas em solo”.

As operadoras americanas contam com as maiores frotas do 737 Max, embora o modelo seja usado por companhias aéreas em todo o mundo.

“As companhias aéreas chinesas também seriam bastante afetadas”, estima Shukor Yusof, analista de aviação da Endau Analytics.

Boeing 737 Max-8Direito de imagem AFP
Boeing 737 MAX 8 que caiu entrou na frota da Ethiopian Airlines em 2018

De fato, as três maiores companhias aéreas da China estavam entre as primeiras a pressionar a Boeing por compensação pelos aviões proibidos de voar.

Em julho, a Boeing reservou quase US$ 5 bilhões (quase R$ 20 bilhões) para compensar as companhias aéreas que não receberam suas aeronaves ou não puderam usar as que já possuíam.

No entanto, essa cifra foi baseada na hipótese de que o 737 Max retornaria ao ar até o final de 2019.

Resta saber agora qual será o impacto total da suspensão da fabricação.

Qual foi a falha detectada no 737 Max?

O Boeing 737 MAX é uma versão atualizada do 737 que está em uso comercial desde o ano de 2017.

Uma diferença em relação ao modelo anterior é o software conectado à leitura do “ângulo de ataque”, ligado a um software criado para ajudar os pilotos a manter a aeronave na posição adequada às condições de voo.

O software de controle de voo é um sistema chamado MCAS (Sistema de Aumento de Características de Manobra). Foi desenvolvido pela Boeing especificamente para o 737 MAX 8 e o MAX 9.

A Boeing explica que o software “não controla a aeronave em voos normais”, mas “melhora parte de seu comportamento em condições operacionais não normais”.

SoftwareDireito de imagem GETTY IMAGES
Dois pilotos americanos relataram em um documento oficial que tiveram problemas semelhantes aos que voo indonésio teria sofrido

Por causa do posicionamento dos motores nas asas — mais alto e distante da fuselagem — o modelo teria uma tendência a se inclinar para o alto sob determinadas condições, aumentando as chances de uma estolagem (perda de sustentação aerodinâmica) da aeronave.

Quando o MCAS detecta que o avião está subindo em um ângulo vertical demais sem a velocidade necessária — uma cenário propício para uma estolagem — ele move o estabilizador horizontal na cauda para levar o nariz (do avião) para baixo.

Os investigadores do acidente na Indonésia descobriram que o MCAS entrou em modo ativo quando não deveria, que uma falha no sensor de ângulo de ataque ativou o sistema antiestolagem, levando o nariz do avião a se inclinar para o chão.

Além disso, segundo um banco de dados do governo sobre incidentes de aviação (ao qual o The New York Times teve acesso), pelo menos dois pilotos que operaram aviões MAX 8 da Boeing 737 nos Estados Unidos expressaram preocupação em novembro sobre como o nariz da aeronave de repente se inclinou para baixo depois de ativar o piloto automático.

Em ambos os casos, os comandantes disseram que conseguiram recuperar o controle da aeronave depois de desativar o piloto automático. Um dos pilotos diz que a descida começou dois ou três segundos após a ativação do piloto automático.

Depois dos acidentes, a empesa afirmou que estava “trabalhando em estreita colaboração com a FAA no desenvolvimento, planejamento e certificação de melhoria de software e será aplicado na frota de 737 MAX”

Os interiores cósmicos da arquiteta soviética Galina Balachova

Em junho de 2015, o Museu Alemão de Arquitetura (Deutsches Architekturmuseum), em Frankfurt, apresentou uma exposição dedicada a uma arquiteta russa. Suas obras, porém, não podem ser encontradas pelas ruas de quaisquer cidades.

Aos 88 anos, na atualidade, Galina Balachova mora na Rússia. Mas, nos últimos anos, suas principais exposições foram organizadas na Alemanha, e pouquíssimas se realizaram em sua terra natal, a Rússia, onde seu trabalho ainda é pouco conhecido.

Galina era uma arquiteta soviética secreta, e foi uma das primeiras no mundo a projetar interiores de espaçonaves. / Galina Balachova em um modelo de nave espacial.

Na exposição “Design para o programa espacial soviético”, no Museu Alemão de Arquitetura, por exemplo, o foco foram as obras de Galina. Foram expostos modelos de naves espaciais, fotos, esboços, rascunhos e desenhos em aquarela.

Galina trabalhou na concepção de interiores de naves soviéticas fazendo todos os cálculos técnicos sem se basear nas obras de seus predecessores. / Projeto da estação espacial Mir.

As obras de Galina foram impressas em uma monografia intitulada “Galina Balachova: Arquiteta do Programa Espacial Soviético”. Entre elas, há planos e desenhos de engenharia para as cápsulas Soiuz e as estações espaciais Saliut e Mir. / Esboço de um módulo habitável para a nave Soiuz-M.

Projeto da espaçonave Soiuz. Os esboços de Balachova eram frequentemente assinados, apesar de serem secretos.

Um esboço do interior da estação espacial Mir. As diferentes zonas coloridas permitem aos cosmonautas determinar facilmente onde estão o teto e o chão na ausência de peso.

Boeing,Embraer,Brasil,Blog do Mesquita

União Europeia abre investigação sobre acordo Embraer-Boeing

Comissão Europeia analisa se fusão pode ameaçar competição no setor e tem 90 dias para apresentar um parecer. Acordo prevê criação de uma nova empresa de aviação comercial, com 80% de participação da gigante americana.    

Avião da EmbraerBoeing vai comprar área de aviação civil da brasileira

A Comissão Europeia anunciou nesta sexta-feira (04/10) que abriu uma investigação aprofundada sobre o acordo da parceria entre a Embraer e a gigante americana Boeing devido a uma possível ameaça à competição nos preços e desenvolvimentos de produtos no setor da aviação.

O acordo em andamento entre as duas companhias prevê a criação de uma nova empresa – uma joint venture, no termo do mercado –, na qual a Boeing deterá 80% de participação, e a Embraer, 20%. Por isso, a americana pagará 4,2 bilhões de dólares à brasileira.

A nova empresa é avaliada em 5,26 bilhões de dólares. Caberá à Boeing o controle da atividade comercial, não absorvendo as atividades relacionadas a aeronaves para segurança nacional e jatos executivos, que devem continuar somente com a Embraer.

Segundo a Comissão Europeia, o acordo pode reduzir potencialmente o número de concorrentes num mercado global já concentrado e poderia dificultar a entrada de novos participantes no mercado, como os da China, Japão e Rússia.

“Os mercados de aeronaves comerciais precisam funcionar bem para fornecer produtos inovadores e eficientes a um preço justo”, destacou Margrethe Vestager, comissária de Concorrência da União Europeia (UE).

O órgão executivo do bloco destaca ainda que atualmente a Embraer e a Boeing são concorrentes em alguns setores da aviação comercial. A comissão tem agora 90 dias para analisar a fusão das empresas, que podem fazer concessões se houver um impasse sobre o caso.

A Comissão Europeia pode abrir investigações sobre empresas com um volume de negócios que ultrapassa um determinado limite, se considerar que a fusão delas representa uma ameaça ao Espaço Econômico Europeu. A maioria das fusões é aprovada sem problemas. Aquelas que podem trazer risco, porém, passam por uma investigação aprofundada.

O acordo entre as empresas foi acertado no final do ano passado. Na quinta-feira, a Embraer e a Boeing divulgaram um comunicado afirmando que aguardavam a aprovação dos órgãos reguladores da Comissão Europeia. “As empresas esperam que a transação seja concluída no início de 2020”, destacaram.

Os acionistas da Embraer aprovaram em fevereiro a venda do controle da sua divisão comercial à Boeing para a criação de uma nova empresa. O acordo já foi aprovado também pela Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos e aguarda a palavra final dos europeus.

A  joint venture criada para a fabricação de aviões comerciais, que deve absorver toda a operação atual da Embraer voltada para esse segmento, deve gerar uma sinergia anual de custos de cerca de 150 milhões de dólares – sem considerar os impostos – até o terceiro ano de operação.

As empresas também chegaram a um acordo sobre os termos de uma segunda joint venture para promover o desenvolvimento de novos mercados para o avião militar multimissão KC-390. De acordo com a parceria proposta, a Embraer terá 51% da participação, e a Boeing ficará com os restantes 49%.

A Embraer foi privatizada em 1994, mas o governo brasileiro detém uma ação especial chamada golden share que permite vetar quaisquer negócios firmados pela empresa. A empresa é a fabricante líder mundial de aeronaves comerciais com até 150 assentos e tem mais de 100 clientes em todo o mundo.

Nem a Via Láctea é plana

A Via LácteaDireito de imagem OGLE/ UNIVERSIDADE DE VARSÓVIA
Uma nova visão da Via Láctea: torta nas bordas

Nossa galáxia, a Via Láctea, é “torta” e “retorcida”, e não plana como se pensava anteriormente. A conclusão é de um estudo publicado na prestigiada revista Science.

A análise das estrelas mais brilhantes da galáxia mostra que elas não estão em uma reta plana, como se costuma mostrar em textos acadêmicos e livros de ciências para o público leigo. Astrônomos da Universidade de Varsóvia especulam que ela pode ter sido distorcida por interações passadas com galáxias próximas. A imagem popular da Via Láctea como um disco plano baseia-se na observação de apenas 2,5 milhões de estrelas – de um total que pode chegar a 2,5 bilhões.

As representações criadas por artistas são, portanto, aproximações da forma mais verdadeira de nossa galáxia, de acordo com a pesquisadora Dorota Skowron, da Universidade de Varsóvia, na Polônia.

“A estrutura interna e a história da Via Láctea ainda estão longe de serem compreendidas, em parte porque é extremamente difícil medir as distâncias das estrelas nas regiões mais externas de nossa galáxia”, disse ela.

Via LácteaDireito de imagem MARK GARLICK/SCIENCE PHOTO LIBRARY
Reproduções artísticas que mostravam a Via Láctea ‘reta’ terão de ser revistas

Novo mapa tridimensional

Para obter uma imagem mais precisa, Skowron e seus colegas mediram as distâncias de algumas das estrelas mais brilhantes da Via Láctea, chamadas estrelas Cefeidas.

Estas são jovens estrelas massivas que brilham centenas ou milhares de vezes mais que o nosso próprio sol. Elas podem ser tão brilhantes que chegam a ser observadas mesmo na borda da galáxia.

Não só isso: elas também pulsam em intervalos regulares a uma taxa que está diretamente relacionada ao seu brilho.

Isto permite aos astrônomos calcular as distâncias das Cefeidas com grande precisão.

A maioria das estrelas foi identificada usando o telescópio OGLE (Optical Gravitational Lensing Experiment), que fica no observaório de Las Campanas, no deserto do Atacama (Chile).

Przemek Mroz, membro da equipe do OGLE, disse que os resultados foram surpreendentes.

Telescópio e céu estreladoDireito de imagemK. ULACZYK/J. SKOWRON / OGLE/UNIV. DE VARSÓVIA
A pesquisa baseou-se em observações do telescópio OGLE, no deserto do Atacama (Chile)

“Nossos resultados mostram que a galáxia da Via Láctea não é plana. É ‘torta’ e retorcida nas bordas mais distantes do centro galáctico. A deformação pode ter acontecido através de interações passadas com galáxias satélites, gás intergaláctico ou matéria escura (material invisível presente nas galáxias, e sobre a qual pouco se sabe).”

Os resultados da pesquisa polonesa corroboram uma análise das estrelas Cefeidas publicadas em fevereiro na revista Nature Astronomy, por astrônomos da Universidade Macquarie na Austrália e da Academia Chinesa de Ciências.

Tecnologia,Invenções,Blog do Mesquita 01

Alice, o primeiro avião comercial totalmente elétrico

Avião,Alice,Aeronáutica,Tecnologia,Energia,Blog do Mesquita 01
Alice, o modelo do avião elétrico da Eviation, foi a grande sensação no Paris Air Show.

As empresas aeroespaciais estão unindo forças para tentar lidar com a crescente contribuição da indústria para as emissões de gases do efeito estufa.

E, diante desse problema, os motores elétricos são vistos como uma possível solução.
Mas será suficiente para compensar a crescente demanda por viagens aéreas por parte da população?

O Salão Internacional da Aeronáutica e Espaço de Paris-Le Bourget, também conhecido como Paris Air Show, apresentou nesta semana o primeiro avião de passageiros comercial totalmente elétrico do mundo, ainda que seja um protótipo.

A empresa israelense Eviation diz que a aeronave, chamada Alice, poderá transportar nove passageiros em uma viagem de até 1.040 km de distância e a 440 km/ h.
Avião,Alice,Aeronáutica,Tecnologia,Energia,Blog do Mesquita 01Alice tem três propulsores, um na cauda e dois na ponta das asas
Espera-se que a aeronave esteja pronta para entrar em serviço em 2022. Alice tem uma aparência pouco convencional.

Conta com três hélices viradas para trás, uma na cauda e duas na ponta das asas para neutralizar os efeitos do arrasto. Ela também tem uma fuselagem inferior plana para ajudar sua sustentação.

“Este avião não é assim porque queremos construir um avião genial, mas porque é elétrico”, disse o CEO da Eviation, Omer Bar-Yohay.

Economia de combustível
A Eviation já recebeu seus primeiros pedidos. A companhia aérea regional americana Cape Air, que opera uma frota de 90 aeronaves, fez um acordo para comprar “dois dígitos” de aeronaves.

A empresa está usando a Siemens e a magniX como fornecedoras dos motores elétricos. De acordo com o diretor da magniX, Roei Ganzarski, o potencial de negócios para aviões elétricos de pequeno porte é evidente se você levar em conta as 2 bilhões de passagens aéreas vendidas por ano para voos a menos de 400 km de distância.

E, além disso, a eletricidade é muito mais barata que o combustível convencional.Avião,Alice,Aeronáutica,Tecnologia,Energia,Blog do Mesquita 01A Harbor Air planeja transformar sua frota de hidroaviões em modelos elétricos.

Um avião pequeno como um turboélice Cessna Caravan pode gastar US$ 400 (cerca de R$ 1.500) em combustível convencional para um voo de 160 km, disse Ganzarski. Mas com a eletricidade, esse custo “ficará entre US$ 8 e US$ 12 (de R$ 30 a R$ 45), o que significa custos muito menores por hora de voo”, disse ele.

“Não somos uma empresa ambiental. A razão pela qual fazemos isso é porque faz sentido comercialmente”, disse ele.

A MagniX está atualmente trabalhando com a companhia aérea Harbour Air, com sede no Canadá, para começar a converter sua frota em uma elétrica.

O futuro também parece otimista no caso de voos de médio alcance – até 1.500 km.

Ao contrário de Alice, as aeronaves que visam essa faixa utilizariam uma combinação de energia obtida a partir de combustível convencional e elétrica, o que permitiria reduzir significativamente as emissões de CO2, ligando o componente elétrico de sua propulsão em pontos-chave do voo, como decolagem e aterrissagem.

Primeiros resultados positivos
Vários projetos em fase de testes estão mostrando resultados positivos.

Por exemplo, a Rolls-Royce, Airbus e Siemens estão trabalhando no programa E-Fan X, que instalará um motor elétrico de dois megawatts em um jato BAE 146. Estima-se que ele possa voar em 2021.

“Há um enorme esforço envolvido nisso. A engenharia é absolutamente inovadora e nosso investimento em sistemas elétricos está crescendo rapidamente”, disse o diretor de tecnologia da Rolls-Royce, Paul Stein.

Avião,Alice,Aeronáutica,Tecnologia,Energia,Blog do Mesquita 01A Airbus, a Rolls-Royce e a Siemens estão cooperando na criação de um avião híbrido elétrico chamado E-Fan X.

A United Technologies, que inclui a fabricante de motores Pratt & Whitney, está trabalhando em seu Projeto 804, um demonstrador elétrico híbrido projetado para testar um motor de 1 MW e os subsistemas e componentes necessários.

A empresa diz que ele deve gerar uma economia de combustível de pelo menos 30%. Ele deve fazer seu primeiro voo em 2022 e estar pronto para as companhias aéreas regionais em meados da próxima década.

A Zunum Aero, empresa apoiada pela Boeing, usa uma turbina de motor da francesa Safran para acionar um motor elétrico para uma aeronave híbrida.

E a operadora de baixo custo EasyJet, que está trabalhando com a Wright Electric, diz que começará a usar aviões elétricos em seus serviços regulares em 2027. É provável que eles sejam usados em voos de curta distância, como Londres a Amsterdã, a segunda rota mais usada da Europa.

“Os vôos elétricos estão se tornando realidade e agora podemos prever um futuro que não dependa exclusivamente de combustível para jatos”, disse Johan Lundgren, diretor executivo da EasyJet.

Sua declaração é apoiada por um relatório do banco de investimento UBS, que prevê que o setor de aviação rapidamente vai optar por aviões híbridos e elétricos para viagens regionais com uma possível demanda de até 550 aeronaves híbridas de passageiros por ano entre 2028 e 2040

E voos de longa distância?
As perspectivas de voos elétricos de longa distância não são tão otimistas.
A United Technologies está trabalhando em seu Projeto 804, um protótipo elétrico híbrido
Embora os motores elétricos, os geradores, a distribuição de energia e os controles tenham avançado muito rapidamente, a tecnologia das baterias não mudou muito.

Mesmo supondo que houvesse grandes avanços nessa tecnologia, com baterias 30 vezes mais eficientes e “densas em energia” do que as atuais, só seria possível pilotar uma aeronave A320 por um quinto de seu alcance e com apenas metade de sua carga máxima, de acordo com a diretora de tecnologia da Airbus, Grazia Vittadini.

“A menos que haja uma mudança radical de paradigma e ainda que inventem um armazenamento de energia melhor, vamos contar com combustíveis de hidrocarbonetos num futuro próximo”, disse o diretor de tecnologia da United Technologies, Paul Eremenko.

O grande problema é que 80% das emissões da indústria da aviação vêm de voos de passageiros de mais de 1.500 km, uma distância que nenhuma aeronave.

Grazia Vittadini, da Airbus, diz que as aeronaves atuais são 75 a 80% mais eficientes em consumo de combustível do que há 50 anos.

No entanto, o Reino Unido tornou-se um dos primeiro países ricos a aceitar a meta de zero emissão líquida de carbono até 2050. É um desafio para o setor de viagens aéreas, com 4,3 bilhões de pessoas voando neste ano e até 8 bilhões previstos para 2037.

As agências reguladoras também estão aumentando a pressão.

A Agência Européia de Segurança da Aviação diz que começará a classificar as aeronaves de acordo com suas emissões de CO2. Noruega e a Suécia pretendem fazer voos de curta distância em seu espaço aéreo com aviões elétricos até 2040.

Então, por lógica, abandonar os voos de longa distância é a única solução?

Isso, obviamente, não é uma proposta atraente para o setor. Paul Stein, da Rolls-Royce, acredita que o mundo estaria em um “lugar sombrio” se parássemos de viajar.

Em uma economia global “onde há uma coexistência pacífica quando as pessoas viajam e se entendem, eu me preocupo muito com o fato de que, se nos afastarmos disso, não é a direção em que a humanidade deve seguir”, concluiu.

Boeing,737,Max8,Aviação,Aviões,Acidentes Aeronáuticos,Blog do Mesquita

Boeing sabia de falha no 737 MAX um ano antes de tragédia

Boeing,737,Max8,Aviação,Aviões,Acidentes Aeronáuticos,Blog do MesquitaEmpresa não comunicou companhias aéreas e autoridades sobre problema no sistema de alerta aos pilotos, detectado por inspeção interna já em 2017, bem antes dos desastres na Indonésia e na Etiópia.

Engenheiros da Boeing haviam identificado uma falha no software de alertas aos pilotos do avião 737 MAX já em 2017, vários meses antes do acidente da empresa Lion Air, comunicou a empresa americana neste domingo (05/05).

Segundo a Boeing, uma funcionalidade que deveria ser padrão e que informa os pilotos sobre discrepâncias entre os sensores AOA (ângulo de ataque) – que medem o ângulo da aeronave para alertar sobre uma iminente perda de sustentação (estol) – na verdade só era ativada se um indicador opcional fosse comprado pelas companhias aéreas.

A Boeing disse que a diretoria da empresa só ficou sabendo dessa falha depois da tragédia na Indonésia. Após o comunicado, familiares disseram que a empresa deve assumir a responsabilidade pelos desastres na Indonésia e na Etiópia.

Empresas que não compraram esse indicador opcional, incluindo a Lion Air e a Ethiopian Airlines, não tinham essa medida de segurança. Em softwares de versões anteriores do 737 não havia essa relação entre os sensores e o indicador opcional, e a Boeing não informou as empresas nem as autoridades aéreas sobre essa mudança, já identificada pelos seus engenheiros no relatório de 2017.

Segundo as investigações preliminares, no acidente da Lion Air, que causou 189 mortes em outubro de 2018, os indicadores AOA informaram dados errados ao sistema de estabilização da aeronave, o MCAS. Este, como estava previsto, assumiu o controle do avião e direcionou a sua frente (“nariz”) para baixo, apesar de os pilotos tentarem retomar o controle sobre a aeronave e evitar a tragédia.

Em comunicado, a Boeing afirmou que nem os sensores AOA nem o alerta de discrepância são necessários para uma operação segura da aeronave, pois se tratam de “informação suplementar”.

Em 2017, um relatório de revisão “determinou que a ausência do alerta sobre discrepâncias dos sensores AOA não tinha impacto negativo sobre a segurança ou operação da aeronave”, concluindo que “a funcionalidade existente era aceitável até que a relação entre o alerta e o indicador [opcional] pudesse ser desfeita na próxima atualização prevista do software do sistema de display”, afirmou a Boeing.

Toda a frota do 737 MAX está em terra desde meados de março, depois do acidente com uma avião da Ethiopian Airlines, que causou a morte de 157 pessoas. A empresa está trabalhando na atualização do MCAS para que as autoridades aéreas permitam que os aviões do tipo 737 MAX  possam voar novamente.

AS/afp/ots
Tecnologia,Aeronáutica,Acidentes,Aviões-Boeing 737 Max,Blog do Mesquita

Caso Boeing: quando os pilotos decidem menos do que as máquinas

Nos últimos anos, a sofisticação tecnológica dos aviões mudou a maneira de voar, mas nem sempre pilotos são instruídos com mesma rapidezTecnologia,Aeronáutica,Acidentes,Aviões-Boeing 737 Max,Blog do MesquitaTécnicos inspecionam um Boeing 737 MAX 8 em um hangar do aeroporto de Soekarno Hatta, em Jacarta (Indonésia). AP

O Boeing 737 é um dos aviões mais usados no mundo. Uma das aeronaves mais eficientes e modernas da história da aviação. Mas sua longa história de sucesso no ar está marcada por dois acidentes em apenas cinco meses com a sua última versão, o 737 MAX 8. No domingo, um destes modelos caiu na Etiópia causando a morte dos 157 ocupantes. Em outubro, outro Boeing 737 MAX 8, da companhia aérea Lion Air, com 189 pessoas a bordo, despencou no Mar de Java (Indonésia). Em ambos os casos, os acidentes ocorreram minutos após a decolagem e em circunstâncias semelhantes, conforme reconhecido pela aviação civil dos EUA.

As causas do desastre aéreo etíope ainda são desconhecidas (as caixas-pretas ainda não foram analisadas), mas durante a investigação do acidente da Lion Air descobriu-se que houve problemas com o inovador software da aeronave. Na decolagem, o sensor indicava que o nariz do avião estava muito alto. Foi então que se ativou o novo sistema, chamado MCAS, projetado para aumentar a segurança das manobras do avião. Este mecanismo inclinou a aeronave para baixo automaticamente para estabilizá-la. Não tendo altura suficiente, o avião acabou caindo sem que o piloto pudesse fazer alguma coisa para endireitá-lo.

Um piloto de American Airlines confessa que fez em apenas uma hora um curso para conduzir o Boeing 737 MAX 8

Nos últimos anos, a sofisticação tecnológica dos aviões mudou a maneira de voar. “A cada dia que passa somos mais gestores de sistemas e menos aviadores”, diz Javier Martín-Chico, diretor do departamento técnico do sindicato espanhol de pilotos da aviação, o Sepla. As duas catástrofes do Boeing 737 MAX 8 abriram o debate sobre o alto grau de automatização de aeronaves e a importância de treinar pilotos em momentos críticos (como decolagens e aterrissagens).

Ocorrências em voos anteriores
Nos Estados Unidos, os pilotos já haviam se queixado de problemas semelhantes com o sistema de controle Boeing 737 MAX 8 meses antes do acidente da Lion Air. Relataram que o nariz da aeronave caía de repente quando os sistemas automáticos estavam ativados na decolagem. O manual de voo, de acordo com os detalhes que um dos comandantes indicou ao Aviation Safety Reporting System (o sistema usado pelos pilotos para comunicar confidencialmente os incidentes nos voos), não indicava adequadamente como esse problema deveria ser enfrentado nem descrevia o sistema do novo avião, que entrou em serviço há dois anos.

“Não é possível que a indústria aeronáutica esteja se desenvolvendo tão rapidamente e os pilotos não estejam sendo instruídos ao mesmo tempo”, lamenta Martín-Chico. Após o acidente na Indonésia, a empresa norte-americana Boeing alertou para uma leitura errônea dos dados do sistema MCAS. “Foi nesse momento que descobrimos que existia”, admite Denni Tajer, comandante da American Airlines, uma das companhias aéreas que conta com uma vintena de Boeings 737 MAX 8 em sua frota. Este piloto, também porta-voz da organização americana Allied Pilots Association, admite que o treinamento que fez para se familiarizar com o cockpit do novo modelo consistiu em uma sessão de pouco mais de uma hora em um iPad. Os sistemas eram semelhantes ao do Boeing 737 original, então ele considerou que as diferenças seriam cosméticas.

Mas o novo Boeing 737 não introduziu mudanças só no software. As gôndolas do motor MAX 8 são maiores, mais altas e mais adiantadas do que em outros modelos. Isso afetou o centro de gravidade do aparelho, fazendo com que o nariz suba mais rápido. Por essa razão, o fabricante instalou o sistema MCAS, de modo que, caso o avião subisse muito, ele se estabilizaria. O MAX 8 também é mais leve que as versões anteriores e consegue levar 30 toneladas a mais de peso do que a aeronave da primeira geração do Boeing 737 (criado nos anos 60). Na indústria aeronáutica é muito comum fazer atualizações dos modelos de aviões que funcionam melhor, pois os custos de engenharia de um novo aparelho são muito altos.

Falta de informação
O problema do Boeing 737 MAX 8, como os especialistas concordam, é precisamente que nem a Boeing nem a FAA (a Federal Aviation Administration) relataram de modo claro as ações a serem tomadas quando um problema é detectado e o piloto precisa assumir o controle manual do avião.

A fabricante norte-americana Boeing anunciou que introduzirá melhorias em abril para dar mais controle aos profissionais que estão no comando de seus aviões. “O piloto precisa ter todas as informações, tem que conhecer profundamente as mudanças no sistema, precisa fazer experiências com ele, ver como funciona, ver o que pode falhar”, diz Carlos San Jose, vice-diretor da Associação de Pilotos de Aviação Comercial (COPAC, na sigla em espanhol), em Madri. “Tudo isso requer tempo e dinheiro. E assim como a indústria vem ajustando gradualmente os custos, os requisitos de treinamento e experiência também foram ajustados.” Fontes do setor aeronáutico reconhecem que a participação do piloto na tomada de decisões durante um voo é mínima em razão do nível de complexidade da própria aeronave.

Após o acidente da Lion Air, tanto a Southwest Airlines como a American Airlines integraram em sua aeronave MAX 8 novos indicadores que alertam os pilotos sobre uma súbita mudança no ângulo de ataque da aeronave antes que o sistema automático force a baixar o nariz. Enquanto esperam que as causas do acidente na Etiópia sejam esclarecidas, os Estados Unidos foram um dos últimos países a fecharem seu espaço aéreo ao Boeing MAX 8, a aeronave mais moderna de sua geração.

PERITOS REIVINDICAM MAIS TEMPO DE TREINAMENTO
“A melhor barreira de segurança é um piloto experiente e bem treinado. Não deveríamos nos esquecer de algo tão básico “, lembra Carlos San José, vice-diretor da associação de pilotos da Espanha. Nos últimos anos a formação acadêmica desses profissionais tem sido menos voltada para o controle da aeronave, diz ele. “Agora o conteúdo está mais focado na gestão dos sistemas das companhias aéreas.” “Horas de voo não importam tanto”, afirma. E dá um exemplo: “Na Europa, o comandante de uma aeronave precisa ter realizado 1.500 horas de voo enquanto o copiloto pode exercer essa posição acumulando cerca de 200 horas. Nos Estados Unidos, no entanto, os novos regulamentos exigem que tanto o comandante quanto o copiloto tenham acumulado umas 1.500 horas.”

Javier Martín-Chico, do sindicato de pilotos Sepla, reconhece que cada vez menos manobras são feitas no ar. “Neste momento, nossa principal função é verificar os sistemas durante o voo.” No caso de haver um problema com a automatização, os pilotos têm a possibilidade de reverter a situação e manobrar manualmente. Mas peritos em aviação observam que é necessário atualizar informações e dedicar mais tempo à aprendizagem dos profissionais que estão no comando. “Os automatismos são bons, graças a eles existem mais filtros de segurança, mas às vezes, mesmo que seja excepcionalmente, a tecnologia pode falhar e o fator humano não pode ser negligenciado”, diz San José. “Um bom exemplo é o que aconteceu com o comandante Chesley Sullenberger, que em 2009 conseguiu manobrar um pouso de emergência no rio Hudson, em Nova York, após um acidente com pássaros”, acrescenta.

Adere a The Trust Project

Aviação,Acidentes,Blog do Mesquita,Boeing 737 Max-8, da Ethiopian Airlines

O que se sabe sobre o Boeing 737 Max-8, novo modelo de avião envolvido em dois acidentes desde que foi lançado, em 2017

Aviação,Acidentes,Blog do Mesquita,Boeing 737 Max-8, da Ethiopian AirlinesO avião 737 Max-8, da Ethiopian Airlines, que caiu no domingo

A queda de um avião da Ethiopian Airlines, que matou 157 pessoas, marca o segundo acidente fatal em cinco meses envolvendo um novo tipo de aeronave da Boeing.

O Boeing 737 Max-8 está em uso comercial há apenas dois anos, desde 2017.

Em outubro do ano passado, um avião do mesmo modelo da companhia Lion Air caiu pouco tempo depois de decolar em Jacarta, na Indonésia, matando todas as 189 pessoas a bordo.

A aeronave tinha menos de três meses de uso.

O voo ET302, da Ethiopian Airlines, que caiu neste domingo, também sofreu o acidente poucos minutos depois de decolar. A aeronave (registrada como ET-AVJ) voou pela primeira vez em outubro do ano passado, de acordo com sites de registros de voo.

Como o avião é diferente de outros modelos

O analista de aviação Gerry Soejatman, baseado em Jacarta, disse à BBC que o motor do 737 Max “é um pouco mais para a frente e um pouco mais alto em relação à asa, em comparação com modelos anteriores. Isso afeta o equilíbrio do avião.”

Ilustração de um Boeing 737 Max-8 em vooDireito de imagem BOEING
Ilustração de um Boeing 737 Max-8 em voo

O comitê nacional de segurança nos transportes da Indonésia avaliou que o voo da Lion Air recebeu uma “entrada (de informação) errônea” de um de seus sensores projetados para alertar os pilotos se a aeronave corre risco de uma parada do motor (sensor anti-stall).

A investigação do comitê ainda não chegou a uma conclusão final sobre a causa do desastre.

O sensor e o software ligado a ele funcionam de uma maneira diferente de modelos anteriores do 737, mas os pilotos não foram alertados da diferença.

Alguns dias depois do acidente da Lion Air, a Boeing enviou um boletim de operações para companhias aéreas.

A autoridade de aviação dos EUA então emitiu uma diretiva “de emergência” para companhias aéreas sobre a nova funcionalidade do modelo – chamado de sensor AOA (ângulo de ataque, na sigla em inglês).

A Autoridade Federal de Aviação (FAA) americana disse que a falta de preparo para lidar com a nova funcionalidade “poderia fazer com que a tripulação do voo tivesse dificuldade em controlar o avião, levando ao rebaixamento excessivo do nariz, perda significativa de altitude e possível impacto com o terreno”.

Quem recebeu o alerta de emergência?

A agência disse às companhias aéreas dos EUA para atualizarem os manuais de voo para os pilotos.

Na época, a FAA disse que a informação foi passada para agências de regulação de aviação de outros países – a expectativa era de que as agências informassem as linhas aéreas e que elas atualizassem o treinamento dos pilotos.

No Brasil, a Anac (Agência Nacional de Aviação) exigiu o treinamento dos pilotos para operação da nova funcionalidade envolvendo o sensor anti-stall, segundo a agência Reuters. O modelo 737 Max-8 está em uso no Brasil pela operadora Gol Linhas Aéreas.

Fontes da aviação dizem que é quase certeza que os pilotos da Ethiopian Airlines tiveram atualizações sobre a questão do sensor.

Não há nenhuma evidência até o momento de que o avião da Ethiopia Airlines tenha tido os mesmos problemas do voo da Lion Air.

O que diz a Boeing?

Em um comunicado divulgado no domingo, a Boeing disse que sua equipe técnica “está preparada para oferecer assistência a pedido e sob direção do Conselho de Segurança de Transportes dos EUA”.

A empresa também afirmou que envia “condolências às famílias dos passageiros e tripulantes a bordo” e que está pronta para apoiar a equipe da Ethiopian Airlines.

O Boeing 737 Max é o modelo que vendeu mais rápido da história da empresa, com mais de 4,5 mil aeronaves encomendadas por 100 diferentes operadoras no mundo todo.

As descobertas da investigação na Etiópia vão determinar quais medidas as agências reguladoras e companhias aéreas devem tomar.

A Ethiopian Airlines é vista como a companhia aérea líder na África.

O analista de aviação John Strickland diz que “também é reconhecida globalmente como uma companhia profissional de alta qualidade”.

Brasil,Blog do Mesquita

É Freud – Picles & Drops

O título de imbecil do ano, vai por imensurável mérito ao ator José de Abreu que se auto proclamou Presidente do Brasil. Comparar o Brasil, apesar dos Bozos, idólatras e demais comedores de cocô de ameba, à ditadura escorchante do Nicolás “Podi” Maduro na arrasada Venezuela, é ato capaz de ressuscitar o sempre atual Stanislaw Ponte Preta e seu imortal FEBEAPA – Festival de Besteira que assola o País.


No momento o Brasil não serve de exemplo para nenhum país: a concentração de renda aqui está entre as maiores do mundo; os direitos, mesmo aqueles constitucionalizados, estão sendo dizimados; os serviços públicos prestados só pioram… enfim, o que temos para ensinar?Brasil,Blog do Mesquita


Tem jeito não. Outro Renan. O elemento que preside o senado dese cabaré, um tal de Álcoolombrado, escondeu, desde quando usava cueiro, patrimônio imobiliário à justiça eleitoral. Isso é crime eleitoral com pena prevista de 05 Anos de prisão em regime fechado. Vai continuar solto, e continuar lambendo o saco do Capeta. O titular do Ministério da Desculpa, um elemento que atende pelo nome de Goro, continuará sem fazer nada contra os “parças” da quadrilha. A “zerda” não para por aí. Se esse meliante for afastado do cabaré, assumirá o ‘parça’ do pozeiro mineiro,um corrupto com o nome de “Anestesia”, podre até o talo na Lava Farsa, e que passará a ser o 3º na sucessão presidencial.
Assim, continua em um crescendo exponencial minha admiração pelos babacas otimistas desse bordel.Cabaré,Senado Federal,Alcolumbre,Sonegação Fiscal,Corrupção,Crime Eleitora,Blog do Mesquita


Cidadões, vamos aprender a língua portugueza da Nova Era para errar menas:
Eu Truxe
Tu Truxes
Ele Truxe
Nos Truxemos
Vos Truceis
Eles Truxeram


Então tá. O sr. já leu tudo que escrevi aqui desde 2010, e no meu blog há 14 anos ininterruptos? Aos 70 anos de idade, ex Piloto Comercial de Linha Área, piloto e instrutor de helicóptero, com 4 bacharelados – e uma pós graduação em Direito Constitucional, o sr. considera-me suscetível a ser incapaz de pensar por conta própria e acreditar em Papai Noel? O PT acabou, o Lula tá preso, e de lá não sai. Até quando vão insistir nessa cantilena de sempre colocar o PT/Lula em qualquer análise sobre políticos, política e corrupção? Não é um campeonato de quem é mais ou menos corrupto. Em corrupção não cabe valoração de volume e conteudo, mas de danos ao tecido social.
Todos os alfabetizados em Ciência Política e na dialética, conhecemos bem esses tipos de argumentos primários: ‘e o Lula?’; ‘e o PT’; ‘todo esquerdista defende o comunismo’… Ao se utilizar de um expediente assim, seu discurso fica com cara de superficial e perde força. Por outro lado, se o sr. se utiliza de uma generalização assim, abre espaço para que a contradita alcance sucesso facilmente. Em “Como vencer um debate sem precisar ter razão”, Schopenhauer aconselha, “encontre uma instância que demonstre o contrário”. “Basta uma contradição válida para derrubar a proposição do seu oponente”, escreveu.
Ao contrário do que muitos imaginam, bons debates servem para construir conhecimento e não disputas. São oportunidades para que fatos e ideias circulem e sejam colocadas à prova. O filósofo grego Aristóteles descreveu a prática como “encontros dialéticos entre pessoas que participam de argumentos não com o propósito de competir, mas para testes e investigação”.
Boa tarde, e me esqueça.


Filha de Maria do Rosário não gravou vídeo defendendo traficantes.
Milicianos do Laranjal jogam duro. E sujo.
Recebeu algum boato? Envie para o WhatsApp do Estadão Verifica, (11) 99263-7900


A lancha de luxo de Paulo Preto tem 14 metros de extensão e acomoda 11 passageiros. A Gipirita III é ideal para navegar em mar aberto.
Giprita é também o nome de um hotel em Ubatuba, onde hoje a PF fez busca e apreensão.Lancha Paulo Preto,Blog do Mesquita


Resistir,Arte,Fotografias,Blog do Mesquita,Aaron Tilley XIA PF fez busca e apreensão em três endereços residenciais do ex-chanceler do governo Temer e ex-senador tucano Aloysio Nunes. Um deles no Higienópolis, outro em São José do Rio Preto. A PF fez buscas também numa empresa de Aloysio. A Nunes Ferreira Empreendimentos Imobiliários.


Esse governo está maluco muito mais do que se esperava? O país atolado em problemas e Bozó e generais ocupados com a Venezuela. Não há um general com bom senso que não permita se começar o que não se sabe como irá acabar? O preço à pagar pelos votos(?) da eleição do maluco daqui foi lamber o saco do maluco de lá, o Trump, que quer o petróleo do Maduro, outro maluco? Uma prosaica bomba chilena de São João, acesa por um criança na fronteira Pacaraima/Venezuela, pode desencadear um conflito trágico. Que a Venezuela se exploda por si só. Que o Maduro finde enforcado de cabeça pra baixo em um poste qualquer em Caracas. O que nós, os Bananosos temos que nos meter nesse angu de caroço? Uma nova Baía dos Porcos? Ou um clone de Danang? O maluco do Bozó e seu séquito de desvairados podem nos levar a um desastre tal e qual os ditadores “Porteños” nas Malvinas. Espero que eu não esteja procurando cabelo em ovo, nem no timão da barca de Caronte. O PT não vale tanto.


Dias que faltam para Bolsonaro sair.Bolsonaro,Calendário,Blog do Mesquita


Lista atualizada dos comunistas segundo a manada bozolandês:

The NY Times
The Economist
Le Mond
Intercept
Alemanha
Alckmin
ONU
Bill Clinton
Madonna
Rachel Shehezarde
Veja
Reinaldo Azevedo
Papa Francisco
Globo
Black Eyed Peas
Google
Roger Waters
Enem
Faustão
General Mourão
Igreja Católica
IstoÉ
The Washington Post
Bill Gates
US Lieutenant Callei
Rainha Beth II, recebeu o Lula
Fernando Pessoa
Paulo Freir
Darcy Ribito
Arariboia
Professor Raimundo
Hans Solo
Princesa Lea
A tiazinha do café no senado


Lendo as primeiras avaliações sobre a proposta da Nova Previdência, as conclusão a que se chega é que o verdadeiro objetivo não é o de salvar a previdência pública, mas sim criar novos mercados para bancos e seguradoras venderem planos de previdência privada e seguro de vida.vida.


Com o governo dos Bozos – votou em um muar e levou quatro – O Bananil se transformou em um gigante mundial no exportação de armas. Segundo esse assessor, muar jr. 01, exportamos “desarmamentos”. Nem rio mais.Bolsonaro,Blog do Mesquita


Queimando as penas da Tucanalha.

Suíços ligaram Paulo Preto ao PCC quando revelaram contas secretas ao Brasil

Pode ter sido um erro de análise dos suíços, segundo investigadores da Lava Jato responsáveis pela prisão do homem apontado como operador de propinas do PSDB.


Vixi! Faça isso logo. Lembre o que o PT fez com o Celso Daniel. Tá cheio de “Sombras” – lembra dele né? – por aí. Ah! À essas alturas, andar de avião ou helicóptero, pode não fazer bem à sua saúde.
Ps. Raposa que quer pegra galinha não faz “xô”!
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2019/02/bebianno-diz-que-pretende-juntar-documentos-sobre-campanha-de-bolsonaro.shtml?utm_source=twitter&utm_medium=social-media&utm_content=geral&utm_campaign=noticias


Os robôs do Twitter que o Bozonazis soltaram hoje para atacar a Globo – eu recebi mais de 50 mensagens de bots no Twitter – têm entre 2 e 22 seguidores cada um deles. Quer dizer: o dinheiro das fraudes parece que é interminável na Havan.


Perdeu recurso para Maria do Rosário, perdeu denúncia contra Jean Willys, perdeu votação na Câmara, foi desmascarado como mentiroso diante do Brasil. Poderia dedicar esse dia à memória do Coronel Brilhante Ustra. Né não?Bolsonaro,Amazônia,Poluição,Desmatamento,Garimpo,Meio Ambiente,Brasil


Reflita!
A crer que o uso de laranjas na eleição tenha sido fator decisivo na exoneração de Bebianno, não há o que possa explicar a preservação do Ministro do Turismo Álvaro Antônio no cargo.


Joice Hasselmann – Depufede Federosa Bolsonaziana – da Tribuna da Câmara, chamou os professores brasileiros de incompetentes e diz que não é preciso mais investimentos na educação.
O Brasil chegou num ponto em que os professores são abertamente humilhados no parlamento por uma plagiadora picareta e tá tudo certo.
É desolador.Blog do Mesquita,Burro,Ignorante

 


Os recentes movimentos de tropas dos EUA, relatados por fontes públicas e pela mídia, confirmam que Washington está se preparando para se aproximar militarmente da República Bolivariana da Venezuela sob o pretexto de uma suposta “intervenção humanitária”.


Nasci para viver nessa atmosfera plumbea. Céu da cor da solidão, chuva melódica na vidraça tecendo rendas com os bilros da memória, sinfonia de trovões e a luminosidade quântica dos raios. Todos combinados me revigoram a alma, instigam minha criatividade, despertam meu fazer poético e me permitem sentir as cores inexistentes na paleta.
Maria Callas embala minha solidão, pois eu prefiro os dias chuvosos, as noites escuras, os corvos de Poe, e os lobos negros de Carol Ballard, que nunca dormem.
Acho que há algo obscuro dentro de mim.


Queiroz pra Ministro da Economia, ante que Wall Street o leve para Presidirdir a Bolsa de Valores de NY. O BolsoFlávio é um Gênio! Te cuida Warren Buffett!