Caso Neymar: um crime que o mundo viu, menos as autoridades do Brasil


Zuniga,Neymar,Copa do Mundo 2014,Blog do MesquitaNeste Brasil e Colômbia, pela Copa do Mundo 2014, na Arena Castelão, em Fortaleza (arena mesmo, como aquelas onde se enfrentavam feras e gladiadores nos antigos anfiteatros romanos), o nosso Neymar foi vítima de crime de lesão corporal, previsto no artigo 129 do Código Penal Brasileiro (CP).

E lesão corporal de natureza grave, por ter causado ao atleta “incapacidade para as ocupações habituais por mais de trinta dias“, circunstância que o § 1º, nº I, do artigo 129 do CP faz alterar a pena que passa a ser “reclusão de um a cinco anos“.

O crime tem autoria mais do que conhecida. Neymar foi gravemente lesionado pelo jogador colombiano Zúñiga. E de forma covarde e intencional.

Toda agressão pelas costas é covarde. Mais ainda por impossibilitar que a vítima se defenda.

Intencional porque a disputa pela bola aérea ou rasteira, ainda que viril, não justifica a brutalidade cometida contra Neymar.

Foi mesmo para derrubar.


Você pode se interessar também sobre: Arte – Fotografia


Para tirá-lo do jogo. Tanto foi que derrubou.

E colocou Neymar fora da Copa.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O PROCEDIMENTO LEGAL

Termina a partida, Zúñiga deveria ter sido levado preso à delegacia de polícia da região onde está localizada a Arena Castelão e lá ser autuado por lesão corporal e, em seguida, liberado mediante pagamento de fiança. Isso se a Autoridade Policial não decidisse mantê-lo preso até que o Juiz, para quem o auto de prisão em flagrante fosse logo enviado, resolvesse ou não, expedir a ordem de soltura.

Décadas atrás, quando era titular da 18ª Delegacia de Polícia, que fica da Rua Barão de Iguatemi (Praça de Bandeira, RJ), o delegado Maurílio Moreira, com sua equipe e a serviço, comparecia ao Estádio do Maracanã para assistir aos jogos.

E não foram poucas as vezes que o Dr. Maurílio, depois do jogo, foi ao vestiário do estádio para prender e conduzir à delegacia jogadores de futebol que, durante a partida, causaram lesão corporal ao atleta da equipe adversária. Certa vez indagado por que agia com tanto rigor, o Dr. Maurílio respondeu:

“O Estádio do Maracanã se encontra dentro da área da circunscrição da qual sou a autoridade policial. Eu estava no estádio, vi e agi. Cumpro a lei“.

A propósito: quem agride e lesiona outra pessoa, na rua ou em qualquer lugar, e a polícia chega não é conduzido à delegacia da área para ser autuado?

SEM DIFERENÇA, SEM EXCEÇÃO

As lesões corporais, leves ou graves, que jogadores de futebol sofrem durante uma partida, não estão fora do alcance das leis penais, que não as excepcionam. Para que estivessem, seria preciso que as lesões, em tal circunstância, fossem descriminalizadas.

O Direito Penal não deixa de considerar crime condutas censuráveis de atletas que durante uma partida de futebol(ou outro esporte qualquer) infrinjam a lei penal. E sendo a lesão corporal de natureza grave, o crime é de ação pública incondicionada.

Não depende de queixa ou representação do ofendido. Por se constituir crime a que o Código Penal prevê pena máxima superior a dois anos, está fora do âmbito da competência dos Juizados Especiais Penais, cuja lei (nº 9099/95) exige que a própria vítima Neymar apresentasse queixa à Polícia ou ao Ministério Público (artigo 88). Não foi, nem é o caso.

Basta que a Autoridade dele tenha tomado conhecimento. E se presenciado o crime, com muito mais razão e obrigatoriedade, prender o infrator. Se não tanto, instaurar o competente inquérito e/ou a ação penal. A lesão corporal de natureza grave que vitimou o nosso Neymar não dependia e continua a não depender, de queixa-crime do próprio Neymar, para que Zúñiga fosse preso e permanecesse no Brasil até final julgamento.

Parece que agora é tarde. Pena que o delegado carioca dr. Maurílio Moreira não estava lá no Castelão. Mesmo sendo Autoridade Policial do Rio, ele prenderia o infrator e o conduziria à presença de seu colega do Ceará. Afinal, o Mundo viu, menos as Autoridades do Brasil.
Jorge Béja/Tribuna da Imprensa

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Cultura inútil. Inútil?
Cultura inútil. Inútil?

O piloto do avião particular do falecido Rei Hussein da Jordânia, era um brasileiro chamado Orlando Marques da Silva.À época, era conhecido, na Jordânia, como Comandante da Silva.

June 10, 2006, 2:43 pm
Adriana Falcão - Frase do dia
Adriana Falcão - Frase do dia

"Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado." Adriana Falcão

January 22, 2011, 10:02 am
Dicas da rede - Jack Bauer mata "pacas".
Dicas da rede - Jack Bauer mata "pacas".

Pra quem não tem o que fazer ou tem curiosidade sobrando.O site http://www.bauercount.com/v3/index.php/season/show/6 conta quantas pessoas o agente Jack Bauer ja matou nos epsódios da série 24h.

January 21, 2007, 12:36 pm
Menina grafiteira de 11 anos é a jovem Picasso da arte de rua
Menina grafiteira de 11 anos é a jovem Picasso da arte de rua

Uma menina britânica de 11 anos está sendo chamada de "a jovem Picasso da arte de rua" por causa de seus trabalhos de graffiti. Solveig, que mora na cidade litorânea...

June 26, 2015, 10:05 am
Pinturas clássica com outro olhar
Pinturas clássica com outro olhar

Alguns contornos inusitados conferem uma aparência mais descontraída e bem humorada a quadros célebres da arte ocidental. Em uma reinterpretação coletiva, artistas contemporâneos se juntam para homenagear os mestres. Rembrandt...

December 21, 2010, 10:15 am
Arte - Fotografia - Hengki Koentjoro
Arte - Fotografia - Hengki Koentjoro

Fotografia de Hengki Koentjoro [ad name="Retangulo - Anuncios - Duplo"]

June 10, 2014, 10:10 am