Carlos Drummond de Andrade – Poesia


Soneto da perdida esperança
Carlos Drummond de Andrade
Perdi o bonde e a esperança.
Volto pálido para casa.
A rua é inútil e nenhum auto
passaria sobre meu corpo.
 
Vou subir a ladeira lenta
em que os caminhos se fundem.
Todos eles conduzem ao
princípio do drama e da flora.
 
Não sei se estou sofrendo
ou se é alguém que se diverte
por que não? na noite escassa
 
com um insolúvel flautim.
Entretanto há muito tempo
nós gritamos: sim! ao eterno.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Francisco Perna Filho - Versos na tarde

Montanha Francisco Perna Filho ¹ A palavra pesada persegue a pedra, revela o austero pulsar do silêncio e, com ele, inaugura um olhar de montanha. Do alto, a alma encanta-se...

July 7, 2011, 9:00 pm
Richard Brautigan - Versos na tarde

Só porque Richard Brautigan ¹ Só porque as pessoas adoram a tua mente Não quer dizer que tenham de possuir também o teu corpo. (tradução de Tiago Nené) ¹ Richard...

May 15, 2012, 9:00 pm
Vinicius de Moraes - Versos na tarde

Encomenda Vinicius de Moraes ¹ Desejo uma fotografia como esta – o senhor vê? como esta: em que para sempre me ria com um vestido de eterna festa. Como tenho...

September 25, 2010, 9:00 pm
Harold Pinter - Frase do dia - 28/03/2018

"A literatura é uma forma compulsiva de busca da verdade, ao contrário dos políticos, que buscam apenas o poder, e, para isso, o primeiro valor que matam é precisamente a...

March 28, 2018, 10:00 am
Bertold Brecht - Elogio da Dialética
Bertold Brecht - Elogio da Dialética

Bertold Brecht Elogio da Dialética A injustiça vai por aí com passo firme. Os tiranos se organizam para dez mil anos. O poder assevera: Assim como é deve continuar a...

November 24, 2018, 7:00 pm

"Certas dietas são simples. É só cortar açúcar, frituras, massas, molhos, bebidas alcoólicas, pães, biscoitos e os pulsos." Miguel Paiva in Radical Chic

August 31, 2010, 10:02 am