Os bioterroristas podem sequestrar sistemas de DNA e induzir os cientistas a produzir toxinas mortais, alerta novas pesquisas explosivas

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA emite orientações para provedores de DNA

Pesquisadores de cibersegurança estão soando o alarme sobre uma nova e particularmente desagradável ameaça de hackers: um ataque ciber-biológico híbrido no qual biólogos desavisados ​​são induzidos a fabricar toxinas mortais.

Em um novo artigo publicado na revista Nature Biotechnology, pesquisadores cibernéticos da Universidade Ben-Gurion de Negev, de Israel, sugerem que hackers e bioterroristas inescrupulosos podem sequestrar os sistemas amplamente automatizados usados ​​para produzir DNA sintético para experimentos de laboratório.

Ao injetar sub-repticiamente malware no código dos sistemas, esses malfeitores poderiam substituir uma substring de DNA no computador de um cientista – com consequências potencialmente mortais.

Além disso, os bioterroristas poderiam teoricamente comprar DNA perigoso de empresas que não rastreiam de perto as origens dos pedidos, tornando o fornecedor de DNA um cúmplice involuntário de um ataque químico ou biológico.

“Para regular a geração intencional e não intencional de substâncias perigosas, a maioria dos fornecedores de genes sintéticos rastreia pedidos de DNA, que atualmente é a linha de defesa mais eficaz contra esses ataques”, disse Rami Puzis, chefe do Laboratório de Análise de Redes Complexas da universidade.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA emite orientações para provedores de DNA, mas os pesquisadores israelenses descobriram que os protocolos de triagem para quem compra DNA são vulneráveis ​​a técnicas de ofuscação empregadas por hackers, permitindo-lhes inserir DNA produtor de toxinas em solicitações que devem ser rejeitadas imediatamente .

“Usando essa técnica, nossos experimentos revelaram que 16 das 50 amostras de DNA ofuscado não foram detectadas quando selecionadas de acordo com as diretrizes do HHS‘ best-match ’”, diz Puzis.

Os pesquisadores destacam uma facilidade preocupante de acessibilidade a sistemas automatizados vulneráveis ​​usados ​​na esfera da engenharia genética sintética, devido às defesas de segurança cibernética deficientes.

Eles propõem algoritmos de triagem aprimorados, protegendo especificamente o trabalho de edição de genes in vivo no laboratório, para evitar que tais ataques de injeção de DNA jamais ocorram.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me