loader
Arte | Poesia | Literatura | Humor | Tecnologia da Informação | Design | Publicidade | Fotografia
Arte - Digital Alexey Kurbatov 01

Artigo – Arte e tecnologia digital sexta-feira, 26 de abril de 2019

Arte - Digital Alexey Kurbatov 01Era digital revolucionou o universo das artes, diz escritor – Arte Digital de Alex Kubarov

Os conceitos modernos de propriedade e de participação estão se diluindo no cyberespaço, aponta o ensaísta e poeta colombiano Carlos Fajardo Fajardo.

“[O espaço virtual] é um âmbito no qual os sujeitos ativos desaparecem, impondo em seu lugar uma objetividade simulada e devoradora de mensagens globais; não há autonomia moderna em sua natureza nem razão crítica auto-consciente”, acrescentou.

Fajardo Fajardo, professor universitário em estética, história da arte e literatura, abordou o tema em uma reportagem publicada pela revista “Nómada” –editada pela Universidade Nacional de San Martín (próxima à capital argentina).

O escritor trata em especial do tema da arte digital e “cyberarte” –sobre a qual escreveu que “novos paradigmas estão dando razão à secularização e à perda da aura na arte tradicional moderna”.

“A perspectiva renascentista nos trouxe uma análise do espaço; a fotografia, uma familiarização com o ‘hiper-real’; o cinema, uma análise do movimento, o digital e o computacional nos trazem agora uma análise das relações abstratas virtuais”, disse.

A “cyberarte”, como “novas técnicas artísticas”, abre novas janelas utópicas, nas quais “é possível realizar colagens eletrônicas que pulverizam de uma vez por todas todos os gêneros artísticos tradicionais”.

Para Fajardo Fajardo, a mistura de sons, textos e imagens elaboram uma “cybervisão”. Novas ferramentas “como escâner, sintetizadores, impressoras, hipertextos, arquivos e cursores” mudam o processo artístico e de alfabetização, defende o escritor.

A grande quantidade de possibilidades que o computacional oferece, faz desaparecer o conceito moderno do “eu criador individual”, transformando a relação espectador-arte, “pois o indivíduo pode, ao mesmo tempo, criar, programar e desfigurar a obra de acordo com seu desejo”.

Com isso, disse o colombiano, “desaparece a ‘Era da interpretação’ e dá-se início à ‘Era da programação’, subordinada à linguagem do cálculo e aos modelos numéricos”.

Compartilhe a informação:

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharelando em Direito. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

#

© Copyright 2018 Blog do Mesquita - Direitos Reservados. | POLÍTICA DE PRIVACIDADE | MBrasil