Apadrinhado de Tasso Jereissati, Byron Queiroz é condenado por improbidade


[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]A Justiça federal condenou, por improbidade administrativa, Byron Costa Queiroz, ex-presidente do BNB (Banco do Nordeste do Brasil) na gestão FHC.

Apadrinhado do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), Byron foi condenado, junto com outras cinco pessoas, a ressarcir prejuízos estimados em mais de R$ 7 bilhões.

Levada à página do Ministério Público na web, a notícia chega em má hora para Tasso Jereissati.

Justamente no instante em que o nome do senador frequenta o noticiário como alternativa de vice para o presidenciável tucano José Serra.

Chama-se Alessander Sales o procurador da República autor da ação que resultou na condenação do apadrinhado de Tasso.


Você leu?: Incêndios na Amazônia ameaçam dizimar indígenas isolados


Ele acusara Byron e outros cinco ex-gestores do BNB (três diretores e dois superintendentes) de improbidade administrativa.

Os malfeitos referem-se ao período de 1997 a 2000. Coisas assim, segundo a sentença judicial:

1. Rolagem de dívidas sem qualquer tipo de análise técnica. Vencidos e não pagos, os débitos não eram provisionados como créditos podres.

2. Manutenção de mais de mais de 20 mil operações vencidas em prazo superior ao permito pelo Banco Central (360 dias).

3. Rolagem em bloco de diversas operações de crédito, sem a necessária formalização.

4. Má gestão do FNE (Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste). Recursos externos do fundo eram repassados sem formalização e dívidas atrasadas deixavam de ser reclassificadas. Com isso, tornava-se impossível aferir a situação dos devedores inadimplentes com o banco.

Além de dividir com os outros cinco condenados os prejuízos causados ao BNB, Byron foi condenado à perda dos direitos políticos por oito anos e multa de R$ 200 mil.

Os demais acusados são: Ernani Varela, Osmundo Rebouças e Raimundo Carneiro, que integravam a diretoria do Banco do Nordeste…

…E dois ex-superintendentes da instituição: Antônio Arnaldo de Menezes (área Operacional) e Marcelo Pelágio (setor Financeiro).

Aos diretores, a Justiça impôs o ressarcimento solidário dos prejuízos de R$ 7 bilhões, suspensão dos direitos políticos por cinco anos e multa de R$ 100 mil cada um.

Aos superintendentes, além do ressarcimento e perda dos direitos políticos por cinco anos, multa de R$ 70 mil cada um.

blog Josias de Souza

Postado na categoria: Brasil, Comportamento, Economia, Política - Palavras chave: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Leia também:

Por que o futuro do agronegócio depende da preservação do meio ambiente no Brasil
Por que o futuro do agronegócio depende da preservação do meio ambiente no Brasil

Desmatamento afeta o regime de chuvas e o clima

August 24, 2019, 2:15 pm
Brasil da série
Brasil da série "Só dói quando eu rio"

Desmatamento

August 19, 2019, 11:22 am
Novo bloqueio atinge R$ 348 milhões da Educação
Novo bloqueio atinge R$ 348 milhões da Educação

Nos últimos meses, MEC já sofreu cortes que ultrapassam 6 bilhões de reais

July 31, 2019, 1:37 pm
Incêndios na Amazônia ameaçam dizimar indígenas isolados
Incêndios na Amazônia ameaçam dizimar indígenas isolados

Queimadas estão devastando o Território Indígena Arariboia, na Amazônia

August 22, 2019, 2:31 pm
Queimadas no Brasil aumentam 82% em relação a 2018
Queimadas no Brasil aumentam 82% em relação a 2018

O mês de agosto vem batendo o recorde dos últimos sete anos

August 20, 2019, 12:18 pm
Brasil da série
Brasil da série "Só dói quando eu rio"

Questão só de peso e medida

August 12, 2019, 11:02 am