Antônio Ramos Rosa – Versos na tarde – 17/05/2018


Estou vivo e escrevo o sol.
António Ramos Rosa

Eu escrevo versos ao meio-dia
e a morte ao sol é uma cabeleira
que passa em frios frescos sobre a minha cara de vivo
Estou vivo e escrevo sol

Se as minhas lágrimas e os meus dentes cantam
no vazio fresco
é porque aboli todas as mentiras
e não sou mais que este momento puro
a coincidência perfeita
no acto de escrever e sol

A vertigem única da verdade em riste
a nulidade de todas as próximas paragens
navego para o cimo
tombo na claridade simples
e os objectos atiram suas faces
e na minha língua o sol trepida

Melhor que beber vinho é mais claro
ser no olhar o próprio olhar
a maravilha é este espaço aberto
a rua
um grito
a grande toalha do silêncio verde


Você leu?: Yves Bonnefoy – A Murta – Poesia


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos
Pe. Antônio Vieira - O que sabemos e o que ignoramos

A maior parte do que sabemos é a menor do que ignoramos

August 25, 2019, 7:14 pm
Joaquim Pessoa - É provável que ainda a ame
Joaquim Pessoa - É provável que ainda a ame

...para cingir-lhe os braços, os seios e as ancas.

September 16, 2019, 6:35 pm
Brecht - Louvor de Aprender - Poesia
Brecht - Louvor de Aprender - Poesia

Não te acanhes de perguntar, companheiro!

August 29, 2019, 7:00 pm
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice

...supor que o talento constitui privilégio da mocidade.

September 15, 2019, 9:06 pm
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos

...enquanto isso, toque música, encha a casa de flores.

September 17, 2019, 9:00 pm
Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência
Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência

Como investigadores do conhecimento, não sejamos ingratos

September 4, 2019, 6:55 pm