Antônio Ramos Rosa – Poesia


É por ti que vivo
Antônio Ramos RosaAntônio Ramos Rosa,Literatura,Poesia

Amo o teu túmido candor de astro
a tua pura integridade delicada
a tua permanente adolescência de segredo
a tua fragilidade acesa sempre altiva

Por ti eu sou a leve segurança
de um peito que pulsa e canta a sua chama
que se levanta e inclina ao teu hálito de pássaro
ou à chuva das tuas pétalas de prata

Se guardo algum tesouro não o prendo
porque quero oferecer-te a paz de um sonho aberto
que dure e flua nas tuas veias lentas
e seja um perfume ou um beijo um suspiro solar

Ofereço-te esta frágil flor esta pedra de chuva
para que sintas a verde frescura
de um pomar de brancas cortesias
porque é por ti que vivo é por ti que nasço
porque amo o ouro vivo do teu rosto


Você pode se interessar também sobre: Joaquim Barbosa pretende escrever livro


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

Paixão e solidão - Frase do dia - 09/04/2017

Quando a impossibilidade da paixão é um fato, a solidão é uma obrigação. José Mesquita

April 9, 2017, 9:30 am
Ana Carolina - Frase do dia - 03/02/2015

"Juro que se eu pudesse voltaria no tempo só pra descobrir, de novo, como é gostar de você." Ana Carolina

February 3, 2015, 11:02 am
Fatos & Fotos - 10/10/2017

Para amenizar a bandalheira à qual estamos submetidos, deixo-vos flores. José Mesquita,2017, Acrílica e gesso acrílico sobre cartão 021 x 029.3 cm - Ref.1704FLW23 ***** Doria usa cinco softwares de 'big...

October 10, 2017, 6:19 pm
Edmund Waller - Versos na tarde - 24/02/2015

Canção Edmund Waller ¹ Vai, rosa linda, a quem, sem dó de mim, protela o amor ainda, diz-lhe que te comparo a ela porque eu a julgo doce e bela....

February 24, 2015, 9:00 pm
Jorge Luiz Borges - Versos na tarde - 11/12/2012

O Nosso Jorge Luis Borges ¹ Amamos o que não conhecemos, o já perdido. O bairro que já foi arredores Os antigos que não nos decepcionaram mais porque são mito...

December 11, 2012, 9:00 pm
Jean de la Bruyère - Reflexões na tarde - 03/03/2011

É triste costume, servidão incômoda, correr incessantemente uns atrás dos outros com a impaciência de não se encontrar; não se encontrar senão para dizer futilidades, senão para informar-se reciprocamente de...

March 3, 2014, 9:00 pm