Anton Tchekhov – Literatura


A Função do EscritorAnton Tchekhov,Literatura

Que o mundo “está infestado com a escória do gênero humano” é perfeitamente verdade. A natureza humana é imperfeita. Mas pensar que a tarefa da literatura é separar o trigo do joio é rejeitar a própria literatura. A literatura artística é assim chamada porque descreve a vida como realmente é. O seu objetivo é a verdade – incondicional e honestamente. O escritor não é um confeiteiro, um negociante de cosméticos, alguém que entretém; é um homem constrangido pela realização do seu dever e a sua consciência. Para um químico, nada na terra é puro. Um escritor tem de ser tão objectivo como um químico.

Parece-me que o escritor não deveria tentar resolver questões como a existência de Deus, pessimismo, etc. A sua função é descrever aqueles que falam, ou pensam, acerca de Deus e do pessimismo, como e em que circunstâncias. O artista não deveria ser juiz dos seus personagens e das suas conversas, mas apenas um observador imparcial.
Têm razão em exigir que um artista deva ter uma atitude inteligente em relação ao seu trabalho, mas confundem duas coisas: resolver um problema e enunciar corretamente um problema. Para o artista, só a segunda cláusula é obrigatória.

Acusam-me de ser objetivo, chamando-lhe indiferença em relação ao bem e ao mal, falta de ideias e ideais, etc. Querem que, ao descrever ladrões de cavalos, diga: “Roubar cavalos é mau”. Mas isso é sabido há séculos sem que eu tenha de o dizer. Deixem que um júri os julgue; a minha tarefa é simplesmente mostrar que gênero de pessoas são. Escrevo: estão a lidar com ladrões de cavalos e, assim, deixem-me dizer-lhes que não são mendigos, mas gente bem alimentada que segue um culto especial e que roubar cavalos não é simplesmente roubo, mas uma paixão. Claro que seria agradável combinar arte com sermões, mas, quanto a mim, é impossível por questões técnicas. Para descrever ladrões de cavalos em setecentas linhas, tenho de falar, pensar e sentir à maneira deles. De outro modo, a história não será tão compacta como os contos deveriam ser. Quando escrevo, conto inteiramente com o leitor para que este acrescente os elementos subjetivos que faltam na história.

Anton Tchekhov, in “Cartas”


Você pode se interessar também sobre: Todd Ruthman – Frase do dia – 22/11/2014


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Sylvia Plath - Versos na tarde - 10/07/2017

Ariel Sylvia Plath¹ Estancamento no escuro E então o fluir azul e insubstancial De montanha e distância. Leoa do Senhor como nos unimos Eixo de calcanhares e joelhos!… O sulco...

July 10, 2017, 9:00 pm
Fernando Pessoa - Literatura - Teus olhos entristecem
Fernando Pessoa - Literatura - Teus olhos entristecem

Teus olhos entristecem Fernando Pessoa Teus olhos entristecem Nem ouves o que digo. Dormem, sonham esquecem... Não me ouves, e prossigo. Digo o que já, de triste, Te disse tanta...

March 24, 2019, 8:14 pm
Fatos & Fotos - 16/09/2017

Entre Ciro e Bolsonaro eu fico em casa e pago a multa por não votar na segunda-feira. ***** ***** Lula e a delação de Palocci - Nem a falecida Marisa escapou!...

September 16, 2017, 10:30 pm
Clarice Lispector - Frase do dia - 25/07/2015

"O que nos salva da solidão é a solidão de cada um dos outros. Às vezes, quando duas pessoas estão juntas, apesar de falarem, o que elas comunicam uma à...

July 25, 2015, 10:58 am
Nietzsche - Frase do dia - 08/10/2012

"Um político divide os seres humanos em duas classes: instrumentos e inimigos." Nietzsche

October 8, 2012, 10:02 am
Robert Creeley - Versos na tarde - 28/11/2014

Claridade Robert Creeley¹ Específica, intensiva claridade, como nada mais, nada menos que ela mesma - tudo isso, ecoa, visto, ouvido, sentido ou provado, o uno e múltiplo. Mas o punho...

November 28, 2014, 9:00 pm