Ana Hatherly – Versos na tarde – 19/05/2018


A verdadeira mão.
Ana Hatherly

A verdadeira mão que o poeta estende
não tem dedos:
é um gesto que se perde
no próprio acto de dar-se

O poeta desaparece
na verdade da sua ausência
dissolve-se no biombo da escrita

O poema é
a única
a verdadeira mão que o poeta estende

E quando o poema é bom
não te aperta a mão:
aperta-te a garganta


Você leu?: Arthur Schopenhauer – As limitações do interlocutor


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: , ,

Leia também:

José Mesquita - O ofício da paixão
José Mesquita - O ofício da paixão

Um só poema/Para te fazer sonhar

October 9, 2019, 7:00 pm
John Locke - Como a justiça dá a todo homem um título
John Locke - Como a justiça dá a todo homem um título

A caridade dá a todo homem um título à totalidade...

October 13, 2019, 7:05 pm
Michel de Montaigne - Suporte real para a emoção
Michel de Montaigne - Suporte real para a emoção

...se o golpe falhar e ele for ao vento.

September 22, 2019, 8:00 pm
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos
Gabriel Garcia Marques - Do amor e outros fracos

...enquanto isso, toque música, encha a casa de flores.

September 17, 2019, 9:00 pm
Hilda Hist - E por que haverias de querer - Poesia
Hilda Hist - E por que haverias de querer - Poesia

Mas não menti gozo prazer lascívia

October 7, 2019, 6:00 pm
O Deus de Schopenhauer
O Deus de Schopenhauer

Quando, elevando-se pela força da inteligência, se renuncia a considerar

October 7, 2019, 11:00 am