O mundo está viciado em lixo plástico

Fotos mostram as horríveis consequências


Celia Talbot Tobin

As praias na Guatemala e em Honduras localizadas perto da foz do rio Montagua, vistas aqui, são alguns dos piores exemplos de acúmulo de lixo.

Quando você começa a procurar lixo, passa a vê-lo em todo lugar. Ele passa por você todos os dias, um fluxo infinito de sacolas, embalagens de delivery e garfos descartáveis, plásticos e papéis-alumínio que vêm enrolados em todo tubo de pasta de dente, brinquedo ou carregador que você compra e, posteriormente, os próprios tubos, brinquedos e carregadores. Até mesmo as roupas que você está vestindo e os sapatos que está calçando. O lixo está ao nosso redor o tempo todo, por um momento, antes de desaparecer em um lixão distante – o que não é visto, não é lembrado.

Na Guatemala, essas correntes movem-se pelo rio Motagua. O maior rio do país cobre dois terços do caminho até o istmo do Panamá, 483 quilômetros de sua nascente nos remotos planaltos centrais da Guatemala até sua foz no Recife Mesoamericano, no Caribe, a segunda maior barreira de corais do mundo. Ao longo do caminho, passa pela Cidade da Guatemala, a movimentada capital do país, apinhada com 3 milhões de pessoas e marcada por ravinas profundas que, na época das chuvas, conduzem as águas de enchentes repletas de lixos e detritos até o rio.

Durante anos as ondas de lixo chegavam até as praias da Guatemala e da vizinha Honduras, enterrando as pequenas comunidades de peixes em montes de isopor e outros plásticos: pentes, escovas de dente, tubos de rímel, Crocs, chinelos, serpentes coloridas de cordas plásticas, tapetes moldados de espuma, bolas de borracha, bonequinhos, garrafas de refrigerante, seringas, bolsas intravenosas, garrafas de desinfetante pela metade. Ao largo da costa, recifes de bolsas plásticas flutuam nas ondas, como icebergs com a ponta projetada acima da superfície e ocultando muito mais embaixo d’água.


Você leu?: Brasil vê posição de fornecedor global de alimentos ameaçada


Celia Talbot Tobin

Em El Quetzalito, os habitantes locais são responsáveis pela manutenção das “bio cercas”, instaladas recentemente pelo governo. Construídas a partir de grandes garrafas plásticas unidas com malhas, elas agem como barreiras superficiais, impedindo que o lixo flutuante chegue à foz do rio Montagua enquanto ele deságua no Mar do Caribe.

Na pequena comunidade de El Quetzalito, os habitantes locais limpam as praias com ancinhos e carrinhos de mão. A maioria deles ganhava a vida com a pesca ou a agricultura de subsistência anteriormente, porém agora eles trabalham para o governo, mais especificamente para o Ministério do Meio Ambiente, que vem lutando para enfrentar o problema da poluição ao longo do Montagua.

Apesar de as vítimas dessa poluição serem locais, o problema é verdadeiramente global: estima-se que 80% do plástico nos oceanos é resultado da “má gestão dos lixos”, assim como os que transbordam do lixão da Cidade da Guatemala todos os anos. Enquanto as cidades americanas proíbem sacolas e canudos plásticos, nenhuma medida é tomada para combater essa grande fonte de poluição.

Ao fim das três semanas que passamos na América Central, tentamos calcular todo o lixo que deixamos para trás: 15 garrafas plásticas de água, de tamanhos variados, 15 tampas de garrafas plásticas, de cores variadas, 8 garrafas de vidro, 22 latas de alumínio, 12 copos plásticos incolores, 5 copinhos de isopor para café, 3 tampas de plástico para café, 7 canudos de plástico, 1 par de chinelos de microfibra e espuma do hotel, usado duas vezes, 4 lenços umedecidos de limpeza facial, 1 porta remédios de plástico, que armazenou anteriormente um suprimento de um antimalárico para seis dias, 1 garrafinha com solução para lentes de contato, 3 mini frascos de xampu, condicionador e sabonete líquido, parcialmente vazios. Quanto às sacolas plásticas, oferecidas em todos os lugares apesar de fazermos de tudo para evitá-las, perdemos as contas.

Começamos a perceber o plástico não como algo que é irresponsavelmente descartado, mas como algo que é, antes de mais nada, irresponsavelmente criado. O plástico, em especial, é onipresente e inevitável, produzido tão casualmente quanto é descartado: um canudo cortado ao meio e servido com nossos cafés matinais, um par barato de sapatos que não dura muito tempo, uma sacola plástica para armazenar a fruta que compramos no mercado. A “nascente” do plástico fica em algum lugar muito distante, invisível, mas sua corrente é interminável.

Celia Talbot Tobin
El Quetzalito fica na foz do rio Montagua, onde ele deságua no Mar do Caribe. Aqui, como em algumas outras poucas comunidades locais, são realizados alguns pequenos projetos educacionais. Alguns deles adotam uma abordagem mais artística, como a construção de estruturas para atividades escolares extracurriculares a partir de garrafas plásticas coletadas, que são preenchidas com mais plástico flexível recolhido.
Celia Talbot Tobin

Como muitos países da América Central, a Guatemala possui poucas usinas de reciclagem. Na pequena comunidade de El Quetzalito – a última parada antes de o lixo chegar ao mar –, a maior parte do lixo reciclado coletado é levado de caminhão para a Cidade da Guatemala, 300 km a oeste, fazendo o caminho de volta ao lado do mesmo rio que o levou até ali.

Celia Talbot Tobin

 

No país, há instalações particulares de coleta de resíduos apenas na Cidade da Guatemala, onde materiais recicláveis, como o papel visto aqui, são separados por tipo e compactados.

Celia Talbot Tobin

 

Papel em uma instalação de coleta de recicláveis.

Celia Talbot Tobin

O papel é separado por tipo e peso em uma instalação de coleta na Cidade da Guatemala.

Celia Talbot Tobin

Piscinas naturais formam-se nas praias ao longo da foz do Motagua, onde o lixo – parte dele tendo viajado por toda a extensão do rio – deságua no Mar do Caribe, pertinho do Recife Mesoamericano.

Celia Talbot Tobin

Durante quase toda a sua existência, os vilarejos na costa do Mar do Caribe na Guatemala ganharam a vida com a pesca. Com os ecossistemas cada vez mais vulneráveis, esse futuro não parece mais tão certo.

Celia Talbot Tobin

Montes de plástico e isopor empilhados nas praias da Guatemala e repletos de garrafas de refrigerante, pentes, escovas de dente, Crocs, bonequinhos, seringas e bolsas intravenosas.

Celia Talbot Tobin

O único lixão oficial da Guatemala, localizado na movimentada capital do país, que possui 3 milhões de habitantes, é o maior da América Central. O Motagua nasce nos planaltos a oeste e passa pela cidade, marcada por ravinas profundas que, na época das chuvas, conduzem as águas de enchente repletas de lixos e detritos até o rio.

Celia Talbot Tobin

Em El Quetzalito, na foz do rio, os habitantes locais limpam as praias com ancinhos e carrinhos de mão, uma pequena equipe recrutada pelo governo para atuar como a última barreira entre o restante do lixo do país e o oceano.
Via BuzzFeed

Postado na categoria: Ambiente & Ecologia, Crimes Ambientais, Fauna & Flora, Natureza, Poluição, Reciclagem, Recursos Naturais - Palavras chave: , , , , , , , , , , ,

Leia também:

Fundos que controlam 16 trilhões de dólares cobram pela crise na Amazônia
Fundos que controlam 16 trilhões de dólares cobram pela crise na Amazônia

Boicote por crise dos incêndios na Amazônia chega ao mercado financeiro

September 23, 2019, 11:58 am
Meio ambiente; A injustiça global da crise climática
Meio ambiente; A injustiça global da crise climática

Enquanto nações ricas emitem altos níveis de CO2, as mais pobres

September 7, 2019, 12:26 pm
Proteção do clima e os autoproclamados salvadores do mundo
Proteção do clima e os autoproclamados salvadores do mundo

Mas em nenhum lugar o tema é tratado quanto na Alemanha.

September 22, 2019, 12:12 pm
Seu celular também está destruindo a Amazônia
Seu celular também está destruindo a Amazônia

Não há como extrair o ouro sem destruir a floresta

September 7, 2019, 1:11 pm
E se a Amazônia acabar?
E se a Amazônia acabar?

A Amazônia tem alguns papéis importantes com consequências mundiais.

September 2, 2019, 11:20 am
Subsídios para os agrotóxicos podem superar R$ 14,53 bilhões por ano
Subsídios para os agrotóxicos podem superar R$ 14,53 bilhões por ano

Desde o final do ano passado, cerca de 480 milhões de abelhas foram mortas

September 1, 2019, 11:52 am