Uma pessoa ingere até 120 mil partículas de microplástico por ano

Os efeitos da ingestão e respiração destas partículas são ainda desconhecidos


Ambiente,MicroPlásticos,Poluição,Oceanos,Alimentos,Blog do Mesquita 01Plástico se acumula nos oceanos
Estudo canadense analisa dados sobre contaminação ambiental por microplástico e compara com hábitos alimentares. Impactos da ingestão de partículas para a saúde ainda são desconhecidos.

Um estudo divulgado nesta quarta-feira revelou que os humanos ingerem e respiram entre 74 mil e 121 mil partículas de microplástico por ano. Os efeitos para a saúde deste material ainda são desconhecidos.

Os microplásticos são partículas microscópicas de plástico que surgem das mais variadas fontes, como tecidos sintéticos, pneus de carro ou lentes de contato, devido à degradação no meio ambiente de produtos maiores ou pelo desprendimento de partículas de potes de alimentos e garrafas de água. É o material sintético mais onipresente do planeta.

Vários estudos já mostraram como os microplásticos podem entrar na cadeia alimentar humana. No ano passado, uma pesquisa revelou que esse material foi encontrado em quase todas as marcas de água engarrafada.

Para o estudo divulgado nesta quarta-feira, pesquisadores canadenses analisaram centenas de dados de contaminação por microplástico e compararam com a dieta típica de um americano. Os especialistas revisaram 26 estudos que avaliaram as quantidades de partículas deste polímero em mais de 3,5 mil amostras de peixes, mariscos, açúcar, sal, álcool, água, tanto em garrafa como da torneira, e ar.


Você leu?: Anvisa quer esconder que sua comida tem veneno


Os pesquisadores da universidade canadense British Columbia descobriram que os humanos ingerem entre 39 mil e 52 mil partículas de microplástico por ano, dependendo da idade e do sexo. Se for levada em conta a inalação devido à poluição do ar, esse número sobe para entre 74 mil e 121 mil – o equivalente a mais de 320 partículas por dia.

Aqueles que bebem apenas água engarrafada podem chegar a ingerir 90 mil partículas adicionais por ano em comparação com as 4 mil de quem consome somente água de torneira, acrescentou o estudo publicado na revista especializada Environmental Science and Technology.

Os autores ressaltam, no entanto, que esses números são estimados. A quantidade de plástico consumida por indivíduos depende em grande parte do local onde vivem e da dieta alimentar que seguem.

Os efeitos da ingestão e respiração destas partículas são ainda desconhecidos, segundo o estudo, mas alguns pedaços são os suficientemente pequenos para entrar nos tecidos humanos onde podem desencadear respostas autoimunes ou liberar substâncias tóxicas. Os pesquisadores destacam ainda que são necessárias novas pesquisas para conhecer os impactos do microplástico para a saúde.

“A maneira mais eficiente de reduzir o consumo de microplásticos é reduzindo a produção e o uso de plásticos”, conclui o estudo.

Com o descarte incorreto, boa parte deste material para nos oceanos. Microplásticos já foram encontrados inclusive em algumas das maiores geleiras do mundo. As pessoas acabam ingerindo este material inconscientemente.

CN/efe/afp/lusa

Postado na categoria: Alimentos, Crimes Ambientais, Fauna & Flora, Natureza, Oceanos, Poluição, Saúde - Palavras chave: , , , , , , , ,

Leia também:

Anvisa quer esconder que sua comida tem veneno
Anvisa quer esconder que sua comida tem veneno

Estamos comendo comida com veneno e isto não pode ser comemorado!

December 12, 2019, 12:03 pm
Empresas globais e investidores defendem a Moratória da Soja
Empresas globais e investidores defendem a Moratória da Soja

“Vivemos em um período de emergência climática, política antiambiental e escalada de violência do campo

December 11, 2019, 10:57 am
R$ 7 trilhões por ano: os estudos que tentam calcular quanto a Amazônia, em pé, rende ao Brasil
R$ 7 trilhões por ano: os estudos que tentam calcular quanto a Amazônia, em pé, rende ao Brasil

Seis milhões de brasileiros tiram sustento da floresta

November 25, 2019, 11:24 am