Alphonsus de Guimaraens Filho – Versos na tarde – 17/03/2015


Boca temporã
Alphonsus de Guimaraens Filho ¹

A boca temporã, nessa risada
matinal, descuidosa, a linda boca
fresca de céu, perdidamente louca
pelo desejo apenas esmagada…

Nela respira ingênua madrugada,
a carne azul dos campos mal dormidos,
rios, aguadas, vila despertada
pelos ventos do alto, comovidos…

Nessa boca que aos poucos madurando
se oferece na árvore travessa,
vejo dormir as frutas assustadas,

as frutas sumarentas despontando.
Agasalhar no colo essa cabeça,
depois sair sonhando nas estradas.

¹ Alphonsus de Guimaraens Filho
* Mariana, MG. – 3 de Junho de 1918 d.C

+ Rio de Janeiro, RJ. – 28 de Agosto de 2008 d.C


Você leu?: Manoel Caixa D’Água – Se as noites envelhecessem – Poesia



[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Fernando Pessoa - Poesia
Fernando Pessoa - Poesia

Nesta quieta solidão sem fim

November 30, 2019, 8:15 pm
René Descartes
René Descartes

Pensarei que o céu, o ar, a terra, as cores, as figuras, os sons, e

November 19, 2019, 7:38 pm
Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia
Ana Luísa Amaral - Pequenos mosaicos - Poesia

É agora - na pura ausência das coisas

November 15, 2019, 8:00 pm
Paulo Mendes Campos - Acorrentados - Literatura
Paulo Mendes Campos - Acorrentados - Literatura

Quem acorda de madrugada e estremece no desgosto de si mesmo ao lembrar que há muitos anos feriu a quem amava

December 10, 2019, 7:15 pm
Sêneca - O descontentamento consigo próprio
Sêneca - O descontentamento consigo próprio

O Descontentamento consigo próprio O caso é o mesmo em todos os vícios: quer seja o daqueles que são atormentados pela indolência e pelo tédio, sujeitos a contantes mudanças de...

December 11, 2019, 6:21 pm
Mauro Gouvêa - Poema do desespero
Mauro Gouvêa - Poema do desespero

...meu corpo oco, minha alma morta,só existe noite em meu dia.

December 11, 2019, 9:00 pm