Alphonsus de Guimaraens Filho – Versos na tarde – 17/03/2015


Boca temporã
Alphonsus de Guimaraens Filho ¹

A boca temporã, nessa risada
matinal, descuidosa, a linda boca
fresca de céu, perdidamente louca
pelo desejo apenas esmagada…

Nela respira ingênua madrugada,
a carne azul dos campos mal dormidos,
rios, aguadas, vila despertada
pelos ventos do alto, comovidos…

Nessa boca que aos poucos madurando
se oferece na árvore travessa,
vejo dormir as frutas assustadas,

as frutas sumarentas despontando.
Agasalhar no colo essa cabeça,
depois sair sonhando nas estradas.

¹ Alphonsus de Guimaraens Filho
* Mariana, MG. – 3 de Junho de 1918 d.C

+ Rio de Janeiro, RJ. – 28 de Agosto de 2008 d.C


Você leu?: Samuel Beckett – Instante – Poesia



[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Íbico - Fragmentos - Poesia
Íbico - Fragmentos - Poesia

Eros, novamente, sob as escuras

October 1, 2019, 6:40 pm
Rene Descartes - Inveja justa e injusta - Filosofia
Rene Descartes - Inveja justa e injusta - Filosofia

O que habitualmente é mais invejado é a glória

October 14, 2019, 7:06 pm
Lya Luft - Canção das mulheres - Poesia
Lya Luft - Canção das mulheres - Poesia

me tome nos braços sem fazer perguntas demais...

October 4, 2019, 7:00 pm
Cecília Meireles - O livro da solidão - Literatura
Cecília Meireles - O livro da solidão - Literatura

Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio

September 26, 2019, 6:00 pm
David Hume - Inveja e Proximidade
David Hume - Inveja e Proximidade

Não é a desproporção entre nós e os outros

October 20, 2019, 6:36 pm
Samuel Beckett - Instante - Poesia
Samuel Beckett - Instante - Poesia

Quando o ser só dura um instante

October 19, 2019, 7:40 pm