Literatura – O abecedário do misterioso Fernando Pessoa


Fernando Pessoa,Blog do Mesquita

Esse ano são lembrados os 131 anos de nascimento do escritor português Fernando Pessoa – e, por que não?, também de Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Bernardo Soares, seus famosos heterônimos, seus poetas inventados. Assim desdobrado em vários, Pessoa conseguiu confundir a relação entre autoria e personalidade, vida e obra, sentimento e expressão. Atento a essa complexa rede armada pelo poeta que, à medida que experimentava na escrita também buscava a própria voz, o pesquisador e crítico Fernando Cabral Martins organizou o Dicionário de Fernando Pessoa e do Modernismo Português, portentoso volume que a editora Leya lança.

São mais de 600 artigos reunidos escritos por estudiosos renomados (como a brasileira Leyla Perrone-Moisés e o americano Richard Zenith) em quase mil páginas que, a partir da obra do poeta, contextualizam aquele movimento literário em Portugal, que não apenas modificou as artes mas a sociedade como um todo.

O ponto de partida é a data da primeira aparição pública de Pessoa, 1912, e ruma até o ano de sua morte, 1935. Nesse período, ele se relacionou com ciência, alquimia, linguística e outras matérias.

O fruto dessa interação resultou em poesia, ficção, teatro, filosofia e teoria, que revelam a descoberta de obsessões que lhe marcaram toda a obra. E, por extensão, caracterizam com solidez o modernismo português. “Pessoa é que tornou o dicionário viável”, disse Cabral Martins, em entrevista à imprensa de Lisboa. “Não era possível fazer um dicionário coerente sobre um tema demasiado vasto. Seria como, por exemplo, fazer um dicionário sobre a verdade ou sobre o espírito humano.”

Amigo íntimo. Pessoa era um homem reservado, misterioso até. E, mesmo quando confessava isso em sua escrita, pouco revelava: “Não tenho amigos verdadeiramente íntimos, e mesmo que houvesse um amigo íntimo, como o mundo o entende, ainda assim não seria íntimo no sentido em que eu entendo a intimidade”, escreveu. “Um amigo íntimo é um dos meus ideais, um dos meus sonhos, mas um amigo íntimo é algo que nunca terei. Nenhum temperamento se adapta ao meu; não há um caráter neste mundo que dê o mais leve indício de se aproximar do que eu sonho num amigo íntimo.”


Você pode se interessar também sobre: Pablo Neruda – Frase do dia – 19/06/2015


Essa atmosfera de indefinição também marca boa parte da obra de Pessoa. No verbete “loucura” encontrado no dicionário, sua autora, Patrícia da Silva Cardoso, identifica esse conjunto de dúvidas como uma barreira cuja função “é sublinhar a distância que separa o gesto de olhar o mundo da intenção de compreendê-lo, de compreender a si próprio”.

Segundo ela, Pessoa via a loucura como um índice de singularidade e de superioridade. Ele distinguia, porém, a loucura positiva, criadora, da patológica, que serve apenas para a destruição. No livro Mensagem, por exemplo, as várias formas de loucura positiva orientam as ações dos homens que “ajudaram a inventar um país que foi e que voltará a ser senhor de si mesmo quando novamente houver aquela simbiose entre a coletividade e o grande louco”. É Dom Sebastião esse louco, o rei que, ao desaparecer aos 24 anos de idade, em 1578, carrega consigo na sua morte a tragédia da própria nação, que com ele termina caindo sob domínio da Espanha.

Mensagem foi escrito em sua fase mais transcendental. É seu único livro em língua portuguesa, composto durante um período de mais de 20 anos – entre 1913 e 1934. Nessa fase, Pessoa desenvolveu uma íntima relação com a astrologia, como mostra o verbete escrito por Paulo Cardoso. Segundo ele, o poeta via nos signos uma estrutura filosófica e um meio de autoconhecimento. Também era uma plataforma de apoio na planificação de sua própria obra: “Na segunda das três partes de Mensagem, ele agrupou 12 poemas que são, no seu conjunto, e exatamente com a mesma sequência, uma compilação das características simbólicas dos 12 signos do zodíaco.”

Dilemas. Figura complexa, criador de tantos “eus”, Fernando Pessoa construiu uma obra singular, baseada na própria individualidade, seus limites, enganos e dilemas. Também deixou poucas pistas sobre seus reais pensamentos. “Quando alguém afirma que Pessoa acreditava, convictamente, na astrologia, na Rosa-Cruz, na cabala, no cristianismo, no paganismo, no espiritismo ou em qualquer outro “ismo”, é porque não leu bem toda a sua obra”, disse Richard Zenith ao Estado em 2006, quando do lançamento de seu Escritos Autobiográficos, Automáticos e de Reflexão Pessoal (A Girafa).

“O poeta acreditava em cada uma destas doutrinas, e duvidava delas todas. E todas, por sua vez, eram formas de Pessoa duvidar da sua opção literária. Da mesma maneira que os heterônimos se contrapunham e contradiziam, assim acontecia com as crenças de Pessoa, e com as suas formas de entender e até de duvidar.”

Assim, apesar de volumoso e consistente, o dicionário coordenado por Fernando Cabral Martins oferece algumas das mais importantes perspectivas dessa trajetória excepcional. Nada, porém, de conclusões definitivas – afinal, como dizia o próprio poeta, “todas as frases do livro da vida, se lidas até ao fim, terminam numa interrogação”.

TRECHO

“Como Fernando Pessoa, é citadino e celibatário. Mantém à distância a sua noiva Felice pelas mesmas razões pelas quais Pessoa se afasta de…

…Ofélia: para realizar o seu destino de escritor. Dedica ao mundo exterior um interesse quase nulo, e sente a mesma dificuldade de viver. Atingidos por uma profunda insegurança ontológica, Kafka (foto) e Pessoa sabem ambos o que é a perda da identidade e de referências, naquela sociedade do princípio do século posta em desassossego pela Modernidade e pelo declínio dos valores metafísicos. À crise da Modernidade sobrepõe-se a crise existencial de um escritor dividido por várias línguas – Kafka está, pelo nascimento, no ponto de encontro de duas línguas, o alemão e o checo, e, depois, familiariza-se com o iídiche e o hebraico – sempre obcecado pelo olhar do outro.”

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Manoel de Barros - Versos na tarde

Poema Manoel de Barros ¹ O mundo meu é pequeno, Senhor. Tem um rio e um pouco de árvores. Nossa casa foi feita de costas para o rio. Formigas recortam...

April 17, 2011, 9:00 pm
Fellini - Frase do dia - 31/01/2015

"Aceita-me tal como eu sou. Só então poderemos descobrir-nos um ao outro." Federico Fellini

January 31, 2015, 10:02 am
Fernando Pessoa

Não Digas Nada! Fernando Pessoa Não digas nada! Nem mesmo a verdade Há tanta suavidade em nada se dizer E tudo se entender — Tudo metade De sentir e de...

September 22, 2018, 9:00 pm
José Tolentino de Mendonça - Versos na tarde - 13/01/2018

O fio de um cabelo José Tolentino Mendonça¹   Abandono a casa o horto o lugar à mesa o casaco de que gostava, sobre o leito dobrado esta verdade quase...

January 13, 2018, 9:00 pm
Miguel Serras Pereira - Versos na tarde - 22/03/2018

Talvez um barco Miguel Serras Pereira Podia dizer-to agora mesmo mas do silêncio já nada me separa ou só o tempo lento ainda de um momento uma palavra só sem...

March 22, 2018, 9:00 pm
Edilmar Leão - Versos na tarde - 20/11/2013

Sobrevivência Edilmar Leão¹ De uma pequena e singela semente Transformo-me em algo majestoso e belo Fornecendo, folhas, flores e frutos diversos Formando uma verdadeira aquarela Desenvolvo ramificações complexas Firmo-me profundamente...

November 20, 2013, 9:00 pm