Acusado de fazer xixi na rua, o réu recorre ao STF


Brasil: da série “só dói quando eu rio”.
Eis uma das inúmero casos de surrealismo na justiça brasileira, que é uma das principais causas da lentidão do judiciário.

Senso de humor, como se sabe, é aquele sentimento que faz você rir daquilo que o deixaria louco de raiva se acontecesse com você.

Do blog do Josias de Souza

Assim, melhor conter as gargalhadas diante do caso que se relatará a seguir. É coisa séria. Deu-se no Carnaval passado, na cidade mineira de Diamantina.

Júnio Cançado Dias pulava em meio a uma multidão estimada em 40 mil pessoas. Súbito, bateu-lhe uma vontade de urinar. Resolveu esvaziar a bexiga na rua, à vista de quem quisesse ver. A polícia pilhou-o, por assim dizer, com a mão na “botija.”


Você leu?: Amazônia; Esse é o alvo. Petrobrás é despiste.


Conduzido à delegacia local, foi autuado. Na seqüência, foi levado às barras dos tribunais pelo Ministério Público.

O crime? “Ato obsceno.” Coisa prevista no Código Penal, artigo 233. A denúncia foi devidamente recebida pela juíza da comarca local.

Julga daqui, recorre dali o xixi do cidadão Cançado Dias foi respingar, veja você, no STF.

Defensor de Cançado, Kilder Eustáquio de Araújo protocolou no Supremo um pedido de habeas corpus. Pede o cancelamento do processo. A petição chegou ao tribunal em 21 de julho. Lá se vão dez dias. E nada.

No intervalo de 48 horas, o STF livrou Daniel Dantas de duas estadias na cadeia. Cançado, porém, não está em cana.Talvez por isso ainda não tenha merecido o despacho redentor de um ministro do Suprema Corte. O advogado do incontinente argumenta em seu arrazoado que, em pleno Carnaval, só havia dois banheiros à disposição do público. Quantidade obviamente insuficiente para dar vazão às pulsões urinárias dos cerca de 40 mil foliões de Diamantina.

Bem verdade, admite o defensor de Cançado, que havia outros três sanitários. Mas ficavam fora do local onde se apresentavam as bandas de música.

O advogado arremata: “Concluiu-se que não foi dado nenhum amparo para a população local ou para os turistas que freqüentaram a cidade durante o Carnaval.”

A despeito disso, anota a peça de defesa, as vítimas da falta de estrutura de Diamantina são condenadas de “maneira absurda.”

Estima-se que cada ministro da mais alta corte do país receba anualmente um volume de 10.000 novos processos para julgar.

O fenômeno faz do STF o supremo retrato do caos do Judiciário brasileiro.

Uma imagem tragicamente acomodada sobre a mesa de cada um dos 11 ministros que integram o tribunal. Como se fosse pouco, o STF agora é chamado a decidir até sobre a urina que carnavalescos vertem nas quinas de meio-fio. Chega-se à constatação desoladora: para o sistema judicial do Brasil ficar bom, é preciso fazer outro.

Enquanto os especialistas buscam soluções, convém proibir a venda de cervejas e líquidos afins no Carnaval de rua.

Postado na categoria: Brasil - Palavras chave: , , , , , , ,

Leia também:

União Europeia adverte que acordo com Mercosul exige proteção de indígenas
União Europeia adverte que acordo com Mercosul exige proteção de indígenas

O aumento da tensão entre indígenas e garimpeiros

August 16, 2019, 11:20 am
Mineral brasileiro segue enriquecendo países
Mineral brasileiro segue enriquecendo países

Ouro que te quero ouro

August 16, 2019, 11:02 am
O Brasil de Jair Bolsonaro, um novo vilão ambiental para o planeta
O Brasil de Jair Bolsonaro, um novo vilão ambiental para o planeta

‘Mete a foice em todo mundo no Ibama. Não quero xiitas”

August 1, 2019, 6:00 pm
Brasil da série
Brasil da série "Só dói quando eu rio"

Questão só de peso e medida

August 12, 2019, 11:02 am
Amazônia; Esse é o alvo. Petrobrás é despiste.
Amazônia; Esse é o alvo. Petrobrás é despiste.

Garimpo se destaca como vetor do desmatamento

August 16, 2019, 11:00 am
Mudança climática ameaça produção de alimentos, alerta ONU
Mudança climática ameaça produção de alimentos, alerta ONU

Mudança climática ameaça produção de alimentos

August 8, 2019, 12:34 pm