A política ambiental do governo brasileiro é boa ou ruim para o clima?

Duas histórias; uma de sucesso e uma de fracasso


Política brasileira contra o aquecimento global mostra duas histórias – uma de sucesso e uma de fracasso

Plataforma marítima de extração de petróleo em Niterói, Rio de Janeiro (Foto: Buda Mendes/Getty Images)

No final do ano, represententes de todos os países se reunirão emParis para tentar fechar um acordo contra as mudanças climáticas. Cada país colocará na mesa de negociações sua proposta para impedir que a média de temperatura global aumente mais do que 2ºC.

O Brasil também deve apresentar propostas. Se você ouvir as falas do governo, terá certeza de que a posição do Brasil é muito mais positiva do que a de outros poluidores no mundo, como China e EUA. Se ouvir a posição da sociedade civil, saberá que o Brasil está fazendo menos do que China e EUA. Quem tem razão?

Um relatório publicado nesta semana pelo Observatório do Clima, uma rede de ONGs sobre a questão climática, mostra que a política ambiental brasileira conta duas histórias: uma de sucesso, com ocontrole do desmatamento da Amazônia, e outra de fracasso, com o aumento do uso de usinas termelétricas caras e poluidoras.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O estudo é uma análise das emissões de gases de efeito estufa no Brasil, entre os anos de 1970 e 2013. Essa análise, feita por um sistema chamado de SEEG, apresenta estimativas anuais, mas é uma análise extraoficial. Os dados oficiais são feitos pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, e os mais recentes vão até 2012. Apesar de extraoficiais, os números do SEEG são muito similares às estimativas trabalhadas pelo governo, com apenas pequenas mudanças de metodologia.

O gráfico abaixo conta a primeira história. Ele mostra as emissões totais de gases de efeito estufa do Brasil desde 1990. Os números mostram uma queda até maior do que as propostas por outros países. Por exemplo, se fizermos como a Europa e compararmos com o ano de 1990, as emissões do Brasil caíram 15%. Se fizermos como os EUA e compararmos com 2005, as emissões brasileiras caíram quase pela metade. Tudo isso graças à forte redução no desmatamento da Amazônia entre 2004 e 2009.


Você leu?: Patanal em fogo – araras-azuis e outros animais sob risco de extinção


Gráfico de evolução das emissões de gases de efeito estufa do Brasil (Foto: SEEG/OC)

O próximo gráfico conta a outra história. Se tirarmos o desmatamento para observar melhor os demais setores, percebemos que todos eles aumentaram as emissões continuamente. O setor de energia, por exemplo, aumentou 103% suas emissões desde 1990. Indústria aumentou 93%, resíduos sólidos, 68% e o setor agropecuário, 46%. Basicamente nada foi feito para conter emissões nesses setores. Para piorar, políticas econômicas recentes do governo, como a redução de impostos para a compra de carros, o controle artificial do preço do petróleo e o acionamento das usinas termelétricas no período de seca lançaram ainda mais poluição na atmosfera.

Gráfico de evolução das emissões de gases de efeito estufa do Brasil sem considerar desmatamento (Foto: SEEG/OC)

Se há duas histórias, e as duas são verdadeiras, qual devemos considerar para as políticas futuras? “Estamos comparando omuito com o suficiente“, diz Tasso Azevedo, o coordenador do estudo. “O Brasil fez muito ao reduzir o desmatamento, mas isso ainda não é o suficiente.” Segundo ele, toda a redução do desmatamento da Amazônia apenas fez com que o Brasil voltasse ao mesmo patamar da média global, e é hora de ser mais ousado nas propostas sobre o clima. “É importante faturar sobre o que já foi feito, mas isso não pode ser usado como cortina de fumaça para não fazer mais nada.”

O relatório apresenta uma série de medidas que o Brasil poderia adotar para reduzir suas emissões. São propostas como zerar o desmatamento da Amazônia, investir em fontes renováveis euniversalizar o tratamento de resíduos sólidos. Segundo Azevedo, essas medidas não exigem sacrifício. “São coisas que fazem sentido sem considerar emissões ou mudanças climáticas. Trazem benefícios para a saúde das pessoas, para a economia”, diz.

O governo brasileiro ainda não apresentou sua proposta oficial nas Nações Unidas para a Conferência de Paris. Até o momento, 26 países já protocolaram suas metas, incluindo grandes poluidores como União Europeia, Estados Unidos e China.
Bruno Calixto/Época

Postado na categoria: Ambiente & Ecologia, Brasil, Leis - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Emergência climática. 11 mil cientistas alertam para “sofrimento incalculável”
Emergência climática. 11 mil cientistas alertam para “sofrimento incalculável”

As alterações climáticas já chegaram e estão a evoluir. A crise climática é mais grave do que se antecipava e ameaça ecossistemas naturais e o futuro da humanidade.

November 8, 2019, 12:12 pm
Estas imagens vão fazer você repensar o meio ambiente
Estas imagens vão fazer você repensar o meio ambiente

Por mais que educação sustentável esteja em pauta

November 8, 2019, 12:50 pm
Patanal em fogo - araras-azuis e outros animais sob risco de extinção
Patanal em fogo - araras-azuis e outros animais sob risco de extinção

O drama das araras-azuis e outros animais sob risco de extinção e acuados pelo fogo no Pantanal

November 12, 2019, 11:40 am
Marinha diz que óleo no Nordeste pode ter origem em navio irregular
Marinha diz que óleo no Nordeste pode ter origem em navio irregular

A investigação inicial lidava com cerca de mil embarcações

October 23, 2019, 12:46 pm
Governo tem que provar que pode lidar com o óleo nas praias do nordeste
Governo tem que provar que pode lidar com o óleo nas praias do nordeste

Esta falta de transparência é sentida

October 25, 2019, 11:30 am
O que se descobriu até agora sobre o óleo no Nordeste
O que se descobriu até agora sobre o óleo no Nordeste

Enquanto o petróleo avança pelo litoral brasileiro

November 2, 2019, 1:00 pm